cras vila prudente/sapopemba

Download CRAS VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA

Post on 13-Jan-2016

90 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

CRAS VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA. CAS CENTRO OESTE. CAS SUL. CAS SUDESTE. CAS LESTE. CAS NORTE. CRAS ARICNDUVA. CRAS MÓOCA. CRAS IPIRANGA. CRAS JABAQUARA. CRAS VILA PRUDENTE. CRAS VILA MARIANA. CRAS PENHA. SERVIÇOS CONVENIADOS. ORGANOGRAMA. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

  • CRAS

    VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA

  • ORGANOGRAMA

  • CAS LESTECAS SUDESTECAS SULCAS CENTRO-OESTECAS NORTEFonte CEinfo out/2008 COORD. ASSIST.SOCIAL NO MUNICIPIO DE SO PAULO

  • CAS SUDESTE

  • Proteo Social Bsica

    Tem como objetivo a preveno de situaes de risco por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisies e o fortalecimento de vnculos familiares e comunitrios.

    Destina-se populao que vive em situao de fragilidade decorrente da pobreza, ausncia de renda, acesso precrio ou nulo aos servios pblicos ou fragilizao de vnculos afetivos (discriminaes etrias, tnicas, de gnero ou por deficincias, dentre outras).

  • O principal servio ofertado pelo CRAS o Servio de Proteo e Atendimento Integral Famlia (PAIF), consiste em um trabalho de carter continuado que visa fortalecer a funo protetiva das famlias, prevenindo a ruptura de vnculos, promovendo o acesso e usufruto de direitos e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida.

  • Atuao

    O Centro de Referncia de Assistncia Social (CRAS) atua como a principal porta de entrada do Sistema nico de Assistncia Social (SUAS), nos territrios e responsvel pela organizao e oferta de servios da rede socioassistencial, direcionados para grupos especficos, dentre eles, os Centros de Convivncia para crianas, jovens e idosos.

  • *Centro para Crianas e Adolescentes (CCA) *Centro para Juventude (CJ)Os CCAs devem oferecer espaos de estar, de convvio e de participao para crianas e adolescentes de ambos os sexos, em horrios alternados ao da escola ou diversificados e flexveis.Faixa etria: 06 a 12 anos / 12 a 15 anos.Os CJs oferecem espaos de estar, de convvio e de participao para jovens de ambos os sexos, em horrios alternados ao da escola ou diversificados e flexveis. Os cursos devem estar voltados para o desenvolvimento de competncias bsicas , competncias especficas e de gesto. Faixa etria: de 15 a 24 anos e 11 meses

  • Formas de acesso:

    Prioridade para crianas e adolescentes em situao de vulnerabilidade e risco social, com fragilidade de vnculos afetivos, encaminhados pelo CRAS e rede de servios socioassistenciais e por procura espontnea.

    Funcionamento

    De segunda a sexta feira, por perodo de 8 horas dirias divididas em dois turnos.

  • Centro de Referncia da Assistncia SocialCRAS VP / SAPOPEMBA

  • BOLSA FAMLIAO Bolsa Famlia um programa que transfere renda diretamente para as famlias como forma de garantir o direito humano alimentao adequada, educao e sade.

  • PBLICO-ALVOFamlias em situao de POBREZA e de EXTREMA POBREZA em todo o Pas. EXTREMA POBREZA Renda mensal at R$ 70,00 por pessoa;

    POBREZA Renda mensal entre R$ 70,01 a R$ 140,00.

  • TIPOS E VALORES DOS BENEFCIOSBSICO - Famlias extremamente pobres - R$ 70

    VARIVEL Vinculado a crianas de at 15 anos R$ 32 (limitado a 5 variveis por famlia)

    VARIVEL JOVEM Vinculado a jovens de 16 e 17 anos R$ 38 (limitado a 2 por famlia.

  • TIPOS E VALORES DOS BENEFCIOSVARIVEL GESTANTE Pago em 9 parcelas a partir dos registro da gravidez no sistema de pr-natal do Ministrio da Sade R$ 32

    VARIVEL NUTRIZ Pago em 6 parcelas a partir da incluso do beb no Cadastro nico R$ 32.

  • CONDICIONALIDADESAs Condicionalidades so os compromissos assumidos tanto pelas famlias beneficirias do Bolsa Famlia quanto pelo poder pblico para ampliar o acesso dessas famlias a seus direitos sociais bsicos.

    SADE;EDUCAO;ASSISTNCIA SOCIAL.

  • CONDICIONALIDADES - SADEAs famlias beneficirias assumem o compromisso de acompanhar o carto de vacinao e o crescimento e desenvolvimento das crianas menores de 7 anos. As mulheres na faixa de 14 a 44 anos tambm devem fazer o acompanhamento e, se gestantes ou nutrizes (lactantes), devem realizar o pr-natal e o acompanhamento da sua sade e do beb.

  • CONDICIONALIDADES - EDUCAOTodas as crianas e adolescentes entre 6 e 15 anos devem estar devidamente matriculados e com frequncia escolar mensal mnima de 85% da carga horria. J os estudantes entre 16 e 17 anos devem ter frequncia de, no mnimo, 75%.

  • CONDICIONALIDADES ASSISTNCIA SOCIAL

    Crianas e adolescentes com at 15 anos em risco ou retiradas do trabalho infantil pelo Programa de Erradicao do Trabalho Infantil (Peti), devem participar dos Servios de Convivncia e Fortalecimento de Vnculos (SCFV) do Peti e obter frequncia mnima de 85% da carga horria mensal.

  • DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADESADVERTNCIA

    BLOQUEIO 30 DIAS

    SUSPENSO 60 DIAS

    SEGUNDA SUSPENSO 60 DIAS

    CANCELAMENTO

  • CALENDRIO DE REPERCUSSO SUDE / EDUCAO

  • SIGPBF Sistema de Gesto do Programa Bolsa Famlia e Sistema de Condicionalidades SICON

  • Permanncia no programaTempo indeterminado;

    Continuar dentro dos critrios;Cumprimento das condicionalidades (Educao/Sade);Comparecer ao recadastramento* (Realizado geralmente a cada 2 anos).

    * A atualizao cadastral deve ser realizada a qualquer momento quando houver quaisquer mudanas.

  • ACOMPANHAMENTO FAMILIARAcompanhamento regular e contnuo das condicionalidades do Bolsa Famlia permite identificar as famlias com dificuldades em cumprir os compromissos assumidos nas reas de sade, educao e assistncia social, alm de mapear os principais problemas vivenciados por elas.

  • SASFServio de Assistncia Social Famlia e Proteo Social Bsica no Domiclio.

    Prev a convivncia e o fortalecimento de vnculos familiares e comunitrios por meio de aes socioeducativas que visam acesso rede sociassistencial , a garantia de autonomia, por meio de aes de carter preventivo, protetivo e proativo s situaes de risco, excluso e isolamento de grupos familiares.

    A efetividade do trabalho social do SASF est vinculada capacidade de articulao entre os setores da poltica de assistncia social e demais polticas pblicas, como pacto de ao coletiva.

  • SASFServio de Assistncia Social Famlia e Proteo Social Bsica no Domiclio.Objetivos:Acompanhar e monitorar famlias beneficirias de programas de transferncia de renda especialmente as que no cumprem condicionalidades e famlias com beneficirios do Beneficio da Prestao Continuada ( BPC);

    Forma de acesso: demanda identificada e encaminhada pelo CRAS

    A delimitao de rea de abrangncia feita pelo observatrio da CAS, por meio de anlises de dados espaciais, georeferenciamento dos beneficirios dos PTRs e BPC

  • Legislao CREAS

  • (PAEFI) Programa e Atendimento Especializado a Famlias e Indivduos.

    Servio de apoio, orientao e acompanhamento a famlias com um ou mais de seus membros em situao de ameaa ou violao de direitos.(...). Articula-se com as atividades e atenes prestadas s famlias no demais servios socioassistenciais, nas diversas polticas pblicas e com os demais rgos do Sistema de Garantias de Direitos.

  • Famlias e indivduos que vivenciam violaes de seus direitos por ocorrncia de: violncia fsica e psicolgica e negligncia; violncia sexual e ou explorao sexual; afastamento do convvio familiar devido aplicao de medida socioeducativa ou medida de proteo; trfico de pessoas; situao de rua e mendicncia; abandono; vivencia do trabalho infantil; discriminao(orientao sexual, raa, etnia); descumprimento das condicionalidades do PETI e PBF em decorrncia de violao de direitos.

  • Contribuir para:O fortalecimento da famlia no desempenho da sua funo protetiva; encaminhar para incluso no sistema de proteo social e nos servios pbicos conforme necessidades; Prevenir incidncia de violao de direitos, bem como contribuir para sua reparao;(...)

  • Acolhida, escuta, orientao, encaminhamentos, visita domiciliar, informao;

    Comunicao e defesa de direitos, fortalecimento da funo protetiva da famlia;

    Elaborao de relatrios e/ou pronturios;

    Fortalecimento do convvio familiar e comunitrio;

    Diagnstico socioeconmico, construo do plano individual e ou familiar, atendimento psicossocial , juridicossocial, articulao interinstitucional com os demais rgos do Sistema de Garantias de Direitos.

  • Segurana de Acolhida, ter respeitada sua privacidade, sua identidade, integridade e histria de vida preservadas, ser orientado e ter a efetividade dos encaminhamentos. Segurana de Convvio Familiar e Comunitrio; ter assegurado o convvio familiar, comunitrio e social, ter acesso a servios de outras polticas pblicas, conforme necessidades. Segurana de Desenvolvimento da Autonomia; ser informado sobre acessos direitos, poder construir projetos pessoais e sociais e desenvolver autoestima;(...)

  • Grupos familiares e indivduos em vivncia de situaes de risco e violao de direitos, territorialmente referenciado ao CREAS;Acesso por identificao e encaminhamento dos servios de proteo e vigilncia social;Por encaminhamento de outros servios socioassistenciais, das demais polticas pblicas, dos demais rgos do Sistema de Garantia de Direitos e do Sistema de Segurana Pblica; Demanda espontnea.

  • Servios socioassistenciais de Proteo Social Bsica e Proteo Social Especial;

    Servios pblicos de educao, sade, cultura, esporte e outros;

    Sociedade civil organizada;

    Demais rgos do Sistema de Garantia de Direitos;

    Sistema de Segurana Pblica;

    Instituies de Ensino e Pesquisa.

  • Art. 3. Os Centros de Referncia Especializados de Assistncia Social - CREAS constituem unidades de prestao de servios especializados e continuados a indivduos e famlias com seus direitos violados, mediante a integrao de esforos, recursos e meios para enfrentar a disperso dos servios e potencializar as aes para os seus usurios, envolvendo um conjunto de profissionais e processos de trabalho que devem ofertar apoio e acompanhamento individualizado