contribuiÇÕes sociais. destinaÇÃo especÍfica das fesdt.org.br/web2012/docs/palestras/  · •

Download CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS fesdt.org.br/web2012/docs/palestras/  · •

Post on 13-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

CONTRIBUIES SOCIAIS. DESTINAO ESPECFICA

DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE

Paulo Ayres Barreto

Contribuies e destino do produto arrecadado

Crescente processo de desvinculao / desvio do produto arrecadado.

Dificuldade no controle da destinao.

Manuteno dos valores arrecadados como reserva de contingncia.

Regra-matriz da despesa pblica

Contribuio e destino do produto arrecadado

- Desvio na CPMF

- Sub-utilizao dos recursos da CIDE-combustvel

- No utilizao dos recurso da Contribuio ao FUST (reserva de contingncia)

___________________________________ Cf. Pesquisa efetuada na Fundao Getlio Vargas, por Tathiane dos

Santos Piscitelli e Andra Mascitto

Direito Comparado

Contribuio na doutrina estrangeira:(ii) natureza tributria;(iii) atividade estatal (no necessariamente

qualificada como o fato que compe o antecedente na norma geral e abstrata tributria);

(iv) vantagens ou benefcios decorrentes desta atividade estatal para o contribuinte;

(v) vinculao do produto da arrecadao atividade a ser financiada.

Contribuies no Brasil:dificuldade de sistematizao

O direito positivo

Divergncias doutrinrias - Acepes

Jurisprudncia Vacilante

Contribuies no Brasil: Dificuldade de Sistematizao

Direito Tributrio e Direito Financeiro

Investigao de cunho cientfico em matria tributria encerra-se com a extino do crdito tributrio?

Limites atuao do poder de reforma da constituio

Contribuies: traos tpicos

Parte que cabe a cada um em certa despesa ou encargo comum;

a atividade estatal dever ser voltar para o grupo de pessoas instado a contribuir para o rgo, fundo ou despesa;

vantagem ou benefcio que vincule aquele que suporta o custo ou despesa (contribuinte), em relao atividade a ser desenvolvida pelo Estado;

Contribuies: traos tpicos

existncia de uma necessria correlao entre o custo da atividade estatal e o montante a ser arrecadado;

o produto da arrecadao deve, necessariamente, ser aplicado na finalidade que deu causa instituio da contribuio.

Limites formais

Legalidade

Irretroatividade

Anterioridade

Limites materiais

Compatibilidade entre causa e o fim

almejado

Necessidade

Adequao

Limites quantitativos

Paralelo com a taxa

A receita destinada ao custeio da

atividade estatal deve ser compatvel com

o custo dessa atividade

Relevncia do oramento

Estruturas Normativas

Regra matriz de Incidncia

Norma que vincula a destinao

Norma Oramentria

Necessidade do atendimento s trs estruturas normativas

Previso Oramentria:Exigncia Constitucional

Art. 167, I da CF. Vedado o incio de programa ou projeto no includo na Lei oramentria.

Daniel Peixoto: Sem lei oramentria, falta regra de destinao eficcia tcnico-sinttica . 1

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

1- Desvio de Finalidade das Contribuies da Interveno no Domnio Econmico. Artigo Indito.

Tribunal de Contas da Unio

Acrdo 483-06/TCU

Determina a no alocao de recursos a outros programas que no os que motivaram a criao da CIDE-Combustvel

Acrdo n 2148/2005 Fust (Universalizao dos servios de comunicao)- Aplicao quase integral em reserva de contingncia

revela que no h poltica integrada nem prioridade - para as iniciativas de incluso digital do Poder Executivo Federal

- __________________________________________ Voto do Ministro Ubiratan Aguiar

Reserva de Contingncia

Dotao global no especificamente destinada a constituir recursos disponveis e hbeis para abertura de crditos suplementares

_______________________________ Jos Afonso da Silva. Oramento Programa

no Brasil, p. 316

Lei oramentria

Normas individuais e concretas (Dotaes)

Normas gerais e abstratas (estipulao de critrios para abertura de crditos oramentrios)

Possibilidade de controle concentrado de constitucionalidade

ADIN 2925-8 Min. Sepulveda Pertence

No v a possibilidade de interpretao que leve autorizao de um desvio das destinaes predeterminadas s receitas vinculadas, como so as receitas das contribuies: e no vejo, primeiro, dada a natureza mesma do crdito suplementar, no Direito Constitucional oramentrio; segundo, pela vinculao explcita do prprio artigo 4, observncia do artigo 8, 2 da Lei de Responsabilidade Fiscal, que torna absolutamente inequvoco que o crdito suplementar s pode destinar verbas vinculadas ao objeto de sua vinculao.

ADIN n 2925-8

(...) inconstitucional interpretao da Lei Oramentria 10.640, de 14 de janeiro de 2003, que permita abertura de crdito suplementar em rubrica estranha destinao do que arrecadado a partir do disposto no 4 do artigo 177 da Constituio Federal, antes a natureza exaustiva das alneas a, b e c do inciso II do citado pargrafo.

Sntese

O vocbulo contribuio tem significao prpria seja no uso comum, seja no uso tcnico distinta de imposto e taxa;

o legislador constituinte fez meno s contribuies em vrias oportunidades no Texto Constitucional;

o legislador constituinte poderia, se assim pretendesse, ter referido sempre impostos e taxas; se no o fez, tem-se um importante indcio de que as contribuies deles (impostos e taxas, se distinguem).

Sntese

o legislador constituinte poderia, tambm, ter trilhado o caminho adotado pela legislao portuguesa, que submete as contribuies ao regime jurdico dos impostos; porm, no essa a dico constitucional;

h, no Texto Constitucional de 1988, diferentes mecanismos de outorga da competncia tributria. Por fora disso, o exerccio dessa competncia est jungido observncia de critrios diversos;

Sntese

nos impostos, taxas e contribuio de melhoria, perquire-se sobre a amplitude da competncia constitucionalmente referida, mediante a indicao das materialidades, delimitadoras dessa competncia, bem como dos requisitos para o exerccio da chamada competncia residual pela Unio;

Sntese

nas contribuies, o foco reside na causa para a instituio do tributo, no exame da necessidade e adequao do tributo para o custeio de uma atividade estatal especfica. As materialidades, quando referidas, configuram limite adicional a ser respeitado;

as receitas pblicas geradas com a arrecadao de impostos no podem ser vinculadas a rgo, fundo ou despesa, ao passo que, nas contribuies, tais vinculaes so constitucionalmente exigidas;

Sntese

as receitas decorrentes de contribuies sujeitam-se a controle quantitativo. Devem ser dimensionadas em conformidade com os dispndios gerados pela atividade estatal que fundamentou a instituio.

Sntese

Contribuies no so tributos destinados a gerar excessos de arrecadao. Deve haver compatibilidade entre receita e despesa.

A reiterao de excessos, a no utilizao da receita obtida por intermdio de contribuies, ou ainda, a tredestinao do produto arrecadado desnaturam a exigncia. Rompe-se o encadeamento normativo. (CRMIT, regra que vincula a destinao e norma oramentria).

Sntese

Uma vez comprovado o excesso, a no utilizao ou tredestinao abre-se ao contribuinte a possibilidade de questionar a validade futura de obrigaes dessa natureza.

Slide 1Slide 2Slide 3Slide 4Slide 5Slide 6Slide 7Slide 8Slide 9Slide 10Slide 11Slide 12Slide 13Slide 14Slide 15Slide 16Slide 17Slide 18Slide 19Slide 20Slide 21Slide 22Slide 23Slide 24Slide 25