Cincia, Tecnologia e Msica - BCT - Unifesp mudanas e transformaes na msica em muitos aspectos e, ... A harmonia musical do cosmo foi ... cano popular, o som e o microfone ...

Download Cincia, Tecnologia e Msica - BCT - Unifesp  mudanas e transformaes na msica em muitos aspectos e, ... A harmonia musical do cosmo foi ... cano popular, o som e o microfone ...

Post on 18-Mar-2018

217 views

Category:

Documents

5 download

TRANSCRIPT

  • Cincia, Tecnologia e Msica

    David Caldas da Silva Junior

    Gregrio dos Santos Brando

    Isadora Martini Coelho

    Mateus Sousa Franco

    Renato Boschilia Junior

    Thabata Alcntara Ferreira Ganga

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

  • Introduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

  • Introduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    A msica uma forma de arte que se constitui basicamente em combinar sons e silncio seguindo uma pr-organizao ao longo do tempo. umas das artes mais ligadas matemtica e fsica, sendo que at o sculo XVI era considerada um ramo da matemtica, integrando o quarteto: aritmtica, geometria, astronomia e msica.

  • Introduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Por ser uma arte escorada em medidas precisas, garante uma nova aproximao com a cincia. Alm de ter uma base fsica importante: so os sons afinados pela cultura que a constituem. Sendo usada muitas vezes como metfora e como inspirao para interpretar o mundo, em particular nos modelos cosmolgicos, ou em tentativas descritivas da estrutura social humana.

  • Introduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    As descobertas cientficas e os avanos tcnicos estimularam mudanas e transformaes na msica em muitos aspectos e, por outro lado, o oposto tambm se verificou. Questes que vieram da msica estimularam a investigao cientifica em diversos perodos da histria.

  • Histrico

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    A harmonia musical do cosmo foi mencionada no Timeu de Plato e criticada por Aristteles, perdurando por sculos nas vises cosmolgicas, vindo a se tornar uma forte inspirao para Kepler em suas leis sobre o movimento dos planetas.

  • Histrico

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    A palavra tecnologia vem do grego techne, que significa arte, e de logos, que significa palavra. Vivemos num sculo onde o progresso da cincia transformou as formas de percepo de tempo e espao e isto se traduz em arte, que se traduz em msica.

  • Histrico

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Novas percepes geram a necessidade de novos meios, novos instrumentos e novas ferramentas para gerar os novos objetos sonoros que geraro a nova msica. Alm das relaes entre msica, fsica e matemtica, alguns outros aspectos emergem em sua relao com a cincia: a construo de instrumentos musicais.

  • Histrico

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    A construo de instrumentos musicais tem ligao direta com o conhecimento fsico e tecnolgico da matria e da acstica

  • Histrico

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Antes das tecnologias, uma pea musical era passada de msico para msico; depois ela passou a ser registrada atravs de cdigos grficos, a partitura; ento, passou a ser registrada em mdias e a ser ouvida em todos os cantos do globo. Hoje, com as atuais revolues tecnolgicas, uma msica pode se resumir em muitos casos a um cdigo digital em um HD.

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Um exemplo de aplicao tecnolgica na msica a construo de captadores de instrumentos musicais eltricos, que se baseia na Lei de Induo de Faraday.

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    O som de um violo depende da ressonncia produzida na parte oca do instrumento pelas oscilaes das cordas. Uma guitarra eltrica um instrumento macio, no possuindo uma caixa de ressonncia.

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Em Instrumentos como as guitarras as oscilaes das cordas metlicas so sentidas pelos captadores eletromagnticos que enviam os sinais para os amplificadores e alto-falantes.

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Estrutura Bsica de um captador:

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Lei de Faraday

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Lei de Faraday

    A lei derivada da unio de diversos princpios.

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Lei de Faraday

    A corrente eltrica induzida em um circuito fechado por um campo magntico, proporcional ao nmero de linhas do fluxo que atravessa a rea envolvida do circuito, na unidade de tempo.

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Lei de Faraday

    Uma maneira alternativa de se representar na forma da derivada da funo do campo magntico B:

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Lei de Faraday

    Portanto:

    A lei expressa matematicamente na forma que conhecemos, onde = BA cos e Vi = , :

  • Captadores Eltricos

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

  • Meios de Reproduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Assim como a evoluo dos instrumentos msicas, a cincia e a tecnologia tambm trouxeram avanos nos meios de reproduo musical. Atualmente, quase toda a msica distribuda em formato digital.

  • Meios de Reproduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    A tecnologia do CD, que se tornou dominante nos anos 1980 e 90, quase tornando extinto o disco de vinil e as fitas cassete, hoje convive com arquivos de udio transmitidos diretamente via Internet. Arquivos de dados digitalizados so estocados e reproduzidos nos HDs dos computadores domsticos ou em dispositivos portteis que proliferam nas ruas de nossas cidades.

  • Meios de Reproduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Apesar do predomnio dos formatos digitais, a produo e o consumo de discos de vinil segue vigorosa, pois o som analgico acusticamente e harmonicamente melhor do que o som digital. O vinil foi tambm revitalizado na j estabelecida cultura dos DJs.

  • Meios de Reproduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    O formato MP3 de compactao de arquivos de udio digital foi o grande responsvel por esta transformao que estamos percebendo nos modos de distribuio e consumo de msica. Arquivos compactados em formato MP3 ocupam aproximadamente 1/12 do espao de disco que os arquivos no compactados ocupariam.

  • Meios de Reproduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    A loja virtual da Apple lidera o mercado de downloads cobrados por faixa, ao preo de 99 centavos de dlar. O iTunes Music Store tem conquistado novas fatias do mercado globalizado, estabelecendo-se como o principal canal de distribuio em massa. Esse posicionamento pode ser explicado pelo extraordinrio sucesso comercial do player porttil iPod.

  • Meios de Reproduo

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Diversos lanamentos musicais so hoje dirigidos aos consumidores que ouvem msica pelo telefone celular. Novas geraes de aparelhos celulares incluem telas de vdeo e acesso Internet. A msica pode ser baixada e estocada na memria do aparelho, ou apenas ouvida enquanto difundida pelo processo de streaming.

  • Musica Eletrnica

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Juntamente com a proliferao musical de forma digital, surge o fazer da msica usando recursos digitais.

  • Musica Eletrnica

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Com a chegada do sculo XX a relao entre msica e tecnologia se mostra mais intensa, gerando a aplicao das tecnologias eletrnicas e digitais na gerao sonora artificial. At o sculo XIX todo som era proveniente da vibrao de algum material elstico (as cordas de um violo, a palheta de um obo, as teclas de uma marimba).

  • Musica Eletrnica

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Embora as ondas sonoras que atingem nosso aparelho auditivo possuam a mesma natureza, sejam elas acsticas ou digitais, seus processos de produo so radicalmente diferentes. Com o advento da eletricidade e da eletrnica, mais e mais passamos a ouvir e conviver com sons provenientes de corpos invisveis contidos nos circuitos de sintetizadores, samplers, gravadores magnticos e computadores.

  • Musica Eletrnica

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Antes, o contato com msica se dava primordialmente atravs da performance. O ouvinte participava da realizao musical ao reconstruir internamente, no apenas sequncias de notas produzidas pelos instrumentos musicais, mas todo o universo gestual que os acompanha, pois a msica era fruto dos corpos que a produzem.

  • Musica Eletrnica

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

  • Industria Musical

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Primeiro a msica era feita para os deuses, depois passou a ser feita para naes depois e ento para a pessoa amada.

    Agora, culminou em sua forma final: passou a ser tratada como um produto.

  • Industria Musical

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    Assim como a tecnologia tem ajudado a facilitar a produo musical, ela tem extinguido a musica do jeito que a conhecemos. Qualquer pessoa consegue fazer msica, sem ao menos saber msica. Como a msica acessvel para todos, se tornou um produto, passando a ser vendida, perdendo seus propsitos iniciais, manifestao cultural.

  • Industria Musical

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

  • Industria Musical

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

  • Bibliografia

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

    [1] PAIVA, S. V. K. Msica, tecnologia e consumo. [2] Filho, M. E. C. Palombini, C. (2006). Msica e tecnologia no Brasil: a cano popular, o som e o microfone, Braslia. [3] Cunha, G. Martins, M. C. (1998). TECNOLOGIA, PRODUO & EDUCAO MUSICAL DESCOMPASSOS E DESAFINOS, Braslia. [4] Pagliarini, C. R. (2004). Captadores de instrumentos musicais eltricos e a Lei de Induo de Faraday. [5] Moreira, I. C. Massarani, L.(2007). Msica e Cincia: Ambas filhas de um ser fugaz, San Jos, Costa Rica. [6] Gohn, D. M. (2001). A Tecnologia na Msica, Mato Grosso do Sul. [7] Castro, G. G. S.(2007) Msica, juventude e tecnologia: novas prticas de consumo na cibercultura, Rio de Janeiro.

  • Perguntas??

    ICT UNIFESP Estrutura Dinmica e Social

Recommended

View more >