Crepop referencias alcool_e_drogas_final_10.01.13

Download Crepop referencias alcool_e_drogas_final_10.01.13

Post on 18-Nov-2014

212 views

Category:

Healthcare

1 download

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CONSELHOS REGIONAIS DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERNCIA TCNICA EM PSICOLOGIA E POLTICAS PBLICAS DOCUMENTO DE REFERNCIAS TCNICAS PARA A ATUAO DE PSICLOGAS (OS) EM POLTICAS PBLICAS DE LCOOL E OUTRAS DROGAS Comisso de Elaborao do Documento Heloiza Helena Mendona Almeida Massanaro Isabela Saraiva de Queiroz Marcus Vinicius de Oliveira Silva Maria Aparecida Gimenez Maria Izabel Calil Stamato Rafael Mendona Dias Tcnica Regional Luciana Franco Braslia, dezembro/2013 1 Edio
  • 2. 4 permitida a reproduo desta publicao, desde que sem alteraes e citada a fonte. Disponvel tambm em: www.cfp.org.br e em crepop.pol.org.br 1 edio 2013 Projeto Grfico Liberdade de Expresso Diagramao Liberdade de Expresso Reviso Liberdade de Expresso Coordenao Geral/ CFP Yvone Magalhes Duarte Coordenao de Comunicao Social Fernanda de Arajo Mendes Editorao Andr Almeida Equipe Tcnica do Crepop/CFP Monalisa Barros e Mrcia Mansur Saadallah /Conselheiras responsveis Natasha Ramos Reis da Fonseca/Coordenadora Tcnica Cibele de Oliveira e Joo Vinicius Marques /Assessores de Metodologia Klebiston Tchavo dos Reis Ferreira /Assistente Administrativo Equipe Tcnica/CRPs Renata Leporace Farret (CRP 01 DF), Thelma Torres (CRP 02 PE), Gisele Viei- ra Dourado O. Lopes e Glria Pimentel (CRP 03 BA), Luciana Franco de Assis e Leiliana Sousa (CRP04 MG), Beatriz Adura e Fernanda Haikal(CRP 05 RJ), Ana Gonzatto, Marcelo Bittar e Edson Ferreira e Eliane Costa (CRP 06 SP),Silvia Giugliani e Carolina dos Reis (CRP 07 RS),Carmem Miranda e Ana Ins Souza (CRP 08 PR), Marlene Barbaresco (CRP09 GO/TO), Letcia Maria S. Palheta (CRP 10 PA/AP), Renata Alves e Djanira Luiza Martins de Sousa (CRP11 CE/ PI/MA), Juliana Ried (CRP 12 SC), Katiska Arajo Duarte (CRP 13 PB), Mario Rosa e Keila de Oliveira (CRP14 MS), Eduardo Augusto de Almeida (CRP15 AL), Mariana Passos e Patrcia Mattos Caldeira Brant Littig (CRP16 ES), Ilana Lemos e Zilanda Pereira de Lima (CRP17 RN), Fabiana Tozi Vieira (CRP18 MT), Lidiane de Melo Drapala (CRP19 SE), Vanessa Miranda (CRP20 AM/RR/RO/AC) Referncias bibliogrficas conforme ABNT NBR Direitos para esta edio Conselho Federal de Psicologia: SAF/SUL Quadra 2,Bloco B, Edifcio Via Office, trreo, sala 104, 70070-600, Braslia-DF (61) 2109-0107 /E-mail: ascom@cfp.org.br /www.cfp.org.br Impresso no Brasil Dezembro de 2013 Catalogao na publicao Biblioteca Miguel Cervantes Fundao Biblioteca Nacional
  • 3. 5Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Conselho Federal de Psicologia Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas/os em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas/ Conselho Federal de Psicologia. - Braslia: CFP, 2013. 88p. ISBN: 978-85-89208-66-6 1. Psiclogos 2. Polticas Pblicas 3. Sade Mental 4. lcool e Drogas
  • 4. 6 XV Plenrio Gesto 2011-2013 DIRETORIA Aluzio Lopes de Brito Presidente Humberto Cota Verona Presidente licenciado Monalisa Nascimento dos Santos Barros Tesoureira Deise Maria do Nascimento Secretria CONSELHEIRAS EFETIVAS Ana Luiza de Souza Castro Secretria Regio Sul Flvia Cristina Silveira Lemos Secretria Regio Norte Heloiza Helena Mendona A. Massanaro Secretria Regio Centro-Oeste Marilene Proena Rebello de Souza Secretria Regio Sudeste Clara Goldman Ribemboim Secretria Regio Nordeste CONSELHEIROS SUPLENTES Celso Francisco Tondin Henrique Jos Leal Ferreira Rodrigues Marilda Castelar Roseli Goffman Sandra Maria Francisco de Amorim Tnia Suely Azevedo Brasileiro PSICLOGAS CONVIDADAS Angela Maria Pires Caniato Mrcia Mansur Saadallah CONSELHEIRAS RESPONSVEIS: Mrcia Mansur Saadallah e Monalisa Nascimento dos Santos Barros. CRPS Wagner Gonalves Saltorato (CRP 01 DF), Las de Souza Monteiro (CRP 02 PE), Denise Viana Silva/ Verena Souza Souto (CRP 03 BA), Marcus Macedo da Silva (CRP04 MG), Analcia Martins de Sousa (CRP 05 RJ), Maria Ermnia Ciliberti (CRP 06 SP), Alexandra Ximendes (CRP 07 RS), Liliane Ocalxuk (CRP 08 PR), Wad- son Arantes Gama (CRP 09 GO), Maria Eunice Figueiredo Guedes (CRP 10 PA/ AP), Aluisio Ferreira de Lima (CRP 11 CE), Ana Maria Pereira Lopes Lopes (CRP 12 SC), Carla de Santana Brando Costa (CRP 13 PB), Zaira de Andrade Lopes (CRP14 MS), Laeuza Farias (CRP15 AL), Andrea dos Santos Nascimento/ Karina de Andrade Fonseca (CRP16 ES), Julianne de Souza Soares (CRP17 RN), Marisa Helena Alves (CRP18 MT) Andr Luiz Mandarino Borges (CRP19 SE), Selma de Jesus Cobra (CRP20 AM/RR/RO/AC), Palnia Andrade Arrais (CRP21PI), Jaque- line Lopes Teixeira (CRP22MA) e Jaqueline Medeiros Silva Calafate (CRP23 TO)
  • 5. 7Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas APRESENTAO O Conselho Federal de Psicologia (CFP) apresenta categoria e sociedade em geral o documento de Referncias Tcnicas para a Pr- tica de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas, produzido a partir da metodologia do Centro de Referncia Tcnica em Psicologia e Polticas Pblicas (Crepop). Este documento busca construir referncias para a atuao da Psicologia na rea. As referncias construdas possibilitam a elaborao de parmetros compartilhados e legitimados pela participao crtica e reflexiva de psi- clogas (os). Elas refletem o processo de dilogo que os Conselhos vem construindo com a categoria, no sentido de se confirmar como instncia reguladora do exerccio profissional. Por meios cada vez mais democrticos, esse dilogo tem se pautado por uma poltica de reconhecimento mtuo entre os profissionais da Psi- cologia, assim como pela construo coletiva de uma plataforma profis- sional que seja tambm tica e poltica. A opo pela abordagem deste tema reflete o compromisso dos Con- selhos Federal e Regionais de Psicologia com a qualificao da atuao das (os) psiclogas (os) em todos os seus espaos de atuao. ALUZIO LOPES DE BRITO Presidente do Conselho Federal de Psicologia
  • 6. 8 SUMRIO APRESENTAO................................................................................................7 O CENTRO DE REFERNCIA TCNICA EM PSICOLOGIA E POLTICAS PBLICAS CREPOP.....................................................................................10 Metodologia.......................................................................................................11 A Pesquisa Tcnicas para a Atuao de Psiclogas/os em Polticas P- blicas de lcool e Outras Drogas..................................................................12 Etapa Descritiva Questionrio online...........................................................13 Etapa Qualitativa Reunies Especficas (RE) e Grupos Fechados (GF)......15 As Referncias Tcnicas..................................................................................18 INTRODUO.................................................................................................19 A constituio do campo de cuidados relacionado ao uso de drogas no Brasil: valores, ideias e prticas..................................................................................19 EIXO 1: DIMENSO TICO-POLTICA DA ATUAO DA/O PSICLOGA/O NA POLTICA DE LCOOL E OUTRAS DROGAS.......................................26 Contextualizao sobre o uso de drogas no Brasil........................................ 26 Polticas Pblicas sobre lcool e outras drogas.............................................35 Reduo de Danos no Brasil........................................................................... 39 A RD e a defesa dos direitos........................................................................... 40 RD e Ateno Psicossocial.............................................................................. 42 EIXO 2: PSICOLOGIA E A POLTICA SOBRE LCOOL E OUTRAS DROGAS..............................................................................................................44 Centro de Ateno Psicossocial para lcool e Outras Drogas...................... 46 NASF e ESF - Princpios e Diretrizes Gerais.................................................... 48 Consultrio de Rua (CR).................................................................................. 49 CRAS e CREAS: a articulao com a Poltica de Assistncia Social..............51
  • 7. 9Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Atuao da (o) psicloga (o) na gesto dos servios..................................... 54 Sobre as Comunidades Teraputicas.............................................................55 EiXO 3: A ATUAO DOS PSICLOGOS...................................................58 A constituio do campo dos cuidados relacionados ao uso de Drogas no Brasil................................................................................................................ 58 A Clnica da abstinncia.................................................................................. 59 A Clnica do desejo...........................................................................................61 A Clnica psicossocial...................................................................................... 62 EIXO 4: DESAFIOS PARA UMA PRTICA PSICOLGICA EMANCIPA- DORA..............................................................................................................65 O uso das drogas: subjetividade e sofrimento psquico (igualdade, diversida- de, singularidade)............................................................................................ 68 Sade: uma viso integral e sistmica........................................................... 69 A construo de um novo lugar profissional: Interdisciplinaridade, Interseto- rialidade e Atuao em Rede.......................................................................... 72 Psicologia e Polticas Pblicas: compromisso com a liberdade e os direitos humanos...................................................................................................74 Qualificao profissional: graduao, formao permanente e superviso tcnica..............................................................................................................77 CONSIDERAES FINAIS............................................................................... 80 REFERNCIAS..................................................................................................81
  • 8. 10 O CENTRO DE REFERNCIA TCNICA EM PSICOLOGIA E POLTICAS PBLICAS CREPOP O Centro de Referncia Tcnica em Psicologia e Polticas Pbli- cas (Crepop) um projeto permanente do Sistema Conselhos de Psi- cologia que, dando continuidade ao projeto Banco Social de Servios em Psicologia1 , desde 2006, sistematiza e divulga informaes acer- ca da prtica profissional da(o) psicloga(o) nas polticas pblicas. O objetivo deste centro promover a ampliao e a qualificao da atuao profissional de psiclogas(os) que atuam na esfera pblica, ofe- recendo referncias para atuao profissional nesse campo, identificando oportunidades estratgicas de participao da psicologia nas polticas p- blicas e promovendo sua interlocuo com espaos de formulao, gesto e execuo em polticas pblicas. Trata-se, portanto, de uma estratgia de consolidao da presena da profisso nas polticas sociais brasileiras. Dessa forma, o objetivo central do Crepop se constituiu para garan- tir que esse compromisso social seja ampliado no aspecto da participa- o das (os) psiclogas (os) nas polticas pblicas. Contribuindo para a expanso da Psicologia na sociedade e para a promoo dos Direi- tos Humanos, bem como a sistematizao e disseminao do conheci- mento, oferecendo referncias para atuao profissional nesse campo. Cabe tambm ao CREPOP identificar oportunidades estratgi- cas de participao, alm de promover a interlocuo da Psicologia com espaos de formulao, gesto e execuo em polticas pblicas. 1 O Banco Social de Servios foi um projeto do Sistema Conselhos de Psicologia, lanado em maio de 2003 e executado at agosto de 2005, por meio do qual a Psicologia pode apre- sentar sociedade e ao Estado prticas profissionais pouco visveis na sociedade brasileira, participando em polticas que visavam melhorar as condies de vida em nosso pas, abrindo novos canais de negociao com o Estado sobre as demarcaes e possibilidades de atua- o da (o) psicloga (o) e contribuindo na formao de psiclogas (os) para atuao na rea social. O projeto foi desenvolvido com o estabelecimento de parceria com rgos pblicos - ministerios, secretarias executivas, Poder Judicirio - e a partir da dedicao voluntria de psiclogas (os), que escolhiam em qual dos projetos pretendiam trabalhar, assinavam um termo de adeso ao trabalho voluntrio e desenvolviam as intervenes nas instituies par- ceiras do Banco Social, seguindo orientaes e diretrizes do projeto no qual se inscreveram.
  • 9. 11Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Metodologia Por meio da diretriz Investigao Permanente em Psicologia e Polti- cas Pblicas, o Crepop realiza pesquisas multicntricas que permitem investigar nacionalmente o fazer das(os) psiclogas(os) diante das espe- cificidades regionais e servem como subsdio para a produo de refe- rncias ao trabalho dessas(desses) profissionais nas polticas pblicas. O processo investigativo da Rede CREPOP implica na constru- o e atualizao de um banco de dados para comportar infor- maes referenciadas, inclusive geograficamente, sobre profis- sionais de Psicologia, legislaes, documentos, programas e en- tidades que desenvolvem aes no campo das Polticas Pblicas. Sua metodologia se divide em trs circuitos: o primeiro o levanta- mento de campo, com o objetivo de delimitar o campo de investigao; o segundo trata da investigao da prtica, com a aplicao, pelas uni- dades do Crepop nos Conselhos Regionais, dos instrumentos defini- dos para o campo a ser pesquisado; e, o terceiro, produo de refern- cia, que consiste na elaborao do documento de referncias tcnicas. Com o objetivo de fazer com que a elaborao do documento de refe- rncias seja um processo democrtico e transparente, o circuito produo de referncias prev a realizao de consulta pblica. Trata-se de uma modalidade de consulta criada e utilizada em vrias instncias, inclusive governamentais, com o objetivo de auxiliar na elaborao e coleta de opi- nies da sociedade sobre temas de importncia. Este sistema permite in- tensificar a articulao entre a representatividade e a sociedade, alm de ampliar a discusso acerca da coisa pblica. Ainda, proporciona uma cole- ta de forma gil e com baixo custo das opinies dos implicados no assunto. Para o Crepop, a ferramenta de consulta pblica abre a possibi- lidade de uma ampla discusso sobre a atuao da(o) psicloga(o) na rede de atendimento, permitindo a participao e contribui- o de toda a categoria na construo sobre o fazer desta(e). Des- ta forma, cumprimos o nosso objetivo de construirmos um do- cumento de referncia de forma democrtica e transparente.
  • 10. 12 A Pesquisa Tcnicas para a Atuao de psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas O tema a ser investigado em uma pesquisa do Crepop eleito a partir de determinados critrios, a saber: tradio na Psicologia; abrangncia territorial; existncia de marcos lgicos e legais; e o carter social ou emer- gencial dos servios prestados. A escolha do tema Atuao de psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas como rea de atua- o profissional de psiclogas (os) nas polticas pblicas emerge de uma demanda da categoria observada no VI Congresso Nacional da Psicologia (CNP), realizado em 2007. Esse tema surge em teses do VI CNP que apon- tam para o Sistema Conselhos a necessidade de promover discusses e aes acerca da questo, destacando-se a violao dos Direitos Humanos e a importncia da perspectiva da reduo de danos (RD) no atendimento aos usurios de lcool e outras drogas no Sistema nico de Sade (SUS). A rede de servios destinados a atender as pessoas com problemas decorrentes do consumo de lcool e outras drogas foi impulsionada pela publicao da Poltica do Ministrio da Sade para a Ateno Inte- gral aos Usurios de lcool e outras Drogas (BRASIL, 2003). Esta Polti- ca definiu competncias para os trs nveis de gesto do Sistema ni- co de Sade (SUS) e criou mecanismos de financiamento especficos. Um importante dispositivo, dentre outros de ateno aos usu- rios de lcool e outras drogas, so os Centros de Ateno Psicossocial (CAPS) - que compem a Rede de Ateno Psicossocial (RAPS) e me- recem destaque pelo seu valor estratgico para a Reforma Psiqui- trica Brasileira. Os CAPS so servios de sade municipais, abertos, comunitrios, que oferecem atendimento dirio e se dividem por tipo. Nesse documento, abordaremos o CAPS lcool e Drogas (CAPS AD), ou seja, para usurios de lcool e outras drogas (em municpios de 70 mil a 200 mil habitantes) e o CAPS AD III (em municpios com popu- lao acima de 200 mil habitantes), com funcionamento 24 horas.
  • 11. 13Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas A Poltica para lcool e Outras Drogas tornou-se um ponto de dis- cusso polmico no mbito social, estando em constante proces- so de disputas ideolgicas na sociedade. O Plano Integrado de En- frentamento ao Crack e Outras Drogas (BRASIL, 2010), ainda em fase de implementao, emerge nesse contexto de disputa e cons- titui-se como diretriz nas polticas pblicas voltadas para o tema. A presente pesquisa foi realizada em 2009, entre os meses de maio a julho, tendo sido realizada em duas etapas: uma etapa nacional, do tipo descritiva, a partir de um instrumento online; e uma etapa qualitati- va, realizada pelas unidades locais do Crepop, localizadas nos Conselhos Regionais. Contou com a utilizao dos seguintes instrumentos: questio- nrio disponibilizado online, reunies especficas, grupos fechados e en- trevistas. Participaram desta pesquisa 345 respondentes online, dentre psiclogas(os), outras(os) profissionais atuantes no campo e gestoras(es). poca da pesquisa, existiam 17 unidades regionais do Crepop, tendo cadaumadelasconduzidoainvestigaoemseuterritriodeabrangncia. Aseguir,algunsdadosrelativospesquisarealizadacomospsiclogosque atuavamnaspolticaspblicassobrelcooleoutrasdrogasnoanode2009. Etapa Descritiva Questionrio online Os resultados da pesquisa descritiva revelaram um conjunto de 345 psiclogas(os) respondentes. Sobre os aspectos sociodemogrficos, a pesquisa demonstrou que 80,3% dos respondentes eram mulheres; 55,4% tinham idade entre 35 e 60 anos; 74,9% se autodeclararam brancos, 17,2% pardos e apenas 5% como negros. Sobre a formao, 64,5% possuam ps- -graduao sendo que destes, 78,9% so especialistas; foram classifica- das18reasdeEspecializao,sendoasprincipais:DependnciaQumica/ lcool e Drogas (25.1%), Sade Mental (11,7%) e Psicopedagogia (10,5%). Sobre a atividade profissional foi identificado que 41,3% atuavam em Polticas sobre lcool e Outras Drogas h menos de dois anos; 25,9% das/os respondentes trabalhavam de 10 a 20 horas semanais e 43,8% ti- nhamremuneraodeatR$1.500,00.As(os)respondentesatuavamprin- cipalmenteemserviosnolistadosnoquestionrio(30,8%)eemCAPS-AD
  • 12. 14 (17,2%). Questionadas (os) sobre qual seriam estes outros servios, 15,3% disseram atuar em Clnicas e Consultrios, 12,5% em ONG/OSCIP e 8,3% em Comunidades Teraputicas (CT). Dentre os marcos legais mais conhe- cidos e utilizados estavam respectivamente a Poltica Nacional sobre Dro- gas (2005a), a Poltica do Ministrio da Sade para Ateno Integral a Usu- rios de lcool e Outras Drogas (2003) e a Poltica de Sade Mental (2004). Ao descreverem o que faziam no dia-a-dia, as (os) psiclogas (os) relataram que o trabalho inclua uma srie de atividades que buscavam atender s mltiplas demandas existentes na atuao neste campo. Nos diferentes servios, havia uma organizao dessas atividades e da rotina detrabalho,bemcomodofluxodousurionosservios,afimdas(os)psic- logas (os) maximizarem as possibilidades de realizar um trabalho efetivo. Os relatos ilustram este aspecto: Atender clinicamente o paciente em ambiente de consultrio, fazer en- caminhamentos para outros servios disponveis, verificar a utilizao e de outras estratgias que sirvam de apoio ao suporte psicolgico clnico (social, mdico familiar educativa e comunitria), verificar se h qualquer atividade nos diversos setores pblico e privado que venha provocar qual- quer discusso ou debate que tenha como referncia as dependncias e uso abusivo de lcool e outras drogas. Tentar fazer estudos tericos que abordam sobre o assunto na linha de pensamento com a qual me identifi- co. (pesquisa CREPOP/CFP). Em relao aos desafios, os mais referidos pelas (os) psiclogas (os) dizem respeito a dificuldades encontradas no cotidiano por ocasio do desenvolvimento do trabalho com os usurios de lcool e outras dro- gas. Estas dificuldades esto, em geral, interrelacionadas, possuem ml- tiplas causas e geram barreiras para que a poltica de ateno integral ao usurio de lcool e outras drogas seja sempre executada dentro do que foi planejado pelas (os) profissionais. Dentre estas, podemos citar: a adeso ado usurio ao tratamento, os preconceitos, a relao com a fa- mlia, a falta de capacitao profissional, os entraves para a realizao de um trabalho em equipe, os problemas do trabalho em rede, a carncia de
  • 13. 15Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas recursos humanos, financeiros e materiais, a estrutura fsica inadequada, a baixa remunerao e a desvalorizao do trabalho. Ao mesmo tempo, as (os) respondentes apontaram algumas estratgias utilizadas para li- dar com tais dificuldades, como podemos depreender dos seus relatos: Adeso do usurio; recuperao do usurio e melhor qualidade de vida para o usurio e seus familiares. Algumas condies bsicas precisam ser satisfeitas para que o modelo de RD seja eficaz: a) capacitao tcnica dos profissionais na rea de drogas e tambm da AIDS; b) ampla disponi- bilidade de preservativos; c) acesso gratuito a servios de tratamento sem longas filas de espera; d) ampla disponibilidade de seringas e outros equi- pamentos. (pesquisa CREPOP/CFP). Etapa Qualitativa Reunies Especficas (RE) e Grupos Fechados (GF) As reunies especficas e os grupos fechados se diferenciaram quanto aos seus objetivos, participantes e metodologias. As reunies especficas tm a participao de diversos profissionais atuantes na rea, gestores, alm de psiclogas/os e estudantes de Psicologia. Os grupos fechados foram dirigidos s (aos) psiclogas (os) atuantes no campo das Polticas Pblicas sobre lcool e Outras Drogas e o obje- tivo dos mesmos era aprofundar a discusso sobre as suas prticas. Nas reunies especficas, as (os) participantes das diversas re- gies em que foi possvel sua realizao discutiram vrios aspec- tos relacionados implantao e implementao da Poltica Pbli- ca sobre lcool e Outras Drogas, as potencialidades do campo e as aes inovadoras. De modo geral, ficou evidente que ainda h mui- tas dificuldades para sua efetivao. De acordo com os relatos, mui- tos lugares ainda no conseguiram implantar as diretrizes propostas. Em algumas reunies, as (os) participantes se referiram ao pouco conhecimento acerca da Poltica Pblica sobre lco- ol e Outras Drogas e se queixaram tambm da ausncia de for- mao e de capacitao especfica para atuar neste campo:
  • 14. 16 Em relao s polticas pblicas, as participantes da reunio dizem no possuir um conhecimento sobre a poltica de lcool e outras drogas e vem isto como uma dificuldade para se trabalhar na rea. O Estado no oferece cursos de capacitao na rea de dependncia qumica e sentem falta e no tm apoio financeiro da instituio para realizar um curso fora. Se qui- serem fazer, vo por conta prpria, mas difcil porque acaba saindo caro. O que sabem sobre o assunto porque correram atrs de informaes em livros e internet. (pesquisa CREPOP/CFP). A discusso sobre as dificuldades relativas a vrios aspectos da im- plementao das Polticas sobre lcool e Outras Drogas ocorreu diversas vezes e de diferentes modos durante as reunies. Uma das discusses muito presente nas reunies foi relativa falta de uma rede articulada que possa garantir aes intersetoriais e, associada a estas questes, foi apontado que os servios existentes so insuficientes e que pre- ciso investir em mais aes neste campo. Um dos aspectos apontados como um fator que contribui para que a rede de referncia no cumpra o seu papel a falta de profissionais, especialmente de psiclogas (os): Infelizmente no h psiclogos em todos os servios. No total, em todas as reas de sade, o municpio dispe apenas de seis profissionais, onde trs encontram-se de licena no momento. No Estado, o nmero de 27 psic- logos, que esto distribudos entre hospitais e maternidade, mesmo assim ainda h necessidade de contratao de mais profissionais para melhor atender populao. Uma grande limitao que dentre esses psiclogos nem todos atendem ao dependente qumico, o que gera uma demanda mui- to alta para os poucos profissionais que trabalham nessa rea. (pesquisa CREPOP/CFP). A discusso sobre a falta de investimentos e de recursos fi- nanceiros para implementar a poltica ocorreu diversas vezes du- rante as reunies e estava relacionada a outras temticas, tais como a falta de treinamentos, falta de materiais, baixos salrios.
  • 15. 17Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Nos grupos fechados, foram discutidos temas relacionados a especifici- dades das aes desenvolvidas pelas (os) psiclogas(os), tais como: o tra- balho e as estratgias desenvolvidas, as abordagens tericas, a autonomia das (os) profissionais, o trabalho em equipe multidisciplinar, as preocupa- es e as demandas especficas das (os) psiclogas (os) e prticas inova- doras. Vrias discusses circularam em torno das abordagens de trabalho utilizadas pelas (os) psiclogas (os) no cotidiano. Foi possvel identificar queasestratgiaselinhastericasutilizadassomuitodiversificadase,no mesmo grupo de discusso, apareceram modos de atuao muito diferen- tes. Geralmente, as atividades desenvolvidas incluem atendimentos indivi- duais, grupais, acolhimento e atividades dirigidas s famlias dos usurios: Nos servios de lcool e outras drogas, os psiclogos atuam com atendi- mento individual, psicoterapia de grupo, reunio de equipe, estudo de caso, grupo de acolhimento, oficinas teraputicas, trabalho de capacitao, tra- balho de preveno. [...] Assim, nos servios desta rea os psiclogos tam- bm realizam atendimento famlia e trabalho com grupo de famlia de adolescentes. (pesquisa CREPOP/CFP). O papel do psiclogo na poltica de reduo de danos levar o paciente a responsabilizar-se pela sua vida e pelas escolhas que faz. preciso ressal- tar que nem todos do grupo demonstraram compreenso sobre a reduo de danos enquanto estratgia que perpassa toda a Poltica. Uma psicloga, por exemplo, argumentou que no o caso de o CAPSAD trabalhar nesse sentido, assumindo aes preventivas, por ter um vis clnico. (pesquisa CREPOP/CFP).
  • 16. 18 As referncias tcnicas Os Documentos de Referncia, ou Referncias Tcnicas, so recursos que o Conselho Federal de Psicologia oferece s (aos) psiclogas (os) que atuam no mbito das polticas pblicas, para qualificao e orientao de sua prtica profissional. Sua redao elaborada por uma Comisso Ad hoc, composta por um grupo de especialistas reconhecidos por suas qualificaes tcnicas e cientficas, por uma (um) Conselheira (o) do CFP, uma (um) Conselheira (o) Consultiva (o) e uma (um) Tcnica (o) do CREPOP. O convite s (aos) espe- cialistas feito pelo CFP e no implica em remunerao, sobretudo, porque muitas(os) dessas(es) so profissionais que j vinham trabalhando na orga- nizao daquela poltica pblica especfica e recebem o convite como uma oportunidadedeinterviremnaorganizaodasuareadeatuaoepesquisa. Nesta perspectiva, espera-se que esse processo de elaborao de re- ferncias tcnicas reflita a realidade da prtica profissional e permita tam- bm que o trabalho que vem sendo desenvolvido de modo pioneiro pelas muitas (os) psiclogas (os) possa ser compartilhado, criticado e aprimo- rado, para uma maior qualificao da prtica psicolgica (CFP, 2012)2 . Para construir as Referncias Tcnicas para atuao nas Polticas Pblicas sobrelcooleOutrasDrogas,foiformadaumaComissoem2012,comumgrupo deespecialistasindicadopelosplenriosdosConselhosRegionais(CRPs)ePle- nrio do Conselho Federal. Assim, esta Comisso foi composta por cinco espe- cialistas que, voluntariamente, buscaram qualificar a discusso sobre atuao dos psiclogos neste campo. Partindo das anlises dos dados e resultados da pesquisa, este documento aborda e referencia aspectos especficos da prtica profissionaldepsiclogas(os)naspolticaspblicassobrelcooleOutrasDrogas. 2 Para conhecer toda metodologia de elaborao dos documentos de referncias tcnicas do Sistema Conselhos/Rede Crepop, sugerimos a leitura do Documento de Metolologia do Crepop 2011 em http://crepop.cfp.org.br
  • 17. 19Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas INTRODUO A constituio do campo de cuidados relacionado ao uso de drogas no Brasil: valores, ideias e prticas A anlise da constituio de um campo de cuidados relacionado ao uso de drogas no Brasil pode ficar incompreensvel se no acio- namos as perspectivas histricas que nos ofeream elementos que permitam identificar as fontes das quais proveem a produo de uma certa sensibilidade social nacional materializada nos valores, ideias e prticas que nos especificam em relao a esta temtica e do base, entre ns, ao processo de institucionalizao dos saberes e fa- zeres relacionados ao campo de atuao em lcool e outras drogas. A marca da desqualificao moral e social das pessoas, corre- lacionada a alguns tipos de uso de algumas das drogas, sejam elas lcitas ou ilcitas, apesar de se apresentar contemporaneamen- te como uma invariante guardam peculiaridades correlacionadas com os processos histrico-culturais atravs dos quais foram pro- duzidas modernamente cada nao e suas respectivas sociedades. Assim a trajetria atravs da qual se produziu o atual consen- so mundial proibicionista, no sculo XX, na maioria das socieda- des ocidentais modernas, que prescrevem a ilegalidade de algu- mas substncias, sem dvidas, um importante fator da margi- nalizao e desqualificao social dos sujeitos cuja trajetria fica de algum modo associada s drogas e a tudo que a elas esteja li- gado, sobretudo por sua associao comum a processos de crimi- nalizao, gerador de preconceitos e de condenaes valorativas. No caso brasileiro, esta supervenincia dos processos transna- cionais que desde o Ocidente misturam proscrio e ilegalidade de algumas substncias psicoativas e a condenao moral aos exces- sos e descontroles em relao s demais substncias lcitas que in- duzem e conduzem o cidado a abrir mo do seu autogoverno e da sua autodeterminao - base politica do Estado, prescrita desde
  • 18. 20 as ocidentais modernas podem limitar a nossa percepo acer- ca das formas singulares de engendramento de uma sensibilidade social peculiar, historicamente organizada, que modula as percep- es e enquadramentos que essa problemtica recebe entre ns. Para tal deveramos recuar uma pouco mais em nossa historia e analisar a trajetria peculiar do tema Drogas correlacionada com os processos de constituio da prpria sociedade brasileira. As legisla- es brasileiras que trataram do tema, no incio do sculo XX, produ- zindo condenaes legais a algumas substncias tomaram como foco os chamados vcios elegantes (cocana, herona, opio, absinto) - as chamadas drogas de salo - que ganharam a preocupao dos le- gisladores pelo seu carter ameaador dissipao da juventude rica da poca, verdadeiro patrimnio nacional, que poderia se dilapidar caso no houvesse controles e restries ao que parecia amea-la. Todavia, ainda que no tenham sido alvo deste tipo de legislao, to especifica, foram o lcool e a maconha, de trajetria bastante anterior e de uso amplamente disseminado nos grupos sociais subalternos, so- bretudo afrodescendentes, que parecem ter oferecido a base valorativa mais permanente marcados pela vigorosa e persistente desqualificao moral e social que, segue ainda hoje, informando a percepo social relacionada a apreciao deste tema. Podemos afirmar que as sensibi- lidades sociais, aversivas e fbicas, que ainda hoje reverberam horror e pnico, na abordagem contempornea da chamada questo das dro- gas, na sociedade brasileira, so tributrias do enquadramento dado questo do lcool e da maconha e sua pertena scio-tnico-racial. Certamente a presena do lcool e o hbito de beb-lo na sociedade brasileira distinguem-se historicamente pelos modos da sua produo e pelo seu uso cultural, seja no cauim indgena, seja no vinho trazido pelo portugus como elo com a cultura europeia originria, seja pela via da aguardente, legitimo subproduto autctone desenvolvido sombra da poderosa indstria da cana de acar, matriciadora da civilizao tro- pical aqui desenvolvida. Somente no ltimo caso, entretanto, o produto final pode ser considerado como um componente essencial ao modo de produo agroexplorador, seja como componente calrico agregado
  • 19. 21Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas dieta, seja como recompensa, seja como recurso anestsico comple- mentar obra de dominao exercitada pela violncia escravagista. No ps-abolio e no incio da repblica, diante da opo delibe- rada em no fazer dos negros a mo de obra assalariada - expressa na deliberao poltica de importar mais de quatro milhes de eu- ropeus com vistas a constituir a nascente classe operria brasi- leira - a condio de abandono social a que foram relegados os ex- -escravos e seus descendentes e todos os agravos que possam ser resultantes disto, marcam a associao entre o uso desregrado do lcool, a droga mais popular do Brasil e a condio de uma das mais importantes fontes de vergonha social, a saber: a escravido e seus efeitos continuados nas mais variadas formas de racismo. Deste modo assistiremos a constituio social de um tipo de al- coolismo, tido e havido como originrio e endmico aos negros, naturalizado como uma caracterstica tnica, fonte de desprezo, ver- gonha e humilhao que passar ao largo de qualquer medida de limpeza social que no seja a sua condenao eugnica, como a postulada pela Liga Brasileira de Higiene Mental, na segunda e ter- ceira dcadas do sculo passado. A posterior evoluo deste proje- to mdico encontrar na adoo dos manicmios pblicos como um fim de linha para carreiras de alcoolistas consolidadas o seu desi- derato natural. Neste sentido a histria pessoal do romancista Lima Barreto retida em alguns dos seus romances impregnados com tra- os autobiogrficos profundamente reveladora da fora profti- ca que articula o destino dos negros, ao uso desregrado do lcool. Ao lado da persistente presena do lcool na constituio da his- toria produtiva da sociedade brasileira, podemos dizer que a Maco- nha tem razes igualmente profundas, fincadas numa historia social ainda insuficientemente esclarecida. Sabe-se, por exemplo, que, em relao a introduo da cana de acar na Amrica, pelos portugue- ses, a maconha leva a vantagem por ter tido duplo patrocnio: ela era conhecida pelos portugueses mas tambm pelos negros na frica, ainda que diferentemente valorizada em suas utilidades. Os portugue- ses viam nela uma das mais importantes matrias primas para a pro-
  • 20. 22 duo do tecido rstico e resistente que deveria ser provido por seu cultivo nacional, para alimentar a confeco das velas para os seus navios, veculos condutores de todo o seu projeto de explorao ul- tramarina. Considerado relevante e com potencial interesse econ- mico, no sculo XVIII e XIX, o cnhamo foi objeto da criao de uma Real Feitoria do Linho-Cnhamo, fundada em 1783, por ato do vice-rei Marques do Lavrdio, no Rinco do Cangussu, posteriormente trans- ferida para as proximidades de Porto Alegre (Santos e Vidal, 2009). Em relao ao conhecimento dos africanos desta planta so v- rios os registros etno-botnicos que indicam que ela era conhecida e se fazia presente nas regies da frica, reas originrias dos prin- cipais grupos tnicos que compuseram as levas de negros escravi- zados que chegaram ao pas, incorporada como erva sagrada dos seus rituais religiosos, em sua farmacopeia como recurso medicinal, bem como um mero recurso atenuante para o cansao e induo do sono. Desta forma a mesma chega ao Brasil, igualmente por essa via, incluindo-se o seu despercebido cultivo domstico nos quintais e fundos das senzalas, como fonte de abastecimento para o hbito do pito de pango que ir receber em 1830, uma das primeiras le- gislaes das quais se tem notcias, que visaram coibir esta prtica. Deste modo possvel afirmar que o hbito do uso fumado da maco- nha era um componente tnico-cultural relevante que comps o cenrio da escravido brasileira, mas que, com a abolio da escravatura, pas- sa a se configurar como um elemento socialmente ameaador pela sua difuso presente entre os grupos de jovens afrodescendentes que for- mavam as maltas de capoeiristas e animavam os maculels e candom- bls, ensejando as aes de combate aos mesmos pela fora policial. Expresso da dimenso assumida por essa preocupao, no mbito poltico e social, registra-se a manifestao, significativa e exclusiva, produzida pela representao diplomtica do Brasil junto Liga das Naes em 1924, como autor da petio para a incluso da Cannabis na lista das substancias que deveriam ser banidas e combatidas mun- dialmente, em Conveno especificamente convocada para este fim, tomando como referncia o depoimento do representante brasileiro que
  • 21. 23Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas afirmou sua condio de grave ameaa social nacional, defendendo a sua proscrio, em paralelo ao debate que se fazia em relao ao bani- mento internacional do pio, alegando um paralelo entre ambas subs- tncias, ainda que a segunda fosse pouco conhecida no mundo europeu . que, a esta altura, ao lado da associao ao lcool, as ameaa- doras rebelies urbanas, expressivas da primeira gerao de afrodes- cendentes, socialmente impedidos de qualquer integrao e ascenso social via a participao produtiva, assumem uma condio amea- adora, reforando a associao do hbito do uso da maconha como coisa de negros, desordeiros, marginais, criminosos. Tal como a alcunha de cachaceiro a desqualificao social e moral imputada condio de maconheiro antecipa e antecede, em mais de meio sculo, quela caracterizao que viria ser mais recentemente conhe- cida, derivada do sucesso que esta droga viria angariar no mbito da juventude de classe mdia, nos anos 60, ligada aos protestos polticos e comportamentais referidos na contracultura. nesse perodo con- tracultural que a categoria de acusao drogado ganha relevo no contexto da ditadura civil-militar, sendo equivalente a doente mental. Dos modos como a sociedade brasileira criou para se haver com tal ordem de crueldade herdada do escravismo, a ideologia do em- branquecimento e o mito da democracia racial - duas das mais importantes fontes de produo das matrizes meritocrticas na- cionais - pressupe a possibilidade de que o sujeito possa se afas- tar de sua origem tnico-racial, a partir da adoo de compor- tamentos que reneguem aspectos comportamentais, estticos e morais, que sejam atribuveis s populaes de matriz africana. A condenao do uso do lcool e da maconha, a necessidade dos sujeitos se mostrarem deles absolutamente desvinculados; o esforo por se manter acima de qualquer suspeita em relao aos mesmos; a vergonha social de que qualquer associao com os mesmos possa representar-se como uma evidncia de um mal de origem; o cultivo de uma retrica social de sua abominao como uma fonte da destruio social permanentemente a ameaar a possiblidade da ascenso social dos afrodescendentes vai se estender aos demais grupos que consti-
  • 22. 24 tuem as camadas populares e operrias brasileira, sempre ameaadas de serem confundidas com a parte negra, desta ral depreciada. Deste modo, possvel compreender a condio de um verdadeiro pnico moral que se encontra estabelecido, no mbito da sociedade brasileira, quando trata do tema das Drogas e que a recentssima ques- to da presena do Crack faz acentuar. O crackeiro seria apenas o sucessor, na linha evolutiva das substncias vitimadoras, do cacha- ceiro e do maconheiro que lhe antecederam nesta histria de vio- lncia e dominao, na qual a misria econmica associada marca de raa e de classe, antecipa o risco do desenvolvimento da misria moral, condio de uma desqualificao plena daqueles indivduos que no foram fortes o bastante, resilientes e sucumbiram ao mal. Mais do que um mero resultado de um proibicionismo, que, fazendo coro com as tendncias repressoras mundiais, aloja as drogas no cam- po da criminalidade para as quais a vigncia da Lei Seca norte ame- ricana ofereceu paradigma nos planos da propaganda e na nfase do combate policial seria importante reconhecer, no caso da sociedade brasileira, a existncia de um percurso autctone e anterior, produtora de outra ordem de argumentao depreciativa que vincula a percep- o do usurio de drogas, sobretudo nos seus casos problemticos, a uma ordem inusitada de depreciao moral da qual urge se diferenciar. Assim cabe-nos analisar os processos histricos por meio dos quais se produz e se reproduz a nossa sensibilidade nacional em re- lao questo das drogas, a qual, numa fina sintonia entre opinio pblica e opinio privada, traz as marcas de um fantasmagrico pavor social em relao ao qual nenhum argumento racional en- contra amparo; que traz sempre a marca e a exigncia da elevao do tom condenatrio sem o qual se pode parecer suspeito diante do interlocutor que assume sempre uma perspectiva repressora, autoritria e totalitria, nica forma de evitar ser invadido pelo con- tgio desqualificante do signo da tolerncia em relao s mesmas. Tal clima certamente desfavorece a ao profissional das psi- clogas, sustentada na arte da suspeio das aparncias, na va- lorizao do sujeito contra o carter opressivo das instituies da
  • 23. 25Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas cultura, na disposio sempre dialogante e disponvel para reco- nhecer as razes do sujeito presente nos seus propsitos e nos seus descaminhos. Perceber a trama social, tecida na histria das dominaes e opresses, pode ser recurso para fazer conteno a forte onda de preconceitos que nos envolve a todos, quando a questo se posicionar em relao s drogas, mas principalmen- te quando se trata de cuidar dos que fazem uso problemtico delas. Nas prximas pginas, este documento apresenta em quatro tpicos, referncias para a atuao da (o) psicloga (o) no cuidado com a pes- soa que faz uso problemtico de lcool e outras drogas. Considerando que em seu protagonismo na formulao de polticas pblicas e aes de cuidados, o profissional se nortear, ainda, pelo Cdigo de tica Profissional do Psiclogo, e os princpios fundamentais do Sistema ni- co de Sade (SUS) e do Sistema nico da Assistncia Social (SUAS).
  • 24. 26 EIXO 1: DIMENSO TICO-POLTICA DA ATUAO DA/O PSICLOGA/O NA POLTICA DE LCOOL E OUTRAS DROGAS Contextualizao sobre o uso de drogas no Brasil Como dito anteriormente, podemos afirmar sem medo que as drogas fazem e faro parte da experincia humana. Em todas as sociedades e pocas existe registro da utilizao de substncias psicoativas com as mais diferentes funes: em rituais, em atos sagrados, em prticas cura- tivas, ou mesmo por razes recreativas e ldicas. (ESCOHOTADO, 2009). De forma mais detalhada, vejamos o surgimento da emergncia do problema das drogas que recente em termos histricos. No sculo XX, as drogas tornaram-se uma preocupao social que apresentada por alguns setores como um perigo ou ameaa em potencial para toda a so- ciedade. A partir disso, algumas substncias psicoativas foram proscri- tas por serem consideradas danosas para a sade pblica e as pessoas que faziam uso de tais substncias foram insistentemente criminalizadas. Aproibiodealgumasdrogas,comopolticainternacionalearticulada, temmaisoumenosumsculo.Em1912,aconteceaPrimeiraConfernciaIn- ternacional do pio, realizada em Haia, que editou as primeiras resolues sobre a proibio internacional do comrcio e consumo dessa substncia. A poltica proibicionista foi o nome dado s aes que visavam por fim produo, comrcio e consumo de determinadas substncias psicoativas. Um dos marcos da consolidao do paradigma proibicionista foi a Conveno das Naes Unidas sobre Entorpecentes de 1961, no qual os pases comprometeram-se internacionalmente a lutar contra o flage- lo da droga (FIORE, 2012). Durante todo o sculo XX, viu-se um avan- o das estratgias de controle e proibio de determinadas substncias, tais como maconha, cocana, herona, opiceos, drogas sintticas, etc. As razes da proibio dessas drogas so diversas, tendo um forte componente econmico e cultural envolvido. Em cada pas existem moti-
  • 25. 27Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas vaes especficas para a adoo de polticas proibicionistas ou de redu- o da oferta. No Brasil, por exemplo, a proibio da cannabis fez parte da criminalizao das manifestaes culturais das populaes negras, pois os poderes constitudos associavam o hbito de fumar maconha, chama- da de pito do pango, comunidade. Por isso, tal prtica foi considerada ilegal no sculo XIX, antes mesmo da sua proibio nos EUA, pas que foi o indutor da poltica proibicionista em todo o mundo (FIORE, 2012). Dessa maneira, as mltiplas motivaes do proibicionismo ex- trapolam o campo estrito da sade pblica. At mesmo porque a proscrio de certas drogas carrega em si uma forte dose de arbi- trariedade, j que diversas pesquisas sobre o tema discordam da classificao de risco dadas s substncias atualmente proibidas. Em 1998, a Assembleia da ONU previu um mundo livre de dro- gas em dez anos com a contribuio dos pases-membros nessa misso. Em 2008, mesmo depois de ter sido gastos bilhes na re- presso, houve a expanso do comrcio e consumo das drogas tor- nadas ilcitas. Mesmo com o insucesso da proposta, nada mudou substancialmente nas polticas de Estado e o proibicionismo segue, de modo geral, sendo uma realidade em grande parte do mundo. Do ponto de vista das estratgias de cuidado, o proibicionismo produz prticas tutelares e violadoras de direitos amparadas no mo- delo moral/criminal e de acordo com a noo de doena. Dessa for- ma, esses modelos fomentam o encarceramento e o tratamento ten- do como nica meta a abstinncia. Alm disso, considera-se que os modelos de assistncia sade baseados no proibicionismo so de alta exigncia, pois se baseiam na abstinncia como pr-requisito em todos os casos. Isso acarreta um problema no acesso sade, vis- to que impe uma barreira para aqueles que no querem ou no po- dem parar de usar drogas, sejam elas lcitas ou ilcitas (ALVES, 2009). O proibiconismo e a reduo de danos pressupem dois modos di- ferentes de lidar com o fenmeno das drogas. Enquanto o primei- ro est empenhado em reduzir a oferta e a demanda por substn- cias psicoativas (SPAs) com aes repressivas e criminalizadoras da produo, comrcio e uso, o paradigma da reduo de danos con-
  • 26. 28 centra-se em enfrentar de modo pragmtico os problemas de sa- de, sociais e econmicos relacionados ao uso de substncias psico- ativas, sem avaliaes morais sobre essa prtica. (ANDRADE, 2000). O movimento social da RD tambm questiona a partilha mo- ral realizada entre drogas lcitas e ilcitas. Essa partilha moral con- diciona o modo como essas substncias so visibilizadas no de- bate sobre sade pblica alm de produzir subjetividades au- toritrias, principalmente, em relao ao uso de drogas ilcitas. As drogas lcitas, como os psicofrmacos e o lcool, so hoje as principais responsveis pelos danos e agravos sade, mesmo se compararmos com todas as demais drogas proibidas somadas. Uma pesquisa recente da Secretaria Nacional de Polticas sobre Dro- gas (SENAD) identificou o ndice de 12% de prevalncia de uso nocivo ou dependncia de lcool em relao populao brasileira (BRA- SIL, 2007a). No entanto, o debate sobre os agravos decorrentes do uso de lcool ficaram, do ponto de vista da sade coletiva, em segun- do plano diante do alarde pblico produzido em torno do uso do crack. No Brasil, a Lei n 11.343, de 23 de agosto de 2006, revoga a lei an- terior (6.368 de 1976) editada no perodo ditatorial. A nova lei de dro- gas institui o Sistema Nacional de Polticas Pblicas sobre Drogas (SIS- NAD) e prescreve medidas para preveno, ateno e reinsero social de usurios de drogas. Essa previso legal estabelece a preveno do uso indevido de drogas com atividades voltadas para a reduo de ris- co e vulnerabilidade, para a promoo e fortalecimento dos fatores de proteo por meio da autonomia e da responsabilidade individual dian- te do uso de drogas. No entano, de modo geral, a legislao mantm [...] inalterado o sistema proibicionista inaugurado com a Lei n 6.368/76, reforando-o. Nesse sentido, a lgica discursiva diferenciadora iniciada na dcada de 70 consolidada no novo estatuto, em detrimento de projetos polticos alternativos (descriminalizadores) moldados a partir das polticas pblicas de reduo de danos (CARVALHO, 2008, p. 9).
  • 27. 29Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Com a emergncia da nova lei de drogas, a prtica da Justia Te- raputica ganha relevo no pas associada ao paradigma da abstinn- cia. A Justia Teraputica uma medida judicial de tratamento dire- cionada aos sujeitos apreendidos por porte/uso de substncias ilcitas. Essa prtica no restritiva de liberdade, mas restringe seus direitos por se tratar de um tratamento compulsrio, determinado por senten- a judicial. Tal prtica mantm inalterada a dimenso punitiva e reedi- ta a relao entre vigilncia e reabilitao, promovida por diversos dis- positivos criados entre os saberes mdicos, psicolgicos e judicirios. Essa medida no funciona como forma de descriminalizao dos usurios de drogas e tambm no estimula o contato clnico, pois no h escolha para aquele que submetido ao tratamento obrigat- rio. O acesso sade e ao tratamento clnico tem que ser entendi- do como integrado ao campo dos direitos e no como uma medida obrigatria. Por isso, tal prtica questionvel do ponto de vista tico. A legislao atual sobre drogas tambm implicou no aumen- to de 124% dos presos por trfico no perodo de 2006 a 2010 (BRA- SIL, 2011). Fatores determinantes para o aumento do encarceramen- to so a falta de clareza da lei na distino entre porte/uso e trfi- co e a cultura de criminalizao da pobreza e da populao negra. A poltica sobre drogas em vigor provoca um intenso deba- te pblico ao contrapor a descriminalizao de condutas e ado- o de medidas de ateno sade no mbito do SUS, e a abor- dagem policial e prisional no mbito da segurana pblica.
  • 28. 30 As polticas pblicas de sade institudas no pas so resultado do pro- tagonismo dos coletivos, movimentos sociais e grupos organizados que esto em constante processo de tenso crtica em relao ao Estado. Des- se modo, o plano do coletivo que garante o sentido pblico das polticas. Esta, sem dvida, foi a direo do movimento das polticas pblicas de sa- de que culminou no SUS. Com o conceito de sade coletiva a dimenso do pblico que revigorada nas polticas de sade. No mais identificado a estatal, o pblico indica assim a dimenso do coletivo. Poltica pblica, po- ltica dos coletivos. Sade pblica, sade coletiva. Sade de cada sujeito, sade da populao (BENEVIDES e PASSOS, 2005). As prticas socioassistenciais que incluem a pessoa usuria de lcool e outras drogas, seus familiares e a comunidade tambm so relevantes nesse debate. A Poltica Nacional de Assistncia So- cial (BRASIL, 2004) e o Sistema nico de Assistncia Social (SUAS), efetivado em 2005, definem a poltica brasileira de proteo so- cial e determinam a ampliao da rede socioassistencial no pas. Outropontoimportanteparaanliseainstituio,em2010,doPlanoIn- tegrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas pelo decreto presiden- cialn7.179.OreferidoPlanoprevacriaode6.120(seismilcentoevinte) leitos,sendo2.500(duasmilequinhentas)vagasparaconvnioaoSUSeao SUAS em Comunidades Teraputicas (CT), que so instituies privadas. As polticas atuais sobre lcool e outras drogas esto em constan- te movimento de disputa, seja na prpria sociedade civil, seja na m- quina de Estado. O relevante que amplos setores da sociedade ci- vil organizada vem, ao longo do tempo, engajando-se neste debate para construir polticas efetivas de ateno, cuidado e proteo social. No Brasil, as polticas pblicas de sade foram consolidadas pelo processo da Reforma Sanitria, expresso no movimento constituin- te de 1988. A Constituio Federal no seu art. 196 considera que:
  • 29. 31Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas [...] a sade direito de todos e dever do Estado, garantido mediante po- lticas sociais e econmicas que visem reduo do risco de doena e de outros agravos e ao acesso universal e igualitrio s aes e servios para sua promoo, proteo e recuperao. (BRASIL, 1988). O movimento pela constituio do SUS (Lei 8.080/90) e pela Re- forma Psiquitrica Brasileira (Lei 10.216/01) emergem no proces- so aberto pela Reforma Sanitria no pas a partir da dcada de 1980. A Reforma Psiquitrica instituiu dispositivos de cuidados psicosso- ciais aos usurios de lcool e outras drogas entre eles o Centro de Ateno Psicossocial para lcool e outras Drogas (CAPS AD), etc. O decreto presidencial n 7.508 de 2011 regulamenta a lei 8.080/90, no que dispe da organizao do Sistema nico de Sa- de (SUS) planejamento da sade, assistncia sade e a articu- lao interfederativa. Nesse decreto, a ateno psicossocial apa- rece como requisito para determinar regies de sade e tambm como uma das portas de entrada da Rede de Ateno Sade. A rede psicossocial para lcool e outras drogas fortale- cida com a incluso do CAPS AD III e a ampliao de recur- sos para sua implementao. Esse equipamento passa a ser um [...] componente da Ateno Especializada da Rede de Ateno Psi- cossocial destinado a proporcionar a ateno integral e contnua a pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de lcool, crack e outras drogas, com funcionamento nas 24 (vinte e quatro) horas do dia e em todos os dias da semana, inclusive finais de se- mana e feriados (BRASIL, 2012b, art.2). Em janeiro de 2012, no contexto do Plano de Enfrentamento ao Cra- ck e outras Drogas, uma srie de portarias foram editadas e criaram- -se novos equipamentos na rede de ateno psicossocial. Um exemplo disso so as Unidades de Acolhimento (UAs), que tm como objetivo oferecer acolhimento voluntrio e cuidados contnuos para pesso- as com necessidades decorrentes do uso de crack, lcool e outras dro-
  • 30. 32 gas, em situao de vulnerabilidade social e familiar e que demandem acompanhamento teraputico e protetivo (BRASIL, 2012, art.2, 1). Nesse cenrio, o governo federal lanou tambm o programa Crack, possvel vencer (BRASIL, s.d.), com trs eixos de atuao cuidado, pre- veno e autoridade , que pretende integrar aes da sade, assistncia social, educao e segurana pblica. O programa amplia os recursos pre- vistos para o Plano Integrado de Enfrentamento ao crack e outras drogas. No eixo autoridade, so previstas as aes em cenas de uso do crack por meio do policiamento ostensivo, recuperao da infraestrutura pblica e restabelecimento da convivncia comunitria. No entanto, essas medidas prprias do campo da segurana pblica so controversas, pois refora estratgias de vigilncia e estigmatizao dos usurios de drogas com a instalao de cmeras de videomonitoramento nas reas de uso. A utiliza- o dos Consultrios de Rua como meio para internaes involuntrias ou compulsrias tambm questionada por desvirtuar a funo desse dispo- sitivo que atua no territrio atravs da perspectiva da reduo de danos. As Comunidades Teraputicas (CTs) foram includas no SUS como Servios de Ateno em Regime Residencial, sendo seu financiamen- to da ordem de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) mensais para cada m- dulo de 15 (quinze) vagas de ateno em regime de residncia, at um limite de financiamento de 2 (dois) mdulos por entidade beneficiria, totalizando o mximo de 30 (trinta) vagas. (BRASIL, 2012) Observa- -se que o SUS definiu sua rede de ateno psicossocial, incluindo o componente residencial transitrio, sem contudo credenciar nenhu- ma CT, pois estas no se interessaram em atender aos critrios e exi- gncias no campo da sade. Elas tem encontrado respaldo de finan- ciamento no SUAS e na SENAD, onde ainda no h regras claras. A resoluo (RDC n 29) da Agncia Nacional de Vigilncia Sani- tria de 2011 regulamenta os requisitos de segurana sanitria para o funcionamento das instituies voltadas para a ateno s pesso- as com transtornos, decorrentes do uso, abuso ou dependncia de substncias psicoativas e aplicadas a todas as instituies objeto da resoluo, sejam urbanas ou rurais, pblicas, privadas, comunit- rias, confessionais ou filantrpicas. No Art. 20 a resoluo determi-
  • 31. 33Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas na que durante a permanncia do residente, as instituies devem garantir o cuidado com o bem estar fsico e psquico da pessoa e a proibio de castigos fsicos, psquicos e morais, entre outros pontos. Diante da incluso das Comunidades Teraputicas no SUAS, impor- tante analisar que tipo de poltica o Estado brasileiro est financiando. As Comunidades Teraputicas funcionam, muitas vezes, sem qualquer regulamentao e em desacordo com a Lei da Reforma Psiquitrica e as demais polticas que orientam a ateno em sade mental e os cui- dados com os usurios de lcool e outras drogas. As principais carac- tersticas dessas instituies so a prtica de internao prolongada, o isolamento e o forte componente religioso que orienta as suas prticas, alm da inexistncia de um projeto teraputico singular, institucional e educacional, que incentive a autonomia e participao das pessoas que esto na condio de internos. Deve-se considerar tambm que, de acordo com o Relatrio da 4 Inspeo Nacional de Direitos Humanos: locais de internao para usurios de drogas (CFP, 2011), algumas des- sas instituies incluem em suas prticas o uso excessivo de psicofrma- cos, evidenciando a pobreza de outros recursos teraputicos e clnicos. As Comunidades Teraputicas, que defendem o paradigma da abstinn- cia, reproduzem prticas sociais com caractersticas disciplinares e nor- malizadoras prprias dos espaos prisionais e manicomiais (CFP, 2011). A pesquisa realizada pelo Crepop/CFP aponta o isolamento das (os) psiclogas (os) que atuam nesses espaos e o distanciamen- to de suas prticas das premissas das polticas pblicas, sem ques- tionamento dos efeitos que este tipo de prtica produz no mundo. preciso, ento, romper com o isolamento e a institucionalizao que so prprios dos espaos de privao de liberdade e que constrangem a dimenso tico-poltica do trabalho da (o) psicloga (o). Desse modo, problematizar a insero das (os) psiclogas (os) nesses espaos fa- zer uma anlise crtica das prticas que violam os Direitos Humanos e produzem violncia institucional para trabalhadores e usurios dos ser- vios. Tais prticas so contrrias s polticas pblicas definidas atra-
  • 32. 34 vs da participao e controle social dos coletivos, grupos e movimentos da sociedade civil. Muitas instituies voltadas para os casos de abuso e dependncia das substncias psicoativas incentivam prticas de im- posio de credo como recurso de tratamento para atingir a abstinn- cia. Esse tipo de prtica social, no entanto, incompatvel no s com o Cdigo de tica da (o) psicloga (o), mas tambm com os princpios das polticas pblicas e o carter republicano e laico do Estado brasileiro. Nesse sentido, o Cdigo de tica profissional expressa que vedado ao psiclogo: Induzir a convices polticas, filosficas, morais, ideolgicas, religiosas, de orientao sexual ou a qualquer tipo de preconceito, quando do exerccio de suas funes profissionais; (CFP, 2005, art.2, alnea b). As atuais aes de recolhimento compulsrio da populao em si- tuao de rua, apresentados na mdia como usurios de crack, e a ba- nalizao das internaes compulsrias ou involuntrias de crianas e adolescentes em diversas cidades brasileiras, evidenciam um gra- ve retrocesso para as polticas pblicas, to arduamente conquista- das e que apostam na integralidade do cuidado e na intersetorialidade das aes para as pessoas que fazem uso de lcool e outras drogas. As (os) psiclogas (os), ento, na sua atuao, podem colaborar para des- naturalizar as prticas de violncia e de tutela que historicamente fo- ram associadas s pessoas que fazem uso de lcool e outras drogas. O pnico moral acionado em relao ao crack reproduz estigmas e sofri- mentodegrupossociaisespecficosrelacionadosaoconsumodessadroga. (DOMANICO, 2006). Por isso, as (os) psiclogas (os) nos seus diversos con- textosdetrabalhopodemquestionarprticasautoritriaseproduzirprticas democrticas condizentes com a perspectiva do cuidado e no a da tutela. As medidas de internao no podem ser consideradas como o pri- meiro recurso para os usurios de drogas em situao de vulnerabilida- de social. As relaes possveis do sujeito com as drogas so mltiplas e tambm expressam as singularidades de cada um. A prtica clnica, entendida como postura tica perante os diferentes modos de se relacio- nar com as drogas (lcitas ou ilcitas), implica em afirmar a singularida- de sem prescries generalizantes e moralistas. Nesse sentido, a clnica tambm problematiza as estratgias medicalizadoras, que se valendo do
  • 33. 35Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas paradigma biomdico e da lgica da abstinncia, consideram que os di- ferentes usos de drogas configuram em si uma patologia e, assim sen- do, carecem necessariamente da interveno dos saberes especialistas. As substncias psicoativas, principalmente as consideradas ilci- tas, so usualmente associadas violncia, criminalidade, doena e morte. Muitas das prticas sociais relacionadas com as drogas no podem, no entanto, ser consideradas abusivas ou mesmo compul- sivas. Esses conceitos que remetem ao quadro das chamadas to- xicomanias ou da dependncia qumica so parte de uma parcela pequena comparada aos usos controlados e ocasionais dessas subs- tncias. Certamente, os usos considerados danosos e prejudiciais ne- cessitam de cuidados, mas no se pode confundir de modo deliberado e reduzir os variados modos de relao com as substncias psicoativas compulso e dependncia fsica ou psquica (NERY FILHO, 2009). O conceito de dependncia qumica proveniente da perspectiva bio- mdica.Essaperspectiva,noentanto,nopodeporsisexplicarosdiversos fatores que se fazem presentes no debate sobre o uso e o abuso de lcool e outras drogas. Assim, os diversos usos possveis de substncias psicoati- vas e as questes subjetivas que emergem dessas relaes devem ser vis- tos atravs de uma dimenso mais abrangente, considerando tambm os aspectos clnicos, socioculturais e histricos que constituem tais prticas. Polticas Pblicas sobre lcool e outras drogas No campo das polticas pblicas de sade, existem diversas experin- cias exitosas com a participao de psiclogas que, ao longo do tempo, desenvolveram prticas de cuidado e de acolhimento que tm como pres- supostos a defesa dos direitos humanos das pessoas que fazem uso de lcool e outras drogas e o referencial tico e poltico da profisso. Como descreve o Cdigo de tica Profissional: O psiclogo trabalhar visando promover a sade e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuir para a eliminao de quaisquer formas de negligncia, dis- criminao, explorao, violncia, crueldade e opresso (CFP, 2005, p.7).
  • 34. 36 Por muito tempo, a nica opo de ateno para usurios de lcool e outras drogas foi dada pelo paradigma da abstinncia atravs da interna- o em grandes hospitais psiquitricos ou instituies com caractersticas asilares que marcaram a institucionalizao do saber psiquitrico no Brasil. Multiplicaram-se tambm iniciativas de cunho religioso e de apoio mtuo entre os prprios usurios que encaravam a questo do uso e abuso de dro- gas a partir do enfoque biomdico, ao consider-la uma doena incurvel. Embora o debate sobre as drogas tenha se intensificado na atu- alidade com a diversificao de dispositivos de cuidado, desde a d- cada de 1980 a Poltica Nacional de DST/Aids e o processo da Re- forma Psiquitrica estiveram diretamente implicadas no desen- volvimento das polticas pblicas sobre lcool e outras drogas. A partir do desenvolvimento dos dispositivos da reforma psi- quitrica na dcada de 80, as polticas pblicas comearam a tra- tar do tema do uso e abuso de lcool e outras drogas de modo mais integrado e levando em conta a complexidade do cuidado. De modo geral, nesse perodo, existiam instituies que exigiam absti- nncia e foram sendo criados centros de referncias voltados para a pes- quisa e relacionados aos aspectos clnicos do uso e abuso de drogas. Na dcada de 80, a clnica das toxicomanias teve uma forte influncia no pas, principalmente, com o intercmbio entre psicanalistas brasileiros de forma- o lacaniana e as prticas clnicas desenvolvidas por Claude Olievenstein do Centre Medical Marmottan na Frana. Inmeros centros de tratamento e pesquisa foram criados na dcada de 80, ligados a Universidades brasi- leiras, e se tornaram referncia para as polticas de lcool e outras drogas. Podemos citar o Centro de Estudos e Terapias ao Abuso de Drogas (CETAD), em Salvador, o Ncleo de Estudos e Pesquisa em Ateno ao Uso de Drogas (NEPAD), no Rio de Janeiro, o Programa de Orientao e Assistncia a De- pendentes(PROAD),emSoPaulo,oCentroMineirodeToxicomanias(CMT) em Belo Horizonte e o Centro de Referncia para Assessoramento e Educa- o em Reduo de Danos da Escola de Sade Pblica do RS, entre outros. Esses centros de pesquisa foram importantes referncias para as pr- ticas clnicas e de cuidado para o uso e abuso de lcool e outras drogas. Alguns desses centros tambm foram pioneiros em desenvolver estrat-
  • 35. 37Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas gias clnicas em meados da dcada de 90 e outras aes de aproximao com os usurios de drogas nas cenas de uso, como o caso do Consult- rio de Rua desenvolvido em Salvador, na dcada de 90, pelo CETAD. Es- sas aes experimentais, por sua eficcia em articular prticas de aten- o e cuidado integral, ganharam estatuto de poltica pblica para as aes psicossociais voltadas para os usurios de lcool e outras drogas. Essaspolticasforamimportantesnodesenvolvimentoeconsolidaodas estratgias de cuidado e na afirmao cidadania poltica das pessoas que fazem uso de drogas lcitas e ilcitas contra qualquer tipo de discriminao. O movimento da reforma psiquitrica, preocupado com a desinstitu- cionalizao da loucura, tardou em perceber a especificidade da questo do lcool e outras drogas e da urgncia do desenvolvimento e a consoli- dao de tecnologias de cuidado para esse campo. A reforma psiquitri- ca brasileira, dessa forma, entrou com atraso no debate sobre as polti- cas psicossociais voltadas para o uso e abuso de lcool e outras drogas. Essa desresponsabilizao da clnica psicossocial com a ateno dos usurios de lcool e outras drogas fez com que os recursos historica- mente criados para dar conta desse campo social complexo ganhassem terreno seja formado de forma espontnea pelos prprios usurios, seja pela difuso das autodenominadas comunidades teraputicas, que ar- ticulam aes de medicina privada com a assistncia religiosa. As duas iniciativas so fortemente guiadas pela racionalidade proibicionista e por protocolos rgidos de comportamento, marcados por uma alta exigncia. As prticas de cuidado na sade mental ainda hoje trazem um forte componente que se articula com o paradigma da abstinncia. O Programa Dos Doze Passos, por exemplo, foi desenvolvido pelos grupos de mtua- -ajuda Alcolicos Annimos (AA) e Narcticos Annimos (NA) e, muitas vezes, so adaptados de modo acrtico para a realidade dos servios da rede de sade mental, onde tais prticas integram o leque de aes voltadas para a ateno aos usurios de lcool e outras drogas. J nas Comunidades Teraputicas, a lgica da abstinncia e da medicalizao hegemnica e esto integradas s estratgias motivacionais e tera- puticas, que muitas vezes carecem de embasamento terico no cam- po de conhecimento clnico, tico e poltico produzido pela Psicologia.
  • 36. 38 Nesse percurso, em 2003, a adoo do paradigma da Reduo de Danos nas polticas de sade e socioassistenciais, impulsiona o desenvolvimento de prticas de cuidado articuladas com os dispo- sitivos substitutivos da Reforma Psiquitrica e a defesa dos direi- tos humanos das pessoas que fazem uso de drogas (BRASIL, 2003). O carter de experimentao ainda muito presente no campo de ao psicossocial, o que demostra que as prticas de ateno e cuidado inte- gral para os usurios de lcool e outras drogas ainda est em estrutura- o no pas e conta com o histrico e as experincias j desenvolvidas nos centros de referncia. Alm dessas experincias, aes bem sucedidas que esto em curso no CAPS AD, nos Consultrios na Rua e em outros dispositivos psicossociais reforam a cidadania, a autonomia e os direi- tos humanos dos usurios atendidos e se articulam com outras polticas pblicas de assistncia social, moradia, educao, trabalho, lazer, etc. Na atualidade, a poltica de ateno primria sade - Estratgia de Sade da Famlia (ESF), Agentes Comunitrios de Sade (ACS), Ncleo de Apoio Sade da Famlia (NASF) busca fortalecer a articulao com a rede psicossocial - CAPS AD, Unidades de Acolhimento (UAs), Consul- trios de Rua, Programas de Reduo de Danos (PRDs) e Escola de Re- dutores de Danos (ERD). Para ampliar as aes de proteo social, o SUAS preconiza os Centros de Referncia de Assistncia Social (CRAS) e os Centros de Referncia Especializada de Assistncia Social (CREAS). Aspolticassobrelcooleoutrasdrogasenglobamdiversossetoresdapo- ltica pblica, seja na rea da segurana pblica, seja na sade, assistncia socialeeducao.Ograndedesafiodessaintegraoatuarnaperspectiva da garantia de direitos e, dessa maneira, enfrentar a lgica que trata a ques- todasdrogaspelovisexclusivodadoenaedocrime.Estalgicareducio- nista criminaliza e patologiza os usurios, que passam a ser objeto de dis- criminao, preconceito, excluso, recolhimento e internao compulsria.
  • 37. 39Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Reduo de Danos no Brasil A estratgia de Reduo de Danos representa um passo na su- perao dessa viso reducionista sobre o uso de substncias psicoati- vas, uma vez que incentiva o protagonismo e autonomia do usurio, res- gatando sua condio de sujeito na perspectiva dos direitos humanos. Para analisar as possibilidades das estratgias de RD e suas inter- facesnecessrioapresentarasuaemergncianocampodasadenoBra- sil. Na dcada de 1980, vrios segmentos sociais envolveram-se na busca de resposta para enfrentar a epidemia de Aids. A criao do Programa Na- cional de AIDS possibilitou a ampliao da poltica de sade e a garantia de direitos, que foram posteriormente abrigadas dentro das diretrizes do SUS. Nestapocadelutasporsade,comeaadisseminaodeservios para atender os portadores de HIV, assim como Organizaes no Gover- namentais (ONGs) que reivindicavam uma ao poltica na sade pblica direcionada para a DST/Aids. As organizaes mais importantes nesse ce- nrio, voltadas para esse objetivo, eram o GAPA (Grupo de Apoio Preven- oAIDS),aAssociaoBrasileiraInterdisciplinardeAIDS(ABIA)eoInsti- tuto de Estudos e Pesquisa em AIDS de Santos (IEPAS), entre outras. Essas organizaes impulsionam o debate sobre estratgias de RD como poltica pblica de sade, direcionada para os Usurios de Drogas Injetveis (UDI), e as polticas de preveno da transmisso entre os usurios de drogas. A RD no pas remonta s experimentaes das polticas p- blicas realizadas na cidade de Santos, em 1989, quando um grupo que assumiu a prefeitura da cidade (David Capistrano Filho, Fbio Mes- quita, Roberto Tykanori e outros) ousou intervir na Casa de Sade An- chieta (grande hospital psiquitrico da cidade), criar os Ncleos de Apoio Psicossocial (NAPS) e desenvolver estratgias de RD para UDIs. Em Salvador, no ano de 1995, o Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas (CETAD) comea o primeiro Programa de Troca de Se- ringas (PTS) no Centro Histrico da cidade (Pelourinho), e que depois se expande para outros bairros. (ANDRADE, 2000). Os agentes de sade, as profissionais do sexo, travestis e os usurios de drogas participavam
  • 38. 40 das capacitaes de RD no trabalho de campo e eram multiplicadores das aes, muitas vezes passando a fazer parte da equipe de agentes redu- tores. Em outros estados os primeiros Programas de Reduo de Danos (PRD) so criados via financiamento da Poltica Nacional de DST-AIDS. Na metade da dcada de 1990, ganham fora o movimento so- cial de RD e as associaes estaduais e nacionais de redutores de da- nos, que lutam pelo direito sade dos usurios de drogas (DOMANICO, 2006). Em 1997, criada a Associao Brasileira de Redutores de Danos (ABORDA), que, em mbito nacional, discute a RD em diversos fruns, propondo polticas pblicas para drogas. Ento, a RD consolida-se no pas, pautada no protagonismo dos usurios e no exerccio da cidadania e do controle social das polticas pblicas sobre lcool e outras drogas. A RD e a defesa dos direitos A estratgia da RD afirma a autonomia, o dilogo e os direitos das pessoas que fazem uso de substncias psicoativas, sem recorrer a julga- mentos morais ou prticas criminalizadoras e punitivas. No contato dos agentes redutores de danos e agentes comunitrios de sade com os usu- rios de drogas construdo um espao de co-responsabilizao. As es- tratgias de RD consideram as pessoas que fazem uso de drogas (lcitas ou ilcitas) como sujeitos de direitos e buscam garantir seu acesso s pol- ticas pblicas (sade, educao, cultura, trabalho, etc.) de modo integral. Dessaforma,noaceitvelqueaabstinnciaseja,aomesmotem- po,apr-condioeametaaseratingidapelosusuriosdedrogasparaque seus direitos sejam garantidos. A interrupo do uso de substncias psico- ativas , em muitas situaes, um passo no s necessrio como desejvel para diminuir os agravos sade. As prticas de sade pblica, contudo, nopodemdescreverummodeloidealaseratingidocomometadesucesso. A abstinncia no pode ser, ento, o nico objetivo a ser alcanado. Alis, quando se trata de cuidar de vidas humanas, temos que, necessariamente, lidar com as singularidades, com as diferentes possibilidades e escolhas que so feitas. As prticas de sade, em qualquer nvel de ocorrncia, devem
  • 39. 41Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas levar em conta esta diversidade. Devem acolher, sem julgamento, o que em cada situao, com cada usurio, possvel, o que necessrio, o que est sendo demandado, o que pode ser ofertado, o que deve ser feito, sempre estimulando a sua participao e o seu engajamento (BRASIL, 2003, p.10). Portanto, a interrupo do uso uma deciso clnica e pre- cisa ser feita de modo referenciado, pois no uma prescrio geral que serve para todos os casos. Assim, as estratgias de RD no ex- cluem a abstinncia como uma direo clnica que precisa ser ne- gociada com a pessoa que faz uso de determinada substncia lci- ta (lcool, tabaco) ou ilcita (maconha, cocana, crack, ecstasy, etc.). O paradigma da abstinncia est, ento, para alm de um di- recionamento clnico compartilhado no sentido da interrupo do uso de substncias psicoativas. Esse paradigma diz respeito a uma s- rie de articulaes de diversos setores que extrapolam o campo da sade stricto senso e que submetem esse campo de modo coerciti- vo ao poder jurdico, psiquitrico e religioso (PASSOS e SOUZA, 2011). Em 2003, a poltica do Ministrio da Sade de Ateno Integral ao Usurio de lcool e outras Drogas elegeu a reduo de danos como estratgia de sade pblica, na qual incentivada a criao e sistema- tizao de intervenes junto populao usuria que, devido ao con- texto de vulnerabilidade, no querem ou no desejam parar com o uso da droga. Pela primeira vez, em mbito governamental, as aes de reduo de danos foram assumidas como relevantes intervenes de sade pblica, para ampliar o acesso e as aes dirigidas a uma popu- lao historicamente desassistida de contato com o sistema de sade. A visibilidade conquistada pelos modelos de cuidado de base co- munitria, que se originam e se movimentam fora do espectro hospitalo- cntrico ou da abstinncia como nica alternativa de encontrar qualidade de vida, coloca em debate questes fundamentais, como: liberdade de escolha, responsabilidade individual, familiar e social, direito do usurio universalidade e integralidade de aes e dever do Estado de criar condi- es para o exerccio do autocuidado, redes sociais de apoio e sua cone- xo com as redes informais dos usurios, dentre outras (BRASIL, 2003).
  • 40. 42 RD e Ateno Psicossocial Nos ltimos anos foram editadas diversas portarias do Ministrio da Sade que reforam o paradigma da RD e a articulao com as redes de ateno bsica sade e psicossocial. No entanto, o desenvolvimento das estratgias de reduo de danos nos CAPS AD continua sendo um grande desafio para a produo de redes efetivas de cuidado nos territrios de abrangncia desses dispositivos (DIAS, 2008). Esse dispositivo estratgico para a consolidao de uma poltica pblica democrtica para lcool e outras drogas no Brasil. A RD deve funcionar no territrio de modo articulado com a rede de sade pblica e demais polticas intersetoriais, por isso as pessoas so atendidas prximas dos locais onde vivem por agentes redutores de danos, agentes comunitrios de sade e equipes multidisciplinares. Em contraposio s estratgias de RD, muitas cidades ainda desenvolvem aes pautadas em prticas autoritrias, repressoras e criminalizadoras, desviando o foco do investimento da rede de sade psicossocial e evidenciando um campo de disputa entre modelos divergentes de produo de cuidado em sade (ALVES, 2009). O lugar das (dos) psiclogas (os) nesse paradigma construdo a partir do momento em que o mesmo se coloca no contexto de trabalho. Esses lugares precisam ser construdos por meio da prtica e da posio que as (os) psiclogas (os) ocupam na interveno junto aos usurios, devendo seu posicionamento explicitar o propsito da sua presena. Desse modo, no cabe aos profissionais da Psicologia, envolvidos na equipe profissional, nenhuma forma de julgamento ou censura moral aos comportamentos dos indivduos, seja com relao ao uso de substncias psicoativas ilcitas ou a condutas antagnicas moral e costumes tidos como aceitveis. O papel dos profissionais exatamente o de acessar um segmento que muitas vezes est margem da rede de sade e social por temer o estigma e a rejeio. A aceitao de cada um destes usurios enquanto sujeitos e o respeito ao lugar que ocupam na escala social confere s abordagens de reduo de danos a possibilidade de construo
  • 41. 43Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas de um vnculo de confiana, base sobre a qual se desenvolver o trabalho. A regularidade da presena e a ateno qualificada e acolhedora dos profissionais abrem as possibilidades de construo de um vnculo de confiana. A partir da, a prpria populao passa a demandar cuidados que at ento lhes eram inacessveis. Essas demandas so disparadas a partir da apresentao da proposta e dos profissionais, configurando a oferta de servios de sade. Neste sentido, devem constituir os objetivos destes dispositivos: a realizao de consultas, orientaes, oficinas de educao em sade e encaminhamento das demandas no atendidas in loco para a rede de sade do SUS, aes de preveno de doenas infectocontagiosas como as doenas sexualmente transmissveis e diversosoutroscuidadosrelativosaproblemasjinstalados(BRASIL,2010). Trata-se de pensar uma poltica de ateno ao usurio de lcool e drogas na qual as alternativas sejam construdas atravs do dilogo entre os diversos setores da populao e no definidas apenas por especialistas e burocratas. Deve-se, nessa perspectiva, considerar que o uso de psicoativos inerente existncia humana e que nem todo usurio de drogas necessariamente precisa de tratamento. Por isso, no se torna aceitvel o tratamento compulsrio, uma vez que entendemos que s no mbito da autonomia e da liberdade possvel alterar ideias e condutas. O desafio das polticas de sade pblica voltadas para o uso e abuso de lcool e outras drogas articular o paradigma da RD com as tecnologias de cuidado que afirmem a cidadania, os direitos humanos e o protagonismo dos usurios (MERHY, 2002). As experincias de cuidado que esto sendo criadas nos dispositivos psicossociais ainda guardam um forte componente experimental e que esto dentro de um campo em fase de estruturao com a ampliao dos dispositivos psicossociais e a definio de novas diretrizes para essa rea. As polticas sobre drogas atuais podem indicar qual o caminho aberto para as tecnologias de cuidado em um campo e interveno pblica em constante movimento e disputa.
  • 42. 44 EIXO 2: PSICOLOGIA E A POLTICA SOBRE LCOOL E OUTRAS DROGAS A ateno aos usurios de lcool e outras drogas est focada numa rede de ateno psicossocial que estabelece como prioritria a noo de integralidade, fundamentada na considerao da subjetividade e do campo das relaes sociais como estruturante da atuao profissional. Nesse sentido, as aes da sade e assistncia social ao usurio de l- cool e outras drogas deslocam-se da centralidade da lgica biomdica, rompendo com metodologias e servios nos quais as pessoas buscam solues prontas para seus sofrimentos. Ao invs disso, fundamentam sua atuao na noo de ateno psicossocial, que coloca no centro do trabalho as noes de territrio e comunidade, para o qual sero dirigi- das as pessoas e suas demandas por sade e incluso social. A tica da autonomia posta como referncia central e deve ser alcanada por meio de relaes horizontais entre os pontos da rede de ateno. Para isso, a rede de ateno psicossocial destinada a usurios de l- cool e outras drogas deve incluir no s os segmentos do sistema de sade, mas tambm as entidades comunitrias e da assistncia social. Desse modo, as (os) profissionais da Psicologia compem jun- to com profissionais de outras reas as equipes de sade nos CAPS AD, nos Consultrios de Rua, nas equipes da Estratgia de Sade da Famlia (ESF), nos Ncleo de Apoio Sade da Famlia (NASF), nas Unidades Bsicas de Sade (UBS) e Unidades de Acolhimen- to (UA), nos Centros de Convivncia, alm de atuarem nos equipa- mentos da Assistncia Social, nos Projetos de Incluso Produtiva e de Gerao de Trabalho e Renda, nos Centros de Referncia de As- sistncia Social (CRAS) e nos Centros de Referncia Especializa- da de Assistncia Social (CREAS), entre outros dispositivos da rede. O SUS e a Reforma Psiquitrica brasileira, assim como o SUAS, cria- ram dispositivos de cuidado e ateno integral para os usurios de l- cool e outras drogas nos quais psiclogos/as trabalham tendo como princpio bsico a defesa dos direitos humanos e como diretriz a am-
  • 43. 45Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas pliao da autonomia e da participao social dos usurios. Nesses dis- positivos a (o) psicloga (o) atua de modo integrado com outros profis- sionais a partir de uma perspectiva multidisciplinar, guiada pela lgica da clnica ampliada, que opera junto com os diversos pontos da rede de sade e socioassistencial presentes no territrio de interveno. Cabe mencionar ainda que todo o trabalho deve ser encaminhado sob a gide da potencializao dos laos sociais, devendo instituir respostas para as diferentes situaes e necessidades dos usurios, acolhendo e cuidando desde a urgncia at o acompanhamento psicossocial e, alm disso, intervindo nas cenas de uso, criando vnculo e garantindo acesso, sempreconceitosecompulsoriedade.Nessecontexto,aestratgiadeRe- duo de Danos se apresenta como uma proposta tica de cuidado dire- cionadora das intervenes junto aos usurios de lcool e outras drogas. No que tange ao desafiador cuidado com as crianas e adoles- centes usurias/os de lcool e outras drogas, pode-se utilizar os mesmos equipamentos pensados para atender usurios de lcool e drogas adultos no caso da ateno na rua, desde que de forma inte- grada com a comunidade e equipamentos especficos para crianas e adolescentes, como o Centro de Ateno Psicossocial Infantil (CAP- Si). O envolvimento do sistema de educao, intersetorialmente, pre- cisa ser ativado como importante aliado da rede, primeiramente atra- vs da problematizao da temtica e tambm por meio de prticas de incluso daquelas crianas e adolescentes marginalizados do sis- tema de ensino. As casas abertas para moradia ou centros de convi- vncia tambm devem ser constitudas, tanto como espao de acolhi- mento quanto de elaborao de possibilidades de cuidado e incluso social na reconstituio de vnculos sociais, familiares e escolares. Agora,vamosapresentaralgumasdasprincipaisatividadesdesempe- nhadas pelos psiclogos nos equipamentos de sade e assistncia social voltadosparaaatenopsicossocialaosusuriosdelcooleoutrasdrogas.
  • 44. 46 Centro de Ateno Psicossocial para lcool e Outras Dro- gas O Centro de Ateno Psicossocial para lcool e outras Dro- gas (CAPS AD), estabelecido pela portaria do Ministrio da Sade n 336 de 19 de fevereiro de 2002, um equipamento de cuidado, articu- lado em rede, voltado para pacientes com transtornos decorrentes do uso e dependncia de substncias psicoativas (BRASIL, 2002). As atividades disponveis no CAPS AD incluem, como descreve a portaria: a - atendimento individual (medicamentoso, psicoterpico, de orientao, entre outros); b - atendimento em grupos (psicoterapia, grupo operativo, atividades de suporte social, entre outras); c - atendimento em oficinas teraputicas executadas por profissional de nvel superior ou nvel mdio; d - visitas e atendimentos domiciliares; e - atendimento famlia; f - atividades comunitrias enfocando a integrao do dependente qumi- co na comunidade e sua insero familiar e social; g - os pacientes assistidos em um turno (04 horas) recebero uma refeio diria; os assistidos em dois turnos (08 horas) recebero duas refeies dirias. h - atendimento de desintoxicao (BRASIL, 2002a). Os atendimentos psicoterpicos, individuais e em grupo, so algumas das atividades realizadas no CAPS AD. O psiclogo tam- bm pode realizar oficinas teraputicas, visitas e atendimentos domi- ciliares e atividades comunitrias que visem promoo de sade. A gesto do CAPS AD tambm um espao de atuao do psiclogo. O CAPS AD III um dispositivo da rede de ateno psicossocial destinado a proporcionar a ateno integral e contnua a pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de lcool, crack e outras drogas, com funcionamento nas 24 (vinte e quatro) horas do dia e em todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados (BRASIL, 2012).
  • 45. 47Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Esta portaria (n 130 de 26 de janeiro de 2012) preco- niza algumas atividades a serem realizadas no CAPS AD III: I - trabalhar de portas abertas, com plantes dirios de acolhimento, garantindo acesso para clientela referenciada e responsabilizao efetiva pelos casos, sob a lgica de equipe Interdisciplinar, com trabalhadores de formao universitria e/ou mdia, conforme definido nesta Portaria; II - atendimento individual para consultas em geral, atendimento psicote- rpico e de orientao, dentre outros; III - oferta de medicao assistida e dispensada; IV - atendimento em grupos para psicoterapia, grupo operativo e ativida- des de suporte social, dentre outras; V - oficinas teraputicas executadas por profissional de nvel universitrio ou de nvel mdio, nos termos desta Portaria; VI - visitas e atendimentos domiciliares; VII - atendimento famlia, individual e em grupo; VIII - atividades de reabilitao psicossocial, tais como resgate e cons- truo da autonomia, alfabetizao ou reinsero escolar, acesso vida cultural, manejo de moeda corrente, autocuidado, manejo de medicao, incluso pelo trabalho, ampliao de redes sociais, dentre outros; IX - estimular o protagonismo dos usurios e familiares, promovendo ativi- dades participativas e de controle social, assembleias semanais, ativida- des de promoo, divulgao e debate das Polticas Pblicas e da defesa de direitos no territrio, dentre outras; X - fornecimento de refeio diria aos pacientes assistidos, na seguinte proporo: a) os pacientes assistidos em um turno (4 horas) recebero uma refeio diria; b) pacientes assistidos em dois turnos (8 horas) recebero duas refeies dirias; e c) pacientes que permanecerem no servio durante 24 horas contnuas recebero 4 (quatro) refeies dirias (BRASIL, idem, art.6). Deacordocomasdiretrizesdaspolticaspblicasdesadeevisan- do ampliar a autonomia e promover os direitos humanos das pessoas aco- lhidas pela rede de cuidado, a (o) psicloga (o) constri, junto com outros
  • 46. 48 trabalhadores de sade, o projeto teraputico singular e acompanha o de- senvolvimento do trabalho por meio de estratgias clnicas diversificadas. NASF e ESF - Princpios e Diretrizes Gerais As (Os) psiclogas (os) inseridas (os) na Ateno Primria Sade (APS)realizamumtrabalhointersetorialquelevaemcontaumaabordagem integral do indivduo e o seu contexto familiar e cultural. O trabalho dos pro- fissionaisdesadepraticadonoNcleodeApoioaSadedaFamlia(NASF) permite um cuidado longitudinal, no qual o indivduo e a comunidade so acompanhados por estratgias dinmicas que visam produzir a ateno integral das pessoas atendidas pela Estratgia de Sade da Famlia (ESF). Os psiclogos que atuam na ESF levam em considerao aes que tenham impacto positivo na qualidade de vida das pes- soas atendidas, atravs de prticas que estimulem a promoo e a preveno em sade, assim como aes curativas e reabilitadoras. No NASF, as (os) psiclogas (os) compem a equipe de apoio aos profissionais envolvidos na ESF tendo diretrizes compartilhadas de traba- lho como referncia. As prticas de cuidado levam em conta a realidade do territrio em suas diversas dimenses (econmica, poltica, subjetiva, comunitria etc.) e as equipes de sade identificam os principais determi- nantes que impactam o processo sade-doena. A interdisciplinaridade um componente importante para o desenvolvimento do trabalho clnico e comunitrio, envolvendo a relao entre os saberes, auxiliando o proces- so de trabalho das equipes e garantindo a efetividade do cuidado reali- zado em um determinado espao social. A participao social implica no fortalecimento dos espaos comunitrios e no protagonismo dos sujeitos. A proposta de elaborao de construes coletivas, traduzidas em experincias concretas de gestores, trabalhadores, usurios e ato- res sociais implicados com a produo de sade e com os princpios do SUS est presente na Poltica Nacional de Humanizao (PNH) Huma- nizaSUS. Alm disso, essa perspectiva impulsiona a capacidade criativa e a possibilidade de reinventar formas de relao entre pessoas, equi- pes, servios e polticas, atuando em redes, de modo a potencializar o
  • 47. 49Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas outro, a defender a vida de todos e qualquer um. (BRASIL, 2009a, p.19). Consultrio de Rua (CR) O Consultrio de Rua (CR)3 funciona articulado com ou- tras polticas pblicas de sade, dentre as quais podemos ci- tar a Poltica de Sade Mental e a Ateno Primria Sa- de e tambm junto com outras polticas de modo intersetorial. O CR uma proposta de atendimento de usurios de substncias psicoativas lcitas e ilcitas, vivendo em situao de rua, que tm di- ficuldade de acesso e que no so assistidos pelos servios de sade. Os Consultrios de Rua: promovem a acessibilidade a servios da rede institucionalizada, a assistncia integral e a promoo de laos sociais para os usurios em situao de excluso social, possibilitando um es- pao concreto do exerccio de direitos e cidadania. (BRASIL 2010, p.10). A equipe volante mnima com formao multidisciplinar constituda por profissionais da sade mental, da ateno bsica, e de pelo menos um profissional da assistncia social, sendo estes: mdico, assistente social, psiclogo, redutores de danos, tcnicos de enfermagem e educadores sociais. Na equipe mais ampla, os oficineiros tambm desenvolvem um trabalho junto com os demais membros da equipe, com foco na identifi- cao e desenvolvimento de habilidades que possam contribuir no PTS. A metodologia do Consultrio de Rua tem carter multidisciplinar e funciona a partir da articulao no territrio com os diversos saberes e dispositivos sociais presentes. O trabalho na rua (extramuros) impe um funcionamento aberto e participativo, onde so reforadas as pr- ticas multidisciplinares e de cogesto junto com os atores atendidos. A seguir apresentamos algumas ferramentas meto- dolgicas e de interveno utilizadas nesse dispositivo: Abertura de campo: A abertura do trabalho de campo realiza- da pela equipe tcnica do CR, em parceria com organizaes, lide- ranas, equipamentos e servios presentes no territrio de atuao. A abertura de campo visa identificar as potencialidades e principais caractersticas do territrio, identificar os sujeitos e grupos atendidos
  • 48. 50 pelo dispositivo de cuidado e apresentar o trabalho a ser desenvolvido. Dirio de campo: Os membros da equipe tcnica do CR utilizam o dirio de campo como ferramenta metodolgica, visando mapear as prin- cipais questes identificadas no desenvolvimento das aes de sade. Trabalho de campo: O trabalho de campo consiste em aes de cuidado, preveno e promoo de sade com a populao usu- ria de substncias psicoativas em situao de rua. A atuao de cam- po realizada atravs de diversas estratgias de cuidado e integra- da com as demais aes e programas de sade presentes no territrio. Diretrizes dos Consultrios de Rua - Constituir-se como dispositivos pblicos componentes da rede de aten- o integral em lcool e outras drogas, que ofeream aes de promo- o, preveno e cuidados primrios no espao da rua a usurios com problemas decorrentes do uso de substncias psicoativas. - Priorizar o direito ao tratamento de qualidade a todo usurio de lcool e outras drogas, ofertado pela rede de servios pblicos de sade, asse- gurando o acesso a aes e servios compatveis com as demandas dos usurios. - Promover aes que enfrentem as diversas formas de vulnerabilidade e risco, especialmente em crianas, adolescentes e jovens. - Ter como eixo poltico o respeito s diferenas, a promoo de direitos humanos e da incluso social, o enfrentamento do estigma. - Atuar a partir do reconhecimento dos determinantes sociais de vulne- rabilidade, risco e dos padres de consumo, levando em considerao a estreita relao entre a dinmica social e os processos de adoecimento. 3 Ainda que haja hoje uma proposta do Ministrio da Sade de ampliao do acesso da populao de rua aos servios de sade, atravs da oferta da ateno integral sade por meio das equipes e servios da ateno bsica, denominada Consultrio na Rua, adotamos neste documento a nomenclatura Consultrio de Rua, conforme proposta inicialmente no mbito da sade mental, como modalidade de atendimento. Isto devido a fato de que, poca da pesquisa, no existia a modalidade de atendimento denominada Consultrio na Rua. Tambm, por esta, ainda hoje, no ter se concretizado como poltica de atendimento na maioria dos locais pesquisados.
  • 49. 51Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas - Assegurar o cuidado no territrio, na perspectiva da integralidade, do trabalho em redes, garantido uma ateno diversificada aos usurios de lcool outras drogas. - Priorizar as aes dirigidas s crianas e adolescentes em situaes de vulnerabilidade, haja vista a iniciao cada vez mais precoce do consu- mo de substncias psicoativas e as graves repercusses do seu uso no desenvolvimento psicossocial dos jovens. - Considerar a rede social de relacionamento da populao alvo, como fatores de agravamento ou reduo das condies de vulnerabilidade, isto , levar em conta fatores de risco e de proteo, em cada contexto. - Incentivar o trabalho de natureza interdisciplinar e enfoque interseto- rial, considerando a complexidade que envolve os contextos de vida da populao que vive em situao de rua, e a necessidade de aes de ateno integral aos usurios de psicoativos com tais caractersticas. - Manter articulao permanente da rede de sade e intersetorial visando sensibilizao dos servios e profissionais da rede para o acolhimento com qualidade aos usurios de drogas em situao de rua. - Garantir o alinhamento com as diretrizes da Poltica para Ateno Inte- gral a Pessoas que Usam lcool e Outras Drogas, do Plano Emergencial de Ampliao do Acesso ao Tratamento e Preveno em lcool e outras Drogas, do Plano Integrado de Enfrentamento do Crack, da Poltica Na- cional de Sade Mental, da Poltica Nacional de DST/AIDS, da Poltica de Humanizao e da Poltica de Ateno Bsica do Ministrio da Sade. E mais recentemente do Programa Crack, possvel vencer. (BRASIL, 2010, p.11-12) CRAS e CREAS: a articulao com a Poltica de Assistn- cia Social O Centro de Referncia de Assistncia Social (CRAS) uma uni- dade pblica estatal de base territorial, responsvel pela proteo social bsica, localizado em reas de pobreza e vulnerabilidade social. A prote- o social bsica tem como objetivos prevenir situaes de vulnerabili- dade e de risco social, por meio do desenvolvimento de potencialidades
  • 50. 52 e da aquisio e do fortalecimento de vnculos familiares e comunitrios. Para atingir seus objetivos, o CRAS oferece: Benefcios de Prestao Conti- nuada e Eventuais, Servio de Proteo e Atendimento Integral s Famlias (PAIF), Servio de Convivncia e Fortalecimento de Vnculos e Servios de Proteo Social Bsica no domiclio para pessoas com deficincia e idosas. O trabalho, realizado por uma equipe profissional, na qual se destacam psiclogo e assistente social, desenvolve-se no con- texto comunitrio da populao atendida, envolvendo famlias e in- divduos em situao de vulnerabilidade social decorrente da po- breza, privao (ausncia de renda, precrio ou nulo acesso aos servios pblicos, dentre outros) e/ou fragilizao de vnculos afetivos relacionais e de pertencimento social (discriminaes etrias, tni- cas, de gnero ou por deficincias, dentre outras) (BRASIL, 2004; 2009b). O CREAS responde pela proteo social especial, modalidade de atendimento assistencial destinada a famlias e indivduos que se encon- tram em situao de risco pessoal e social, por ocorrncia de abandono, maus tratos fsicos e/ou psquicos, abuso sexual, uso de substncias psi- coativas, cumprimento de medidas socioeducativas, situao de rua, situ- ao de trabalho infantil, entre outras. Seu objetivo reduzir o impacto das situaes de vulnerabilidade e de risco social, por meio de intervenes voltadas ao fortalecimento dos indivduos e de seus vnculos familiares e comunitrios e insero social da populao. Assim como no CRAS, os psiclogos e os assistentes sociais compem a equipe bsica do CREAS. A Proteo Social Especial se subdivide em dois nveis: Mdia Complexidade, que se dirige a famlias com vnculos muito fragilizados, em decorrncia das condies de vulnerabilidade; engloba Servio de Pro- teo e Atendimento Especializado a Famlias e Indivduos (PAEFI), Ser- vio Especializado em Abordagem Social, Servio de Proteo Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida (LA) e de Prestao de Servios Comunidade (PSC), Servio de Proteo Social Especial para Pessoas com Deficincia, Idosas e suas Famlias e Servio Especializado para Pessoas em Situao de Rua. O outro nvel a Alta Complexidade, que se caracteriza pelo atendimento a indivduos cujos vnculos familiares foram rompidos; en-
  • 51. 53Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas volve Servios de Acolhimento Institucional, Servios de Acolhimento em Repblica, Servios de Acolhimento em Famlia Acolhedora e Servio de Proteo em Situaes de Calamidades Pblicas e de Emergncias. Destes Programas, os que mais se articulam Poltica de Aten- o a Pessoas que usam lcool e outras Drogas so o PAIF e o PAEFI. O PAIF consiste no trabalho social de carter preventivo, protetivo e proati- vo com famlias, visando fortalecer sua funo protetiva, prevenir a rup- tura de vnculos, promover o acesso e usufruto de direitos, e contribuir na melhoria de sua qualidade de vida. O PAEFI compreende atenes e orientaes direcionadas promoo de direitos, preservao e ao fortalecimento de vnculos familiares, comunitrios e sociais e ao forta- lecimento da funo protetiva das famlias diante do conjunto de condi- es que as vulnerabilizam e/ou as submetem a situaes de risco pes- soal e social. voltado a famlias e indivduos que vivenciam violaes de direitos por ocorrncia de: violncia fsica, psicolgica e negligncia; violncia sexual (abuso e/ou explorao sexual); afastamento do conv- vio familiar devido aplicao de medida socioeducativa ou medida de proteo; trfico de pessoas; situao de rua e mendicncia; abandono; vivncia de trabalho infantil; discriminao em decorrncia da orienta- o sexual e/ou raa/etnia; outras formas de violao de direitos decor- rentes de discriminaes/submisses a situaes que provocam danos e agravos a sua condio de vida e os impedem de usufruir autonomia e bem estar; descumprimento de condicionalidades do Programa Bolsa Famlia (PBF) em decorrncia de violao de direitos. (BRASIL, 2009b). Entre as metodologias utilizadas no desenvolvimento das aes dos CRAS e CREAS destacam-se: estudo psicossocial, aconselhamento e orientao individualizados, grupos operativos, grupos especficos de orientao (mulheres, crianas, adolescentes, famlias), visitas domici- liares. Cabe destacar a importncia da atuao do psiclogo em visitas domiciliares, que podem ocorrer como primeiro contato com a famlia a ser atendida ou durante o processo de acompanhamento desta. Por meio da visita domiciliar, os profissionais tm acesso a elementos fun- damentais para a compreenso da situao de vulnerabilidade vivida pela populao, em funo da oportunidade de conhecimento das con-
  • 52. 54 dies objetivas de vida e da possibilidade de percepo da configura- o subjetiva da dinmica relacional familiar e individual. Estes dados, aliados s informaes obtidas no contato individual, fornecem a base para a construo dos planos de atendimento individual e familiar. Atuao da (o) psicloga (o) na gesto dos servios Como cita o cdigo de tica profissional do psiclogo, Toda profis- so define-se a partir de um corpo de prticas que busca atender deman- das sociais, norteado por elevados padres tcnicos e pela existncia de normas ticas que garantam a adequada relao de cada profissio- nal com seus pares e com a sociedade como um todo (CFP, 2005, p.5). Este cdigo que se apresenta como uma ferramenta de reflexo e no como um instrumento de controle ou imposio, traz princpios fundamen- tais e norteadores para a prtica da profisso, seja na gesto, seja na li- nha de frente de atuao. Segue a descrio na ntegra de trs princpios: I O psiclogo basear o seu trabalho no respeito e na promoo da liber- dade, da dignidade, da igualdade e da integralidade do ser humano, apoiado nos valores que embasam a Declarao Universal dos Direitos Humanos. II O psiclogo trabalhar visando promover a sade e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuir para a eliminao de quaisquer formas de negligencia, discriminao, explorao, violncia, cruel- dade e opresso. III O psiclogo atuar com responsabilidade social, analisando crtica e historicamente a realidade poltica, econmica, social e cultural (CFP, 2005, p.7). Considerando este cdigo, nossa trajetria profissional e tambm o compromisso ideolgico com a Reforma Psiquitrica, nossa contri- buio pode efetivamente avanar alm do atendimento clnico indivi- dual, tido como atividade principal em nossa profisso (SPINK, 2007). A contribuio como gestor de servio de sade deve ser multi- facetada e transitar, compor, influenciar, transformar e provocar a
  • 53. 55Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas rede de produo de cuidados em vrias instncias de atuao, com aes focadas sempre na promoo da sade, no bem estar indivi- dual e social, considerando o contexto e a singularidade de cada um. Temos um papel fundamental na fomentao das articulaes entre os diversos setores e atores que constituem a rede integral de sade, potencia- lizando as parcerias e as construes coletivas, buscando a integralidade em nossas intervenes. Isso contribui para um protagonismo de fato, capaz de fomentar, em outros, a construo de autonomias e a gerao de usurios mais crticos e livres, donos e protagonistas de suas histrias. (BRASIL, 2010) A consonncia da atuao profissional com os parmetros apresentados pelo SUS em seu trabalho de humanizao dos servios (BRASIL, 2006a) se traduz nos parmetros propostos como orientao para implantao de aes na organizao do trabalho, como, a implementao da escuta qua- lificada, da educao permanente, da atuao transdisciplinar com equipes multiprofissionais, dagesto participativa, das metas discutidas em espa- os coletivos e da promoo da sade e da qualidade de vida no trabalho. As atividades da (o) psicloga (o) tanto no CRAS, no CAPS, no CR e em toda rede de sade pblica ou privada devem estar voltadas para a ateno e preveno de situaes de risco e vulnerabilidade. Assim como, promover e favorecer o desenvolvimento da autonomia dos indivduos, por meio de aes que propiciem o fortalecimento dos vnculos familiares e comunitrios. Sobre as Comunidades Teraputicas A despeito das resolues do Conselho Nacional de Sade, da IV Conferncia Nacional Intersetorial de Sade Mental e das ir- regularidades apresentadas no relatrio da 4 Inspeo de Direitos Humanos do CFP, as Comunidades Teraputicas foram incorpora- das rede de ateno psicossocial ao usurio de lcool e outras dro- gas no mbito do SUS, pela Portaria 3088, de 23 de dezembro de 2011. Desse modo, psiclogas (os) tm sido contratadas (os) em todo o Brasil para atuar em Comunidades Teraputicas e nelas ganham a vida conforme os dados da pesquisa do CREPOP sobre a atuao das (os) psi- clogas (os) em polticas pblicas sobre lcool e outras drogas, 8,3% dos
  • 54. 56 profissionais respondentes atuam em Comunidades Teraputicas. Tendo em vista esta realidade, fundamental que as (os) profissionais inseridas (os) nesses dispositivos fiquem atentas (os) s possveis prticas de vio- lao dos Direitos Humanos, assegurando o cumprimento dos princpios ticos garantidos pelo Cdigo de tica Profissional da (o) Psicloga (o). A Procuradoria Federal dos Direitos dos Cidados, por meio da Comisso Permanente de Defesa da Sade, que integra o Grupo Na- cional de Direitos Humanos do Conselho Nacional de Procuradores Gerais, divulgou no dia 4 de novembro de 2013 uma nota pblica com o objetivo de contribuir para a compreenso dos aspectos legais que definem o papel e a atuao de comunidades teraputicas na inter- veno junto ao usurio de lcool e outras drogas. Para tanto, ela- borou quatro enunciados relativos ao tema, reproduzidos abaixo: As comunidades teraputicas no sero consideradas estabelecimentos de sade mental quando no oferecerem qualquer tipo de atendimento mdico ou psicolgico, por equipe interprofissional, por no se enquadra- rem nas prescries dos arts. 3, 8 e 9 da Lei n 10.216/2001 (Lei Antima- nicomial). Os recursos eventualmente repassados pelo poder pblico s co- munidades teraputicas, que no se enquadrem nos requisitos da Lei 10.216/2001, pelo fato de estas no realizarem aes de sade tipifi- cadas como tais, pela Lei Complementar 141/2012 e pelo art. 7 da Lei 8.080/1990, no podem integrar o conjunto de rubricas oramentrias relativas ao Sistema Pblico de Sade. A celebrao de quaisquer vnculos com as comunidades teraputicas pelo poder pblico exige que estas, previamente celebrao, comprovem atender os regulamentos nacionais de vigilncia sanitria pertinentes a esse tipo de entidade, representados atualmente pela RDC N 029/2011, da Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria (ANVISA) e, eventualmente por normas que a sucedam. Eventuais normas estaduais ou locais que regulamentem os requisitos a serem cumpridos pelas comunidades teraputicas para o recebimento de repasses financeiros pelo poder pblico no podem atenuar as exigncias das normas nacionais de vigilncia sanitria que tratem dessas entidades,
  • 55. 57Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas em face dos termos do art. 16, inciso III, alnea d da Lei n 8080/90, que concedem Unio a competncia de estabelecer regras gerais a respeito da matria. (BRASIL, 2013) Cabe lembrar que o Estado brasileiro laico e democrtico e, por isso, no dever, a pretexto de tratamento, impor crena religio- sa a nenhum de seus cidados, mesmo quando estes fizerem uso pro- blemtico de lcool e outras drogas. Da mesma forma, compete ao Estado respeitar e promover a cidadania destes usurios, recusan- do todas as propostas que violem seus direitos, como a internao compulsria e a restrio da liberdade como mtodo de tratamento. As comunidades teraputicas respondem a uma funo so- cial de segregao, propondo a internao e a permanncia dos usu- rios, muitas vezes em carter involuntrio, centrando suas aes na temtica religiosa e desrespeitando a liberdade de crena e o direi- to de ir e vir das pessoas. necessrio, portanto, superar o isolamen- to promovido pelas instituies de carter total, como so as comu- nidades teraputicas, por uma rede de servios em meio aberto, cons- tituda pelos dispostivos do SUS e do SUAS j mencionados acima.
  • 56. 58 EIXO 3: A ATUAO DOS PSICLOGOS A constituio do campo dos cuidados relacionados ao uso de Drogas no Brasil Talvez o tpico uso originrio da maconha nunca a tenha inscrito, at tempos mais atuais, como uma problemtica sanitria relevante, para alm dos preceitos higienistas, eugenistas e racistas, desde o incio do sculo XX, e das suas desqualificadoras acusaes aos seus usurios de flacidez moral, preguia, indolncia e criminosa averso disciplina capitalista do trabalho. A sua associao a bandos criminosos e s suas prticas delitu- osas sempre estiveram mais evidentes do que a ideia de eventuais distr- bios de comportamento que no tinham outra origem seno a flacidez da vontade, me de todo vcio. Por outro lado o desleixo e o absoluto aban- dono social dos infelizes alcoolistas sua prpria sorte talvez seja a prin- cipal marca, do modo de relao da sociedade com o alcoolismo endmico de parte da sua populao mais pobre, durante a maior parte do tempo. Alguma interveno seletiva do aparato manicomial, desde o pri- meiro hospcio brasileiro o Pedro II de 1852, no Rio de Janeiro at a hipertrofia manicomial patrocinada pela politica sanitria da Dita- dura Militar de 1964, mereceria ser investigada e analisada em rela- o aos alcoolistas, posto que essa parte da clientela que lotou as ma- cro instituies asilares pblicas brasileiras permanecem obscureci- da, no mbito daquilo que Resende (1987) designou, com proprieda- de, como a era da psiquiatria da ral: recolher e excluir as sobras que cada organizao social, de cada momento histrico tinha produzido. Como j referido, cronistas como Lima Barreto nos do conta de que a internao manicomial nos estabelecimentos pblicos, figurou, ainda que indistinta, como um tipo de resposta s condies em que o uso pro- blemtico do lcool era alado condio de um problema de sade e de grave descontrole pessoal, entendido com o vis de uma patologia includa no campo dos nervos, ainda que nunca desfeita completamente a sua inscrio no campo moral. Com menor frequncia, mas do mesmo
  • 57. 59Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas modo, so os hospitais psiquitricos privados que receberiam tambm as vtimas mais elegantes, de uso abusivo das chamadas drogas de salo. O mesmo Resende (1987) aponta ainda que, somente mais tarde, por volta dos anos 50, quando a assistncia psiquitrica seria incorpo- rada esfera previdenciria, a internao nos sanatrios particulares seria acessvel aos trabalhadores, prevendo-se o auxlio-doena na perspectiva da recuperao da fora de trabalho. E que, somente a par- tir de 1964, pode-se falar, no Brasil, na extenso da utilizao da assis- tncia psiquitrica numa perspectiva assistencial de massas, num claro privilegiamento da funo produtiva da Psiquiatria, geradora de uma ex- panso sem precedentes do nmero de hospitais e de leitos psiquitri- cos privados, a servio do INAMPS, invertendo definitivamente a corre- lao do privado em relao ao pblico, agora francamente minoritrio. Neste contexto que se pode falar, no Brasil, da constituio de um campo de cuidados sistemtico ao uso abusivo de drogas, capi- taneadas pelo lcool para alm das prticas dos grupos de autoa- juda tais como os AA (Alcolicos Annimos) , focado na prtica da in- ternao em hospitais psiquitricos. Origina-se a a disseminao da lucrativa prtica da internao para desintoxicao que levou o al- coolismo persistente condio, durante toda a dcada de setenta, de terceira causa principal de internao na hipertrofiada rede ma- nicomial privada, agora financiada com os recursos previdencirios. A Clnica da abstinncia Deste modo, pode inscrever-se na cultura, atravs dessa prtica ge- neralizao da assistncia previdenciria uma concepo medicalizada que associa o cuidado ao uso abusivo de lcool com a prtica da interna- o hospitalar reforando o conceito da abstinncia forada, medicamente acompanhada,comoumrecursofundamentaldetratamento,corroborado pela prtica leiga da autoajuda do AA, que ajuda a disseminar a concepo do mesmo como uma doena que deve ser admitida pelo candidato e a sua incessante luta pela abstinncia como uma condio bsica de sua cura.
  • 58. 60 De algum modo, somente com a expanso do acesso previdencirio, na dcada de 60, que o descaso histrico, em relao ao uso abusivo das substncias legais e proscritas, pode ser substitudo por uma concepo medicalizante e hospitalizante, centrada na internao hospitalar, como nica resposta idnea ao abuso do lcool, certamente a substncia mais popular, e, nessa condio, paradigmtica para a abordagem de todas as demais situaes que se caracterizam pelos excessos e descontroles relativos s drogas. Tal condio seria a base que estrutura uma cultu- ra que funde, em uma mesma perspectiva, os aspectos leigos e profis- sionais, que impe a lgica patologizante, associada debilidade moral, que ganha fora imperiosa no debate sobre a necessidade da interna- o involuntria como recurso para fazer frente ao problema das drogas. importante reconhecer a fora dessa lgica, simples e imperio- sa, que faz da meta a ser atingida a abstinncia a prpria condio para que ela seja adquirida. E como a disponibilidade de um sistema hospitalar da poca, desonesto e interessado em produzir faturamen- to financeiro contaminou a nossa percepo social, com repercus- ses no presente, de forma a tomar como nico recurso a internao hospitalar, posta, por sua vez, como condio da produo da abs- tinncia, ao mesmo tempo, meta e condio para a obteno da cura. Os anos sessenta e setenta modificaram o panorama da questo das drogas, turbinadas pelas transformaes culturais que as fazem migrar de classesocialeadquirirnovossignificadosnacultura.Aexpansodasexpe- rimentaescomasdrogasseprocessanomesmoambientequeigualmen- te amplia a cultura psicolgica pela difuso dos saberes e praticas mdi- co-psicolgicas, agora incorporadas como coadjuvantes ao tratamento das situaes do seu uso abusivo, num ambiente em que se misturam uma contestao que tem significados polticos e controvrsias sobre os limi- tes do hedonismo, no contexto repressivo marcado pela Ditadura Militar.
  • 59. 61Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas A Clnica do desejo Quebrando a monotonia do texto mdico-psicolgico que pregava a re- presso ao uso e a abstinncia como nicas formas de se lidar com o tema do abuso das drogas, os anos oitenta assistem a difuso da vaga laca- niana referida no ensino do psicanalista francs Jaques Lacan (1901- 1981) que sacode as hostes psicoteraputicas brasileiras, propagando o modismo francs. Dentre as inmeras transformaes que ela operou no campo da cultura profissional e geral, se colocou como responsvel pela introduo de um novo conceito e compreenso em relao ao uso abu- sivo das drogas, que causariam grande impacto ao campo teraputico. Ao proclamar que as Drogas so, efetivamente, constitudas por substncias inertes que so encontradas no mundo, prope que as mesmas no deveriam merecer o foco das atenes. Desta forma, este paradigma prope fixar-se no sujeito que delas se serve, oferecendo explicao para o carter diferenciado dos modos como distintos su- jeitos delas se aproximam e com ela se relacionam, fazendo radicar a a chave para o tratamento daqueles para os quais este uso se revela como problemtico e nas razes pelas quais isso se d dessa maneira. Na formula o drogadicto quem faz a droga buscava sintetizar essa percepo de que a temtica do uso abusivo das drogas radica suas razes nas relaes desejantes atravs das quais cada sujeito se relaciona com o prazer que delas deriva, singularizando a sua relao com o gozo que de- las extrai. E disto faz derivar uma conduo clnica orientadora da direo do tratamento que toma como base a experincia da cura pela palavra da psicanlise, suportada pelas especificidades da relao transferencial. Orientada pela mstica derivada do conceito lacaniano do desejo essa perspectivaclnica,quetevecomoseuprincipaldifusornoBrasilopsicanalis- taClaudeOlivensteineosseustrabalhosnaclinicacomdrogadictosnoHos- pital de Marmottan/Paris, produziu vrios discpulos nacionais que estrutu- raramservioseinstituiesdetratamentoemdiversosestadosbrasileiros. Estruturados como centros de experimentao clinica, espao de ensi- no e pesquisa nos quais a causa lacaniana foi sustentada, estas institui- es CETAD/Bahia, CMT/Minas, NEPAD/Rio, PROAD/So Paulo, CPTRA
  • 60. 62 /Pernambuco entre as mais famosas revolucionaram a concepo hege- mnica e se colocaram como importante contraponto ao lugar comum do paradigma da abstinncia como referncia orientadora para o tratamen- to ao uso abusivo de drogas, ao qual se opuseram com este paradigma do desejo,no devendoser subestimadooseupapelepesonocampodapro- duosocialdeumanovarefernciaorientadoradasprticasprofissionais. A Clnica psicossocial No incio dos anos 90, a este ambiente bipolarizado vieram se so- mar as referncias produzidas em dois campos que tiveram trajetrias pa- ralelas, mas foram ambos de grande importncia na referenciao e com- plexificao constitutiva do campo da ateno ao uso abusivo das drogas. Por um lado, o questionamento radical produzido pelo Movimento Antimanicomial colocou em xeque o conforto da Indstria da Loucura, desestabilizando a facilidade das internaes abusivas, com finalidade cli- nica questionvel, movidas pelos interesses meramente pecunirios e que tinham, nos alcoolistas e em outros eventuais abusadores de drogas, clien- tela cativa e garantida, sustentada pelos usos e valores socioculturais j afirmados como associados ao recurso da internao psiquitrica. Certa- mente, a Luta Antimanicomial contribuiu para fazer refluir a naturalizao destaprtica,diminuindosuaincidnciaepromovendoumarevisonacon- duta mdica relacionada com usurios de lcool e outras drogas, haja vis- ta a atual escassez onde outrora vigorava ampla disponibilidade de leitos. Todavia, o processo da necessria Reforma Psiquitri- ca que foi orientada pelos seus princpios, ao focalizar os porta- dores de transtornos mentais graves (Psicticos, Esquizofrni- cos), negligenciou as aflies geradoras das demandas relativas ao sofrimento mental derivada do uso abusivo de substncias psi- coativas. Como reconhece explicitamente o Ministrio da Sade, produziu-se historicamente uma importante lacuna na poltica pblica de sade, deixando-se a questo das drogas para as instituies da justia, segurana pblica, pedagogia, benemerncia, associaes religiosas. A
  • 61. 63Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas complexidade do problema contribuiu para a relativa ausncia do Estado, e possibilitou a disseminao em todo o pas de alternativas de ateno de carter total, fechado, baseadas em uma prtica predominantemente psiquitrica ou mdica, ou, ainda, de cunho religioso, tendo como princi- pal objetivo a ser alcanado a abstinncia. (BRASIL, 2005a, p.1) A derivao dos estabelecimentos CAPS-AD, com o reconheci- mento das especificidades do enquadre clnico derivados destes qua- dros, so, de certo modo, tardio e no receberam investimentos finan- ceiros, mas, sobretudo, uma inteligncia profissional que se dedicasse formatao das tecnologias clnicas prprias como ocorreu com os loucos. Assim, os fazeres seguiram o caminho de uma empiria infor- madas oscilantemente, pelas trs fontes disponveis no campo: a clni- ca ampliada gerada pelos experimentos antimanicomais, mas pouco especficas para o tema do uso de lcool e drogas; a clnica do dese- jo, de origem lacaniana, muitas vezes em uma verso aligeirada e pou- co profunda e, por fim, o antigo e poderoso paradigma da abstinncia, sempre revisitado como uma espcie de fundo de base retroalimen- tado pelas fontes da desqualificao moral que impregnam a cultura. Seria somente em 2002, passados mais de dez anos da Re- forma Psiquitrica, que, como foi reconhecido oficialmente por docu- mento do Ministrio da Sade (2005), em concordncia com as re- comendaes da III Conferncia Nacional de Sade Mental, que o Ministrio da Sade passa a implementar o Programa Nacional de Ateno Comunitria Integrada aos Usurios de lcool e outras Dro- gas (BRASIL, 2003), reconhecendo o problema do uso prejudicial de substncias como importante problema da sade pblica e construin- do uma poltica pblica especfica para a ateno s pessoas que fa- zem uso de lcool ou outras drogas, situada no campo da sade mental. Num outro polo, seria o encontro da questo constituda pelo uso de drogas, sobretudo das injetveis, com o tema do aparecimen- to da AIDS que retroalimentaria o debate sobre as prticas de preven- o ao contgio pelo HIV, a fornecedora de importantes referenciais para a estruturao de uma proposta de cuidados o paradigma da
  • 62. 64 reduo de danos que produziria efeitos orientando persistentemen- te o campo das prticas de cuidados sade, sobretudo com impor- tantes lies sobre os processos de abordagem dos usurios de drogas. A Reduo de Danos no Brasil teve sua difuso associada ao momento crtico relativo ao controle do vrus HIV, como estratgia ori- ginalmente derivada de experincias de enfrentamento do uso das drogas injetveis pesadas na sociedade holandesa, que desde 1976 a reconheceu como poltica pblica e confrontou o proibicionismo es- treito, ponto que se manteve inclume em sua trajetria brasileira. Por fim, cabe dizer que grande parte das intervenes oriundas do paradigma da abstinncia esto pautadas na desintoxicao do usu- rio, com a tentativa de manuteno de perodos cada vez maiores de abstinncia. Pouca ateno dispensada anlise das condies es- truturais que participam da produo de usos abusivos de drogas, re- duzindo a possibilidade de elaborao de modos singulares de relao com as substncias. Desse modo, o que est sendo proposto aqui que, no lugar de uma interveno fundamentada exclusivamente na manu- teno da abstinncia, o que pode se tornar efetivamente vivel e pro- dutivo a elaborao, junto com o usurio, de uma relao menos da- nosa com a droga. Aqui importante mencionar que essa possibilidade de elaborao de modos singulares de se relacionar com as substncias se materializa atravs do fortalecimento dos vnculos comunitrios e fa- miliares, no mbito do territrio. Cabe esclarecer, por fim, que famlia aqui pensada em suas mais diversas configuraes, sendo constitu- da por amigos, vizinhos, parentes e todos aqueles que, de alguma forma, potencializa a estruturao de redes de proteo ao usurio de drogas.
  • 63. 65Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas EIXO 4: DESAFIOS PARA UMA PRTICA PSICOLGICA EMANCIPADORA Um dos grandes desafios colocados Psicologia no momento atu- al consolidar-se como uma prtica emancipatria, voltada ao fortaleci- mento da autonomia e ao empoderamento do protagonismo da populao, especialmente aquela que se encontra em condio de vulnerabilidade. O enfrentamento desse desafio passa por uma anli- se ampliada da gnese do uso abusivo de lcool e outras dro- gas no atual momento social, superando vises reducionistas cen- tradas no indivduo, que acabam por estigmatizar, patologizar e judicializar o usurio e sua famlia, desconsiderando os determinantes so- ciais e culturais da questo, aspectos j abordados nos eixos anteriores. Para no repetir ou perpetuar vises discriminatrias e estigmatizantes relacionadas ao uso de lcool e outras dro- gas, base de estratgias de controle e represso, como a interna- o compulsria, criticada e combatida pelo CFP, importante si- tuar o usurio ao qual se remete a noo de cuidado aqui exposta. Como j colocado, a questo do uso de drogas permeada por de- terminantes histricos, sociais e culturais, no podendo ser reduzida a uma classificao ou a um diagnstico patolgico a ser tratado. Por outro lado, no se pode negar que o uso abusivo de lcool e outras drogas, ao colocar a substncianocontroledavidadoindivduo,criaumacondiodeassujeita- mento e coisificao, provocando intenso sofrimento psquico, o que gera a necessidade e impulsiona a busca por cuidado. esse indivduo que vamos focaraonosreferiraocuidadopsicolgicoenquantoprticaemancipatria. Uma prtica alicerada na superao da excluso e do estigma que cercam o usurio de lcool e outras drogas e que geram sofrimento, a ser enfrentado por meio do fortalecimento de formas de cuidados que res- gatem a dimenso subjetiva desse complexo fenmeno, partindo do social para compreender o sujeito, sem tirar deste seu carter ativo e constituinte. Esse resgate passa pelo rompimento da dicotomia indivduo/ sociedade, a partir de uma concepo de subjetividade humana como
  • 64. 66 resultado de um processo que se constitui ao longo da histria indivi- dual e coletiva, pelas e nas interaes sociais. Nesta concepo, o uso de drogas deve ser compreendido como um fenmeno centrado no apenas no usurio, mas inserido na complexa trama da sociedade con- tempornea, conforme j abordado nos eixos anteriores. Considerar o psquico como um fenmeno s compreensvel quando integrado, mas no reduzido, sua condio social, leva valorizao das determina- es sociais como elementos que se concretizam nas relaes e signi- ficaes presentes no uso de lcool e outras drogas (SAWAIA, 1999a). Ao falar de social, estamos nos referindo ao social constitu- do e constituinte de sujeitos historicamente determinados em condi- es de vida tambm determinadas historicamente. Um social resul- tante e determinante de subjetividades, cuja dinmica se define nas relaes entre sujeitos semelhantes e diferentes (VIGOTSKI, 1999). Concebidos na realidade e na vida social, a par- tir de determinaes sociais e histricas, subjetividade e su- jeito se constituem e se transformam conforme as mudan- as sociais, atravs de um processo de mtua troca e sntese. Com base em uma concepo scio-histrica, vertente da Psicolo- gia Social que tem contribudo para a anlise de fenmenos que se mani- festamnossujeitos,masqueseconstituemapartirdemomentoshistricos e sociais, a compreenso do fenmeno psicolgico passa pela anlise das relaes sociais entre sujeitos, a partir de uma dimenso tica, que englo- ba aspectos biolgicos, semiticos, afetivos e histrico-sociais, unindo e, ao mesmo tempo, diferenciando social e psicolgico. (VIGOTSKI, 1998b). Nesta perspectiva, a subjetividade no entendida como uma condio ou um estado esttico, nem existe como algo em si abstrato e imutvel, mas como um processo em constante transformao, que se constitui permanentemente nas e pelas relaes sociais (MOLON, 1999). Esta concepo de subjetividade reporta a um sujeito que no isolado ou preso em seu mundo privado, carregado de aspec- tos no manifestos, e que tambm no , apenas reflexo de de- terminaes coletivas. Mas resultado de uma sntese entre p- blico e privado, indivduo e sociedade. (CALIL STAMATO, 2008).
  • 65. 67Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Assim, o mundo configura-se como o lugar de constituio da subjetividade, na medida em que nele ocorrem as relaes que possibi- litam a construo da singularidade humana a partir do reconhecimento do outro. Mundo esse que, alm de fsico e biolgico, simblico e so- cial, e que possibilita a constituio da rede de cuidados para indivdu- os que fazem uso abusivo de lcool e outras drogas e se encontram em sofrimento psquico, na perspectiva emancipatria de garantia de direi- tos individuais e coletivos, deve ser norteada por uma compreenso de subjetividade mutvel, contextualizada em um determinado momento histrico e social e constituda a partir das relaes sociais que estes es- tabelecem na famlia, na comunidade, na rua e na sociedade mais ampla. Isso implica em nortear esta rede de cuidado no dis- curso manifesto pelo uso abusivo de drogas, referencia- do em um modo peculiar de insero do indivduo na sociedade. Ousodedrogasnoconstituiisoladamenteumfatordediferenciaonode- senvolvimento, mas possibilita a emergncia de modos de vida diferencia- dos,queconfiguramprocessosdedesenvolvimentotambmdiferenciados. Assim, entender como se d a construo de significados e da sub- jetividade em indivduos que fazem uso abusivo de lcool e outras drogas implica analisar as relaes, interconexes e entrecruzamentos dos vrios determinantes de sua condio famlia, escola, comunidade e sociedade. O fenmeno do uso de drogas um labirinto de significa- es, que emerge de uma complexa vivncia entre semelhantes e diferentes, no qual se articulam processos de partilha e negocia- o de significados, inseridos numa rede social, histrica e cultural. Neste contexto, criar alternativas inovadoras de cuidado ao usu- rio exige um conhecimento aprofundado de sua histria de vida, dos gatilhos determinantes de sua entrada e imerso no uso abusivo de dro- gas, de suas relaes familiares, das relaes que estabelece com seus pares e com as demais pessoas que integram seu mundo, das relaes com sua comunidade de origem e das relaes com a sociedade em geral. Ampliando a viso do uso abusivo de drogas para alm do sujeito, a finalidade maior do cuidado ao usurio pas- sa a ser a superao do sofrimento tico-poltico, entendido como
  • 66. 68 [...]a vivncia cotidiana das questes sociais dominantes em cada poca histrica, especialmente a dor que surge da situao social de ser tratado como inferior, subalterno, sem valor, apndice intil da sociedade (SA- WAIA, 1999, p. 104). Uso de drogas: subjetividade e sofrimento psquico (igualdade, diversidade e singularidade) Nos ltimos anos, a Psicologia, enquanto cincia e pro- fisso, tem se envolvido nas questes mais candentes da socie- dade contempornea, buscando contribuir para seu enfrenta- mento e soluo, por meio de estudos e pesquisas para constru- o de novos referenciais tericos e novas alternativas de atu- ao, capazes de dar conta da complexidade destas questes. Esta busca se referencia na necessidade de superar uma viso individualista e descontextualizada sobre o processo de constituio da subjetividade humana, que acaba por levar responsabilizao do indivduo pelo sofrimento decorrente de questes sociais e coletivas. A constituio da subjetividade humana em uma sociedade com- plexa como a nossa, que, a cada dia traz um novo desafio para a consoli- dao do sujeito e para o desenvolvimento de sua humanidade, resulta- do de uma rede intrincada de determinantes que se cruzam e se entrecru- zam, estabelecendo conexes que se modificam continuamente. Novas configuraes individuais, familiares e coletivas, resultantes desta inter- conexo de fatores e determinaes, surgem a cada momento, impulsio- nando a psicologia a rever concepes tericas e construir novas meto- dologias para dar conta dessa trama tecida histrica e culturalmente. Talvez, o mais significativo desses desafios seja superar a vi- so individualista e liberal dos fenmenos psicolgicos, ainda predo- minante no imaginrio coletivo e em muitas concepes tericas, que tem levado a sociedade a atribuir ao sujeito e famlia as causas e as responsabilidades por situaes histricas e coletivas, gerando
  • 67. 69Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas uma dupla penalizao e uma intensificao do sofrimento psquico. A superao dessa viso implica em compreender o significa- do da droga no contexto da subjetividade de quem a consome de for- ma abusiva, sem esquecer as circunstncias sociais e culturais, con- siderando a interdependncia entre condies objetivas de vida e subjetividade. A contextualizao histrica, social e cultural funda- mental nas avaliaes psicolgicas de cada caso, no planejamento e aplicao de tratamentos diferenciados, e na construo de polticas pblicas de interveno e de preveno. Na relao profissional, de- vem ser levadas em conta: a igualdade de direitos de acesso sa- de, preconizada nas atuais legislaes; a diversidade das origens dos adoecimentos e das situaes enfrentadas pelos usurios e, por fim, as singularidades das vivncias e das histrias individuais de vida. Sade: uma viso integral e sistmica Uma poltica pblica voltada ao cuidado do indivduo que faz uso abusivo de lcool e outras drogas que considere a trade igualdade, diversi- dade e singularidade, deve ter como diretriz uma viso integral e sistmica desade.Integralporqueconsideraoindivduocomoumtodointegradopor diferentes aspectos; e sistmica, porque concebe estes aspectos como in- terdependentesemutuamentedeterminantesdeumprocessonicoetotal. Nesta viso, sade mais do que ausncia de doena e sade psicolgica a possibilidade de realizao pessoal do indivduo em to- dos os aspectos, incluindo a capacidade de enfrentamento e de transfor- mao da realidade. Resulta da interao das condies de vida social com a trajetria especfica do indivduo (sua famlia, demais grupos, ex- perincias significativas) e sua estrutura psquica (OZELLA, 2003). Assim, a integrao de condies externas e fatores subjetivos determinan- te na configurao que constitui tanto a sade como a doena mental. Esta concepo de sade leva ao questionamento dos conceitos de normalidade e de patologia, subjacentes ao atendimento das pessoas que fazem uso abusivo de lcool e outras drogas. Afinal, numa sociedade discriminadora como a nossa que afasta, classifica, rotula e medicaliza
  • 68. 70 quem sai dos padres como separar o que normal do que patolgico? Os critrios de avaliao da normalidade baseiam-se em m- dias estatsticas focadas na adaptao e so construdos a partir do desenvolvimento cientfico de determinadas reas do conhecimento. Por este processo, a cincia adquire o poder de atribuir rtulo ao indi- vduo, a partir do diagnstico formulado por um especialista. Entretan- to, no se pode esquecer que a cultura e o momento histrico definem o que considerado adequado, aceito ou valorizado, sendo, o con- ceito de normalidade, vulnervel manipulao ideolgica. Um breve olhar para o passado mostra o uso poltico do rtulo de doena men- tal para punir indivduos que contestam a ordem social imposta. Por outro lado, a concepo de cura e o consequente tratamento variam conforme a teoria ou o modelo explicativo usado como referencial. Conceber a sade de forma integral e sistmica significa pensar o homem como totalidade, um ser biolgico, psicolgico e sociolgico, determinado por suas condies de vida, pelo momento histrico e pela cultura e pela sociedade em que est inserido, revendo vises naturali- zantes dos fenmenos psicolgicos. A origem da Psicologia como cin- cia independente no sculo XIX se deu no momento do nascimento da cincia moderna, no apogeu do modelo clssico, fundamentado na me- tfora da mquina perfeita, caracterizada pela estabilidade, pela ordem e pelo equilbrio. Esta metfora tornou-se o pressuposto epistemolgi- co fundamental da cincia moderna e da metodologia cientfica, servin- do de base instaurao do debate sobre livre-arbtrio entre homem/ passivo/ ativo, ordem/ conflito, uno/ mltiplo (SAWAIA, 1995, p. 47). A partir desta concepo, a cincia psicolgica j nas- ceu marcada por algumas caractersticas, que, ao longo do tem- po, fortaleceram uma viso individualista e naturalizante de homem, que descontextualiza os fenmenos psicolgicos e o desen- volvimento humano, dando margem para a classificao, a rotulao e a patologizao do que sai dos parmetros esperados. (BOCK, 2001). Neste contexto, a atuao com indivduos que fazem uso abusivo de lcool e outras drogas, a partir de uma viso integral de sade, im- plica na superao da concepo de homem e de fenmeno psicolgico,
  • 69. 71Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas que oculta os determinantes sociais e culturais do processo de consti- tuio da subjetividade, gerando uma representao ilusria do real e fortalecendo a representao social do psiclogo como o profissional da adaptao e da cura da anormalidade. Conforme destaca Bock: 22-23): As capacidades humanas devem ser vistas como algo que surge aps uma srie de transformaes qualitativas. Cada transformao cria con- dies para novas transformaes, em um processo histrico, no natu- ral. O fenmeno psicolgico deve ser entendido como construo no n- vel individual do mundo simblico que social [...] O mundo psicolgico um mundo em relao dialtica com o mundo social. Conhecer o fen- meno psicolgico significa conhecer a expresso subjetiva de um mun- do objetivo/coletivo; um fenmeno que se constitui em um processo de converso do social em individual; de construo interna dos elementos e atividades do mundo externo. Conhec-lo desta forma significa retir-lo de um campo abstrato e idealista e dar a ele uma base material vigoro- sa. Permite ainda que se superem definitivamente vises metafsicas do fenmeno psicolgico que o conceberam como algo sbito, algo que sur- ge no homem, ou melhor algo que j estava l, em estado embrionrio, e que se atualiza com o amadurecimento humano. (BOCK, 2001, p.22-23) Com a superao desta concepo, a normalidade adqui- re o sentido de possibilidade de aquisio individual das conquis- tas da humanidade e dos elementos valorizados, reforados, esti- mulados e possibilitados pela sociedade. E o diferente deixa de ser visto como algum anormal, desajustado ou desequilibrado, que precisa ser tratado para voltar sua condio saudvel e natural. Supera-se a noo de que o uso abusivo de lcool e ou- tras drogas resultado de fragilidades internas e individuais, rela- cionadas histria de vida, e o indivduo nessa condio passa a ser compreendido como um ser ativo, posicionado, que intervm em seu meio social, capaz de transformar seu mundo e se transformar. Assim, o encontro entre o profissional e este indiv-
  • 70. 72 duo deixa de ter a patologia como mediao e torna-se um dilo- go, no qual cada um, com seus instrumentos e tecnologia de tra- balho, constroem juntos estratgias de cuidado. Neste cenrio, O objeto do trabalho um projeto de vida que pertence apenas ao cliente. Ao realizar seu trabalho, o profissional deve ter conscincia de que est interferindo em um projeto de vida que no lhe pertence. Da a necessi- dade do rigor tico, que garante o respeito e a transparncia do profis- sional. Da a necessidade de o psiclogo conceber seu trabalho como intencionado e direcionado, para que, com uma postura tica rigorosa, possa, a qualquer momento, esclarecer o direcionamento de seu trabalho, superando uma suposta neutralidade que ocultou sempre, no discurso cientificista, a concepo de normalidade e sade que nada mais eram do que valores sociais institudos e dominantes sendo reforados. (BOCK, 2001, p. 31) A construo de um novo lugar profissional: Interdisci- plinaridade, Intersetorialidade e Atuao em Rede. Frente complexidade que permeia o atendimento aos in- divduos que fazem uso abusivo de lcool e outras drogas, os psi- clogos que responderam pesquisa do CREPOP revelaram em seus discursos a necessidade de respostas e de diretrizes. E tambm evidenciaram a ausncia de referenciais tericos e prticos claros para dar conta da complexidade desse atendimen- to; a impotncia frente s condies de trabalho e desigual competi- o do crime organizado, no qual se insere o trfico; e o distanciamen- to entre a realidade e o que transmitido na formao acadmica. Neste contexto de questionamentos, e necessidade de com- partilhamento, o presente documento busca apresentar alguns nortes que contribuam para a construo de uma poltica eman- cipatria no s para quem faz uso abusivo de lcool e outras dro- gas, mas tambm para o profissional, fortalecendo seu protago- nismo na execuo da poltica, em sua gesto, e em seu controle.
  • 71. 73Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Este fortalecimento alicera-se no reconhecimento da significati- va contribuio da Psicologia, enquanto cincia e profisso, para o enfren- tamento da complexa temtica do uso abusivo de drogas, uma vez que, [...] a Psicologia se apropria das questes clnicas, psicopatolgicas, subjetivas, sociais e culturais ligadas s questes das drogas e participa desse trabalho tanto em aspecto macro, na composio das equipes e projetos diversos, como se aprofundando na busca de conhecimento es- pecfico ligado a seu ncleo de conhecimento, ou seja, s ferramentas e referenciais tericos que a Psicologia tem para contribuir de modo efetivo para a ateno direta s pessoas com problemas ligados ao uso de dro- gas (CFP, 2009, p. 24). Garantindo-se a especificidade profissional, preciso com- patibiliz-la com as singularidades dos demais profissionais, de forma a integrar olhares, leituras e saberes, numa perspectiva in- terdisciplinar, interinstitucional e intersetorial, necessria com- preenso e construo de formas inovadoras de interveno, capazes de encontrar novas respostas para antigas perguntas. A interdisciplinaridade representa a interao e integrao de diferentes profisses, saberes cientficos, conceitos, diretrizes, metodo- logias e procedimentos em torno de um objetivo comum, no caso o aten- dimento a pessoas que fazem uso abusivo de lcool e outras drogas. Esta integrao interdisciplinar possibilita uma viso integral de homem e favorece a compreenso do usurio abusivo como um ser huma- no pluridimensional, resgatando-o como cidado de direitos, protagonista de sua histria. Para Severino (1989), a interdisciplinaridade se operacio- naliza no plano prtico-operacional por meio de mecanismos e estratgias que efetivam o dilogo solidrio entre os vrios profissionais no desenvol- vimento do trabalho. Fundamenta-se em relaes horizontais e democrti- cas entre as diversas disciplinas, gerando a interao indispensvel para a efetivao do trabalho interdisciplinar. Para atuar de forma interdisciplinar, os profissionais precisam abrir mo de competies corporativas e vaida- des pessoais, conscientizando-se de que todos so importantes para com-
  • 72. 74 preender e buscar a melhoria das condies de sade e de vida dos aten- didos, em funo da complementaridade de olhares, saberes e atuaes. Outro aspecto a ser enfatizado a necessidade do trabalho em rede, tecida a partir da atuao responsvel e comprometida de cada pro- fissional,cadaservio,cadainstituioDiantedasdificuldades,aindano demais, portanto insistir que a rede que cria acessos variados, acolhe, encaminha, previne, trata, reconstri existncias, cria efetivas alternativas de combate ao que, no uso das drogas, destri a vida (CFP, 2009, p. 24). Psicologia e Polticas Pblicas: compromisso com a li- berdade e os direitos humanos. Integrando a poltica nacional de sade, mais especifica- mente da rea da sade mental, a ateno ao indivduo que faz uso abusivo de lcool e outras drogas insere-se nas polticas pblicas. Com base no princpio da igualdade, as polticas pblicas cumprem seu carter democrtico, garantindo acesso universal aos direitos sociais bsicos, definidos nas legislaes nacionais, a partir das necessidades mnimas para um desenvolvimento saudvel e harmonioso. O princpio da equidade norteia seu carter tico-poltico, de respeito s necessidades e peculiaridades da populao. E o princpio da justia social d base para seu carter de promoo da cidadania e de fortalecimento dos mecanis- mos de participao e controle social da populao (GONALVES, 2003). Para entender o papel da psicologia na construo das polti- cas pblicas, importante resgatar as diferentes dimenses das polti- cas pblicas: a dimenso poltica, associada sua operacionalizao, sob a responsabilidade do poder pblico; a dimenso social, que im- plica na participao da populao em seu planejamento, execuo e controle; e a dimenso subjetiva, que diz respeito alteridade e sin- gularidade dos sujeitos a que se propem atingir, e aos aspectos scio- -histricos da produo social do humano (CALIL STAMATO, 2008). As polticas pblicas dirigidas ao atendimento das necessida- des de todos os indivduos so denominadas polticas universais. J as polticas voltadas garantia dos direitos das pessoas que se encon-
  • 73. 75Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas tram em situao de vulnerabilidade, em funo de suas condies de vida e de desenvolvimento, so chamadas de polticas de proteo es- pecial. Nestas se insere a poltica de ateno ao indivduo que faz uso abusivo de lcool e outras drogas. Os psiclogos participantes da pes- quisa relatam que, na realizao de seu trabalho, desenvolvem diferen- tes tipos de atividades e aes, voltadas ao atendimento e preveno. A cincia psicolgica fornece recursos tericos e prticos para que o profissional se envolva nesses campos, mas para que sua atuao seja adequada, preciso que se guie por um referencial terico que no seja centrado apenas no indivduo, mas que d conta da compreenso amplia- da e contextualizada da questo e do ser humano em si, como j colocado. Para contribuir de forma efetiva na poltica de ateno ao indiv- duo que faz uso abusivo de lcool e outras drogas, o psiclogo deve ter em mente que as polticas pblicas so voltadas ao coletivo, mas desti- nadas a atender as necessidades de sujeitos especficos, o que implica em resgatar o individual presente no social e coletivo. Deve tambm se nortear por uma concepo de subjetividade como processo, que se cons- titui a partir das interaes sociais, resultante de determinantes histricos e sociais, numa dialtica constante entre fatores objetivos e subjetivos. A partir desta concepo, preciso analisar o significa- do social do uso de drogas na atualidade, contextualizando-a en- quanto problema de sade pblica e fenmeno psicossocial mul- tideterminado que necessita da conjuno de vrios saberes, re- as, instituies, campos de atuao, para seu enfrentamento. Entretanto, para facilitar a superao do sofrimento psquico vivi- do por aquele que faz uso abusivo de lcool e outras drogas, que mesmo de origem social, sentido individualmente, preciso resgatar o sentido sub- jetivo deste uso para cada um dos sujeitos envolvidos. preciso conhecer o lugar e o papel da droga na configurao subjetiva de cada um, para con- duzir o processo de ressignificao individual, que pode auxiliar na cons- truo de uma nova forma de olhar, ler, compreender e agir sobre o mundo. Buscar o sentido da droga para cada indivduo resgatar sua condio de sujeito, na medida em que este sentido expressa a snte- se entre os significados sociais adquiridos por meio da cultura, suas
  • 74. 76 vivncias pessoais e seu mundo simblico (GONZLEZ REY, 2007). Otrabalhodecompreensodossentidossubjetivosedeinterveno nasconfiguraessubjetivassituaefortaleceopapeldopsiclogonaequipe interdisciplinar. Esse o seu trabalho: resgatar o sujeito perdido nas dimen- ses social, econmica, poltica e objetiva do fenmeno da dependncia. A poltica de ateno aos indivduos que fazem uso abusivo de l- cool e outras drogas deve considerar o indivduo como um todo integrado em suas diferentes dimenses e ao meio fsico e social, cujo desenvol- vimento ocorre de forma integral. Ao mesmo tempo, deve se basear em uma viso sistmica, para a qual o todo no apenas uma somatria de partes, mas resultado da interrelao e da mtua influncia entre elas. Considerado desta forma, o uso de drogas deixa de ser apenas uma questo individual, resultante de caractersticas pessoais, denomi- nadas muitas vezes e erroneamente de personalidade, carter e outros substantivos, ou questes familiares, associadas a dinmicas patolgicas ou desestrutura familiar. E passa a ser o que realmente : uma condi- o decorrente da confluncia de inmeros fatores objetivos e subjeti- vos, ancorados em um trip formado pelas predisposies, fragilidades e potencialidades pessoais, pelo meio fsico e social em que o indivduo se insere e, especialmente, pela disponibilidade e qualidade da droga. Por um lado, esta concepo do uso de drogas refora seu ca- rter interdisciplinar, interinstitucional e intersetorial, ressaltando a incompletude de apenas um saber, uma profisso ou uma institui- o dar conta de sua complexidade. Por outro, fortalece a importncia do papel do psiclogo na escuta do indivduo, na compreenso do pro- cesso de subjetivao que o prende nas malhas do abuso de drogas e na desconstruo do estigma e da patologizao que cerca a questo. Neste contexto, o psiclogo, ao atuar nas polticas pblicas, em especial na que se dirige s pessoas que fazem uso abusivo de l- cool e outras drogas, deve situar-se como o profissional que bus- ca resgatar desejos, ajudar a ressignificar as experincias de vida e elaborar situaes no resolvidas, contribuindo para a constituio de novas subjetividades e para o processo de transformao social. Esta a Psicologia que entendemos necessria para promover a superao
  • 75. 77Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas da condio de excluso que vivem hoje os indivduos que fazem uso abusi- vo de lcool e outras drogas, estigmatizados e marginalizados pela respon- sabilizao do rompimento de paradigmas impostos pela sociedade, sem questionamentos sobre os motivos que fazem com que a droga esteja pre- sente de forma intensa na sociedade, atingindo todas as classes sociais. Qualificao profissional: graduao, formao perma- nente e superviso tcnica As colocaes acima apontam a necessidade de qualificao do profissional de psicologia para atuar na desafiante questo do uso e abuso de lcool e outras drogas. Esta qualificao inicia-se no proces- so de graduao e se fortalece com a formao permanente e a super- viso tcnica, que devem ter recursos previstos no oramento e no pla- nejamento de aes do gestor da poltica de ateno integral ao uso de lcool e outras drogas, em mbito municipal, estadual e nacional. Com relao Graduao, torna-se urgente a reformulao das estruturas curriculares dos Cursos de Psicologia, incluindo dis- ciplinas e ampliando referenciais tericos que ofeream aos futuros profissionais subsdios tericos e metodolgicos bsicos para atu- ar na poltica de ateno integral ao uso de lcool e outras drogas. I-Esta necessidade de reformulao tem suporte nas Diretrizes Curricu- lares Nacionais para os cursos de graduao em Psicologia, aprovadas em 2011, que afirmam que a formao do psiclogo deve favorecer a compreenso crtica dos fenmenos sociais, econmicos, culturais e polticos do pas, fundamentais ao exerccio da cidadania e da profisso e o reconhecimento da diversidade de perspectivas necessrias para a compreenso do ser humano e incentivo interlocuo com campos de conhecimento que permita a apreenso da complexidade e multideter- minao do fenmeno psicolgico (BRASIL, 2011b, art.3, incisos IV e III, respectivamente).
  • 76. 78 A realidade dos Cursos de Graduao de Psicologia revela um per- fil em que ainda se consagram trs reas - Clnica, Escolar e Organizacio- nal -, com amplo predomnio da primeira. Isto indica de forma preocupante que, apesar da ampliao das oportunidades profissionais, decorrentes da abertura de novos espaos de insero profissional, ainda se mantm a hegemonia da atividade clnica com relao s demais (BOCK, 2003). Contextualizando a questo do fortalecimento do espao do psic- logo nas polticas pblicas, cabe ressaltar que no depende apenas do pro- fissional, mas principalmente do momento histrico em que esta atuao exigida e de sua preparao adequada compreenso e enfrentamento das complexas questes que se colocam na sociedade contempornea. Entretanto, as mudanas no podem se restringir Gradua- o. preciso que o profissional seja constantemente qualificado, por meio de formao continuada e superviso tcnica, de forma a refletir sobre sua prtica e corrigir rumos, fortalecendo seu exerccio e protago- nismo profissional, por meio de referenciais tericos e metodolgicos. A reflexo sobre a formao e desempenho profissional traz tona a questo da qualidade do trabalho desenvolvido pelo psic- logo, o qual envolve a competncia em suas dimenses tcnica, polti- ca e tica. A competncia tcnica relaciona-se ao saber, ao domnio de contedos e tcnicas referentes sua funo profissional, aliado ao querer, intencionalidade de sua ao e ao poder, enquanto liberda- de de direcionamento do processo. A dimenso tica faz parte da com- petncia profissional, da clareza abrangente e profunda sobre o pa- pel que o profissional desempenha e deve desempenhar na sociedade. E a competncia poltica refere-se reflexo crtica sobre os valores presentes no comportamento humano em sociedade (RIOS, 2007). A partir desta viso de competncia, a formao do profissional para atuar nesta rea deve impulsionar uma viso crtica e questionadora de sua prtica, entendida como prxis, na medida em que no apenas ao, mas ao transformadora sobre a realidade, Na direo do bem comum, da ampliao do poder de todos como condio de participa- o na construo coletiva da sociedade da histria (RIOS, 2007, p. 80). A qualificao adequada e permanente do profissional torna-o
  • 77. 79Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas consciente de que no detm poder ou conhecimento para mudar sozinho a complexa condio do uso abusivo de lcool e outras drogas, e de que A verdade no somos nem completamente sem poder, nem completamen- te capazes e criar nossa prpria realidade. (...) O que sentimos no depen- de apenas de ns, mas tambm o resultado da realidade que nos rodeia. (...) O poder que possumos, em qualquer momento, depende do que po- demos arregimentar numa dada situao e quanta aceitao o mundo nos oferece em troca de nossos esforos. , de fato, uma proposta meio a meio. Nosso poder depende em parte do que fazemos, e, em parte, do que os ou- tros fazem em resposta a isso. Nem o mito da falta de poder nem o mito do poder absoluto fazem sentido no mundo real (STEINER, 1896, pp. 64-65).
  • 78. 80 CONSIDERAES FINAIS Ao concluir este texto de referncias, tem-se a clareza de que ele no dispensa outras leituras e atualizaes, aspira to somente ser con- tribuio norteadora para aqueles que j trabalham ou iro atuar neste campo. Dever motivar investimentos em formao continuada e a reali- zao de pesquisas. Portanto, no se trata de um documento final acer- ca do tema, tendo em vista a sua transversalidade, a efervescncia do debate, os diversos atores protagonistas neste campo e a amplitude das teorias e tcnicas da Psicologia. As escolhas feitas devem representar o corte necessrio para viabilizar a tarefa em um determinado tempo. Reconhecer os limites do texto nos remete a outros do- cumentos do CFP que contribuem na reflexo, debate e pesqui- sa. Alm disso, outros recursos existentes devem ser observa- dos pela (o) psicloga (o) no exerccio de sua profisso, como o Cdigo de tica Profissional, a Declarao Universal dos Direitos Hu- manos, A Constituio da Republica Federativa do Brasil, entre outros. Vale ressaltar a importncia do protagonismo e da autono- mia do usurio para o resgate de sua condio de sujeito. Deven- do sempre destacar e mostrar que a relao do sujeito com a droga mltipla, mas singular, no cabendo prescries generalizantes e moralistas. Cabe evitar a arrogncia e assumir uma posio interro- gativa que favorea a relao de cuidado. O apoio s familias ou- tro aspecto que carece de maior investimento futuro, bem como a su- perviso institucional como forma de qualificar a prtica profissional. Por fim, os agradecimentos s diversas contribuies ao texto, de grupos e individuais, imprescindveis para o seu aprimoramento. Fo- ram acolhidas as sugestes, recebidas na consulta pblica, reforando o aspecto coletivo da escrita e de proximidade com a prtica atual das (os) psiclogas (os) no campo da poltica de lcool e Outras Drogas.
  • 79. 81Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas Desta forma, pretende-se que seja instrumento de motivao s trocas de experincias da categoria entre si e em equipes multidisciplinares. REFERNCIAS ABORDA. Apresentao. In: SAMPAIO e CAMPOS (Org.). Drogas e digni- dade e incluso social: a lei e a prtica da Reduo de Danos. Rio de Janei- ro: ABORDA, 2003, pp.45-100. ACSELRAD, G. A educao para a autonomia: a construo de um dis- curso democrtico sobre o uso de drogas. In: ACSELRAD, G (Org.) Avessos do prazer: drogas, aids e direitos humanos. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, 2000. ALEXANDRE, Charles. Lexique grec-franais a lusage des commen- ants. Paris: Hachette, 1843. ALVES, Vnia Sampaio. Modelos de ateno sade de usurios de lcool e outras drogas: discursos polticos, saberes e prticas. Cad. Sa- de Pblica, Rio de Janeiro , v. 25, n. 11, Nov. 2009 . Available from . access on 10 Dec. 2013. http://dx.doi. org/10.1590/S0102-311X2009001100002. ANDRADE, Tarcsio. Drogas injetveis na Bahia: usos e usurios. In: Consumo de drogas: desafios e perspectivas. So Paulo. Editora Hucitec, 2000. BARROS, R.B. Grupo: a afirmao de um simulacro. Porto Alegre: Sulina Editora da UFRGS, 2007.
  • 80. 82 BENEVIDES, Regina; PASSOS, Eduardo. A humanizao como dimen- so pblica das polticas de sade. Cincias e sade coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, 2005, pp.561-571. BOCK, A. M. B. . A Prtica Profissional em Psicologia Scio-Histrica. In: Bock, A.M.B.; Gonalves, M.G.M. e Furtado, O.. (Org.). Psicologia Scio- -Histrica: uma perspectiva crtica em Psicologia. 1aed.So Paulo: Cortez Editora, 2001, v. 1, p. 159-162. BRASIL. Ministrio da Sade. Relatrio Final da III Conferncia Nacio- nal de Sade Mental. Braslia, 2002b. _________. MINISTRIO DA SADE. SECRETARIA EXECUTIVA. COOR- DENAO NACIONAL DE DST/AIDS. A Poltica do Ministrio da Sade para ateno integral a usurios de lcool e outras drogas. Braslia: Ministrio da Sade, 2003. ________. MINISTRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE FOME. Poltica Nacional de Assistncia Social. Braslia, 2004. ________. MINISTRIO DA SADE. SECRETARIA DE ATENO SADE. DAPE. COORDENAO GERAL DE SADE MENTAL. Reforma psiqui- trica e poltica de sade mental no Brasil. Documento apresentado Conferncia Regional de Reforma dos Servios de Sade Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Braslia, 2005b. _______. MINISTRIO DA SADE. SECRETARIA DE ATENO SADE. NCLEO TCNICO DA POLTICA NACIONAL DE HUMANIZAO. Huma- nizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 2006a. ________. MINISTRIO DA JUSTIA; SENAD. Levantamento Nacional sobre os padres de consumo de lcool na populao Brasileira. Bra- slia, 2007a.
  • 81. 83Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas ________. MINISTRIO DA SADE. Relatrio de Gesto 2003-2006: sade mental no SUS: acesso ao tratamento e mudana do modelo de ateno. Ministrio da Sade, Secretaria de Ateno Sade. Braslia: Editora do Ministrio da Sade, 2007b. ________. MINISTRIO DA SADE. Marco Legal. Sade um Direito de Adolescentes. Braslia: Ministrio da Sade, 2007c. _______. MINISTRIO DA SADE. Cadernos de Ateno Bsica: Diretri- zes do NASF Ncleo de Apoio Sade da Famlia. Srie B. Textos Bsi- cos de Sade n. 27 Braslia: Ministrio da Sade, 2009a. _______. MINISTRIO DA SADE. COORDENAO NACIONAL DE SA- DE MENTAL, LCOOL E OUTRAS DROGAS. Consultrio de Rua do SUS. Braslia, 2010. ________. PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADO. Co- misso Permanente de Defesa da Sade lana enunciados sobre comunidades teraputicas, disponvel em: http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/ informativos/edicoes-2013/novembro/comissao-permanente-de-defesa- -da-saude-lanca-enunciados-sobre-comunidades-terapeuticas/, acessa- do em 05/12/13. ________. Cartilha sobre o Programa Crack, Possvel Vencer, s/a. Dis- ponvel em: http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/biblioteca/docu- mentos/Publicacoes/cartilhas/329302.pdf, acessado em 06/01/2014. CALIL STAMATO, Maria Izabel. Protagonismo Juvenil: Uma prxis scio- -histrica de ressignificao da juventude. Tese (doutorado em Psicologia Social). Pontifcia Universidade Catlica de So Paulo. So Paulo, 2008. CARVALHO, Salo. A poltica criminal das drogas no Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Lmen Jris, 2008.
  • 82. 84 COLETIVO DAR. Quem somos. Disponvel em: http://coletivodar.org/ quem-somos/, acessado em: 09/12/13. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Cdigo de tica Profissional do Psiclogo. Braslia: Conselho Federal de Psicologia, 2005. ___________________________________. CREPOP. Referncias Tcni- cas para atuao do(a) psiclogo(a) no CRAS/SUAS. Braslia: Conse- lho Federal de Psicologia, 2008. ___________________________________. Relatrio da 4 Inspeo Nacional de Direitos Humanos: locais de internao para usurios de drogas. Braslia: Conselho Federal de Psicologia, 2011. CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA SP. Manual de Orientaes. So Paulo: CRP SP, 2006. DIAS, Rafael. Do asilo ao CAPSad: lutas na sade, biopoder e reduo de danos. 2008. 158f. Dissertao de Mestrado Universidade Federal Flumi- nense. Niteri, 2008. DOMANICO, Andrea. Craqueiros e cracados bem vindo ao mundo dos nias: estudo sobre a implantao de estratgias de reduo de danos para usurios de crack nos cinco projetos-pilotos do Brasil. 2006. 220f. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Filosofia e Cincias Humanas, 2006. DORSH, Friedrich. Dicionrio de Psicologia Dorsch. Petrpolis, RJ: Vo- zes, 2001. ESCOHOTADO, Antonio. Historia elemental de las drogas. Anagrama, 2009. FIORE, Maurcio. O lugar do Estado na questo das drogas: o paradig-
  • 83. 85Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas ma proibicionista e as alternativas. Novos Estudos. CEBRAD, pp. 9-21. So Paulo, 2012. FORD, Debbie. Segredo da Sombra, O. So Paulo: Cultrix, 2005. GONALVES, Maria da Graa Marchina. A contribuio da Psicologia Scio-Histrica para a elaborao de polticas pblicas. In: BOCK, Ana M. Bahia (org.). Psicologia e o Compromisso Social. So Paulo: Cortez, 2003, p. 277-293. GONZLEZ REY, Fernando. Psicoterapia, Subjetividade e Ps-Moderni- dade: uma aproximao histrico cultural, So Paulo: Thomson Learning, 2007. MARTN-BAR, I. O papel do psiclogo. Estudos de Psicologia, 1996, 2(1), 7-27. MERHY, E.E. Sade: a cartografia do trabalho vivo. So Paulo: Hucitec, 2002. MOLON,SusanaI.Subjetividade e constituio do sujeito em Vygotsky. So Paulo: Educ: Fapesp, 1999. NERY FILHO, Antnio. Entrevista. In: Toxicomanias incidncias clnicas e scio-antropolgicas. EDUFBA. Salvador, 2009. PASSOS, E. e SOUZA, T. Reduo de danos e sade pblica: constru- es alternativas poltica global de guerra s drogas. Psicol. Soc. [on- line]. 2011, vol.23, n.1 [cited 2012-06-28], pp. 154-162. RESENDE, H. Poltica de sade mental no Brasil: uma viso histrica. In: BEZERRA JNIOR, B. Cidadania e loucura - Polticas de sade mental no Brasil. Petrpolis: Vozes, 1987, Cap.1, p.1-73.
  • 84. SAWAIA, Bader. Psicologia social: aspectos epistemolgicos e ticos. In: LANE, Silvia T. M. e SAWAIA, Bader B. (orgs.) Novas veredas da psicologia social. So Paulo: EDUC : Brasiliense, 1995. _____________ (org.). As Artimanhas da excluso: Anlise psicossocial e tica da desigualdade social. So Paulo: Vozes, 1999. SEVERINO, Antonio Joaquim. Subsdios para uma reflexo sobre os novos caminhos da interdisciplinaridade. In: S, Jeanete M.D. Servio social e Interdisciplinaridade. So Paulo, Cortez, 1989. SISSA, G. O prazer e o mal: filosofia da droga. Rio de Janeiro: Ed. Civili- zao Brasileira, 1999. SOARES, C.B. Consumo contemporneo de drogas e juventude: a construo do objeto na perspectiva da sade coletiva. 2007. 195f. Tese (Livre Docncia) Escola de Enfermagem da USP, Departamento de En- fermagem em Sade Coletiva, So Paulo. SPINK, M.J.P. (Org.). Prticas discursivas e produo de sentidos no cotidiano: aproximaes tericas e metodolgicas. So Paulo: Cortez, 2004. _____________(Org.). A psicologia em dilogo com o SUS: prtica pro- fissional e produo acadmica. So Paulo: casa do Psiclogo, 2007. VALARELLI, Leandro Lamas. Indicadores de resultados de projetos so- ciais. RITS, 1999. Disponvel em: Acesso em: 01 nov. 2008. VYGOTSKY, L. S. O desenvolvimento psicolgico na infncia. So Pau- lo: Martins Fontes, 1998b. _______________. Teoria e mtodo em psicologia. So Paulo: Martins
  • 85. Fontes, 1999. ZALUAR, A. Introduo: drogas e cidadania. In: ZALUAR, A.(org) Drogas e cidadania: represso ou reduo de riscos. So Paulo: Editora Brasiliense, 1994. Legislao Relacionada BRASIL. Constituio da Repblica Federativa do Brasil, 1988. ______. Lei 8.069, 1990. ______. Lei n 8.080, 1990. ______. Lei n 10.216, 2001. ______. MINISTRIO DA SADE. Portaria GM/MS n 336, 2002a. ______. CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS. Resoluo n3/GSIPR/ CH/CONAD, 2005a. ______. Lei n 11.343, 2006b. ______. CONSELHO NACIONAL DE ASSISTNCIA SOCIAL. Resoluo CNAS n 109, 2009b. ______. Decreto n 7.179, 2010. ______. AGNCIA NACIONAL DE VIGILNCIA SANITRIA. Resoluo - RDC N 29, 2011a. ______. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAO. Resoluo CNE n 5, 2011b.
  • 86. 88 ______. MINISTRIO DA SADE. Portaria GM/MS n 3.088, 2011c. ______. MINISTRIO DA SADE. Portaria GM/MS n 121, 2012a. ______. MINISTRIO DA SADE. Portaria GM/MS n 130, 2012b. ______. MINISTRIO DA SADE. Portaria GM/MS n 131, 2012c.
  • 87. 89Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas
  • 88. 90
  • 89. 91Referncias Tcnicas para a Atuao de Psiclogas (os) em Polticas Pblicas de lcool e Outras Drogas