Diagnóstico das Principais Doenças Bacterianas na ... ?· Virais - Bacterianas - Parasitárias - Fungicas.…

Download Diagnóstico das Principais Doenças Bacterianas na ... ?· Virais - Bacterianas - Parasitárias - Fungicas.…

Post on 13-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Diagnstico das Principais Doenas Diagnstico das Principais Doenas Bacterianas na Carcinicultura Marinha Bacterianas na Carcinicultura Marinha

*Vibriose e NHP**Vibriose e NHP*Preveno e TratamentosPreveno e Tratamentos

Leonardo CericatoMdico Veterinrio

Coordenador Territorial Aquicultura

Aspectos sanitrios geraisAspectos sanitrios gerais

2

Aspectos sanitrios geraisAspectos sanitrios gerais

Todos os animais, sejam eles terrestres ou aquticos so susceptveisa diferentes enfermidades.

A alta densidade de animais junto as criaes intensivas favorecem oaparecimento e a rpida disseminao das doenas, levando agrandes mortalidades e conseqentemente a grandes prejuzos

3

grandes mortalidades e conseqentemente a grandes prejuzoseconmicos.

Na carcinicultura, as condies ambientais (variao dos padresfsico/qumico) so os fatores de maior influencia sobre oaparecimento e disseminao das doenas de forma geral.

Virais - Bacterianas - Parasitrias - Fungicas

ESTADOESTADO

FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUSCEPTIBILIDADE DOS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUSCEPTIBILIDADE DOS ORGANISMOS AQUTICOS CRIADOS EM CATIVEIRO S ORGANISMOS AQUTICOS CRIADOS EM CATIVEIRO S

DIFERENTES ENFERMIDADES INFECCIOSASDIFERENTES ENFERMIDADES INFECCIOSAS

ESTADO FISIOLGICO(IDADE DO ANIMAL)

ESPCIE MANEJO

4

ESTADOESTADODEDE

SADESADE

PATGENO

IMUNIDADE

TEMPERATURA+

CARGA ORGNICA

NUTRIO

QUALIDADE DE GUA

Enfermidades dos animais aquticos

Popularizao da atividade;

Concentrao de propriedades em plos produtores;

Intensificao dos sistemas de produo;

5

Condies favorveis para o surgimento

e disseminao de doenas de impacto econmico

As criaes animais e o mercado veterinrioAs criaes animais e o mercado veterinrio

Pecuria

Suinocultura

Avicultura Alta produtividade

Estresse de cativeiro

Desafio frente enfermidades

6

antiinflamatrios, vacinas, antibiticos, antiparasitrios, anestsicos,promotores de crescimento, hormnios reprodutivos

Produtos veterinrios especficos !!

enfermidades

CenCenrio atualrio atual

Produtos adaptados (off label use);

Falta de respaldo tcnico no uso (dose, perodo de carncia);

Falta de assistncia tcnica;

Baixa eficcia (produto no especfico);

Impacto ambiental;

Somente tratamentos curativos.

7

Possveis conseqncias

Risco para consumidores;

Riscos ambientais;

Queda de qualidade do pescado brasileiro;

Barreiras comerciais.

Principais doenas bacterianasPrincipais doenas bacterianas

8

NHPHepatopancreatite Necrosante

9

Covarrubias, 2005

O que o agente causador da Hepatopancreatite Necrosante O que o agente causador da Hepatopancreatite Necrosante -- NHPNHP ?

Primeiros relatos: Texas, onde ocorreram mortalidades entre 20-95% (FRELIER et al., 1992; LOY et al., 1996),

NHP uma doena de carater infecciosa causadora de perdas significativas

na carcinicultura marinha, podendo se expressar na formas crnica e/ou aguda.

10

Agente causador: -proteobacteria, do tipo Rickettisia, Gram negativa e intracelular;

Patogenia replicao intracelular/destruio celular;

Isolamento cultivo celular.

Formas de expresso da NHP:Formas de expresso da NHP:

Aguda: Reduo do consumo do alimento oferecido, at chegar ao ponto de deixar

de comer por completo;

Observao de camares moribundos nas margens dos viveiros;

Animais moribundos:

- Colorao plida dos animais

11

- Colorao plida dos animais

- Brnquias amareladas

- Hepatopncreas atrofiado

- Alta mortalidade

Crnica: Hepatopncreas atrofiado

Baixa mortalidade

Porque esta infeco to importante ?Porque esta infeco to importante ?

Porque esta bactria s se reproduz no hepatopncreas !!Clulas E, R, F e B

R acumulam lipdeos e glicognio. B digesto, acmulo de nutrientes e transporte de

alimentos digeridos.

12

Portanto, os primeiros sinais clnicos so:

Anorexia com intestino vazio;Corpo flcidos e amolecido;Letargia (camares fracos);Atrofia do hepatopncreas.

Que curso segue esta enfermidade ?Que curso segue esta enfermidade ?

Fase 1: (16-23 dia) Disperso dos tbulos do HP; com grupos de clulas do HP contendoacumulo bacteriano intracitoplasmtico.

A infeco por NHP pode ser dividida em trs fases de acordo com curso da infeco

13

Fase 2: (23-37dia) Tbulos do HP hipertrficos e enrugados, poucos tbulos necrticos;

Fase 3: (37-51dia) Numerosos tbulos necrticos, fibroses, melanizao e reduo ntida delipdeos do HP.

Grfico apresentando diferentes concentraes da bactria no HP e

na fezes de acordo com as diferentes fases:

14

15

16

Fonte: (MORALES-COVARRUBIAS, 2004)

Quais fatores de risco que predispem os camares a esta infeco ?Quais fatores de risco que predispem os camares a esta infeco ?

Salinidades acima de 20 ppm;

Temperaturas acima de 29 - 30C por perodos de 45 50 dias;

Camares juvenis / adultos.

A infeco dependente de temperatura, salinidade e status de sade !!

17

Alguns reportes demonstram taxas de mortalidades que variam de 20 a 80%.

Qual porcentagem da populao pode ser afetada pela NHP nas criaes ?

Experimentalmente tem se comprovado que a transmisso mais importante da doena ocorre principalmente atravs do canibalismo.

Suspeita-se que o canibalismo de animais infectados exacerba a infeco em at 3semanas.

Como se transmite a doena ?Como se transmite a doena ?

18

Algumas espcies de caranguejos e coppodes so considerados como reservatrios para bactria causadora de NHP,

Como se diagnostica o NHP ?Como se diagnostica o NHP ?

O diagnstico comumente utilizado so:

Avaliaes a fresco do HP (grau de evoluo da doena; atrofia do HP; estrangulamento dos tblos; reserva lipdica O)

Tcnicas de PCR

Histopatologia

19

Shinozaki, 2006

Grau severidade

Tbulos atrofiados campo (200X)

Achados clnicos. Microscopia (600X)

0 Nenhum Sem sinais de infeco e ou leses

1 1-5 Baixa infeco

Infeco moderada

20

2 6-10

Infeco moderada

3 11-20

Infeco moderada a severa

4 > 20

Infeco severa

Quando e como tratar ?Quando e como tratar ?

Realizar diagnstico rotineiro de NHP por anlise a fresco;

Selecionar 30 animais em 4 diferentes pontos dos viveiros de engorda;

Comear tratamento quando prevalncia estiver entre 5 -10%;

21

Antibioticoterapia oral.

Produtos especficos para Aquicultura

e respaldo tcnico para uso de antimicrobianos !!!

22

Trabalhos com infeco experimental em condies controladas demonstraram aeficcia e suportam tecnicamente o uso do antimicrobiano Aquaflor* da MSD SadeAnimal.Dra Maria Soledad Canavarrubias (CIAD Mxico).

VibrioseVibriose

23

Shinozaki, 2006

O que a Vibriose e qual a seu agente desencadeador ?

A vibriose considerada uma doena infecciosa de origem bacterianacausadora de perdas significativas na carcinicultura,

seja no estgios de larvas, juvenis e/ou adultos.

24

Bactrias gram negativas do gnero Vibrio (> 20 espcies);

Bactrias oportunistas que encontram-se normalmente nos ambientes de cultivo e desencadeam a infeco quando associadas a condies favorveis.

Vibriose

Espcies frequentemente isoladas de camares doentes:

- V. harveyii

- V. pahaemolyticus

- V. anguillarum

25

- V. anguillarum

- V. vulnificus

- V. campbelli

- V. alginolyticus Leano et. al., (1998)

Porque esta infeco to importante ?Porque esta infeco to importante ?

Patogenia/evoluo da enfermidade

Porque so bactrias normalmente presentes nos ambientes de cultivo e podem desencadear enfermidades em

qualquer estgio da criao, trazendo grandes prejuzos econmicos !!

26

Infeces seguem um padro similar:

Bactria coberta por fmbrias;

Colonizao das vias digestivas;

Competio pelas reservas de Fe do hospedeiro;

Secreo de toxinas (exoproteases);

Destruio da parede celular TGI;

Septicemia em HP e hemolinfa.

Quais fatores de risco predispem os camares a esta infeco ?Quais fatores de risco predispem os camares a esta infeco ?

Excesso de matria orgnica associada a queda de oxignio;

Mudanas de salinidade (pluviosidade);

A transmisso da enfermidade ocorre diretamente pela gua ou pela ingesto de animais

moribundos;

27

DEPENDE!!! - pode variar de acordo com as condies ambientais encontradas e

do estado de sade dos animais.

Qual porcentagem da populao pode ser afetada pelas Vibrioses nas criaes ?

SintomasSintomas

Larvicultura (microscpio)

Diminuio da atividade alimentar;

Hepatopncreas cinzento e necrtico;

Atividade peristltica prejudicada;

Ausncia de filamentos fecais;

Atraso processos de muda das PLs;

Engorda

Natao desorientada junto as margens dos

viveiros;

Falta de apetite e sobra de rao;

Leses negras junto a carapaa;

Opacidade em musculatura;

Colorao avermelhada do corpo e dos apndices

dos camares;

28

Atraso processos de muda das PLs;

Reduo de sobrevivncia.

dos camares;

Hemolinfa turva com tempo de coagulao de

alterados.

Lightner (1997)

Como prevenir a vibriose?Como prevenir a vibriose?

Bom preparo do solo dos viveiros (oxidao de mat. orgnica, correo de pH);

Boas prticas de manejo (monitoramento dos animais, limpeza e desinfeco de equipamentos / instalaes);

Monitoramento de qualidade de gua (trocas de gua);

29

Bom manejo de fertilizao (algas e zooplncton);

Uso de alimentos funcionais (suplementao alimentar);

Uso de alimentos artificiais de boa qualidade e quantidades adequadas;

Como diagnosticar a Vibriose ?

Diagnstico presuntivo (anlises a fresco) + sintomatologias clnicas

Isolamento e diagnstico definitivo:

Realizado de amostras de gua das criaes assim como, da hemolinfa ou de tecidos de

camares doentes.

Incubadas a 35-37 C por 18-24 horas em Agar TCBS;

30

Incubadas a 35-37 C por 18-24 horas em Agar TCBS;

Caracterizao e identificao das espcies.

- Histopatologia

Shinozaki, 2006

Sacarose negativa Sacarose positiva

Quando e como tratar ?Quando e como tratar ?

Realizar diagnstico rotineiro para Vibriose (presuntivo e laboratorial);

Diagnstico positivo, drogas corretas; dose e tempo de tratamento adequados;

Doena bacteriana: antibioticoterapia oral.

31

Produtos especficos para Aquicultura e respaldo

tcnico para uso de antimicrobianos !!

32

33

O que defendemos Excelncia na inovao

cientfica e no atendimento sade, com nfase na

soluo de necessidades mdicas no atendidas

Foco nas necessidades dos pacientes e previso de

Nossa Viso

Fazemos diferena na vida

das pessoas de todo o

mundo por meio de nossos

medicamentos, vacinas e

produtos de consumo e de

sade animal inovadores.

Desejamos ser a melhor

Nossa Misso

Fornecer produtos e

servios inovadores e

significativos que salvam

e melhoram a vida das

pessoas e satisfaam as

necessidades dos

clientes; desejamos ser

Sobre a MSD

34

pacientes e previso de

necessidades de todos os clientes

Compromisso com a expanso do acesso a

nossos medicamentos e vacinas e com o

aperfeioamento da sade global

Desejamos ser a melhor

companhia do mundo em

atendimento sade e nos

dedicamos a fornecer

inovaes e solues de

vanguarda para o futuro

clientes; desejamos ser

reconhecidos como um

excelente local de

trabalho e nos

esforamos para oferecer

aos investidores uma

taxa de retorno superior

Especificidades da Sade Animal

Ruminantes Bovinos , de longe, a maior espcie ndia o maior produtor de leite no

mundo

Aves Frangos, matrizes e poedeiras Sade principalmente orientada

economicamente

Sunos Reprodutores e de engorda

Lder no segmento de Ovinos

Lder no segmento de Aves

Lder no segmento de Gado

Lder no segmento de Sunos

Lder no segmento de Espcies

MSD Sade Animal

35

Reprodutores e de engorda Crescimento no segmento de vacinas

respiratrias

Animais de Companhia Ces, gatos e cavalos Segmento de maior crescimento nos

ltimos 15 anos

Espcies Aquticas Indstria emergente, rpido

crescimento Doenas variam com a temperatura

da gua

Lder no segmento de Espcies Aquticas

4 no segmento de Animais de Companhia

Produtos e ServiosProdutos e Servios

Eficientes, fcil uso

Mtodo de escolha para vacinao de alevinos

Proteo prolongada com mnimos efeitos colaterais

Mono ou multivalente

Antimicrobianos especficos para uso aqucola

Segurana e eficcia (peixes)

Antiparasitrio especfico para uso aqucola

Alta segurana e eficcia

36

Mono ou multivalente

nicas vacinas com sistema de proteo do antgeno (AVP)

Fcil adimnistrao

Suplemento alimentar natural a base de macroalgas marinhas

Incremento das defesas naturais dos hospedeiros

Alta segurana e eficcia (Crustceos Sea lice)

Experiente equipe tcnica na rea de salmes, trutas, peixes marinhos, tilapia e camares.

Suporte tcnico diferenciado programas de gerenciamento.

Aquaflor* 50% Premix

Princpio ativo eficaz (florfenicol);

Eficcia in vivo e in vitro.;

Dose e tempo de tratamento;

Palatabilidade;

Primeiro antibitico registrado para aquicultura no Brasil !!

Caractersticas desejveis:

37

Palatabilidade;

Premix e formulao especfica

Rpida degradao ambiental;

Estabilidade extruso e peletizao;

Perodo de retirada !!

10 dias consecutivos de medicao !!!

20mg / Kg - - - 1kg Aquaflor - - - 5 ton. camaro

30mg / Kg - - - 1Kg Aquaflor - - - 3.3 ton. camaro

Taxa de Alimentao(% peso corporal)

Aquaflor/Ton de rao(Kg do produto comercial)

Aquaflor por saco

de 25 kg de rao

38

(% peso corporal) (Kg do produto comercial) de 25 kg de rao

0,5 % 4,0 100 gr

1,0 % 2,0 50 gr

2,0 % 1,0 25 gr

3,0 % 0,66 17 gr

5,0 % 0,40 10 gr

39

40

Consideraes finais

Produtividade X Enfermidades

Importncia do uso de produtos especficos

Segurana alimentar

Problemas ambientais

41

Assistncia tcnica especializada

Muito Obrigado !!!

42

Leonardo CericatoCoordenador Tcnico Aqicultura - MSD Sade Animal

E-mail: leonardo.cericato@merck.comCel: (85) 9969-0516

M&M distribuidor AquavitaFone: 83 9924-8666