CONTABILIDADE PÚBLICA - ?· CONTABILIDADE PÚBLICA Receita Pública. RECEITA PÚBLICA É o conjunto…

Download CONTABILIDADE PÚBLICA - ?· CONTABILIDADE PÚBLICA Receita Pública. RECEITA PÚBLICA É o conjunto…

Post on 09-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>CONTABILIDADE </p><p>PBLICAReceita Pblica</p></li><li><p>RECEITA PBLICA</p><p> o conjunto de recursos financeirosque a Administrao Pblica arrecada</p><p>com vistas a fazer frente s despesas</p><p>decorrentes do cumprimento de suas</p><p>funes.2</p></li><li><p>RECEITA PBLICA</p><p>O ingresso das receitas pblicas aoscofres pblicos feito de maneiraDEFINITIVA.</p><p>Isso o que diferencia as receitas demeros ingressos/fluxo de caixa. Os quaispor fora de lei ou contrato soposteriormente devolvidos. Ex. Restituiode Imposto de Renda.</p><p>3</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>A classificao adotada pela Lei</p><p>Federal n 4.320/1964 relaciona a</p><p>representao de cada dgito com</p><p>a respectiva hierarquizao.4</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>A classificao das receitas representada por um cdigonumrico composto de oitodgitos:</p><p>X.X.X.X.XX.XX5</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>A classificao atual compe o</p><p>Anexo atualizado da Lei Federal</p><p>n 4.320/1964 e estabelece uma</p><p>estrutura bsica para a Unio, os</p><p>Estados, o Distrito Federal e os</p><p>Municpios.6</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>Cdigo</p><p>1.1.1.2.04.10</p><p>Terminologia Exemplo</p><p>1.0.0.0.00.00 Categoria Econmica</p><p>Receita Corrente, Receita de Capital</p><p>1.1.0.0.00.00 Subcategoria Econmica</p><p>Receita Tributria</p><p>1.1.1.0.00.00 Fonte Impostos</p><p>1.1.1.2.00.00 Rubrica Imposto sobre o Patrimnio e a Renda</p><p>1.1.1.2.04.00 Alnea Imposto sobre a Renda e Proventos de qualquer Natureza</p><p>1.1.1.2.04.10 Subalnea Pessoas Fsicas</p><p>7</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>O 1, do artigo 11 da Lei Federal n 4.320/1964</p><p>faz o desdobramento da categoria econmica</p><p>da receita corrente.</p><p> 1 - So Receitas Correntes as receitas tributria, de</p><p>contribuies, patrimonial, agropecuria, industrial, de servios</p><p>e outras e, ainda, as provenientes de recursos financeiros</p><p>recebidos de outras pessoas de direito pblico ou privado,</p><p>quando destinadas a atender despesas classificveis em</p><p>Despesas Correntes.</p><p>(Redao dada pelo Decreto Lei n 1.939, de 1982)</p><p>8</p><p>http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/Decreto-Lei/Del1939.htm</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>O 2, do artigo 11 da Lei Federal n 4.320/1964 </p><p>faz o desdobramento da categoria econmica </p><p>da receita de capital.</p><p> 2 - So Receitas de Capital as provenientes da realizao de </p><p>recursos financeiros oriundos de constituio de dvidas; da </p><p>converso, em espcie, de bens e direitos; os recursos </p><p>recebidos de outras pessoas de direito pblico ou privado, </p><p>destinados a atender despesas classificveis em Despesas de </p><p>Capital e, ainda, o supervit do Oramento Corrente.</p><p>(Redao dada pelo Decreto Lei n 1.939, de 1982)</p><p>9</p><p>http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/Decreto-Lei/Del1939.htm</p></li><li><p>A Classificao Econmica ou Legal da </p><p>Receita</p><p>Receitas Correntes Receitas de Capital</p><p>11 Receita Tributria 21 Operao de Crdito</p><p>12 Receita de Contribuies 22 Alienao de Bens</p><p>13 Receita Patrimonial 23 Amortizao de Emprstimos</p><p>14 Receita Agropecuria 24 Transferncias de Capital</p><p>15 Receita Industrial 25 - Outras Receitas de Capital</p><p>16 Receita de Servios</p><p>17 Transferncias Correntes</p><p>19 Outras Receitas Correntes</p><p>10</p></li><li><p>A Classificao da Receita</p><p>A Classificao por Fontes de Recursos</p><p> um instrumento programtico oriundo</p><p>da necessidade prtica de agrupar</p><p>valores de distintas naturezas.</p><p>11</p></li><li><p>A Classificao da Receita conforme a </p><p>origem</p><p> Receitas originrias</p><p> Receitas derivadas</p><p> Receitas transferidas</p><p>12</p></li><li><p>A Classificao da Receita conforme a </p><p>origem</p><p> Receitas originrias: a Receita Pblica efetiva dasrendas produzidas pelos ativos do Poder Pblico, pela</p><p>cesso remunerada de bens e valores (aluguis e ganhos</p><p>em aplicaes financeiras), ou aplicao em atividades</p><p>econmicas (produo, comrcio ou servios).</p><p> uma classificao da Receita Corrente. As Receitas</p><p>Originrias tambm so denominadas como receitas de</p><p>economia privada ou de direito privado.</p><p> Alguns exemplos so: Receitas Patrimoniais, Receitas</p><p>Agropecurias, Receitas Comerciais, Receitas de Servios,</p><p>etc.</p><p>13</p></li><li><p>A Classificao da Receita conforme a </p><p>origem</p><p> Receitas derivadas: a Receita Pblicaefetiva obtida pelo Estado em funo de sua</p><p>soberania, por meio de tributos, penalidades,</p><p>indenizaes e restituies.</p><p> uma classificao da Receita Corrente</p><p>As receitas derivadas so formadas por receitas</p><p>correntes, segundo a classificao de receita</p><p>pblica por categoria econmica.</p><p> Exemplos so: Receita Tributria, Receita de</p><p>Contribuies, Taxa de Servios, etc.</p><p>14</p></li><li><p> Receitas derivadas subdividemem:</p><p> Reparaes de guerra;</p><p> Penalidades</p><p> Tributos Impostos, taxas, contribuio demelhoria, emprstimo compulsrio econtribuies para fiscais ou especiais.(BRASIL, 2004).</p><p>15</p></li><li><p>Classificao segundo a </p><p>regularidade da receita</p><p> A Lei 4.320, de 1964, de forma implcita, classifica a</p><p>receita em oramentria e extra oramentria.</p><p> So receitas oramentrias as receitas que integram</p><p>definitivamente ao patrimnio pblico sem qualquer</p><p>correspondncia no passivo e estejam ou no</p><p>prevista na Lei de Oramentria Anual (LOA).</p><p> A receita extra oramentria aquela que noconsta na Lei Oramentria Anual e compreende as</p><p>entradas de caixa ou crditos de terceiros que o</p><p>Estado tem obrigao de devoluo ou</p><p>reconhecimento.</p></li><li><p> So exemplos de receita extraordinria:</p><p> Depsitos Diversos: so os valores depositados</p><p>esporadicamente. Ex. depsito de garantia para a</p><p>participao em procedimentos licitatrios;</p><p> Restos a pagar do exerccio: so classificados do ladodas receitas no balano financeiro, para compensar a</p><p>sua incluso na despesa;</p><p> Valores arrecadados de uma forma transitria: caues,</p><p>depsitos judiciais, provises para cheques no</p><p>registrados no exerccio;</p><p> Servio da dvida a pagar: o procedimento o mesmo</p><p>do resto a pagar, segregado para fins de controle de</p><p>quanto dever ser pago no exerccio seguinte de juros e</p><p>encargos de dvida;</p><p> Operaes de crdito por antecipao da receita, etc.</p><p>(CARVALHO, 2006).</p><p>17</p></li><li><p> Receitas transferidas: so aquelas decorrentes</p><p>da transferncia entre os entes da Federao. A</p><p>hiptese mais comum a repartio da</p><p>arrecadao tributria, realizada nos termos dos</p><p>artigos 157 a 162 da CF. A despeito de ser umareceita cuja origem o pagamento de tributos,</p><p>trata-se de receita transferida, pois no decorre</p><p>da competncia tributria da entidade poltica</p><p>que a recebe.</p><p>A Classificao da Receita conforme a origem</p><p>http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10665561/artigo-157-da-constitui%C3%A7%C3%A3o-federal-de-1988http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10664199/artigo-162-da-constitui%C3%A7%C3%A3o-federal-de-1988http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/155571402/constitui%C3%A7%C3%A3o-federal-constitui%C3%A7%C3%A3o-da-republica-federativa-do-brasil-1988</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica</p><p> A legislao estabelece as seguintes</p><p>fases para a receita:</p><p>previso,</p><p> lanamento</p><p>arrecadao/recolhimento.</p><p>19</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica</p><p>A previso uma fase da receita</p><p>pblica mais relacionada ao</p><p>processo de elaborao</p><p>oramentria.</p><p>20</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica - PREVISO</p><p>A previso da receita a estimativa dequanto se espera arrecadar durante oexerccio financeiro, correspondendoaos impostos diretos, taxas,contribuies de melhoria, serviosindustriais, rendas patrimoniais e etc. base na estimativa da receita que oGoverno planeja e define os gastosque comporo a LOA.</p><p>21</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica - PREVISO</p><p> Regras para a elaborao da previso dareceita (LRF):</p><p>Observar normas tcnicas e legais;</p><p>Considerar os efeitos das alteraes nalegislao, da variao do ndice depreos, do crescimento econmico ou dequalquer outro fator relevante;</p><p>Acompanhar demonstrativos de evoluo,nos ltimos trs anos, da projeo para osdois seguintes quele a que se referirem,bem como da metodologia e daspremissas utilizadas.</p><p>22</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica - LANAMENTO</p><p> O lanamento a identificao do devedor ouda pessoa do contribuinte.</p><p> A Lei n 4.320/1964 define o lanamento dareceita como sendo o ato da repartiocompetente que verifica a procedncia docredito fiscal, a pessoa devedora e inscreve adbito dela.</p><p> O Cdigo Tributrio Nacional define essamedida como sendo o procedimentoadministrativo tendente a verificar a ocorrnciado fato gerador da obrigao correspondente,a matria tributvel, o clculo do montante dotributo e a identificao do respectivo sujeitopassivo.</p><p>23</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica -</p><p>ARRECADAO/ RECOLHIMENTO</p><p>A arrecadao da receita est ligada aospagamentos feitos diretamente peloscontribuintes s reparties fiscais e rede bancaria autorizada.</p><p>O recolhimento compreende a entregado produto da arrecadao pelasreferidas reparties e estabelecimentosbancrios ao Banco do Brasil para crditona conta da Receita da Unio (ou nosBancos Estaduais para crdito na Contada Receita Estadual do Tesouro Estadualou na Conta de Receita Municipal doTesouro Municipal, conforme o caso).</p><p>24</p></li><li><p>Estgios da Execuo </p><p>da Receita Pblica</p><p> O Recolhimento constitudo pelaentrega dos valores arrecadados pelosagentes pblicos ou privados aos cofrespblicos, tornando-os disponveis aoTesouro, em obedincia ao princpio legalda unidade de tesouraria.</p><p> Art. 56. O recolhimento de todas asreceitas far-se- em estrita observnciaao princpio de unidade de tesouraria,vedada qualquer fragmentao paracriao de caixas especiais. (Lei4.320/64)</p><p>25</p></li><li><p>Uma Receita pode ser arrecadada sem ter sido prevista?</p><p>A legislao estabelece uma</p><p>sequncia para a execuo das</p><p>receitas, sendo flexvel conforme a</p><p>sua natureza, e possvel arrecadar</p><p>uma receita sem ter sido prevista.</p><p>26</p></li><li><p>SOBRE A CLASSIFICAO </p><p>ECONMICA DAS RECEITAS</p></li><li><p>RECEITAS CORRENTES</p><p>Receitas Correntes</p><p>11 Receita Tributria</p><p>12 Receita de Contribuies</p><p>13 Receita Patrimonial</p><p>14 Receita Agropecuria</p><p>15 Receita Industrial</p><p>16 Receita de Servios</p><p>17 Transferncias Correntes</p><p>19 Outras Receitas Correntes</p></li><li><p> Receita Tributria: a receita decorrente da</p><p>competncia tributria instituda pela</p><p>Constituio Federal. Entende-se por tributo</p><p>toda prestao pecuniria compulsria, em</p><p>moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que</p><p>no constitua sano de ato ilcito, instituda em</p><p>lei e cobrada mediante atividade administrativa</p><p>plenamente vinculada. Os tributos classificam-seem Impostos, Taxas e Contribuies de Melhoria:</p><p> Impostos: so os tributos que compreendem contribuio monetria, que os poderes pblicos</p><p>exigem da sociedade para atendimento de</p><p>servios no especficos. a modalidade de</p><p>tributo cuja obrigao tem por fato gerador uma</p><p>situao independente de qualquer atividade</p><p>estatal especfica, relativamente ao contribuinte.</p></li><li><p> Receita Tributria:</p><p> Taxas: o tributo cobrado pela Unio, pelosEstados, pelo Distrito Federal ou pelos Municpios,</p><p>no mbito de suas respectivas atribuies, tendo</p><p>como fato gerador o exerccio regular do poder</p><p>de polcia ou a utilizao efetiva ou potencial de</p><p>servio pblico especfico e divisvel, prestado ao</p><p>contribuinte ou posto sua disposio.</p><p> Contribuio de Melhoria: o tributo gerado pela</p><p>valorizao imobiliria decorrentes das obras</p><p>pblicas realizadas, como forma de ressarcimento</p><p>do dinheiro pblico gasto para execuo dessas</p><p>obras. Portanto, a Contribuio de Melhoria </p><p>instituda para fazer face ao custo de obras</p><p>pblicas de que decorra valorizao imobiliria.</p></li><li><p> Receita de Contribuies: so aquelas receitasdecorrentes de contribuies sociais, contribuiesde Interveno no Domnio Econmico. Comoexemplo pode-se citar, a Contribuio deEmpregadores e Trabalhadores o Instituto deSeguridade Social (INSS), o Programa de IntegraoSocial (PIS), a Contribuio para o Financiamento daSeguridade Social (COFINS) e a Contribuio Socialsobre o Lucro Lquido (CSLL).</p><p> Receita Patrimonial: Decorrente da utilizao de bensimveis, de rendimentos de valores mobilirios, taiscomo ttulos de rendas e receitas derivadas dopatrimnio (juros bancrios).</p><p> Receita Agropecuria: so receitas decorrentes deexploraes agropecurias: agricultura (cultivo dosolo), inclusive hortalias e flores: pecuria (criao,recriao ou engorda do gado de pequenosanimais); silvicultura (ou reflorestamento) e extraode produtos vegetais;</p></li><li><p> Receita Industrial: so aquelas provenientes dasatividades industriais definidas como tais pelaFundao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica IBGE.</p><p> Receita de Servios: so as receitas decorrentesdaquelas atividades que se caracterizam pelaprestao de servios tais como: comrcio,transporte, comunicao, servios hospitalares,armazenagem, servios recreativos e culturais, etc.</p><p> Transferncias Correntes: recursos recebidos de outrapessoa de direito pblico ou privado, independentede contraprestaes direta de bens ou servios.Podem ocorrer a nvel intragovernamental (dentro dombito de um mesmo governo) e intergovernamental(entre governos diferentes, da Unio para o Estado,do Estado para os Municpios), assim como recebidosde Instituies Privadas, do Exterior e de Pessoas.</p><p> Outras Receitas Correntes: integram essas receitas asMultas e Juros de Mora, Indenizaes e Restituies,Receita da Dvida Ativa e Receitas Diversas;</p></li><li><p> Receitas Correntes Intra-Oramentrias: So receitas</p><p>correntes de rgos, fundos, autarquias, fundaes,</p><p>empresas estatais dependentes e de outras entidades</p><p>integrantes dos oramentos fiscal e da seguridade</p><p>social decorrentes do fornecimento de materiais,</p><p>bens e servios, recebimentos de impostos, taxas e</p><p>contribuies, alm de outras operaes, quando o</p><p>fato que originar a receita decorrer de despesa de</p><p>rgo, fundo, autarquia, fundao, empresa estatal</p><p>dependente ou de outra entidade constante desses</p><p>oramentos, no mbito da mesma esfera de governo.</p></li><li><p>RECEITAS DE CAPITAL</p><p>Receitas de Capital</p><p>21 Operao de Crdito</p><p>22 Alienao de Bens</p><p>23 Amortizao de Emprstimos</p><p>24 Transferncias de Capital</p><p>25 - Outras Receitas de Capital</p></li><li><p> Operaes de Crdito: recursos decorrentes da</p><p>colocao de ttulos pblicos ou de</p><p>emprstimos obtidos junto a entidades estatais</p><p>ou particulares internos ou externos. Nooramento este ttulo representa, como regra, o</p><p>dficit oramentrio e no Balano, os ingressos</p><p>efetivos.</p><p> Alienao de Bens: proveniente da alienaode bens imveis e mveis.</p><p> Amortizao de emprstimos: provenientes da</p><p>amortizao de emprstimos concedidos, ou</p><p>seja, a receita obtida com o retorno de recursos</p><p>que haviam sido emprestados.</p></li><li><p> Transferncias de Capital: por identidade, as</p><p>descries das transferncias de capital</p><p>correspondem quelas apresentadas em</p><p>transferncia correntes, salvo no que se refere sua</p><p>destinao, pois as receitas de capital, em sua</p><p>aplicao, devem ser destinadas obrigatoriamente</p><p>em gastos de capital: investimentos ou inverses</p><p>financeiras</p><p> Outras Receitas de Capital: neste ttulo sero</p><p>classificadas as receitas de capital que no atendem</p><p>s especificaes anteriores. Deve ser empregado</p><p>apenas no caso de impossibilidade de utilizao dos</p><p>demais ttulos.</p></li><li><p> Receitas de Capital Infra-Oramentrias: Receitas de</p><p>capital de rgos, fundos, autarquias, fundaes,</p><p>empresas estatais dependentes e outras entidades</p><p>integrantes dos oramentos fiscal e da seguridade</p><p>social derivadas da obteno de recursos mediante</p><p>a constituio de dvidas, amortizao de</p><p>emprstimos e financiamentos ou alienao de</p><p>componentes do ativo permanente, quando o fato</p><p>que originar a receita decorrer de despesa de rgo,</p><p>fundo, autarquia, fundao, empresa estatal</p><p>dependente ou outra entidade constante desses</p><p>oramentos, no mbito da mesma esfera de governo.</p></li><li><p>REFERNCIAS Conselho Federal de Contabilidade. Normas brasileiras de contabilidade: </p><p>contabilidade aplicada ao setor pblico: NBCs T 16.1 a 16.11 -- Braslia: Conselho </p><p>Federal de Contabilidade, 2012. Disponvel em: &lt; http://portalcfc.org.br/wordpress/wp-</p><p>content/uploads/2013/01/Setor_Pblico.pdf&gt;. Acesso em 01 mar. 2018</p><p> KOHAMA, Hlio. Contabilidade pblica: teoria e prtica. 11 ed. So Paulo: </p><p>Atlas,2010.</p><p> MOTA, Francisco Glauber Lima. Contabilidade aplicada ao setor pblico. Braslia: </p><p>Editora Gesto Pblica, 2009.</p><p> SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. Manual de Contabilidade Aplicada ao </p><p>Setor Pblico. Disponvel em: </p><p>. Acesso em 26 fev. 2018.</p><p> SILVA, Lino Martins da. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo.</p>http://portalcfc.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2013/01/Setor_Pblico.pdf</li></ul>

Recommended

View more >