curso digitação - modulo avançado - visão informática.pdf

Download Curso Digitação - Modulo Avançado - Visão Informática.pdf

Post on 17-Nov-2015

243 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • APOSTILA DE DIGITAO AVANADA

    Essencial para quem pretende tornar-se exmio digitador e ser aprovado em qualquer prova de

    digitao.

    Chamo a especial ateno das pessoas acomodadas e negligentes: DIGITAO REPROVA!

    Conheo alguns jovens que obtiveram xito em todas as de uma seleo que fizeram e perderam

    exatamente na prova de DIGITAO.

    Portanto, todo o cuidado pouco!

    Cata milho dificilmente ser aprovado nesse tipo de prova.

    Quem sonha alto e pretende ser exmio digitador, tem que reaprender a digitar dentro da tcnica e

    com rapidez.

    Basta que leia, com ateno, todas as orientaes que constam na apostila e, principalmente, treine

    muito por meio dos textos nela apresentados.

    PRIMEIRA PARTE.

    INSTRUES PARA O APRENDIZ.

    No movimente os braos, pulsos e mos. Todo o movimento deve ser feito somente pelos dedos. A

    batida deve ser leve, no centro da tecla. No aperte (empurre) a tecla. Bata-a e solte-a imediatamente. Bata as

    teclas com a mesma fora e com igual ritmo.

    No corra no incio da aprendizagem. Quem corre cansa. Bata devagar e com ritmo. A velocidade

    vir com o tempo, naturalmente.

    S passe para outra lio se a que estiver batendo ficar cem por cento certa, como a do texto original,

    inclusive na esttica.

    NO OLHE PARA O TECLADO! NO OLHE PARA O TECLADO! NO OLHE PARA O PAPEL! Olhe para o

    papel somente depois de terminar de digitar o texto, para verificar os erros.

    No precisa aprender a bater o teclado dos nmeros. Aprenda a bater somente as lies do 1, 2 e

    3 teclados, respectivamente.

    Para bater a tecla do espao, use sempre o polegar da mo esquerda.

    Em Digitao, a prtica tudo. Portanto, treine com frequncia. No passe longos perodos sem

    digitar. Treinando meia hora por dia, de segunda a sexta, em casa suficiente.

    Antes de comear bater o texto, no se esquea de anotar as horas, para que, ao termin-lo, saiba

    exatamente quantos minutos gastou.

    S comece a bater os textos depois de terminar todas as lies do mtodo que estiver usando. Aps

    terminar de bater o texto a primeira vez, analise detidamente os erros que teve. Bate-o novamente, a fim de

    eliminar, o mximo possvel, esses erros. Passe, ento, para outro texto. No bata o mesmo texto mais de duas

    vezes seguidas. Ao chegar ao texto de n 100, volte ao primeiro e proceda da mesma forma como das vezes

    anteriores.

    Se seguir risca todas as orientaes acima, aprender a digitar e ser um timo digitador.

    TERCEIRA PARTE.

  • 2

    A PROVA.

    A prova de Digitao consiste em copiar, durante seis minutos, um trecho impresso contendo

    novecentos toques (20 linhas de 45 toques cada uma).

    Mantenha-se calmo, descontrado, e procure comear a prova datilografando lentamente as primeiras

    linhas, at adquirir confiana. Progressivamente, v aumentando o ritmo, at atingir a velocidade normal.

    Verificar, ento, que o ndice de erro ser diminuto e que o tempo concedido mais do que suficiente para

    datilografar todo o trecho, sem afobao.

    A fim de obter o mximo de rendimento, siga as instrues abaixo:

    No obrigado a copiar o trecho exatamente como se apresenta (20 linhas e 45 toques cada); no

    obstante, prefervel que observe essa disposio, j que, pelo fato de coincidirem o trmino e o incio de cada

    linha, ganhar tempo e ainda evitar erros graves (omisses de palavras ou linhas, por exemplo).

    Os erros mais graves resultam da omisso de palavras ou linhas, ou repetio desnecessria delas.

    Procure, portanto, datilografar com cuidado, sem afobao, j que o tempo suficiente para tanto.

    QUARTA PARTE.

    OS TEXTOS.

    TEXTO N 1.

    O Rio Grande do Norte isso: sal, sol, nordeste. Barreira do Inferno, viagens espaciais, industrializao.

    Algodo do Serid, salinas de Mossor e miragens. Luta contra a seca, praias de areias coloridas, cu limpo. O

    ltimo forte do folclore brasileiro, a melhor carne-de-sol do Brasil. O litoral potiguar tem um cu limpo todo o

    ano, ventos fracos e regulares, chuvas rpidas.

    Saindo das cidades do litoral comea a surgir a imagem do serto nordestino: as caatingas arbreas

    desaparecidas pelas derrubadas acima do recomendvel, a terra seca, vestgios da existncia das florestas que

    nunca foram grandes. Escassez de chuvas e secas peridicas.

    No interior, os grandes problemas esto concentrados nas deficincias em termos de transporte, gua,

    sade pblica, centros de treinamentos, energia e mo-de-obra. H falta de capital para gerar indstrias. O

    subsolo riqussimo.

    TEXTO N 2.

    Dizer que o cho (a pista, a escada etc.) est escorregando, pode bem ser o reflexo de uma dose a

    mais de usque... Aps a ressaca, chega-se logo concluso da forma correta: Escorregadio. Ex.: Chove, a pista

    est escorregadia; a empregada est fazendo limpeza. Cuidado! O piso est escorregadio etc.

    O desregramento na ingesto de bebida alcolica, traz uma srie enorme de inconvenientes. Os

    imoderados no uso do lcool, expem-se a situaes to lamentveis como aquelas em que se subdivide o seu

    estado de descontrole as chamadas trs fases do embriagado: a do leo, a do macaco e a do porco (logo que

    o lcool lhe comea a subir, vira leo! Quer briga com todo mundo; l pelo meio, comea a fazer macaquices

    para, no fim a fase do porco expelir pela boca o alimento que ingerira). O alcolatra , antes de tudo, um

    paciente para o qual devem ser voltadas as atenes das pessoas compreensivas e, sobretudo, caridosas.

    TEXTO N 3.

    A Digitao hoje encarada como um complemento cultural e tcnico, indispensvel a qualquer

    indivduo, seja estudante, professor, comerciante, mdico ou advogado.

  • 3

    Caracterizado pela exigidade de tempo e excesso de trabalho, a vida moderna tornou a escrita

    mquina uma exigncia insubstituvel.

    O TECLADO de escrever venceu em todos os setores de trabalho, e, para que se possa usufruir de todo

    o proveito que ela nos oferece, necessrio saber escrever com os dez dedos, conhecer a nomenclatura assim

    como as funes e utilidades de suas principais peas.

    Como diz o velho ditado: O saber no ocupa lugar. Saiba voc, tambm, escrever mquina com

    rapidez e perfeio, mas no estude sem mestre, pois mtodo e mestre so indispensveis na formao de um

    bom digitador.

    TEXTO N 4.

    Era um dia um velho chamado Zusa, que trabalhava pelo ofcio de carapina. A sua oficina era um

    brinco, sempre asseada, a ferramenta muito limpa, tudo nos seus lugares.

    Mas a mania do velho era batizar cada ferramenta com um nome apropriado. O martelo chamava-se

    toc-toc, o formo, rompe-ferro, o serrote, vaivm.

    Quando um carapina do lugar precisava de uma, corria logo oficina do Zusa, a pedir-lhe de

    emprstimo.

    Mas, tantas lhe fizeram, demorando a entrega ou ficando com as ferramentas, algumas vezes, que o

    velho resolveu parar com os emprstimos.

    Certo dia foi oficina um menino, de mando do pai, e disse:

    Papai manda-lhe muitas lembranas e tambm pedir-lhe emprestado o vaivm.

    Mestre Zusa ps as cangalhas no nariz e respondeu:

    - Menino, volta e diz a teu pai que se vaivm fosse e viesse, vaivm ia, mas como vaivm vai e no

    vem, vaivm no vai.

    TEXTO N 5.

    Silenciou, com a morte de John Lennon, a voz mais enrgica de uma gerao. Mas os jovens, de todas

    as idades, de todos os lugares e todas as pocas, no a esquecero. John Lennon traduziu, em msica e letra,

    na sua voz e na sua guitarra, tanto no seu comportamento pblico quanto no privado, a esperana por um

    mundo mais livre, mais pacfico e mais belo. Ele foi a aguda conscincia crtica, no s dos Beatles, mas de todos,

    jovens e velhos, homens, mulheres e crianas, do mundo inteiro, que compreenderam e amaram sua msica.

    Negar os preconceitos, ridicularizar a hipocrisia, colocar em questo as instituies, libertar a mente e o corpo,

    protestar contra a guerra, a fome e a injustia e, finalmente, acreditar acima de tudo no poder do amor esses

    objetivos da arte de Lennon expressam nossos anseios mais corajosos e mais saudveis, num sculo de violncia

    e crueldade. A violncia e a crueldade existem para serem enfrentadas. E a trajetria, artstica e humana, do

    menino pobre de Liverpool, foi to intensa quanto profunda.

    TEXTO N 6.

    Um dos nomes mais brilhantes da histria da Matemtica , sem dvida, Arquimedes.

    Nasceu em Siracusa, no ano 287 antes do nascimento de Cristo, e sua vida foi inteiramente dedicada

    Matemtica, Fsica e Astronomia.

    Muitas de suas concepes foram estudadas e desenvolvidas nos tempos modernos, e deram origem

    a grandes progressos das cincias nos ltimos sculos.

  • 4

    Deve-se a Arquimedes inmeras invenes mecnicas que tornaram seu nome respeitado pelos

    prprios inimigos de sua Ptria.

    Foi, porm, na segunda guerra pnica, quando em defesa de sua Ptria, que mais se revelou seu gnio

    inventivo com a construo de armas ofensivas e aparatos guerreiros que durante longos anos resistiram ao

    exerccio de Marcelo, tido como o mais poderoso.

    TEXTO N 7.

    Desde os primrdios da Civilizao, vem o homem valendo-se de registros para fixar, em determinado

    instante, o quantum de sua riqueza, utilizando-se, para tanto, dos meios que o estgio do progresso lhe

    propiciava.

    Somente nos meados do sculo XIII, no entanto, que esses registros passaram a obedecer a um

    determinado mtodo de escriturao: o mtodo das partidas dobradas, que deu origem ao atual sistema

    contbil. Seu precursor foi o Frade Luca Paciolo, que, em 1494, com base