Confira a autenticidade no endereço ... ?· Congo/PB, Coremas/PB, Coxixola/PB, Cruz Do Espírito Santo/PB,…

Download Confira a autenticidade no endereço ... ?· Congo/PB, Coremas/PB, Coxixola/PB, Cruz Do Espírito Santo/PB,…

Post on 08-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

CONVENO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018

NMERO DE REGISTRO NO MTE:

PB000239/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE:

18/05/2017

NMERO DA SOLICITAO:

MR026657/2017 NMERO DO PROCESSO:

46224.002089/2017-71

DATA DO PROTOCOLO:

15/05/2017

Confira a autenticidade no endereo http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANCA PRIVADA DO ESTADO DA PRAIBA, CNPJ n. 24.508.145/0001-66, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ANDREA CARLA GOMES PIMENTEIRA THOMAZ; E SINDICATO DOS EMP EM EMPRESAS DE SEG E VIG DA PARAIBA, CNPJ n. 24.097.768/0001-93, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). WILLIAMS DOS SANTOS SILVA; celebram a presente CONVENO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condies de trabalho previstas nas clusulas seguintes: CLUSULA PRIMEIRA - VIGNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigncia da presente Conveno Coletiva de Trabalho no perodo de 01 de maro de 2017 a 28 de fevereiro de 2018 e a data-base da categoria em 01 de maro. CLUSULA SEGUNDA - ABRANGNCIA A presente Conveno Coletiva de Trabalho abranger a(s) categoria(s) dos empregados em Empresas de Segurana e Vigilncia, com abrangncia territorial em gua Branca/PB, Aguiar/PB, Alagoa Grande/PB, Alagoa Nova/PB, Alagoinha/PB, Alcantil/PB, Algodo De Jandara/PB, Alhandra/PB, Amparo/PB, Aparecida/PB, Araagi/PB, Arara/PB, Araruna/PB, Areia De Baranas/PB, Areia/PB, Areial/PB, Aroeiras/PB, Assuno/PB, Baa Da Traio/PB, Bananeiras/PB, Barana/PB, Barra De Santa Rosa/PB, Barra De Santana/PB, Barra De So Miguel/PB, Bayeux/PB, Belm Do Brejo Do Cruz/PB, Belm/PB, Bernardino Batista/PB, Boa Ventura/PB, Boa Vista/PB, Bom Jesus/PB, Bom Sucesso/PB, Bonito De Santa F/PB, Boqueiro/PB, Borborema/PB, Brejo Do Cruz/PB, Brejo Dos Santos/PB, Caapor/PB, Cabaceiras/PB, Cabedelo/PB, Cachoeira Dos ndios/PB, Cacimba De Areia/PB, Cacimba De Dentro/PB, Cacimbas/PB, Caiara/PB, Cajazeiras/PB, Cajazeirinhas/PB, Caldas Brando/PB, Camala/PB, Capim/PB, Carabas/PB, Carrapateira/PB, Casserengue/PB, Catingueira/PB, Catol Do Rocha/PB, Caturit/PB, Conceio/PB, Condado/PB, Conde/PB, Congo/PB, Coremas/PB, Coxixola/PB, Cruz Do Esprito Santo/PB, Cubati/PB, Cuit De Mamanguape/PB, Cuit/PB, Cuitegi/PB, Curral De Cima/PB, Curral Velho/PB, Damio/PB, Desterro/PB, Diamante/PB, Dona Ins/PB, Duas Estradas/PB, Emas/PB, Esperana/PB, Fagundes/PB, Frei Martinho/PB, Gado Bravo/PB, Guarabira/PB, Gurinhm/PB, Gurjo/PB, Ibiara/PB, Igaracy/PB, Imaculada/PB, Ing/PB, Itabaiana/PB, Itaporanga/PB, Itapororoca/PB, Itatuba/PB, Jacara/PB, Jeric/PB, Joo Pessoa/PB, Joca Claudino/PB, Juarez Tvora/PB, Juazeirinho/PB, Junco Do Serid/PB, Juripiranga/PB, Juru/PB, Lagoa De Dentro/PB, Lagoa Seca/PB, Lagoa/PB, Lastro/PB,

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

Livramento/PB, Logradouro/PB, Lucena/PB, Me D'gua/PB, Malta/PB, Mamanguape/PB, Manara/PB, Marcao/PB, Mari/PB, Marizpolis/PB, Massaranduba/PB, Mataraca/PB, Matinhas/PB, Mato Grosso/PB, Maturia/PB, Mogeiro/PB, Montadas/PB, Monte Horebe/PB, Monteiro/PB, Mulungu/PB, Natuba/PB, Nazarezinho/PB, Nova Floresta/PB, Nova Olinda/PB, Nova Palmeira/PB, Olho D'gua/PB, Olivedos/PB, Ouro Velho/PB, Parari/PB, Passagem/PB, Patos/PB, Paulista/PB, Pedra Branca/PB, Pedra Lavrada/PB, Pedras De Fogo/PB, Pedro Rgis/PB, Pianc/PB, Picu/PB, Pilar/PB, Piles/PB, Pilezinhos/PB, Pirpirituba/PB, Pitimbu/PB, Pocinhos/PB, Poo Dantas/PB, Poo De Jos De Moura/PB, Pombal/PB, Prata/PB, Princesa Isabel/PB, Puxinan/PB, Queimadas/PB, Quixaba/PB, Remgio/PB, Riacho Do Bacamarte/PB, Riacho Do Poo/PB, Riacho/PB, Riacho De Santo Antnio/PB, Riacho Dos Cavalos/PB, Rio Tinto/PB, Salgadinho/PB, Salgado De So Flix/PB, Santa Ceclia/PB, Santa Cruz/PB, Santa Helena/PB, Santa Ins/PB, Santa Luzia/PB, Santa Rita/PB, Santa Teresinha/PB, Santana De Mangueira/PB, Santana Dos Garrotes/PB, Santo Andr/PB, So Bentinho/PB, So Bento/PB, So Domingos Do Cariri/PB, So Domingos/PB, So Francisco/PB, So Joo Do Cariri/PB, So Joo Do Rio Do Peixe/PB, So Joo Do Tigre/PB, So Jos Da Lagoa Tapada/PB, So Jos De Caiana/PB, So Jos De Espinharas/PB, So Jos De Piranhas/PB, So Jos De Princesa/PB, So Jos Do Bonfim/PB, So Jos Do Brejo Do Cruz/PB, So Jos Do Sabugi/PB, So Jos Dos Cordeiros/PB, So Jos Dos Ramos/PB, So Mamede/PB, So Miguel De Taipu/PB, So Sebastio De Lagoa De Roa/PB, So Sebastio Do Umbuzeiro/PB, So Vicente Do Serid/PB, Sap/PB, Serra Branca/PB, Serra Da Raiz/PB, Serra Grande/PB, Serra Redonda/PB, Serraria/PB, Sertozinho/PB, Sobrado/PB, Solnea/PB, Soledade/PB, Sossgo/PB, Sousa/PB, Sum/PB, Tacima/PB, Tapero/PB, Tavares/PB, Teixeira/PB, Tenrio/PB, Triunfo/PB, Uirana/PB, Umbuzeiro/PB, Vrzea/PB, Vieirpolis/PB, Vista Serrana/PB e Zabel/PB.

Salrios, Reajustes e Pagamento

Piso Salarial

CLUSULA TERCEIRA - DO PISO SALARIAL

Os pisos salariais das categorias abrangidas por este instrumento, a partir de 01 de maro do ano de 2017, sofrero um reajuste de 5% (cinco por cento) sobre aquele vigente em 01 de maio de 2016, passando a ser os abaixo discriminados:

VIGILANTE CONDUTOR: piso salarial ser de R$ 1.477,82 (hum mil, quatrocentos e setenta e sete reais e oitenta e dois centavos). A esse valor ser adicionado o percentual de 30% (trinta por cento) a ttulo de adicional de periculosidade, o que corresponde ao valor de R$ 443,35 (quatrocentos e quarenta e trs reais e trinta e cinco centavos), de modo, que o salrio desses profissionais ser de R$ 1.921,17 (hum mil, novecentos e vinte e um reais e dezessete centavos).

- VIGILANTE FIEL: piso salarial ser de R$ 1.212,91 (hum mil, e duzentos e doze reais e noventa e um centavos). A esse valor ser adicionado o percentual de 30% (trinta por cento) a ttulo de periculosidade, o que corresponde ao valor de R$ 363,87 (trezentos e sessenta e trs reais e oitenta e sete reais), bem como, o percentual de 12% (doze por cento) a ttulo de gratificao de funo, o que corresponde ao valor de R$ 145,55 (cento e quarenta e cinco

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

reais e cinquenta e cinco centavos), de modo, que o salrio desses profissionais ser de R$ 1.722,33 (hum mil, setecentos e vinte e dois reais e trinta e trs centavos).

- VIGILANTE ESCOLTEIRO: piso salarial ser de R$ 1.158,87 (hum mil, cento e cinquenta e oito reais e oitenta e sete centavos). A esse valor ser adicionado o percentual de 30% (trinta por cento) a ttulo de periculosidade, o que corresponde ao valor de R$ 347,66 (trezentos e quarenta e sete reais e sessenta e seis centavos), de modo, que o salrio desses profissionais ser de R$ 1.506,54 (hum mil, quinhentos e seis reais e cinquenta e quatro centavos).

PARGRAFO PRIMEIRO: Nos reajustes acima estabelecidos, incluem-se as antecipaes, perdas e outras correes salariais, decorrentes da legislao oficial, acordos adotados em todo e qualquer perodo anterior ao registro do presente instrumento coletivo de trabalho, bem como, os descontos salariais, notadamente, quanto diferena do vale-transporte.

Pagamento de Salrio Formas e Prazos

CLUSULA QUARTA - DOS COMPROVANTES DE PAGAMENTOS DE SALRIOS

Ficam as empresas obrigadas ao fornecimento do comprovante de pagamento de salrios mensais, com especificao de todos os ttulos e quantias pagas e descontadas, inclusive valores relativos ao FGTS do ms respectivo, Imposto de Renda Retido na Fonte e Contribuio Sindical.

PARGRAFO NICO - Fica facultado Empresa proceder ao pagamento atravs de depsito em conta corrente do empregado, sendo considerado como quitao automtica do valor lquido discriminado, quando disponibilizado na rede bancria.

Descontos Salariais

CLUSULA QUINTA - DOS DESCONTOS PROIBIDOS

Na hiptese da ocorrncia de assaltos ou qualquer outra ao criminosa, devidamente comprovada por intermdio da autoridade policial, mediante documento escrito, as armas ou quaisquer outros equipamentos de trabalho, furtados ou roubados em tais eventos criminosos, no sero descontados dos salrios dos empregados.

PARGRAFO PRIMEIRO - Os empregadores no descontaro dos salrios dos empregados

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

quaisquer valores correspondentes munio gasta em decorrncia da atividade profissional do empregado.

PARGRAFO SEGUNDO - Comprovada a culpa por parte do vigilante em sua conduta, o que ser apurado atravs de inqurito policial, o desconto poder ser efetuado.

Gratificaes, Adicionais, Auxlios e Outros

Outras Gratificaes

CLUSULA SEXTA - DIA DO VIGILANTE

Conforme previsto na Lei Federal de n.: 13.136/2015, publicada no dirio oficial da Unio de 18.06.2015, o dia 20 de junho considerado feriado comemorativo do dia nacional do vigilante, sendo o trabalho exercido neste dia remunerado com o acrscimo de 100% (cem por cento) do valor do dia normal, desde que no haja a devida compensao em outro dia do ano.

PARGRAFO NICO - O benefcio tratado no caput ser pago proporcionalmente s horas efetivamente trabalhadas nesse dia, compreendendo da zero hora at s vinte e quatro horas.

CLUSULA STIMA - GRATIFICAO DE FUNO

Ao vigilante que desempenha as funes de fiel ser pago, diante das peculiaridades da atividade, uma gratificao de funo correspondente a 12% (doze por cento) do piso salarial.

PARGRAFO NICO - Aqueles vigilantes que, ao tempo da assinatura da presente Conveno Coletiva, j estiverem percebendo gratificao igual ou superior a 12% (doze por cento) do piso salarial da categoria no faro jus a nova gratificao definida no caput, permanecendo com o valor da sua gratificao inalterado at que a mesma seja absorvida progressivamente por reajustes remuneratrios posteriores, oportunidade em que acompanhar os valores definidos em Conveno Coletiva.

Adicional de Hora-Extra

CLUSULA OITAVA - DAS HORAS EXTRAS

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

As horas extras sero pagas pelos empregadores com o acrscimo de 60% (sessenta por cento) sobre o valor da hora normal.

PARGRAFO PRIMEIRO - Fica assegurada a remunerao em dobro dos feriados trabalhados, nos termos da smula 444 do TST.

PARGRAFO SEGUNDO - Os empregados que laborarem em jornada diria de 8h48min, mediante escala de servio 5x2, podero em carter especial por solicitao da contratante, prorrogar a jornada em at 1h12minutos.

PARGRAFO TERCEIRO - Os empregados que laborarem em jornada diria de 8h, mediante jornada semanal de 44 horas, podero prorrogar a jornada em at 02 horas dirias, observando-se a regra de clculo de hora extra prevista no caput desta clusula.

PARGRAFO QUARTO - As empresas fornecero a cada um dos trabalhadores cpia do espelho mensal da jornada de trabalho praticada por cada um deles, isto no final do ms, por ocasio da assinatura do referido documento pelo empregado.

PARGRAFO QUINTO - Independente da escala e/ou jornada de trabalho a que estiver submetido o empregado, o intervalo intrajornada ter de ser concedido ou, quando suprimido, dever ser indenizado no valor da hora suprimida acrescida do adicional de 60% (sessenta por cento).

Adicional de Periculosidade

CLUSULA NONA - DO ADICIONAL DE RISCO DE VIDA / PERICULOSIDADE

As partes acordam que o adicional de risco de vida previsto nas Convenes Coletivas de Trabalho vigente nos anos anteriores foi integralmente absorvido e substitudo pelo Adicional de Periculosidade previsto na Lei n 12.740/12, que alterou o artigo 193 da CLT, regulamentada pela Portaria n 1885/2013 editada pelo Ministrio do Trabalho e Emprego, devido a partir de 03/12/2013, no sendo, contudo, admitida a percepo acumulada dos dois adicionais (periculosidade e risco de vida).

PARGRAFO PRIMEIRO: O Adicional de Periculosidade somente ser devido quando do efetivo trabalho, ou seja, o mesmo no ser devido quando o contrato de trabalho estiver suspenso ou interrompido, nos casos previstos em Lei.

PARGRAFO SEGUNDO: O Adicional de Periculosidade incidir sobre os salrios para todos os efeitos legais.

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

Auxlio Alimentao

CLUSULA DCIMA - DO AUXLIO ALIMENTAO

As empresas concedero aos VIGILANTES DE TRANSPORTES DE VALORES vale-alimentao no valor mensal de R$ 284,11 (duzentos e oitenta e quatro reais e onze centavos), independente da escala ou jornada de trabalho a ser cumprida pelo obreiro.

PARGRAFO PRIMEIRO: A parcela referente ao auxlio-alimentao, em qualquer forma de sua concesso, seja atravs de pecnia ou vale, no constitui salrio in natura, nos termos do artigo 3, da Lei n 6.321/76 c/c artigos 4 e 6 do Decreto n 5, de 05 de janeiro de 1991.

PARGRAFO SEGUNDO: As empresas descontaro, em razo da concesso do vale alimentao e representando a contrapartida dos empregados, a importncia limite por ms de R$ 42,61 (quarenta e dois reais e sessenta e um centavos), o que corresponde a 15% (quinze por cento) do total do benefcio.

PARGRAFO TERCEIRO: O auxlio-alimentao previsto nessa clusula ser concedido com observncia das determinaes contidas no Programa de Alimentao do Trabalhador - PAT.

PARGRAFO QUARTO: A concesso prevista no caput no ser devida no dia em que o VIGILANTE estiver em gozo de frias, auxlio-doena ou acidente de trabalho, alm do mais, as empresas descontaro de seus empregados a referida concesso em qualquer dia de falta ao trabalho.

PARGRAFO QUINTO: Ser devido o auxlio-alimentao toda vez que o empregado for convocado para trabalhar em dia que no esteja previamente escalado, oportunidade em que o clculo do benefcio obedecer proporcionalidade da escala de trabalho ordinria do empregado (5X2 dias ou 12x36 horas), sobre o qual ainda incidir o desconto do PAT (Programa de Alimentao do Trabalhador) no percentual de 15% (quinze por cento).

PARGRAFO SEXTO: As empresas que fornecem alimentao aos seus empregados, no mbito de trabalho ou fora dele, ficam dispensadas do auxlio previsto na presente clusula.

Auxlio Transporte

CLUSULA DCIMA PRIMEIRA - DO VALE-TRANSPORTE

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

As empresas obrigam-se a fornecer vales-transporte para os deslocamentos no percurso residncia/trabalho/residncia, ficando definido que os descontos desses vales-transporte no podero ultrapassar 6% (seis por cento) do salrio-base dos empregados beneficiados.

PARGRAFO PRIMEIRO - Os descontos desses vales-transporte no podero ultrapassar a 3% (trs por cento) do salrio base dos empregados que exeram suas atividades cumprindo a escala de servio do tipo 12 x 36, ou seja, 12 horas de trabalho por 36 de folga, durante todo o ms.

PARGRAFO SEGUNDO - Nos perodos de afastamento do empregado de suas atividades funcionais, por qualquer motivo, este no far jus ao recebimento do benefcio do vale-transporte durante o perodo de sua ausncia do trabalho, por inexistncia de deslocamentos do trabalhador no percurso residncia-trabalho.

PARGRAFO TERCEIRO - A empresa poder optar por entregar o vale-transporte no no dia de pagamento do salrio, mas sim no dia 20 (vinte) de cada ms, desde que no lapso de tempo do dia do pagamento e a nova data de opo da empresa fique garantido ao empregado os vales-transporte necessrios a sua locomoo ao trabalho, no total mximo de 02 (dois) por dia trabalhado.

Auxlio Morte/Funeral

CLUSULA DCIMA SEGUNDA - DO AUXLIO FUNERAL

Os empregadores obrigam-se a contribuir para as despesas de funeral, com o valor equivalente a 1,5 (um e meio) piso salarial da categoria profissional, na hiptese de morte do empregado.

PARGRAFO NICO - Ficam dispensados da contribuio pertinente ao auxlio funeral os empregadores que contratarem aplice de seguro de vida com a incluso de cobertura securitria abrangendo as despesas com funeral.

Seguro de Vida

CLUSULA DCIMA TERCEIRA - DO SEGURO DE VIDA

Os empregadores obrigam-se a realizar seguro de vida individual ou em grupo de seus empregados, obedecendo o preconizado na Lei n 7.102/83 e Decreto n 89.056/83,

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

garantindo indenizao em caso de morte acidental ou natural e invalidez permanente, em face de sinistros ocorridos no desempenho de suas atividades funcionais, obedecendo aos valores constantes no item - 1.1. - da Resoluo do Conselho Nacional de Seguros Privados n. 05/84.

PARGRAFO PRIMEIRO - Na hiptese da no contratao do seguro de vida por parte do empregador, este fica obrigado a arcar com a indenizao compensatria na seguinte proporo:

a) 30 (trinta) vezes o piso salarial da categorial profissional vigente no ms anterior ao sinistro, em caso de morte acidental ou natural; e b) 60 (sessenta) vezes o piso salarial da categoria profissional vigente no ms anterior ao sinistro, para o caso de invalidez permanente.

PARGRAFO SEGUNDO - Os empregadores no sero responsabilizados de forma solidria em virtude de eventual recusa por parte da seguradora no tocante liquidao da indenizao correspondente ao sinistro, exceto na hiptese de inadimplncia do empregador, no tocante ao pagamento do prmio correspondente.

Outros Auxlios

CLUSULA DCIMA QUARTA - DA ASSISTNCIA JURDICA DEVIDA AOS EMPREGADOS

Os empregadores obrigam-se a prestar assistncia jurdica a seus empregados, quando estes, no exerccio de suas funes, incidirem na prtica de algum ato que os levem a responder ao penal.

PARGRAFO NICO - Entende-se por "exerccio de suas funes" as atividades desempenhadas pelo empregado no estrito cumprimento das atividades de vigilncia ocorridas no ambiente laboral, onde se busque evitar a prtica de um ato delituoso contra o bem e/ou patrimnio protegido quando praticado por terceira pessoa.

CLUSULA DCIMA QUINTA - DOS CURSOS DE RECICLAGEM

O curso de reciclagem, extenses legais e necessrias execuo do servio do Vigilante, quando convocado pela empresa, definidos na forma da Lei 7.102/83 e seus regulamentos, ministrado aos vigilantes, ser promovido por conta das Empresas, sem nus para os Vigilantes.

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

PARGRAFO PRIMEIRO: Fica convencionado que as empresas devero comunicar aos Vigilantes formalmente, listando os documentos necessrios para a matrcula na Escola de Formao. obrigao do EMPREGADO apresentar no Departamento Operacional da empresa ao qual se encontra vinculado, toda documentao prevista no Artigo n 156 da Portaria n 3233/2012 da Polcia Federal, no prazo mximo de 30 (trinta) dias corridos aps o recebimento da Notificao enviada pela empresa, por escrito.

PARGRAFO SEGUNDO: O no cumprimento do disposto no pargrafo primeiro acarretar a suspenso do EMPREGADO, assim como o desconto dos referidos dias, por parte do EMPREGADOR. Caso o EMPREGADO no regularize sua situao no prazo de 15 (quinze) dias aps o prazo fixado no pargrafo acima, fica facultada empresa a Demisso por Justa Causa.

PARGRAFO TERCEIRO: Na hiptese de necessidade de deslocamentos dos vigilantes que trabalhem no interior do Estado da Paraba, os empregadores arcaro com as despesas correspondentes a transporte, hospedagem e alimentao, ficando os vigilantes dispensados de suas atividades profissionais, sem qualquer prejuzo de sua remunerao.

PARGRAFO QUARTO: A empresa arcar com o pagamento de uma nova reciclagem para o vigilante que venha a ser demitido sem justa causa, faltando dois meses para o vencimento do curso de reciclagem.

Contrato de Trabalho Admisso, Demisso, Modalidades

Desligamento/Demisso

CLUSULA DCIMA SEXTA - DAS DESPESAS COM A RESCISO DO CONTRATO DE TRABALHO

Sempre que o empregado for chamado para proceder resciso do contrato de trabalho fora do lugar de prestao de servios, o empregador arcar com as despesas de deslocamento do trabalhador.

Aviso Prvio

CLUSULA DCIMA STIMA - DO AVISO PRVIO

O aviso prvio devido ao empregador ou ao empregado obedecer ao tempo de servio em que perdurou a relao laboral, segundo os critrios e limites definidos na Lei Federal de n.:

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

12.506/2011.

PARGRAFO NICO : Para os empregados contratados anteriormente a conveno coletiva registrada no ano de 2008, com olhos a preservao do direito adquirido daqueles que j foram beneficiados, restaro resguardados os prazos definidos no escalonamento de que trata a "CLUSULA VIGSIMA" da CCT vigente no perodo de 01 de maro de 2006 a 28 de fevereiro de 2007, caso a mesma seja mais vantajosa do que as normas do aviso prvio inseridas aps a publicao da Lei Federal de n.: 12.506/2011.

Jornada de Trabalho Durao, Distribuio, Controle, Faltas

Durao e Horrio

CLUSULA DCIMA OITAVA - DA JORNADA DE TRABALHO

Para a fixao do horrio de trabalho dos empregados atingidos pela presente norma, ser observado o que estabelece o art. 7, inciso XIII, da Constituio Federal, ficando desde j autorizado a celebrao de Acordo Coletivo de Trabalho, com a anuncia e chancela dos Sindicatos convenentes, objetivando a prorrogao e compensao de jornada, no prazo de at 30 (trinta) dias, contados do depsito da Conveno Coletiva de Trabalho.

PARGRAFO PRIMEIRO: Fica autorizada a compensao das horas excedentes ao limite de 44 (quarenta e quatro) horas semanais, no prazo de 30 (trinta) dias, observando-se o perodo de apurao (fechamento dos controles de frequncias). Desta forma, a compensao de um perodo de apurao poder ocorrer at o trmino da apurao do perodo imediatamente posterior.

PARGRAFO SEGUNDO: As empresas podero utilizar sistema alternativo de controle de jornada de trabalho, consoante estabelecido na Portaria n. 373, de 28 de fevereiro de 2011, do Ministrio do Trabalho e Emprego.

PARGRAFO TERCEIRO: A empresa divulgar as escalas de servio previamente;

PARGRAFO QUARTO: Fica autorizada a utilizao, das escalas 12x36 (doze horas de trabalho por trinta e seis de repouso), 6x1 (seis de trabalho por um de descanso) e 5x2 (cinco dias de trabalho por dois de repouso, observando-se nesse caso a mdia mensal da jornada de trabalho.

PARGRAFO QUINTO: As empresas podero adotar o horrio de trabalho alongado de segunda a sexta, objetivando a no prestao de trabalho nos dias de sbado e domingo.

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

PARGRAFO SEXTO: Em caso de viagens, o empregado registrar em seu carto de ponto o horrio efetivamente trabalhado, podendo, com fundamento no art. 61, da CLT, a sua jornada exceder o limite legal ou convencionado, seja para fazer face motivo de fora maior, seja para atender realizao ou concluso de servios inadiveis ou cuja inexecuo possa acarretar prejuzo manifesto.

PARGRAFO STIMO: Em face da natureza dos servios, a empresa poder dispensar o registro do intervalo para refeio nos controles de frequncias dos seus empregados.

PARGRAFO OITAVO: O empregado ter prazo de 30 (trinta) dias aps a divulgao das horas a ser compensadas para formular qualquer reclamao quanto apurao dessas horas.

PARGRAFO NONO: A carga horria mensal dos trabalhadores fixada em 220 (duzentos e vinte) horas mensais em virtude do repouso semanal remunerado.

Sade e Segurana do Trabalhador

Equipamentos de Segurana

CLUSULA DCIMA NONA - DO COLETE PROVA DE BALAS

Os empregadores fornecero colete prova de balas aos vigilantes Escolteiro, Fiel e Condutor, observando estritamente a regulamentao do Ministrio da Justia e do Emprego e Trabalho.

Uniforme

CLUSULA VIGSIMA - DO FARDAMENTO

Os empregadores fornecero aos vigilantes, anualmente, 02 (duas) camisas, 02 (duas) calas, 01 (um) par de calados e 01 (um) cinto de guarnio completo.

PARGRAFO PRIMEIRO - Em caso de extravio do fardamento por dolo ou culpa do empregado, este arcar com as despesas de custo do novo fardamento, mediante desconto em folha de pagamento.

PARGRAFO SEGUNDO - Obrigam-se os empregados a devolver o fardamento na

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

oportunidade da substituio do uniforme e no trmino do contrato de trabalho, facultando-se ao empregador, na hiptese da no devoluo, proceder ao desconto do valor correspondente ao custo do fardamento.

Aceitao de Atestados Mdicos

CLUSULA VIGSIMA PRIMEIRA - DO ATESTADO MDICO

Os empregadores obrigam-se a aceitar os atestados mdicos justificativos da ausncia do empregado ao trabalho desde que devidamente emitido pelo Sistema nico de Sade ou estabelecimento conveniado, devendo constar no respectivo atestado o cdigo de Classificao Internacional de Doenas - CID correspondente, CRM e assinatura, sobre carimbo, do mdico, o perodo de afastamento, bem como a data do atendimento mdico.

PARGRAFO PRIMEIRO - O empregado dever apresentar o atestado mdico no prazo mximo de 48 (quarenta e oito) horas aps a ausncia ao trabalho, sob pena de desobrigar a aceit-lo.

PARGRAFO SEGUNDO - Quando o empregador dispuser de servio mdico prprio ou credenciado, os atestados mdicos sero a ele submetidos pelo empregado faltoso no prazo mximo de 72 (setenta e duas) horas aps a ausncia ao trabalho.

Primeiros Socorros

CLUSULA VIGSIMA SEGUNDA - DO TRANSPORTE DO ACIDENTADO

Os empregadores fornecero transporte para atender aos empregados acidentados no trabalho ou aos empregados que durante a jornada laboral necessitem de atendimento mdico-hospitalar.

Relaes Sindicais

Acesso do Sindicato ao Local de Trabalho

CLUSULA VIGSIMA TERCEIRA - DO LIVRE ACESSO EMPRESA

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

Os Empregadores permitiro livre acesso dos diretores sindicais, no horrio comercial, limitado ao recinto da rea administrativa, mediante comunicao e identificao prvia para finalidade de resolver assunto de interesse da categoria profissional.

Liberao de Empregados para Atividades Sindicais

CLUSULA VIGSIMA QUARTA - DOS PRAZOS E CONDIES PARA LIBERAO DOS DIRETORES SINDICAIS

Os empregados ocupantes das funes de PRESIDENTE, PRIMEIRO TESOUREIRO e SECRETRIO GERAL do SINDESFORTE/PB ficaro a disposio do referido sindicato, de forma remunerada e em tempo integral, at 28 de fevereiro do ano de 2018.

PARGRAFO PRIMEIRO - As demais empresas que no so empregadoras dos diretores citados no caput, comprometem-se em liberar 01 (um) diretor por empresa, totalizando 03 (trs) diretores sindicais, durante 05 (cinco) dias por ms, no perodo compreendido entre os dias 10 (dez) e 25 (vinte e cinco) de cada ms, desde que seja comunicado com ao menos 72 (setenta e duas) horas de antecedncia.

PARGRAFO SEGUNDO - Os empregados cujas liberaes estavam autorizadas mediante previso contida na CLUSULA VIGSIMA QUARTA da conveno coletiva de trabalho registrada no Ministrio do Trabalho e Previdncia Social de n PB000313/2016, devero se apresentar s empresas com as quais possuem contrato de trabalho imediatamente aps o dposito do presente intrumento coletivo.

Contribuies Sindicais

CLUSULA VIGSIMA QUINTA - DA MENSALIDADE SINDICAL OBREIRA

Com fundamento no art. 8 da Constituio Federal e na deciso emanada da Assemblia Geral Extraordinria do SINDESFORTE/PB, os empregadores descontaro mensalmente, a partir de 01.03.2017, de todos os empregados associados respectiva entidade, a importncia equivalente a 2% (dois por cento) do piso salarial, cujo montante dever ser recolhido at o 10 (dcimo) dia til do ms subsequente ao desconto.

PARGRAFO NICO - O no repasse no prazo previsto, implicar na aplicao da multa disposta no art. 600 da CLT, alm da correo monetria.

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

CLUSULA VIGSIMA SEXTA - DA CONTRIBUIO ASSISTENCIAL OBREIRA

A ttulo de Contribuio Assistencial, os empregadores se obrigam a descontar de todos os seus empregados associados ao SINDESFORTE/PB, o valor equivalente a 3% (trs por cento), incidente sobre o piso salarial e adicional de periculosidade, no ms de outubro, valor esse que ser repassado at o 15 (dcimo quinto) dia til do ms subseqente ao desconto, respectivamente, destinando-se a fazer face s despesas com a campanha salarial promovida em todo o Estado da Paraba, ficando o associado isento da mensalidade sindical de que trata a clusula vigsima quinta, no ms em que se efetivar o aludido desconto.

CLUSULA VIGSIMA STIMA - DA CONTRIBUIO ASSISTENCIAL PATRONAL

A ttulo de Contribuio Assistencial, os empregadores associados ao SINDESP/PB obrigam-se a pagar a este, at o 10 (dcimo) dia til do ms de setembro/2017, o valor equivalente a 01 (um) salrio base da categoria, sob pena de ajuizamento da competente ao de execuo alm de outras providncias que se fizerem necessrias.

Disposies Gerais

Mecanismos de Soluo de Conflitos

CLUSULA VIGSIMA OITAVA - DA COMISSO DE CONCILIAO PRVIA

Ficam mantidas as CCP's - Comisses Intersindicais de Conciliao Prvia prevista do artigo 625-A da Consolidao das Leis do Trabalho - CLT, conforme a redao dada pela Lei n.9.958, de 12/01/2000, composta de representantes Titulares e Suplentes, indicados pelos Sindicatos dos empregadores supramencionados e representantes dos trabalhadores, com o objetivo de tentar a conciliao de conflitos individuais de trabalho envolvendo integrantes da categoria profissional representada pelo SINDESFORTE/PB - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE SEGURANA DE TRANSPORTADORAS DE VALORES; CARRO FORTE, CARRO LEVE, ESCOLTA ARMADA E EM EXTENSO DO ESTADO DA PARABA e os integrantes da categoria econmica representada pelo SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANA PRIVADA DO ESTADO DA PARABA - SINDESP/PB.

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

PARGRAFO PRIMEIRO - Todas as demandas de natureza trabalhista na jurisdio das Varas do Trabalho do Estado da Paraba sero submetidas previamente s CCPs - Comisses Intersindicais de Conciliao Prvia, conforme determina o artigo 625-D CLT.

PARGRAFO SEGUNDO - As CCP's - Comisses Intersindicais de Conciliao Prvia funcionaro na sede do NINTER - NCLEO INTERSINDICAL DE CONCILIAO TRABALHISTA, localizada na Av. Duarte da Silveira, 590, Centro, Joo Pessoa/PB.

PARGRAFO TERCEIRO - A demanda ser formulada por escrito ou reduzida a termo pela Secretaria do NINTER - NCLEO INTERSINDICAL DE CONCILIAO TRABALHISTA / do CINCON - CENTRO INTERSINDICAL DE CONCILIAO TRABALHISTA DO ESTADO DA PARABA ou por qualquer membro da CCP - Comisso Intersindical de Conciliao Prvia, que designar, na mesma oportunidade, dia e hora da sesso de tentativa de conciliao, entregando recibo ao demandante, devendo a sesso de tentativa de conciliao realizar-se- no prazo mximo de dez dias a contar do ingresso de demanda.

PARGRAFO QUARTO - Para custeio e manuteno das despesas administrativas do NINTER - NCLEO INTERSINDICAL DE CONCILIAO TRABALHISTA, CINCON - CENTRO INTERSINDICAL DE CONCILIAO TRABALHISTA DO ESTADO DA PARABA e das CCP's - Comisses Intersindicais de Conciliao Prvia, ser cobrada uma taxa administrativa, exclusivamente da empresa na condio de demandada ou demandante.

a) O NINTER notificar a empresa pelo meio de notificao postal com AR, ou pessoal mediante recibo, com o mnimo de cinco dias de antecedncia realizao da audincia de tentativa de conciliao, devendo constar dos autos cpia dessa notificao.

b) Da notificao constar, necessariamente, o nome do demandante, o local, a data e a hora da sesso de conciliao, bem como a comunicao de que o demandado dever comparecer pessoalmente ou ser representado por preposto com poderes especficos para transigir e firmar o termo de conciliao.

c) No sendo possvel realizar a audincia de conciliao nos dez dias seguintes formulao da demanda ou no tendo a empresa demandada sido notificada da sesso com cinco dias de antecedncia, a secretaria do NINTER fornecer as partes declarao da impossibilidade de conciliao, com descrio do objeto da demanda.

d) Caso a empresa no comparea sesso de Conciliao, o conciliador patronal ou laboral, da CCP - Comisso Intersindical de Conciliao Prvia, presentes na ocasio, firmaro declarao acerca do fato, com descrio do objeto da demanda, bem como sobre a impossibilidade da conciliao, entregando cpia ao interessado, em seguida ser expedido mesma, boleto de cobrana no valor convencionado nos termos do Pargrafo Quarto desta Clusula, correspondente ao ressarcimento das despesas efetuadas pelo NINTER na tentativa de conciliao.

e) Em caso de no comparecimento do Demandante o procedimento da demanda ser

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

arquivado sem a expedio da declarao de frustrao, podendo o Demandante renovar a demanda com o mesmo objetivo.

f) Aberta a sesso de conciliao, os conciliadores esclarecero as partes presentes sobre as vantagens da conciliao e usaro os meios adequados de persuaso para a soluo conciliatria da demanda.

g) No prosperando a conciliao, ser fornecida ao trabalhador e ao empregador, ou seu representante, declarao da tentativa conciliatria frustrada com descrio de seu objeto, firmada pelos membros da CCP - Comisso Intersindical de Conciliao Prvia, que dever ser juntada eventual reclamao trabalhista.

h) Aceita a conciliao, ser lavrado termo assinado pelo trabalhador, pelo empregador ou seu preposto e pelos membros da CCP - Comisso Intersindical de Conciliao Prvia presentes sesso, fornecendo-se uma via para cada parte interessada.

PARGRAFO QUINTO - O termo de conciliao ttulo executivo extrajudicial e tem eficcia liberatria geral, exceto quanto as parcelas expressamente ressalvadas, de acordo com o pargrafo nico do artigo 625-E, da CLT, com redao dada pela Lei n . 9.958, de 12/01/2000.

PARGRAFO SEXTO: - Os representantes das categorias convenentes que integram as Comisses de Conciliao, devero ser membros da Diretoria das Entidades Sindicais, ou pessoas por estas contratada.

PARGRAFO STIMO - Caber ao NINTER proporcionar as CCP's Comisses Intersindicais de Conciliao Prvia todos os meios necessrios consecuo de seu fim, como local adequado, equipamentos, pessoal para secretaria e assessoria jurdica.

Descumprimento do Instrumento Coletivo

CLUSULA VIGSIMA NONA - DA MULTA POR DESCUMPRIMENTO

Em caso de descumprimento das obrigaes de fazer, fica estabelecida multa no importe equivalente a 20% (vinte por cento) do salrio mnimo nacional, a cada constatao de descumprimento e em favor do trabalhador prejudicado.

ANDREA CARLA GOMES PIMENTEIRA THOMAZ

mailto:contrasp@outlook.com

SBN Qd. 2 Bloco J - Edifcio Engenheiro Paulo Maurcio - 6 andar - salas 601/608 Asa Norte -

Braslia - DF, CEP: 70.040-905 Braslia DF. Telefone: (61) 33261904 33279813 contrasp@outlook.com

Presidente

SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANCA PRIVADA DO ESTADO DA PRAIBA

WILLIAMS DOS SANTOS SILVA

Presidente

SINDICATO DOS EMP EM EMPRESAS DE SEG E VIG DA PARAIBA

ANEXOS ANEXO I - ATA AGE

Anexo (PDF)

A autenticidade deste documento poder ser confirmada na pgina do Ministrio do Trabalho e Emprego na Internet, no endereo http://www.mte.gov.br.

mailto:contrasp@outlook.comhttp://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/imagemAnexo/MR026657_20172017_05_11T15_40_03.pdf

Recommended

View more >