correio da umbanda - 2008-02 - ?· correio da umbanda – edição 25 – janeiro de 2008 2...

Download Correio da Umbanda - 2008-02 - ?· Correio da Umbanda – Edição 25 – Janeiro de 2008 2 UMBANDA,…

Post on 09-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Artigo Autor / Remetente / Instituio............................................................................. Pg Umbanda, essa ainda desconhecida / enviado por Noberto Peixoto / Choupana ............ 02 Yemanj / enviado por Norberto Peixoto / Choupana do Caboclo Pery ........................... 03 Ano centenrio! / por Luzia Nascimento / Luz de Aruanda .............................................. 04 Quem so os mdiuns / enviado por Flecheiro / msg da lista da Choupana .................... 05 Fases da Lua x Umbanda / Alex de Oxossi / Caboclo 7 Pembas .................................... 06 Rogativa de um pecador / por Luzia Nascimento / Luz de Aruanda ................................ 09 Zlio e os Exs / enviado por Flecheiro / msg lista Choupana Caboclo Pery .................. 10 Um monstro chamado medo / Paulo Roberto Gaefke ...................................................... 12 Desabafando com meu pai / por Joo batista Goulart Fernandes ................................... 13 Perdoar para que? / por Katia C. Horpaczky / enviado por Luzia Nascimento ................. 15 Consideraes sobre Conga / por Jos Octavio N. Passos / msg lista Choupana .......... 17 Por que estalar os dedos? / enviado por Noberto Peixoto / msg lista choupana ............. 18 JB de Carvalho / enviado por Sandro C. Mattos / APEU ................................................. 20 Em que posso lhe ajudar / por Marcia Pinho de Yemanj / enviado por Filho do Vento .. 21 A fora da Umbanda / enviado por Flecheiro / msg lista Choupana Caboclo Pery .......... 21 Por que tirar os sapatos na hora de se entrar no Terreiro? / env por Norberto Peixoto.... 22 A resposta de Jesus / enviado por Filho do Vento / msg lista Choupana ........................ 22 Parbola dos talentos / por Ftima Rodrigues / enviado por Sandra Gonalves ............. 23 Ensinamentos de Vov Benta / por Leni W. Saviscki / Vozes de Aruanda ...................... 24 Um Terreiro de Umbanda / Ramats / enviado por Flecheiro ........................................ 25 Um ritual / Ramatis / enviado por Flecheiro .................................................................. 25 Consultas / Joo Cobu / por Guaracy Stachuk ................................................................ 26 Oxossi / enviado por Sandra Gonalves / Pai Joo de Angola ........................................ 28 Finalidade dos Amacis e Banho de Ervas / enviado por Norberto Peixoto ....................... 29 Liberdade e Responsabilidade / Momento Esprita Maiky Kawanami / GECPA ............ 30 O que so as Encruzilhadas? / Caboclo Pedra Verde do Oriente por Vanessa Cabral .... 32 Revelaes / Cssio Ribeiro / enviado por Marco Boeing Assema ............................... 33 Reencarnao / enviado por Cludia C. Gobor / Sol e Esperana ................................... 36 E depois da morte / enviado Alexandre Mors / Caboclo Arruda ..................................... 37 Seguiremos pedindo / Paulo C. L. Vicente / Amigos da Umbanda .................................. 38 Grupos, Templos e Instituies......................................................................................... 39 Expediente ........................................................................................................................ 43

    Correio da Umbanda Edio 26 Fevereiro de 2008

  • Correio da Umbanda Edio 25 Janeiro de 2008

    2

    UMBANDA, ESSA AINDA DESCONHECIDA

    Quantos de ns Umbandistas j nos vimos sendo pegos pela indignao e revolta pelos que, fomentados certamente por espritos da ignorncia e intolerantes religiosos, vivem atacando nossa religio. Acusam-nos de prejudicarmos pessoas, separarmos casais, fomentarmos unies atravs de feitios, de utilizarmos sangue, matar animais, que somos anti Cristo e por a segue uma interminvel lista de maldades, que dizem, praticamos ao nosso bel prazer, sob a influncia do maligno, sendo em hiptese alguma, qualquer dos absurdos citados anteriormente faam parte de nossa Religio. Nos acusam de fazermos e praticarmos essas maldades, porm, o pior que esses mesmos algozes sequer sabem o que a Umbanda, confundem-na com o Espiritismo ou com o Candombl e at com baixas magias.

    No sabem eles que a Umbanda a nica religio que, com o passar do tempo, teve a capacidade, por influncia do mundo espiritual, de agregar as melhores coisas de vrias religies, transformando as boas experincias de diversos segmentos religiosos numa nica, porm com muitas diversidades.

    Temos como pilastra, os ensinamentos de Jesus, a beleza e a fora dos Orixs africanos, a reencarnao das religies Orientais e do Hindusmo, a luta e a experincia do Povo Indgena, temos os ensinamentos do Espiritismo, tudo isso pregado e ensinado insistentemente pelas Entidades Espirituais enviadas por Deus, para que com esses ensinamentos consigamos nossa evoluo espiritual e consigamos a prtica da Caridade.

    Poucos de outras religies talvez tenham a conscincia que muitos Umbandistas entendem mais das religies deles do que eles mesmos, estamos em processo acelerado de aprendizado religioso, no importando a vertente que ele seja oriundo. Quantidade significativa de Umbandistas tem em suas cabeceiras, livros das mais diversificadas religies, somos cientes que precisamos entender as mais diversas maneiras que os ensinamentos de Deus se manifestam.

    Dificilmente um verdadeiro Umbandista, comprometido com a religio criticar a religio alheia pois ele entende perfeitamente que, mesmo em caminhos diferentes, todos tem a oportunidade de chegar at a evoluo espiritual e a morada de Deus. Aceitamos criticas dos no umbandistas desde que esses crticos, no mnimo, saibam a quem esto criticando pois ataques levianos e sem base doutrinria devem ser ignorados e entregues nas mos de Deus. Alguns no umbandistas tentam menosprezar os Umbandistas mas no seguem os ensinamentos de sua prpria religio, cujos exemplos de alguns versculos bblicos abaixo deixam claramente demonstradas as vontades de Deus: 1) Corntios 14:33 porque Deus no de confuso, e sim de paz. Como em todas as igrejas dos santos. 2) Lucas 6:42 Ou como podes dizer a teu irmo: Irmo, deixa-me tirar o argueiro que est no teu olho, no vendo tu mesmo a trave que est no teu? Hipcrita! tira primeiro a trave do teu olho; e ento vers bem para tirar o argueiro que est no olho de teu irmo. 3) Malaquias 2:10 no temos ns todos o mesmo Pai? No nos criou o mesmo Deus? Por que seremos desleais uns para com os outros, profanando a aliana de nossos pais? 4) Mateus 7, 1: No julgueis os outros, para no serdes julgados, porque com o julgamento com que julgardes, sereis julgados, e com a medida que medirdes sereis medidos. 5) Tiago 1:26 - Se algum entre vs cuida ser religioso, e no refreia a sua lngua, antes engana o seu corao, a religio desse v.

    A Umbanda e os Umbandistas esto estudando, analisando, praticando, evoluindo e principalmente aprendendo, pois afinal, essa a preparao espiritual orientada pelo mundo espiritual, para num futuro prximo, ela seja a religio convergente e agregadora dos mais diferentes ramos religiosos e um dos verdadeiros caminhos para o encontro de Deus, no excluindo ningum que queira se aliar nessa caminhada.

    Enviado por Norberto Peixoto Tringulo da Fraternidade - Choupana do Caboclo Pery Porto Alegre - RS

    norpe@portoweb.com.br

    mailto:norpe@portoweb.com.br

  • Correio da Umbanda Edio 25 Janeiro de 2008

    3

    YEMANJ

    Comemoramos Yemanj no dia 02 de fevereiro Nossa Senhora dos Navegantes pelo sincretismo.

    * * *

    Essa fora - orix - da natureza tem papel muito importante em nossas vidas, pois ela que

    rege nossos lares, nossas casas. ela que d o sentido da famlia s pessoas que vivem debaixo de um mesmo teto. Ela a geradora do sentimento de amor ao seu ente querido, que vai dar sentido e personalidade ao grupo formado por pai, me e filhos tornando-os coesos. Rege as unies, os aniversrios, as festas de casamento... o sentido da unio por laos consangneos ou no. Rege tambm a prosperidade material.

    Pelo fato de Yemanj ser a Criao, sua filha normalmente tem um tipo muito maternal. Aquela que transmite a todos a bondade, confiana, grande conselheira. me. Sempre tem os braos abertos para acolher junto de si todos aqueles que a procuram. Gosta de tutelar pessoas. Tipo a grande me. Aquela mulher amorosa que sempre junta os filhos dos outros com os seus ou aceita os filhos do seu companheiro que no so seus.

    O maior defeito da filha de Yemanj o cime. Dado a serem ciumentas, so muito

    desconfiadas e por vezes inseguras quanto a traio e se tornam irascveis e vingativas se tradas pelo parceiro. So extremamentes ciumentas com tudo que seu, principalmente das coisas que esto sob sua guarda e com o seu amor.

    Gostam de viver num ambiente confortvel e, mesmo quando pobres, pode-se notar uma certa

    sofisticao em suas casas, se comparadas com as demais da comunidade de que fazem parte. Apresentam um ar de nobreza.

    A fora e a determinao fazem parte de suas caractersticas bsicas, assim como o sentido de

    amizade, sempre cercada de algum formalismo. Apesar do gosto pelo que bom, no so pessoas ambiciosas nem obcecadas pela prpria carreira, detendo-se mais no dia a dia, sem grandes planos para atividades a longo prazo.

    Pela importncia que d a retido e hierarquia, a filha de Yemanj no tolera mentira e a

    traio. Assim sendo, suas filhas demoram a confiar em algum, e quando finalmente passam a aceitar uma pessoa no seu verdadeiro crculo de amigos, deixam de ter restries, aceitando-a completamente e defendendo-a, seja nos erros como nos acertos, tendo grande capacidade de perdoar as pequenas falhas humanas. No esquecem uma ofensa ou traio, sendo raramente esta mgoa perdoada.

    Uma filha de Yemanj pode tornar-se rancorosa, remoendo queste

Recommended

View more >