criminalidade e o tamanho das cidades ?· as cidades brasileiras com mais de 1.000.000 de...

Download CRIMINALIDADE E O TAMANHO DAS CIDADES ?· As cidades brasileiras com mais de 1.000.000 de habitantes…

Post on 08-Dec-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

CRIMINALIDADE E O TAMANHO DAS CIDADES BRASILEIRAS:UM ENFOQUE DA ECONOMIA DO CRIME.

Cristiano Aguiar de OliveiraProfessor da Universidade de Passo Fundo

Pesquisador do Centro de Pesquisa e Extenso da FEAC (CPEAC)Faculdade de Cincias Econmicas, Administrativas e Contbeis

Resumo

Este artigo investiga as causas da criminalidade em cidades e a sua relao com o tamanhodas mesmas. Para este fim, apresentado um modelo formal baseado em Glaeser e Sacerdote(1999), porm incorpora as contribuies da abordagem ecolgica proposta porBrofenbrenner (1979). No modelo, a criminalidade em cidades pode ser explicada porcaractersticas locais em que o ambiente e o histrico do indivduo afetam a criminalidade. Omodelo terico testado atravs de um modelo economtrico em painel utilizando dados dascidades brasileiras na dcada de noventa. Os resultados obtidos confirmam a relevncia dotamanho da cidade na explicao da criminalidade. Ficam destacados tambm os papis dadesigualdade de renda e da pobreza como fatores que potencializam a criminalidade emcidades. No artigo so discutidas tambm as importncias da famlia e da escola na explicaoda criminalidade. Os resultados obtidos mostram que problemas na estrutura familiar e aineficincia do ensino bsico no Brasil afetam positivamente a criminalidade. Neste artigo, osbenefcios do crime e os custos de oportunidade so divididos, o que permite concluir que ocrescimento econmico no implica diretamente no aumento da criminalidade. Isto porque sehouver um aumento da renda dos mais pobres a criminalidade diminui.Palavras-chave: Crime, Cidades, Abordagem Ecolgica, Regresses com dados em painel.Classificao JEL: O10, K42, C23.

Abstract

This paper investigates criminality causes in cities and their relationship with the city size.For this goal, a formal model is presented based on Glaeser and Sacerdote (1999), however itincorporates the contributions of the ecological approach proposed by Brofenbrenner (1979).In the model, the criminality in cities can be explained by local characteristics in that thecontext and the individual's history affect the criminality. An econometric model using paneldata from Brazilian cities in the nineties tests the theoretical model. The findings confirm therelevance city size in the explanation of the criminality. The paper also confirms the role ofthe income inequality and of the poverty as factors that enforces the criminality in cities. Inthe paper is also discussed the importance of the family and of the school in the criminalityexplanation. The obtained results show that problems in the family structure and theinefficiency of the basic school in Brazil affect positively the criminality. In this paper, thebenefits of the crime and the opportunity costs are divided, that allows concluding that theeconomic growth doesn't implicate directly in the criminality increase. Because, if there is anincrease in the income of the more poor the criminality will decreases.Keywords: Crime, Cities, Ecological Approach, Panel Data Regressions.JEL classification: O10, K42, C23.

2

1. Introduo

O problema da violncia e da criminalidade no Brasil cada vez mais atrai a ateno daopinio pblica e dos governantes. A preocupao plenamente justificvel, pois o nmero dehomicdios por habitante praticamente dobrou no Brasil nos ltimos vinte anos. Entretanto, aquantidade de estudos cientficos sobre o tema no mostra um crescimento na mesmavelocidade. Vrias podem ser as causas para esta escassa produo. difcil negar que acriminalidade um tema complexo, que envolve as mais variadas reas do conhecimento, quevo desde a Sociologia, Psicologia e Criminologia at a Demografia e a Economia. Porm,tambm verdade que neste contexto multidisciplinar, a economia certamente temcontribuies importantes na determinao das causas da criminalidade e na avaliao de suasconseqncias negativas para o desenvolvimento econmico. Entretanto, so poucas aspesquisas realizadas por economistas sobre o tema. Isto em parte explicado pela falta dedados disponveis ou pela pouca qualidade dos mesmos, mas tambm pode ser explicadopelas limitaes impostas pelos modelos tradicionais existentes, pois praticamente todosutilizam modelos baseados exclusivamente em Becker (1968)1.

No caso de trabalhos empricos, existem alguns poucos trabalhos que utilizam todo opas como base de dados, cabe citar Arajo Jr. e Fajnzylber (2001a,b), Mendona (2001),Kume (2004) e Gutierrez et al (2004). Estes trabalhos utilizam dados longitudinais estaduaispara relacionar o problema da criminalidade com algumas variveis econmicas. O problema que na busca pelos dos determinantes da criminalidade as cidades tem um papelfundamental, pois o crime certamente um fenmeno local, uma vez que diferentes cidadesdentro de um Estado possuem nveis de criminalidade muito diferentes. A mudana de cidadeimplica em uma mudana relevante que no pode ser desconsiderada. As cidades apresentamuma grande variedade de nveis de desenvolvimento econmico, de tamanho e de culturas.Este poderia ser o caso, por exemplo, de cidades do Rio Grande do Sul colonizadas poralemes, que certamente diferem daquelas colonizadas por italianos ou portugueses, ascidades do Paran colonizadas por japoneses que diferem das colonizadas por poloneses, eassim por diante. Em suma, cada cidade tem um ambiente prprio que vai afetar seus ndicesde criminalidade.

Outro aspecto bastante relevante com relao criminalidade em cidades a suarelao com o tamanho das cidades, cuja regularidade impressionante. As cidades brasileirascom mais de 1.000.000 de habitantes possuem taxas de homicdios em mdia at seis vezesmaior do que cidades com at 25.000 habitantes. Cidades como So Paulo e Rio de Janeiropossuem taxas prximas a 60 homicdios por 100.000 habitantes, o que significa dizer taxastrinta vezes maiores do que cidades europias. O que explica tal comportamento? Este artigoprocura investigar as causas da criminalidade no Brasil e a sua relao com o tamanho dascidades.

Para este fim, este artigo inicialmente apresenta um arcabouo terico que visaentender os determinantes da criminalidade, ou seja, quais fatores sero determinantes paraque um indivduo cometa ou no um crime. Nesta seo o enfoque dado ao tema poreconomistas reavaliado e complementado por algumas contribuies feitas pela abordagemecolgica proposta por Brofenbrenner (1979). A idia central fazer a conexo dosdeterminantes da criminalidade e o tamanho das cidades, mostrando que o ato criminososurge de um processo em que o papel do histrico do indivduo e a sua insero no contexto(ambiente) so fundamentais na explicao do mesmo. Nesta mesma seo apresentado ummodelo formal, baseado em Glaeser e Sacerdote (1999), que incorporam estas novas idias. A

1 Vale ressaltar a exceo dos trabalhos de Mendona (2001) e Cerqueira e Lobo (2003b).

3

seo finalizada com a associao entre a criminalidade e o tamanho das cidades a partir dasconcluses do modelo apresentado. A terceira seo faz a implementao emprica do modelopara as cidades brasileiras na dcada de noventa. Nesta seo a teoria e o modelo soassociados as variveis disponveis. So apresentados as fontes dos dados utilizados, ametodologia de estimao e os respectivos resultados. Estes so discutidos e interpretados aluz das teorias propostas. Ao final do artigo so apresentadas algumas concluses, bem comoas referncias bibliogrficas e um apndice.

2. Criminalidade e cidades: A construo de um modelo e de umaabordagem terica alternativa

A construo de um arcabouo terico slido para a explicao das causas dacriminalidade em cidades certamente uma tarefa rdua. Isto porque no so poucas ascorrentes tericas distintas que abordam o tema. Na literatura2 so encontradas diferentesteorias que explicam o fenmeno da criminalidade. Existem aquelas que explicam atravs deuma patologia individual, as que consideram a criminalidade como um produto de um sistemasocial perverso, as que entendem o crime como conseqncia da desorganizao social etambm existem as teorias econmicas que entendem o crime como um problema econmicode maximizao de utilidade. Em todas as abordagens existem contribuies importantes etalvez elas sejam complementares ao invs de excludentes.

Os modelos econmicos tradicionais trazem contribuies relevantes, mas certamenteso incompletos. Isto porque os trabalhos sobre os determinantes da criminalidade feitos poreconomistas normalmente seguem a linha de escolha racional proposta pelo artigo seminal,Crime and Punishment: An Economic Approach, escrito por Gary Becker (1968). O artigo um marco na abordagem do tema, devido as suas relevantes contribuies. Em primeiro lugar,o autor salienta que qualquer indivduo pode ser um criminoso potencial, ou seja, os crimesno so necessariamente praticados por indivduos com transtornos psquicos. Em segundolugar, destaca que toda prtica de um crime envolve um certo grau de risco e, portanto,indivduos com alto grau de averso ao risco provavelmente no cometeriam crimes. Emterceiro lugar, relaciona a criminalidade com o mercado de trabalho formal, pois segundo oautor, o ato criminoso surgiria de uma deciso racional de um indivduo que avaliaria entre osbenefcios financeiros de sua ao criminosa e os custos associados a sua punio e os custosde oportunidade representados pelo retorno no mercado legal de trabalho. Como o primeirocusto envolve um risco e, portanto, est associado a uma distribuio de probabilidade, ouseja, h uma probabilidade de ser punido, o problema do indivduo o de maximizar umafuno de utilidade esperada em que compara o retorno esperado de mercado ilcito com oretorno sem riscos do mercado lcito.

Se por um lado, a grande virtude da contribuio de Gary Becker o de trazer ascontribuies metodolgicas da economia para dentro da discusso de um problema socialrelevante, por outro lado, a sua abordagem restringe-se a um carter

Recommended

View more >