correio rural 13 de fevereiro de 2015

Download Correio Rural 13 de fevereiro de 2015

Post on 07-Apr-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio Rural 13 de fevereiro de 2015

TRANSCRIPT

  • FUNDADO EM 25 DE NOVEMBRO DE 1912 | ANO 103 | NMERO 5.226 | 13 DE FEVEREiRO DE 2015 | R$ 1,00

    www.correiorural.com.br

    H 102 anos o seu jornal de Viamo

    ATENO: No haver edio do

    Correio Rural no dia 20 de

    fevereiro. Voltamos a

    circular no dia 27 de fevereiro.Os resultados do workshop

    Charrette em ViamoPgina 5

    Fone 3493-1252 - grassiseguros@terra.com.br

    Grassi Seguros

    A CIDADE DO FUTURO Festa de Nossa Senhora dos Navegantes rene comunidade em ItapuPgina 4

    O carnaval em construoO prefeito Valdir Bonatto

    reuniu-se na tarde de quinta--feira, dia 12, com a diretoria da Associao das Entidades Carnavalescas de Viamo (Assencarv), para anunciar avanos no projeto de cons-truo da sede da entidade, acordado em reunio no ms de janeiro. Na ocasio, entidades e municpio deli-nearam os passos do projeto que vai dar ao carnaval via-monense uma casa prpria.

    Bonatto revelou que j esteve reuni-do com o Governo do Estado para plei-tear a cesso da rea pretendida pela Assencarv. Tam-bm confirmou a disponibilidade do municpio na preparao do projeto e terraplanagem do local. O engenheiro Nilton Magalhes, presen-te na reunio, receber da

    Assencarv um esboo da planta imaginada pelos carnavalescos. A equipe de arquitetos da PMV far a adpatao e confeco do projeto final.

    Os valores pre-vistos para o carna-val de 2015 sero investidos na nova sede, mas os viamo-nenses no ficaro de fora da folia.

    Tambm foi apre-sentado pelo presi-

    dente da Assencarv, Magno Castro, a proposta de algu-mas datas para uma festa popular, que ser anunciada nos prximos dias.

  • 13 DE FEVEREiRo DE 2015WWW.CoRREioRURAL.CoM.BR2

    Como tradicionalmente ocorre, a corrida para as eleies muni-cipais comea quase dois anos antes da efetivao das mesmas. E isso muito ruim para a caminhada do munic-pio rumo ao desenvolvimento.

    Por qu?Os partidos comeam a intensificar

    buscas por nomes para comporem suas chapas e, nesta tarefa, avanam nas outras agremiaes formando disputas que as le-vam a pensar em apenas defenderem-se e digladiarem-se. Com isso, esquecem-se do seu principal objetivo, qual seja, agluti-nar polticos de capacidade que venham a ajudar no crescimento do municpio.

    Aliado a isso, o atual sistema poltico brasileiro proporciona uma quantidade enorme de partidos, a maioria considera-dos nanicos e que s servem para rechear chapas, pois seus membros buscam cargos em caso de vitria da coligao. E esses partidos, neste momento em que come-am as especulaes, so verdadeiros for-migueiros.

    As administraes municipais sofrem com essa antecipada corrida, pois os par-tidos comeam a debaterem-se e os seus pares, muitos com cargos e at membros do Legislativo, passam a cuidar de seus interesses e danem-se os projetos e planos de ao para a vida do municpio.

    necessrio que os partidos e os pol-ticos que os compem estejam alinhados com os verdadeiros propsitos de cresci-mento do municpio. As lutas polticas e ideolgicas que fiquem guardadas para se-rem desenvolvidas nos momentos certos e nos locais adequados para tal. Se h diver-gncias, que busquem reunirem-se de for-ma civilizada pois o municpio no pode ficar a merc dos politiqueiros de ocasio.

    EDiTORiAL

    Comeou a eleio

    EXPEDIENTE

    CORREIO RURAL uma publicao da MV Santos Editora Ltda.

    CNPJ 15308385/0001-26.

    Rua Marechal Deodoro, 274- Centro - Viamo - RS - Fone (51) 3485.1313 -

    CEP 94410-000

    jornal@correiorural.com.br www.correiorural.com.br

    Diretor e Editor MILTON ZANI DOS SANTOS Jornalista Reg. MTb n 4506

    milton.santos@correiorural.com.br

    Circulao: Semanal Tiragem: 3.000 exemplares

    Editorao: MV Santos Editora Impresso: Grupo RBS

    O Jornal no se responsabiliza por conceitos emitidos em matrias assinadas.

    DetalhesAs crnicas do cotidiano e as informaes de bastidores

    POR MiLTON SANTOS

    O petrleo nosso! Com certeza?O ufanista, conhecido e batido brado O petrleo

    nosso! foi pronunciado euforicamente por Getlio

    Vargas por ocasio da descoberta de reservas de

    petrleo na Bahia. A frase, mais adiante, tornou-se

    lema da Campanha do Petrleo que foi chancelada pelo

    Centro de Estudos e Defesa do Petrleo e promovida

    por nacionalistas. Ela levou criao da empresa

    petrolfera nacional, a Petrobras. Aps tornar-se famosa,

    historiadores descobriram que a frase foi criada por

    Otaclio Rainho, um professor e marqueteiro amador.

    Da primeira concesso para explorao de petrleo

    no Brasil at a criao da Petrobras, decorreram 89

    anos. Tempo suficiente para o pas assistir polmica

    entre o escritor Monteiro Lobato e o governo de Getlio

    Vargas. O Brasil dividiu-se entre os nacionalistas e os

    entreguistas, como ficaram conhecidos os defensores do

    capital estrangeiro. Em 1936, o escritor lanou o livro O

    Escndalo do Petrleo diante dos obstculos impostos

    pelo governo Vargas explorao do produto. O livro foi

    censurado e Monteiro Lobato lanou outro em 1937

    sob o ttulo O Poo do Visconde. Na obra, supostamente

    infantil, diz que ningum acreditava na existncia

    do petrleo nesta enorme rea de 8,5 milhes de

    quilmetros quadrados, toda ela circundada pelos poos

    de petrleo das repblicas vizinhas. Ele acabou sendo

    preso em 1941.

    Antes, em 1938, o governo abre um poo na

    Bahia e comea a explorao. criado o Conselho

    Nacional do Petrleo e as jazidas minerais passam a

    ser consideradas propriedade estatal. Em 1941, foi

    descoberto o primeiro poo de explorao comercial,

    em Candeias, no Recncavo Baiano. De 1939 a 1953,

    foram perfurados 52 poos no pas, descobrindo-se

    vrios campos para a explorao. Contudo, no incio

    da dcada de 1950, o Brasil ainda importava 93% dos

    derivados que consumia.

    Aps a promulgao da Constituio de 1946, foi

    travado um grande debate em relao poltica do

    petrleo entre os que admitiam a entrada de empresas

    estrangeiras e os nacionalistas. A Constituio de

    1946 permitia a participao do capital estrangeiro

    nas atividades de explorao mineral, inclusive do

    petrleo. O ento Presidente, Eurico Gaspar Dutra,

    props alterao na Constituio sobre a participao do

    capital estrangeiro, promoveu a construo do Oleoduto

    Santos-So Paulo e a compra de 22 navios petroleiros.

    Mas os nacionalistas estavam descontentes com o

    projeto. Em 1947 realizou-se uma srie de conferncias

    que deflagraram um movimento contrrio abertura do

    mercado petrolfero ao capital estrangeiro e em favor

    do monoplio estatal. Surgiu a campanha O petrleo

    nosso!. Em 1948 teve incio uma reao das foras

    nacionalistas patrocinada pelo Centro de Estudos e

    Defesa do Petrleo, entidade civil que reunia militares,

    civis, intelectuais, estudantes e profissionais liberais

    e pedia o controle nacional sobre o petrleo. Getlio

    Vargas apresentou o projeto da criao da Petrobrs

    em 1951. Em 3 de outubro de 1953 foi aprovada a

    lei que criou a Petrleo Brasileiro S.A. (Petrobras), que

    instituiu o monoplio estatal da explorao, do refino e

    do transporte.

    Agora, em poca recente, aps a descoberta

    do pr-sal, alguns movimentos sociais, sindicatos,

    polticos de diferentes partidos, grupos de esquerda

    ou nacionalistas, alm de associaes civis, grupos de

    intelectuais e acadmicos, passaram a defender uma

    reviso da atual Lei do Petrleo, em

    prol de um novo Marco Regulatrio

    para a explorao de petrleo e

    gs natural no Brasil. Os lemas

    O pr-sal tem que ser nosso ou

    O petrleo tem que ser nosso

    tornaram-se a principal bandeira

    deste movimento que aproxima

    diferentes grupos com ideologias

    e afinidades polticas muitas vezes

    divergentes em outras temticas.

    nessa salada de frutas de

    interesses histricos que a Operao

    Lava Jato est botando a mo.

    Quanto a Monteiro Lobato, prometo

    que escreverei, breve, sobre a sua

    participao na explorao do

    petrleo.

  • 13 DE FEVEREiRo DE 2015WWW.CoRREioRURAL.CoM.BR 3

    OMASKARA

    TerremotoComo mostra a notcia ao lado, o TCE comeou uma investigao em

    cima das obras da EGR. Um terremoto que tem como epicentro os buracos

    da recente reforma da ERS 040 em Viamo. Vo tremer as bases de diversas

    outras rodovias estaduais e tambm os bolsos de quem se beneficiou de superfaturamentos e outras cositas ms.

    Ser que os membros Conselheiros da EGR e diretores de secretarias do

    governo passado no tm nada para dizer? Na hora da inaugurao todos

    estavam ao lado de Tarso Genro, felizes e faceiros.

    Grata surpresaMaria Rita Cardozo est no comando interino da Secretaria de Cultura e

    vem recebendo elogios pelos ltimos eventos coordenados ou apoiados pela

    secretaria, o Garota Vero e a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes. Fiquei

    sabendo que os funcionrios da Cultura tambm esto muito contentes.

    As mulheres de BonattoAlis, a presena feminina no secretariado de Bonatto dobrou desde o

    comeo da gesto. Mesmo que duas sejam interinas (Maria Rita na Cultura e

    Sandra Berto no Meio Ambiente), com a ascenso de Liziane Baum em 2014

    na Fazenda, agora j so seis mulheres, num total de 14 secretarias. Sandra

    Sperotto, Belamar Pinheiro e Clarice Oliveira ainda so remanescentes do

    grupo original que assumiu em 2013.

    PobrezinhoSegundo notcias e picuinhas desta semana, o confisco dos bens de Eike

    Batista deixaram o coitadinho pobre que d pena. Dizem as informaes fofo-

    queiras que ele no tem dinheiro nem pra comprar p