conceituando politicas educacionais

Download Conceituando politicas educacionais

Post on 30-Jul-2015

1.560 views

Category:

Education

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CONCEITUANDO POLTICAS EDUCACIONAISProfa. Dra. Denise Silva Arajo

  • O que poltica? Que imagem vem a sua cabea quando voc ouve a palavra poltica? Para muitas pessoas, essa palavra evoca imagens de campanhas eleitorais, partidos, propagandas, poluio visual s vsperas de eleio. Outros podem lembrar-se da atuao de polticos profissionais, na maioria das vezes, de maus polticos.Isto faz com que as pessoas tomem averso a tudo o que diz respeito poltica.Ser que poltica isso mesmo?Ou melhor, ser que poltica s isso?

  • O que poltica?Em sua definio clssica, o termo poltica emana do adjetivo politiks, originado de polis, que se refere a tudo que se relaciona com a cidade, portanto ao urbano, pblico, civil. Polis - Termo grego que se refere cidade, compreendida como a comunidade organizada, formada pelos cidados, isto , pelos homens nascidos no solo da Cidade, livres e iguais. Com o decorrer do tempo, poltica passou a designar um campo dedicado ao estudo da esfera de atividades humanas articulada s coisas do Estado. Neste sentido, refere-se, hoje, principalmente ao conjunto de atividades, que, de alguma maneira so atribudas ao Estado moderno, ou que dele emanam.

  • O que Estado? Qual sua funo? Como surgiu?Teorias com enfoque liberal: baseam-se numa interpretao feita pela burguesia nos diferentes momentos da histria do capitalismo. Consideram que o Estado neutro e est acima dos interesses das classes sociaisObjetivo do Estado: a realizao do bem comum e o aperfeioamento do organismo social no seu conjunto. Teorias com enfoque marxista: fundamentam-se em uma concepo de sociedade dividida em classes antagnicas, com interesses divergentes.Negam a idia de um Estado neutro, voltado para o bem comum. Estado: instituio poltica que representa os interesses da classe social dominante, que prevalece sobre o conjunto da sociedade. Apenas no nvel aparente, estes interesses apresentam-se como interesses universais, de todo o corpo social. Esse enfoque constitu-se, deste modo, uma crtica ao enfoque liberal de Estado.

  • Estado para Hobbes (1588-1651) Estado soberano - a realizao mxima de uma sociedade civilizada e racional. No estado natural, sem o jugo poltico do Estado, os homens viveriam em liberdade e igualdade segundo seus instintos. Homem: lobo do outro homemO egosmo, a crueldade,a ambio, naturais dos indivduos, gerariam uma luta sem trguas, levando-os runa. Somente o Estado, um poder acima das individualidades, garantiria segurana a todos.Para evitar seu fim e promover o bem comum, os homens selariam um pacto, um contrato, que evita a sua destruio. Hobbes atribui a este contrato social a criao do Estado, de poder absoluto.

  • O Estado para John Locke(1632-1704) O homem seria livre no seu estado natural. Para evitar que um homem pudesse subjulgar o outro a seu poder absoluto, os homens, por meio de um contrato social, delegaram poderes ao Estado, que deveria ter o papel de assegurar seus direitos naturais, assim como, a sua propriedade.Noo de governo:o consentimento dos governados diante da autoridade constituda.Enquanto que para Hobbes, o contrato resulta num Estado Absoluto, para Locke, o Estado poderia ser feito e desfeito, como qualquer contrato, caso o Estado ou o Governo no o respeitarem.

  • O Estado para Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)A sociedade civil nasce por meio de um contrato social. Os homens so naturalmente bons, sendo a sociabilizao a culpada pela sua "degenerao". O Contrato Social para Rousseau um acordo entre indivduos para se criar uma Sociedade, e, s ento, um Estado, isto , o Contrato um Pacto de associao, no de submisso. Os homens no podem renunciar aos princpios da liberdade e igualdade, pois ao povo pertence a soberania. Ele enfatizava que no h liberdade onde no existe igualdade.

  • O Estado para Karl Marx (1818-1883) Rejeio categrica concepo de Estado como agente da "sociedade como um todo", bem como da possibilidade da existncia de um "interesse nacional".base da sociedade, da sua formao, das instituies e regras de funcionamento, das idias e dos valores so as condies materiais, ou seja, as relaes sociais de produo. Estado -compreendido como uma estrutura de poder que aglutina, sintetiza e coloca em movimento a fora poltica da classe dominante. Estado moderno: um comit para administrar os assuntos comuns da burguesia, o que o torna um mecanismo destinado a reprimir a classe oprimida e explorada.

  • O Estado para Karl Marx (1818-1883)O Estado consiste, tambm, numa organizao burocrtica, isto , um conjunto de instituies e organismos, ramos e sub-ramos, com suas respectivas burocracias, que exerce a dominao das classes exploradas, por meio do jogo institucional de seus aparelhos. Deste modo, em condies historicamente determinadas, o Estado desempenha a funo de reprodutor das relaes econmicas e polticas de classe.No pensamento marxista, o Estado molda a sociedade. Visto que no existe organizao social sem Estado, pelo menos aps a diviso da sociedade em classes antagnicas, esse Estado sempre aquele que traduz o pensamento dos dominantes, ou seja, aquele que constri as condies para o mximo desenvolvimento daquelas classes.

  • Estado para Antonio Gramsci (1891-1937)Impossibilidade, exceto nas ditaduras, da existncia do domnio bruto de uma classe social sobre a outra, por meio, apenas, do Estado-coero. Uma classe dominante, para assegurar-se como dirigente, deve construir um conjunto de alianas e obter o consenso passivo das classes e camadas dirigidas. A classe dominante, muitas vezes, sacrifica parte dos seus interesses imediatos e supera o horizonte corporativo, na busca de articular alianas e construir uma hegemonia tica e poltica.

  • Para Antonio Gramsci (1891-1937)Conceito de Estado ampliado: composto por dois segmentos distintos, a sociedade poltica e a sociedade civil. Ambos atuam com a mesma finalidade: manter e reproduzir a dominao da classe hegemnica. O conceito de sociedade civil e sociedade poltica fundamental para compreendermos o que vem a ser polticas educacionais e para situ-las interior das polticas pblicasNas sociedades de tipo ocidental, a hegemonia (que se realiza nas diversas instncias da sociedade civil) no pode ser negligenciada pelos grupos sociais dominados, que pretendem modificar sua condio e a assumir o comando do conjunto da sociedade.

  • Para Antonio Gramsci (1891-1937) importante para as classes subalternas construir uma contra hegemonia, articulando-se para interferir nos sindicatos, partidos polticos, meios de comunicao, escolas e demais instituies que constroem a hegemonia tica e poltica. neste processo que as polticas educacionais so produzidas. As polticas educacionais situam-se no mbito das polticas pblicas de carter social e, como tal, no so estticas, mas dinmicas, ou seja, esto em constante transformao. Para compreend-las, necessrio entender o projeto poltico do Estado, em seu conjunto, e as contradies do momento histrico em questo.

  • Polticas pblicasSe poltica fosse a arte de administrar o bem pblico, toda poltica deveria ser considrada pblica ou social. Entretanto, nas sociedades em que os meios de produo so apropriados por uma determinada classe social, o Estado acaba por ser apropriado, tambm, por esta classe, a fim de gerir seus interesse econmicos.Na sociedade capitalista, o Estado assume a funo de impulsionar a poltica econmica, tendo em vista a consolidao e a expanso do capital, favorecendo, assim, interesses privados, em detrimento dos interesses da coletividade. O que carateriza a poltica econmica seu carater anti-social.Os efeitos gerados por esta poltca econmica concentradora de riqueza, contraditoriamente, ameam a continuidade do sitema econmico capitalista.Para contrabalancear estes efeitos, o Estado precisa promover polticas pblicas ou polticas sociais, nas reas de sade, habitao, assitncia e previdncia social, cultura e educao.

  • Polticas educacionaisSo emanadas do Estado, como qualquer outra poltica pblica.Implicam em escolhas e decises, que envolvem indivduos, grupos e instituies.No so fruto de iniciativas abstratas, mas constroem-se na correlao entre as foras sociais, que se articulam para defender seus interesses. Para entender como se elaboram as polticas pblicas, em uma determinada sociedade, preciso analisar seus significados histricos. Embora, nas sociedades capitalistas, o Estado esteja submetido aos interesses do capital, na organizao e na administrao do pblico, as polticas pblicas so produto das lutas, presses e conflitos entre os grupos e classes que constituem a sociedade.