critérios gerais de avaliação - ?rios gerais... · ficha de registo de avaliação. no caso do...

Download Critérios Gerais de Avaliação - ?rios Gerais... · ficha de registo de avaliação. No caso do 1º

If you can't read please download the document

Post on 02-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • ltima atualizao em 10 de novembro de 2016

    CRITRIOS GERAIS DE AVALIAO

    ___________________________________

  • Agrupamento de escolas n 2 de vora Critrios Gerais de Avaliao

    1

    ndice PREMBULO .................................................................................................................................................... 2

    INTRODUO ................................................................................................................................................... 3

    MODALIDADES DA AVALIAO ............................................................................................................................ 3

    PROCESSO DE AVALIAO ................................................................................................................................... 4

    INSTRUMENTOS DE AVALIAO ........................................................................................................................... 5

    PROCEDIMENTOS .............................................................................................................................................. 6

    EDUCAO PR-ESCOLAR ................................................................................................................................... 7

    ENSINO BSICO ................................................................................................................................................ 8

    Ensino bsico: 1 Ciclo .............................................................................................................................. 8

    Ensino bsico: 2 e 3 Ciclos ..................................................................................................................... 8

    CURSOS DE ENSINO VOCACIONAL DE NVEL BSICO ............................................................................................. 9

    ENSINO SECUNDRIO ...................................................................................................................................... 10

    CURSOS CIENTFICO-HUMANSTICOS .............................................................................................................. 10

    CURSOS DE ENSINO VOCACIONAL DE NVEL SECUNDRIO ................................................................................... 10

    CURSOS PROFISSIONAIS ............................................................................................................................... 11

    CURSOS CIENTFICO-HUMANSTICOS NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE ................................................... 11

    DISPOSIES FINAIS ........................................................................................................................................ 12

  • Agrupamento de escolas n 2 de vora Critrios Gerais de Avaliao

    2

    No h, no,

    Duas folhas iguais em toda a criao.

    Ou nervura a menos, ou clula a mais,

    No h, de certeza, duas folhas iguais.

    Antnio Gedeo

    PREMBULO

    Tendo em conta os valores e princpios da UNESCO, numa sociedade em rpida mutao, recomenda-se

    que o aluno aprenda a adquirir conhecimentos, aprenda a fazer, aprenda a conviver e aprenda a

    ser. O seu percurso escolar deve contribuir para o desenvolvimento de capacidades que lhe permitam

    conhecer e saber explicar o que o rodeia, conseguir resolver problemas, saber utilizar as novas

    tecnologias de informao na sua vida pessoal e escolar, comunicar eficazmente em mbito escolar e

    social, utilizar a lngua materna, agir segundo valores cvicos e pessoais essenciais.

    Num contexto de permanente mudana, que um imperativo dos nossos dias, propomo-nos ajudar a

    preparar os nossos jovens de hoje para os desafios do amanh, no tempero dos valores duma sociedade

    democrtica: a Autonomia, a Solidariedade, a Tolerncia, a Responsabilidade, o Civismo, o Respeito e a

    Valorizao do trabalho. (Adaptado)

  • Agrupamento de escolas n 2 de vora Critrios Gerais de Avaliao

    3

    INTRODUO

    A avaliao constitui um processo regulador do ensino e da aprendizagem, que orienta o percurso

    escolar dos alunos e certifica as aprendizagens desenvolvidas. Tem por objetivo central a melhoria do

    ensino e da aprendizagem baseada num processo contnuo de interveno pedaggica.

    As diferentes formas de recolha de informao sobre as aprendizagens, realizadas quer no mbito da

    avaliao interna, da responsabilidade dos professores e dos rgos de gesto pedaggica do

    agrupamento, quer no mbito da avaliao externa (provas de aferio, provas finais de ciclo e exames

    finais nacionais), da responsabilidade dos servios ou organismos do Ministrio da Educao,

    prosseguem, de acordo com as suas finalidades, os seguintes propsitos (DL n 17/2016, artigo 23):

    a) Informar e sustentar intervenes pedaggicas, reajustando estratgias que conduzam

    melhoria da qualidade das aprendizagens, com vista promoo do sucesso escolar;

    b) Aferir a prossecuo dos objetivos definidos no currculo;

    c) Certificar aprendizagens.

    Na avaliao das aprendizagens deve ser garantida:

    A consistncia entre os processos de avaliao e as aprendizagens realizadas, de acordo com os

    contextos em que ocorrem;

    A utilizao de tcnicas e instrumentos de avaliao diversificados;

    A primazia da avaliao formativa com valorizao dos processos de autoavaliao regulada e a

    sua articulao com os momentos de avaliao sumativa;

    A valorizao da evoluo do aluno;

    A transparncia e rigor do processo de avaliao, nomeadamente atravs da clarificao e da

    explicitao dos critrios adotados;

    A valorizao do cumprimento de deveres dos alunos, atitudes e valores.

    MODALIDADES DA AVALIAO

    A avaliao interna das aprendizagens compreende as modalidades de avaliao diagnstica, de

    avaliao formativa e de avaliao sumativa (DL n 17/2016, artigos 24, 24-A e 25).

    Avaliao diagnstica

    A avaliao diagnstica realiza-se sempre que seja considerado oportuno, sendo essencial para

    fundamentar a definio de planos didticos, de estratgias de diferenciao pedaggica, de superao

    de eventuais dificuldades dos alunos, de facilitao da sua integrao escolar e de apoio orientao

    escolar e vocacional.

  • Agrupamento de escolas n 2 de vora Critrios Gerais de Avaliao

    4

    Avaliao formativa

    A avaliao formativa assume carter contnuo e sistemtico, devendo recorrer a uma variedade de

    instrumentos de recolha de informao adequados diversidade das aprendizagens e s circunstncias

    em que ocorrem, permitindo aos professores, aos alunos, aos encarregados de educao e a outras

    pessoas ou entidades legalmente autorizadas obter informao sobre o desenvolvimento do ensino e da

    aprendizagem, com vista ao ajustamento de processos e estratgias.

    Avaliao sumativa

    A avaliao sumativa traduz-se na formulao de um juzo global sobre a aprendizagem realizada pelos

    alunos, tendo como objetivos a classificao e certificao. Esta modalidade de avaliao realiza-se no

    final de cada perodo letivo e d origem, no final do ano letivo, a uma tomada de deciso sobre o

    percurso escolar dos alunos.

    PROCESSO DE AVALIAO

    Compete ao conselho pedaggico, at ao incio do ano letivo, definir os critrios de avaliao para cada

    ciclo, ano de escolaridade e disciplina, sob proposta dos departamentos curriculares. Estes critrios

    constituem referenciais comuns no agrupamento, sendo operacionalizados pelo ou pelos professores da

    turma (DN n 1-F/2016, artigo 7).

    Neste mbito, e tendo em conta os normativos legais, os princpios e os procedimentos a observar na

    avaliao das aprendizagens no ensino bsico e secundrio, devero respeitar os princpios orientadores

    enunciados neste documento.

    Os cursos de educao e formao de adultos (cursos EFA), as formaes modulares certificadas e o

    programa integrado de educao e formao (PIEF) regem-se por legislao prpria.

    Cada departamento curricular/subdepartamento define critrios especficos de avaliao, de acordo

    com os critrios gerais definidos, atendendo especificidade das disciplinas que o compem.

    A divulgao dos critrios gerais de avaliao assegurada a toda a comunidade educativa atravs da

    pgina do agrupamento. No 1 ciclo, o professor titular da turma divulgar os critrios aos encarregados

    de educao e aos alunos. O diretor de turma efetuar idntica tarefa nos 2 e 3 ciclos do ensino geral,

    cursos vocacionais, cursos cientfico-humansticos, cursos profissionais e cursos cientfico-humansticos

    na modalidade de ensino recorrente.

    A divulgao dos critrios especficos de avaliao assegurada a toda a comunidade educativa atravs

    da pgina do agrupamento. No 1 ciclo compete ao professor titular de turma divulgar o documento aos

    encarregados de educao. O diretor de turma proceder divulgao dos critrios junto dos

    encarregados de educao nos 2 e 3 ciclos do ensino geral, cursos vocacionais, cursos cientfico-

    humansticos e cursos profissionais. Os alunos sero informados pelo professor titular da turma no 1

    ciclo e pelos professores das respetivas disciplinas nos 2 e 3 ciclos do ensino geral, cursos vocacionais,

    cursos cientfico-humansticos, cursos profissionais e cursos cientfico-humansticos na modalidade de

    ensino recorrente.

  • Agrupamento de escolas n 2 de vora Critrios Gerais de Avaliao

    5

    No ensino bsico, as aprendizagens relacionadas com as componentes do currculo de carter

    transversal, nomeadamente no mbito da educao para a cidadania, da c

Recommended

View more >