Composição corporal e somatotipo de atletas da seleção ... ?· Composição corporal e somatotipo…

Download Composição corporal e somatotipo de atletas da seleção ... ?· Composição corporal e somatotipo…

Post on 18-Nov-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

<ul><li><p>25Rev. Fac. Med. 2018 Vol. 66 No. 1: 25-9</p><p>Composio corporal e somatotipo de atletas da seleo brasileira de futebol de 5: equipe paralmpica Rio 2016</p><p>Body composition and somatotype of athletes of Brazilian w5-a-side football team: Paralympic team Rio 2016</p><p>Recibido: 16/11/2016 Aceptado: 13/03/2017</p><p>Glauber Lameira-de Oliveira1 Patrcia Soares de Pinho-Gonalves1 Talita Ado Perini-de Oliveira1 Joo Rafael Valentim-Silva2 Paula Roquetti-Fernandes1,3 Jos Fernandes-Filho1,3</p><p>1 Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Educao Fsica e Desportos - Laboratrio de Cincia da Motricidade Humana - Rio de Janeiro - Brasil. 2 Universidade Federal de Rondnia - Escola de Educao Fsica - Rondnia - Brasil.3 Centro de Excelncia em Avaliao Fsica - Laboratrio de Fsiologia do Exerccio - Rio de Janeiro - Brasil.</p><p>Correspondncia para: Glauber Lameira-de Oliveira. Laboratrio de Cincia da Motricidade Humana, Escola de Educao Fsica e Desportos, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rua professor Rodolpho Paulo Rocco No. 225, sala 412, Cidade Universitria. Telefone: +55 21 981307201. Rio de Janeiro. Brasil. Correio eletrnico: lameiraglauber@gmail.com.</p><p>DOI: http://dx.doi.org/10.15446/revfacmed.v66n1.61069</p><p>INVESTIGACIN ORIGINAL</p><p>| Resumo |</p><p>Introduo: O conhecimento das variveis morfolgicas na modalidade futebol de 5 importante para orientar o treinamento e possibilitar a potencialidade mxima dos atletas. </p><p>Objetivo: Analisar a composio corporal e o somatotipo de atletas da seleo brasileira paralmpica Rio 2016 de futebol de 5 nas diferentes posies tticas desempenhadas em jogo. </p><p>Materiais e mtodos: Foi realizada avaliao antropomtrica em 15 atletas (245.6 anos) do sexo masculino, obtendo-se o somatotipo e a composio corporal. </p><p>Resultados: O estudo no encontrou diferena estatstica significativa entre os grupos para nenhuma das variveis antropomtricas e de composio corporal. Quanto ao perfil somatotpico, o grupo (2.9 - 5.5 - 1.8) foi classificado como meso-endomrfico. Os fixos (2.6 - 4.4 - 2.4) e pivs (2.2 - 5.6 - 2.3) apresentaram o perfil mesomorfo balanceado e os goleiros (3.2 - 5.8 - 1.6) e alas (3.2 - 5.7 - 1.6) o meso-endomrfico. </p><p>Concluses: A equipe foi caraterizada como homognea quanto antropometria e composio corporal. Houve predominncia do componente muscular para o perfil somatotpico na equipe e em todas as posies. </p><p>Palavras chave: Deficincia visual; atletas; composio corporal (DeCS).</p><p>Lameira-de Oliveira G, Gonalves PSP, Perini-de Oliveira TA, Valentim-Silva JR, Roquetti-Fernandes P, Fernandes-Filho J. Composio corporal e somatotipo de atletas da seleo brasileira de futebol de 5: equipe paralmpica Rio 2016. Rev. Fac. Med. 2018;66(1):25-9. Portuguese. doi: http://dx.doi.org/10.15446/revfacmed.v66n1.61069.</p><p>| Abstract |</p><p>Introduction: The knowledge of morphological variables in paralympic 5-a-side football mode are important to guide the training and enable the full potential of athletes.</p><p>Objective: The aim of this study was to analyze the body composition and somatotype athletes of the Brazilian Paralympics Rio 2016 team 5-a-side football in the different tactical positions performed at game.</p><p>Materials and methods: An anthropometric evaluation was performed in 15 male athletes (245.6 years), obtaining somatotype and body composition.</p><p>Results: The study found no statistically significant differences between groups for any of the anthropometric and body composition variables. As for somatotype profile, the group (2.9 - 5.5 - 1.8) was classified as meso-endomorphic. Defenders (2.6 - 4.4 - 2.4) and pivots (2.2 - 5.6 - 2.3) presented a balanced mesomorph profile and goalkeepers (3.2 - 5.8 - 1.6) and alas (3.2 - 5.7 - 1.6) the meso-endomorphic.</p><p>Conclusions: The team was characterized as homogeneous as the anthropometry and body composition. There was a predominance of the muscular component to the somatotype profile on the team and in all positions.</p><p>Keywords: Visual Disorders; Somatotypes; Body Composition (MeSH).</p><p>Lameira-de Oliveira G, Gonalves PSP, Perini-de Oliveira TA, Valentim-Silva JR, Roquetti-Fernandes P, Fernandes-Filho J. [Body composition and somatotype of athletes of Brazilian 5-a-side football team: Paralympic team Rio 2016]. Rev. Fac. Med. 2018;66(1):25-9. Portuguese. doi: http://dx.doi.org/10.15446/revfacmed.v66n1.61069.</p><p>mailto:lameiraglauber@gmail.com</p></li><li><p>26 Perfil de atletas paralmpicos: 25-9</p><p>Introduo</p><p>O desempenho no esporte de elite determinado por algumas variveis, incluindo a capacidade funcional, habilidade tcnica e caractersticas fsicas (1). Para aquisio de uma vantagem competitiva, estudos tm centrado ateno em caractersticas fsicas modificveis dos atletas, das quais a composio corporal e o somatotipo so considerados fundamentais para o desempenho (2-4). </p><p>Sabe-se que a avaliao das variveis morfolgicas em atletas pode contribuir para a otimizao do treinamento e para o desempenho mximo, sendo de grande valia no esporte profissional de alto nvel (5), uma vez que o somatotipo, a performance fsica e o esporte esto inter-relacionados (6).</p><p>O estudo das variveis morfolgicas de atletas, embora amplamente explorado em modalidades olmpicas (7-12) e em algumas pesquisas com modalidades paralmpicas como atletismo, ciclismo, jud, natao (13), goalball (14,15) e futebol para portadores de paralisia cerebral (16), escasso quanto modalidade futebol de 5.</p><p>Se comparado a outros esportes, o futebol de 5 pode ser considerado recente no mbito esportivo mundial, haja vista que sua insero como modalidade paralmpica se deu somente a partir dos jogos paralmpicos de Vero de 2004, disputado em Atenas (17), sendo explorado por poucos estudos cientficos at ento. </p><p>A obteno do perfil morfolgico de atletas de futebol de 5 torna-se importante, de modo que tcnicos, preparadores fsicos e outros profissionais sejam capazes de orientar o treinamento por meio desse conhecimento considerando as especificidades dessa modalidade esportiva. </p><p>Sendo assim, o objetivo do presente estudo foi analisar a composio corporal e o somatotipo de atletas da seleo brasileira de futebol de 5 nas diferentes posies tticas desempenhadas em jogo. </p><p>Materiais e mtodos</p><p>Amostra</p><p>Foi realizado um estudo com delineamento transversal do tipo descritivo e comparativo, optando-se intencionalmente por uma amostra composta por 15 atletas (245.6 anos) do sexo masculino, da seleo brasileira de futebol de 5: equipe paralmpica Rio 2016. Dentre os 15 participantes, 12 (2 pivs, 3 fixos, e 7 alas) foram classificados funcionalmente como cegos do tipo B1, ou seja, que possuem ou no percepo de luminosidade sem a possibilidade de identificao do objeto e 3 (goleiros) como normovisuais, os quais no apresentam deficincia visual (18).</p><p>Avaliao Antropomtrica</p><p>Todos os voluntrios desta pesquisa foram submetidos a uma avaliao antropomtrica, adotando-se a padronizao proposta por Fernandes Filho (19) para anlise da composio corporal, sendo realizadas as medidas de: espessura de dobras cutneas (peito, trceps, bceps, subescapular, supra ilaca, abdominal, mdia axilar, coxa e perna- CESCORF, 0,1mm); permetros corporais (bceps relaxado e contrado, coxa, perna, cintura e quadril, fita metlica flexvel - CARDIOMED, 1mm); dimetros sseos (punho, joelho e cotovelo paqumetro, 1mm); estatura (estadimetro SHOENLE, 0.5cm) e massa corporal (balana eletrnica SHOENLE, 100g). A partir dessas, foram calculados diversos parmetros, sendo considerados no estudo: o ndice de massa corporal (IMC: massa corporal/estatura2, kg/m2), o somatrio das nove dobras cutneas (9DC, mm), a gordura corporal (%) e o somatotipo. O Percentual de gordura foi obtido pela </p><p>equao de Siri (20) a partir da estimativa da densidade corporal pela equao de Jackson e Pollock (21) utilizando-se as dobras cutneas peito, trceps, subescapular, supra ilaca, abdominal, mdia axilar e coxa. Para determinao do somatotipo foi utilizada a metodologia proposta por Heath-Carter (22).</p><p>Os dados foram coletados pela manh, antes do treinamento, nas dependncias do Instituto Benjamin Constant (IBC), no Rio de Janeiro, quando a seleo esteve em fase de preparao para as paralimpadas Rio 2016. As medidas foram realizadas por um avaliador experiente, possibilitando a padronizao da tomada de medidas antropomtricas, o qual possua o Erro Tcnico de Medidas (ETM) antropomtricas aceitvel de 5% (23), garantindo a fidedignidade das medidas. </p><p>Aspectos ticos</p><p>Este estudo foi realizado de acordo com as normas ticas que tem seu princpio na declarao de Helsinki e foi aprovado pelo Comit de tica e Pesquisa do Hospital Universitrio Clementino Fraga Filho (CEP-HUCFF-UFRJ) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob o parecer de aprovao de nmero 1.707 380, atendendo ao disposto na resoluo 466 do Conselho Nacional de Sade de 12 de dezembro de 2012 para pesquisas com seres humanos.</p><p>A participao na pesquisa foi de carter voluntrio, isenta de qualquer tipo de remunerao e condicionada assinatura do Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE) pelos atletas aps esclarecimentos sobre os riscos e procedimentos de coleta. O pesquisador fez a leitura do TCLE a todos os atletas cegos. O anonimato e a privacidade dos participantes foram resguardados no estudo. A adeso dos participantes foi de forma espontnea, podendo o voluntrio abandonar as avaliaes em qualquer etapa do protocolo. Os protocolos adotados no implicaram em risco fsico, psquico, moral, intelectual, social, cultural ou espiritual aos participantes, sendo adequados idade, sexo e condio fsica dos avaliados.</p><p>Anlise estatstica</p><p>Os dados estatsticos foram submetidos a um teste de normalidade apresentando distribuio no normal e em seguida procedeu-se ao teste de Kruskal-Wallis e de mltiplas comparaes de Dunns, adotando-se o nvel de significncia de 5%. A anlise foi realizada por meio do programa GraphPad Prism 5.0.</p><p>Tendo em vista a anlise dos dados do somatotipo dos atletas, utilizou-se o clculo da distncia posicional entre os somatotipos (DPS) como descrito por Fernandes Filho (19). Esta tcnica permite verificar a distncia posicional entre dois somatotipos (A e B). Considera-se como diferena entre os somatotipos mdios de atletas das diversas posies (Ala-piv; Ala-goleiro; Ala-Fixo; piv-goleiro; Piv-fixo e goleiro-fixo) o valor da DPS igual ou superior a uma unidade.</p><p>Resultados</p><p>A Tabela 1 exibe caractersticas gerais, antropomtricas e composio corporal dos atletas de futebol de 5, com valores expressos em mdia e desvio padro nas diferentes posies, no total de atletas e seus respectivos valores de p, obtidos na anlise entre os grupos. </p><p>Os resultados dispostos na tabela 1 permitem constatar que no houve diferena significativa entre os grupos para nenhuma das variveis antropomtricas e de composio corporal, caracterizando a equipe como homognea quanto a essa anlise. Embora no tenham sido observadas diferenas significativas, quando analisados os valores mdios destas variveis entre as posies tticas dos atletas, </p></li><li><p>27Rev. Fac. Med. 2018 Vol. 66 No. 1: 25-9</p><p>constatam-se valores mais elevados para a maioria das variveis entre os goleiros e valores mais baixos de gordura corporal e somatrio das nove dobras cutneas para piv, de ndice de massa corporal entre os fixos e de massa corporal entre os alas. </p><p>Tabela 1. Caractersticas gerais, antropomtricas e composio corporal de atletas da seleo Brasileira de Futebol de 5.</p><p>VariveisPosies</p><p>Valor pPiv (n=2) Ala (n=7) Fixo (n=3)</p><p>Goleiro (n=3)</p><p>Total (n=15)</p><p>Idade (anos) 24.05.6 26.25.9 30.69.0 27.0 7.8 27.06.5 0.73</p><p>MC (kg) 70.76.5 69.66.4 68.87.4 80.27.1 71.77.4 0.17</p><p>Estatura (cm) 174.02.8 168.75.2 173.07.9 177.75.1 172.06.1 0.18</p><p>IMC (kg/m2) 23.31.4 24.41.9 22.91.1 25.41.4 24.11.7 0.32</p><p>GC (%) 13.60.4 16.83.5 14.02.0 17.20.6 15.92.9 0.29</p><p>9DC (mm) 64.13.4 80.621.4 67.31.6 86.214.0 76.917.1 0.38</p><p>MC: massa corporal; p</p></li><li><p>28 Perfil de atletas paralmpicos: 25-9</p><p>exige pouco deslocamento lateral durante os jogos, limitando suas aes motoras (25,28,29). Essas caractersticas podem justificar em parte a tendncia de valores mdios mais elevados, embora no significativos, para as variveis de composio corporal entre atletas dessa posio. </p><p>Em geral, para a composio corporal, os valores apresentados no presente estudo, para percentual de gordura (15.92.9%) e ndice de massa corporal (24.11.7) so compatveis com os encontrados em outros estudos(26,27,30). </p><p>O perfil somatotpico meso-endomrfico disposto na tabela 2, apresentado pelo grupo de futebol de 5 do presente estudo o mesmo encontrado para atletas desta modalidade em estudos anteriores (26,30).</p><p>Um estudo desenvolvido por Durn-Aguero et al. (26) com atletas chilenos de elite de futebol de 5, participantes dos jogos para-panamericanos de Toronto 2015, encontrou uma classificao meso-endomrfica (4.0 - 5.7 - 1.3), que assinala a dominncia da massa muscular, semelhante aos atletas do presente estudo. </p><p>Quando analisada a distribuio de frequncia somatotpica (tabela 2) para os atletas da presente pesquisa, a qual representa a proporcionalidade de somatotipos apresentados pelos atletas de todas as posies, foi constatado um resultado heterogneo, indicando que as posies tticas em quadra tm especificidades que podem influenciar neste resultado.</p><p>Para Vaquera et al. (9), a dinmica de jogo de cada modalidade esportiva influencia significativamente nas variveis morfolgicas dos atletas em cada posio em jogo, sendo portanto, um marcador de atletas de alto rendimento esportivo. Dessa forma, as exigncias morfolgicas e fisiolgicas so determinantes para maior desempenho de cada atleta na sua posio em jogo. Ressalta-se que esses atletas apresentavam uma carga de treino de 12.5 horas semanais e tempo de treinamento de 8.4 anos. </p><p>Embora este tipo de anlise quali-quantitativa de distribuio de frequncia do somatotipo tenha sido descrita em outros estudos (2,10,31), estes se limitam a atletas normovisuais e de outras modalidades como voleibol e jud, impossibilitando a comparao com os dados obtidos pelos atletas desta modalidade.</p><p>Para a anlise da classificao somatotpica considerando o escore mdio obtido em cada uma das posies tticas da modalidade (tabela 2), foi observada semelhana entre as posies de goleiro e ala com um perfil meso-endomrfico, e entre fixo e piv com o perfil mesomorfo balanceado, como apresentado na figura 1. </p><p>Quanto distncia posicional dos somatotipos (DPS) na somatocarta de Healt-carter entre os grupos com a mesma classificao (tabela 3), verificou-se para o perfil meso-endomrfico que goleiros e alas no diferiram entre si na sua morfologia. Este resultado reafirma a semelhana tanto em termos de classificao, quanto ao distanciamento posicional entre os somatotipos apresentados nestas duas posies. </p><p>O perfil mesomorfo balanceado apresentado pelas posies de fixo e piv (figura 1), diferiu quanto ao DPS, o que significa que embora os atletas ocupantes destas posies tenham a mesma classificao somatotpica, estes apresentam um distanciamento posicional na somatocarta, conferindo aos mesmos certas individualidades morfolgicas que podem estar relacionadas s exigncias funcionais destas duas posies.</p><p>Quanto anlise do DPS, um nico estudo com atletas de futebol de 5 foi encontrado (25), o qual constatou diferena quanto ao DPS entre goleiros em relao a todas as demais posies e entre os alas e fixo, dados que discordam dos aqui encontrados. </p><p>As anlises apresentadas no presente estudo possibilitam um melhor monitoramento do treinamento de alto nvel para a modalidade de futebol de 5. Alm disso, pode permitir que treinadores, preparadores fsicos e fisiologistas do esporte norteiem sua prtica profissional, </p><p>com a orientao de planilhas de treinamento especficas deste esporte de modo a otimizar o treinamento desportivo destes atletas paralmpicos. Malousaris et al. (32) esclarecem que o conhecimento de um padro de referncia das caractersticas morfolgicas de atletas de um determinado esporte, tal como o perfil somatotpico e de composio corporal, de fundamental importncia para promover um treinamento eficiente. </p><p>Uma limitao apresentada por este estudo deve-se escassez de trabalhos envolvendo atletas de futebol de 5 em mbito nacional e internacional, impossibilitando comparaes do perfil apresentado pelos atletas brasileiros com aqueles apresentados por atletas desta modalidade de outras selees mundiais e/ou outros nveis de rendimento. Outro fato se deve ao ineditismo quanto anlise da distribuio de frequncia do somatotipo para esta modalidade, o que possibilita uma discusso com base nos dados descritivos e comparados apenas entre atletas avaliados por esse estudo. </p><p>Recomendam-se estudos futuros com atletas de alto nvel desta modalidade esportiva, de modo a possibilitar comparaes com outros resultados encontrados para o somatotipo e para a composio corporal. Alm disso, torna-se importante adicionar aos estudos outros tipos de anlises de modo a fornecer subsdios preparao fsica dos atletas orientando os treinamentos especializados e possibilitando o mximo desempenho dos atletas desta modalidade paralmpica. </p><p>Concluses</p><p>Quanto anlise da composio corporal, o estudo constatou homogeneidade para os atletas nas diferentes posies tticas em todas as varveis avaliadas. O perfil do somatotipo apresentado pelos atletas indica a predominncia do componente mesomrfico em todas as posies tticas desempenhadas em jogo. Nestas, o perfil obtido foi o meso-endomrfico para goleiros e alas, e mesomorfo balanceado para fixos e pivs. </p><p>Este estudo caracterizado como o primeiro na literatura na modalidade de futebol de 5 que utilizou a anlise de distribuio de frequncia do somatotipo, constatando-se 40% dos atletas com o perfil mesomorfo balanceado e 60% como meso-endomrfico. De forma geral, acreditamos que o conhecimento do somatotipo de atletas desta modalidade em cada uma das posies apresentadas pode ser utilizado para prescrio do treinamento, para melhora do desempenho competitivo e para seleo de talentos para esta modalidade. </p><p>Conflito de interesses</p><p>Nenhum declarado pelos autores.</p><p>Financiamento</p><p>Nenhum declarado pelos autores.</p><p>Agradecimentos</p><p>A todos os atletas que participaram deste estudo e Confederao Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV).</p><p>Referncias</p><p>1. Gilinsky N, Hawkins KR, Tokar TN, Cooper JA. Predictive vari-ables for half-ironman triathlon performanceyh. J Sci Med Sport. 2014;17(3):300-5. http://doi.org/cj9r.</p><p>http://doi.org/cj9r</p></li><li><p>29Rev. Fac. Med. 2018 Vol. 66 No. 1: 25-9</p><p>2. Cabral BGAT, Cabral SAT, Toledo IVRG, Dantas PMS, Mirabda HF, Knakcfuss MI. Antropometria e somatotipo: fatores determinantes na se-leo de atletas do voleibol. Rev Bras Cinc Esporte. 2011;33(3):733-46. </p><p>3. Hoffman MD, Lebus DK, Ganond AC, Casazza GA, Van Loan M. Body composition of 161-km ultramarathoners. Int J Sports Med. 2010;31(2):106-9. http://doi.org/cjbn9c.</p><p>4. Claessens AL, Lefevre J, Beunen G, Malina RM. The contribution of anthropometric characteristics to performance scores in elite female gymnasts. J Sports Med Phys Fitness. 1999;39(4):355-60. </p><p>5. Ackland TR, Lohman TG, Sundgot-Borgen J, Maughan RJ, Meyer NL, Stewart AD, et al. Current status of body composition assessment in sport: review and position statement on behalf of the ad hoc research working group on body composition health and performance, under the auspices of the I.O.C Medical Commission. Sports Med. 2012;42(3):227-49. http://doi.org/cj9t.</p><p>6. Dantas PMS, Fernandes-Filho J. identificao dos perfis gentico, de aptido fsica e somatotpico que caracterizam atletas masculinos, de