correio da umbanda ed.16

Download Correio Da Umbanda Ed.16

Post on 17-Nov-2015

51 views

Category:

Documents

29 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Duvidas e respostas de algumas questões importantes na UMBANDA

TRANSCRIPT

  • Correio da Umbanda Edio 16 Abril de 2007

    Artigo Autor / Remetente / Instituio .................................................................... Pg No Basta Existir - Masa Intelisano / mensagem da lista do Caboclo Pery ............ 2 Umbanda e universalismo - Leni.W.Saviscki/ mensagem da lista da Choupana...... 4 Provao e Aprendizado / Momento Esprita / por Alexandre / Caboclo Arruda....... 5 Pessoas Espiritualistas / Momento Esprita / por Alexandre / Caboclo Arruda ......... 7 Carma ou Mrito / de Vov Benta / enviado por Flecheiro / mens. da Choupana ... 8 O perdo vingana dos fortes / enviado por Leni / mensagem da Choupana........ 10 As Ervas Na Umbanda / Autoria desconhecida / do Jornal Umbanda Branca.......... 11 Do outro lado da cortina / enviado por Leni / mensagem da lista da Choupana....... 12 Um dia num Terreiro do Umbanda / enviado por Leni / mensagem da Choupana ... 14 No podemos parar / por Sandro Pichelli / Ncleo Umbandista Cristo do Japo ... 17 O Livro dos Espritos / Momento Esprita / enviado por Maria Luiza......................... 18 Conversando sobre Ex / retirado da internet / enviado por Sandra ....................... 19 Recomear / por Leni Saviscki / Templo de Umbanda Vozes de Aruanda .............. 23 Reinaugurao / por Ivan Cabrera / Sociedade Espiritualista Caminheiros da Luz.. 24 Pontos Riscados / por Celso Tirloni / Templo de Umbanda Tia Conceio.............. 25 Cincia x F / por Jane Sampaio ........................................................................... 26 TV Sarava Umbanda / por Sandro C. Mattos / APEU .............................................. 27 Mediunidade Forada / por Sandro C. Mattos / APEU ............................................. 28 Perguntas e Resposta do Livro Misso da Umbanda / por Leni / mens. Lista ...... 29 Ectoplasma e Sua Utilizao nos Terreiros / por Me Iassan / CECP ..................... 30 Muitos Vm, Alguns Ficam, Outros Vo... / por Marco Boeing / ASSEMA .............. 32 Maledicncia do Livro a Essncia da Amizade / por Luiz Gomes / TECT............ 33 Servio de Preto / por Paulo C. L. Vicente / TESE .................................................. 35 Grupos, Templos e Instituies................................................................................. 36 Expediente................................................................................................................ 39

  • Correio da Umbanda E di o 1 6 A bril de 2 0 0 7

    2

    No Basta Existir

    Por Masa Intelisano

    "No basta existir, preciso viver". E viver muito mais que existir. Viver implica aprender e, para ser aprendiz, preciso humildade para reconhecer a prpria ignorncia. Viver implica educar-se para o amor e, amando e amado, experimentar a angstia de saber-se iluminado sem sentir-se luz, vivenciando as dores e as venturas de sentir-se completo sem poder ser pleno. Viver implica movimento. E no h movimento sem esforo e atrito. A vida dinmica, jamais se estanca. Vibra serena e sem pressa, embora nunca pare para esperar quem ignore seu ritmo. Para existir, basta estar. Para viver, preciso ser por inteiro. E para viver, ainda que existindo, preciso ser e estar, num ser nico. Viver implica acreditar-se imortal e eterno, mesmo sabendo que nada permanente. Viver implica progredir, ir adiante, avanar. Viver existir de todas as formas e em todas as dimenses, amando cada uma delas. Para viver, no basta ver, ouvir, pensar e falar, pois estas so manifestaes da existncia. Para viver preciso sentir, mergulhar em si mesmo e sair, novamente, para observar-se sem paixo. Viver implica iluminar-se e, sob a luz da prpria conscincia, apontar os prprios defeitos e limites. Viver implica assumir a responsabilidade pelos prprios atos, transformando-os todos em gestos de amor e compaixo. Viver implica conhecer-se, profundamente e, ciente de si, deixar de enganar-se, trabalhando para mudar aquilo que no est bem. Viver implica reconhecer, no universo, o prprio lar; na s humanidades csmicas, a prpria famlia; na criao infinita, o prprio bero; e na natureza a prpria sade e o nico sustento. No h vida sem troca, no h troca sem perdas, no h perdas sem ganhos, no h ganhos sem lutas, no h lutas sem dor, no h dor sem razo; e no h razo fora da vida. Viver muito mais que existir, mas ningum aprende a viver plenamente sem existir, muitas vezes, de muitas maneiras. Viver transcender o que se pensa saber da vida, para assimilar-lhe a verdadeira sabedoria. Viver implica arriscar-se. E o maior risco errar. Mas viver tambm implica estar certo. E a maior certeza a de que, a cada erro, mais se pode aprender. Para existir basta ter sangue nas veias e ar nos pulmes. Para viver, no entanto, preciso sangrar e sufocar-se de tanto amor. Na existncia, h apenas meias verdades e grandes mentiras, enquanto a vida nos conduz ao corao da nica verdade absoluta.

  • Correio da Umbanda E di o 1 6 A bril de 2 0 0 7

    3

    Viver manifestar-se sem tempo ou espao; ser fogo ardendo sempre, sem se consumir; verbo que no se conjuga, apenas se pratica; palavra que no se define, apenas se verbaliza; conceito que no se explica, apenas se vive. Viver estar no todo, sendo tudo, sem nunca esgotar-se. Quem vive, canta por dentro, a despeito do silncio exterior. Quem vive, existe em todos os lugares, sem pertencer a nenhum. Quem vive, busca, em si mesmo, o que deseja para o seu caminho e, quando encontra, volta a buscar. Quem vive no v morte, apenas transformao; no morre, transmuta-se para a vida; no nasce, apenas passa pela morte para viver. Viver ir mais, mudar sempre, virar-se e revirar-se, buscar o prprio avesso, sem saber onde fica o direito. Viver enxergar a luz, mesmo nas sombras e criar luz nas prprias trevas. Viver expandir a prpria existncia para alm dos limites imaginados. Viver doar-se, sem pedir; ceder, sem resistir; entregar-se, sem recear. Quem vive renasce um novo ser todos os dias. Quem vive tem a prpria existncia traada a lpis e recria o prprio destino, minuto a minuto, com a borracha da sabedoria e do perdo. Quem vive no sabe o roteiro ou quando chegar, mas sabe para onde est indo. Quem vive continua na morte e recria-se ao nascer, sabendo que preciso morrer muitas vezes para nascer de verdade e preciso existir para morrer tanto. Viver ter na prpria conscincia uma nica histria, representada por milhares de faces, nomes, episdios de milhares de existncias. Para viver no basta existir, pois existir pouco para um ser que nasceu para ser Deus

    So Paulo, 02 de fevereiro de 2005.

    Este texto foi recebido espiritualmente de um amparador extrafsico,

    durante uma reunio do Grupos de Estudos e Assistncia Espiritual do IPPB.

    Mensagem divulgada na lista da Choupana do Caboclo Pery Porto Alegre RS www.choupanadocaboclopery.blogspot.com

    Enviado por Leni Winck Saviscki e-mail: eumesma@st.com.br Templo de Umbanda Vozes de Aruanda

    Erechim RS

  • Correio da Umbanda E di o 1 6 A bril de 2 0 0 7

    4

    Umbanda e universalismo

    Devemos acabar com os preconceitos religiosos, fazendo do lema "Fora da caridade no h salvao" nossa nica bandeira.

    Os espritos trabalhadores na linha de Umbanda, designados de pretos velhos, nos

    repassam constantemente uma lgica que, infelizmente, ns encarnados ainda estamos demorando em aplicar. Dizem eles, com sua maneira peculiar e simples de expresso, que no "mundo dos mortos" no existe raa, cor ou credo que diferencie as almas ou crie fronteiras, o que existe o homem de bem e o homem que desaprendeu de ser bom.

    Baseado nisso, nos falam das lgrimas que insistem em cair de seus olhos, pela arrogncia dos homens que acabam se distanciando de Deus pela pretenso de se adonar dEle, impondo cada um, a "sua" verdade. As religies ou os credos em geral ainda existem por necessidade de nossos espritos, que encontram dentro de cada uma delas a melhor adaptao de "religar-se" ao Criador. O que fica desvalorizado aos olhos da Espiritualidade Superior o combate que se trava entre certos homens por questes religiosas, como se vivessem em eterna disputa, chegando ao absurdo das ditas "guerras santas". Como nos traduz o esprito Ramats, "o rtulo religioso no passa de uma experincia transitria em determinada poca do curso ascensional do esprito eterno."

    Tambm nos dizem os bons espritos que o homem erra mais por ignorncia do que por

    maldade. Talvez por isso, ao cessar os tempos inquisitrios, jorram do mais alto, atravs de vrios canais medinicos e por todos os cantos do planeta, muita informao vinda do Alto nos forando evoluo. E se hoje, por fora do ambiente energtico denso da Terra, no mais possvel a descida de avatares entre ns, a bondade divina nos presenteia com Allan Kardec, com Zlio Fernandino de Moraes, com Francisco Cndido Xavier, alm de outros espritos iluminados, para retirar dos nossos olhos, o "vu de Isis". Mostrando de novo humanidade terrena aquilo que havia sido roubado pelo interesse dos "religiosos" manipuladores. Provam a imortalidade da alma, a existncia do mundo espiritual e a lei da reencarnao. Abrem novos horizontes atravs do concurso da mediunidade, que alm de instruir, promove o socorro dos que, ainda no alm-tmulo, ignoram sua condio de espritos imortais ou se aproveitam disso para dar continuidade s prticas antifraternas de quando encarnados. O Espiritismo chegou para esclarecer e caridosamente auxiliar. A Umbanda e sua magia branca vem neutralizar as foras trevosas que insistem em conquistar a humanidade atravs da manipulao negativa dos elementos.

    Na Umbanda, embora haja todo o ritual e simbologia, tambm existem os aspectos

    filosfico, cientfico e doutrinrio, como no Espiritismo. Ambas promovem e priorizam a reforma ntima dos seres, ensinando o bem-viver para melhor morrer. Ambas foram inse