desafio da integração do transporte pú ?· ... solução qr code para pagamento ... de tarifa...

Download Desafio da Integração do Transporte Pú ?· ... Solução QR Code para pagamento ... de tarifa nas…

Post on 10-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Desafio da Integrao do

    Transporte Pblico

  • Introduo

  • QUEM SOMOS

    Valores

    tica; Responsabilidade;

    Transparncia;

    Comprometimento;

    e Sustentabilidade

    Misso

    Promover o desenvolvimento

    e o aprimoramento do

    transporte de passageiros

    sobre trilhos no Brasil

    Viso

    Ser reconhecida e respeitada

    como referncia na defesa do

    setor de transporte de

    passageiros sobre trilhos, no

    Brasil e no exterior

    A ANPTrilhos - Associao Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos -

    uma Associao Civil, sem fins lucrativos, de mbito nacional, com sede em Braslia/DF

  • ASSOCIADOS

    Convnios de cooperao

  • PANORAMA NACIONAL

    O Brasil tem 21 sistemas de

    transporte urbano de passageiros

    sobre trilhos, distribudos em 11

    Estados e no Distrito Federal.

    Estes sistemas so operados por 14

    empresas, das quais 6 so privadas.

  • PASSAGEIROS TRANSPORTADOS

    9,85 milhes de passageiros

    transportados por dia no Brasil

    2010

    1,9

    Bilho de

    passageiros

    2,3 Bilhes de

    passageiros

    2,5

    Bilhes de

    passageiros

    2,7

    Bilhes de

    passageiros

    2,87

    Bilhes de

    passageiros

    2011 2012 2013 2014 2015

    2,92

    Bilhes de

    passageiros

    6,3%

    2016

    2,91

    Bilhes de

    passageiros

    1,7% -0,2%

  • CONTRIBUIO SOCIAL

    por dia dos

    centros

    urbanos onde

    h sistemas

    implantados.

    A existncia

    do sistema

    sobre trilhos de

    passageiros no

    Brasil

    responsvel

    pela retirada de

    1,1

    MILHO de carros

    e mais de

    16.000 nibus

  • CONTRIBUIO SOCIAL

    Redes de transporte

    sobre trilhos trazem

    uma economia de

    R$ 22 bilhes

    Essa economia medida apenas em

    termos de reduo em:

    > Emisses de poluentes

    > Consumo de combustvel

    > Tempos de viagem

    > Nmero de acidentes

  • DESAFIOS DA INTEGRAO DO

    SETOR METROFERROVIRIO

    Racionalizao da Rede

    Adequao de Polticas Tarifrias

    Infraestrutura de Integrao

    Gesto Centralizada

  • Racionalizao de Rede

  • Ferrovia/Metr como modo Troncal de

    alta capacidade e mdia/longa distncia.

    Deve ser alimentado pelos subsistemas

    de baixa capacidade e curta distncia.

    Rede troncalizada torna-se mais

    eficiente, evitando desperdcios.

    IMPORTNCIA DA INTEGRAO

    EVOLUIR DE UM SISTEMA CONVENCIONAL

    PARA UM SISTEMA TRONCO-ALIMENTADO

  • Cada alternativa modal deve desempenhar seu papel dentro da rede

    metropolitana

    + nibus

    + Ciclovirio

    Trem/Metr

    + Trem/Metr nibus BRT

    + + VLT

    Transporte Complementar

    Trem/Metr

    + + Ciclomotor A p

    Trem/Metr

    IMPORTNCIA DA INTEGRAO

    TRONCAL ALIMENTADOR/

    LOCAL

    ALIMENTADOR/

    LOCAL

  • RACIONALIZAO DE REDE

    A racionalizao de rede alimentadora traz benefcios generalizados, com

    diminuio de consumo de combustvel, melhor ocupao da malha viria e

    menor impacto ambiental.

    ELIMINAR OS

    DESPERDCIOS

  • RACIONALIZAO DE REDE

    Exemplo: Estudo de racionalizao da rede de nibus realizado pela EMTU (SP)

    Neste exemplo, a racionalizao da rede de nibus em um sistema

    tronco-alimentado traz uma reduo de 21,3% na quilometragem

    percorrida e de 12,8% no consumo de combustvel

  • Polticas Tarifrias

  • POLTICAS TARIFRIAS

    O ponto de partida para a implantao de polticas tarifrias de integrao

    passa pela facilidade que o usurio tem para realizar a validao nos

    diferentes sistemas com um nico modo de pagamento.

    Tal interoperabilidade no deve se restringir aos cartes do tipo Bilhete nico

    (VT), devendo dar ao passageiro a maior variedade possvel de opes.

  • POLTICAS TARIFRIAS

    Exemplo: Interoperabilidade dos cartes

    de bilhetagem eletrnica no Japo

    Mais fora para o carto

    mltiplo das operadoras

  • POLTICAS TARIFRIAS

    Exemplo: Soluo EMV para pagamento com o carto de crdito direto na catraca

    Menos dinheiro circulando nos sistemas

    = MAIS SEGURANA

  • POLTICAS TARIFRIAS

    Exemplo: Soluo QR Code para pagamento de passagem na CPTM

    Menor custo com cartes extraviados

    Possibilidade de venda por celular

  • POLTICAS TARIFRIAS

    Uma vez criadas as tecnologias de interoperabilidade, h uma vasta gama de

    polticas tarifrias que podem ser criadas para garantir a melhor integrao da

    rede de transportes.

    O financiamento da integrao pode tanto envolver subsdios pblicos, com o

    poder concedente completando a tarifa do passageiro que integra, quanto

    pode se basear em subsdios cruzados, no qual a prpria tarifa paga j

    contempla a possibilidade da integrao.

  • POLTICAS TARIFRIAS

    Exemplo: Modelo de Bilhete nico que permite integraes indistintas com subsdio pblico

    nibus Intermunicipais (at R$11,50)

    nibus Municipais (R$3,80 RJ)

    SuperVia (R$4,20)

    MetrRio (R$4,30)

    R$8,00

    Barcas (R$5,90)

    O subsdio dado deve sempre favorecer

    a racionalidade da rede

    EVITAR DESPERDCIO DE

    RECURSOS PBLICOS

  • POLTICAS TARIFRIAS

    Exemplo: Proposta de integrao tarifria por meio de subsdio cruzado

    Um pequeno acrscimo de tarifa nas viagens mais curtas

    resulta em um grande desconto nas viagens integradas Para cada 1 pax que integra

    Existem outros 20 que no integram

    -$ +$

    +$ +$ +$

    Tarifa +$

    +$ Tarifa

    Tarifa -$

  • Infraestrutura de Integrao

  • A integrao :

    INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    A importncia da infraestrutura dos polos de integrao no transporte

    pblico pode ser explicada do seguinte modo:

    uma fora para a acessibilidade e performance dos

    sistemas de transporte

    uma fragilidade para a mobilidade das pessoas

    (sentimento de tempo perdido)

    x

    Em outras palavras, a baldeao um mal necessrio Como

    mitigar?

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    1 Redefinir os parmetros urbansticos dos polos de integrao,

    minimizando as impedncias causadas pela baldeao;

    Espao dedicado aos modos

    Plataforma comum tratada climaticamente

    INTEGRAR =

    APROXIMAR

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    Exemplo: Renovao Gare St Charles (Marselha/Frana)

    DESCONEXO

    NOVO CORREDOR

    DE INTEGRAO

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    Exemplo: Renovao Gare St Charles (Marselha/Frana)

    Gare Ferroviria Terminal de nibus

    Corredor de

    Integrao

    Vivo

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    2 Sincronia operacional dos servios, minimizando a espera e

    tornando o transbordo o mais fluido possvel.

    Terminal Graja (SP) Integrao Trem VLT em Birmingham (Reino Unido)

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    3 Utilizar a tecnologia para melhorar a qualidade da informao ao

    passageiro, minimizando a percepo do tempo de espera:

    Painis Dinmicos de

    Plataforma

    Anlise de dados Big Data

    em Tempo Real

    Aplicativos Mveis

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    Exemplo: Informao da taxa de ocupao dos trens (Linha 4 Amarela/So Paulo)

  • INFRAESTRUTURA DE INTEGRAO

    Exemplo: Informao da taxa de ocupao dos trens (Estao Den Bosch/Holanda)

    Uma mesma tecnologia pode ser

    aplicada de diferentes modos...

  • Gesto Centralizada

  • GESTO CENTRALIZADA

    Por natureza, a integrao intermodal quase sempre envolver diferentes

    entes federativos, exigindo mudanas em linhas de nibus municipais e

    intermunicipais, garantindo a sua integrao com os modos metroferrovirios.

    Se faz necessrio o conceito de Autoridade Metropolitana, para coordenar os

    diferentes projetos de transporte, garantindo que os sistemas de transporte

    existentes, novos e planejados funcionem como uma rede coerente.

    Governo

    Estadual Prefeituras

    Concessionrias

    Estaduais

    Concessionrias

    Municipais

  • OBJETIVOS DA AUTORIDADE METROPOLITANA

    Definir Polticas Pblicas e Diretrizes para o desenvolvimento do sistema de

    transportes da Regio Metropolitana (arts. art. 6, III e 22, I, Lei n 12.587/2012 - PNMU);

    GESTO CENTRALIZADA

    Incentivar o desenvolvimento tecnolgico e o uso de energias renovveis e menos

    poluentes (art. 6, V, Lei n 12.587/2012);

    Promover a gesto democrtica das polticas urbanas (art. 43 a 45, Lei n 10.257/2001),

    com a participao de representantes da soc. civil (art. 7, V, Lei n 13.089/2015);

    Implantar processo compartilhado de planejamento do desenvolvimento urbano e

    sugestes de polticas setoriais (art. 7, I, Lei n 13.089/2015 Estatuto da Metrpole);

    Estabelecer meios compartilhados de organizao administrativa das funes

    pblicas de transportes e mobilidade urbana (art. 7, II, Lei n 13.089/2015).

  • Traar o Plano de Desenvolvimento Metropolitano de Transportes de Longo

    Prazo - 20 anos (art. 21, I, Lei n 12.587/2012);

    COMPETNCIAS ESSENCIAIS DA AUTORIDADE METROPOLITANA

    GESTO CENTRALIZADA

    Apoiar e recomendar a criao de um sistema tarifrio integrado para todo o

    sistema d

Recommended

View more >