Contabilidade e Orçamento Público

Download Contabilidade e Orçamento Público

Post on 07-Jun-2015

5.208 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>Resumo de Oramento Pblico</p> <p>Assunto:</p> <p>ORAMENTO PBLICO</p> <p>Autor:</p> <p>Desconhecido</p> <p>1</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>ORAMENTOAPRESENTAO O oramento pblico uma lei que, entre outros aspectos, exprime em termos financeiros a alocao dos recursos pblicos. Trata-se de um instrumento de planejamento que espelha as decises polticas, estabelecendo as aes prioritrias para o atendimento das demandas da sociedade, em face da escassez de recursos. Apresenta mltiplas funes - de planejamento, contbil, financeira e de controle. As despesas, para serem realizadas, tm que estar autorizadas na lei oramentria anual. No Brasil, como na maioria dos pases de regime democrtico, o processo oramentrio reflete a co-responsabilidade entre os poderes, caracterizando-se por configurar quatro fases distintas: 1 - a elaborao da proposta, feita no mbito do Poder Executivo; 2 - a apreciao e votao pelo Legislativo - no caso do governo federal, o Congresso Nacional; 3 - a sua execuo; e 4 - o controle, consubstanciado no acompanhamento e avaliao da execuo. Com a estabilizao econmica, o oramento se reveste da maior importncia, na medida em que os valores expressos em termos reais tendem a no ficar defasados, como ocorria no perodo inflacionrio. Em conseqncia, passa a espelhar, com maior nitidez, a alocao dos recursos, favorecendo o acompanhamento e a avaliao das aes governamentais, principalmente pelo contribuinte e seus representantes, colaborando assim, para a construo de um estado moderno, voltado para os interesses da sociedade. Esta nova realidade demanda a necessidade de difundir amplamente o contedo do oramento, que expressa o esforo do governo para atender programao requerida pela sociedade, a qual financiada com as contribuies de todos os cidados por meio do pagamento de seus tributos, contribuies sociais e tarifas de servios pblicos.</p> <p>CONCEITOS BSICOS</p> <p>2</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>O que o Oramento Pblico? O Oramento Geral da Unio (OGU) prev todos os recursos e fixa todas as despesas do Governo Federal, referentes aos Poderes Legislativo, Executivo e Judicirio. As despesas fixadas no oramento so cobertas com o produto da arrecadao dos impostos federais, como o Imposto de Renda (IR) e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), bem como das contribuies, como o da Contribuio para Financiamento da Seguridade Social - COFINS, que calculado sobre o faturamento mensal das empresas, nas vendas de mercadorias, de mercadorias e servios e de servios de qualquer natureza, e bem assim do desconto na folha que o assalariado paga para financiar sua aposentadoria. Os gastos do governo podem tambm ser financiados por operaes de crdito - que nada mais so do que o endividamento do Tesouro Nacional junto ao mercado financeiro interno e externo. Este mecanismo implica o aumento da dvida pblica. As receitas so estimadas pelo governo. Por isso mesmo, elas podem ser maiores ou menores do que foi inicialmente previsto. Se a economia crescer durante o ano, mais do que se esperava, a arrecadao com os impostos tambm vai aumentar. O movimento inverso tambm pode ocorrer. Com base na receita prevista, so fixadas as despesas dos poderes Executivo, Legislativo e Judicirio. Depois que o Oramento aprovado pelo Congresso, o governo passa a gastar o que foi autorizado. Se a receita do ano for superior previso inicial, o governo encaminha ao Congresso um projeto de lei pedindo autorizao para incorporar e executar o excesso de arrecadao. Nesse projeto, define as novas despesas que sero custeadas pelos novos recursos. Se, ao contrrio, a receita cair, o governo fica impossibilitado de executar o oramento na sua totalidade, o que exigir corte nas despesas programadas. A inflao crnica, antes do Plano Real, distorcia o oramento. Quando o governo elaborava a proposta oramentria, previa uma taxa anual de inflao, a fim de corrigir as dotaes oramentrias para que elas mantivessem o valor real. Mas na ltima dcada, por causa da inflao crnica e ascendente, essa taxa estimada quase sempre era menor que a inflao efetivamente ocorrida no ano. Com isso, o processo inflacionrio corroa as dotaes oramentrias. Por exemplo, se o oramento previa um determinado valor para a construo de uma estrada federal, quando o recurso era liberado, o seu valor real (ou seja, descontada a inflao do perodo) no era mais suficiente para a execuo da obra. Esse problema gerou inmeras distores, como a paralisao de projetos pela metade ou a construo de estradas de pssima qualidade. Princpios Oramentrios Existem princpios bsicos que devem ser seguidos para elaborao e controle do oramento, que esto definidas na Constituio, na Lei n 4.320, de 17 de maro de 1964, no Plano Plurianual e na Lei de Diretrizes Oramentrias.</p> <p>3</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>A Lei n 4.320/64 estabelece os fundamentos da transparncia oramentria (art. 2o): "A Lei do Oramento conter a discriminao da receita e despesa, de forma a evidenciar a poltica econmico-financeira e o programa de trabalho do governo, obedecidos os princpios da unidade, universalidade e anualidade". Princpio da Unidade Cada entidade de direito pblico deve possuir apenas um oramento, fundamentado em uma nica poltica oramentria e estruturado uniformemente. Assim, existe o oramento da Unio, o de cada Estado e o de cada Municpio. Princpio da Universalidade A Lei oramentria deve incorporar todas as receitas e despesas, ou seja, nenhuma instituio pblica deve ficar fora do oramento. Princpio da Anualidade Estabelece um perodo limitado de tempo para as estimativas de receita e fixao da despesa, ou seja, o oramento deve compreender o perodo de um exerccio, que corresponde ao ano fiscal. Nem tudo feito pelo governo federal O Oramento Geral da Unio no financia todas as despesas pblicas. A Constituio do Brasil define as atribuies do governo federal, dos governos estaduais e municipais. O dinheiro para asfaltar a rua de sua cidade no est includo no Oramento Geral da Unio, que contempla apenas aes atribudas pela Constituio esfera federal do poder pblico. Se voc est interessado em saber quais os recursos disponveis para as obras de esgotos de sua rua, deve verificar o oramento da prefeitura de sua cidade. Se a sua preocupao for com a construo de uma estrada vicinal em sua regio, deve consultar o oramento de seu Estado. O Oramento Geral da Unio prev recursos para a construo, pavimentao ou recuperao de estradas federais. Da mesma forma, se o seu interesse saber se as obras de construo do hospital de sua cidade sero executadas este ano, deve consultar o oramento de sua prefeitura. As despesas com a segurana de sua cidade ou de sua rua so financiadas tambm pelo oramento de seu municpio. A Unio repassa para os governos estaduais e prefeituras 47% de tudo o que arrecada com o Imposto de Renda (IR) e com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), atravs dos Fundos de Participao dos Estados, Distrito Federal e Municpios. Os governos estaduais ainda contam tambm, para financiar os seus gastos, com 75% da arrecadao do Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Servios (ICMS) e com o Imposto sobre a Propriedade de Veculos Automotores (IPVA). As prefeituras contam, alm do repasse da Unio, feito de acordo com o nmero de habitantes de cada cidade, definido pelo censo do IBGE, com os impostos municipais como o Imposto Predial e</p> <p>4</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>Territorial Urbano (IPTU), com 25% da arrecadao do ICMS e com 50% da receita do Imposto Territorial Rural (ITR). Como feito o Oramento? O Oramento elaborado pelos trs poderes da Repblica e consolidado pelo Poder Executivo. Ele precisa ser equilibrado. Ou seja, no pode fixar despesas em valores superiores aos recursos disponveis. Essa limitao obriga o governo a definir prioridades na aplicao dos recursos estimados. As metas para a elaborao da proposta oramentria so definidas pelo Plano Plurianual (PPA) e priorizadas pela Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO). O projeto do Plano Plurianual precisa ser elaborado pelo governo e encaminhado ao Congresso, para ser discutido e votado, at o dia 31 de agosto do primeiro ano do mandato de cada presidente, como determina a Constituio. Depois de aprovado, o PPA vlido para os quatro anos seguintes. O PPA estabelece as diretrizes, objetivos e metas, de forma regionalizada, da administrao pblica federal. A finalidade do PPA, em termos oramentrios, a de estabelecer objetivos e metas que comprometam o Poder Executivo e o Poder Legislativo a dar continuidade aos programas na distribuio dos recursos. O PPA precisa ser aprovado pelo Congresso at o final do primeiro ano do mandato do presidente eleito. O controle e a fiscalizao da execuo do PPA so realizados pelo sistema de controle interno do Poder Executivo e pelo Tribunal de Contas da Unio. O acompanhamento e a avaliao so feitos pelo Ministrio do Planejamento e Oramento. A Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO) prioriza as metas do PPA e orienta a elaborao do Oramento Geral da Unio, que ter validade para o ano seguinte. O projeto da LDO elaborado pelo Poder Executivo, sob a direo do MPO e a coordenao da Secretaria de Oramento Federal (SOF), e precisa ser encaminhado ao Congresso at o dia 15 de abril de cada ano. O projeto da LDO tem como base o PPA e deve ser apreciado pelo Congresso Nacional at 30 de junho de cada exerccio. Depois de aprovado, o projeto sancionado pelo Presidente da Repblica. Com base na LDO, a Secretaria de Oramento Federal (SOF) elabora a proposta oramentria para o ano seguinte, com a participao dos Ministrios (rgos setoriais) e as unidades oramentrias dos Poderes Legislativo e Judicirio. Por determinao constitucional, o governo obrigado a encaminhar o projeto de lei do oramento ao Congresso Nacional at o dia 31 de agosto de cada ano. Acompanha a proposta uma mensagem do Presidente da Repblica, na qual feito um diagnstico sobre a situao econmica do pas e suas perspectivas, observando os seguintes procedimentos: 1a Etapa</p> <p>5</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>Entre os meses de janeiro e maio, na Secretaria de Oramento Federal - SOF, desenvolvida a anlise da srie histrica da execuo dos ltimos exerccios, para definio dos limites de gastos por unidade oramentria da Unio. 2a Etapa No ms de junho, os rgos setoriais apresentam uma proposio detalhada relativa s suas programaes em: Atividades - envolvendo o montante de recursos necessrios para assegurar a manuteno da execuo das aes atualmente desenvolvidas para a prestao de servios comunidade; Despesas Obrigatrias - relativas a despesas com pessoal, servio da dvida, benefcios previdencirios. 3a Etapa Com a estimativa da Receita a ser arrecadada e o montante de gastos projetados para o exerccio na 2a Etapa, define um limite adicional e o remete aos rgos para complementar a sua programao oramentria, compreendendo: Expanso de atividades - os valores necessrios para expanso dos servios; Projetos - gastos requeridos para aumento da capacidade fsica de atendimento ou insero de uma ao nova nas atribuies dos rgos. 4a Etapa Formaliza o documento final elaborando todos os demonstrativos exigidos pela Lei Federal no 4.320/64 e pela Lei de Diretrizes Oramentrias. No Congresso, deputados e senadores discutem a proposta que o Executivo preparou, fazem as mudanas que consideram necessrias e votam o projeto. At Constituio de 1988, o Congresso apenas homologava o oramento tal qual ele vinha do Executivo. A partir de 1988, deputados e senadores adquiriram o direito de emendar o oramento, o que significa que os parlamentares podem propor alteraes em programas e projetos apresentados pelo Poder Executivo, desde que sejam compatveis com o Plano Plurianual e a Lei de Diretrizes Oramentrias. A Constituio determina que o Congresso deve votar o Oramento at o encerramento da sesso legislativa de cada ano. Depois da aprovao pelo Legislativo, o projeto enviado ao Presidente da Repblica para ser sancionado. Aps a sano, transforma-se em lei. Utilizando o Sistema Integrado de Dados Oramentrios (SIDOR), a Secretaria de Oramento Federal acompanha e avalia a execuo oramentria, procedendo a</p> <p>6</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>alteraes, atravs de crditos adicionais, quando necessrio. A Secretaria do Tesouro Nacional registra no Sistema Integrado de Administrao Financeira (SIAFI) a execuo oramentria realizada pelos rgos da administrao pblica.</p> <p>Classificaes Oramentrias De grande importncia para a compreenso do oramento so os critrios de classificao das contas pblicas. As classificaes so utilizadas para facilitar e padronizar as informaes que se deseja obter. Pela classificao possvel visualizar o oramento por Poder, por Instituio, por Funo de Governo, por Programa, por Subprograma, por Projeto e/ou Atividade, ou, ainda por categoria econmica. Vrias so as razes por que deve existir um bom sistema de classificao no oramento. Podemos citar algumas: 1) Facilitar a formulao de programas. 2) Proporcionar uma contribuio efetiva para o acompanhamento da execuo do oramento. 3) Determinar a fixao de responsabilidades. 4) Possibilitar a anlise dos efeitos econmicos das atividades governamentais. Dependendo do critrio de classificao, alguns aspectos das contas podero ser evidenciados. A Lei estabelece a obrigatoriedade de classificao segundo vrios critrios, conforme veremos a seguir: Classificao por Categoria Econmica A classificao por categoria econmica importante para o conhecimento do impacto das aes de governo na conjuntura econmica do pas. Ela possibilita que o oramento constitua um instrumento de importncia para a anlise e ao de poltica econmica, de maneira a ser utilizado no fomento ao desenvolvimento nacional, no controle do dficit pblico, etc. Por esse critrio, o oramento se divide em dois grandes grupos: as Contas Correntes e Contas de Capital: RECEITAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL Receita Tributria Operaes de Crdito Receita de Contribuies Alienao de Bens Receita Patrimonial Amortizao de Emprstimos Receita Agropecuria Transferncias de Capital Receita Industrial Outras Receitas de Capital Receita de Servios</p> <p>7</p> <p>www.ResumosConcursos.hpg.com.brResumo: Oramento Pblico por Desconhecido</p> <p>Transferncias Correntes Outras Receitas Correntes DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL Pessoal e Encargos Sociais Investimentos Juros e Encargos da Dvida Inverses Financeiras Outras Despesas Correntes Amortizao da Dvida Outras Despesas de Capital</p> <p>Classificao Funcional Programtica A classificao Funcional Programtica representou um grande avano na tcnica de apresentao oramentria. Ela permite a vinculao das dotaes oramentrias a objetivos de governo. Os objetivos so viabilizados pelos Programas de Governo. Esse enfoque permite uma viso de "o que o governo faz", o que...</p>