debate soluções para o lixo, apresentação tatiana barreto - 28/05/2014

Download Debate Soluções para o lixo, Apresentação Tatiana Barreto - 28/05/2014

Post on 29-Nov-2014

327 views

Category:

Government & Nonprofit

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. A LOGSTICA REVERSA E O PAPEL DO MINISTRIO PBLICO SO PAULO 28/05/2014SO PAULO 28/05/2014
  • 2. LEI DE POLTICA NACIONAL DELEI DE POLTICA NACIONAL DE RESDUOS SLIDOS (Lei 12.305/10)RESDUOS SLIDOS (Lei 12.305/10) MARCO REGULATRIO HISTRICOMARCO REGULATRIO HISTRICO
  • 3. PROJETO DE LEI N 203/91 E SEUSPROJETO DE LEI N 203/91 E SEUS SUBSTITUTIVOS: TRAMITAO -SUBSTITUTIVOS: TRAMITAO - 20 ANOS20 ANOS LEI 12.305, DE 02 DE AGOSTO DE 2010LEI 12.305, DE 02 DE AGOSTO DE 2010 instituiu a Poltica Nacional de Resduos Slidos DECRETO N 7.404, DEDECRETO N 7.404, DE 23 DE DEZEMBRO DE23 DE DEZEMBRO DE 20102010 regulamentou a Lei n 12.305/2010
  • 4. LEI DE POLTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (Lei 6.938/81) POLTICA NACIONAL DE RESDUOS SLIDOS (LEI 12.305/2010) POLTICA NACIONAL DE SANEAMENTO BSICO (LEI 11.445/2007) POLTICA NACIONAL DE EDUCAO AMBIENTAL (LEI 9795/99)
  • 5. PROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOSPROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOSPROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOSPROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOS 1. Produo de resduos em escala sempre crescente (o percentual de gerao de resduos suplanta a taxa de crescimento populacional urbano*) 2. Esgotabilidade dos recursos naturais (capacidade de resilincia do Planeta: limites de produo e, tambm, de recepo de resduos slidos) 3. Destinao final imprpria de rejeitos (esgotabilidade dos aterros sanitrios, alto custo de gesto, risco de contaminao solo, gua e ar etc) 4. Seco entre mercado e preservao ambiental, como se fossem fatores estranhos entre si e independentes. As denominadas externalidades. * Dados da Abrelpe 2009 e 2010 e IBGE (Contagem da populao 2009 e Censo 2010)
  • 6. RESULTADORESULTADORESULTADORESULTADO Apropriao irresponsvel da natureza pelos processos produtivo e de consumo => escassez GLOBAL, e no mais relativa => comprometimento da economia global * Dados da Abrelpe 2009 e 2010 e IBGE (Contagem da populao 2009 e Censo 2010)
  • 7. PNRS uma poltica de SUSTENTABILIDADE, pois trata de aspectos: 1.Sociais 2.Econmicos 3.Ambientais Objetivo: Internalizao das externalidades = os impactos ao meio ambiente precisam ser internalizados pelo mercado em uma viso sustentvel ENCAMINHAMENTO DE SOLUESENCAMINHAMENTO DE SOLUESENCAMINHAMENTO DE SOLUESENCAMINHAMENTO DE SOLUES
  • 8. Lei Federal n 12.305/07Lei Federal n 12.305/07 (PNRS):(PNRS): Gesto e de Gerenciamento de todos os resduos slidos (domiciliares, de limpeza urbana, de estabelecimentos comerciais e prestadores de servios, de servios pblicos de saneamento, industriais, de sade, de construo civil, de minerao, agrossilvopastoris), inclusive os perigosos - exceto os rejeitos radioativos; -Princpios, Objetivos, Instrumentos e Responsabilidades Coordenao: Ministrio do Meio AmbienteCoordenao: Ministrio do Meio Ambiente
  • 9. RESDUO:RESDUO: material, substncia, objeto ou bem descartado que pode ser reaproveitado , recuperado ou reciclado; REJEITO:REJEITO: no passvel de reaproveitamento, recuperao ou reciclagem;; RESDUO x REJEITORESDUO x REJEITORESDUO x REJEITORESDUO x REJEITO
  • 10. PRINCPIOS DA GESTO DOS RESDUOS SLIDOSPRINCPIOS DA GESTO DOS RESDUOS SLIDOS Art. 6, LPNRSArt. 6, LPNRS PRINCPIOS DA GESTO DOS RESDUOS SLIDOSPRINCPIOS DA GESTO DOS RESDUOS SLIDOS Art. 6, LPNRSArt. 6, LPNRS Desenvolvimento Sustentvel Preveno e precauo Poluidor-pagador Viso sistmica Ecoeficincia Cooperao Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos Reconhecimento do resduo como bem econmico
  • 11. PRINCPIO DO POLUIDOR PAGADORPRINCPIO DO POLUIDOR PAGADORPRINCPIO DO POLUIDOR PAGADORPRINCPIO DO POLUIDOR PAGADOR A PNRS prev a necessidade de internalizao das externalidades, notadamente de cunho negativo (custos ambientais suportados por terceiros estranhos ao mercado) pela aplicao do PPP em suas trs vertentes: Preveno: internalizao, pelo poluidor, de medidas de preveno da poluio; Precauo: insero dos custos dos riscos ambientais na cadeia produtiva; Reparao de danos: responsabilidade objetiva pela reparao dos danos ambientais.
  • 12. Instrumentos da PNRSInstrumentos da PNRSInstrumentos da PNRSInstrumentos da PNRS Internalizao das externalidades por meio de instrumentos de: Comando: planos, licenciamento ambiental, padres de qualidade ambiental; Mercado: tributos, incentivos fiscais, subsdios, logstica reversalogstica reversa, sistema de depsito-reembolso, certificao ou etiqueta ecolgica;
  • 13. LOGSTICA REVERSA LOGSTICA REVERSA
  • 14. RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA PELORESPONSABILIDADE COMPARTILHADA PELO CICLO DE VIDA DO PRODUTOCICLO DE VIDA DO PRODUTO RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA PELORESPONSABILIDADE COMPARTILHADA PELO CICLO DE VIDA DO PRODUTOCICLO DE VIDA DO PRODUTO Conjunto de atribuies individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos servios pblicos de limpeza urbana e manejo dos resduos slidos pela minimizao do volume de resduos slidos e rejeitos gerados, bem como pela reduo dos impactos causados sade humana e qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos (art. 3, XVII)
  • 15. LOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSA Os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes so obrigados a estruturar, implementar e operacionalizar os sistemas de logstica reversa, mediante retorno dos produtos aps o uso pelo consumidor, de forma independente do servio pblico de limpeza urbana e de manejo dos resduos slidos (artigo 33 da Lei 12.305/10)
  • 16. LOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSA Art. 33, Lei 12.305/2010Art. 33, Lei 12.305/2010 LOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSA Art. 33, Lei 12.305/2010Art. 33, Lei 12.305/2010 Os consumidores devem efetuar a devoluo aps o uso, aos comerciantes ou distribuidores, dos produtos e das embalagens (4); Os comerciantes e distribuidores so obrigados a efetuar a devoluo aos fabricantes ou aos importadores dos produtos e embalagens reunidos ou devolvidos ( 5) Os fabricantes e os importadores daro destinao ambientalmente adequada aos produtos e s embalagens reunidos ou devolvidos (6);
  • 17. LOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSA Para a estruturao e a implementao do sistema de logstica reversa, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes ficam responsveis pela realizao da logstica reversa no limite da proporo dos produtos que colocarem no mercado interno, conforme metas progressivas, intermedirias e finais, estabelecidas no instrumento que determinar a implementao da logstica reversa ( 2, do artigo 18, do Decreto 7.404/10)
  • 18. agrotxicos, seus resduos e embalagens; pilhas e baterias; pneus; leos lubrificantes, seus resduos e embalagens; lmpadas fluorescentes, de vapor de sdio e mercrio e de luz mista; produtos eletroeletrnicos e seus componentes Baterias automotivas leo Comestvel Filtro de leo lubrificante automotivo (ROL NO TAXATIVO)(ROL NO TAXATIVO).. LOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSA (art. 33 LPNRS)(art. 33 LPNRS)
  • 19. LOGSTICA REVERSALOGSTICA REVERSA ANTES DA LEI 12.305/2010 Sistemas de logstica reversa implantados, anteriormente Lei n 2.305/2010, por meio de outras tratativas legais: Pneus (Res. CONAMA 416/09); Embalagens de agrotxicos (Leis 7.802/89 e 9.974/00 e Decreto 4.074/02); leo lubrificante usado ou contaminado (Res. CONAMA 362/2005 e 450/2012); Pilhas e baterias (Res. CONAMA 401/08 e 424/2010);