correio rural 08 de abril de 2016

Click here to load reader

Post on 27-Jul-2016

219 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio Rural 08 de abril de 2016

TRANSCRIPT

  • Municpio disputou com mais de 140 cidades do RS. Prefeito Valdir Bonatto recebeu a premiao

    na noite de quarta-feira, em Porto Alegre. Contracapa

    FUNDADO EM 25 DE NOVEMBRO DE 1912 | ANO 104 | NMERO 5.280 | 8 DE ABRil DE 2016 | R$ 1,00

    www.correiorural.com.br

    H 103 anos o seu jornal de Viamo

    Cmara realiza nova eleio

    Pgina 3

    Primeiro corredor ecolgico

    Contracapa

    Exrcito novamente no

    combate ao Aedes Pgina 4

    A polmica da Festa das Cores

    Pgina 2 - Editorial e Detalhes

    Alex est liberado, mas no absolvido

    STJ diz que Tribunal de Justia do RS deve realizar novo julgamento das contas de 2008. Contas de

    2009 tambm esto reprovadas pelo TCE - Pgina 2

    Envelheo na cidade Pgina 3

    Viamo conquista o Prmio Prefeito Empreendedor

    do SEBRAE/RS

    foto

    Gio

    van

    i vieir

    a

    Consultrio MdicoRua Coracy Prates da Veiga, 77 Viamo Centro

    Fone 3485.1383

    Dr. Belmar andrade Cremers 4444 Cardiologia

    Dra. irene Menezes Cremers 4390 Dermatologia

    Dra. Michele da Silva Crn 8083 Nutrio e Auriculoterapia

    Dr. eduardo Dias Lopes Cremers 9372 Clnica e Cirurgia Geral

    Dra. Mrcia Michele de Souza CrP 07/13.731 Psicologia

    Domingueira no LagoO grupo Movimento Domingueira no

    Lago realiza a terceira edio do evento no prximo domingo, dia 10, junto ao Lago Tarum. O evento pretende reunir cerca de 2.000 pessoas no local. A ltima edio, realizada em 29 de novembro de 2015, levou mais de 1.500 pessoas para o entorno do lago, num clima de harmonia.

    Haver food truck, msica ao vivo, prtica de stand up, exposio de fo-tos, entre outras atraes. A Prefeitura apoiadora do evento, que comea s 15hs.

  • 8 DE ABRIL DE 2016WWW.CORREIORURAL.COM.BR2

    A populao viamonense est acostumada a partici-par de eventos realizados em praa pblica. Nem precisara-mos relacionar, mas s para ilustrar podemos citar os desfiles cvicos, os desfiles carnavalescos, as feiras literrias, apresentaes artsticas, enfim, uma srie de outras ativi-dades. J vem de anos. E tudo isso desenrola-se com tranquilidade, se-gurana e civilidade, sempre sob a vigilncia de quem de direito e com a conscincia de contornar quais-quer controvrsias com relao ao desvio de ordem pblica.

    Esto no site do Correio Ru-ral (www.correiorural.com.br) e, tambm, nesta edio, notcias de que ocorreram, na ultima semana, duas atividades pblicas de suces-so: o Cortejo Cultural, que reuniu centenas de artistas viamonenses e de outras cidades, os quais desfila-ram pelas ruas da cidade mostran-do seus talentos numa forma de incentivo arte; e o Treino So-lidrio, que aglomerou corredores no Lago Tarum, os quais desen-volveram suas atividades esporti-vas. Tudo na mais santa calma e de forma ordeira, educada, civilizada. No prximo domingo, tambm na Tarum, teremos a 2 Dominguei-ra do Lago, com certeza, de forma organizada e sem entraves.

    Mas a paz dos viamonenses foi quebrada no domingo, dia 3, quan-do, tarde, na Praa da Matriz, reuniu-se uma multido de arru-aceiros que transformaram o local em ponto de consumo de drogas e de lcool, prostituio e de vio-lncia moral e fsica. No local, a maioria dos participantes eram de menor idade que, ao final da tar-de, saram pelas ruas mostrando embriaguez e o menor sentido de educao e pudor. Foram corridos pela BM que agiu com severidade, caso contrrio no sabemos o que ocorreria.

    Fiquemos de olho, ento, pois o perigo nos ronda.

    EDiTORiAl

    Perigo!...

    EXPEDIENTE

    CORREIO RURAL uma publicao da MV Santos Editora Ltda.

    CNPJ 15308385/0001-26.

    Rua Marechal Deodoro, 274- Centro - Viamo - RS - Fone (51) 3485.1313 -

    CEP 94410-000

    jornal@correiorural.com.br www.correiorural.com.br

    Diretor e Editor MILTON ZANI DOS SANTOS Jornalista Reg. MTb n 4506

    milton.santos@correiorural.com.br

    Circulao: Semanal Tiragem: 3.000 exemplares

    Editorao: MV Santos Editora Impresso: Grupo CG

    O Jornal no se responsabiliza por conceitos emitidos em matrias assinadas.

    Detalhes As crnicas do cotidiano e as informaes de bastidoresPOR MilTON SANTOS

    OMASKARA

    U? Tinha veracidade?Primeiro disseram que no era verdade. Depois, disseram que

    no ia dar em nada. Mais adiante, disseram que era sensaciona-lismo. E no fim das contas, para esperana dos homens de bem, a lei e a justia prevaleceram.

    No se discute vencedores ou vencidos, mas sim que as re-gras sejam respeitadas. Alguns vereadores no entenderam isso e ficaram irritados com o jornal, que simplesmente noticia os fatos.

    No foi o jornal quem descumpriu a lei. No foi o jornal quem atropelou o Regimento Interno. No foi o jornal quem entrou com o recurso e tambm no foi o jornal quem julgou.

    Quem fez errado e teve que repetir a eleio foram estes vere-adores, que deveriam dar exemplo populao no cumprimento das leis, que os mesmos criam e aprovam.

    Os lees da tribunaEra sabido que a eleio teria o mesmo resultado. Nem si-

    tuao, nem oposio querem se desgastar nesta reta final de alianas eleitorais. Mas, nestes momentos, a coisa toma ares de comdia pastelo.

    Em vez de fazer um mea culpa, assumindo que erraram, eles sobem o tom de voz, gritam, xingam, e jogam pra torcida, dizen-do que o governo isso ou aquilo, e que eles que mandam no pedao. Mas dentro dos gabinetes...

    Eu teria vergonha de ter feito uma eleio, uma coisa sria, e a justia mandar eu fazer de novo, por que fui incompetente. Eles preferem se autoelogiar. E o povo que aguente isso tudo.

    Ningum v o seu rosto,mas ele est em todos os lugares

    Alex est liberado, mas no absolvidoO ex-prefeito Alex Boscaini obteve uma importante vitria

    no Superior Tribunal de Justia, em Braslia nesta semana. A ministra Maria Thereza de Assis Moura considerou que o Tribu-nal de Justia do RS deixou de analisar um dos recursos impe-trados por Alex. Diz a deciso: (...) dou provimento ao recurso especial para anular o acrdo proferido pelo Tribunal de Justi-a do Estado do Rio Grande do Sul, a fim de que seja refeito o julgamento (...).

    Alex foi condenado por diversas irregularidades na pres-tao de contas da gesto de 2008. A deciso do STJ no o absolve destas falhas, mas apenas indica que haver um novo julgamento. Portanto, Boscaini est liberado para concorrer no pleito de 2016.

    A deciso enorme, cheia de termos do juridiqus, mas l pelas tantas, uma frase deixa claro: o que ocorre no presente caso, dessa forma foi correta a condenao do ru.

    Para quem quiser conferir, est em: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/320554062/andamento-do-processo-n-2016-0009003-8-agravo-recurso-especial-05-04-2016-do-stj

    Contas de 2009 tambm foram reprovadasO site do Tribunal de Contas do RS j traz a informao, na

    seo Contas Julgadas Irregulares e Pareceres Prvios Desfa-vorveis: foi emitido parecer desfavorvel s contas da gesto de 2009 do prefeito Alex Boscaini. No dia 20 de maro de 2014, o TCE apontou falhas prejudiciais ao Errio e despesas glosa-das com garantia de cobrana por emisso de Ttulo Executivo, as quais, na sua globalidade, comprometem as contas em seu conjunto. Em 20 de maio de 2015, foi negado provimento a um recurso de Alex. No dia 29 de julho de 2015 a data do trnsito em julgado, ou seja, da deciso definitiva.

    E ainda tem 2010, 2011 e 2012 para analisar...

    Um domingo diferenteTenho dois parentes bem prximos os quais, h poucas

    semanas, estiveram na cidade de So Paulo, a servio, em dias teis. Conversando com eles a respeito da locomoo naquela grande metrpole brasileira, disseram que no houve maiores problemas, embora os prprios paulistas reclamem muito. No tem segurana, teceram elogios e contaram que na capital paulista em cada esquina tem de dois a trs policiais militares, devidamente equipados. Ou seja, a populao est amparada. Isso no quer dizer que estejam os paulistanos livres de assaltos, agresses, atropelamentos, etc., mas so ocorrncias resolvidas de imediato pela presena policial, quando no evitadas. Alis, sobre este assunto, o Pano Terra (Pano pra manga) na edio passada elogiou o policiamento em So Paulo, cidade onde ele residiu. (Pano, alis, que est de aniversrio hoje. Parabns!)

    Bem diferente do que ocorre em Porto Alegre, na regio metropolitana e na maioria das cidades rio-grandenses onde, pela falta de recursos e outros meios, o governo deixa de entregar populao uma segurana eficaz estando o cidado com medo at mesmo de andar no ptio de sua casa. No se v brigadianos numa abundncia que venha a manter um clima de tranquilidade. Alis, h uma ausncia assustadora.

    Como se no bastasse, nesta semana uma notcia chamou a ateno. Na cidade de Pelotas comandantes de policiamentos civil e militar foram presos por estimular a fazerem parte de milcias que praticavam segurana privada, remunerada sob ameaas. H, tambm, a questo da falta de casas prisionais, estando as delegacias com suas precrias celas lotadas de

    infratores presos que, em diversos casos, promovem tumultos.Aqui na nossa querida Viamo no diferente. Para

    incrementar a situao de medo, no domingo passado a Praa da Matriz se transformou numa rea completamente sem lei. Em nome de uma dita Festa das Cores, centenas de jovens e crianas, ao som de ritmos musicais alucinantes, drogavam-se, ingeriam bebidas alcolicas, praticavam atos sexuais e ameaavam os transeuntes que se atreviam por ali passar, sem falar no prejuzo e temor causados s casas comerciais em atividade na redondeza. Neste caso, devemos elogiar a ao da BM que foi ao local j tardinha - e terminou com a turba embora, segundo relatos, tivessem os policiais que usar a fora.

    Ao ir embora, aquele pessoal se espalhou pelas ruas da cidade. Eu vi, na rua Cirurgio Vaz Ferreira, jovens dopados, bbados, moas desnudas; na avenida Bento Gonalves andavam pelo meio da via,