decisÃo de homologaÇÃo - ?· ci/sfb documento de homologaÇÃo homologação de novos materiais...

Download DeCiSÃO De HOMOlOgaÇÃO - ?· CI/SfB DOCUMENTO DE HOMOLOGAÇÃO Homologação de novos materiais e…

Post on 19-Sep-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CI/SfB

    DOCUMENTO DE HOMOLOGAOHomologao de novos materiais e processos de construo

    PAVIMENTOS

    FLOORS

    PLANCHERS

    CDU 692.5

    ISSN 0870-2063

    (23) Gf (Ajs)

    NOVEMBRO DE 2008

    LEIRIVIGA Pr-Esforados, Lda.Sede e Fbrica:Ponte das Mestras2400-447 LEIRIAtel.: (+351) 24 481 77 50fax: (+351) 24 481 77 51e-e: leiriviga@leiriviga.ptwww.leiriviga.pt

    leiriviga

    PaviMeNTOS aligeiraDOS De vigOTaSPreFaBriCaDaS De BeTO Pr-eSFOraDO

    DeCiSO De HOMOlOgaO

    O presente Documento de Homologao, elaborado em cumprimento do artigo 17. do Regulamento Geral das Edificaes Urbanas, com a redaco dada pelo Decreto-Lei n. 50/2008, de 19 de Maro, e do n. 1.3 do artigo 1. do Regulamento de Estruturas de Beto Armado e Pr-esforado, Decreto-Lei n. 349-C/83, de 30 de Julho, define as caractersticas e estabelece as condies de execuo e de utilizao do sistema de construo dos pavimentos LEIRIVIGA, constitudo por vigotas prefabricadas de beto pr-esforado, blocos de cofragem e beto complementar moldado em obra, do qual detentora a empresa LEIRIVIGA - Pr-Esforados, Lda..

    O uso do pavimento fica tambm condicionado pelas disposies aplicveis da regulamentao e da documentao normativa em vigor.

    O LNEC emite um parecer tcnico favorvel relativamente a este sistema de construo, sem prejuzo do cumprimento de quaisquer disposies legais que possam vigorar durante o perodo de validade deste Documento de Homologao.

    Este Documento de Homologao vlido at 30 de Novembro de 2011, podendo ser renovado mediante solicitao atempada ao LNEC.

    O LNEC reserva-se o direito de proceder suspenso ou ao cancelamento deste Documento de Homologao caso ocorram situaes que o justifiquem, nomeadamente perante qualquer facto que ponha em dvida a constncia da qualidade dos pavimentos ou dos seus elementos constituintes.

    Lisboa e Laboratrio Nacional de Engenharia Civil, em Novembro de 2008.

    DH 895

    LNEC Departamento de EdifciosAv. Brasil, 101, 1700-066 LISBOA PORTUGALfax: (+ 351) 21 844 30 28lnec@lnec.pt www.lnec.pt

    O CONSELHO DIRECTIVO

    Carlos Matias Ramos

    Presidente

    O presente documento anula e substitui o DH 784, de Dezembro de 2004.A situao de validade do DH pode ser verificada no portal do LNEC (www.lnec.pt).

  • DH 8952

    1 DESCRIO DOS PAVIMENTOS

    1.1 Descrio geral

    Os pavimentos LEIRIVIGA so constitudos por vigotas de beto pr-esforado e blocos de cofragem, recebendo em obra uma camada de beto armado (beto complementar) com funo resistente e de solidarizao do conjunto.

    O seu funcionamento estrutural comparvel ao de uma laje com armadura resistente unidireccional, sendo indispensvel, para que tal semelhana tenha validade, que se assegure e mantenha a necessria aderncia entre o beto complementar e as vigotas.

    1.2 Caractersticas dos elementos constituintes

    1.2.1 Vigotas

    As vigotas so prefabricadas, de beto pr-esforado, com armadura constituda por fios de ao aderentes. No Anexo I so representados em corte transversal os diferentes tipos de vigotas com indicao dos valores relativos s suas dimenses e posio dos fios de ao.

    O beto de cimento Portland EN197-1 CEM I 42,5 R, com as caractersticas da classe C35/45.

    Os fios de ao, certificados pela Associao para a Certificao de Produtos (CERTIF), satisfazem s caractersticas mecnicas estabelecidas na Especificao LNEC E452-2006, a que correspondem os valores apresentados no Quadro I:

    QUADRO ICaractersticas dos fios de ao

    d(mm)

    A(mm2)

    Rm(MPa)

    Fm(kN)

    Fp0,1(kN)

    Agt(%)

    E(GPa)

    4,0 12,571770

    22,3 19,63,5 205 10

    5,0 19,63 34,8 30,5

    em que:

    d dimetro (valor nominal)

    A rea da seco transversal (valor nominal)

    Rm tenso de rotura traco (valor nominal)

    Fm fora de rotura traco (valor caracterstico mnimo referente ao quantilho de 95%)

    Fp0,1 fora limite convencional a 0,1% (valor caracterstico mnimo referente ao quantilho de 95%)

    Agt extenso total na fora mxima (valor mnimo)

    E mdulo de elasticidade

    A relaxao dos fios de ao, s 1000 horas, em ensaios realizados nas condies definidas na seco 10.5 da referida Especificao, no dever exceder 2,5%.

    1.2.2 Blocos de cofragem

    Os blocos de cofragem utilizados so cermicos e de beto de agregados de argila expandida. Todos os blocos so furados e tm formas de extradorso poligonais e ressaltos laterais para apoio nos banzos das vigotas.

    A geometria e as massas nominais dos blocos so apresentadas no Anexo II.

    1.2.3 Beto complementar

    O beto complementar aplicado em camada contnua de espessura varivel, mas nunca inferior a 30 mm, e incorpora uma armadura de distribuio.

    Este beto de cimento Portland EN 197-1, com a dosagem mnima de 300 kg de cimento por metro cbico e as caractersticas da classe C20/25. A dimenso mxima dos agregados deve permitir o preenchimento fcil e completo dos espaos entre as vigotas e os blocos de cofragem.

    Nos quadros de Elementos de Medio do Anexo IV so fornecidos os valores da seco da armadura de distribuio a incorporar na camada de beto complementar.

    2 CAMPO DE APLICAO

    Tal como para outros pavimentos com a mesma constituio e o mesmo sistema estrutural, o campo de aplicao para os diversos tipos considerados dos pavimentos LEIRIVIGA abrange apenas o seu emprego em edifcios de habitao ou com ocupao e utilizao semelhantes.

    No se consideram abrangidas as situaes em que seja previsvel a actuao predominante de aces resultantes de cargas concentradas ou de cargas dinmicas, de choque e vibrao, por mais elevada que seja a capacidade resistente dos pavimentos. Por este motivo, a utilizao dos pavimentos nestes ltimos casos cai fora do mbito desta homologao e carece de prvio estudo especfico, eventualmente por verificao experimental.

    A utilizao dos pavimentos com vos superiores a oito metros fica igualmente fora do mbito da presente homologao, devendo ser objecto de estudo adequado em cada caso de aplicao.

    3 FABRICO

    3.1 vigotas

    As vigotas so fabricadas nas instalaes localizadas em Ponte das Mestras, Leiria, por sistema mecanizado, sendo a sua moldagem feita, sem moldes fixos, sobre uma plataforma de beto, ao longo da qual se desloca um dispositivo mecnico de distribuio, moldagem lateral e compactao do beto por vibrao.

    O pr-esforo aplicado individualmente em cada fio utilizando macaco hidrulico accionado electricamente e no qual se pode medir o alongamento dos fios e controlar, por manmetro, a fora a aplicar de harmonia com a tenso de pr-esforo na origem indicada no Anexo I.

    Terminada a betonagem, as vigotas so conservadas no local de fabrico em condies ambientes naturais e rega frequente at data em que o respectivo beto atinja o valor da resistncia compresso indicado no Anexo I.

    Quando tais resistncias so atingidas, o que normalmente se pode verificar entre 2 e 5 dias aps a moldagem das vigotas, feita a transmisso gradual e simultnea do pr-esforo dos fios s vigotas de cada plataforma, por meio de sistema hidrulico.

    Aps esta operao, as vigotas so cortadas nos comprimentos desejados e retiradas do local de fabrico para depsito, com os cuidados de transporte necessrios.

    As instalaes de fabrico so constitudas por 10 plataformas para moldagem simultnea de 10 linhas de vigotas por plataforma, a que correspondem cerca de 11 100 m de linhas de fabrico.

  • DH 8953

    3.2 Blocos de cofragem

    Os blocos de cofragem de beto de agregados de argila expandida e os blocos de cofragem cermicos fornecidos pela firma produtora de pavimentos so fabricados por diversas fbricas produtoras de blocos.

    4 IDENTIFICAO

    As vigotas devem ser marcadas, de forma clara e indelvel, com registo do nome da marca do pavimento, do tipo de vigota e da data do seu fabrico.

    Quando tal no acontea, cada fornecimento de vigotas deve ser acompanhado da informao acima indicada.

    5 APRECIAO DOS PAVIMENTOS

    5.1 Caractersticas mecnicas

    A determinao dos valores que representam as caractersticas mecnicas dos pavimentos foi efectuada atravs de clculo automtico em computador. O clculo teve por base os valores das caractersticas mecnicas dos materiais constituintes dos pavimentos registados em 1.2 e o valor de pr-esforo na origem indicado no Anexo I.

    Ao valor do pr-esforo na origem referido correspondem os valores de pr-esforo, ao fim de determinados intervalos de tempo, tambm indicados no Anexo I para as diferentes vigotas produzidas.

    A determinao dos esforos resistentes de clculo dos pavimentos teve em conta as disposies definidas na regulamentao em vigor aplicvel, com as adaptaes necessrias a este tipo de pavimentos.

    Foram ainda determinados para os diferentes pavimentos os valores do factor de rigidez, EI, a utilizar na verificao do estado limite de deformao.

    Nos quadros de Elementos de Clculo do Anexo III so fornecidos os valores, respeitantes s caractersticas mecnicas, necessrios para a verificao da segurana em relao aos diferentes estados limites.

    5.2 Comportamento em caso de incndio

    Os materiais constituintes dos pavimentos quer os dos seus componentes prefabricados quer o beto complementar so da classe de reaco ao fogo M0 (no-combustveis).

    No que se refere resistncia ao fogo estes pavimentos podero ser classificados, no mnimo, nas seguintes classes:

    CF30 desde que apresentem um revestimento naface inferior com uma espessura mnima de 15 mm de argamassa de cimento e areia ou de cimento, cal e areia;

    CF60 desde que apresentem um revestimento naface inferior com uma espessura mnima de 15 mm de argamassa de cimento e agregados leves (vermiculite, perlite ou fibras minerais).

    Estas classes de resistncia ao fogo podero ser adoptadas desde que nos apoios se garanta um momento resistente negativo no inferio