correio rural 31 de julho de 2015

Click here to load reader

Post on 22-Jul-2016

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio Rural 31 de julho de 2015

TRANSCRIPT

  • FUNDADO EM 25 DE NOVEMBRO DE 1912 | ANO 103 | NMERO 5.249 | 31 DE jULhO DE 2015 | R$ 1,00

    www.correiorural.com.br

    H 102 anos o seu jornal de Viamo

    Arraial da Alegria no domingo

    NOVO ENDEREO Av. Sen. Salgado Filho, 9908 Pda. 57

    Fone 3054.0504 - Em frente ao Cabritos

    LAVA SECA PASSAEspecializados em: edredons - tapetes

    Entorno do Lago Tarum sem inundao

    Pgina 3

    fEsTA no cEnTro

    o Piau aqui Pgina 3

    No sbado, dia 1 de agosto, a Praia da Vila de Itapu receber a se-gunda etapa do 2 Circuito Gacho de Slackline. O evento est sendo or-ganizado pela Federao Gacha de Slackline, com o apoio da Prefeitura de Viamo. Alm das competies, haver uma oficina durante o evento, para que os admiradores do esporte e os curiosos tenham seu primeiro contato. O evento tambm uma etapa do Qualify (etapa de qualificao para atletas) onde o vencedor ganha uma vaga na Etapa Mundial, que ser realizada no ms de outubro, em Foz do Iguau.

    Na quinta-feira, dia 23, em Itapu, os organizadores do evento esti-veram reunidos para definir alguns detalhes em relao ao evento, tais como, a distribuio dos toldos, locais de competio e logstica para a realizao das provas. Estiveram reunidos o presidente da Federao Gacha de Slackline, Clber Koplin, e integrantes da Prefeitura (Secreta-ria de Esportes e departamentos de Turismo e Comunicao).

    Itapu recebe etapa de circuito de slackline

    A Prefeitura de Viamo, atravs da Secretaria Municipal de Cultura (SMC), realiza o Arraial da Alegria. O evento acontece no prximo do-mingo, dia 2 de agosto, das 14 s 19h, na Avenida Coronel Marcos de Andrade, no Centro de Viamo.

    A festa vai contar com barracas que estaro comercializando co-midas tpicas, espao para brinca-

    deiras e atraes musicais. A partir das 16h, ocorre tambm a apresen-tao do tradicional casamento na roa, pelo Grupo de Teatro Ex-perimental da SMC.

    Alm do Arraial do Centro, a Prefeitura est organizando mais duas festas, que devem acontecer no dia 8 de agosto, em Itapu e, no dia 16 de agosto, na Santa Isabel.

    Confira a programao 14h - Brincadeiras culturais (pes-caria, boca do palhao, argola).15h40 - Abertura oficial16h - Casamento na Roa (Grupo de Teatro da Secretaria Municipal de Cultura) 16h30 - Shows com a Banda Tem-po Guri, Caubi e Expresso Tch19h - Encerramento

  • 31 de JUlHO de 2015WWW.CORReIORURAl.COM.BR2

    Um crime no centro de Viamo, no incio da noite de domingo, foi no-tcia que rendeu demais principal-mente nas rdios da capital do Es-tado. Dois homens assaltaram um casal que passava pela Praa Jlio de Castilhos. Tentaram fugir, mas foram perseguidos por segundo relatos dez pessoas que, em gru-po, foram para o ataque. Um dos assaltantes fugiu, mas o outro foi espancado at a morte, em plena via pblica.

    O principal mote do noticirio radiofnico ficou em cima de duas perguntas: a agresso do grupo ao assaltante deve ser punida? O gru-po agiu corretamente? Lgico, em cima do fato, um pouco de sensa-cionalismo.

    E, para tanto, foram ouvidos advogados, juristas, policiais, soci-logos, psiclogos, etc. Estes pro-fissionais, claramente discordaram da agresso, considerando-a prti-ca de crime. Afinal, ningum pode fazer justia - se que estava sen-do feita justia com as prprias mos. Esto certos. No se cobra um crime com outro crime.

    Chamou a ateno, no entanto, a opinio do povo quando ouvido pelas rdios. A maioria das pessoas foi favorvel ao do grupo que espancou. O povo, embalado pela condio de falta de segurana a que est submetido, visto a pre-cria condio do policiamento posto disposio, no quer outra coisa seno ver assaltantes e outros larpios, mortos. Seja da maneira que for.

    Sobra uma meditao, at um pouco jocosa: um assaltante foi morto e dez criminosos esto sol-tos... e louvados.

    preciso, de imediato, olhar com clareza a questo segurana

    EDITORIAL

    Um crime. ou no?

    EXPEDIENTE

    CORREIO RURAL uma publicao da MV Santos Editora Ltda.

    CNPJ 15308385/0001-26.

    Rua Marechal Deodoro, 274- Centro - Viamo - RS - Fone (51) 3485.1313 -

    CEP 94410-000

    [email protected] www.correiorural.com.br

    Diretor e Editor MILTON ZANI DOS SANTOS Jornalista Reg. MTb n 4506

    [email protected]

    Circulao: Semanal Tiragem: 3.000 exemplares

    Editorao: MV Santos Editora Impresso: Grupo RBS

    O Jornal no se responsabiliza por conceitos emitidos em matrias assinadas.

    Detalhes As crnicas do cotidiano e as informaes de bastidoresPOR MILTON SANTOS

    Recado para o Pano

    OMASKARA

    O rescaldo do aguaceiroPassado o sufoco da populao de Viamo, com a volta do

    fornecimento de gua, d pra tirar algumas concluses aleat-

    rias da confuso toda.

    Vereadorestirandoselfienafrentedecaminho-pipa,quecoisa ridcula.

    VereadoresdescobrindoqueaCorsanpoderiaedeveriacap-targuaemViamo,quetemolquidoemabundncia,umacostadecemquilometros,quegnios!Algunsdelesinclusivetiveramacanetanamo,paramandaraCorsanfazer,enadafizeram.

    OservioprestadopelaCorsanoretratofieldodescasodegovernantesdetodasasesferasduranteanosafio.EmBraslia,sumiuodinheirodoPACPrevenodeEnchentes.NoRioGrandedoSul,aCorsanfaturamuitoemViamoeinvestequasenada.EmViamo,assinaramumcontratodeconcesso,em2007,quesimplesmentenodizoqueaCor-santinhaquefazer.Estamospagandoessacontatoda.

    Desconto na contaNatardedestaquinta-feira,dia30,aCorsananunciouque

    conceder descontos na conta de gua de moradores de Via-

    mo.AdecisofoidaAgnciaReguladoradosServiosPbli-

    Ningum v o seu rosto,mas ele est em todos os lugares

    cosDelegadosdoRS(Agergs)eaCorsanacatou.TodasascontasdeViamoeAlvoradaserobeneficiadas

    jnacontadesetembro.OdescontoparaaTarifaResidencialSocialserde30%,enquantoaTarifaResidencialBsicaterabatimentode25%.

    O jornal tucano pegou pesadoApresidentedoPTdeViamao,EstelaVilanova, divulgou

    umanotaoficialdopartido,nomsdejunho,descendoalenhanaadministraodoPSDBedizendoquetudoemViamoquetemdebomcoisadaDilmaedoTarso.Pediu,levou.

    OPSDBcontratacoucomumjornalquerecordafatos,di-gamos,desagradveis,dogovernopetista,trazendotambmasrealizaodaatualgesto.Noeconomizouemartilharia.Descarregoutodasasbateriasdeumavezs.

    AvalenteVilanovadivulgououtrotexto,meioconfuso,queatiranoPSDBcomoumtodo,masnorefutanenhumpontodojornal.OsdemaisartficesdoPT,vereadoreselideranas,fizeramdecontaquenocomeles.TipooLula,quenosabiadenada.

    Por falar em PTAOperaoLava-Jato chegouno setor eltrico, e deve

    tambmchegaremoutrasestataisenoBNDES.OsrumoresquevmdocentrodoPascadavezmaisdocontadequeos delatores premiados vo implicar gente grande. Vai ser um

    agostodaqueles!

    CurtinhaSetiverjaneladetransfernciadepartidos,sobraalgumnoPT?

    As pessoas, ao relembrarem algo do passado, muitas vezes so chamadas de nostlgicas, de saudosistas, quando no de retrgradas ao compararem coisas e objetos de agora com os de antigamente. Tem at aqueles que trazem Spielberg denominando-as de jurssicas.

    As vezes, geralmente quando estamos em momentos de profundo silncio, acomete-nos a saudade. Isto no pecado, no delrio. Saudade, entendo, um sentimento que envia para dentro do nosso organismo lembranas de fatos que vivemos em nosso passado e que ainda nos trazem marteladas de alegria ou de tristeza. De repente sentimos vontade de solt-las num bate-papo e at numa escrita.

    Na edio passada, CR do dia 24, na pgina 3, o j consagrado cronista Pano (pra manga) desfilou sua saudade dos veraneios na praia da Cidreira numa casa com tramelas. Peo licena a ele para dizer que tambm sinto saudade dos veraneios curtidos com meus pais num dos bairros de Grande Cidreira, a Praia da Nazareth. Isso l por 1950 a 1955. A casa onde ficvamos por um ms estava cravada entre quatro cmoros. Era alta do cho, sustentada por pilares de madeira, como se fosse uma palafita. As portas eram trancadas com tramelas, tambm. Ah! E no tinha luz eltrica. A noite era iluminada por lampies. Quando chovia muito ficvamos no meio de um lago, saamos com gua pela barriga para chegar at a beira da praia. A casa ainda est l, reformada, j em terreno plano. Os cmoros sumiram. Eram muitos deles, que se perdiam na distncia at enxergarmos o Farol da Cidreira, ali onde hoje a Praia de Salinas. A Nazareth de 2015 uma metrpole. Ah! Os cmoros so as dunas, para que os mais novos entendam.

    Fatos de agora podem nos trazer saudade. Por exemplo, a falta de gua (no da chuva) nas torneiras, semana passada, mandou o pensamento l para os meus dez, onze, doze anos. Pelas poeirentas ruas da cidade circulavam os pipeiros. Eles vendiam gua para a populao entregando a domiclio. Buscavam o lquido precioso na Fonte da Reirinha, ali onde est a Escola Castelo Branco, no Stio So Jos. Transportavam a gua em pipas/carroas puxadas por

    garbosos pangars. Lembro do Betinho, do seu Cndido, do Adolfo, do Caramuru e, se no me falha a memria, o Sarav tambm foi pipeiro. No faltava gua. De jeito nenhum. Lgico, os banhos eram de bacia e rarssimas eram as casas que possuam banheiros internos com todos os objetos sanitrios. As necessidades fisiolgicas eram descarregadas com uma visitinha na patente, cuja porta era fechada com tramelas. Ah! Para os mais novos saberem, a patente era uma casinha construda no fundo do ptio, em cima de um grande buraco onde ficavam depositados o coc e o xixi. Papel higinico?.... Haja folha de jornal!... noite, caso necessrio, no se visitava a patente. Embaixo da cama havia o urinol, popularmente conhecido como penico, para quebrar o galho.

    De forma fatdica, um outro fato se alinhou na saudade. Neste julho de 2015, sculo XXI, um bando de pessoas matou um assaltante na Praa Jlio de Castilhos. Na minha juventude, adolescncia, era normal ficarmos em grupo conversando nos bancos daquela praa at altas horas da noite. Havia ali um quiosque, perto da borracheira. Melhor ainda ficava o papo qu