contraÇÃo 2011 [modo de compatibilidade]

Download CONTRAÇÃO  2011 [Modo de Compatibilidade]

Post on 13-Apr-2015

9 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

(msculo estriado esqueltico)

DISCIPLINA DE fISIOLOGIA

EVOLUO 1. Clulas primordiais: * Se diferenciam para formar o tecido muscular. 2. Funo bsica: * Transformao da energia qumica em mecnica (contrao). Gerando fora e movimento.

Formada pela fuso de inmeras clulas (mioblastos) e por isto cada clula chega a possuir 100 ncleos . altamente diferenciada e no pode se dividir para formar novas clulas. O nmero de clulas determinado antes do nascimento e a maioria permanece por toda a vida.

COMPONENTES MECNICOS DO MSCULOPodemos separar trs tipos de componentes distintos:

1. COMPONENTES ELSTICOS1.1 So aqueles que retornam a sua forma original aps o relaxamento. Exemplo: miofilamentos e o tecido conjuntivo. 1.2 PODEM ESTAR EM SRIE OU EM

PARALELO

2.

COMPONENTES PLSTICOSSo aqueles que no retornam forma original cessada a contrao, se no houver influncia externa. Exemplo: Mitocndrias, retculo sarcoplasmtico e sistema tubular, ligamentos e disco intervertebral.

3. COMPONENTES INEXTENSVEISSo aqueles que no trabalham quando submetidos ao de foras longitudinais. Exemplo: Ossos e tendes

ORGANIZACO ESTRUTURALACTINAFIBRA MUSCULAR FEIXE FIBRAS MUSC.

MIOSINA

MIOFIBRILA

Unidade Funcional do Msculo (Sarcmero)

1. Funcionalmente relaciona-se com os tbulos transversos 2. Se apresenta como uma bolsa envolvendo as mio-fibrilas 3. Armazena clcio indispensvel para atividade contrtil

TIPOS DE PROTENAS DO MSCULO ESQUELTICO1. PROTENAS ESTRUTURAIS 2. PROTENAS REGULADORAS 3. PROTENAS CONTRTEIS

Arranjo tridimensional do sarcmero...

PROTENAS ESTRUTURAISIMPORTNCIA:forma citoesqueleto que d sustentao s protenas contrteis para que estas gerem fora 1. PROTENAS TRANSVERSAIS: - MIOMESINA: (liga miosina e titina). Forma a linha M e participa da estabilizao da posio dos filamentos grossos - PROTEINA C: fixa as molculas de miosina que formam um filamento grosso 2. PROTENAS LONGITUDIANAIS: - TITINA: extende-se do disco Z a linha M ancorando os filamentos grossos dando estabilidade durante a contrao. - NEBULINA: fixa-se a linha Z e sustentam os filamentos finos

PROTENAS MUSCULARES

miomesina

nebulina

Troponina Tropomiosina

1. No repouso a tropomiosina cobre o centro ativo da actina impedindo que se forme a pontecruzada com a miosina. 2. Sua posio mantida pela troponina 3. Quando o clcio se liga a troponina a tropomiosina afastada, descobrindo o stio ativo.

EXCITABILIDADE: HABILIDADE DO MSCULO DE RECEBER E RESPONDER AOESTMULO

CONTRATILIDADE: HABILIDADE DO MSCULO PARA CONTRAIR E GERAR FORA

ELASTICIDADE: HABILIDADE DO MSCULO DE RETORNAR FORMA ORIGINAL APS TER CONTRADO OU ALONGADO

EXTENSIBILIDADE: HABILIDADE DO MSCULO DE SER ALONGADO

REFLEXO POSTURAL LOCOMOO RESPIRAO EXPRESSO CORPORAL FALA CONTROLE ESFINCTERIANO DEGLUTIO [ FASE ORAL ] PRODUO CALOR

PROPRIEDADES GERAIS DOS DIFERENTES TIPOS DE MSCULOS

Tipos de Fibras Musculares: As fibras musculares podem ser classificadas 2 tipos bsicos segundo sua colorao * vermelhas * brancas

PROPRIEDADES GERAIS DAS FIBRAS VERMELHAS E BRANCASVermelha oxidao lenta COLORAO Teor MIOGLOBINA DENSIDADE capilar GLICOGNIO QUANTIDADE MITOCNDRIA Fonte 1a. de energia para sntese de ATPATIVIDADE glicoltica

Vermelha oxidao rpida VERMELHA ALTO ALTO INTERMEDIRIO ALTO FOSFORILAO OXIDATIVA INTERMEDIRIA ALTA INTERMEDIRIO RPIDA INTERMEDIRIO INTERMEDIRIO

Brancas glicolticas BRANCA BAIXO BAIXO ALTO BAIXO GLICLISE anaerbica ALTA ALTA ALTO RPIDA ALTO ALTO

VERMELHA ALTO ALTO BAIXO ALTO FOSFORILAO OXIDATIVA BAIXA BAIXA PEQUENO LENTA BAIXO BAIXO

MIOSINA ATP-sica DIMETRO FIBRA VELOCIDADE CONTRAO FATOR FADIGA TEOR FOSFOCREATINA

CONTRAO MUSCULAR DEPENDE:

1. TRANSMISSO NEUROMUSCULAR 2. ACOPLAMENTO EXCITAO CONTRAO

MECANISMO DE CONTRAO DO MSCULO ESQUELTICO ESQUELTICO DEPENDE1. TRANSMISSO NEUROMUSCULAR * ETAPAS DA TRANSMISSO * MECANISMO DE AO * TRMINO DA AO 2. ACOPLAMENTO EXCITAO - CONTRAO * TRANSDUO * POTENCIAL DE PLACA * POTENCIAL DE AO * LIBERAO CLCIO 3. CONTRAO

A ORGANIZAO ESTRUTURAL / FUNCIONAL DE UMA FIBRA FIBRA MUSCULAR CONSISTE... 1. MEMBRANA PLASMTICA (SARCOLEMA) - RETCULO SARCOPLASMTICO (armazena clcio) 1. MIOFIBRILAS (aparelho contrtil)

MEMBRANA CELULAR: 1. 2. RECOBRE TODA A FIBRA MUSCULAR, RESPON SVEL PELA EXCITABILIDADE E CONDUTIBILIDADE RELACIONADOS A MEMBRANA TEMOS:* PLACA MOTORA (ZONA RECEPTORA) PRESENA DOS RECEPTORES NICOTNICOS

SARCOLEMA POSSUI 1. CANAIS VOLTAGEM DEPENDENTES 2. FUNCIONA C/ ZONA CONDUTORA 3. SOFRE INVAGINAES PARA FORMAR OS TBULOS TRANSVERSOS

IMPORTNCIA DA DIIDROPIRIDINA

MECANISMO DA CONTRAO[ELEMENTOS ENVOLVIDOS]

Troponina: stio de ligao do Ca++

TEORIA DO DESLIZAMENTO

Comprimento da faixa A no se altera na contrao As faixas I e H diminuem

ANIMAO LENTA

Miosina encontra-se ligada a molcula de actina em verde

Quando o ATP se liga a miosina se desfaz a ponte entre miosina e a actina em verde

Em seguida o ATP hidrolizado formando ADP.P ficando a molcula de miosina energisada e se liga a outra molcula de actina lils.

O fosfato liberado a energia consumida no movimento(encurtamento do sarcmero)

Terminado o movimento o ADP liberado ficando apenas a miosina ligada a actina e o ciclo reinicia com a ligao de outra molcula de ATP

1. INATIVAO DO MOTONEURNIO - ACH no liberada em quantidade suficiente para ativar a placa motora. 2. Sem potencial de placa no teremos potenciais de ao e por conseguinte o clcio no liberado 3. Parte do clcio se liga a parvoalbumina e parte do clcio captado pelo RS onde se liga calsequestrina 4. A reduo da concentrao de clcio inativa a troponina c 5. A tropomiosina volta ocluir os centros ativos da actina

PASSIVA gerada pelos componentes elsticos da fibra muscular

ATIVAReflete o nmero de pontes cruzadas funcionantes que depende: comprimento do msculo, disponibilidade do Ca, frequncia de ativao e nmero de unidades motoras ativadas.

CONCEITO DE PR-CARGA PS-CARGA

1. Perodo Latente Tempo entre o estmulo e gerao da tenso Tempo necessrio para a excitao, acoplamento excitao-contrao e para distender componentes elsticos em srie

2. Contrao 3. Relaxamento

1. 2.

INTENSIDADE DO ESTMULO FREQUNCIA DE ESTMULOS * SE A FREQUNCIA AUMENTA FAVORECE A SOMAO DE ABALOS MUSCULARES 3. DO RECRUTAMENTO * QUE SE TRADUZ NO AUMENTO DO NMERO DE UNIDADES MOTORAS 4. DO COMPRIMENTO INICIAL * DA FIBRA MUSCULAR EM REPOUSO * SEGUE A LEI DE STARLING

A fora de contrao muscular depende do nmero de unidades motoras estimuladas a contrair.

RECRUTAMENTOUM POTENCIAL DE AO GERADO NO MOTONEURNIO DESPOLARIZA A PLACA MOTORA DE TODAS AS FIBRAS COM QUE SE RELACIONA

CONCEITO DE UNIDADE MOTORA: EMBORA CADA FIBRA TENHA APENAS UMA PLACA MOTORA UM NEURNIO SE RELACIONA COM VRIAS FIBRAS MUSCULAR (+/150) IMPORTNCIA: O NMERO DE UNIDADES MOTORAS DETERMINA A INTENSIDADE DA FORA GERADA PELOS MSC. E PELA PRECISO DOS MOVIMENTOS.

QUANTO MAIS RAPIDO FOR O MSCULO E MAIS COMPLEXA A FUNO O NMERO DE FIBRAS POR UNIDADE MOTORA MENOR LARINGE: 1/3 OLHO 1/20 BICEPS 1/2000

RESPOSTA GRADUADA DEPENDE DA FRQUNCIA POR TEMPO PROLONGADO A CADA CONTRAO A TENSO GERADA AUMENTA PARA ESTMULOS DE MESMA INTENSIDADE

O musculo fisiologicamente nao e capaz de contrair Ocorre quando oxigenio esta limitado e a producao de ATP cai para manter pace com uso ATP use Lactic acid accumulation and ionic imbalances may also contribute to muscle fatigue When no ATP is available, contractures (continuous contraction) may result because cross bridges are unable to detach

Contraes podem ser: Contraes podem ser: 1. Isomtrica * iso (mesmo igual) * metr(medida) 2. Isotnica * Iso (mesmo, igual) * ton (fora, tenso)

2.1 ISOTNICA CONCNTRICA (+) : (Contrao > Resistncia) 2.2 ISOTNICA EXCNTRICA (-) : (Contrao < Resistncia)

CONTRAO ISOTNICA 1. Concntrica: o msculo encurta e traciona outra estrutura para produzir o movimento

2. Excntrica: o msculo se mantm contrado ao mesmo tempo que o comprimento aumenta

FORA

X

RESISTNCIA

I. ATIVIDADES REGULARES REPETITIVAS COMO CORRER, DANAEXERCCIOS AERBICOS... AUMENTAM O SUPRIMENTO DE SANGUE RICO EM OXIGNIO. ATIVA O METABOLISMO OXIDATIVO AUMENTA A RESISTNCIA PARA ATIVIDADES PROLONGADAS

II. ATIVIDADES COMO LEVANTAMENTO DE PESO 1. 2. 3. DEPENDEM MAIS DA PRODUO ANAERBICA DE ATP PELA GLICLISE - METABOLISMO ANAERBICO ESTIMULAM A SNTESE PROTICA AUMENTA A MASSA MUSCULAR ( HIPERTROFIA MUSCULAR)

IMPLICAO CLNICA:O AUMENTO DA FORA MUSCULAR PODE SER OBTIDO PELO DA MASSA MUSCULAR INDUZIDO PELO USO DE ESTERIDES . O EFEITO DESEJADO POR ATLETAS REQUER DOSES ELEVADAS QUE RISCOS I.1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9.

HOMENS:CNCER HEPTICO LESO RENAL DOENAS CARDACAS BAIXA ESTATURA ALTERAES DO HUMOR AUMENTO AGRESSIVIDADE REDUO TESTOSTERONA ATROFIA TESTICULAR CALVCIE

II.1. 2. 3 4. 5. 6. 7. 8. 9.

MULHERES

= aos homens

ATROFIA DE MAMA E TERO ALTERAO NA VOZ HIRSUTISMO

TONUS MUSCULAR:1. REPRESENTA UMA LEVE CONTRAO DO MSCULO EM REPOUSO 2. N PRTICA CARACTERIZA UMA RESISTNCIA AO ESTIRAMENTO 3. EM CONDIES NORMAIS MANTIDO PELO REFLEXO MIOTTICO 4. O TONUS DEPENDE DA ATIVAO DE UM PEQUENO GRUPO DE UNIDADES MOTORAS QUE SO ATIVADAS INVOLUNTARIAMENTE. 5. PARA MANTER O TONUS AS UNIDADES MOTORAS SO ATIVADAS ALEATORIAMENTE E DE MODO ASSINCRNICO

AVALIAO - (pesquisa do tonus) I. HIPOTONIA Mengazzini Laseg Raimistier Barr

II. HIPERTONIA 1. SINAL DE CHEVOSTEK 2. SINAL DE TROUSSEAU

ATONIA: A DIMINUIO OU AUSNCIA DO TONUS RESULTA PRINCIPALMENTE DE UMA DIMINUIO DA DESCARGA DOS MOTONEURNIOS GAMA MIOCLONIA: CARACTERIZA UMA SRIE DE CONTRAES REPETITIVAS