COOPERATIVAS Prof. Jediel Mendes. SOCIEDADES COOPERATIVASLEI NR. 5.764/71 Celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se.

Download COOPERATIVAS Prof. Jediel Mendes. SOCIEDADES COOPERATIVASLEI NR. 5.764/71 Celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se.

Post on 22-Apr-2015

102 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • COOPERATIVAS Prof. Jediel Mendes
  • Slide 2
  • SOCIEDADES COOPERATIVASLEI NR. 5.764/71 Celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou servios para o exerccio de uma atividade econmica, de proveito comum, sem objetivo de lucro. As cooperativas so sociedades de pessoas, com forma e natureza jurdica prprias, de natureza civil, no sujeitas a falncia, constitudas para prestar servios aos associados, distinguindo-se das demais sociedades pelas seguintes caractersticas:
  • Slide 3
  • CARACTERSTICAS DAS COOPERATIVAS adeso voluntria, com nmero ilimitado de associados, salvo impossibilidade tcnica de prestao de servios; variabilidade do capital social representado por quotas-partes; limitao do nmero de quotas-partes do capital para cada associado, facultado, porm, o estabelecimento de critrios de proporcionalidade, se assim for mais adequado para o cumprimento dos objetivos sociais; incessibilidade das quotas-partes do capital a terceiros, estranhos sociedade;
  • Slide 4
  • CARACTERSTICAS DAS COOPERATIVAS quorum para o funcionamento e deliberao da Assemblia Geral baseado no nmero de associados e no no capital; retorno das sobras lquidas do exerccio, proporcionalmente s operaes realizadas pelo associado, salvo deliberao em contrrio da Assemblia Geral; neutralidade poltica e indiscriminao religiosa, racial e social; prestao de assistncia aos associados, e, quando previsto nos estatutos, aos empregados da cooperativa; rea de admisso de associados limitada s possibilidades de reunio, controle, operaes e prestao de servios.
  • Slide 5
  • OBJETIVO As sociedades cooperativas podero adotar por objeto qualquer gnero de servio, operao ou atividade, assegurando-se-lhes o direito exclusivo e exigindo-se-lhes a obrigao do uso da expresso "cooperativa" em sua denominao. vedado s cooperativas o uso da expresso "Banco".
  • Slide 6
  • CLASSIFICAO DAS SOCIEDADES COOPERATIVAS As sociedades cooperativas so consideradas: I - singulares, as constitudas pelo nmero mnimo de 20 (vinte) pessoas fsicas, sendo excepcionalmente permitida a admisso de pessoas jurdicas que tenham por objeto as mesmas ou correlatas atividades econmicas das pessoas fsicas ou, ainda, aquelas sem fins lucrativos; II - cooperativas centrais ou federaes de cooperativas, as constitudas de, no mnimo, 3 (trs) singulares, podendo, excepcionalmente, admitir associados individuais;
  • Slide 7
  • CLASSIFICAO DAS SOCIEDADES COOPERATIVAS III - confederaes de cooperativas, as constitudas, pelo menos, de 3 (trs) federaes de cooperativas ou cooperativas centrais, da mesma ou de diferentes modalidades. As cooperativas se classificam tambm de acordo com o objeto ou pela natureza das atividades desenvolvidas por elas ou por seus associados. As sociedades cooperativas sero de responsabilidade limitada, quando a responsabilidade do associado pelos compromissos da sociedade se limitar ao valor do capital por ele subscrito.
  • Slide 8
  • CLASSIFICAO DAS SOCIEDADES COOPERATIVAS As sociedades cooperativas sero de responsabilidade ilimitada, quando a responsabilidade do associado pelos compromissos da sociedade for pessoal, solidria e no tiver limite. A responsabilidade do associado para com terceiros, como membro da sociedade, somente poder ser invocada depois de judicialmente exigida da cooperativa.
  • Slide 9
  • CONSTITUIO DAS SOCIEDADES COOPERATIVAS A sociedade cooperativa constitui-se por deliberao da Assemblia Geral dos fundadores, constantes da respectiva ata ou por instrumento pblico. O ato constitutivo, sob pena de nulidade, dever declarar: I - a denominao da entidade, sede e objeto de funcionamento; II - o nome, nacionalidade, idade, estado civil, profisso e residncia dos associados, fundadores que o assinaram, bem como o valor e nmero da quota-parte de cada um; III - aprovao do estatuto da sociedade; IV - o nome, nacionalidade, estado civil, profisso e residncia dos associados eleitos para os rgos de administrao, fiscalizao e outros.
  • Slide 10
  • AUTORIZAO DE FUNCIONAMENTO A cooperativa constituda na forma da legislao vigente apresentar ao respectivo rgo executivo federal de controle, no Distrito Federal, Estados ou Territrios, ou ao rgo local para isso credenciado, dentro de 30 (trinta) dias da data da constituio, para fins de autorizao, requerimento acompanhado de 4 (quatro) vias do ato constitutivo, estatuto e lista nominativa, alm de outros documentos considerados necessrios. O rgo de controle ter 60 dias a contar da data de entrada em seu protocolo, aprovando, pode-se registrar e arquivar seus atos constitutivos na Junta Comercial do Estado.
  • Slide 11
  • ESTATUTO SOCIAL O estatuto da cooperativa, alm de atender ao disposto no artigo 4, dever indicar: I - a denominao, sede, prazo de durao, rea de ao, objeto da sociedade, fixao do exerccio social e da data do levantamento do balano geral; II - os direitos e deveres dos associados, natureza de suas responsabilidades e as condies de admisso, demisso, eliminao e excluso e as normas para sua representao nas assemblias gerais;
  • Slide 12
  • ESTATUTO SOCIAL III - o capital mnimo, o valor da quota-parte, o mnimo de quotas-partes a ser subscrito pelo associado, o modo de integralizao das quotas-partes, bem como as condies de sua retirada nos casos de demisso, eliminao ou de excluso do associado; IV - a forma de devoluo das sobras registradas aos associados, ou do rateio das perdas apuradas por insuficincia de contribuio para cobertura das despesas da sociedade; o nmero mnimo de associados. o modo de reformar o estatuto; os casos de dissoluo voluntria da sociedade;
  • Slide 13
  • LIVROS A sociedade cooperativa dever possuir os seguintes livros: I - de Matrcula; II - de Atas das Assemblias Gerais; III - de Atas dos rgos de Administrao; IV - de Atas do Conselho Fiscal; V - de presena dos Associados nas Assemblias Gerais; VI - outros, fiscais e contbeis, obrigatrios.
  • Slide 14
  • CAPITAL SOCIAL O capital social ser subdividido em quotas-partes, cujo valor unitrio no poder ser superior ao maior salrio mnimo vigente no Pas. Nenhum associado poder subscrever mais de 1/3 (um tero) do total das quotas- partes, salvo nas sociedades em que a subscrio deva ser diretamente proporcional ao movimento financeiro do cooperado ou ao quantitativo dos produtos a serem comercializados, beneficiados ou transformados, ou ainda, em relao rea cultivada ou ao nmero de plantas e animais em explorao.
  • Slide 15
  • DOS FUNDOS As cooperativas so obrigadas a constituir: I - Fundo de Reserva destinado a reparar perdas e atender ao desenvolvimento de suas atividades, constitudo com 10% (dez por cento), pelo menos, das sobras lquidas do exerccio; Alm dos previstos neste artigo, a Assemblia Geral poder criar outros fundos, inclusive rotativos, com recursos destinados a fins especficos fixando o modo de formao, aplicao e liquidao.
  • Slide 16
  • DOS ASSOCIADOS O ingresso nas cooperativas livre a todos que desejarem utilizar os servios prestados pela sociedade, desde que adiram aos propsitos sociais e preencham as condies estabelecidas no estatuto, ressalvado o disposto no artigo 4, item I, desta Lei. A admisso dos associados poder ser restrita, a critrio do rgo normativo respectivo, s pessoas que exeram determinada atividade ou profisso, ou estejam vinculadas a determinada entidade. Podero ingressar nas cooperativas de pesca e nas constitudas por produtores rurais ou extrativistas, as pessoas jurdicas que pratiquem as mesmas atividades econmicas das pessoas fsicas associadas.
  • Slide 17
  • DOS ASSOCIADOS No podero ingressar no quadro das cooperativas os agentes de comrcio e empresrios que operem no mesmo campo econmico da sociedade. A demisso do associado ser unicamente a seu pedido. A eliminao do associado aplicada em virtude de infrao legal ou estatutria, ou por fato especial previsto no estatuto, mediante termo firmado por quem de direito no Livro de Matrcula, com os motivos que a determinaram. A diretoria da cooperativa tem o prazo de 30 (trinta) dias para comunicar ao interessado a sua eliminao.
  • Slide 18
  • DOS ASSOCIADOS A excluso do associado ser feita: I - por dissoluo da pessoa jurdica; II - por morte da pessoa fsica; III - por incapacidade civil no suprida; IV - por deixar de atender aos requisitos estatutrios de ingresso ou permanncia na cooperativa.
  • Slide 19
  • DOS RGOS DA ADMINISTRAO A sociedade ser administrada por uma Diretoria ou Conselho de Administrao, composto exclusivamente de associados eleitos pela Assemblia Geral, com mandato nunca superior a 4 (quatro) anos, sendo obrigatria a renovao de, no mnimo, 1/3 (um tero) do Conselho de Administrao. No podem compor uma mesma Diretoria ou Conselho de Administrao, os parentes entre si at 2 (segundo) grau, em linha reta ou colateral.
  • Slide 20
  • DO CONSELHO FISCAL A administrao da sociedade ser fiscalizada, assdua e minuciosamente, por um Conselho Fiscal, constitudo de 3 (trs) membros efetivos e 3 (trs) suplentes, todos associados eleitos anualmente pela Assemblia Geral, sendo permitida apenas a reeleio de 1/3 (um tero) dos seus componentes. 1 No podem fazer parte do Conselho Fiscal, alm dos inelegveis enumerados no artigo 51, os parentes dos diretores at o 2 (segundo) grau, em linha reta ou colateral, bem como os parentes entre si at esse grau. 2 O associado no pode exercer cumulativamente cargos nos rgos de administrao e de fiscalizao.
  • Slide 21
  • DA DISSOLUO E LIQUIDAO As sociedades cooperativas se dissolvem de pleno direito: I - quando assim deliberar a Assemblia Geral, desde que os associados, totalizando o nmero mnimo exigido por esta Lei, no se disponham a assegurar a sua continuidade; II - pelo decurso do prazo de durao; III - pela consecuo dos objetivos predeterminados; IV - devido alterao de sua forma jurdica; V - pela reduo do nmero mnimo de associados ou do capital social mnimo se, at a Assemblia Geral subseqente, realizada em prazo no inferior a 6 (seis) meses, eles no forem restabelecidos;
  • Slide 22
  • DA DISSOLUO E LIQUIDAO VI - pelo cancelamento da autorizao para funcionar; VII - pela paralisao de suas atividades por mais de 120 (cento e vinte) dias. Pargrafo nico. A dissoluo da sociedade importar no cancelamento da autorizao para funcionar e do registro.
  • Slide 23
  • TRIBUTAO Os resultados (sobras) decorrentes dos atos cooperativos no so tributveis pelo IRPJ, conforme Lei 5.764/71, art. 3.Lei 5.764/71 A cooperativa, assim como as demais pessoas jurdicas, obrigada entrega da DIPJ anual. O fato de operar somente com operaes cooperativadas (no tributveis pelo Imposto de Renda) no a desobriga de apresentar a declarao respectiva. As cooperativas de crdito, cuja atividade est sob controle do Banco Central do Brasil, so obrigatoriamente tributadas pelo lucro real, conforme Lei 9.718/98, art. 14.
  • Slide 24
  • TRIBUTAO A partir de 01.01.2005, as sociedades cooperativas que obedecerem ao disposto na legislao especfica, relativamente aos atos cooperativos, ficam isentas da Contribuio Social sobre o Lucro Lquido - CSLL. Havendo circulao de mercadorias ou prestao de servios tributveis, a cooperativa estar sujeita ao ICMS, de acordo com a legislao estadual em que efetuar as operaes. A cooperativa considerada estabelecimento industrial quando executa qualquer das operaes consideradas como industrializao. Neste caso, dever recolher o IPI correspondente alquota aplicvel a seus produtos, dentro dos moldes exigidos pelo Regulamento respectivo.
  • Slide 25
  • TRIBUTAO A Cooperativa ser contribuinte do ISS somente se prestar a terceiros servios tributados pelo referido imposto. A prestao de servios a cooperados no caracteriza operao tributvel pelo ISS, j que, expressamente, a Lei 5.764/71, em seu artigo 79, especifica que os atos cooperativos no implicam operao de mercado, nem contrato de compra e venda.Lei 5.764/71 As cooperativas devero pagar o PIS de duas formas: SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO, mediante a aplicao de alquota de 1% sobre a folha de pagamento mensal de seus empregados. SOBRE A RECEITA BRUTA
  • Slide 26
  • TRIBUTAO Ficou revogada a iseno da COFINS, prevista na Lei Complementar 70/91, para as cooperativas. Portanto, a partir de 01.11.1999 (data fixada pelo Ato Declaratrio SRF 88/99), as cooperativas devero recolher a COFINS sobre a receita bruta.Ato Declaratrio SRF 88/99 As cooperativas, mesmo no tendo incidncia de Imposto de Renda sobre suas atividades econmicas, esto sujeitas apresentao da DCTF.

Recommended

View more >