Conseqüências da guerra do Paraguai

Download Conseqüências da guerra do Paraguai

Post on 09-Jul-2015

1.009 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Conseqncias da guerra do ParaguaiPara o Paraguai, a derrota na guerra foi desastrosa. O conflito havia levado morte cerca de 80% da populao do pas, na sua maioria homens. A indstria nascente foi arrasada e, com isso, o pas voltou a dedicar-se quase que exclusivamente produo agrcola. A guerra tambm gerou um custoso endividamento do Paraguai com o Brasil. Essa dvida foi perdoada por Getlio Vargas. Mas os encargos da guerra e as necessidades de recursos financeiros levaram o pas dependncia de capitais estrangeiros. A Guerra do Paraguai tambm afetou o Brasil. Economicamente, o conflito gerou muitos encargos e dvidas que s puderam ser sanados com emprstimos estrangeiros, o que fez aumentar nossa dependncia em relao s grandes potncias da poca (principalmente a Inglaterra) e a dvida externa. No obstante, o conflito armado provocou a modernizao e o fortalecimento institucional do Exrcito brasileiro. Com a maioria de seus oficiais comandantes provenientes da classe mdia urbana, e seus soldados recrutados entre a populao pobre e os escravos, o exrcito brasileiro tornou-se uma fora poltica importante, apoiando os movimentos republicanos e abolicionistas que levaram ao fim do regime monrquico no Brasil.Do Imprio RepblicaQuesto social: O abolicionismo A Inglaterra foi a grande responsvel pela abolio da mo-de-obra escrava no Brasil. A revoluo industrial necessitava de mercados consumidores. Os negros, sendo livres, iriam tornar-se assalariados e, conseqentemente, consumidores. Aps a guerra do paraguai, em 1870, a sociedade mobilizou-se e assumiu uma posio abolicionista clara e direta. Vrios segmentos sociais comearam a se posicionar em defesa da libertao dos escravos. A oligarquia agrria produtora de caf do Oeste paulista, principal responsvel pela lavoura, tornou-se defensora do fim da escravido. Esta classe social tomou conscincia de que o trabalho escravo era inoperante; portanto deveria ser substitudo pelo trabalho livre. As presses contra a escravido eram defendidas por vrias instituies antiescravistas (internacionais e nacionais) que se avolumaram entre os anos de 1870 e 1880. O Brasil era o nico pas americano livre que ainda utilizava escravos. Questo Religiosa (1872 1875) Na monarquia brasileira a Igreja e o Estado estavam associados pelo padroado que institua o catolicismo como a religio oficial do Brasil e os padres e bispos eram trabalhadores pblicos, pagos pelo Estado; e pelo beneplcito, que determinava que os bispos escolhidos pelo papa s seriam efetivados no cargo mediante a aprovao de Dom Pedro II. Logo a relao entre o Estado e a Igreja comeou a se agravar. Em1864, ano em que a Europa sofria com os conflitos entre maons e catlicos, o papa decretou a proibio da relao entre o clero e a maonaria, mas como o conflito s estava atingindo a Europa, o decreto do papa no refletiumuito no Brasil. Porm, em 1872 tornou-se evidente a Questo Religiosa, quando os bispos D. Vital de Oliveira (Olinda) e D. Antnio de Macedo (Belm do Par), declararam que todas as irmandades de suas dioceses que no excetuassem os seus integrantes maons seriam interditadas. No entanto, a maonaria tinha grande importncia social para o governo imperial, que interps a sua autoridade, e como conseqncia os bispos foram condenados a 4 anos de priso com trabalho forado. Em 1875, o primeiro-ministro Duque de Caxias entrou com um pedido de anistia para os bispos condenados, que foi concedido pelo Imperador. A Questo Religiosa deixou o governo politicamente destrudo, e com isso grande parte da populao ficou a favor da dissociao do Estado e da Igreja, fortalecendo ainda mais os republicanos. As questes militares (1884 1886) Aps a guerra do Paraguai, o Exrcito brasileiro se fortaleceu, pois at ento o seu exerccio era insignificante, se comparado a Guarda Nacional. A partir da, o setor militar brasileiro se tornou mais organizado e moderno. Contudo, politicamente, o Exrcito no tinha grandes prestgios, o que deixava os oficiais insatisfeitos. O clima tenso entre os militares e civis, conhecidos como fardas e casacas, respectivamente, aumentava cada vez mais. E assim, comearam a ocorrer alguns incidentes, expandindo as questes militares. A primeira questo ocorreu quando o Coronel Sena Madureira declarou-se publicamente atravs da imprensa, contra a reforma do Montepio Militar, e considerando que atitudes como esta eram proibidas aos militares, este foi repreendido pelo Ministrio da Guerra. A segunda questo est relacionada priso de Sena Madureira, que recebeu com muita honra na Escola de Tiro do Campo Grande, o Cearense Francisco Nascimento, um jangadeiro que impedia o embarque de escravos de Fortaleza para o Sul, e veio para o Rio de Janeiro para participar de um comcio a favor da abolio. Como Madureira prestigiou a chegada do jangadeiro, o governo imperial sentiu-se ofendido e ordenou a demisso do coronel da Escola de Tiro, bem como a sua priso. Esse fato causou a revolta de outros militares, que ao fazerem seus manifestos tambm foram detidos. A terceira questo partiu de uma inspeo de rotina feita pelo Coronel Cunha Matos em Piau, onde foi descoberto o extravio de fardamentos, e negociatas com o salrio dos militares. Aps descobrir a corrupo, Cunha pediu o afastamento do oficial responsvel, e foi acusado de ter agido sem dignidade. Para se defender, Cunha desobedeceu a lei e se manifestou publicamente, atravs da imprensa, por isso foi punido, ficando preso por 48 horas. Com isso, um novo conflito iniciado. Cunha recebeu o apoio do marechal Deodoro da Fonseca, que no suspendeu a priso dos militares que estavam sobre o seu domnio. Diante de uma situao irreversvel e temendo uma revolta militar, o governo imperial suspendeu as penas estabelecidas e libertou os militarespresos. A participao dos militares nos combates polticos foi uma fase evidente da queda do Imprio.Fonte(s):http://www.colegioweb.com.br/historia/a-

Recommended

View more >