COSTA, Cacilda Teixeira Da. Movimentos e Meios - 1950-2000

Download COSTA, Cacilda Teixeira Da. Movimentos e Meios - 1950-2000

Post on 11-Jul-2015

451 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Arte no Brasil 1950-2000(/J

w

~ Movimentos e Meios

t"

, ,. ." ," , , '" "t't "t tt tt

II: 0-

:

t

..It

o o o II:wfZ

o o.tt ,t .t t. t. t.(/J (/J

.t "t t t. t.

o

~

;tt

o oo

~

ISBN

B5-98325-02-3

9 788598

I II II

325026

ce/:" /~/,:J!I

II

)

~

~

Arte no Brasil 1950-2000Movimentos e meios

I

~

CpW sl V Duke Lee Retrato de Lydl8 ou a respelto do Mho, 1970, I 0 obre tela montagem aeriliea I obJeto com partes m6veis pllha, 135 x 1ooem Cole~ao Museu de Arte Moderna de Sao Paulo patroelnlo PetrobrasIII

I......-...

"

-

I

I

./,

II I

TODO 0 PASSADO DENTRO DO PRESENTE

, ,I

II

.I

I

Arte no Brasil 1950-2000Movimentos e meios

II

I

Cacilda Teixeira da Costa

2i! edic;:ao - 2006

I

~IamedaI IbIlI

I

Copyright 2004 Cacilda Teixeira da Costa l' edi,ao: junho de 2004 2' edi,ao: mar,o de 2006 Dados Internacio~ais de Cataloga,ao na Publica,ao (CIP)

(camara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

A origem videos

deste0

trabalho

esta

ligada

a

cole~ao

de a0

Todo

p0550do dentro do presente,da segunda dos metade dos roteiros

que aborda

Costa, Cacilda Teixeira da Arte no Brasil 1950-2000 : Movimentos e Meios / Cacilda Teixeira dit Costa. - sao Paulo: Alameda 2004. ' Bibliografia. ISBN 85-98325-02-3

arte brasileira desenvolvimento

do seculo programas,

xx.

Com

sentimos no intervalo apenas 24

que era necessario enfocado. verbetes, o motivo

um texto0

que resumisse pelos artistas dicionario,

os movimen-

tos e os mLiltiplos meios usados Terminado constatamos pelo qual0

pequeno

que ele poderia apresentamos

ter vida propria, Esse e em livro. A linha e cronologica, de movimentos

como guia para os interessados seguida709.8'

na arte do periodo. de verbetes

indices para catalogo sistematico: 1. Brasil: Arte : seculo 20 : Historia

em ambos

os blocos

feita a ressalva de que existem coexistencia e continuidade do uso de meios

Cacilda Teixeira da Costa Sao Paulo, 2004

Alameda Casa Editorial Rua Ministro Ferreira Alves, 108 CEP 05009-060 - Perdizes 5ao Paulo - SP

Walter

Zanini,

por sua leitura

atenta

e preciosos

comentarios,

e

Evelyn Berg loschpe e Luisa Strina, pelo estimulo

fraterno.

IIII"

I

ISUMARIO

IMOVIMENTOS Abstra~ao Arte concreta Op art e Arte cineticaII

9 10 14 17 18 20 23 26 26e Arte minima

MEIOS Pintu ra e escu Itu ra Fotografia Objeto Happening Performance Body art Ambiente e instala~ao Land artI

49 51 52 55 58 61 62 63 65 67 68 69 70 72 75 79

I

Arte neoconcreta Abstra~ao informal Novas figura~6es / Pop art Hiper-realismo

~

I

Arte povera Pintura monocromatica Arte conceitual Volta

28 29 32 36

Arte postal Livro de artista ou livro-objeto Poeticas visuais Videoarte

a

pintura

I

CADERNO DE IMAGENSI

Cinema de artista BIBLIOGRAFIA fNDICE DE NOMES

Os verbetes escritosI I

Abstra)ao, mente

Arte em

I Pop art, Hiperrealismo,original

Arte

con creta, Op art e Arte cinetica, Novas figura~6es povera, Arte conceitual e Land art fcramcom Annateresa do informal

colaborac;ao

em "Tendencias da arle contemporanea: n. 5, ano II. Sao Paulo: Polis, 1983.

a

Fabris e publicados transvanguarda", Arre,

I ,.-

~~

I

o termonaram

movimento

artistico

tenta

dar ideia da modias por valores predomi-

ficar;:ao incessante faixas de tempo exemplo, para

dos processos

de criar;:ao, assinalando abstracionista, tempo especffica

em que determinados expressar a predominancia certo

na arte. Fala-se em movimento durante

da represenem algumas entenderam prinprodessa discursos, aquilo que artis-

tar;:ao nao figurativa partes do mundo. tas de uma cipalmente nunciamentos defendidos.

As definir;:6es referem-se de ar;:ao estetica, coerentes

localizar;:ao temporal por meio de obras, e entrevistas Diz respeito, ainda,

como seu programa

expressando-o com

manifestos,

os princf pios ou poste-

ao que entenderam contemporaneas

produr;:ao a crftica e a hist6ria, riores a ela, incluindo

a de nossos dias. dos movimentos meros pontos de em nao semeimportermo

E

preciso

deixar claro que os nomes que as datas constituem

sao abrangentes, referencia pode

e que nem todo artista pode ser enquadrado A classificar;:ao em vertentes muita rigidez; ela serve, obras superficial mente mfnimas. com

um unico agrupamento. ser tomada para

muitas

vezes,

homogeneizar portador

Ihantes, assim como para separar um conjunto tante analisar0

de um corpo de trabalho

de diferenr;:as

E0

atentamente melhor

a produr;:ao

de cad a artista,

Com todos seus desdobramentos. e, porem, que temos lar da hist6ria rentes atitudes segundo ondular;:6es

Amplo e

vago,0

para identificar ocasionadas

desenropor dife-

no fazer artistico.

de Piet Mondrian e do grupo De Stijl, de que faziam parte Theo va~ Doesburg Chama-se tac;:ao nao apresenta gens e objetos geometricas pesos, manchas Abstrac;:ao toda represenisto e, que nao reconhecfveis de imefigurativa, figuras e Georges Vantongerioo, Neoplasticismo; dentro de um movi~scola de seus mestres, mento denominado e, na_AI~aJlf}a

de arte e design Bauhaus, com os programas entre eles Wassily Kandinsky e Paul Klee. Embora ligados por diferentes esses movimentos ate 1930, cionalista das vanguardas

diato (seres humanos, quaisquer), preocupando-se ou nao -, cores,1550

animais, paisacom formas _ texturas, escultura, objeto e de

razoes as formas abstratas, a face racional e fun-

sao considerados suas doutrinas tendo destino0

composic;:ao,

e relevos.

vale para pintura, cinema,

do inicio do seculo

xx.

Atuaram de

desenho, gravura, fotografia, todos os meios possiveis. 1910, quando aquarelas sugerem processo com Wassily Kandinsky signos figurativos,

video,

defendendo

por meio de manida arte. por meio de A

festos e obras ortodoxos, que a Abstrac;:ao seria daram a necessidade escultura,

havido grupos convictos inexoravel

A Abstrac;:ao na arte tornou-se e elementos da figura Braque,

conhecida pintou grMicos que

a partir que

No que se refere a escultura,

os artistas russos aprofundiretrizes tecnol6gicos.

as suas primeiras apenas no com nova etapa se iniciara

de estabelecer

modelos

assinalando

uma vinculac;:ao vital com procedimentos model a e passa a ser uma construc;:ao. Desenvolveram-se constituiram construir Dada objetos um a face mundo outras tendencias dessa

de desmanche

para eles, deixa de ser um objeto que se talha ou em paralelo, utopia vez vinculadas que de ao de

Pablo Picasso e Georges por volta de 1907. A esses movimentos, etc.), movimento

na criac;:ao do Cubismo, - -0

liga-se tambem tempo

Futurismo

ita-

irracionalista melhor, em que

da mesma se impoem

liano (que teve desdobramentos ao mesmo Dotado0

na Russia, Gra-Bretanha estetico inovador, e politico, propunha da vida do som, da luz e das maquinas cidades.

e ao Surrealismo, que esteticamente tradicional.

os readyem nenhu-

com uma nova percepc;:ao da velocidade, da tecnologia. introduzir como moderna de espirito na arte tanto e da atividade

mades de Marcel Duchampma categoria

e, com eles, a apropriac;:ao nao se enquadram

ritmo e a dinamica das grandes

uma sintonia

com os progressos frenetica

da ciencia,

Tais experimentac;:oes tuitas e vinham sendo

nao eram de modo elaboradas

nenhum

gradesde

e amadurecidas que contou agentes e0

Sucederam-se tos construtivista

na decada de 1910: na Russia, os movimene suprematista, em que as obras de Vladimir

meados do seculo XIX, num processo e Henri Matisse, e sobre madores poderosos,0

com pretransfor-

cursores como William Turner, Paul Cezanne, qual incidiram como a fotografia

Andre Derain cinema.

Tatlin e Kazimir Malevitch sao referencias; na Holanda, as ac;:oes

A diversidade apresentassem

inicial possibilitou por muitas variantes,

que as abstra~oes geometricas manifestaram_ monocromati_ ligadas abstrato momento~ recorreram e escul-

se

com

Ivan Serpa, Palatnik,

Almir Mavignier, pioneiro aparelhos dois grupos artistas Valentim, como

Ceraldo

de Barros arte e tecnolo-

e

e infor-

Abraham

da fusao entre

mais. De forma abrangente, se nos movimentos co, minimalista emo~oes no Tachismo,

as geometricas concretista,

gia com os chamados

cinecromaticos. concretistas: Milton0

Apos a I Ruptura, Maria

construtivo,

e na Op art, e as informais, no Expressionismo "rica e em alguns na Abstra~ao

Bienal, formaram-sea em Sao Paulo, e Paralelamente, Leontina, Rubem Zaluar, Arcangelo0

Frente, no Rio de Janeiro'. Dacosta, Dionfsio del Santo, Abelardo

e visoes subjetivas,

da Transvanguarda.

Nos dois casos, os artistas e meios, desde

lanelli, lone Saldanha, sem demonstrar

Roberto Burle Marx, entre outros, aderiram0

a toda sorte de tecnicas

a pintura

~ura a~e fotografia, colagem, assemblages (obras em que se Just,apoem objetos do cotidiano), objetos e aparelhos clnetrcos; for~as utilizaram todos os materiais disponfveis, momentos com e varia~oes descobertas a cada dia pelas novas geda cena mantem-se

Arthur Luiz Piza e Sergio de Camargo,

a Abstra~ao

geometrica

mesmo rigor teoriou manifestos, criativa. com intencomo ou absda

co dos concretistas caracterizando-se, A Abstra~ao sidade'. Candido tratos, Pintores Portinari, a exemplo

nem produzir formula~oes assim, por grande autonomia

informal tambem figurativos dos executaram quatro

se propagou trabalhos paineis

ra~oes e predominaram

em diferentes

de gera~oes

anteriores, hfbridos do

artfstica internacional. Por isso, a Abstra~ao viva e presente na arte de hoje. Os pioneiros Rego Monteiro, brasileiros da Abstra~ao com obras como

Ministerio

foram Vicente do de no enta~to

Composirao abstrata

Educa~ao no Rio de Janeiro. Aldo Bonadei, Arnaldo Ferrari aproximaram-se realizando depurou maturidade, composi~oes

Mario Zanini e nos

da Abstrac;:ao em plena construtivistas fez incursoes abstracionistas de cor. e

1922, e Cicero Dias, a partir de 1945. Ambos

viviam, em Paris. No Brasil, a introdu~ao ~a Abstra~a~ geometnca deve-se a artistas como Arpad Szenes e AxlLeskoschek,CIOU

anos 1950. Flavio de Carvalho e Jose Pancetti Abstra~ao, a ponto

suas marin has ate os limites da em zonas estilo

na decada

de 1940,

a Waldemar

Cordeiro em

de transforma-Ias mantendo

Ifder do movimento as atividades 1951.0 que, tura. em norte-america seguida,

concretista,

e Samson

Flexor, que ini~

Diferente do caso de Alfredo Volpi, que evoluiu em dire~ao

do Atelie Abstra~ao no Alexander em 1951,

de Sao Paulo,0

Calder expos no Masp suf~o Max Bill da

a

Abstra~ao

geometrica,

individual

solu~oes proprias, vigorosos1 Ver 0 verbete 2 Ver verbete

irredutfveis.

A transforma~ao criativo.

que ocormais

(Museu de Arte de Sao Paulo), assim como participou00

reu em sua obra nos anos 1950 foi um dos momentos e singularesArte Concreta Abstra