curso estoque e_custos

Download Curso estoque e_custos

Post on 13-Jun-2015

2.803 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. ESTOQUE E CUSTOS

2. INFORMAES Manuais Eletrnicos do PROTHEUS DEM Sugestes para o DEM pelo e- mail ap5_mat@microsiga.com.br) Suporte ao Suporte / Disk-Siga Programao Cursos Internos 3. Cadastro de Produtos Cadastro base dos mdulos de MATERIAIS. Define dados padro como TES, armazm,utilizao no MRP, lote mnimo, lote econmico,controle de rastreabilidade , controle deendereamento, indica se produto fantasmaou no, etc. Armazena dados genricos como custostandard, data da ltima compra, ltimo preode compra, etc. O tipo do produto apenas descritivo no quediz respeito ao fato de ser uma Matria Primaou um Produto Acabado. 4. Cadastro de Estruturas O cadastro de estruturas (tambm conhecido em engenharia ou em outros ERPs PA1 como BILL OF MATERIALS) o cadastro utilizado para clculo de necessidades, exploso dessas necessidades e composio dos produtos. Se identificarmos oPI1MP3 nosso produto como um bolo poderamos identificar o cadastro de estruturas como a lista de ingredientes.MP1 MP2 5. O que um movimento? O movimento pode ser definido como oato de sada ou entrada de determinadomaterial num armazm qualquer. Os movimentos podem ocorrer durante aproduo de determinado produto , naentrada ou sada de NFs, na transfernciaentre armazns, etc. 6. Cadastro de TES Cadastro influi no estoque e livros fiscais. Influi no estoque atravs dos seguintescampos: Atualiza estoque Indica se atualiza o SB2 ou no Calcula ICMS Indica se calcula ICMS ou no Calcula IPI Indica se calcula IPI ou no Credita ICMS Indica se credita ICMS no custo ouno Credita IPI Indica se credita IPI no custo ou no Poder de Terceiros atualiza o arquivo SB6 atravsdos movimentos. 7. Poder de Terceiros Quando EU MANDO BENEFICIAR NF de sada com tipo B p/ apresentar fornecedor e TES com F4_PODER3 = R (Remessa) NF de entrada com tipo N p/ apresentar fornecedor e TES como F4_PODER3 = D (Devoluo) 8. Poder de Terceiros Quando EU MANDO BENEFICIAR Abertura de OP PA1 Empenho dos Itens (menos o item do tipo BN pois esse tipo ser remetido paraMP1 MP2beneficiamento) Retorno do produto mais o SERVIO TIPO BN servio prestado (esses dois itens podem ser requisitados diretamente para a OP) 9. Poder de Terceiros Quando EU BENEFICIO NF de entrada com tipo B p/ apresentar cliente e TES com F4_PODER3 = R (Remessa) NF de sada com tipo N p/ apresentar cliente e TES como F4_PODER3 = D (Devoluo) 10. Poder de Terceiros Quando EU BENEFICIORecebimento da Mercadoria atravs da NFNo posso utilizar o material de terceiros em uma ordem deproduo que eu produzo ( o custo do produto de terceiro nopode ser apropriado a um produto meu)Retorno do mesmo produto que foi enviado e venda doservio prestado 11. Tipos de Movim. Internos O cdigo funciona como na TES O campo de apropriao indireta serve para indicar seproduto com apropriao indireta deve ter o tratamentoespecial desconsiderado (Sim ou No). O campo de atualizao de empenho indica se osregistros do arquivo SD4 sero lidos e baixados. O campo ref. a Mo de Obra indica se a mesma deveser requisitada ou no (maioria dos casos ref. aproduo PCP). O campo ref. a movimento valorizado indica se ousurio ir definir o valor do movimento ou no. O campo quantidade zerada (Sim/No) trabalha emconjunto com o campo de movimentos valorizados.Permite incluir um movimento valorizado semquantidade, apenas para ajuste de valor. 12. APROPRIAO INDIRETA Sugerido paraaplicao emprodutos de difcil COMPRA DO PRODUTO TINTAcontrole (Ex. Tinta) Saldo entra normalmente no Almox 01 Em quase 100 % doscasos necessrioREQUISIO DO PRODUTO SEM INDICAR OP Envia Automaticamente para Almox 99que seja feito oajuste dos saldos REQUISIO DO PRODUTO DO 99 PARA OPreais.Retira Saldo do Almox 99 Agiliza a verificaode saldos emprocesso. 13. Ordem de Produo A Ordem de Produo nada mais que a ordemdada a fbrica para que determinado produtoseja fabricado. Ao abrir a OP lida a estrutura do produto eso empenhados os componentes necessriospara sua fabricao. Estes empenhos podem ser alterados emrelao a quantidade, local, lote, etc. Osmesmos so baixados no momento daproduo ou podem ser requisitadosmanualmente para a OP. A Ordem de Produo pode ser firme ouprevista. 14. Ordem de Produo A Ordem de Produo pode ser includa atravs deincluso manual, atravs da gerao de OPs por pontode pedido, atravs do MRP e atravs da rotina OPs porpedidos de venda, que l pedidos ainda no liberados egera OP somente do saldo em estoque faltante. Para saber se um produto comprado ou fabricado osistema verifica o arquivo de estruturas. A Ordem de Produo gera saldo previsto de entradados produtos a serem fabricados, e gera Solicitao deCompras das matrias primas que no tem saldo emestoque. 15. Ordem de Produo O custeio de uma Ordem de produo nada mais que a soma por nvel dos custos doscomponentes, at chegarmos ao produto PAI 16. Exploso de Necessidades Os mdulos de materiais consideram as informaes de Ponto de Pedido, Lote Mnimo, PA1 Lote Econmico, Quantidade por Embalagem e Tolerncia para calcular as necessidades de compra e de gerao de Ops. O Lote Econmico e o LotePI1MP3 Mnimo so utilizados para efetuar a quebra da necessidade em quantidades que tornem a compra ou fabricaoMP1 MP2economicamente mais rentvel. 17. Exemplo CUSTO MDIODataTMQTD $Uni$Tot$ Est Qtd CM01NFE 1001,00 10,00 10,00 101,0001NFE 1004,00 40,00 50,00 202,5001NFS 0802,50 20,00 30,00 122,5002NFS 0702,50 17,50 12,50 052,5002NFE 0510,00 50,00 62,50 106,2503 REN0306,25 18,75 43,75 076,2503 REN0206,25 12,50 31,25 056,2503REV 0110,00 10,00 21,25 045,3104 REN0405,31 21,2500 5,31 18. Exemplo CUSTO FIFODataTM QTD $UniQtd UnitL $ Lotote01 NFE 1001,00 101,0010,0001 NFE 1004,00 104,0040,0001 NFS 0801,00 021,0002,0002 NFS 7201,00 001,0000,00504,00 054,0020,0002 NFE 0510,00 0510,00 50,0003 REN 0304,00 024,0008,0003 REN 0204,00 004,0000,00 19. CUSTOS x PROTHEUS O calculo de custos no SIGA funciona ON-LINE, no casodos movimentos ocorrerem na seqncia normal (saldoem estoque no ficando negativo) e do usurio efetuaros lanamentos contbeis tambm ON-LINE ou OFF-LINE (ocorrem sadas de produto antes das entradas, oque causa um saldo negativo temporrio) qdo o usurios efetua os lanamentos contbeis depois de todosmovimentos dos ms fechados (NFs de complemento,despesa de importao, etc). O recalculo do custo mdio existe exatamente parasuprir a deficincia causada por esta situao,recolocando os movimentos na seqncia que garanteas entradas antes das sadas e gerando os lanamentoscontbeis necessrios. 20. CUSTOS x PROTHEUS O fluxo de fechamento de custos ON-LINE deve ser feito daseguinte forma: Movimentao do Ms Saldo Atual para Final (para atualizar os campos de valor e qtd final) Virada dos Saldos (para criao dos saldos iniciais do perodo seguinte) Caso o usurio utilize o rateio de MOD pela contabilidade deve rodar o custo mdio tambm qdo utiliza custo ON- LINE, para obter o valor da MOD. Neste caso pode utilizar o mtodo de apropriao sequencial e no precisa gerar os lanamentos contbeis. 21. CUSTOS x PROTHEUS O fluxo de fechamento de custos OFF-LINEdeve ser feito da seguinte forma: Recalculo dos Custos de Entrada (no casode mudanas de TES ou taxa de moedas). Recalculo do Custo Mdio (alm deatualizar o valor dos movimentos servepara atualizar os campos de valor e qtdfinal ). Virada dos Saldos (para criao dos saldosiniciais do perodo seguinte) 22. Recalculo do Custo Mdio A rotina de recalculo do custo mdio tem comoobjetivo bsico re-processar os movimentos naseqncia correta e gravar os custos nosarquivos de saldo, de movimentos, e fornecerdesta forma as informaes necessrias paraconferencia. Vale ressaltar que o CUSTO FIFO tambm estadisponvel para utilizao no PROTHEUS, pormno existe de maneira ON-LINE, apenas OFF-LINE. Para sua utilizao deve ser habilitado oparmetro MV_CUSFIFO e processada a rotinade Recalculo. 23. Recalculo do Custo Mdio Ao utilizar-se o controle de poder deterceiros deve ser utilizado o mtodo deapropriao diria, no digitando-seremessas e devolues do produto nomesmo dia (vide manual). Verificar o contedo da perguntaAtualiza Arq. De Movimentos. Verificar o contedo da pergunta GeraEstrut. Pela movimentao. 24. Recalculo do Custo MdioA importncia do nvel dos produtos e movimentosO nvel um fator decisivo para efetuar o sequenciamento dosmovimentos na rotina de recalculo do custo mdio. atravs donvel que o sistema identifica qual a seqncia de processamentoentre todos os produtos.Normalmente ao se utilizar uma estrutura e efetuar todamovimentao pelo padro do sistema j temos todos osmovimentos com a informao de nvel gravada corretamente, oproblema ocorre nas excees que ocorrem muitas vezes.Existem maneiras de contornar o problema em grande parte doscasos, conforme iremos verificar 25. Recalculo do Custo MdioA importncia do nvel dos produtos e movimentos 1 Exceo Requisio de produtos que no fazem parte da estrutura do produto PAI da ordem de produo. Quando ocorrem requisies desse tipo o sistema pergunta ao usurio se confirma o movimento, indicando que o produto requisitado no faz parte da estrutura do produto PAI da Ordem de produo. Nessa situao ocorrer um erro na valorizao dessas requisies no recalculo do custo mdio, visto que o sistema no entende que o produto requisitado um componente do produto produzido. Com isso o custo do produto requisitado calculado aps a produo do produto PAI. O correto utilizar a pergunta Gera Estrutura pela movimentao com o conteudo igual a Sim, para que o sistema GERE UMA ESTRUTURA TEMPORRIA BASEADA NOS MOVIMENTOS e consiga processar os movimentos na sequencia correta. 26. Recalculo do Custo Mdio2 Exceo Requisio de produtos que no fazem parte daestrutura do produto PAI da ordem de produo + requisio deretrabalho.Conforme explicado no caso anterior o correto utilizar a perguntaGera Estrutura pela movimentao com o conteudo igual aSim, para que o sistema GERE UMA ESTRUTURA TEMPORRIABASEADA NOS MOVIMENTOS e consiga processar os movimentosna sequencia correta. Porm s