Controle Alternativo de Pragas

Download Controle Alternativo de Pragas

Post on 01-Jul-2015

1.943 views

Category:

Documents

47 download

TRANSCRIPT

CALDA DE FUMO 1Medidas de Controle: A nicotina um alcalide que se obtm atravs do fumo, um poderoso inseticida de fcil obteno, tendo ao de contato contra pulges, lagartas, tripes e outras pragas. Preparo: 1. colocar 100 g de fumo de corda cortado em pedacinhos em 1 litro de lcool mantendo abrigado da luz por alguns dias. Filtrar espremendo em pano e guardar o extrato em garrafa escura. Para melhor conservao recomendado acrescentar 4 gramas de fenol por litro de extrato.

2. 3.

Aplicao: Para pulverizar nas plantas, na hora de usar, misturar 200 ml do extrato com 200 gramas de sabo e dez litros de gua. O sabo quanto mais forte (alcalino) melhor, o qual dever ser cortado em pequenos pedaos e dissolvido em gua quente antes de adicionar a mistura.

txico para o ser humano e pode afetar os inimigos naturais. O seu preparo e aplicao requerem cuidados. A colheita do vegetal tratado deve ser feita, somente 3 dias aps a aplicao do fumo. No deve ser empregado o fumo em plantas da famlia da batata.

Quando aplicada como cobertura do solo, pode prevenir o ataque de lesmas, caracis e lagartas cortadeira, porm pode prejudicar insetos benficos do solo como as minhocas.

CALDA DE FUMO 2Medidas de Controle: A nicotina um alcalide que se obtm atravs do fumo, um poderoso inseticida de fcil obteno, tendo ao de contato contra pulges, lagartas, tripes e outras pragas. Segue aqui uma boa alternativa para o controle de pragas e doenas, sem o uso de agrotxicos em hortalias, plantas ornamentais e frutferas. Como dica iremos fazer o controle atravs da calda do fumo, onde utilizaremos os seguintes ingredientes: 100 g de fumo de corda 10 l de gua 20 g de pimenta vermelha (malagueta) 1 l de lcool 50 g de sabo neutro PREPARO: Ferver os 10 litros de gua, retirar do fogo, adicionar 100 g de fumo picado, deixar esfriar (a nicotina vai se dissolver na gua quente). Esse extrato deve ser guardado em um recipiente por at 30 dias. Marcenar as 20 g de pimenta e colocar em vidro ou garrafa com tampa, junto com 1 litro de lcool e deixar descansando uma semana antes de usar. Este preparo pode ser armazenado por alguns meses, se estiver bem tampado. Dissolver 50 g do sabo neutro em 1 litro de gua quente. Na hora de usar, colocar 1 litro do extrato de fumo junto com copo de extrato de pimenta, juntando com a soluo do sabo. Colocar tudo em um pulverizador costal de 20 litros. Agitar a mistura e completar com gua. Augusto Braga Extensionista Agrcola da EMATER-PB

txico para o ser humano e pode afetar os inimigos naturais. O seu preparo e aplicao requerem cuidados. A colheita do vegetal tratado deve ser feita, somente 3 dias aps a aplicao do fumo. No deve ser empregado o fumo em plantas da famlia da batata.

Quando aplicada como cobertura do solo, pode prevenir o ataque de lesmas, caracis e lagartas cortadeira, porm pode prejudicar insetos benficos do solo como as minhocas.

FUMO (NICOTINA)Indicao - a nicotina contida no fumo um excelente inseticida, tendo ao de contato contra pulges, tripes e outras pragas. Quando aplicada como cobertura do solo, pode prevenir o ataque de lesmas, caracis e lagartas cortadeiras, porm, pode prejudicar insetos benficos ao solo como as minhocas. 0 fumo em p sobre os vegetais um defensivo contra pragas de corpo mole, como lesmas e outras, sendo menos txico se empregado nesta forma. Na agricultura orgnica seu emprego deve ser precedido de autorizao do orgo certificador. Caractersticas - a calda pronta pode ser acrescida de sabo e cal hidratada, melhorando a sua atividade e persistncia na folha. Quando a nicotina exposta ao sol, diminui sua ao em poucos dias. A adio de algumas gotas de fenol, recomendada para manter suas caractersticas iniciais. A colheita do vegetal tratado deve ser feita, somente 3 dias aps a aplicao do fumo. No deve ser empregado o fumo em plantas da famlia da batata ou tomate (Solanaceae). 0 tratamento com concentraes acima do recomendado, pode causar danos para muitas plantas. A nicotina bem diluda apresenta baixo risco para o homem e animais de sangue quente e 24 horas depois de pulverizada, torna-se inativa. No entanto, em elevada concentrao txica para o ser humano e pode afetar os inimigos naturais. 0 seu preparo e aplicao requerem cuidados. No caso de hortalias e medicinais, aconselhase respeitar um intervalo mnimo de 3 dias antes do consumo. Devido ao seu alto poder inseticida, o seu emprego na agricultura orgnica bastante restrito. Receita 1 - para controle de pulges, cochonilhas, grilos, vagalumes. Ingredientes: 15 a 20 cm de fumo em corda e gua. Preparo: Coloque o fumo em corda deixando de molho durante 24 horas, com gua suficiente para cobrir o recipiente. Aplicao: Para cada litro de gua, use 5 colheres (de sopa) dessa mistura, usando no mesmo dia. Receita 2 - controle de lagartas e pulges em plantas frutferas e hortalias. Ingredientes: 100g de fumo em corda, 1 litro de lcool e 100g de sabo. Preparo: misture 100g de fumo em corda cortado em pedacinhos com 1 litro de lcool. Junte 100g de sabo e deixe curtir por 2 dias. Aplicao: para pulverizar plantas utilize 1 copo do produto em 15 litros de gua. Receita 3 - controle de vaquinhas, pulges, cochonilhas, lagartas. Ingredientes: 1 pedao de fumo em corda (10 - 15 cm); 0,5 litros de lcool; 0,5 litros de gua e 100g de sabo em barra. Preparo: corte o fumo em pequenos pedaos e junte a gua e o lcool. Misture em um recipiente deixando curtir durante 15 dias. Decorrido esse tempo, dissolva o sabo em 10 litros de gua e junte com a mistura j curtida de fumo e lcool. Aplicao: pode ser aplicado com pulverizador ou regador. No caso de hortalias, aconselha-se respeitar um intervalo mnimo de 3 dias antes da colheita. Receita 4 - controle de pulges, vaquinhas, cochonilhas.

Ingredientes: 20 colheres (sobremesa) de querosene, 3 colheres (sopa) de sabo em p, 1 litro de calda de fumo e 10 litros de gua. Preparo e Aplicao: para o preparo da gua de fumo coloque 20 gramas de fumo de rolo bem forte e picado em 1 litro de gua, fervendo essa mistura durante 30 minutos. Aps, co-la em pano fino, adicione 3-4 litros de gua limpa e utilize o produto obtido no mesmo dia. Em seguida, aquea 10 litros de gua e junte 20 colheres (sobremesa) de querosene e 3 colheres (sopa) de sabo em p. Deixe esfriar em temperatura ambiente e adicione ento 1 litro de calda de fumo. Receita 5 - controle de pulges, lagartas e tripes. Ingredientes: 1,0 kg de folhas trituradas de fumo em 15 litros de gua por 24 horas. Preparo: a soluo coada e adicionado um pouco de sabo. Aplicao: pulverizada conforme a receita acima ou no solo na forma de p feito com folhas secas ou pedaos de folhas colocadas no cho em cobertura.

ESPALHANTE ADESIVOExistem insetos (pulges, por exemplo) que, devido a sua capa cerosa, dificultam a ao de produtos que, como o extrato de fumo, os matem por contato. Neste caso, o espalhante adesivo melhora a ao de contato do extrato de fumo sobre o pulgo e, conseqentemente, permite um controle mais efetivo. A farinha de trigo apresentava boa atuao como espalhante adesivo. Preparo: Misture com a gua os ingredientes a serem pulverizados, acrescentando a farinha por ltimo. Adicione a farinha aos poucos, lentamente e sob forte e constante agitao para que a dissoluo da farinha seja completa. Para evitar obstruo de bicos do pulverizador, prudente coar a calda, podendo-se utilizar para isto a prpria peneira do pulverizador. Dosagem: Utilizam-se 200 gramas de farinha de trigo em cada 10 litros de calda. Esta dose pode ser aumentada ou diminuda de acordo com o grau de cerosidade das folhas. * Eng. Agr., M.Sc., Extensionista Rural do Escritrio Municipal da EMATER/RS de Sobradinho e Coordenador do Plano Piloto de Agricultura Ecolgica para a Regio CentroSerra do RS.

SABO0 sabo (no detergente) tem efeito inseticida e quando acrescentado em outros defensivos naturais pode aumentar a sua efetividade. 0 sabo sozinho tem bom efeito sobre muitos insetos de corpo mole como: pulgo, lagartas e mosca branca. Raspar o sabo at obter 1 colher de ch que ser colocada em 1 litro de gua at total dissoluo. O sabo pode tambm ser fervido para dissolver e aplicado quando frio.

CRAVO DE DEFUNTOCravo-de-defunto (Tagetes minuta) e ou Cravorana (Tagetes sp) silvestre. As plantas inteiras, principalmente no florescimento, so boas repelentes de insetos e nematides (no solo). Usadas em bordadura das culturas ou em pulverizaes na forma de extratos alcolicos, atuam tanto por ao direta contra as pragas, quanto por "disfarce" das culturas pelo seu forte odor. Frmula Geral: 200 gramas de planta verde, mascerados por 12 (doze) horas em lcool (aproximadamento 1 litro) e diludos em 18 a 19 litros de gua (20 litros para pulverizao)

CINAMOMOCinamomo (Melia azedorach L., famlia Meliaceae) O ch das folhas e o extrado acetnico-alcolico dos frutos (ambos na dosagem mdia de 200 gramas para um volume final de 20 litros para pulverizao) so inseticidas. Os frutos devem ser modos e seu p pode ser usado na conservao de gros armazenados. Observao: uma rvore ornamental comum no sul do Brasil, de origem asitica.

SABONETEIRASaboneteira ( Sapindus saponaria L.) rvore nativa da Amrica Tropical, usada como ornamental , possui nos frutos um efeito inseticida. Para se ter uma idia de seu poder de ao, vale mencionar que seis frutos bastam para preservar 60 quilos de gros armazenados. Os estratos podem ser feitos dos frutos amassados diretamente em gua (uso imediato) ou

conservados por extrao acetnica e/ou alcolica. Em ambos os casos, 200 gramas so suficientes para o volume de 20 litros de um pulverizador costal.

QUSSIA OU PAU-AMARGOQussia ou Pau-amargo (Quassia amara, famlia Simarubaceae) Arbusto alto, nativo da Amrica Central, com ao inseticida especialmente contra moscas e mosquitos, pelo alto teor de substncias amargas na casca e madeira. Estas partes podem ser usadas em p ou extrato acetnico-alcolico, assim como os ramos e folhas, variando apenas a concentrao: 200 gramas de cascas ou madeira moda.

MUCUNA PRETAMucuna-preta (Mucuna sp ou Stizolobium oterrium) Plantada associada ao milho, evita mais de 90% da instalao dos gorgulhos nas espigas

PURUNGO OU CABAA (ATRATIVO)Purungo ou Cabaa (Lagenaria vulgaris) Plantado em bordadura (em forma de cercas-vivas) ou com seus frutos cortados e espalhados na lavoura o melhor atrativo para o besourinho ou vaquinha verde-amarela (Diabrotica speciosa).

TAIUTajuj (Cayaponia tayuya) Planta da famlia das cucurbitceas, atrativa para as vaquinhas. Sua limitao consiste no fato de que as razes que so a parte mais til da planta, so de cultivo mais difcil que o do Purungo.

LEITE DE VACAOdio da abobrinha, causado pelo fungo Sphaerotheca fuliginea, uma das principais doenas da cultura e de outras cucurbitceas (pepino e outras variedades de abbora), sobretudo em cultivo protegido (estufas). A doena ataca toda a parte area da planta (folhas, ramos, caules, flores), fazendo com que esta perca o vigor e tenha sua produo prejudicada. O mtodo de controle mais utilizado nos sistemas convencionais de cultivo o emprego de fungicidas. Contudo, seu uso contnuo resulta no apenas em riscos de contaminao ambiental como na seleo de populaes do fungo resistentes aos produtos. Aliado a esses

fatos, existe um mercado crescente para alimentos produzidos sem a utilizao de agrotxicos, sendo o de produtos orgnicos, o mais conhecido Como no sistema de produo orgnico no se permite o uso de fungicidas, esse grupo de agricultores dispe de poucas alternativas para o controle do Odio da abobrinha, fato que comea a mudar com a descoberta do leite cru como produto promissor para esse fim. De acordo com o pesquisador Wagner Bettiol, da Embrapa Meio Ambiente, possivelmente o leite apresenta mecanismos variados de ao no controle do Odio da abobrinha, que so:

O leite pode ter ao direta sobre o fungo devido sua propriedade germicida. O leite contm vrios sais e aminocidos na sua composio, sendo que essas substncias so conhecidas por induzirem resistncia nas plantas.

O leite modifica as caractersticas da superfcie da folha, como pH, nutrientes, gorduras entre outras e com isso no permite a instalao do patgeno. A tcnica foi desenvolvida pensando em ser uma alternativa para a agricultura orgnica. Entretanto, devido ao baixo custo e facilidade de obteno do produto, vem sendo adotada por diversos produtores, sejam eles orgnicos ou convencionais. Esses produtores esto utilizando o leite de vaca cru na concentrao de 5%, isto , 5 litros de leite para 95 litros de gua, uma vez na semana e quando a infestao est muito alta utilizam a 10%, para o controle do Odio da abobrinha e do pepino. Atualmente, alm da explicao do mecanismo de ao envolvido no controle do Odio com o leite da vaca cru, esto sendo realizados estudos para verificar se o leite controla o Odio de outras culturas, como as do quiabo, do pimento, da roseira e do feijoeiro, mas sempre pensando na utilizao dessas tcnicas para a agricultura orgnica.

MANIPUEIRA (MANDIOCA)No decurso de dez anos (1976/85), cresceu em mais de 500% o consumo de agrotxicos no Brasil, enquanto, no mesmo perodo, a rentabilidade da produo agrcola brasileira crescia em apenas 5%. A discrepncia entre estes dados atesta, em linhas gerais, o malogro econmico de to elevado investimento. O emprego abusivo de agrotxicos, sobre ser um empreendimento de elevado custo -at mesmo anti-econmico em muitos casos constitui, em funo da alta toxicidade da maioria desses compostos, um permanente risco ecologia e, sobretudo, sade humana. Consciente desses graves inconvenientes, o Setor de Fitopatologia da Universidade Federal do Cear (Brasil) criou, h mais de dez anos, uma linha de pesquisa direcionada para a descoberta de defensivos agrcolas no-convencionais, a partir de extratos ou derivados vegetais. Neste particular, sobressaiu-se a manipueira (nome indgena brasileiro designativo

do extrato liquido das razes de cassava, Manihot esculenta Crantz), um sub produto da fabricao da farinha de mandioca (Fig. 1.), que, at ento, era praticamente desprezado, sem qualquer aproveitamento econmico. Este composto, uma ve ztestado como nematicida e, posteriormente, como inseticida, revelou extraordinria eficincia e notvel economicidade; e sem os riscos de toxidez dos produtos comerciais.

Fig. 1. Extrato lquido das razes de mandioca -a manipueira- coletado na casa-de-farinha (prdio ao lado) e sendo estocado para posterior aplicao no campo.

Iniciada em 1979 (11), esta linha de pesquisa, intitula da "Utilizao da Manipueira como Defensivo Agrcola", j produziu doze trabalhos cientficos, de zdos quais relativos a primeira etapa do projeto (utilizao como nematicida), reunindo um acervo de resultados positivos. Os dois outros trabalhos (9, 10) correspondem segunda etapa (utilizao como inseticida) e relatam pesquisas recentes que atestam a eficcia do composto no combate, tambm, a insetos fitoparasitos. Uma resenha de todas essas pesquisas apresentada em seguida.

UTILIZAO DA MANIPUEIRA COMO NEMATICIDAO trabalho pioneiro aconteceu h mais de dez anos, exatamente quando Ponte et al. (11) descobriram a potencialidade nematicida inerente manipueira, mediante o cultivo de plantas de quiabo (Hibiscus esculentus L.) em solos envasados que haviam sido previamente infestados com ovos e larvas de nematides das galhas (Meloidogyne spp.) e, dez dias depois, tratados com manipueira. Na ocasio, a partir de crescentes dosagens de manipueira (0, 500, 750 e 1000 ml por vaso), obtiveram decrescentes percentagens de plantas atacadas de Meloidoginose: 100, 60, 50 e 30%, respectivamente (Quadro 1). Neste

experimento, conduzido em casa-de-vegetao, foram usados vasos de 6L de capacidade, contendo solo limo-arenoso. Quadro 1. Quantificao da incidncia de Meloidoginose em plantas de quiabo (Hibiscus esculentus L.), cultivadas em vasos contendo solo previamente infestado com nematoides das galhas (Meloidogyne spp.) e, posteriormente, tratado com diferentes dosagens de manipueira extrada de mandiocas brava e mansa.Dosagens (1) (ml / vaso) 0 500 750 1000 Plantas Atacadas(2) (%) 100 60 50 30

(1) ml de manipueira por vaso contendo 6 L de solo infestado com cerca de 10.000 espcimes de nematides das galhas. (2) Total de 20 plantas por tratamento, distribudas em cinco vasos (parcelas).

Quadro 2. Infestao de nematides das galhas (Meloidogyne spp.) em razes de tomateiros (Lycopersicon esculentum Mill.), cultivados em vasos contendo solo previamente infestado e, posteriormente, tratado com diferentes dosagens de manipuejra, extrada apenas de mandioca brava.Dosagens (1) (ml / vaso) 0 500 1000 1500 (Grau Mdio) 4.0 1.3 0.0 0.0(2)

Infestao Classe forte muito fraca nula nula

(1) ml de manipueira por vaso contendo 6 L de solo infestado com cerca de 10.000 espcimes de nematide das galhas. (2) Mdia de 15 plantas por tratamento, distribudas em quatro vasos. Notas atribudas conforme o seguinte critrio: 0 - ausncia de galhas; 1 - 1 a 3 galhas por sistema radicular; 2 - 4 a 6 galhas; 3 - 7 a 12 galhas; 4 - 13 a 20 galhas; 5 - mais de 20 galhas, correspondendo, respectivamente, s infest

Dois anos depois, Ponte e Franco (7) comprovaram essa potencialidade nematxica atravs de dados ainda mais positivos do que os obtidos no experimento pioneiro. Com efeito, para a dosagem de 1000 ml por vaso, a percentagem de plantas atacadas, que fora de 30% no primeiro ensaio (Quadro 1), caiu para 0% (Quadro 2). Segundo os citados autores, este melhor desempenho do composto deveu-se ao uso exclusivo, no segundo ensaio, de manipueira extrada apenas de mandioca brava e no de uma mistura de extratos de mandiocas brava e mansa, como aconteceu no primeiro experimento. Neste segundo ensaio, o tomateiro (Lycopersiconesculentum Mill.) cv. Santa Cruz foi usado como planta-teste, haja vista a sua condio de hospedeiro da mais alta suscetibilidade ao parasitismo de nemitides do gnero Meloidogyne.

No ano seguinte, Sena e Ponte (12) aplicaram manipueira em uma cultura de cenoura (Daucus carota L.), de apenas 15 dias de idade e j sob ameaa de um severo ataque de nematides das galhas, a julgar pelo grau de infestao exibido pelas plantinhas removidas por ocasio do primeiro desbaste. Nos canteiros tratados (l L do composto por m2), a par da leve incidncia de Meloidoginose constatada poca da colheita. a produo de cenouras foi l00% superior obtida nos canteiros no tratados, onde a incidncia da doena foi severa e generalizada. Em 1983, direcionando as pesquisas para o conhecimento dos possveis efeitos colaterais do tratamento do solo com manipueira, Ponte e Franco (5) estudaram as implicaes do tratamento sobre a populao rizobiana (Rhizobium spp.). Constataram um decrscimo populacional de rizbios inversamente proporcional quantidade de manipueira incorporada ao solo. A quantificao dos resultados se fe zmediante contagem dos ndulos bacterianos em raizes de caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp.), cujo cultivo se seguiu ao tratamento do solo com manipueira. Ainda em 1983, os mesmos autores (6) constataram que a manipueira poderia ser estocada por um perodo de at trs dias, temperatura ambiente (25-31C), sem nenhum prejuzo para o seu poder nematicida. Com efeito, realizaram um experimento em que a manipueira foi armazenada, em vasilhames de plstico no tamponados, por 0, 1, 3 e 5 d; logo aps estes perodos de estocagem, aplicaram 1 L dessa substcia em vasos contendo 6 L de solo previamente infestado de nematides das galhas; ao final, constataram a ausncia total de galhas nas 12 plantas de tomate que haviam sido posteriormente cultivadas em cada um dos vasos dos tratamentos correspondentes a 0, 1 e 3 d de armazenamento, enquanto constatavam 5 galhas no conjunto das 12 plantas do tratamento de 5 d. Esta determinao importante do ponto-de-vista prtico, pois anula a obrigatoriedade de usar o composto apenas no mesmo dia de sua extrao. Em 1986, ao fim de vrios experimentos (em casa-de-vegetao) que integraram a sua tese de mestrado, Franco (1) obteve algumas valiosas informaes adicionais sobre a utilizao da manipueira no tratamento de solos contaminados por nematides fitoparasitos. Ficou comprovado, por exemplo, um efeito residual fitotxico que persiste por alguns dias, razo porque se deve observar, entre a aplicao do composto no solo e a data do plantio ou transplantio, um perodo de carncia de 18 a 21 d, de acordo com as determinaes experimentais envolvendo as culturas hortcolas j mencionadas anteriormente (quiabo, tomate e cenoura), alm do mamoeiro (Carica papaya L.). Ainda no sentido de melhor orientar o tratamento do solo com manipueira, Franco e Ponte (2) estudaram dois importantes aspectos pertinentes ao assunto: diluio e interferncia da manipueira na fertilidade do solo. Em relao ao primeiro aspecto, comprovaram que o composto pode ser diludo em at 50% de gua, sem prejuzo de sua ao nematicida. Esta concluso fundamentouse nos resultados de um experimento conduzido em solo envasado (6 L por vaso) e pesadanente infestado de nematides das galhas; aplicou-se, em cada vaso, 1 L de manipueira, usando a nas seguintes diluies: 100, 75, 50, 25 e 0% (testemunha, com aplicao apenas de gua). O composto diludo em igual parte de gua (50%) foi to eficiente quanto manipueira pura (l00%) ou a 75%, a julgar pela total ausncia de galhas nas plantas de tomate posteriormente cultivadas nos solos submetidos aos trs citados

tratamentos. J a manipueira a 25% (1 parte do composto para trs de gua) foi ineficaz, com as respectivas plantas exibindo um nmero de galhas tao elevado quanto quele apresentado pelas plantas da testemunha. Com respeito fertilidade do solo, concluram que a manipueira presta-se como fertilizante, aumentando, substancialmente, os nveis de macronutrientes do solo, especialmente potssio, nitrognio e magnsio. Assim, alm de nematicida, h a vantagem adicional de ser um timo adubo. Concludos os vrios experimentos programados para casa-de-vegetao, cujos resultados e respectivas referncias bibliogrficas foram acima citados, a primeira etapa do projeto teve prosseguimento e concluso com trs experimentos realizados em condies de campo, em reas naturalmente infestadas de nematides das galhas. Estes experimentos (3, 4, 8), estabelecidos em trs diferentes zonas fisiogrficas do nordeste do Brasil, foran direcionados no sentido de esclarecer qual a dosagem adequada de manipueira para efeito de tratamento de solos infestados de nematides fitoparasitos. Os resultados ento obtidos fundamentaram as seguintes concluses: a) por m2 de terreno, a dosagem mnima necessria a de 4 L de manipueira a 50%, o equivalente a 2 L de manipueira + 2 L de agua (4, 8); b) por metro de sulco (linha de cultivo), a dosagem mnima a de 2 L de manipueira a 50% (3).

UTILIZAO DA MANIPUEIRA COMO INSETICIDAEsta segunda fase do projeto teve incio em 1988, mediante um teste preliminar conduzido por Ponte et al (9) e envolvendo o controle de cochonilhas de carapaa marron (Coccus hesperidium L.). Na oportunidade, uma nica pulverizao com manipueira pura, sobre algumas copas de limoeiro-galego (Citrus aurantifolia Swingle) praguejadas por tais cochonilhas, foi suficiente para eliminar quase toda a populao desses coccdeos. Alm de outros testes bem sucedidos e envolvendo, inclusive, insetos-praga de maior porte -por exemplo, as lagartas-peludas (Agraulis spp.) das passiflorceas-, Ponte e Santos(10) concluram, recentemente, um experimento que comprova a elevada potencialidade inseticida da manipueira; com efeito, os citados autores controlaram duas importantes pragas da citricultura -o pulgo negro (Toxoptera citricidus (Kirk)) e a cochonilha escamafarinha (Pinnaspis aspidistrae (Sing))- usando trs diferentes concentraes de manipueira: 50, 75 e 100%; nestas trs concentraes, o composto revelou-se to eficiente quanto o inseticida comercial (parathion-metilico) usado como testemunha, alm de muito mais econmico do que este. Mais recentemente, os mesmos autores (trabalho ainda no publicado) usaram a manipueira no tratamento de um plantio de tomateiros de dois meses de idade, j severamente atacado pela traa (Scrobipalpula absoluta (Meirick)), uma das mais importantes pragas da cultura no nordeste brasileiro. Em razo da sensibilidade do tomateiro ao composto, a manipueira foi aplicada em diluio menos concentrada (1:4). Mesmo assim, houve controle absoluto da praga, com apenas duas pulverizaes, espaadas de 15 d. luz das pesquisas j desenvolvidas durante esta segunda etapa do projeto, pode-se concluir, em resumo, que: a) a manipueira, como inseticida, pode ser usada pura (sobre rvores adultas) ou diluda em 1 a 4 partes de gua, dependendo a diluio da sensibilidade

da planta e do inseto ao composto; b) adicionar manipueira a ser pulverizada sobre a planta uma pequena poro (1 a l.5%) de acar ou farinha de trigo, para garantia de melhor aderncia; c) fazer duas ou trs pulverizaes, espaadas de 12 a l5 d.

NOVAS FRONTEIRASJa teve incio, a partir de 1991, a terceira etapa do projeto, durante a qual ser investigada uma possvel ao fungicida da manipueira. Neste sentido, os dois primeiros experimentos j foram montados. Em um destes experimentos, o composto est sendo avaliado como fungicida de folhagem, no controle curativo de odios (Oidium spp.); no outro, como fungicida de solo, no controle de patgenos do gnero Fusarium. Paralelamente, pretende-se aprofundar os estudos sobre o aproveitamento da manipueira como fertilizante do solo. Franco e Ponte (2) j demonstraram tal serventia da manipueira: plantas de milho (Zea mays L.), em solo tratado, apresentaram, em confronto com o milho cultivado em solo no tratado, crescimento e peso verde significativamente superiores (respectivamente, 20 e l00% a mais). No momento, na Universidade Federal do Cear, est sendo desenvolvido um estudo -tese de ps-graduao orientada pelo autor deste artigoobjetivando avaliar o aproveitamento da manipueira como adubo foliar, usando-a em dosagens bem diludas (1:6, 1:8 e 1:10), mediante pulverizaes semanais; os resultados parciais at agora coletados tm sido muito promissores, com as plantas de tomate tratadas superando amplamente as testemunhas. A composio qumica da manipueira, conforme anlise estampada no Quadro 3, sustenta a potencialidade do composto como adubo, haja vista sua riqueza em potssio, nitrognio, magnsio, fsforo, clcio e enxofre (por ordem quantitativa), alm de ferro e micronutrientes em geral. Por outro lado, a presena de cianetos explica os efeitos nematicida e inseticida inerentes manipueira. Quadro 3.(1) Composio qumica da manipueira.Competente Nitrognio (N) Fsforo (P) Potssio (K) Clcio (Ca) Magnsio (Mg) Enxofre (S) Ferro (Fe) Zinco (Zn) Cobre (Cu) Mangans (Mn) Boro (B) Cianeto livre (CN- ) Cianeto total (CN) Quantidade (ppm) 425.5 259.5 1.863.5 227.5 405.0 l95.0 15.3 4.2 11.5 3.7 5.0 42.5 604.0(2)

(1) Valor medio de vrias determinaes. (2) 55.0 mg/l (em mdia).

MANIPUEIRA o lquido de aspecto leitoso e cor amarelo-claro que escorre de razes carnosas da mandioca (Manihot esculenta Crantz), por ocasio da prensagem das mesmas, com vista obteno da fcula ou da farinha de mandioca. , portanto, um subproduto ou resduo da industrializao da mandioca, que fisicamente se apresenta na forma de suspenso aquosa e, quimicamente, como uma miscelnea de compostos que se prestam como macro e micronutrientes vegetais. - Recomendaes de uso Acaricida - manipueira diluda em gua (uma parte de manipueira para duas partes de gua) no mnimo, trs pulverizaes foliares, a intervalos semanais. Adubo foliar - manipueira diluda em gua (uma parte de manipueira para quatro partes de gua) - seis pulverizaes foliares, a intervalos semanais. Inseticida manipueira diluda em igual volume de gua (uma parte de manipueira para uma parte de gua) - trs pulverizaes foliares, a intervalos semanais. Carrapaticida controle de carrapatos de bovinos manipueira + leo de mamona (uma parte de manipueira, uma parte de leo de mamona, para duas partes de gua), em 3 aplicaes a intervalos semanais. Fungicida controle de odios e ferrugens 100 ml de manipueira anteriormente diluda em igual volume de gua) + 1g de farinha de trigo. Nematicida controle de nematides formadores de galhas (Meloidogyne spp) 1 litro de manipueira diluda em igual volume de gua para 6 litros de solo infestado. Deixar o solo em repouso no mnimo por 8 dias e revolv-lo para plantio.

ALHO

Indicao - o extrato do alho pode ser utilizado na agricultura como defensivo agrcola, tendo ampla ao contra pragas e molstias. Segundo vrios pesquisadores, quando adequadamente preparado tem ao fungicida, combatendo doenas como mldio e ferrugens; tem ao bactericida e controla insetos nocivos como a lagarta da ma, pulgo, etc. Sua principal ao de repelncia sobre as pragas, sendo inclusive recomendado o plantio intercalado de certas fruteiras como a macieira, para repelir pragas. Caractersticas e preparo - no Brasil o uso do alho est restrito ainda a pequenas reas, como na agricultura orgnica, enquanto que em outros pases como nos Estados Unidos, pela possibilidade de empregar o leo de alho, obtido atravs de extrao industrial, j possivel empreg-lo em larga escala em cultivos comerciais. Uma frmula para o preparo de um defensivo com alho compreende a mistura de 1,0 kg de alho + 5,0 litros de gua + 100 gramas de sabo + 20 colheres (de caf) de leo mineral. Os dentes de alho devem ser finamente modos e deixados repousar por 24 horas, em 20 colheres de leo mineral. Em outro vasilhame, dissolve-se 100 gramas de sabo (picado) em 5 litros de gua, de preferncia quente. Aps a dissoluo do sabo, mistura-se a soluo de alho. Antes de usar, aconselhavel filtrar e diluir a mistura com 20 partes de gua. As concentraes so variveis de acordo com o tipo de pragas que se quer combater (Stoll, 1989). Quando pulverizado sobre as plantas depois de 36 horas no deixa cheiro nos produtos agrcolas.

CH DE CAVALINHA (Equisetum arvense ou E. giganteum)Indicao - muito indicada e empregada na horticultura orgnica para aumentar a resistncia das plantas contra insetos nocivos em geral. Preparo e aplicao - ingredientes: 100 gramas de cavalinha seca ou 300 gramas de planta verde; 10 litros de gua para macerao e 90 litros de gua para diluio. Preparo: ferver as folhas de cavalinha em 10 litros de gua por 20 minutos. Diluir a calda resultante em 90 litros de gua. Aplicao: regar ou pulverizar as plantas, alternando com a urtiga. Fonte: Geraldo Deffune, 1992.

CONFREIIndicao - combate a pulges em hortalias e frutferas e como adubo foliar.

Preparo e aplicao - ingredientes: 1,0 kg de confrei e gua para diluio. Preparo: utilizar o liqidificador para triturar 1 quilo de folhas de confrei com gua ou ento deixar em infuso por 10 dias. Acrescentar 10 litros de gua. Aplicao: pulverizar periodicamente as plantas.

CRAVO DE DEFUNTO (Tagetes sp)Indicao - combate a pulges, caros e algumas lagartas. Preparo e aplicao - ingredientes: 1 kg de folhas e/ou talo de cravo-de-defunto e 10 litros de gua. Preparo: misturar 1 quilo de folhas e/ou talos de cravo-de-defunto em 10 litros de gua. Levar ao fogo e deixar ferver durante meia hora ou ento deixar de molho (picado) por dois dias. Aplicao: Coar o caldo obtido e pulverizar as plantas atacadas.

PIMENTA MALAGUETAIndicao - a pimenta (vermelha ou malagueta) pode ser empregada como um defensivo natural em pequenas hortas e pomares. Tem boa eficincia quando concentrada e misturada com outros defensivos naturais, no combate a pulges, vaquinhas, grilos e lagartas. Obedecer um perodo de carncia mnima de 12 dias da colheita, para evitar obter frutos com forte odores. Receita 1 - ingredientes: 50 g de fumo de rolo, picado + 1 punhado de pimenta vermelha + 1 litro de lcool + 250 g de sabo em p. Preparo: dentro de 1 litro de lcool, coloque o fumo e a pimenta, deixando essa mistura curtir durante 7 dias. Para usar essa soluo, dilua o contedo em 10 litros de gua contendo 250 gramas de sabo em p dissolvido ou ento, detergente, de modo que o inseto grude nas folhas e nos frutos. No caso de hortalias e medicinais, aconselha-se respeitar um intervalo mnimo de 12 dias antes da colheita. Receita 2 - ingredientes: 500 g de pimenta vermelha (malagueta) + 4 litros de gua + 5 colheres (sopa) de sabo de coco em p. Preparo: bater as pimentas em um liqidificador com 2 litros de gua at a macerao total. Coar o preparado e misturar com 5 colheres (sopa) de sabo de coco em p, acrescentando ento os 2 litros de gua restantes. Aplicao: pulverizar sobre as plantas atacadas.

PRIMAVERA/MARAVILHA(Bougainvillea spectabilis / Mirabilis jalapa) Indicao - mtodo eficiente para imunizar mudas de tomate contra o vrus do vira cabea do tomateiro. Preparo de aplicao - utilizar a quantidade de 1 litro de folhas maduras e lavadas de primavera ou maravilha (rosa ou roxa) e 1 litro de gua. Juntar estes ingredientes e bater no liqidificador. Coe com pano fino de gaze e dilua em 20 litros de gua. Pulverize imediatamente (em horas frescas). No pode ser armazenado. Aplicar em mudas de tomateiros 10 dias aps a germinao (2 pares de folhas) e repetir a cada 2 a 3 dias at a idade de 45 dias.

URTIGAIndicao - planta empregada na agricultura orgnica, prinicipalmente na horticultura para aumentar a resistncia e no combate a pulges. Preparo e aplicao - Ingredientes: 500 g de urtiga fresca ou 100g de urtiga seca e 10 litros de gua. Preparo: Colocar 500 gramas de urtiga fresca ou 100 gramas de urtiga seca em 10 litros de gua por dois dias ou ento deixar curtir por quinze dias. Aplicao: a primeira forma de preparo para aplicao imediata sobre as plantas atacadas. A segunda, deve ser diluda, sendo uma parte da soluo concentrada para 10 partes de gua.

CINZASCinzas - a cinza de madeira um material rico em potssio, muito recomendado na literatura mundial para controle de pragas e at algumas doenas. Pode ser aplicado na mistura com outros produtos naturais. Receita 1 - Para o combate a lagartas e vaquinhas dos meles. Preparo e aplicao: Testar nas condies locais a seguinte frmula: 0,5 copo de cinza de madeira, 0,5 copo de cal virgem e 4 litros de gua. A cinza deve ser colocada antes em gua, deixando repousar pelo menos 24 horas, coada, misturada com a cal virgem hidratada e pulverizada. Para o preparo de maiores quantidades de calda, pode ser preparado: 1 kg. de cinza de madeira + 1 kg de cal e 100 litros de gua. A adio de soro de leite (1 a 2%) na mistura de cinza com gua pode favorecer o seu efeito no combate contra pragas e molstias. Receita 2 - Para combater insetos sugadores e larva minadora. Preparo e aplicao: testar nas condies locais a receita: 0,5 kg de cinzas de madeira, deixando descansar 24 horas em 4 litros de gua. Coar e acrescentar seis colherinhas (caf) de querosene. Misturar e aplicar preventivamente.

FARINHA DE TRIGOIndicao - a farinha de trigo de uso domstico pode ser efetiva no controle de caros, pulges e lagartas em horta domsticas e comunitrias. Preparo e Aplicao: o seu emprego favorvel em dias quentes e secos, com sol. Aplicar de manh em cobertura total nas folhas. Mais tarde, as folhas secando com o sol, forma uma pelcula que envolve as pragas e caem com o vento. Ela pode ser pulverizada em vegetais sujeitos ao ataque de lagartas. Preparo: diluir 1 colher de sopa (20 g) em 1,0 litro de gua e pulverize nas folhas atacadas. Repetir depois de 2 semanas.

LEITEIndicao - o leite na sua forma natural ou como soro de leite indicado para controle de caros e ovos de diversas lagartas, atrativo para lesmas e no combate de vrias doenas fngicas e virticas. O seu emprego recomendado para hortas domsticas e comunitrias. Preparo e recomendaes: um dos mtodos recomendados, diluir 1 litro de leite em 3 a 10 litros de gua e pulverizar as plantas. Repetir depois de 10 dias para doenas e 3 semanas quando aplicado contra insetos. A mistura de leite azedo com gua e cinza de madeira, citado como efetivo no controle de mldio. H indicaes do uso do leite como atrativo para lesmas. Distribuir no cho, ao redor das plantas, estopa ou saco de amiagem molhado com gua e um pouco de leite. De manh, virar a estopa ou o saco utilizado e matar as lesmas que se reuniram embaixo. Pode ser utilizado como fungicida no pimento, pepino, tomate, batata. Sem contra-indicao para hortalias. Preparar mistura com: 2,5 litros de leite, 1,5 kg de cinza de madeira, 1,5 kg de esterco fresco de bovino e 1,5 kg de acar. Aplicar no tomate a cada 10 dias, aplicar no caf a cada 15 a 30 dias.

SABO E SUAS MISTURASIndicao - o sabo (no detergente) tem efeito inseticida e quando acrescentado em outros defensivos naturais pode aumentar a sua efetividade. 0 sabo sozinho tem bom efeito sobre muitos insetos de corpo mole como: pulgo, lagartas e mosca branca. A emulso de sabo e querosene um inseticida de contato, que foi muito empregado no passado, contra insetos sugadores, sendo indicada para combate aos pulges, caros e cochonilhas. Caractersticas de emprego: o preparo mais comum consiste em dissolver, mexendo bem, 50 gramas de sabo (picado) para 2 at 5 litros de gua quente. A soluo feita com sabo tem boa adesividade na planta e no inseto praga. Pulverizar sobre as folhagens e pragas. Nas plantas delicadas e rvores novas, no vero ou perodos quentes, utiliza-se a soluo de sabo e querosene bem diluda, ou seja, uma parte para 50 a 60 partes de gua. Depois de preparada a emulso deve ser aplicada dentro de um ou dois dias, para evitar a separao do querosene, o que acarretaria queimaduras nas folhagens. No inverno, em plantas caducas, utiliza-se dosagens mais concentradas, assim como a pincelagem do tronco contra cochonilhas.

Receita 1 - para o controle de cochonilhas e lagartas. Ingredientes: 50 g de sabo de coco em p + 5 litros de gua. Preparo: Coloque 50 g de sabo de coco em p em 5 litros de gua fervente. Aplicao: essa soluo deve ser pulverizada freqentemente no vero e na primavera. Receita 2 - para o combate de pulges, cochonilhas e lagartas. Ingredientes: 1 colher (sopa) de sabo caseiro + 5 litros de gua. Preparo: utilize uma colher (sopa) de sabo caseiro raspado e misture em 5 litros de gua agitando bem at dissolver o mesmo. Aplicao: essa calda deve ser aplicada sobre as plantas com o auxlio de pulverizador ou regador. Receita 3 - para o combate a pulges, caros, brocas, moscas da fruta e formigas. Ingredientes: 1 kg de sabo picado + 3 litros de querosene + 3 litros de gua. Preparo: derreta o sabo picado numa panela com gua. Quando estiver completamente derretido, desligue o fogo e acrescente o querosene mexendo bem a mistura. Aplicao: em seguida, para a sua utilizao, dissolva 1 litro dessa emulso em 15 litros de gua, repetindo a aplicao com intervalos de 7 dias. No caso de hortalias e medicinais, aconselha-se respeitar um intervalo mnimo de 12 dias antes da colheita. Receita 4 - como inseticida de contato para sugadores: caros, pulges e cochonilhas. Ingredientes : 500 g de sabo + 8 litros de querosene + 4 litros de gua. Preparo a quente: ferver e dissolver o sabo picado em 4 litros de gua. Retirar do fogo e dissolver vigorosamente 8 litros de querosene, com a mistura ainda quente. Mexer vigorosamente a mistura quente, at formar uma emulso perfeita. Aplicao: diluir para cada parte do produto 10 a 60 partes de gua.

NIMO Nim ou Amargosa (Azadirachta indica A. Juss) uma planta que pertence famlia Meliaceae, de origem asitica, muito resistente e de rpido crescimento, alcanando normalmente de 10 a 15 m de altura e produzindo uma madeira avermelhada, dura e resistente. Contudo, no so as suas caractersticas botnicas as que mais despertam o interesse de agricultores em todo o mundo. O que chama a ateno desses agricultores o contedo de azadirachtina da planta, um princpio ativo que vem demonstrando alta eficcia no combate a diversas pragas e doenas que atacam plantas e animais. Segundo o pesquisador Hlcio Abreu Jr., o alto poder inseticida da planta permite alcanar at 90% de sucesso no controle agroecolgico com os extratos de Nim, com a vantagem de no se afetar os inimigos naturais (predadores, parasitas e entomopatgenos). Desta forma, possvel manter a populao de pragas em nveis baixos, fora do nvel de dano econmico. Atravs do cultivo do NIM em sua propriedade, o produtor pode reduzir muitos dos seus custos e ainda garantir uma renda extra atravs da extrao do seu leo a partir dos

seus frutos e do seu extrato atravs das suas folhas. Com 10 anos o NIM j atinge o ponto de corte e o valor da sua madeira bem elevado. No quadro a seguir, so apresentados alguns exemplos do potencial de controle do Nim: Cultura/Criao Acerola Caf Feijo Gado Leiteiro Milho Pepino Plantas Medicinais Tomate Produto do Nim leo leo / extrato da folha extrato da folha extrato da folha extrato da folha leo leo brasileirinho leo / extrato da folha Pragas Controladas pulgo, cochonilha, caro broca, bicho mineiro, ferrugem ferrugem carrapato, berne e mosca do chifre lagarta do cartucho trips, pulges mosca branca, pulges, caros mosca branca, trips, pulgo, broca pequena, fungos do gnero Phytophtora

Por fim, preciso ressaltar que embora no haja perodo de carncia para esses produtos, e os produtos base do Nim tenham baixa toxicidade para mamferos, foi comprovada a toxicidade dos mesmos para os peixes, devendo ser utilizados com bastante cuidado em propriedades que pratiquem a piscicultura. Em outras palavras, nenhum insumo agroecolgico por mais inofensivo que seja, deve ser utilizado sem o acompanhamento criterioso de um profissional (agrnomo, veterinrio ou zootecnista capacitado).

NEEM (NIM) (Azadirachta indica)Indicao: pragas de hortalias, traas, lagartas, pulges, gafanhotos, etc. Recomendada como inseticida e repelente de pragas em geral. uma das plantas de maior potencial no controle de pragas, atuando sobre 95% dos insetos nocivos. J utilizada comercialmente em vrios pases do mundo. Tem como princpio ativo Azadiractina, podendo ser aproveitado as suas folhas e frutos para extrair esse ingrediente ativo de largo emprego inseticida. Nas doses recomendadas um produto sem efeitos de toxicidade ao homem e aos animais.

Receitas - leo de Nim empregado na dosagem de 0,5% (0,5 litro em 100 litros de gua) pulverizado sobre as folhagens e frutos. No caso do emprego de sementes, o procedimento o seguinte: 25-50 g de sementes modas (amarradas em um pano); 1 litro de gua, deixando repousar por 1 dia. Indicao: lagarta do cartucho, lagarta das hortalias, gafanhoto. 5 Kg de sementes secas e modas; 5 litros de gua e 10 g de sabo. Colocar os 5 quilos de sementes de Neem modas em um saco de pano, amarrar e colocar em 5 litros de gua. Depois de 12 horas, espremer e dissolver 10 gramas de sabo neste extrato. Misture bem e acrescente gua para obter 100 litros de preparado. Aplique sobre as plantas infestadas, imediatamente aps preparado. O prensado de Neem pode ser utilizado misturando-se com o solo na base de 1 a 2 t/ha. Esta medida protege as beringelas contra minadoras e tomates contra nematides e septorioses.

NIM (AZADIRACHTA INDICA) uma planta do gnero das Meliaceae, cuja origem provvel a ndia e o sul da sia, onde muito utilizada para fins medicinais e como pesticida. Tem grande potencial para ser empregada na agricultura devido sua ao inseticida sobre a maioria dos insetos-pragas. No Brasil, j se encontra em formas comerciais leo de suas sementes e extratos de folhas para pulverizaes foliares. recomendado no controle de: - gorgulho (Sitophilus zeamais) leo de nim a 2% (20 ml/l) - vaquinha (Ceratoma tingomarianus) extrato aquoso de folhas de nim a - pulgo (acerola) leo de nim a 0,5% (5 ml/l) - Zabrotes subfasciatus do feijoeiro leo de nim (2ml) + leo safrol (2ml) sementes - mosca branca (Bemisia argentifolii) leo de nim (3 a 6% - 30 a 60 ml/l) nim a 4%(40ml/l) + 1% de sabo neutro. para 200 7% (70 ml/l)

ou leo de

ALHO E CAVALINHAAcrescentar em 100 mililitros de gua 20 gramas de alho amassado, deixando em infuso por 24 horas. Paralelamente, fazer outra infuso com 10 g de folhas de cavalinha, em 100 ml de gua. Misturar as duas solues, coar e aplicar, nesta proporo, nas plantas atravs de pulverizaes foliares. indicado para o controle do mldio em pepino.

CINAMOMO OU SANTA BRBARA (MELIA AZEDARACH - FAMLIA MELIACEA)Extrato aquoso de folhas e frutos de Cinamomo a 10% (macerar 10 g de folhas e frutos de Cinamomo em 100 ml de gua. Deixar em infuso por 24 horas, coar e pulverizar, semanalmente). Controle de pulges do feijoeiro.

CALDA SULFOCLCICAResultado de uma reao corretamente balanceada entre o clcio e o enxofre dissolvidos em gua e submetidos fervura, constituindo uma mistura de polissulfetos de clcio. Foi preparada pela primeira vez no ano de 1852, por Grison. Alm do seu efeito fungicida, exerce ao sobre caros, cochonilhas e outros insetos sugadores, tem tambm ao repelente sobre brocas que atacam tecidos lenhosos. - Ingredientes (Para preparar 20 litros de calda) 5 kg de enxofre 2,5 kg de cal virgem - Modo de preparo Em tambor de ferro ou lato sobre forno ou fogo, adicionar vagarosamente a cal virgem a 10 litros de gua, agitando constantemente com uma p de madeira. No incio da fervura, misturar vigorosamente o enxofre previamente dissolvido em gua quente e colocar o restante da gua, tambm pr-aquecida. Ferver uma hora e quando a calda passar da cor vermelha para a pardo-avermelhada estar pronta. Aps o resfriamento, dever ser coada em pano ou peneira fina para evitar entupimento dos pulverizadores, sendo que a borra restante poder ser empregada para caiao de troncos de arbreas. A calda pronta deve ser estocada em recipiente de plstico opaco ou vidro escuro e armazenada em local escuro e fresco, por um perodo relativamente curto, sendo ideal sua utilizao at, no mximo, 60 dias aps a preparao. Antes da aplicao sobre as plantas, atravs de pulverizaes foliares, a calda concentrada deve ser diluda. Para controlar essa diluio, determina-se a densidade atravs de um densmetro ou aermetro de Baum com graduao de 0 a 500 B (graus de Baum), sendo considerada boa a calda que apresentar densidade entre 28 a 320 B. - Recomendaes de uso Hortalias pulverizaes foliares quinzenais a 1% (10 ml /litro).

Culturas perenes aps manifestaes de sintomas, realizar pulverizaes foliares quinzenais a 1%. Observaes: a Calda Sulfoclcica fitotxica para as cucurbitceas, e tambm para outras espcies de plantas quando a temperatura for elevada. O uso rotineiro da calda Sulfoclcica requer certos cuidados que so a seguir listados: 1 - a qualidade e a pureza dos componentes da calda determinam sua sendo que a cal no deve ter menos que 95% de CaO; eficcia,

2 - a calda alcalina e altamente corrosiva. Danifica recipientes de metal, roupas e a pele. Aps manuse-la, necessrio lavar bem os recipientes e as mos com uma soluo a 10% (100ml/l) de suco de limo ou de vinagre em gua; 3 - a calda sulfoclcica pode ser fitotxica para muitas plantas, principalmente quando a temperatura ambiente elevada, sendo conveniente test-la antes de emprego em maior escala e sempre preferir efetuar os tratamentos tardinha; 4 - utilizar equipamento de proteo individual quando das realizaes das pulverizaes; 5 - no descartar os excedentes em nascentes, cursos dgua, audes ou poos; 6 - Aps aplicao de caldas a base de cobre (Bordalesa e Viosa), respeitar o intervalo mnimo de 20 dias para tratamento com sulfoclcica.

CALDA BORDALESA uma suspenso coloidal, de cor azul celeste, obtida pela mistura de uma soluo de sulfato de cobre com uma suspenso de cal virgem ou hidratada. Acredita-se que foi usada pela primeira vez na Europa no ano de 1800 para controle de doenas de origens fngicas.

- Ingredientes (Para preparar 100 litros de calda a 1%) 1 kg de sulfato de cobre em pedra moda ou socada 1 kg de cal virgem 100 litros de gua - Modo de preparo O sulfato de cobre deve ser colocado em um saco de pano poroso, deixado imerso em 50

litros de gua por 24 horas, para que ocorra total dissoluo dos cristais. Em outro vasilhame procede-se a queima ou extino da cal em pequeno volume dgua; a medida que a cal reagir, vai-se acrescentando mais gua at completar 50 litros. Em um terceiro recipiente de cimento-amianto ou plstico, devem ser misturados vigorosamente os dois componentes ou acrescentar-se o leite de cal soluo de sulfato de cobre, aos poucos, agitando fortemente com uma pea de madeira. Aps o preparo deve-se medir o pH da calda, atravs de peagmetro ou papel de tornassol. A reao cida indesejvel, porque provoca fitotoxicidade decorrente do sulfato de cobre livre, formando-se rapidamente um precipitado que prejudica a aplicao. Assim a reao deve ser neutra ou, de preferncia, levemente alcalina. Caso seja necessrio elevar o pH, deve-se adicionar mais leite de cal calda. necessrio coar antes das pulverizaes. Nesta fase a calda j est pronta para uso, no havendo necessidade de diluio. A recomendao de uso a mesma que para a calda de Viosa. O uso rotineiro da calda bordalesa deve obedecer a certos requisitos, a seguir relacionados:

1 - O sulfato de cobre deve possuir, no mnimo, 98% de pureza e a cal no deve conter menos que 95% de CaO; 2 - a calda deve ser empregada logo aps o seu preparo ou no mximo dentro de 24 horas; quando estocada pronta, perde eficcia com rapidez; 3 - aplicar a calda somente com tempo claro e seco; 4 - os recipientes de plstico, madeira ou alvenaria so os mais indicados, porque no so atacados pelo cobre e pela cal; 5 - utilizar equipamento de proteo individual quando da realizao das pulverizaes; 6 - no descartar excedentes em nascentes, cursos dgua, audes ou poos; 7 - obedecer intervalos de 15 a 25 dias entre aplicaes de calda sulfoclcica e de calda bordalesa.

CALDA DE VIOSAFoi desenvolvida a partir da calda bordalesa pela Universidade Federal de Viosa. recomendada para controle de diversas doenas: antracnose em cucurbitceas; cercosporiose em beterraba e cafeeiro; mancha de alternria e requeima em tomateiro; mldios e manchas foliares em abobrinha, alface, alho, cebola, chicria, couve, cucurbitceas e podrido de esclerotinia em alface e chicria. Em culturas perenes, tambm exerce controle satisfatrio de doenas de origem fngica que ocorrem na parte area das plantas e por ser complementada com sais minerais (cobre, zinco, magnsio e boro) tambm funciona como adubo foliar. Ingredientes (Para preparar 100 litros de calda) 500 g de cal virgem 200 g de cido brico 500 g de sulfato de cobre 800 g de sulfato de magnsio 200 g de sulfato de zinco 400 g de uria* *para uso em agricultura orgnica no permitido o uso da uria - Modo de preparo Para a preparao de 100 litros da calda necessrio dissolver 500 g de cal virgem em 50 litros de gua ; Em outro recipiente so dissolvidos: 200 g de cido brico, 500 g de sulfato de cobre, 800 g de sulfato de magnsio, 200 g de sulfato de zinco e 400 g de uria em outros 50 litros de gua. A seguir, num terceiro recipiente, adiciona-se esta mistura dos sais, sob forte agitao, gua de cal previamente preparada. No necessrio diluir. - Recomendaes de uso Hortalias tratamento preventivo, atravs de pulverizaes foliares quinzenais. Culturas perenes - realizar pulverizaes foliares quinzenais aps as manifestaes dos sintomas das doenas. Observao: Devem ser tomados os mesmos cuidados indicados para as caldas bordalesa e sulfoclcica.

PIMENTA DO REINO, ALHO E SABOPrepara-se uma garrafada com 100g de pimenta do reino e 1 litro de lcool; deixa-se repousar por 1 semana. Paralelamente, fazer outra garrafada com 100g de alho amassado e 1 litro de lcool. Uma semana aps, dissolver 50 g de sabo neutro em 1 litro de gua quente. No momento da aplicao, misturar as trs substncias coadas nas seguintes propores: 200 ml da garrafada de pimenta + 100 ml da garrafada de alho + toda a soluo de sabo. Dissolver a mistura para 20 litros de gua. A pulverizao deve ser feita nas horas mais frescas do dia . Recomendado para controle das pragas das solanceas.

TIMB (DERRIS SP)P de folhas de timb para o controle de formigas cortadeiras (Atta spp.). Adicionar 10g do produto diretamente dentro do olheiro principal do formigueiro.

EXTRATO PIROLENHOSO um sub-produto orgnico resultante da condensao da fumaa expelida no processo de carbonizao de madeira ou bambu. Segundo informaes populares, este produto tem ao repelente sobre determinados insetos pragas e previne algumas doenas de plantas. Entretanto, ainda no se tem resultados de pesquisas oficiais no Brasil quanto s melhores dosagens e limitaes de uso.

FARINHA DE SEMENTES OU COM FOLHAS DE GERGELIMIsca com farinha de sementes ou de folhas secas e modas de gergelim (30g de sementes ou folhas misturadas com 70g de material inerte - gesso ou talco ). Adicionar 10g do produto diretamente dentro do olheiro principal do formigueiro.

DETERGENTE NEUTROO detergente neutro poder ser utilizado para controle de formas adultas de mosca-branca. Dilua 0,5 a 1,0 de detergente neutro e pulverize as plantas atacadas.

DICAS PARA ESPANTAR AS FORMIGASQuando a populao de formigas no jardim ou horta aumenta muito, chegando a prejudicar as plantas, hora de agir. Mas, nem sempre preciso lanar mo de produtos qumicos. Existem mtodos naturais e caseiros que funcionam. Para combater as formigas diretamente no local, existem algumas receitas muito simples: O plantio de plantas repelentes: em hortas, principalmente, o plantio de cebolinha verde em todo o contorno, costuma ser bem eficaz. Outras opes interessantes tambm para os

jardins so o plantio de menta, lavanda, manjerona, alho, coentro e losna. Sementes de gergelim espalhadas no canteiro ou no caminho das formigas tambm costuma dar bons resultados. Para evitar que as formigas ataquem arbustos e rvores: recomenda-se o uso do suco de pimenta vermelha. Amasse bem algumas pimentas vermelhas, at fazer um suco grosso. Molhe um pano neste suco e amarre em volta do caule da planta ou pincele o tronco. E dentro de casa: o coentro e as pimentas em geral podem ser usados dentro de casa sob a forma de sachs amarrados s plantas. Se voc achou o formigueiro no jardim: coloque suco e cascas de limo na entrada do formigueiro. E se elas tambm j esto atacando seus armrios: espalhe cravos-da-ndia dentro deles para espantar as formigas.

OLO MINERALIngredientes: 2 litros de gua 1 kg de sabo comum (em pedra ou lquido) 8 litros de leo mineral Modo de fazer: Pique o sabo (se for em pedra), misture com o leo e a gua e leve ao fogo, mexendo sempre, at que levante fervura. A mistura vai adquirir a consistncia de uma pasta. Guarde em um pote bem tampado e na hora da aplicao, dissolva cerca de 50g pasta em gua morna e dilua tudo em 3 litros de gua. Controle: Cochonilhas MACERADO DE URTIGA Ingredientes: 11 litros de gua 100 g de folhas frescas de urtiga (use luvas para manusear a planta, pois ela causa irritaes na pele). Modo de fazer: Misture as folhas de urtiga em um litro de gua. Deixe a infuso agir por 3 dias, mantendo-a em um local seco e meia-sombra. Coe e dilua o extrato em 10 litros de gua. Este preparado pode ser armazenado por alguns dias (em local seco e arejado) para pulverizaes preventivas nas plantas a cada 15 dias. Controle: Pulges

ANGICO Ingredientes: 100 g de folhas de angico 1 litro de gua Modo de fazer: Coloque as folhas de angico de molho na gua por cerca de 10 dias, misturando diariamente. Coe o ch e guarde em uma garrafa tampada. Quando for utilizar em pulverizaes, dilua uma parte do extrato em 10 partes de gua. Controle: LAGARTAS

CONTROLE DO CARO DO COQUEIROFazer trs aplicaes em intervalos de 21 dias ou, se o ataque for muito grave, 15 dias com a seguinte mistura: 300 ml de leo de algodo 200 ml de detergente neutro 20 l de gua O uso desses produtos chega a reduzir de maneira significativa o ataque do caro. Visitar regularmente o pomar para verificar a existncia de pragas.

Recommended

View more >