CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPÍRITO SANTO LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO EM AQUICULTURA Consultor Técnico: Eng. Agrônomo

Download CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPÍRITO SANTO LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO EM AQUICULTURA Consultor Técnico: Eng. Agrônomo

Post on 17-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> Slide 1 </li> <li> CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPRITO SANTO LEGISLAO PROFISSIONAL TCNICO EM AQUICULTURA Consultor Tcnico: Eng. Agrnomo LEONARDO COSER BOYNARD Maio/2011 </li> <li> Slide 2 </li> <li> No Brasil, existem profisses: Regulamentadas NO Regulamentadas O Estado regulamenta uma profisso se entender que seu exerccio indiscriminado coloca em risco a sociedade. No Brasil as profisses da Engenharia, Arquitetura, Agronomia e afins, so regulamentadas atravs do Sistema Confea/Crea. </li> <li> Slide 3 </li> <li> O CONFEA e os CREAs so autarquias federais prestadoras de servio pblico Responsveis pela fiscalizao do exerccio profissional; Asseguram direitos e prerrogativas; Protegem a sociedade contra os riscos do mau exerccio profissional ou execuo por leigos; Congrega em torno de 880.000 profissionais (SIC). </li> <li> Slide 4 </li> <li> Profissionais do Sistema CONFEA/CREAs Engenheiros - Arquitetos Agrnomos - Gegrafos Gelogos - Meteorologistas Tecnlogos - Tcnicos Agrcolas e Tcnicos Industriais </li> <li> Slide 5 </li> <li> O Sistema CONFEA / CREAs quem fiscaliza o seu exerccio profissional Lei 5.194/66 </li> <li> Slide 6 </li> <li> Mec.Met.Qui.Geo.Minas Eltrica Agronmica Arquitetura CEEA CEMMQGM CEEE CEAR CMARAS ESPECIALIZADAS PLENRIO Civil CEEC Segurana Trabalho CEEST </li> <li> Slide 7 </li> <li> SENGE/ES SEE IBAPE-ESSEEA IAB-ES Plenrio UFES SINTEC/ES AEFES UNIVIX SINTAES / ATAES FAESA UCLIFES UVV FAACZ </li> <li> Slide 8 </li> <li> GRUPO AGRONOMIA -Engenheiro Agrnomo -Engenheiro Florestal -Engenheiro Agrcola -Engenheiro de Pesca -Meteorologista -Tecnlogo -Tcnico Agrcola </li> <li> Slide 9 </li> <li> CMARA ESPECIALIZADA DE AGRONOMIA CEAGRO -02 Engenheiros Agrnomos (SEEA) -02 Engenheiros Florestais (AEFES e UFES) -02 Tcnicos Agrcolas (ATAES e SINTAES) -01 Representante do Plenrio (SINTEC-ES) </li> <li> Slide 10 </li> <li> Registros no Crea-ES Registro Profissional: - em situao provisria - efetivao de registro Registro de Empresas Registro de Obras e Servios ART ART de Cargo / Funo </li> <li> Slide 11 </li> <li> Registro Profissional Artigo 55, da Lei 5.194/66 Os profissionais habilitados na forma estabelecida nesta lei s podero exercer a profisso aps registro no Conselho Regiona l, sob cuja jurisdio se achar o local de sua atividade. </li> <li> Slide 12 </li> <li> Registro de Pessoa Jurdica Artigo 59, da Lei 5.194/66 As firmas, sociedades, associaes, companhias, cooperativas e empresas em geral, que se organizem para executar obras ou servios relacionados na forma estabelecida nesta Lei, s podero iniciar suas atividades depois de promoverem o competente registro nos Conselhos Regionais, bem como o dos profissionais do seu quadro tcnico. </li> <li> Slide 13 </li> <li> LEI 6.496/77 ART ANOTAO DE RESPONSABILIDADE TCNICA Institui a "Anotao de Responsabilidade Tcnica" na prestao de servios de Engenharia, de Arquitetura e Agronomia; autoriza a criao, pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CONFEA, de uma Mtua de Assistncia Profissional, e d outras providncias. </li> <li> Slide 14 </li> <li> Artigo 1 - Todo contrato, escrito ou verbal, para a execuo de obras ou prestao de quaisquer servios profissionais referentes Engenharia, Arquitetura e Agronomia fica sujeito "Anotao de Responsabilidade Tcnica" (ART). Artigo 2 - A ART define para os efeitos legais os responsveis tcnicos pelo empreendimento de engenharia, arquitetura e agronomia. </li> <li> Slide 15 </li> <li> RESOLUO N 1025/09 Dispe sobre a Anotao de Responsabilidade Tcnica e o Acervo Tcnico Profissional, e d outras providncias. Artigo 2 - A ART o instrumento que define, para os efeitos legais, os responsveis tcnicos pela execuo de obras ou prestao de servios relativos s profisses abrangidas pelo Sistema Confea/Crea. </li> <li> Slide 16 </li> <li> Artigo 3 - Todo contrato escrito ou verbal para execuo de obras ou prestao de servios relativos s profisses abrangidas pelo Sistema Confea/Crea fica sujeito ao registro da ART no Crea em cuja circunscrio for exercida a respectiva atividade. </li> <li> Slide 17 </li> <li> Slide 18 </li> <li> ATRIBUIES PROFISSIONAIS RESOLUO N 218/73 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. </li> <li> Slide 19 </li> <li> Artigo 1 - Para efeito de fiscalizao do exerccio profissional correspondente s diferentes modalidades da Engenharia, Arquitetura e Agronomia em nvel superior e em nvel mdio, ficam designadas as seguintes atividades: Atividade 01 - Superviso, coordenao e orientao tcnica; Atividade 02 - Estudo, planejamento, projeto e especificao; </li> <li> Slide 20 </li> <li> Atividade 03 - Estudo de viabilidade tcnico-econmica; Atividade 04 - Assistncia, assessoria e consultoria; Atividade 05 - Direo de obra e servio tcnico; </li> <li> Slide 21 </li> <li> Atividade 06 - Vistoria, percia, avaliao, arbitramento, laudo e parecer tcnico; Atividade 07 - Desempenho de cargo e funo tcnica; Atividade 08 - Ensino, pesquisa, anlise, experimentao, ensaio e divulgao tcnica; extenso; </li> <li> Slide 22 </li> <li> Atividade 09 - Elaborao de oramento; Atividade 10 - Padronizao, mensurao e controle de qualidade; Atividade 11 - Execuo de obra e servio tcnico; Atividade 12 - Fiscalizao de obra e servio tcnico; </li> <li> Slide 23 </li> <li> Atividade 13 - Produo tcnica e especializada; Atividade 14 - Conduo de trabalho tcnico; Atividade 15 - Conduo de equipe de instalao, montagem, operao, reparo ou manuteno; </li> <li> Slide 24 </li> <li> Atividade 16 - Execuo de instalao, montagem e reparo; Atividade 17 - Operao e manuteno de equipamento e instalao; Atividade 18 - Execuo de desenho tcnico. </li> <li> Slide 25 </li> <li> Artigo 24, da Resoluo 218/73 Compete ao TCNICO DE GRAU MDIO: I - o desempenho das atividades 14 a 18 do artigo 1 desta Resoluo, circunscritas ao mbito das respectivas modalidades profissionais; II - as relacionadas nos nmeros 07 a 12 do artigo 1 desta Resoluo, desde que enquadradas no desempenho das atividades referidas no item I deste artigo. </li> <li> Slide 26 </li> <li> ATRIBUIES PROFISSIONAIS RESOLUO 262/79 Dispe sobre as atribuies dos Tcnicos de 2 grau, nas reas da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. </li> <li> Slide 27 </li> <li> Artigo 4 - A nenhum Tcnico de 2 Grau poder ser concedida atribuio que no esteja em estrita concordncia com sua formao profissional definida pelo seu currculo escolar e escolaridade. Artigo 5 - assegurada aos Tcnicos de 2 Grau a competncia para assumir a responsabilidade tcnica por pessoa jurdica cujo objetivo social seja restrito s suas atribuies. </li> <li> Slide 28 </li> <li> TTULO E ATRIBUIES PROFISSIONAIS Resoluo 473/02 Institui Tabela de Ttulos Profissionais do Sistema Confea/Crea e d outras providncias Grupo: 3 AGRONOMIA Modalidade: 1 AGRONOMIA Nvel: 3 TCNICO DE NVEL MDIO cdigo 313-06-00 - Tcnico em Aquicultura. </li> <li> Slide 29 </li> <li> ATRIBUIES PROFISSIONAIS As Atribuies Profissionais sero concedidas de acordo com o caput do Artigo 6 do Decreto n 90.922/85 modificado pelo Decreto n 4.560/02 e Artigo 7 do Decreto n 90.922/85, de conformidade com o Pargrafo nico do Artigo 84 da Lei n 5.194/66, no mbito da Aquicultura (eixo tecnolgico - Recursos Naturais). </li> <li> Slide 30 </li> <li> ATRIBUIES PROFISSIONAIS Resoluo 278/83 Dispe sobre o exerccio profissional dos Tcnicos Industriais e Tcnicos Agrcolas de Nvel Mdio ou de 2 Grau e d outras providncias.. </li> <li> Slide 31 </li> <li> Artigo 5 - As atribuies dos Tcnicos Agrcolas de 2 Grau, em suas diversas modalidades, para efeito do exerccio profissional, e da sua fiscalizao, respeitados os limites de sua formao, consistem em: I - atuar em atividades de extenso, associativismo e em apoio pesquisa, anlise, experimentao, ensaio e divulgao tcnica; II - ministrar disciplina tcnica, atendida a legislao especfica em vigor;. </li> <li> Slide 32 </li> <li> III - elaborar oramentos relativos s atividades de sua competncia; IV - prestar assistncia tcnica no estudo e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnolgicas, ou nos trabalhos de vistoria, percia, avaliao, arbitramento e consultoria, sob a superviso de um profissional de nvel superior, exercendo dentre outras as seguintes tarefas:. </li> <li> Slide 33 </li> <li> 1) coleta de dados de natureza tcnica; 2) desenho de detalhes de construes rurais; 3) elaborao de oramentos de materiais, insumos, equipamentos, instalaes e mo-de-obra; 4) detalhamento de programas de trabalho, observando normas tcnicas e de segurana no meio rural; 5) manejo e regulagem de mquinas e implementos agrcolas; </li> <li> Slide 34 </li> <li> 6) dar assistncia tcnica na aplicao de produtos especializados; 7) execuo e fiscalizao dos procedimentos relativos ao preparo do solo at colheita, armazenamento, comercializao e industrializao dos produtos agropecurios; 8) administrao de propriedades rurais; 9) colaborar nos procedimentos de multiplicao de sementes e mudas, comuns e melhoradas, bem como em servios de drenagem e irrigao.. </li> <li> Slide 35 </li> <li> V - conduzir, executar e fiscalizar obra e servio tcnico, compatveis com a respectiva formao profissional; VI - elaborar relatrios e pareceres tcnicos, circunscritos ao mbito de sua habilitao; VII - executar trabalhos repetitivos de mensurao e controle de qualidade; VIII - dar assistncia tcnica na compra, venda e utilizao de equipamentos e materiais especializados, limitada prestao de informaes quanto s caractersticas tcnicas e de desempenho;. </li> <li> Slide 36 </li> <li> IX - emitir laudos e documentos de classificao e exercer a fiscalizao de produtos de origem vegetal, animal e agroindustrial; X - administrao de propriedades rurais a nvel gerencial; XI - conduzir equipes de instalao, montagem e operao, e de reparo ou manuteno; XII - treinar e conduzir equipes de execuo de servios e obras de sua modalidade; XIII - desempenhar outras atividades compatveis com a sua formao profissional.. </li> <li> Slide 37 </li> <li> 1 - Os Tcnicos Agrcolas de 2 Grau podero elaborar planos de custeio de atividades agrcolas rotineiras, para efeito de financiamento pelo Sistema de Crdito Rural, desde que no envolvam a utilizao de pesticidas e herbicidas e no mbito restrito de suas respectivas habilitaes. 2 - Os Tcnicos Agrcolas de Nvel Mdio do setor agroindustrial podero responsabilizar-se pela elaborao de projetos de detalhes e pela conduo de equipe na execuo direta de projetos.. </li> <li> Slide 38 </li> <li> Decreto 90.922/85 Regulamenta a Lei n 5.524, de 5 NOV 1968, que "dispe sobre o exerccio da profisso de tcnico industrial e tcnico agrcola de nvel mdio ou de 2 grau." </li> <li> Slide 39 </li> <li> Artigo 6 - As atribuies dos tcnicos agrcolas de 2 grau em suas diversas modalidades, para efeito do exerccio profissional e da sua fiscalizao, respeitados os limites de sua formao, consistem em: I - desempenhar cargos, funes ou empregos em atividades estatais, paraestatais e privadas; II - atuar em atividades de extenso, associativismo e em apoio pesquisa, anlise, experimentao, ensaio e divulgao tcnica; </li> <li> Slide 40 </li> <li> III - ministrar disciplinas tcnicas de sua especialidade, constantes dos currculos do ensino de 1 e 2 graus, desde que possua formao especfica, includa a pedaggica, para o exerccio do magistrio nesses dois nveis de ensino; IV - responsabilizar-se pela elaborao e execuo de projetos compatveis com a respectiva formao profissional; V - elaborar oramento relativos s atividades de sua competncia; </li> <li> Slide 41 </li> <li> VI - prestar assistncia tcnica e assessoria no estudo e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnolgicas, ou nos trabalhos e vistorias, percia, arbitramento e consultoria, exercendo, dentre outras, as seguintes tarefas: 1) coleta de dados de natureza tcnica; 2) desenho de detalhes de construes rurais; 3) elaborao de oramentos de materiais, insumos, equipamentos, instalaes e mo-de-obra; </li> <li> Slide 42 </li> <li> 4) detalhamento de programas de trabalho, observando normas tcnicas e de segurana no meio rural; 5) manejo e regulagem de mquinas e implementos agrcolas; 6) assistncia tcnica na aplicao de produtos especializados; </li> <li> Slide 43 </li> <li> 7) execuo e fiscalizao dos procedimentos relativos ao preparo do solo at colheita, armazenamento, comercializao e industrializao dos produtos agropecurios; 8) administrao de propriedades rurais; 9) colaborao nos procedimentos de multiplicao de sementes e mudas, comuns e melhoradas, bem como em servios de drenagem e irrigao. </li> <li> Slide 44 </li> <li> VII - conduzir, executar e fiscalizar obra e servio tcnico, compatveis com a respectiva formao profissional; VIII - elaborar relatrios e pareceres tcnicos, circunscritos ao mbito de sua habilitao; IX - executar trabalhos de mensurao e controle de qualidade; X - dar assistncia tcnica na compra, venda e utilizao de equipamentos em materiais especializados, assessorando, padronizando, mensurando e orando; </li> <li> Slide 45 </li> <li> XI - emitir laudos e documentos de classificao e exercer a fiscalizao de produtos de origem vegetal, animal e agroindustrial; XII - prestar assistncia tcnica na comercializao e armazenamento de produtos agropecurios; XIII - administrar propriedades rurais em nvel gerencial; XIV - prestar assistncia tcnica na multiplicao de sementes e mudas, comuns e melhoradas; </li> <li> Slide 46 </li> <li> XV - conduzir equipe de instalao, montagem e operao, reparo ou manuteno; XVI - treinar e conduzir equipes de execuo de servios e obras de sua modalidade; XVII - desempenhar outras atividades compatveis com a sua formao profissional. 2 - Os tcnicos agrcolas do setor agroindustrial podero responsabilizar-se pela elaborao de projetos de detalhes e pela conduo de equipe na execuo direta de projetos agroindustriais; </li> <li> Slide 47 </li> <li> Decreto 4.560/02 Altera o Decreto n 90.922, de 6 de fevereiro de 1985, que regulamenta a Lei n 5.524, de 5 de novembro de 1968, que dispe sobre o exerccio da profisso de Tcnico Industrial e Tcnico Agrcola de nvel mdio ou de 2 grau. </li> <li> Slide 48 </li> <li> Artigo 1 - Os artigos 6, 9 e 15 do Decreto n 90.922/85, passam a vigorar com a seguinte redao: "Artigo 6 - As atribuies dos tcnicos agrcolas de 2 grau em suas diversas modalidades, para efeito do exerccio profissional e da sua fiscalizao, respeitados os limites de sua formao, consistem em: II - atuar em atividades de extenso, assistncia tcnica, associativismo, pesquisa, anlise, experimentao, ensaio e divulgao tcnica; </li> <li> Slide 49 </li> <li> IV - responsabilizar-se pela elaborao de projetos e assistncia tcnica nas reas de: a) crdito rural e agroindustrial para efeitos de investimento e custeio; b) topografia na rea rural; c) impacto ambiental; d) paisagismo, jardinagem e horticultura; e) construo de benfeitorias rurais; f) drenagem e irrigao; </li> <li> Slide 50 </li> <li> V - elaborar oramentos, laudos, pareceres, relatrios e projetos, inclusive de incorporao de novas tecnologias; VI - prestar assistncia tcnica e assessoria no es...</li></ul>