correio rural 26 de junho de 2015

Click here to load reader

Post on 22-Jul-2016

221 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio Rural 26 de junho de 2015

TRANSCRIPT

  • FUNDADO EM 25 DE NOVEMBRO DE 1912 | ANO 103 | NMERO 5.244 | 26 DE JUNHO DE 2015 | R$ 1,00

    www.correiorural.com.br

    H 102 anos o seu jornal de Viamo

    Aberta comisso processante contra vereador Jeferson

    Pgina 2 - O Maskara

    Instalao de cmeras no centro est em pleno andamento

    Pgina 4

    Nota Oficial AlertaA Prefeitura de Viamo, atravs da Secretaria Municipal de

    Sade, comunica que no autorizou servidores/funcionrios ou qualquer outra pessoa a visitar residncias, para obter qualquer tipo de informao pessoal dos muncipes, a fim de confeccionar o novo carto sade. O cadastramento do Carto Viamo Sade feito exclusivamente no Pronto Atendimento da Parada 44 e neste sbado, dia 27, em todas as Unidades Bsicas de Sade. O cadas-tro deve ser feito pessoalmente, pois no momento da inscrio realizado o cadastro digital do usurio e tambm uma foto digital.

    NOVO ENDEREO Av. Sen. Salgado Filho, 9908 Pda. 57

    Fone 3054.0504 - Em frente ao Cabritos

    LAVA SECA PASSAEspecializados em: edredons - tapetes

    Viamo, 2040 Pgina 3

    VIDEOMONITORAMENTOAprovado Plano Municipal de

    EducaoContracapa

    Teatro viamonese premiado em NH

    Contracapa

    CH DO VIAMAMA, DIA 4 DE JULHO, 15 HORAS, CLUBE DOS CASADOS. INFORMAES: 3045.4662. SHOW DE JAIRO MELLO.

  • 26 DE JUNHO DE 2015WWW.CORREIORURAL.COM.BR2

    Quando uma pessoa vai ao supermercado ou em algu-ma loja especializada para comprar lmpadas, procura as tradi-cionais incandescentes e no as en-contra. Fica sabendo, ento, que elas esto em extino. Fique sabendo: a partir do dia 1 de julho fica proibida a comercializao das lmpadas in-candescentes de 75W e 100W. A fa-bricao ou importao destas lm-padas j estava proibida desde julho do ano passado e agora deixaro de existir definitivamente.

    O Brasil optou por eliminar a fa-bricao e comercializao das lm-padas incandescentes de forma gra-dual, assim como aconteceu com os pases europeus. Na Europa a elimi-nao quase que total da incandes-cente levou trs anos e encerrou-se em 2012. Em outros pases a escolha foi banir essa lmpada de uma nica vez, como ocorreu nos Estados Uni-dos. No Brasil, no existe lei deter-minando a proibio da fabricao ou importao e comercializao das incandescentes, mas existe uma Portaria Interministerial na qual o Inmetro estabelece a eficincia lu-minosa mnima para as lmpadas incandescentes, em patamares mui-to altos, que inviabilizam sua fabri-cao.

    Trata-se de uma escolha mun-dial para reduzir o consumo de energia eltrica, a gerao de calor e emisso do CO2 que ocasionam o efeito estufa, e o excesso de descarte que contamina o meio ambiente.

    Agora ser a vez das lmpadas incandescentes de 60W, as mais usa-das pelos brasileiros, entrarem em contagem regressiva. J a partir de 30 de junho elas no podero mais ser fabricadas nacionalmente ou importadas. Todavia, os fabricantes e importadores que ainda tiverem estoques destes modelos tm auto-rizao para comercializ-los at o dia 30 de dezembro de 2015. E os lojistas, por sua vez, podero vend--los para os consumidores at 30 de junho de 2016, quando deixar de existir no Brasil.

    EDITORIAL

    Economizando energia

    EXPEDIENTE

    CORREIO RURAL uma publicao da MV Santos Editora Ltda.

    CNPJ 15308385/0001-26.

    Rua Marechal Deodoro, 274- Centro - Viamo - RS - Fone (51) 3485.1313 -

    CEP 94410-000

    [email protected] www.correiorural.com.br

    Diretor e Editor MILTON ZANI DOS SANTOS Jornalista Reg. MTb n 4506

    [email protected]

    Circulao: Semanal Tiragem: 3.000 exemplares

    Editorao: MV Santos Editora Impresso: Grupo RBS

    O Jornal no se responsabiliza por conceitos emitidos em matrias assinadas.

    Detalhes As crnicas do cotidiano e as informaes de bastidoresPOR MILTON SANTOS

    Opinies convergentes Convivendo com o inimigo

    Feijoada Beneficente APAE ViamoDia 28 de junho, s 12 horas, no salo paroquial da igreja matriz. Cardpio: feijoada, saladas, farofa e couve. Valor individual: R$ 20,00. Crianas de 8 a 12 anos, R$ 8,00.Informaes e ingressos: fones 3435.0626 e 9952.0120

    Da natureza dos bichosSe voc um dia tiver que fugir de um tigre, um leopardo, uma pantera, um felino qualquer,

    no adianta subir numa rvore. Ele sobe e vai atrs. da sua natureza. Se tiver que fugir de um leo, de um cachorro, pode subir numa rvore. Eles no iro atrs, s ficaro rosnando e urrando ao p da planta. No da natureza deles subir em rvores.

    Lembro-me de uma parbola. Estava o sapo na beira do rio. Chegou o escorpio e pediu que ele o transportasse para a outra margem. O sapo negou dizendo que ele iria pic-lo e, assim, afundaria nas guas. O escorpio disse que era ridculo pensar assim pois afundaria junto. Ento o sapo aceitou e transportou o escorpio. No meio do rio o escorpio picou o sapo. Este indagou: - Por que fez isso? E recebeu a resposta: - Porque sou escorpio e esta minha natureza.

    OMASKARA

    Temporada de caa reabertaFoi aprovada na sesso desta quinta-feira, dia 25, a abertura

    de Comisso Processante para investigar denncias, feitas ainda

    em 2013, contra o vereador Jeferson Huffel, do Solidariedade. Na

    poca, circularam vdeos na internet, com um ex-assessor do ve-

    reador acusando-o de irregularidades.

    Votaram a favor da abertura, o presidente da Casa, Ddo Ma-

    chado, Armando, Maninho, Ridi e Serginho, todos do PT; Eraldo

    e Jorge Batista (PTB); Dilamar (PSB); Xando (PRB); Eda (PDT),

    e Augusto (PSOL). Votaram contra: o prprio Jeferson, Ronaldo

    Ribeiro e Z Lima, do SDD; Barbaroti, Boror e Bennech (PMDB),

    Nadim (PP), Guguzinho (PTB) e Tiquino (PSDB). Leandro Aguirre

    no compareceu sesso.

    Augusto Giraudo preside a comisso que tambm composta

    por Bennech e Eraldo Roggia.

    DesencravaramMas por que s agora em 2015 esto a fim de investigar de-

    nncias de 2013? Porque Geraldinho Filho no conseguiu se ele-

    ger deputado, no pegou nenhuma boca no governo Sartori e pre-

    cisa colocar Milton Jader na Cmara.

    Ou voc, inocente leitor, acha que eles esto preocupados em

    apurar se o tal vdeo montado ou verdadeiro?

    Ningum v o seu rosto,mas ele est em todos os lugares

    Constrangimento puroNa sesso de tera-feira, estava sendo debatido e votado

    o Plano Municipal de Educao. Instrumento que estipula as

    metas para a educao de Viamo em todas as esferas. Vrias

    cidades no conseguiram fazer este Plano e Viamo, pela pri-

    meira vez, concretizou este documento. Um trabalho exaustivo

    organizado pela SME. Um momento histrico para o municpio.

    Alheios a tudo isso, Geraldinho e Milton Jader circulavam por

    dentro do plenrio, pressionando os vereadores a colocar em

    votao a denncia contra Jeferson.

    Infelizmente a maioria dos nossos polticos no sabe, ou no

    quer saber, diferenciar aquilo que realmente importante para a

    cidade daquilo que somente interesse prprio.

    Volto a dizer, constrangedora a situao.

    FiliaesNotcia d conta de que o vice-prefeito da vizinha Gravata,

    Francisco de Souza Pinho (ex-DEM), assinou ficha com o PSDB. Alm dele, filiaram-se tambm secretrios municipais da admi-nistrao de Marco Alba (PMDB).

    Aqui na nossa Viamo, o vice-prefeito Andr Pacheco (ex-

    -PMDB), vai filiar-se no...

    Relaes perigosasNa manh desta quinta-feira, 25, a Polcia Civil prendeu um

    cidado, aqui na Santo Onofre, suspeito de trfico de drogas. Ti-nha cocana e crack na casa dele. Ganhou notoriedade o fato de

    ele ter sido casado com a deputada Maria do Rosrio. Pelo que

    me contaram, ele tambm tem relaes polticas em Viamo...

    O romancista alemo Thomas Mann, num dos seus vrios escritos, deixou grafada esta mensagem: O homem no vive somente a sua vida individual; consciente ou inconscientemente participa tambm da vida de sua poca e de seus contemporneos.

    Na coluna que escrevi na semana passada, abordando tema sobre adulterao do leite e do queijo, e tambm relembrando nomes de re-mdios, citei que estava sendo jurssico voltando aos meus tempos de adolescncia, mas acrescentei que no havia parado no tempo e que entendo muito bem a evoluo humana. Fao parte dela.

    Mesmo assim, recebi uma srie de mensagens criticando-me por ser um tanto nostlgico. Aceito as consideraes pois elas fazem parte do mundo em que vivo hoje. E a pergunto: quem, volta e meia, no recorda fatos vividos na infncia e na adolescncia?

    Na verdade, camos todos na frase de Thomas Mann. Temos a nos-sa individualidade, mas no podemos nos livrar de viver a contempo-raneidade. Vivemos em sociedade e as vidas dos seres humanos se entrelaam e no raras vezes so convergentes.

    Deixo um abrao a todos e agradeo pela oportunidade de poder manter este dilogo.

    A sociedade brasileira vive um momento delicado. Diante de um quadro inflacionrio que pe em risco a oferta de alimentos, vendo a economia balanar perigosamente para o caos perante o mundo, tendo que ouvir notcias de fraudes, roubos, desacatos, desmandos, etc., vendo o pas mergulhar na lama politiqueira e temendo o au-mento do nmero de assaltos e mortes, o povo est desiludido e no pode ser condenado e criticado ao realizar protestos. Eles explodem naturalmente de quem est angustiado e no v uma ao segura para corrigir os desmandos.

    Um dia desses ouvi algum dizer que os homens pblicos bra-sileiros so todos uns inimigos do povo; s pensam na engorda de seus bolsos.... No podemos ser to contundentes assim pois, apesar dos (muitos) pesares, temos gente boa que tambm pro-pugna pela melhoria da vida nacional. Aos que veem inimizades nos nossos mandatrios, recomendo a frase do historiador francs Charles Alexis Henri de Tocqueville: Precisamos acostumar-nos a conviver com nossos inimigos, j que no podemos transformar to-dos eles em amigos.