desnutri§£o energ©tico-prot©ica na crian§a

Download Desnutri§£o Energ©tico-Prot©ica  na Crian§a

Post on 01-Jan-2016

28 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Desnutrição Energético-Protéica na Criança. Luiz Alberto de Sousa Cunha Machado Pedro Carvalho Brandão Saulo Ribeiro Cunha Orientadores: Dr. Paulo Roberto Margotto Dra. Sueli Falcão. Definição:. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

  • Desnutrio Energtico-Protica na Criana Luiz Alberto de Sousa Cunha MachadoPedro Carvalho BrandoSaulo Ribeiro Cunha

    Orientadores: Dr. Paulo Roberto Margotto Dra. Sueli Falco

  • Definio:OMS (1973): Gama de condies patolgicas com deficincia simultnea de protenas e calorias em diversas propores, geralmente associada a baixa idade e comumente acompanhada de infeces.

    - Primria: Dficit de ingesto- Secundria: Dficit de aproveitamento

  • Epidemiologia:- A OMS estima que 1/3 das crianas do mundo sofrem de desnutrio e que a metade de todas as mortes est relacionada desnutrio. - No Brasil, apesar da contnua reduo da prevalncia da desnutrio infantil e da taxa de mortalidade infantil, estes problemas continuam sendo prioridade na agenda do setor sade.

  • - O Ministrio da Sade (MS) detectou que, nos ltimos dez anos, houve uma reduo de cerca de 30% na prevalncia da desnutrio no Brasil, sendo a maior nas reas urbanas. O indicador peso/altura, mostra a prevalncia da desnutrio nos primeiros 6 meses de vida em 0,4%, mas com um incremento de 6 vezes (2,5%), entre as crianas de 6 a 11 meses, indicando a necessidade de priorizar o aleitamento materno e a orientao alimentar complementar ao seio at os 2 anos de idade.

    -

  • Etiologia:

  • Fisiopatologia:- A baixa ingesto calrica condiciona adaptaes desnutrio: diminuio da atividade fsica, estagnao do crescimento(peso e altura), depleo protica e liplise.- Continuando o processo adaptativo, as anormalidades bioqumicas e manifestaes clnicas comeam a intensificar- se, podendo surgir as formas graves da desnutrio: Marasmo, Kwashiorkor e suas manifestaes intermedirias.

  • Classificao:A desnutrio pode ser classificada quanto intensidade (leve, moderada e grave), durao (aguda e crnica) e tipo (Marasmo, Kwashiorkor e manifestaes intermedirias).

    - Existem vrias classificaes, as principais so a de Gomez e a de Waterlow.

  • Classificao de Gomez:

    Originada em 1956, tem por base um estudo com crianas desnutridas internadas. Inicialmente foi utilizada a curva de Boston e, posteriormente, cada regio passou a adotar o padro de referncia que fosse mais adequado sua condio.O percentil 50 considerado como 100% do peso para a idade. - utilizada para crianas de at 2 anos.

  • A criana considerada normal, quando seu peso para a idade for superior a 91% desse padro adotado.Desnutridos: . Grau 1- 76 a 90% do padro (leve) . Grau 2- 61 a 75% (moderado) . Grau 3- inferior a 60% (grave)

  • Vantagem: homogeneza universalmente os diversos graus de desnutrio em diferentes regies.- Desvantagens: no diferencia crnica de aguda, no diagnostica crianas com dficits de peso devido a problemas de crescimento no- nutricionais. Crianas que caem entre os percentis 3 a 20% podem estar normais e serem diagnosticadas como desnutridas.

  • Classificao de Waterlow:

    - Proposta em 1973, considera as relaes E/I e P/E aplicando-se s crianas maiores de 2 anos de idade.-Em nosso meio, utiliza-se a classificao de Waterlow modificada por Batista.Eutrfico: E/I superior a 95% e P/E superior a 90% do p50 do padro de referncia.- Utiliza as curvas do NCHS.

  • - Desnutrido atual ou agudo: E/I superior a 95% e P/E inferior ou igual a 90% do p50 do padro de referncia.- Desnutrido crnico: E/I inferior ou igual a 95% e P/E inferior ou igual a 90% do p50 do padro de referncia.- Desnutrido pregresso: E/I inferior ou igual a 95% e P/E superior a 90% do p50 do padro de referncia.

  • ndices Antropomtricos:- Um baixo ndice de altura/idade indica lentido no crescimento e reflete o passado de vida da criana (associao de desnutrio e histria de infeces). Baixa taxa de peso/altura indica perda de peso, recente ou continuada. Baixo peso/idade pode significar baixo peso isolado ou associado baixa estatura ou ainda apenas ser decorrente de baixa estatura para idade.

  • Classificao da Paciente de acordo com Waterlow:

    P/I= PESO ENCONTRADO ___ X 100 PESO IDEAL PARA IDADE (p 50)

    E/I = ESTATURA ENCONTRADA __ X 100ESTATURA IDEAL

  • P/E = PESO ENCONTRADO ____ X 100 PESO IDEAL PARA ESTATURA ENCONTRADA

    - O parmetro ideal (peso ou estatura) corresponde ao percentil 50 para idade e sexo, tendo como padro de referncia o National Center for Health Statistics (NCHS) dos EUA.

  • Dados Relevantes da Paciente:ID: RCA, 3 anos, procedente e natural de Palmital, MG. Q.P.: Febre h 2 semanas- HDA: Av relatou que a paciente tornou- se agitada, chorosa e inquieta, sendo esse quadro associado falta de apetite e febre h 2 semanas. H 6 dias a paciente foi levada pela me ao posto de sade de Palmital, onde recebeu atendimento (av no soube relatar a evoluo do atendimento). A febre no regrediu.

  • A paciente, ento, foi encaminhada ao HRAS nesse mesmo dia, onde foi medicada e internada. No perodo da internao a paciente chorava durante o ato miccional. Nega diarria, hematria, convulses, vmitos, tosse e espirros.

    Data da entrevista: 15/02/05Dados do nascimento: . Data: 02/02/02 . Peso: 2875g . IG no parto: 42 sem . Estatura: 50 cm

  • - Dados atuais: . Peso: 10.4 kg . Altura: 93.5 cm

    - Utilizando-se os ndices antropomtricos da paciente, podemos caracterizar seu estado nutricional de acordo com a classificao de Waterlow.

  • P/E = 10.4 X 100 = 74.28% 14

    E/I = 93.5 X 100 = 99.46% 94

  • CLASSIFICAO DE WATERLOW

  • RESULTADO

    - De acordo com a tabela apresentada, a paciente encontra-se em estado nutricional correspondente a desnutrio atual.

  • Marasmo:- Dieta globalmente deficiente. Criana apresenta baixa atividade, atrofia muscular e subcutnea, baixa estatura, desaparecimento da bola de Bichat e emaciao gltea.- Anemia, hipocalemia, hiponatremia, e diarria podem estar presentes.

  • Kwashiorkor:

    - Doena do primeiro filho quando nasce o segundo, em lngua Ga de Gana.- Apatia, no demonstra apetite, h dficit estatural, consumo da massa muscular, conservao do tecido gorduroso, dermatoses, hepatomegalia, esteatose, edema (baixa concentrao de urina), diarria.

  • Aspectos Psicossocioeconmicos da Desnutrio no Brasil

  • Por qu ocorre a fome e a desnutrio?- Teorias de Malthus: . Produo de alimentos P.A. . Crescimento populacional P.G.

    - American Economic Association: . Escassez de alimentos problema alimentar; . POBREZA E DIFICULDADE DE ACESSO AO ALIMENTO.

  • No Brasil- Renda:

  • - Renda:. distribuio de renda mais concentrador;. nvel de emprego diminuio;. poder real de compra queda.

    - Poltica:. poltica econmica do governo oferta agrcola preo dos alimentos

  • - Produo de alimentos:. decrscimo da produo de alimentos bsicos; . aumento da produo de alimentos para exportao.

    - Aleitamento materno: . desmame precoce.

  • - Fraco vnculo me-filho/educao inadequada dos pais:

    -falta de higiene;-uso excessivo de leo;-diluio incorreta do leite em p;-manipulao inadequada;-uso incorreto de carboidratos;-resistncia ao aprendizado;-tcnicas incorretas;-falta de interesse;-rejeio materna;-nvel intelectual rebaixado.

  • Concluso Cabe aos profissionais de sade tentar identifica os fatores psicossociais e econmicos responsveis pela desnutrio da criana e orientar da melhor maneira possvel os responsveis pela mesma para que o quadro possa ser revertido.

  • BibliografiaDistrbios da nutrio, Fernando J. de Nbrega;1998;Pediatria-Diagnstico+Tratamento, Jayme Murahovschi;1994;Pediatria Bsica, Eduardo Marcondes; 2002;Tratado de Pediatria, Nelson.

  • OBRIGADO