controle de pragas e doenças em orquídeas

Download Controle de Pragas e Doenças Em Orquídeas

Post on 02-Mar-2018

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 7/26/2019 Controle de Pragas e Doenas Em Orqudeas

    1/3

    Controle de pragas e doenas em orqudeas

    "Ao cultivarmos orqudeas, normalmente reunimos plantas de variados locais de origem, tanto nadistribuio geogrfica quanto no clima (altitude, sombreamento, umidade, etc) e as confinamos numdeterminado local (nosso orquidrio), e as tratamos, sempre que possvel, da melhor maneira, comadubao, regas, e aplicao de defensivos, e por muitas vees nos questionamos o porque que ocorrem

    pragas e doenas, inclusive com diferena de severidade entre plantas! sso tudo ocorre principalmente porcausa do ambiente (dificilmente conseguimos imitar# o ambiente original, e a tornamos as plantas menosresistentes), e da completa falta de inimigos naturais das pragas que atacam nossas plantas!

    $esta situao, temos duas op%es& a primeira que poderamos chamar de m'todo cultural de controle,seria basicamente evitar o ecesso de umidade principalmente no substrato (regando principalmente pelamanh) e manter uma ventilao adequada! entilao adequada ' difcil de se obter, principalmente nosorquidrios em quintais, cercados por muros! A segunda opo, que poderamos chamar de controlequmico, consiste na aplicao de defensivos para o combate de pragas e doenas, por'm, estes semprecontrolam o efeito e no a causa do problema, e al'm disso, o termo ' controle, e no erradicao, portantotemos que aprender que controlamos as pragas e doenas para nveis mnimos de dano, mas dificilmenteconseguimos uma erradicao! *or isso ' importante uma vistoria semanal no orquidrio buscando pragas

    e doenas, pois se identificadas no incio o controle ' muito mais fcil e os danos mnimos!

    Controle de pragas

    As principais pragas que atacam as orqudeas seriam& cochonilhas, pulg%es, tentecoris, lesmas ecaramu+os, tripes e caros! utras pragas que ocorrem com menor freq-.ncia no sero abordadas!

    / 0ontrole de lesmas e caramu+os$a minha opinio so as pragas de mais difcil controle, pois os produtos eistentes no mercado propiciamum controle pouco satisfat1rio! s caramu+os alimentam2se principalmente de raes e brotos novos, e aslesmas principalmente de flores! controle se fa com a aplicao de iscas a base de metaldedo (mesurol elesmicida pica pau)! 3m controle alternativo para poucos vasos ' a imerso do vaso em gua por alguns

    segundos, as lemas e caramu+os viro 4 tona e ento ' s1 recolher, queimar ou coloc2los em salmoura!5empre evite esmagar os caramu+os, pois se estiver prestes a colocar os ovos, voc. pode estar disseminandoos mesmos! scas de chuchu, melancia e pepino so interessantes para avaliar a populao, e ento partirou no para o controle!

    / 0ontrole de cochonilhas, pulg%es e tentecorisAs cochonilhas (de escamas e de carapaa) e o tentecoris so as piores pragas das orqudeas, pois se nocontrolados a tempo podem matar a planta! s danos dessas pragas se do pela suco continuada de seivaenfraquecendo a planta, e pela in+eo de toinas traendo problemas metab1licos para as plantas! Al'mdisso, esses insetos podem ser vetores de vrus! 6istem controles alternativos, como calda de fumo, caldade sabo, 1leo de neem, ch de folhas de 5anta 7rbara e outros benimentos, por'm a efici.ncia desses

    tratamentos ' baia, e a aplicao deles ' eclusivamente preventiva e continuada! *oderamos dividir oscontrole dos sugadores em duas modalidades& preventivo8infestao inicial, e infestao severa! Aqui

    gostaria de faer um par.ntese para uma rpida eplicao sobre inseticidas! 6istem no mercado produtosconsiderados sist.micos e de contato! 7asicamente o inseticida sist.mico funciona circulando pela seiva da

    planta e possui um residual de controle muito bom, por'm sua ao de choque# ' baia! 9 os inseticidasde contato possuem uma ao de choque muito boa, por'm com um residual nulo ou muito baio! aleressaltar que a sistematicidade do produto ocorre sempre do ponto em que foi aplicado na planta para cima(via apoplasto) e nunca para baio, em direo 4s raes, portanto a aplicao deve sempre atingir toda a

    planta, para que o produto se distribua por todos os tecidos!oltando no controle preventivo8infestao inicial, o ideal nessa modalidade seria trabalharmos com uminseticida sist.mico, pois o mesmo propicia um bom controle no incio da infestao e seu residual permiteque se faa poucas aplica%es por ano! Al'm disso, os inseticidas sist.micos normalmente so menost1icos que os de contato! *odemos considerar uma infestao inicial como sendo poucas plantas atacadase com baia incid.ncia de pragas!

  • 7/26/2019 Controle de Pragas e Doenas Em Orqudeas

    2/3

    9 a infestao severa ' aquela em temos muitas plantas atacadas com alta incid.ncia de pragas! $essamodalidade o ideal ' trabalharmos com a mistura de um inseticida de choque misturado com um sist.mico,

    porque: A aplicao do inseticida de choque controla ;

  • 7/26/2019 Controle de Pragas e Doenas Em Orqudeas

    3/3

    para a planta, como cortes por eemplo! 3ma boa maneira para se prevenir essa doena ' +ustamenteevitar cortes nas plantas ou danos mecKnicos, e se por acaso ocorrer, polvilhar p1 de canela no local paraa+udar na cicatriao! controle qumico pode ser feito com Lasumin (faia aul), por'm o ideal ' cortara parte afetada, pois a evoluo da doena ' lenta!

    / 0ontrole da ferrugem6sta doena ocorre basicamente em orqudeas de folhas finas (ncidium, BiltDnia, etc)! s sintomas sopCstulas amarelas que se formam sobre as folhas, que evoluem com o tempo! ?irando o aspecto est'tico,esta doena no causa grandes pre+uos para as plantas, pois diferentemente das outras doenas, a

    ferrugem precisa manter a planta viva para ela sobreviver tamb'm! controle qumico pode ser feito comfungicidas de contato!

    / Vruss vrus so seres microosc1picos que multiplicam2se pelas c'lulas das plantas! Apesar de no letais paraas plantas, eles normalmente deformam as folhas e as flores! nfelimente no eiste controle, a Cnicamedida ' isolar a planta no orquidrio ou eliminar a planta doente! 6iste uma paran1ia muito grande nomeio orquid1filo em que qualquer manchinha que aparece na folha + se diagnostica por achismo# que 'virose e a planta normalmente vira carvo! A Cnica maneira segura para se diagnosticar viroses ' atrav's

    de eames laboratoriais, pois os sintomas nas plantas variam muito! As flores marmoratas, antes muitoapreciadas, ho+e se atribuem a viroses! $em todas so! 5e a flor marmorata tiver simetria nas manchas (isto', o que estiver numa p'tala tem na outra, como flores flKmeas, por eemplo), no ' vrus que estcausando o fenDmeno, por'm se for assim'trico (isto ', a mancha estiver somente numa p'tala ou partedela) a pode se desconfiar e ento enviar amostras para laborat1rio para eame e assim ter o corretodiagn1stico!

    Fungicidas

    0omo os inseticidas, os fungicidas podem ser divididos em dois grupos& os sist.micos8curativos e oscontato8preventivo! s fungicidas so um pouco mais compleos que os inseticidas, pois o comportamento

    nas plantas pode variar, por eemplo, eistem produtos sist.micos com efeito preventivo tamb'm, assimcomo eistem produtos de contato curativos! ?odavia podemos adotar essa diviso para facilitar o controledas doenas! Abaio farei uma relao de alguns produtos disponveis no mercado&

    Fungicidas de contato8preventivo& dithane8manate (faia aul), amistar (faia aul), comet (faia amarela)e bravonil (faia vermelha)!

    Fungicidas sist.micos8curativos& cercobin (faia verde), derosal (faia aul)!Fungicida sist.mico e de contato (mistura pronta)& cerconil (faia vermelha)!

    Defensivos agrcolas

    *ode2se perceber que todo produto citado vem acompanhado da classe toicol1gica! 6ssa classe

    toicol1gica ' determinada para informar a periculosidade do produto para a saCde humana! 6staclassificao em cores ' feita conforme a periculosidade, e estas so as cores&verde8aul8amarelo8vermelho, sendo o verde pouco t1ico e o vermelho etremamente t1ico! Membre2se,

    sua saCde ' seu bem mais precioso, portanto no abuse da sorte! 5empre que realiar uma aplicao dedefensivo, utilie um 6* (equipamento de proteo individual), sendo que o equipamento ideal seria& luvase botas de borracha, macaco impermevel, mscara contra vapores t1icos, 1culos de proteo e chap'ude abas largas! mportante& o 6* deve ser sempre lavado ap1s cada aplicao! maior risco decontaminao ocorre na manipulao do produto a ser aplicado, portanto nunca se esquea de estarequipado com o 6* antes da manipulao do defensivo! ?odas as informa%es contidas neste teto sebaseiam na minha eperi.ncia pessoal, portanto fica a crit'rio individual por conta e risco de colocar em

    prtica as informa%es aqui relatadas! 0onsulte sempre um engenheiro agrDnomo"!