curso de inspetor de fabrica§£o

Download Curso de Inspetor de Fabrica§£o

Post on 29-May-2017

234 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Instrutor: Marcones Loureiro IF CT SEQUI-12312IF CT Caldeiraria e tubulao 68hs

  • Normas aplicveisN-253 Projeto de Vaso de Presso;

    N-268 Fabricao de Vaso de presso;

    N-1704 Requisitos Adicionais Para Vaso De Presso Em Servio Com H2;

    N-1706 Projeto de Vaso de Presso para servio com H2S;

  • Normas aplicveisN-253 Projetos para vasos de presso

    Definio

    Entende-se como Vaso de Presso todos os reservatrios de qualquer tipo, dimenses ou finalidade, no sujeitos chama, que contenham qualquer fluido em presso manomtrica igual ou superior a 103 kPa (1,05 kgf/cm2) ou submetidos a presso externa.

  • Normas aplicveisN-253 Projetos para vasos de presso

    Vida til de projeto:De acordo com a importncia na planta;

    Temperaturas limites:De acordo com o material de construo;

    Critrios para especificao dos materiais dos componentes de vasos:Classe da parte do vaso considerada;

    Critrios para aplicao de sobrespessura de corroso:De acordo com o posicionamento da pea do vaso;

    Bocas de visita e de inspeo em vasos:Quantidade e posicionamento de acordo com o dimetro do vaso;

    Dimetro nominal mnimo de bocas de visita;De acordo com o dimetro interno do vaso;

    Nmero mnimo de bocas de visita;

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Classificao dos vasos para fabricaoPor tipo de equipamento;

    O vaso classificado por pontos de acordo com o tipo de equipamento e pode ser enquadrado desde a classe D (23 pontos) classe A (48 pontos);

    Por parmetros do equipamento

    Os parmetros so apresentados com o peso (de 1 a 3) atribudo a cada um e as notas (de 1 a 3) conforme as caractersticas do equipamento.

    Presso;Temperatura;Espessura do casco;Material;Fludo armazenado;Tipo de instalao;Importncia do vaso para o funcionamento da unidade;

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Item 9

    Sub item 9.8 REFORO PERMITIDO EM SOLDAS

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Item 9

    Sub item 9.9.3 Ultrassom em bocais

    Bocais com dimetro nominal igual ou maior que 4 e bocais auto reforados com abertura no casco maio ou igual 100mm.

    Sub item 9.9.4 Teste de estanqueidade nas chapas de reforo

    9.9.4.1 ANTES DO TT.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Niple para teste de estanqueidade

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Tratamento trmico Itens 9.13 e 9.14

    Item 9.13 TTATs:

    Equipamento com Requisitos de Tenacidade

    Para equipamentos com requisito de tenacidade controlada, na aquisio da matria-prima e posteriormente na fase de qualificao do procedimento de soldagem, os corpos-de-prova a serem submetidos aos ensaios mecnicos, devem ser submetidos a TTATs que simulem todos os TTATs efetuados nas fases de fabricao e montagem e mais 1 extra, a ser efetuado na operao futura do equipamento, na eventualidade de 1 reparo.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Tratamento trmico item 9.13.

    Equipamento com Servio Especial sem Requisitos de Tenacidade

    Para equipamento com servio especial (H2 e H2S), sem requisitos de tenacidade controlada, na fase de aquisio da matria-prima, devem ser seguidos os seguintes requisitos:

    chapas, trechos de tubo de pescoo de bocal e flanges especiais: seguir as mesmas exigncias dos equipamentos com requisito de tenacidade;

    b) consumveis de soldagem: a qualificao da Especificao do Procedimento de Soldagem (EPS), contemplando o TTAT extra, suficiente para qualificar os consumveis de soldagem;

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Tratamento trmico item 9.13.Ensaios aps os TTATs

    Dureza aps o 1 TTAT

    Trao, dobramento e impacto aps todos os TTATs

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Tratamento trmico item 9.14

    Devem ser apresentados os grficos e fornecidos os relatrios e certificados de tratamento trmico, incluindo os registros de medio de dureza.

    Aps o tratamento trmico, devem ser realizadas medies de dureza na zona fundida e na zona termicamente afetada das soldas.

    A dureza no deve ultrapassar os seguintes valores:

    a) para ao liga cromo-molibdnio com Cr < 2 %: 215 HV 5 ou HV 10;b) para ao liga cromo-molibdnio com Cr > 2 %: 240 HV 5 ou HV 10;c) para ao-carbono - vasos com tratamento trmico ,servio em meio no agressivo, valor mximo admissvel de 280 HV 5 ou HV 10 na qualificao do procedimento de soldagem e nas medies no campo.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    INSPEO DE FABRICAO item 10

    As soldas de quaisquer partes, independentemente do material, espessura ou servio, devem ser 100 % radiografadas antes de qualquer deformao severa

    As soldas usadas no fechamento de furos-guia, no centro de tampos conformados,devem ser totalmente radiografadas.

    No caso de ensaio radiogrfico por amostragem (spot), deve ser inspecionado preferencialmente, o cruzamento de soldas, visando atingir todos os soldadores

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    INSPEO DE FABRICAO item 10

    Deve ser realizado ensaio visual e ensaio de lquido penetrante ou partculas magnticas nas superfcies sob soldas provisrias, olhais de iamento e soldas de fixao de acessrios aps a remoo das soldas.

    Quando exigido o pr-aquecimento, devem ser executados ensaios por meio de lquido penetrante ou partculas magnticas nas regies onde houver remoo de pontos de solda e locais submetidos a goivagem.

    Aps a fabricao, deve ser realizada inspeo dimensional completa.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    TESTE HIDROSTTICO item 11.

    Todos os vasos que forem entregues inteiros devem ser submetidos a teste hidrosttico, antes do embarque.

    O teste s deve ser realizado depois de decorrido um prazo de 48 horas aps a execuo da ltima soldagem ou TTAT (prevalecendo o TTAT).

    No soldar sobre o equipamento e sobre qualquer parte em contato eltrico com o equipamento, enquanto o equipamento contiver gua.

    O teor mximo de cloretos permitido na gua deve ser definido pelo projetista, porm nunca superior a 50 ppm para equipamento de ao inoxidvel austentico ou com revestimento interno deste material.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    TESTE HIDROSTTICO item 11.

    Devem ser usados, no mnimo, 2 manmetros, usando um terceiro registrador quando o teste durar mais de 6 horas.

    Pelo menos um dos manmetros deve estar situado em local de fcil acesso e um dos manmetros deve estar situado no topo do equipamento.

    Os manmetros devem ser calibrados antes do incio do teste, admitindo-se uma validade de 3 meses.

    O valor mximo da escala deve estar sempre compreendido entre 1,5 vez e 4 vezes a presso de teste.

    A menor diviso da escala no deve exceder a 5 % da indicao mxima da escala.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    TESTE HIDROSTTICO item 11.

    Procedimento Aps o TesteDeve-se drenar, secar e limpar completamente o equipamento.

    Em bocais que ficarem abertos, deve-se proteger as faces dos flanges contra corroso e danos mecnicos.

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    Todos os equipamentos e partes independentes que forem entregues desmontadas devem ter uma marcao feita com tinta e com letras de 40 mm de altura, no mnimo, na prpria pea ou na embalagem.

    Em todos os equipamentos e partes que tenham sofrido tratamento trmico de alvio de tenses e nos quais, portanto, no deve ser feita nenhuma solda no campo, deve haver ainda um letreiro em local bem visvel com os dizeres: NO SOLDAR.

    Os equipamentos devem ser adequadamente calados e fixados no veculo transportador. As peas calandradas ou conformadas devem ser caladas de forma a no se deformarem no transporte.

    ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E EMBARQUE item 12

  • Normas aplicveisN-268 Fabricao de vaso de presso

    TOLERNCIAS DE MONTAGEM Figura A-1