correio rural 24 de julho de 2015

Click here to load reader

Post on 22-Jul-2016

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio Rural 24 de julho de 2015

TRANSCRIPT

  • FUNDADO EM 25 DE NOVEMBRO DE 1912 | ANO 103 | NMERO 5.248 | 24 DE jULhO DE 2015 | R$ 1,00

    www.correiorural.com.br

    H 102 anos o seu jornal de Viamo

    Excesso de gua. Falta de gua

    O alto volume de chuvas do comeo da semana trouxe diversos problemas para a populao de Viamo. Alm de ruas embarradas e buracos no asfalto, a chuva tambm trouxe falta de gua nas torneiras, devido a inundao das bombas da

    Corsan, em Alvorada, Gravata e no Fiza. At o fechamento desta edio, grande parte de Viamo continuava sendo abastecida por caminhes-pipa.

    A Prefeitura emitiu nota multando a Corsan. Pgina 3

    NOVO ENDEREO Av. Sen. Salgado Filho, 9908 Pda. 57

    Fone 3054.0504 - Em frente ao Cabritos

    LAVA SECA PASSAEspecializados em: edredons - tapetes

    Jornada Pedaggica

    Contracapa

    situAO diFCil

    Palestra sobre a doao de

    rgos na Cmara Municipal

    Pgina 4

    Campanha do Agasalho

    movimenta meio rural de Viamo

    Contracapa

    O Mskara Pgina 3

    do que tenho saudade

    Pgina 3

  • 24 de JUlHO de 2015WWW.CORReIORURAl.COM.BR2

    Seguidamente, ouve-se lam-rias da populao com rela-o a atendimentos que so considerados insuficientes, ou de-ficientes, por parte de profissionais dos mais variados ramos, que atu-am em escritrios ou empresas. De forma simplria, para esses casos h uma resposta que generaliza-da com diversos adjetivos: incom-petncia, inaptido, despreparo, insuficincia, etc.

    Pois para evitar estes comen-trios, que podem levar a outros transtornos de ordem profissional e at financeiro, h que se alertar queles cidados que se preparam para entrar no competitivo merca-do de trabalho, que a capacitao conta alto na hora em que a clien-tela comea a aparecer... e a julgar.

    Lamentavelmente, achar a ver-dadeira vocao ainda no pr-tica muito comum dentre aqueles que esto iniciando carreira pro-fissional no Brasil. A constatao recente em pesquisa de consul-toria especializada em cima de 5.294 respostas a questionrio, no ms de maro de 2015. A maioria dos entrevistados respondeu que no realizaram testes vocacionais. Pior, disseram que estes testes so sem importncia para determinar a carreira.

    Para estas respostas bom sa-lientar, aos futuros profissionais, que existem projetos orientados por experts para orientao de carreira e que surgem como boas opes na busca pela verdadeira vocao profissional.

    O autoconhecimento a base principal para o cidado que bus-ca sua verdadeira vocao, tanto no aspecto profissional quanto no pessoal. Uma boa orientao o levar a encontrar o que me-lhor para si e, com isso, nortear sua caracterstica comportamental com marcante nfase profissional.

    Assim, ir trilhar exitosa cami-nhada e evitar comentrios desfa-vorveis.

    EDITORIAL

    Capacitao profissional

    EXPEDIENTE

    CORREIO RURAL uma publicao da MV Santos Editora Ltda.

    CNPJ 15308385/0001-26.

    Rua Marechal Deodoro, 274- Centro - Viamo - RS - Fone (51) 3485.1313 -

    CEP 94410-000

    [email protected] www.correiorural.com.br

    Diretor e Editor MILTON ZANI DOS SANTOS Jornalista Reg. MTb n 4506

    [email protected]

    Circulao: Semanal Tiragem: 3.000 exemplares

    Editorao: MV Santos Editora Impresso: Grupo RBS

    O Jornal no se responsabiliza por conceitos emitidos em matrias assinadas.

    detalhes As crnicas do cotidiano e as informaes de bastidoresPOR MILTON SANTOS

    Dia do MotoristaNeste sbado, 25 de julho, comemorado o Dia do Motorista. Este foi o dia escolhido por ser a data dedicada a So Cristvo, santo padroeiro dos motoristas.

    Protetor no s dos motoristas, mas tambm dos viajantes, contam as narrativas que So Cristvo tenha vivido na Sria e sofrido martrio no sculo III. Seu nome, Cristvo, significa "aquele que carrega Cristo" ou "portador de Cristo". Segundo a lenda, Cristvo era um gigante com poder de grandeza. Por ser dotado de grande fora, passou a transportar pessoas atravs de um imenso rio. Certa vez, transportando um garoto em suas costas, este lhe revela: "Tiveste s costas mais que o mundo inteiro. Transportasse o Criador de todas as coisas. Sou Jesus!".

    As comemoraes em torno do Dia do Motorista so realizadas anualmente e os rgos de trnsito reafirmam e reforam campanhas educativas que alertam motoristas e cidados sobre como um comportamento responsvel e o respeito s normas de trnsito podem fazer a diferena.

    O nosso dinheiroDesde que o Plano Real foi lanado em 1 de julho de 1994, at 1 de julho de 2015, a moeda brasileira desvalorizou 80,1%. 21 anos se passaram e a nota de R$ 100,00, na prtica, vale hoje R$ 19,90. Segundo o matemtico financeiro Jos Dutra Vieira Sobrinho, o dinheiro Real (notas e moedas) perdeu poder de compra. Lgico, o lanamento do Real atingiu seus objetivos e o Brasil tem uma moeda forte mas que, medida perante os ndices inflacionrios, perde valor de compra. Nestes 21 anos, o percentual acumulado de inflao chegou a 402,4%.

    Como curiosidade, mostro o valor de cada nota de Real. R$ 50,00 vale R$ 9,95; R$ 10,00 vale R$ 1,99; R$ 5,00 vale R$ 0,99; a moeda de R$ 1,00 vale R$ 0,20; R$ 0,50 vale R$ 0,10; R$ 0,25 vale R$ 0,05; R$ 0,10 vale R$ 0,01. As moedas de R$ 0,05 e 0,01 no valem mais nada.

    Deve ser por isso que os caixas de supermercados no devolvem trocos de centavinhos, n?

    O leite derramado

    OMASKARA

    A vez de AlexSemana passada escrevi sobre a entrevista do Bonatto na

    Rdio Alternativa. Pois, nesta tera, o convidado do Milton e do

    Gerson, foi o ex-prefeito Alex Boscaini. Falou muito na primeira

    pessoa, deixando claro que pretende ser candidato, a vereador

    ou prefeito. Revelou uma reaproximao com o PT, e no fe-

    chou a porta com o PDT. Ou seja, ou um mestre da poltica ou

    est perdido. L por setembro a gente descobre.

    Elegvel ou inelegvel?Perguntado sobre o processo no qual foi condenado em se-

    gunda instncia, disse que est elegvel. Ser que est mes-

    mo? Ou est apostando numa sada pela reforma poltica? Ser

    que vo mexer na Lei da Ficha Limpa?

    Operao CartolaFoi divulgada esta semana uma notcia na qual um Procura-

    dor do MPF disse que a Operao Cartola foi utilizada pelo en-

    to Ministro da Justia, Tarso Genro, para perseguir adversrios

    polticos. O magistrado inclui um pedido de desculpas aos rus.

    Para relembrar, a Operao Cartola foi iniciada em julho de

    2011 a partir de suspeitas de irregularidades em contratos da

    empresa PPG Comunicao com as prefeituras de Alvorada,

    Cachoeirinha, Canela, Osrio, Parob, So Sebastio do Ca,

    Ningum v o seu rosto,mas ele est em todos os lugares

    Tramanda e Viamo. O suposto esquema consistiria em be-

    neficiar a PPG em contratos em troca de apoio financeiro para polticos. Parte do processo est na Justia Federal, mas h

    aes na Justia Estadual.

    Aqui em Viamo, o processo no foi levado adiante, mas

    Alex, na sua pgina do Facebook, revelou a inteno de abrir

    processo por danos morais e psicolgicos.

    Deixa eu ver se entendi. O ministro Tarso do PT, teria per-

    seguido o prefeito Alex, tambm do PT? Fogo amigo?

    HistorinhaIsso me lembra uma histria de um conhecido poltico via-

    monense que ficou esperando a polcia bater na porta dele, numa dessas operaes, mas ela no veio. Foi salvo por for-

    as ocultas. J tinha at se despedido da famia.

    gua demais e de menosPor falta de chuva, So Paulo viveu (e ainda vive) raciona-

    mento de gua, pois os mananciais e as barragens ficaram com nveis baixos.

    No RS, por chover demais, tudo ficou alagado, os nveis subiram, inundao. Mas faltou gua nas torneiras.

    Quando a gua faltou na baixada da Pacincia, senti que o

    problema enfrentado pela Corsan era muito srio.

    ComemoraoVocs sabiam? Neste ms de julho, o dia 10 foi consagra-

    do pizza. , o Dia Internacional da Pizza.

    Alm das comemoraes na Itlia, aqui no Brasil os parla-

    mentos de todos os nveis fizeram referncia. Afinal, eles so peritos nesta culinria.

    pblico e notrio (como diria um conhecido poltico viamonense) a precariedade das reas da Sade, da Segurana e da Educao em atender a contento as exigncias da populao. Estes trs setores, que devem ser os principais a receberem ateno completa dos governantes, esto deixando a desejar e nos atiram na cara, a todo instante, situaes preocupantes. As notcias do conta de fechamento de setores em hospitais, de filas de doentes esperando atendimento, de falta de medicamentos e outras. Assaltos, latrocnios, arrombamentos, trfico de drogas, superlotao de penitencirias e consequente falta de alojamento para a bandidagem que vive solta por a, so as manchetes sobre a (falta de) Segurana. Na Educao so desleixos de ordem fsica nas escolas, de desateno profissional e salarial para com os professores, a falta de melhor ateno ao alunado e s questes pedaggicas que merece reaparelhamento.

    Lgico, essas so situaes que vm se acumulando e crescendo ao longo dos anos, sem que surja algum que, de forma competente, consiga contornar os problemas, fazendo-os cessar e dando outras formas de encaminhamento a solues que venham tranquilizar a populao. Fazendo uma comparao bem simplria, pode-se dizer que, neste momento, o leite est derramado. Todos sabem como : a leiteira colocada no fogo e preciso ficar de olho. Depois do leite derramado resta apenas fazer a limpeza e esta tarefa que queima os dedos e nem sempre fica bem limpo. Os problemas na Sade, Segurana e Educao ferveram e ningum cuidou. Pior que a limpeza requer aes fortes e urgentes mas, parece, que no h algum competente para tal.

  • 24 de JUlHO de 2015WWW.CORReIORURAl.COM.BR 3

    PANOpra manga

    POr PANO TerrA

    Se algum dia eu construir uma casa, vocs podem ter certeza: as portas tero tramelas.

    D