desonera§£o da folha de pagamento entendendo seus .26/11/2015 8 desonera†ƒo...

Download Desonera§£o da FOLHA DE PAGAMENTO Entendendo seus .26/11/2015 8 DESONERA‡ƒO Parcela desonerada

Post on 12-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 26/11/2015

    1

    Desonerao da

    FOLHA DE PAGAMENTO

    Entendendo seus efeitos

    Introduo - Normas

  • 26/11/2015

    2

    Introduo - Normas

    MEDIDA PROVISRIA N 540, DE 02 DE AGOSTO 2011

    LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela

    Lei 12.715/2013

    MEDIDA PROVISRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012

    (vigncia encerrada no dia 3 de junho de 2013)

    MEDIDA PROVISRIA N. 612, DE 04 DE ABRIL DE 2013

    LEI N. 12.844, DE 19 DE JULHO DE 2013

    MEDIDA PROVISRIA N. 634, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013

    INSTRUO NORMATIVA RFB N. 1.436, DE 30 DE DEZEMBRO

    DE 2013

    Fundamentao Legal

    Art. 195:

    9 As contribuies sociais previstas no inciso I do caput

    deste artigo podero ter alquotas ou bases de clculo

    diferenciadas, em razo da atividade econmica, da

    utilizao intensiva de mo-de-obra, do porte da empresa

    ou da condio estrutural do mercado de trabalho.

    12. A lei definir os setores de atividade econmica para

    os quais as contribuies incidentes na forma dos incisos I,

    b; e IV do caput, sero no-cumulativas.

    Fundamentao Legal

    LEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12546.docxLEI 12844 - 2013.docxInstruo Normativa RFB N 1436 - 2013.docx

  • 26/11/2015

    3

    Fundamentao Legal

    Fundamentao Legal

    Fundamentao Legal

  • 26/11/2015

    4

    DESONERAO

    CONTRIBUIO SUBSTITUTIVA

    LEI N 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

    Art. 7 - At 31 de dezembro de 2014, contribuiro sobre

    o valor da receita bruta, excludas as vendas canceladas

    e os descontos incondicionais concedidos, em

    substituio s contribuies previstas nos incisos I e III

    do art.22 da Lei n. 8.212/91, alquota de 2% (dois por

    cento).

    Redao dada pela Lei n 12.715

    Decreto n 7.828/2012

    Direitos Sociais

    CARTEIRA DE TRABALHO

    JORNADA DE TRABALHO E HORA EXTRA

    13 SALRIO

    FRIAS REMUNERADAS

    FGTS

    SEGURO-DESEMPREGO

    VALE-TRANSPORTE

    ABONO SALARIAL

    ALIMENTAO E ASSISTNCIA MDICA

    LICENA MATERNIDADE

    FALTAS JUSTIFICADAS

    ADICIONAL NOTURNO

    AVISO PRVIO

    A carga tributria sobre a contratao de mo-de-obra

    no Brasil a 6 maior em um conjunto de 176 pases.

    Carga Tributria

    Art 7, caput.docxArt 7, caput.docxArt 7, caput.docxArt 7, caput.docxArt 7, caput.docxArt 7, caput.docx

  • 26/11/2015

    5

    MAS PORQUE OS ENCARGOS SOCIAIS

    SO EQUIVALENTES A 104% DOS SALRIOS?

    Questionamentos

    Consideraes

    As obrigaes incidentes sobre o salrio nominal do

    empregado vm apresentando, a cada ano, modificaes

    que resultam, muitas vezes em maior nus para as

    empresas, sem a contrapartida em satisfao para o

    empregado.

    Por fora da legislao, dissdios e acordos coletivos

    surgem novas obrigaes gerando impactos na folha de

    pagamento das empresas, muitas vezes, tornando

    insuportvel a gesto empresarial.

    Resultados esperados:

    Gerao de mais empregos;

    Formalizao do mercado de trabalho (pejotizao);

    Aumento da competitividade das exportaes

    globalizao - Mercosul;

    Maiores dvidas:

    No h consenso entre os especialistas quanto aos

    efeitos desejados

    O que gera emprego o crescimento econmico

    (Consumo e Investimento)

    Desonerar a folha

  • 26/11/2015

    6

    A folha de salrios tem maior estabilidade em

    comparao com outras bases de incidncia, tais

    como o valor adicionado, o lucro ou o faturamento,

    pois sua sensibilidade em relao a alteraes da

    produo tende a ser menor;

    A incidncia sobre a folha permite uma fiscalizao

    mais fcil e eficaz do que sobre outras bases;

    A folha de salrios permite uma melhor percepo

    por parte dos contribuintes quanto aos custos do

    sistema.

    Vantagens

    Aumento do custo de gerao de empregos formais;

    Estmulo s contrataes ilegais, na

    informalidade;

    Penalizao das empresas intensivas de mo-de-

    obra, vis--vis as empresas intensivas em capital.

    Desvantagens

  • 26/11/2015

    7

    Evoluo Histrica

    MP 540

    08/11

    Lei

    12.546/11

    03 Leis

    05 Medidas

    Provisrias

    02 Decretos

    15 Instrues

    Normativas

    70 Solues

    de Consultas

    Decreto

    7.708/2012,

    Lei 12.715/12

    MP 563/2012

    Decreto

    7.728/12

    Lei 12.794/13

    MP 612/2013

    Evoluo Histrica

    Evoluo Histrica

  • 26/11/2015

    8

    DESONERAO

    Parcela desonerada contribuies previdencirias de

    20% sobre o total da folha de pagamento de empregados,

    avulsos e contribuintes individuais.

    As empresas continuam sujeitas ao cumprimento das

    demais obrigaes previstas na legislao previdenciria

    (recolhimento da parcela do empregado, contribuio para

    terceiros, alquotas SAT/RAT, etc.).

    Alquota contribuio ser de alquota de 2% sobre o

    valor da receita bruta, (art. 7o, caput, da Lei 12.546/2011).

    SETORES DESONERADOS

    OBRIGATORIEDADE

    De acordo com o Decreto n 7.828/2012, artigo 4,

    a substituio previdenciria tm carter

    impositivo aos contribuintes que exeram as

    atividades estabelecidas na Lei

    IN RFB n. 1436/2013, art. 1 As contribuies

    previdencirias das empresas que desenvolvem as

    atividades relacionadas incidiro obrigatoriamente

    sobre o valor da receita bruta

    Art. 7, IV da Lei n. 12546 art. 13 da Lei n 12.844/2013

    CONSTRUO CIVIL:

    CNAE 2.0

    412 - CONSTRUO DE EDIFCIOS

    432 - INSTALAES ELTRICAS, HIDRULICAS E

    OUTRAS INSTALAES EM CONSTRUES

    433 - OBRAS DE ACABAMENTO

    439 - OUTROS SERVIOS ESPECIALIZADOS PARA

    CONSTRUO

    A partir de 1.04.2013 at 31.05.2013 MP 601

    A partir de 1.11.2013 1 dia do 4 ms subsequente

    publicao da Lei 12.844/2013 (19.07.2013)

    Vigncia: art. 49, Lei 12.844

    SETORES DESONERADOS

    Ar 7, IV.docxAr 7, IV.docxAr 7, IV.docxAr 7, IV.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docxVigncia.docx

  • 26/11/2015

    9

    Art. 7, VII da Lei n. 12.546 Art. 13 da Lei n

    12.844/2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA

    CNAE 2.0

    421 - CONSTRUO DE RODOVIAS, FERROVIAS,

    OBRAS URBANAS E OBRAS-DE-ARTE ESPECIAIS

    422 - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA PARA

    ENERGIA ELTRICA, TELECOMUNICAES, GUA,

    ESGOTO E TRANSPORTE POR DUTOS

    429 - CONSTRUO DE OUTRAS OBRAS DE

    INFRA-ESTRUTURA

    431 - DEMOLIO E PREPARAO DO TERRENO

    Desonerao obrigatria a partir de 01.01.2014

    SETORES DESONERADOS

    INCORPORAO IMOBILIRIA CNAE 4110-7/00

    NO DESONERADO

    Nos casos de empresas que tem receita de

    INCORPORAO e de CONSTRUO:

    Nos termos dos 9 e 10, dever ser considerado

    "..apenas o CNAE relativo a sua atividade

    principal, assim considerada aquela de maior receita

    auferida ou esperada, no lhes sendo aplicado o

    disposto no 1.

    Confirmando o entendimento, o 10, diz que "...ser

    a receita bruta da empresa relativa a todas as suas

    atividades".

    SETORES DESONERADOS

    VIGNCIA

    MATRCULA CEI vigncia

    Art. 7, 9, da Lei 12.546/2011 e IN

    1436/2013, ART. 13

    Aplicam-se s empresas de construo civil,

    enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439

    da CNAE 2.0, responsveis pela matrcula

    da obra, as seguintes regras para fins de

    recolhimento:

    Ar 7, VII.docxAr 7, VII.docxAr 7, VII.docxAr 7, VII.docxAr 7, VII.docxAr 7, VII.docxAr 7, VII.docxAr 7, VII.docxIncorporao CNAE .docxIncorporao CNAE .docxIncorporao CNAE .docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx 9.docx

  • 26/11/2015

    10

    CONSTRUO CIVIL CNAE 412, 432, 433, 439

    REGRAS DE TRANSIO ABERTURA DO CEI

    Art. 7, 9, da Lei 12.546/2011 e Art. 13 da IN n.

    1436/2013

    ABERTURA DO CEI TIPO DE

    CONTRIBUIO

    PRAZO PARA

    CUMPRIMENTO

    DAS REGRAS

    At 31/03/2013 20% sobre a folha At o trmino da obra

    De 01/04/13 at

    31/05/2013

    2% da receita bruta At o trmino da obra

    De 01/06/13 at

    31/10/13

    20% sobre a folha

    ou

    2% da receita bruta

    At o trmino da obra

    A partir de 01/11/13 2% da receita bruta At o trmino da obra

    VIGNCIA

    Art. 16 da IN 1436/2013:

    O disposto no art. 13 no se aplica s

    empresas de construo de obras de

    infraestrutura, enquadradas nos grupos

    421, 422, 429 e 431 da CNAE 2.2

    Desonerao obrigatria a partir de

    1.01.2014 at 31.12.2014

    Vigncia art. 49, Lei 12.844 e art. 9, IV,

    b da IN 1436/2013

    VIGNCIA

    Setores abrangidos . . .

    9.docx 9.docx 9.docx 9.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxIN RFB 1436 ARTS 13 E 16.docxVigncia.docx

  • 26/11/2015

    11

    Percentual sobre o faturamento bruto em