CONTAMINAÇÃO POR CHUMBO NA REGIÃO DO PROJETO ?· Os riscos de doenças causadas aos trabalhadores…

Download CONTAMINAÇÃO POR CHUMBO NA REGIÃO DO PROJETO ?· Os riscos de doenças causadas aos trabalhadores…

Post on 24-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

<p> UNIVERSIDADE TECNOLGICA FEDERAL DO PARAN DEPARTAMENTO ACADMICO DE CONSTRUO CIVIL </p> <p>ESPECIALIZAO EM ENGENHARIA DE SEGURANA DO TRABAL HO </p> <p>RODRIGO ZANARDINI MARTINS </p> <p>CONTAMINAO POR CHUMBO NA REGIO DO PROJETO DA UHE TIJUCO ALTO ESTUDO DE CASO </p> <p>MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAO </p> <p>CURITIBA 2014</p> <p>RODRIGO ZANARDINI MARTINS </p> <p>CONTAMINAO POR CHUMBO NA REGIO DO PROJETO DA UHE TIJUCO ALTO ESTUDO DE CASO </p> <p>Monografia apresentada para obteno do ttulo de Especialista no Curso de Ps Graduao em Engenharia de Segurana do Trabalho, Departamento Acadmico de Construo Civil, Universidade Tecnolgica Federal do Paran, UTFPR. Orientador: Prof. Dr. Rui Bocchino Macedo. </p> <p>CURITIBA 2014 </p> <p>RODRIGO ZANARDINI MARTINS </p> <p>CONTAMINAO POR CHUMBO NA REGIO DO PROJETO DA UHE TIJUCO ALTO ESTUDO DE CASO </p> <p>Monografia aprovada como requisito parcial para obteno do ttulo de Especialista no Curso de Ps-Graduao em Engenharia de Segurana do Trabalho, Universidade Tecnolgica Federal do Paran UTFPR, pela comisso formada pelos professores: Orientador: </p> <p>_____________________________________________ Prof. M.Sc. Rui Bocchino Macedo </p> <p> Professor do XXVIII CEEST, UTFPR Cmpus Curitiba. Banca: </p> <p>_____________________________________________ Prof. Dr. Rodrigo Eduardo Catai Departamento Acadmico de Construo Civil, UTFPR Cmpus Curitiba. ________________________________________ </p> <p>Prof. Dr. Adalberto Matoski Departamento Acadmico de Construo Civil, UTFPR Cmpus Curitiba. </p> <p>_______________________________________ Prof. M.Eng. Massayuki Mrio Hara </p> <p> Departamento Acadmico de Construo Civil, UTFPR Cmpus Curitiba. _______________________________________ </p> <p> Prof. Dr. Ronaldo L. dos Santos Izzo Departamento Acadmico de Construo Civil, UTFPR Cmpus Curitiba. </p> <p>Curitiba 2014 </p> <p>O termo de aprovao assinado encontra-se na Coordenao do Curso </p> <p>RESUMO </p> <p>O presente trabalho abordar a contaminao por chumbo no Vale do Ribeira, entre o extremo nordeste do estado do Paran e o sudeste do estado de So Paulo, em especfico na regio prevista para a construo da Usina Hidreltrica (UHE) Tijuco Alto, sito o Rio Ribeira de Iguape. Em seus 470 km de extenso, nas suas margens vivem pequenos agricultores, quilombolas e comunidades indgenas. O chumbo gera grandes preocupaes na Sade Pblica tendo em vista os riscos graves que sua exposio pode causar, j que sua utilizao muito difundida, alm das questes ambientais decorrentes deste uso. A cadeia produtiva do chumbo e de seus artefatos tema recorrente aps o acontecimento de acidentes de grandes. Os riscos de doenas causadas aos trabalhadores pela exposio ao chumbo, principalmente atravs do contato com a gua e, em especial o impacto causado pela contaminao por este metal na regio envolvida com a UHE Tijuco Alto, so evitveis atravs da implementao de medidas de controle tanto de engenharia quanto de cincia que podem atenuar a contaminao pelo chumbo. A rea em que est prevista a construo da UHE Tijuco Alto no Rio Ribeira de Iguape foi definida como objeto de estudo para esse trabalho tendo como objetivo realizar um estudo de controle de exposio ao chumbo atravs de itens da NR 7 e NR 15. O detalhamento da histria do projeto da UHE Tijuco Alto esboa uma ideia global sobre o processo geral e a forma como ocorreu o uso das guas do Rio Ribeira de Iguape. Para o estudo, foi desenvolvido um questionrio resumido e objetivo para entender a percepo do trabalhador da pesca quanto qualidade das condies de trabalho do mesmo. Observou-se que a percepo do trabalhador remete a realidade do meio ambiente e em muitos casos o desconhecimento de viso tcnica mais criteriosa atenua o cenrio crtico. </p> <p>Palavras Chave: gua, Contaminao, Chumbo, Trabalhador. </p> <p>ABSTRACT </p> <p>This paper will address the lead contamination in the Ribeira Valley, between the extreme northeastern state of Paran and southeastern So Paulo State, in particular in the region expected for the construction of the hydroelectric plant (HPP) Tijuco Alto, located the Ribeira River Iguape. In its 470 km long, live on its banks smallholder farmers, indigenous and maroon communities. Lead raises major concerns in public health in view of the serious risks that may cause their exposure, since their use is widespread, beyond the environmental issues arising from this use. The production chain of lead and its artifacts is a recurring theme after the event of major accidents. The risks of diseases caused to workers by lead exposure, primarily through contact with water, and in particular the impact of contamination by this metal in the region involved with HPP Tijuco Alto, are preventable through implementation of control measures both of engineering and science that can mitigate lead contamination. The area where the construction of HPP Tijuco Alto in Ribeira River is expected was defined as an object of study for this work aiming to carry out a control study of lead exposure through items from NR 7 and NR 15. Detailing the history of HPP Tijuco Alto project outlines a comprehensive idea about the overall process and how the use of waters of the Ribeira River occurred. For the study, a brief and objective questionnaire was developed to understand the perception of the fishery on the quality of working conditions for the same worker. It was observed that the perception of worker refers the reality of the environment and in many cases the lack of significant technical vision attenuates the critical scenario. Key words: Water, Contamination, Lead, Worker. </p> <p>SUMRIO 1 INTRODUO ....................................................................................................................... 7 </p> <p>1.1 OBJETIVOS DO TRABALHO DE PESQUISA ..................................................................... 9 </p> <p>1.1.1 Geral ................................................................................................................................... 9 </p> <p>1.1.2 Especficos .......................................................................................................................... 9 </p> <p>1.2 JUSTIFICATIVA ................................................................................................................... 9 </p> <p>2 REVISO BIBLIOGRFICA .............................................................................................. 11 </p> <p>2.1 FORMAS DE CONTAMINAO POR CHUMBO ............................................................. 11 </p> <p>2.2 RISCOS A SADE .............................................................................................................. 12 </p> <p>2.2.1 Intoxicao por Chumbo (saturnismo) ............................................................................... 12 </p> <p>2.2.2 Tratamento ao Saturnismo ................................................................................................ 13 </p> <p>2.3 LIMITES DE TOLERNCIA .............................................................................................. 14 </p> <p>2.4 CONTAMINAO POR CHUMBO NA REA ABRANGIDA PELA UHE TIJUCO ALTO .................................................................................................................................................. 16 </p> <p>2.5 SOLUES DE ENGENHARIA PARA A DESCONTAMINAO DE GUAS............... 26 </p> <p>2.5.2 Biossoro ........................................................................................................................ 26 </p> <p>2.5.2.1 Biossoro Atravs de Bagao de Cana de Acar ......................................................... 27 </p> <p>2.5.2.2 Biossoro Atravs de Casca de Banana ........................................................................ 27 </p> <p>2.5.3 Medidas de Preveno Primria da Exposio ................................................................... 29 </p> <p>3 METODOLOGIA ................................................................................................................... 30 </p> <p>3.1 HISTRICO DA UHE TIJUCO ALTO................................................................................ 30 </p> <p>4 ANLISE DOS RESULTADOS ............................................................................................. 32 </p> <p>4.1 RESULTADO DA PERCEPO DO TRABALHADOR ..................................................... 32 </p> <p>5 CONCLUSES ...................................................................................................................... 43 </p> <p>REFERNCIAS ......................................................................................................................... 45 </p> <p>7 </p> <p>1 INTRODUO </p> <p>O presente trabalho abordar a contaminao por chumbo no Vale do Ribeira, entre o </p> <p>extremo nordeste do estado do Paran e o sudeste do estado de So Paulo, em especfico na </p> <p>regio prevista para a construo da Usina Hidreltrica (UHE) Tijuco Alto, sito o Rio Ribeira </p> <p>de Iguape. Em seus 470 km de extenso, nas suas margens vivem pequenos agricultores, </p> <p>quilombolas e comunidades indgenas. </p> <p>A UHE Tijuco Alto um empreendimento projetado pela Companhia Brasileira de </p> <p>Alumnio (CBA) para incrementar a produo de energia eltrica para suas instalaes na </p> <p>cidade de Alumnio, antiga Mairinque, localizada no interior de So Paulo. </p> <p>O chumbo um mineral encontrado na natureza, extrado desde a antiguidade, sendo o </p> <p>quinto metal mais utilizado na indstria. A extrao do chumbo, cujo smbolo Pb, feita em </p> <p>minas sendo este beneficiado por diversos processos e continua cada vez mais empregado </p> <p>tanto que no ltimo sculo sua produo e consumo praticamente quadruplicaram. Ainda </p> <p>assim, o Brasil produz apenas 0,2 % do consumo mundial enquanto o estado que possui as </p> <p>maiores jazidas o de Minas Gerais (PANTAROTO, 2006). </p> <p>O chumbo gera grandes preocupaes na Sade Pblica tendo em vista os riscos </p> <p>graves que sua exposio pode causar j que sua utilizao muito difundida alm das </p> <p>questes ambientais decorrentes deste uso. A cadeia produtiva do chumbo e de seus artefatos </p> <p> tema recorrente aps o acontecimento de acidentes de grandes propores1 alm dos usos </p> <p>inadequados o que gera uma problemtica para a Sade Pblica e para o meio ambiente. </p> <p>Dados obtidos nos anos 1990 indicam que mais de 4 milhes de toneladas de chumbo </p> <p>eram consumidas anualmente em todo o mundo e que cerca de 1% da fora de trabalho estaria </p> <p>exposta a este metal (LEITE, 2006). </p> <p>A regio do Vale do Ribeira foi palco de intensa atividade de minerao, tendo sido </p> <p>exploradas nove minas, cujo foco de interesse principal era a obteno de chumbo e, </p> <p>secundariamente, prata e ouro. As minas operaram de 1920 a 1995, sendo que a usina </p> <p>Plumbum2, localizada no municpio de Adrianpolis/PR, operou de 1945 a 1995. As </p> <p>condies de minerao e refino no Vale do Ribeira foram quase sempre rudimentares, no </p> <p>havendo controle sobre os impactos ambientais gerados durante as fases de extrao e de </p> <p>beneficiamento do minrio. No perodo de 1945 a 1991, todos os resduos slidos da </p> <p> 1 A populao da cidade de Santo Amaro da Purificao (BA), distante cerca de 100 km de Salvador, vem sofrendo ao longo dos ltimos 32 anos, com as consequncias da poluio e a contaminao pelo chumbo e cdmio em nvel endmico. O municpio tido como o mais contaminado por chumbo no mundo. 2 Companhia Plumbum Minerao e Metalurgia Ltda,, hoje sob o nome de Plumbum Minerao e Metalurgia Ltda. </p> <p>8 </p> <p>Plumbum foram lanados diretamente no Rio Ribeira de Iguape, sem tratamento, </p> <p>correspondendo a aproximadamente 5,5 t/ano (cerca de 253 toneladas no total) de elementos </p> <p>txicos (arsnio, brio, cdmio, chumbo, cobre, cromo e zinco) (CASSIANO, A. M., 2001). </p> <p>No passado, a economia sustentava-se da explorao de recursos minerais, atravs da </p> <p>Plumbum. Hoje, a agricultura a principal atividade econmica da populao do Vale do </p> <p>Ribeira. As mais presentes culturas so a banana e o ch preto tendo em vista que se utilizam </p> <p>dos terrenos mais extensos e so mais importantes comercialmente. Grande quantidade dos </p> <p>produtores desenvolve agricultura de subsistncia por se tratarem de propriedades familiares. </p> <p>A pecuria incipiente, porm, praticada apenas em alguns locais. </p> <p>A banana, por exemplo, plantada em praticamente todos os municpios tanto por </p> <p>latifundirios como por pequenos produtores. A explorao de fosfato e calcrio, </p> <p>predominantemente nos municpios de Cajati e Apia, tem sua relevncia em menor escala, </p> <p>pois absorve pouca mo-de-obra em vista do nmero pequeno de estabelecimentos. </p> <p>Com tamanha riqueza e complexidade junto problemtica socioeconmica do Vale </p> <p>do Ribeira, importante avaliar a questo energtica na regio utilizando-se de </p> <p>conhecimentos cientficos para que as diversas reas contribuam com seu contedo terico de </p> <p>modo a justificar e respaldar a anlise para que a mesma seja mais eficiente, global e </p> <p>explicativa. Desta forma, imprescindvel a anlise tanto do contexto econmico e ambiental </p> <p>do Vale do Ribeira, em especial o Rio Ribeira de Iguape em que se pretende construir a UHE </p> <p>Tijuco Alto. </p> <p>Captulo 1 - Introduo com a justificativa e o objetivo que levaram ao </p> <p>desenvolvimento deste projeto e como o trabalho se estrutura. </p> <p>Captulo 2 - Reviso da literatura, buscando fornecer uma viso geral sobre o tema, </p> <p>abordando: as formas de contaminao por chumbo e seus ndices aceitveis de exposio; a </p> <p>intoxicao por chumbo com suas causas e efeitos; as referncias sobre a contaminao na </p> <p>regio da UHE Tijuco Alto alm da problemtica causada ao trabalhador local; e as solues </p> <p>de engenharia para a descontaminao de guas poludas por chumbo. </p> <p>Captulo 3 - Descrio da metodologia de trabalho explicando os procedimentos </p> <p>empregados na pesquisa e os recursos materiais utilizados. </p> <p>Captulo 4 - Apresentao dos resultados e concluso com a resposta ao objetivo </p> <p>geral. </p> <p>Captulo 5 - Consideraes finais. </p> <p>9 </p> <p>1.1 OBJETIVOS DO TRABALHO DE PESQUISA </p> <p>1.1.1 Geral </p> <p>Analisar o controle da exposio ao chumbo no Vale do Ribeira, sendo o estudo </p> <p>focado no Rio Ribeira do Iguape tendo em vista o histrico de problemas na regio e </p> <p>a possibilidade da construo da UHE Tijuco Alto. </p> <p>1.1.2 Especficos </p> <p> Apresentar aos empreendedores e profissionais em segurana e sade do </p> <p>trabalho os riscos de doenas causadas aos trabalhadores pela exposio ao </p> <p>chumbo, principalmente atravs do contato com a gua e, em especial o </p> <p>impacto causado pela contaminao por este metal na regio envolvida com a </p> <p>UHE Tijuco Alto. </p> <p> Apresentar os problemas que a contaminao por chumbo pode causar no </p> <p>meio ambiente e no trabalhador, alm de demonstrar a importncia da </p> <p>implementao de medidas de controle com o objetivo de verificar a </p> <p>exposio do trabalhador da pesca no Rio Ribeira de Iguape ao chumbo. </p> <p> Propor medidas de engenharia e cincia que possam atenuar a contaminao </p> <p>pelo chumbo e verificar se h no mercado opo em relao proteo </p> <p>coletiva para as atividades neste tipo de local. </p> <p>1.2 JUSTIFICATIVA </p> <p>De acordo com Comisso de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de So Paulo, </p> <p>a contaminao por chumbo ocorre desde o incio do sculo XX, mais notadamente entre </p> <p>1920 e 1996, sem que o Estado tivesse tomado providncias significativas para coibi-la no </p> <p>Rio Ribeira de Iguape, nos estados de So Paulo e Paran. </p> <p>Segundo dados do Instituto Socioambiental (ISA), o Vale do Ribeira conta com </p> <p>aproximadamente 21% da rea remanescente de Mata Atlntica existente no pas, alm de 150 </p> <p>mil hectares de restingas e 17 mil hectares de manguezais. Aliado a isto, a regio tambm se </p> <p>destaca pela riqueza arqueolgica, por concentrar o maior nmero de cavernas do Brasil e de </p> <p>possuir o maior nmero de stios tombados do Estado de So Paulo 158 no total sendo 75 </p> <p>stios lticos (de pedra), 82 stios cermicos, 12 sambaquis e 3 cemitrios indgenas </p> <p>(CONCEIO, 2010). </p> <p>10 </p> <p>Neste contexto, caso fosse autorizado a construo da UHE Tijuco Alto, a situao </p> <p>poderia se complicar. Normalmente, o represamento de rios causa o aumento da acidez na </p> <p>gua, principalmente no fundo do reservatrio, em virtude da decomposio da matria </p> <p>orgnica na rea inundada. Isto faria com que as partculas inativas de chumbo no Rio Ribeira </p> <p>do Iguape se tornassem ativas com a reao com a gua cida. Outro aspecto importante a ser </p> <p>levado em considerao que a inundao da regio causaria a suspenso do chumbo </p> <p>depositado no leito do rio e tambm arrastaria os rejeitos das margens aumentando a </p> <p>contaminao na regio. </p> <p>Diante desses fatos, importante analisar o grau de contaminao por chumbo na </p> <p>regio da UHE Tijuco Alto com o objetivo de chegar a uma opinio clara e fundamentada </p> <p>sobre o que est ou no sendo feito como controle para que no haja dano ainda maior ao que </p> <p>j foi causado a comunidade e aos trabalhadores da regio apontando possveis solues que </p> <p>possam contribuir com a extino, ou ao menos atenuao, da questo em debate. </p> <p>O estudo relevante tendo em vista que, apesar da energia eltrica ser reconhecida </p> <p>como etapa de progresso, modernidade e evoluo, traz mudanas para as comunidades locais </p> <p>e, no caso especfico, pode trazer problemas de sade ao trabalhador local, prejudicando sua </p> <p>qualidade de vida, e ao meio ambiente. </p> <p>11 </p> <p>2 REVISO BIBLIOGRFICA </p> <p>Compe-se de pesquisa sobre a literatura em busca de viso geral sobre o tema. </p> <p>2.1 FORMAS DE CONTAMINAO POR CHUMBO </p> <p>O chumbo pode causar diversos males sade. Interfere na produo da hemoglobina, </p> <p>causa distrbios renais, neurolgicos e no encfalo (MEDITEXT, 1998). Seus efeitos podem </p> <p>evidenciar-se a vrios nveis de concentrao sangunea e podem ser correlacionados com </p> <p>estes nveis. Mesmo em adultos, os efeitos so descobertos medida que se refinam os </p> <p>mtodos de anlise e mensurao (CDC,1992). </p> <p>A exposio humana ao chumbo pode se dar por vrias fontes: solo, ar, gua e sob </p> <p>vrias formas de ingesto (WHO, 1992). A absoro do chumbo pode ocorrer por via </p> <p>digestiva e respiratria (partculas finas). A absoro pela pele s referida para o acetato de </p> <p>chumbo (MEDITEXT, 1998). Esta absoro diferencial entre crianas e adultos. O chumbo </p> <p>inalado pelo trato respiratrio baixo completamente absorvido, j pelo trato gastrointestinal </p> <p>(principal via de absoro), os adultos absorvem de 10 a 15% da quantidade ingerida </p> <p>enquanto para as crianas e mulheres gestantes este ndice de mais de 50%. Esta absoro </p> <p>aumenta quando h deficincia orgnica de ferro, clcio e zinco (CDC, 1992 e MEDITEXT, </p> <p>1998). </p> <p>O chumbo pode penetrar no organismo atravs de diversas maneiras. As mais comuns </p> <p>so pelas vias respiratria, cutnea ou digestiva. A partir do momento em que est dentro do </p> <p>corpo, o chumbo pode se distribuir por todo organismo, sendo excretado pelos rins, biles, suor </p> <p>e at mesmo pelo leite materno. Seu acmulo lento e progressivo, sendo que cerca de 90% </p> <p>do depsito total de chumbo no organismo acumula-se nos o

Recommended

View more >