DECRETO N° 2 - ?· telecomunicação relacionadas em Ato Cotepe, decorrente de contrato de interconexão,…

Download DECRETO N° 2 - ?· telecomunicação relacionadas em Ato Cotepe, decorrente de contrato de interconexão,…

Post on 28-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

DECRETO N 2.667

Publicado no Dirio Oficial N 7.722, de 16 / 05 / 2008

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARAN, no uso das atribuies que lhe confere o art. 87, V, da Constituio Estadual, e considerando os Ajustes SINIEF e Convnios ICMS aprovados e os Protocolos ICMS firmados na 129 reunio ordinria do Conselho Nacional de Poltica Fazendria CONFAZ,

DECRETA:

Art. 1 Ficam introduzidas no Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n. 1.980, de 21 de dezembro de 2007, as seguintes alteraes:

Alterao 39 Ficam acrescentados os artigos 233-A e 233-B:

Art. 233-A. Para efeito deste Regulamento, em relao prestao de servio de transporte, considera-se (Ajuste SINIEF 2/08):

I - remetente, a pessoa que promove a sada inicial da carga;

II - destinatrio, a pessoa a quem a carga destinada;

III - tomador do servio, a pessoa que contratualmente a responsvel pelo pagamento do servio de transporte, podendo ser o remetente, o destinatrio ou um terceiro interveniente;

IV - emitente, o prestador de servio de transporte que emite o documento fiscal relativo prestao do servio de transporte.

1 O remetente e o destinatrio sero consignados no documento fiscal relativo prestao do servio de transporte, conforme indicado na Nota Fiscal, quando exigida.

2 A subcontratao de servio de transporte ser firmada na origem da prestao do servio, por opo do prestador de servio de transporte em no realizar o servio por meio prprio.

3 Redespacho o contrato entre transportadores, em que um prestador de servio de transporte (redespachante) contrata outro prestador de servio de transporte (redespachado) para efetuar a prestao de servio de parte do trajeto.

Art. 233-B. Para a anulao de valores relativos prestao de servio de transporte de cargas, em virtude de erro devidamente comprovado, e desde que no descaracterize a prestao, dever ser observado (Ajuste SINIEF 02/08):

I - na hiptese de o tomador de servio ser contribuinte do ICMS:

a) o tomador dever emitir documento fiscal prprio, pelo valor total do servio, sem destaque do imposto, consignando como natureza da operao "Anulao

de valor relativo aquisio de servio de transporte", informando o nmero do documento fiscal emitido com erro, os valores anulados e o motivo da anulao, devendo a primeira via do documento ser enviada ao prestador de servio de transporte;

b) aps receber o documento referido na alnea "a", o prestador de servio de transporte dever emitir outro Conhecimento de Transporte, citando o original emitido com erro, consignando a expresso "Este documento est vinculado ao documento fiscal nmero ... e data ... em virtude de (especificar o motivo do erro)";

II - na hiptese de o tomador de servio no ser contribuinte do ICMS:

a) o tomador dever emitir declarao mencionando o nmero e data de emisso do documento fiscal original, bem como o motivo do erro;

b) aps receber o documento referido na alnea "a", o prestador de servio de transporte dever emitir Conhecimento de Transporte, pelo valor total do servio, sem destaque do imposto, consignando como natureza da operao "Anulao de valor relativo prestao de servio de transporte", informando o nmero do documento fiscal emitido com erro e o motivo;

c) o prestador de servio de transporte dever emitir outro Conhecimento de Transporte, citando o original emitido com erro, consignando a expresso "Este documento est vinculado ao documento fiscal nmero ... e data ... em virtude de (especificar o motivo do erro)".

1 O prestador de servio de transporte e o tomador devero estornar eventual dbito ou crdito relativo ao documento fiscal emitido com erro.

2 No se aplica o disposto neste artigo nas hipteses de erro passvel de correo mediante carta de correo ou emisso de documento fiscal complementar.

Alterao 40 O caput do art. 319 passa a vigorar com a seguinte redao:

Art. 319. As empresas prestadoras de servios de telecomunicao, relacionadas em Ato Cotepe, centralizaro, em um nico estabelecimento, a inscrio no CAD/ICMS, a escrita fiscal e o recolhimento do imposto correspondente s prestaes efetuadas por todos os seus estabelecimentos existentes no territrio paranaense (Convnios ICMS 126/98, 30/99 e 22/08).

Alterao 41 Os 5 e 6 do art. 322 passam a vigorar com a seguinte redao:

5 As Notas Fiscais de Servio de Telecomunicaes, e as Notas Fiscais de Servio de Comunicao, sero numeradas de 000.000.001 a 999.999.999, respectivamente, reiniciada a numerao quando atingido este limite.

6 Na hiptese de extravio da 1 via da Nota Fiscal de Servio de Telecomunicaes, ou da Nota Fiscal de Servio de Comunicao, fica autorizada a emisso de cpia da mesma, caso em que ser aposta a seguinte expresso: "Cpia da 1 Via - No gera direito a crdito".

Alterao 42 A alnea b do 1 do art. 323 passa a vigorar com a seguinte

redao:

b) no ltimo dia de cada ms, emitir a Nota Fiscal de Servio de Telecomunicaes, ou a Nota Fiscal de Servio de Comunicao, de subsrie especial, abrangendo todos os documentos internos emitidos no ms, com destaque do ICMS devido (Convnio ICMS 22/08).

Alterao 43 O art. 324 passa a vigorar com a seguinte redao:

Art. 324. Na prestao de servios de comunicao a empresas de telecomunicao relacionadas em Ato Cotepe, decorrente de contrato de interconexo, entre empresas prestadoras de Servio Telefnico Fixo Comutado - STFC, Servio Mvel Celular - SMC ou Servio Mvel Pessoal - SMP, o imposto incidente sobre a remunerao dos meios de rede e sobre o trfego cursado na interconexo ser devido apenas sobre o preo do servio cobrado do usurio final (Convnios ICMS 126/98, 31/01 e 22/08).

1 O disposto neste artigo aplica-se, tambm, a empresas de Servio Limitado Especializado - SLE, Servio Mvel Especializado - SME e Servio de Comunicao Multimdia - SCM, que tenham como tomadoras de servio as empresas relacionadas em Ato Cotepe, desde que observado, no que couber, o disposto no 7 do art. 202.

2 O tratamento previsto neste artigo fica condicionado elaborao do DETRAF contendo detalhamento do trfego cursado e indicao do nmero do contrato de interconexo no corpo da nota fiscal relativo ao faturamento destes servios.

Alterao 44 O art. 325 passa a vigorar com a seguinte redao:

Art. 325. Fica concedido regime especial de ICMS s empresas prestadoras de servios de telecomunicao relacionadas em Ato Cotepe, relativamente remessa de bem, integrado ao ativo permanente, destinado a operaes de interconexo com outras operadoras (Convnios ICMS 80/01 e 22/08).

Alterao 45 O caput, os incisos II e III, e o 2 do art. 328 passam a vigorar com a seguinte redao:

Art. 328. As empresas de telecomunicao podero imprimir suas Notas Fiscais de Servios de Telecomunicaes, ou Notas Fiscais de Servios de Comunicao, conjuntamente com as de outras empresas de telecomunicao em um nico documento de cobrana, desde que (Convnios ICMS 6/01, 97/05 e 22/08):

..................................................................................................................

II - ao menos uma das empresas envolvidas esteja relacionada em Ato Cotepe, podendo uma das partes ser prestadora de Servio Mvel Especializado SME, ou Servio de Comunicao Multimdia - SCM (Convnio ICMS 22/08);

III - as Notas Fiscais de Servios de Telecomunicaes, ou as Notas Fiscais de Servios de Comunicao, refiram-se ao mesmo usurio e ao mesmo perodo de apurao;

..................................................................................................................

2 Na hiptese do inciso II, quando apenas uma das empresas estiver relacionada em Ato Cotepe, a emisso do documento caber a essa empresa (Convnio ICMS 22/08).

Alterao 46 Os 1 e 2 do art. 515 passam a vigorar com a seguinte redao:

1 A responsabilidade pela reteno e recolhimento do imposto fica tambm atribuda aos estabelecimentos localizados nos Estados de Alagoas, Amap, Bahia, Esprito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraba, Pernambuco, Piau, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondnia, Santa Catarina, So Paulo, Sergipe, Tocantins e no Distrito Federal, inclusive atacadista ou distribuidor (Protocolos ICMS 31/05, 5/06, 8/07 e 40/08).

2 O disposto nesta clusula aplica-se aos sorvetes de qualquer espcie, inclusive sanduches de sorvete, classificados na posio 2105.00 da NCM e aos preparados para fabricao de sorvetes em mquinas, classificados nas posies 1806, 1901 e 2106 da NCM (Protocolo ICMS 26/08).

Alterao 47 A alnea a do 1 do art. 526 passa a vigorar com a seguinte redao:

a) aplica-se tambm a qualquer outro estabelecimento situado nos Estados do Acre, Alagoas, Amap, Amazonas, Bahia, Cear, Esprito Santo, Maranho, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Par, Paraba, Pernambuco, Piau, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondnia, Roraima, Santa Catarina, So Paulo, Sergipe e Tocantins, e no Distrito Federal, que efetuar operao destinada a contribuinte paranaense, para fins de comercializao (Protocolos ICMS 5/99, 27/99, 8/00, 15/00, 16/00, 24/00, 33/00, 46/02 e 31/08);

Alterao 48 A alnea a do 1 do art. 528 passa a vigorar com a seguinte redao:

a) aplica-se tambm a qualquer outro estabelecimento situado nos Estados do Acre, Alagoas, Amap, Amazonas, Bahia, Cear, Esprito Santo, Gois, Maranho, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Par, Paraba, Pernambuco, Piau, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondnia, Roraima, Santa Catarina, So Paulo, Sergipe e Tocantins, e no Distrito Federal, que efetuar operao destinada a contribuinte paranaense, para fins de comercializao (Protocolos ICMS 2/99, 29/99, 32/00, 50/00, 51/00, 19/01 e 35/08);

Alterao 49 O pargrafo nico do art. 536-A passa a vigorar com a seguinte redao:

Pargrafo nico. A responsabilidade pela reteno e recolhimento do imposto fica tambm atribuda a qualquer estabelecimento remetente localizado nos Estados do Acre, Alagoas, Amap, Amazonas, Cear, Esprito Santo, Maranho, Mato

Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Par, Paraba, Pernambuco, Piau, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondnia, Roraima, Santa Catarina, So Paulo, Sergipe e Tocantins, e no Distrito Federal, inclusive em relao ao diferencial de alquotas (Protocolos ICMS 26/04, 87/07, 91/07 e 45/08).

Alterao 50 O pargrafo nico do art. 536-C passa a vigorar com a seguinte redao:

Pargrafo nico. A responsabilidade pela reteno e recolhimento do imposto fica tambm atribuda a qualquer estabelecimento remetente localizado nos Estados do Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, inclusive em relao ao diferencial de alquotas (Protocolos ICMS 90/07 e 47/08).

Alterao 51 Fica acrescentado o Captulo XXXV-A ao Ttulo III:

CAPTULO XXXV-A

DAS PRESTAES DE SERVIO DE COMUNICAO POR MEIO DE VEICULAO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NA TELEVISO

POR ASSINATURA

Art. 594-A. Na hiptese das prestaes de servio de comunicao por meio de veiculao de mensagens de publicidade e propaganda na televiso por assinatura em rede nacional ou interestadual, adotar-se- a proporcionalidade em relao quantidade de assinantes de cada unidade federada, para fins de rateio do imposto devido entre aquelas em cujo territrio ocorrer a prestao de servio, considerando-se a base de clculo original da prestao de servio (Convnio ICMS 9/08).

1 Para o clculo do imposto devido, sobre a base de clculo original deve ser aplicado o percentual de reduo previsto no item 21-B do Anexo II.

2 O imposto devido relativamente s prestaes de servio ocorridas neste Estado, calculado na forma do 1, ser recolhido pelo estabelecimento prestador do servio de comunicao:

a) na forma e no prazo previstos no inciso VII do art. 65, quando o prestador do servio estiver localizado neste Estado;

b) na forma e no prazo previstos no inciso XIII do art. 65, quando o prestador do servio estiver localizado em outra unidade federada.

Art. 594-B. O prestador do servio de que trata este Captulo dever:

I - discriminar no livro Registro de Apurao do ICMS o valor recolhido em favor de cada unidade federada;

II - remeter Inspetoria Geral de Fiscalizao da Coordenao da Receita do Estado, at o dia 30 do ms subseqente ao da ocorrncia do fato gerador, listagem ou arquivo magntico contendo:

a) o nmero, a data de emisso e a identificao completa dos destinatrios

das notas fiscais pertinentes;

b) o valor da prestao e do ICMS total incidente, bem como o seu rateio s unidades federadas.

Alterao 52 O caput e o 2 do art. 595 passam a vigorar com a seguinte redao:

Art. 595. Fica autorizado o trnsito de paletes e contentores de propriedade de empresa relacionada em Ato Cotepe, por mais de um estabelecimento, ainda que de terceira empresa, antes da sua remessa a estabelecimento da empresa proprietria (Convnios ICMS 4/99 e 6/08).

..................................................................................................................

2 Os paletes e contentores devero conter a marca distintiva da empresa a qual pertencem e ter a cor escolhida pela mesma, total ou parcialmente, que ser indicada em Ato Cotepe, excetuando-se, quanto exigncia da cor, os contentores utilizados no setor hortifrutigranjeiro.

Alterao 53 Fica acrescentado o Captulo XLV ao Ttulo III:

CAPTULO XLV

DAS OPERAES QUE ANTECEDEM A EXPORTAO DE NIBUS E MICRO-NIBUS

Art. 635-B. Fica suspenso o imposto incidente na remessa de carroarias para estabelecimento encomendante ou de chassi para o estabelecimento encarroador, localizados nos Estados de Minas Gerais e Santa Catarina, exclusivamente para utilizao na fabricao de nibus ou de micronibus classificados, respectivamente, nos cdigos 8702.10.00 e 8702.90.90 da NCM, destinados exportao por um dos estabelecimentos mencionados (Protocolo ICMS 28/08).

1 Para efeitos deste Captulo, entende-se por:

a) estabelecimento encomendante, o fabricante de chassi;

b) estabelecimento encarroador ou industrializador, o fabricante da carroaria.

2 Na hiptese de industrializao por conta e ordem do estabelecimento encomendante, a suspenso prevista no caput aplica-se, tambm, ao imposto relativo ao valor adicionado pelo estabelecimento industrializador.

Art. 635-C. A suspenso de que trata o art. 635-B fica condicionada a que:

I - o chassi ou a carroaria adquirida seja efetivamente aplicada na fabricao de nibus ou de micro-nibus destinado exportao;

II - a fabricao de nibus ou de micro-nibus seja realizada:

a) pelo estabelecimento encarroador por conta e ordem do estabelecimento

encomendante;

b) pelo estabelecimento encomendante por conta e ordem do estabelecimento encarroador;

III - as notas fiscais emitidas para acobertar as operaes de remessa para industrializao e o respectivo retorno, assim como as de venda do chassi pelo estabelecimento encomendante, contenham, alm dos demais requisitos exigidos, a expresso: ICMS suspenso - Protocolo ICMS 28/08;

IV - o nibus ou o micro-nibus seja exportado no prazo de at 180 (cento e oitenta) dias, contado a partir do dia seguinte data da efetiva sada do chassi do estabelecimento encomendante com destino ao estabelecimento encarroador;

V - a exportao do nibus ou do micro-nibus seja comprovada, na forma estabelecida no art. 635-D.

Pargrafo nico. O prazo previsto no inciso IV poder ser prorrogado uma nica vez por igual perodo, a pedido do exportador, antes do seu vencimento, ao fisco da unidade federada de sua localizao.

Art. 635-D. A empresa exportadora remeter ao fisco deste Estado, at o dcimo dia do ms subseqente ao da efetiva exportao, assim caracterizada pela data de sua averbao, relao, em meio magntico, contendo, no mnimo:

I - a sua identificao e a do outro estabelecimento envolvido, indicando a razo social, o CNPJ e a inscrio estadual;

II - o nmero do chassi do nibus ou do micro-nibus;

III - o nmero, a srie, a data de emisso e o valor da nota fiscal correspondente industrializao do nibus ou do micro-nibus ou ao fornecimento do chassi, conforme o caso;

IV - o nmero, a srie, a data de emisso e o valor da nota fiscal correspondente exportao do nibus ou do micro-nibus;

V - o nmero da Declarao de Despacho de Exportao - DDE, correspondente exportao do nibus ou do micro-nibus.

Art. 635-E. O imposto correspondente s operaes referidas no art. 635-B tornar-se- devido e dever ser recolhido pelo estabelecimento que as promover, com atualizao monetria e acrscimos legais, em qualquer das seguintes situaes:

I - pelo no atendimento das condies estabelecidas no art. 635-C;

II - em razo de perecimento ou desaparecimento do chassi, do nibus ou do micro-nibus;

III - pelo transcurso do prazo previsto no inciso IV do art. 635-C;

IV - quando promovida outra sada diversa da originalmente prevista.

Art. 635-F. Havendo necessidade de alterar o estabelecimento encarroador aps a remessa do chassi pelo estabelecimento encomendante:

I - o estabelecimento encomendante emitir nova nota fiscal de remessa, na forma estabelecida no inciso III do art. 635-C, em nome do novo encarroador, devendo indicar, alm dos demais requisitos exigidos, no campo Informaes Complementares, os dados cadastrais do encarroador anterior, o nmero, a srie e a data de emisso da nota fiscal que acompanhou o chassi ao encarroador anterior;

II - o encarroador anterior emitir nota fiscal em nome do novo encarroador, sem dbito do imposto, para acompanhar o trnsito do chassi at seu destino, devendo indicar, alm dos demais requisitos exigidos, no campo Informaes Complementares, os dados cadastrais do novo estabelecimento encomendante, o nmero, a srie e a data de emisso da nota fiscal referida no inciso I e a expresso Alterao do estabelecimento encarroador - Procedimento autorizado pelo Protocolo ICMS 28/08.

Pargrafo nico. Na hiptese deste artigo, o prazo para a exportao previsto no art. 635-C ser contado a partir da data da emisso da nota fiscal referida no inciso I, observado, em qualquer caso, o prazo limite estabelecido no pargrafo nico do art. 635-C.

Art. 635-G. As operaes de venda do chassi e da carroaria, de que trata este Captulo, so equiparadas exportao, inclusive no que se refere aos crditos do imposto.

Alterao 54 Fica acrescentado o Captulo XLVI:

CAPTULO XLVI

DAS OPERAES REALIZADAS PELA EMPRESA GEORADAR LEVANTAMENTOS GEOFSICOS S/A

Art. 635-H. A nota fiscal a ser emitida pela empresa Georadar Levantamentos Geofsicos S.A., estabelecida na Rua Ludovico Barbosa, n 60, Nova Lima - MG, inscrita no CNPJ sob o n 03.087.282/0003-66, e no Cadastro de Contribuintes do Estado de Minas Gerais sob o n 448.279432.01-75, para acobertar o trnsito de bens de seu ativo imobilizado por este Estado, dever conter (Protocolo ICMS 96/07):

I - como destinatria, a prpria emitente da nota fiscal;

II - no campo Descrio dos Produtos, a descrio das mquinas e equipamentos, compreendendo: nome, marca, tipo, modelo, srie, espcie, qualidade e demais elementos que permitam sua perfeita identificao, inclusive, se for o caso, o nmero da gravao ou etiquetagem indelvel, como pertencentes ao patrimnio da empresa;

III - no campo "Informaes Complementares", os Estados onde possui obras e o prazo de validade, mediante a aposio da expresso: Validade da nota fiscal: 180 dias contados da data da sada, conforme Protocolo ICMS 96/07".

Alterao 55 Fica acrescentado o item 58-A ao Anexo I:

58-A Nas prestaes de servios de comunicao referentes ao acesso internet e conectividade em banda larga destinadas a ESCOLAS PBLICAS federais,

estaduais e municipais, e nas doaes de equipamentos a serem utilizados nas prestaes desses servios (Convnio ICMS 47/08).

Notas:

1. O benefcio previsto neste item fica condicionado a que:

a) o produto esteja beneficiado com a iseno ou a alquota zero dos impostos de importao ou sobre os produtos industrializados;

b) a parcela relativa a receita bruta decorrente das operaes previstas neste item esteja desonerada das contribuies do PIS/PASEP e COFINS.

2. No se exigir o estorno do crdito fiscal nas operaes e prestaes contempladas com a iseno prevista neste item.

Alterao 56 Ficam acrescentadas as seguintes mercadorias ao item 63 do Anexo I (Convnio ICMS 36/08):

NBM/SH - NCM

FRMACOS

FRMACOS NBM/SH - NCM

MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS

2924.29.99/

2937.29.99

Fumarato de Formoterol Diidratado + Budesonida

3003.90.99/

3004.90.99

Fumarato de Formoterol Diidratado 12 mcg + Budesonida 400 mcg p inalatrio 60 doses

2924.29.99/

2937.29.99

Fumarato de Formoterol Diidratado + Budesonida

3003.90.99/

3004/90.99

Fumarato de Formoterol Diidratado 12 mcg + Budesonida 200 mcg p inalatrio 60 doses

2941.90.99 Ciclosporina 3003.90.78/

3004.90.68

Ciclosporina 50mg/ml

3004.90.59 Alendronato de Sdio

3004.90.59 Alendronato de Sdio 70 mg por comprimido

Alterao 57 Fica acrescentado o item 71-A ao Anexo I:

71-A Importao de equipamentos e materiais, sem similar nacional, a serem utilizados na execuo do Projeto Nacionalizao da Produo de Insumos para Testes Moleculares Estratgicos para a Sade Pblica Brasileira, desenvolvido em parceria entre a Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP, o Instituto de Tecnologia do Paran -TECPAR, e o INSTITUTO DE BIOLOGIA MOLECULAR DO PARAN - IBMP, entidade sem fins lucrativos beneficiada pela Lei Federal n. 8.010, de 29 de maro de 1990, credenciada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico - CNPq, do Ministrio da Cincia e Tecnologia, sob n. 900.0782/2000 (Convnio ICMS 42/08).

Notas:

1. o benefcio previsto neste item:

a) estende-se ao caso de doao do bem importado;

b) ser concedido mediante despacho do Diretor da Coordenao da Receita do Estado, em requerimento, no qual o interessado faa prova do preenchimento dos requisitos previstos neste item;

2. a comprovao da ausncia de similaridade dever se feita mediante laudo emitido por entidade representativa do setor, de abrangncia nacional, ou por rgo federal competente.

Alterao 58 O caput do item 111-B do Anexo I passa a vigorar com a seguinte redao:

111-B Operaes, at 31.12.2009, com as seguintes mercadorias adquiridas no mbito do PROGRAMA NACIONAL DE INFORMTICA NA EDUCAO - PROINFO, na realizao do Projeto Especial Um Computador por Aluno, do Ministrio da Educao, institudo pela Portaria 522, de 9 de abril de 1997 (Convnio ICMS 147/07):

Alterao 59 Fica acrescentado o item 21-B ao Anexo II:

21-B A base de clculo reduzida nas PRESTAES ONEROSAS DE SERVIO DE COMUNICAO POR MEIO DE VEICULAO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NA TELEVISO POR ASSINATURA, de forma que a carga tributria efetiva seja de (Convnio ICMS 9/08):

a) cinco por cento, at 31 de dezembro de 2008;

b) sete e meio por cento, de 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2009;

c) dez por cento, a partir de 1 de janeiro de 2010.

Notas:

1. a fruio do benefcio previsto neste item fica condicionada observncia cumulativa dos seguintes requisitos:

a) ser aplicada, opcionalmente, pelo contribuinte, em substituio ao regime normal de tributao;

b) o contribuinte que optar pelo benefcio no poder utilizar quaisquer outros crditos ou benefcios fiscais relacionados com as prestaes de que trata o "caput";

c) as opes a que se referem as alneas a e b devem ser realizadas para cada ano civil;

d) o contribuinte deve cumprir, regularmente, sua obrigao tributria principal, no prazo e forma previstos na legislao.

2. o inadimplemento da obrigao principal por parte do contribuinte implica perda do benefcio, a partir do ms subsequente em que for verificado, ficando a reabilitao fruio do benefcio condicionada ao recolhimento do dbito fiscal ou ao

seu parcelamento.

Alterao 60 Fica acrescentada Tabela I do Anexo IV o seguinte Cdigo Fiscal de Operaes e Prestaes - CFOP, com a respectiva nota explicativa:

6.360 Prestaes de servio de transporte a contribuinte substituto em relao ao servio de transporte (Ajuste SINIEF 3/08)

Classificam-se neste cdigo as prestaes de servios de transporte a contribuinte ao qual tenha sido atribuda a condio de substituto tributrio do imposto sobre a prestao dos servios.

Alterao 61 Fica revogado o pargrafo nico do art. 222.

Art. 2 Fica concedida a remisso do ICMS incidente sobre as prestaes onerosas de servio de comunicao por meio de veiculao de mensagens de publicidade e propaganda na televiso por assinatura, cujo fato gerador tenha ocorrido at 31 de maio de 2008, ao contribuinte que optar, at 31 de agosto de 2008, pelo regime de tributao previsto no item 21-B do Anexo II do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n. 1.980, de 21 de dezembro de 2007 (Convnio ICMS 9/08).

1 O disposto neste artigo:

a) no autoriza a restituio ou a compensao das importncias j recolhidas;

b) no aproveita ao fato gerador em que se verifique que o sujeito passivo, ou terceiro em benefcio daquele, agiu com dolo, fraude ou simulao.

2 A remisso dos dbitos j ajuizados fica condicionada ao pagamento, pelo interessado, dos honorrios e das custas pertinentes.

Art. 3 Este Decreto entrar em vigor na data da sua publicao, produzindo efeitos a partir de 1.01.2008, em relao alterao 54; a partir de 4.01.2008, em relao alterao 58; a partir de 25.04.2008, em relao s alteraes 55, 56, e 57; a partir de 1.05.2008, em relao s alteraes 40, 41, 42, 43, 44, 45, 49, 52, 53 e 60; a partir de 1.06.2008, em relao s alteraes 46, 47, 48, 50, 51, 59 e art. 2; a partir de 2.06.2008, em relao s alteraes 39 e 61; e na data da publicao, em relao aos demais dispositivos.

Curitiba, em 16 de abril de 2008, 187 da Independncia e 120da Repblica.

ROBERTO REQUIO, HERON ARZUA,Governador do Estado Secretrio de Estado da Fazenda

RAFAEL IATAURO,Chefe da Casa Civil

Recommended

View more >