desenho de moda ... bom, de desenho de moda, acredito que não entendo muito, mas do meu amigo...

Click here to load reader

Post on 31-Aug-2020

2 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

  • 3

    Desenho de moda Método Valmir Pazeto

  • EXPEDIENTE

    Editora Chefe Camila Nishida

    Idealização Junior José Jacobs

    Direção de Arte Douglas Barros

    Capa e Diagramação Douglas Barros

    Ilustrações Valmir Pazeto

    Direção de Redação Ana Paula Mocelin

    Revisão Camila Nishida e Ana Paula Mocelin

    Pazeto, Valmir. Desenho de Moda. Toledo: Maximus, 2020.

    1ª edição, 2020

    ISBN 000-00-000-0000-0

    m ax im u ste c id os .com . b r

    Avenida Maripá, 4846

    Centro - Toledo/PR • Brasil

    Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta edição pode ser utilizada ou reproduzida - em qualquer meio ou forma, seja mecânico ou eletrônico, fotocópia, gravação e etc. - nem apropriada ou estocada ou em sistema de banco de dados sem a expressa autorização da editora.

  • EXPEDIENTE

    Editora Chefe Camila Nishida

    Idealização Junior José Jacobs

    Direção de Arte Douglas Barros

    Capa e Diagramação Douglas Barros

    Ilustrações Valmir Pazeto

    Direção de Redação Ana Paula Mocelin

    Revisão Camila Nishida e Ana Paula Mocelin

    Pazeto, Valmir. Desenho de Moda. Toledo: Maximus, 2020.

    1ª edição, 2020

    ISBN 000-00-000-0000-0

    m ax im u stec id os .com.br

    Avenida Maripá, 4846

    Centro - Toledo/PR • Brasil

    Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta edição pode ser utilizada ou reproduzida - em qualquer meio ou forma, seja mecânico ou eletrônico, fotocópia, gravação e etc. - nem apropriada ou estocada ou em sistema de banco de dados sem a expressa autorização da editora.

    5

    Dedicatória À Valentina Pazeto,

    a minha mais bela criação e a equipe Maximus, a segunda família

    que Deus me permitiu escolher.

  • 6

    Dizem que o prefaciante deve sempre, de preferência, ser

    pessoa conhecedora da temática da obra e também do autor.

    Bom, de desenho de moda, acredito que não entendo muito, mas

    do meu amigo Valmir, desse eu acredito que posso dizer algumas

    palavras.

    Era logo no começo de 2013, mês de janeiro ou de fevereiro,

    não me lembro o dia da semana, só recordo que era um dia bonito

    e que fazia sol. Importa que nessa data estava marcado para eu

    almoçar com o Valmir, marcamos num restaurante bem no centro

    da cidade, que ficava próximo tanto da Maximus Atelier, quanto

    da Luiza Tecidos, a loja onde o Valmir trabalhava. Lembro que o

    Valmir chegou com uma camisa escura bem ajustada ao corpo,

    talvez com alguma estampa, uma calça mais curta, igualmente

    bem ajustada e um sapatão invocado, como sempre sem meia.

    Ele tinha um sorriso animado no rosto, já que sabia do assunto que

    iríamos tratar, mas os ombros meio caídos e as mãos envelopadas

    no bolso entregavam as suas angústias e preocupações.

    Até então eu só conhecia o Valmir de vista, das filas do buffet

    desses restaurantes em que almoçam todos do comércio, ou de

    quando cruzava com ele na rua. Mas o motivo desse almoço,

    era que naquele dia eu iria convidá-lo para ser sócio, meu e do

    meu irmão Lucas, na abertura da primeira loja física da Maximus

    Tecidos. Antes de entrarmos nos detalhes da loja, o Valmir me

    contou que passava por um momento difícil, estava enfrentando

    uma separação e tinha uma filha bem pequena, a Valentina. E dava

    para ver que financeiramente e emocionalmente as coisas não iam

    bem.

    O pouco que o Valmir havia conquistado, ele estava deixando

    para a ex-esposa, o que restava para ele eram 10 mil reais guardados

    no banco e um carro velho, um ford focus preto com os pneus

    carecas que eu não me lembro o ano, mas que não valia 15 mil. Isso

    era tudo que ele tinha, e tudo que ele tinha e pedi para ele me dar.

    Ele confiou em mim e na minha família e sem pestanejar, investiu

    todo esse pouco capital que havia juntado na nossa sociedade.

    Demos a ele 30% das cotas da loja Maximus Tecidos Finos de

    Cascavel-PR e é assim desde então.

    Prefácio

  • 6

    Dizem que o prefaciante deve sempre, de preferência, ser

    pessoa conhecedora da temática da obra e também do autor.

    Bom, de desenho de moda, acredito que não entendo muito, mas

    do meu amigo Valmir, desse eu acredito que posso dizer algumas

    palavras.

    Era logo no começo de 2013, mês de janeiro ou de fevereiro,

    não me lembro o dia da semana, só recordo que era um dia bonito

    e que fazia sol. Importa que nessa data estava marcado para eu

    almoçar com o Valmir, marcamos num restaurante bem no centro

    da cidade, que ficava próximo tanto da Maximus Atelier, quanto

    da Luiza Tecidos, a loja onde o Valmir trabalhava. Lembro que o

    Valmir chegou com uma camisa escura bem ajustada ao corpo,

    talvez com alguma estampa, uma calça mais curta, igualmente

    bem ajustada e um sapatão invocado, como sempre sem meia.

    Ele tinha um sorriso animado no rosto, já que sabia do assunto que

    iríamos tratar, mas os ombros meio caídos e as mãos envelopadas

    no bolso entregavam as suas angústias e preocupações.

    Até então eu só conhecia o Valmir de vista, das filas do buffet

    desses restaurantes em que almoçam todos do comércio, ou de

    quando cruzava com ele na rua. Mas o motivo desse almoço,

    era que naquele dia eu iria convidá-lo para ser sócio, meu e do

    meu irmão Lucas, na abertura da primeira loja física da Maximus

    Tecidos. Antes de entrarmos nos detalhes da loja, o Valmir me

    contou que passava por um momento difícil, estava enfrentando

    uma separação e tinha uma filha bem pequena, a Valentina. E dava

    para ver que financeiramente e emocionalmente as coisas não iam

    bem.

    O pouco que o Valmir havia conquistado, ele estava deixando

    para a ex-esposa, o que restava para ele eram 10 mil reais guardados

    no banco e um carro velho, um ford focus preto com os pneus

    carecas que eu não me lembro o ano, mas que não valia 15 mil. Isso

    era tudo que ele tinha, e tudo que ele tinha e pedi para ele me dar.

    Ele confiou em mim e na minha família e sem pestanejar, investiu

    todo esse pouco capital que havia juntado na nossa sociedade.

    Demos a ele 30% das cotas da loja Maximus Tecidos Finos de

    Cascavel-PR e é assim desde então.

    Prefácio

    7

    Diferente de mim, o Valmir é o tipo de pessoa que já passou

    dificuldades de verdade, já passou fome e já sentiu o peso da

    solidão. E a sua qualidade que eu mais admiro é a humildade.

    Mas por humildade, não entendam “se fazer de coitado”. O Valmir

    sempre teve a humildade para admitir que sabia pouco e que

    precisava aprender mais. A vida que lhe impôs tantas privações,

    fez dele um homem bastante econômico e comedido.

    Mas eu me lembro de quando nós começamos falar sobre

    montar um curso de desenho presencial, antes de escrever a

    apostila com o método dele e de lançar a primeira turma local.

    Num desses almoços, que se tornaram frequentes, eu disse para

    ele que seria preciso ele fazer um bom curso de oratória e que o

    melhor curso que eu havia encontrado durava apenas 1 final de

    semana e custava R$ 4.500,00. Quando o Valmir me ouviu dizer

    essa quantia de dinheiro por apenas 16h de aula para aprender

    falar em público, ele teve que tomar um gole de suco para engolir

    a comida, e me respondeu o seguinte: “você que sabe Junior, eu

    confio em você, se você quiser, a gente faz”.

    E todas as vezes que eu tinha um livro para indicar, ou um

    feedback para dar à ele, foi assim que ele reagiu. Ele confiava,

    ele acreditava. Foi por causa dessa mentalidade, que ele soube

    aproveitar todas as oportunidades que a vida, mesmo que

    tardiamente, lhe proporcionou.

    Para não me delongar muito, quero terminar advertindo você

    que comprou o livro, dizendo que o Estilista Valmir Pazeto não

    é o melhor desenhista de moda do Brasil, para ser bem sincero,

    nem acho que ele esteja entre os melhores. É claro que o Valmir

    desenha muito bem, mas o seu grande destaque, na minha opinião,

    é como professor.

    Pense um pouco comigo, os nossos melhores professores, que

    ficaram guardados na nossa memória, mesmo depois de adultos

    quando lembramos dos tempos de escola, eram aqueles que

    contavam histórias, que riam com a classe, que tinham paixão pelo

    que ensinavam e que por isso faziam as lições parecer simples e

    fáceis. O que importava não era quanto o nosso professor favorito

    sabia, mas sim o quanto nós conseguiríamos entender de tudo

    que ele nos passava.

  • 8

    E o professor Valmir é assim, não fez faculdade nenhuma, a

    não ser faculdade da vida, suas palavras são simples, mas seu

    jeito de ensinar é pratico, do jeito que todos entendem. Uma hora

    dessa, façam o teste, peguem um vídeo do Professor Valmir no

    YouTube, e desliguem o volume. Percebam que só assistindo os

    movimentos das mãos, é possível entender a técnica correta que

    ele quer pass