curso cuidador de idoso (slides)

Download Curso Cuidador de Idoso (slides)

If you can't read please download the document

Post on 30-Oct-2014

249 views

Category:

Health & Medicine

135 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Slides para Curso de Cuidador de Idosos / 2011

TRANSCRIPT

  • 1. Cuidados especiais com idosos
    • Ser cuidador ...

2. Para iniciarmos...

  • Muito prazer,
  • meu nome Ana Eugenia Loyolla Hollanders, sou enfermeira

3. CUIDAR( diferentes significados)

  • Amora : refletir, pensar, interessar-se, preocupar-se com, considerar...
  • Ximenes : Precauo, cautela, desvelo, responsabilidade...
  • Leonardo Boff : cuidar mais que um ato, uma atitude. Atitude de responsabilizao e de envolvimento afetivo com o outro.

4. Cuidador

  • aquele que exerce afunodecuidar, em nosso caso, cuidar de pessoasidosas .

5.

  • A funo principal do cuidador acompanhar e auxiliar a pessoa a se cuidar, fazendo por estasomenteas atividades que ela no consiga fazer sozinha.

6. Funes

  • Cuidar da pessoa idosa( ter informaes da sade e cotidiano)
  • Promover o bem estar(ouvir, dar apoio,estimular, orientar)
      • Cuidar da alimentao
      • Cuidar da sade
      • Cuidar do ambiente
      • Incentivar a cultura
      • Acompanhar em passeios
      • Demonstrar competncias pessoais

7. Habilidades

  • Habilidades tcnicas
  • Qualidades ticas e morais
  • Qualidades emocionais
  • Qualidades fisicas
  • MOTIVAO

8. Cuidador 9. Leis

  • Lei Federal 10.741/03 Estatuto do Idoso
  • Lei Federal8.842/94 Poltica Nacional do Idoso
  • Portaria n 810/89- Normas e padres para casas de repouso, clinicas geriatricas
  • Lei 13.461/00 Institui a Defensoria da Pessoa Idosa

10. ( Lei Federal 10.741/03 )

  • Estatuto do Idoso:
  • garantia de integridade e respeito para os individuos com mais idade

11.

  • H mais de sete anos em vigor, o Estatuto do Idoso tem o objetivo de assegurar sade, lazer e bem-estar aos cidados brasileiros com 60 anos ou mais, que j contriburam com o crescimento do Pas e que agora tm o direito, mais do que merecido, de aproveitar a chamada melhoridade.
  • 117 artigos.
  • O direito ao atendimento preferencial imediato nos estabelecimentos pblicos e privados o artigo mais utilizado e respeitado.
  • Os direitos desconhecidos A prtica de esportes e lazer, por exemplo, consta no estatuto.
  • O idoso tambm pode solicitar atendimento domiciliar, incluindo internao, se ele no puder se locomover at um hospital.
  • A gratuidade em transportes intermunicipais e interestaduais tambm assegurada pelo Estatuto.
  • Em relao declarao de imposto de renda h direitos exclusivos. Os idosos possuem prioridade no recebimento de restituies.
  • Todas as empresas e instituies devem auxiliar os seus funcionrios psicologicamente para o momento da aposentadoria, evitando a sensao de inutilidade ao encerrar a carreira
  • Estatuto do idoso x planejamento financeiro Direitos resguardados pelo Estatuto: Medicamentos gratuitos, especialmente os de uso continuado, e desconto de 50% em eventos culturais so alguns dos benefcios dos idosos
  • planos de sade no podem aumentar o preo de suas mensalidades para as pessoas acima dos 60 anos, exceto os reajustes anuais causados pelos ndices inflacionrios;
  • entidades de longa permanncia (casas de repouso) filantrpicas no podem cobrar mais do que 70% do valor de qualquer benefcio previdencirio para abrigar um idoso;
  • para os idosos acima dos 65 anos de idade, no aposentados e que comprovem alguns requisitos com relao renda, o Estatuto tambm garante um benefcio: a Assistncia Social, que equivale ao pagamento de um salrio mnimo, por tempo indeterminado

12. Cuidador

  • Direitos
  • Sade do cuidador

13. Tipos de cuidadores

  • Informal
  • Formal
  • Profissional

14. Cuidador Informal

  • Membro familiar, esposa(o), filha(o), irm(o),normalmente do sexo feminino, que escolhido entre os familiares por ter melhor relacionamento ou intimidade com a pessoa idosa e por apresentar maior disponibilidade de tempo. Podemos colocar neste grupo a amiga ou vizinha, que mesmo no tendo laos de parentesco,
  • Cuida da pessoa idosa, sem receber pagamento, como voluntria.

15. Cuidador Formal

  • o profissional, que recebeu um treinamento especfico para a funo e exerce a atividade de cuidador mediante uma remunerao, mantendo vnculos contratuais. Ele pode ser contratado para exercer suas funes na residncia de uma famlia, em Instituies de Longa Permanncia para Idosos (ILPI), ou acompanhar a pessoa idosa em sua permanncia em Unidades de Sade
  • (hospitais, clnicas, etc.).

16. Cuidador

  • Saber cuidar de algum... algo sagrado que exige uma comunicao profunda com a essncia, o corpo e a mente de quem esta recebendo o cuidado, podendo transformar as dores fsicas e emocionais em acolhimento e amor.

17. Cuidar

  • O cuidado somente aparece quando a existncia de algum adquire algum significado para ns

18. Perspectivas do Cuidador

  • Hoje, os idosos representam 8% da populao brasileira.
  • Em 2050, respondero por 24%, totalizando 50 milhes de pessoas. No mundo, os maiores de 60 anos sero quase 2 bilhes quando chegarmos metade do sculo, e, pela primeira vez na histria, o nmero de idosos superar o de crianas no planeta.

19. Tenho condiespara serum cuidador ? Pare e pense novamente antes de continuar 20. O passar dos anos = Envelhecer 21. NossoFuturo

  • Viver muito mais que os nossos avs j uma realidade para a gerao atual de jovens e adultos. A promessa da cincia agora a de uma velhice mais saudvel e prazerosa

22. A Velhice

  • A velhice aparece associada s imagens estereotipadas como a solido, doena, viuvez, morte, etc. e que enfatizam essa fase da vida como uma condio desfavorvel, muitas vezes indesejada.

23. ENVELHECIMENTO

  • um "processo de diminuio orgnica e funcional, no decorrente de doena, e que acontece inevitavelmente com o passar do tempo. Considera-se o envelhecimento como um fenmeno natural (fsico, fisiolgico e psicolgico), mas que geralmente apresenta um aumento da fragilidade e vulnerabilidade, devido influncia dos agravos sade e do estilo de vida.

24. Quando somos Velhos 25. Processo do Envelhecimento

  • Idade cronolgica
  • Idade biolgica
  • Idade psicolgica

26. Envelhecimento

  • Normal -Fisiolgico
  • Patolgico
  • Mitos e preconceitos

27. Envelhecimento 28. ENVELHECIMENTO ENTRE OS SEXOS

  • Nessa corrida contra o tempo, os homens, apesar de morrerem mais cedo que as mulheres, demoram a dar sinais de envelhecimento mais do que as mulheres, j que contra as mulheres existem os fatores hormonais mais que nos homens e, principalmente a menopausa.

29. Terceira Idade / Velhice 30. TerceiraIdade

  • O termo "terceira idade", surge no final dos anos 60, na Frana, para expressar novos padres de comportamento, de expresses corporais e, sobretudo, de expresses de subjetividade de uma gerao que se aposenta e envelhece ativamente eassociada ao lazer, autonomia e auto-satisfao atravs do qual as experincias individuais de envelhecimento podem ser partilhadas , levando a questionamentos as imagens estereotipadas da velhice.

31. Aposentadoria

  • Tempo Livre ou ...Desocupado
  • Espera da Morte...
  • Trabalho no tudo

32. Morte e lutoH tempo para nascer e tempo para morrer.

  • A morte no exclusivista, no tem preferncia por raa, credo, idade, sexo ela abraa todos, sem regras, por motivos que no entendemos, e sobre os quais comeamos a filosofar.
  • Como abraa todos, abraa tambm o velho.

33. Palavras de alguns idosos

  • A velhice traz a saudade do que ficou para trs, das coisas que podia fazer sozinha e no precisava da ajuda dos outros [...].(Confiana)
  • O envelhecer tempo de recordar e reviver os bons tempos de lutas vencidas, de caminhos percorridos e de graas alcanadas. O envelhecimento uma graa que nem todos
  • chegam a alcanar. (Serenidade)
  • o encontro com Deus [...]. O corpo a nica coisa que morre, a alma, nosso esprito continua a vivncia eterna, acredito que a vida no termina com a morte (Perseverana)

34. 35. Mario Quintana:

  • Morrer, que me importa? () O diabo deixar de viver. A vida to boa! No quero ir embora

36.

  • Dona Clara era uma velhinha de 95 anos, l em Minas. Vivia numa religiosidade mansa, sem culpas ou medos. Na cama, cega, a filha lhe lia a Bblia. De repente, ela fez um gesto, interrompendo a leitura. O que ela tinha a dizer era infinitamente mais importante. Minha filha, sei que minha hora est chegando Mas, que pena! A vida to boa Mas tenho muito medo do morrer. O morrer pode vir acompanhado de dores, humilhaes, aparelhos e tubos enfiados no meu corpo, contra a minha vontade, sem que eu nada possa fazer, po