ciÊncia & filosofia - .- pensar a ética nas pesquisas científicas. ciÊncia & filosofia ciência

Download CIÊNCIA & FILOSOFIA - .- Pensar a ética nas pesquisas científicas. CIÊNCIA & FILOSOFIA Ciência

Post on 21-Jan-2019

219 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CINCIA & FILOSOFIAPROFESSOR NICHOLAS GABRIEL MINOTTI LOPES FERREIRA

  • C fRevisaremos alguns contedos sobre Cincia na Filosofia deforma que possamos:

    - Distinguir Cincia de mito ou religio e quais as caractersticascompartilha com a Filosofia

    El b fl b t iti ti d- Elaborar uma reflexo sobre os pontos positivos e negativos dacincia. Relembrar Doxa e Episteme. Teorias cientficas

    - Mtodos Cartesiano e Cientfico- Entender os mtodos bem como suas utilidades para a cincia.- Articular os objetos de estudos cientficos e pensar em que

    medida somos influenciados por elesmedida somos influenciados por eles- Pensar a tica nas pesquisas cientficas

  • CINCIA & FILOSOFIACINCIA & FILOSOFIACINCIA & FILOSOFIACINCIA & FILOSOFIACincia (do latim scientia) toda atividadeCincia (do latim, scientia) toda atividade

    intelectual humana que resulta em conhecimento etecnologias com vistas ao aperfeiomento da vidatecnologias com vistas ao aperfeiomento da vidahumana. Possui regras e sistemas investigativos queprocuram definir aprender sistematizar testar verificarprocuram definir, aprender, sistematizar, testar, verificarereproduzir conhecimentos.

  • Mtodo CartesianoMtodo CartesianoRelembrando do Sr. Ren Descartes (1596 1650)

    e seu objetivo de criar um mtodo, um sistema muitocoerente e que, segundo o filsofo, jamais levaria apessoa ao engano ou erro de raciocnio.p g

    Este mtodo que Descartes props o fundamentoq p ppara o mtodo cientfico!

  • 1Passo: a dvida e busca por providncia Evitar1 Passo: a dvida e busca por providncia Evitarpreconceitos, precipitao em afirmar ou negar qualquercoisa a respeito do objetocoisa a respeito do objeto.

    2 Passo: racionalizar dividir os problemas em partespequenas para melhor resolvlos.pequenas para melhor resolv los.

    3 Passo: Ordenar as ideias Direcionar o pensamentoa partir do raciocnio mais simples para chegar aop p p gcomplexo.

    4 Passo: Revisar Elaborar e executar revises slidase aplicadas distintas vezes para evitar quaisquer erros ouproblemas no pensamento.

  • Expandindo o mtodo cartesiano

    O mtodo cientfico contemporneo se inspirou naproposta cartesiana e hoje, a cincia segue igualmente os 4passos, mas da seguinte maneira:

  • Observao (1): a visualizao de um fato(ou fenmeno). Deve ser repetida vrias(ou fenmeno). Deve ser repetida vrias

    vezes e por vrias pessoas, buscando obter o mximo possvelde detalhes.

    Problematizao (2) Levantamento de questionamentossobre o fato observado lembrnado sempre que para a cincia,um problema bem formulado mais importante que a sua

    l i b i h di isoluo, pois abre caminho para diversas outras pesquisas.

  • Hiptese (3): a tentativa de explicaopara um problema. A hiptese umapara um problema. A hiptese uma

    pressuposio passvel de comprovao mediante fatosapresentados e ela jamais ser a ltima palavra em cincia.p j pPelo contrrio, ela o primeiro enunciado para uma questo!

    Experimentao (4): : Etapa em que so realizadasexperincias para provar (ou negar) a veracidade de sua(s)fi id dafirmaes. Se, aps a execuo por repetidas vezes da

    experincia, os resultados obtidos forem os mesmos, ahiptese considerada verdadeirahiptese considerada verdadeira.

  • TEORIASTEORIAS

    As teorias em cincia possuem um significado distinto dosenso comum. Para incio, vamos voltar em Plato paradi ti i i i (d ) d i i ( i tdistinguir opinies (doxa ) de cincia (episteme ). Assim, tudo o que envolve cincia, evolve aespisteme E a rea que estuda a prpria cincia aespisteme. E a rea que estuda a prpria cincia aEpistemologia.

    A cincia universal bem fundamentada emA cincia universal, bem fundamentada emcomprovaes lgicos/racionais com testes que estoacessveis a quaisquer pesquisador que queira testar aq q p q q qhiptese, os experimentos ou um projeto. Alm disso, no dogmtica e as crticas, quando bem fundamentadas, sogteis para o avano cientfico. objetiva.

  • Doxa uma opinio simples, ou senso comum. Osaber sem base, pautado em tradies e saberesculturais, populares e/ou hereditria. No temfundamento e dogmtico, no aceita crticas, dvidas

    ou contestaes. subjetivo. o conhecimento que est no domnio do povo, mas

    superficial e no visa explicar nada: o famoso assimporque sempre foi ou o chazinho da vov que cura

    tudo.

  • f Por fim, as teorias no so crenas,aleatoriedades d epensamentos ou opiniesindividuais dos cientistas, mas modelos explicativosfundamentados em diversos estudos e ocorrnciastraduzidas e compartilhadas por cientistas ao redordo globo!g

    As teorias so esquemas que explicam umAs teorias so esquemas que explicam umfenmeno.

  • Dogmatismo vem da palavra grega dogma que significa: uma opinioDogmatismo vem da palavra grega dogma, que significa: uma opinioestabelecida por decreto e ensinada como uma doutrina, sem contestao.O dogmatismo uma atitude autoritria e submissa. Autoritria porqueno admite dvida, contestao e crtica. Submissa porque se curva aopinies estabelecidas. A cincia distinguese do senso comum porqueeste uma opinio baseada em hbitos preconceitos tradieseste uma opinio baseada em hbitos, preconceitos, tradiescristalizadas, enquanto a cincia baseiase em pesquisas, investigaesmetdicas e sistemticas e na exigncia de que as teorias sejam

    (internamente coerentes e digam a verdade sobre a realidade. (MarilenaChaui. Convite filosofia, 1994. Adaptado.)

    Do ponto de vista da objetividade, explique por que o conhecimentocientfico superior ao senso comum.

  • DEFINIES FILOSFICASDEFINIES FILOSFICAS

    Vamos relembrar de algumas escolasfilosficas que propuseram definies sobreq p p cincia e seus mtodos? A primeira delas fcilfcil...

  • Representacionismo

    EmpirismoO conhecimento posto

    em termos de proposiesEmpirismoEscola filosfica que

    defende a ideia de que o

    p p simblicas ou por figuras,representaes. O objeto emdefende a ideia de que o

    conhecimento se origina nossentidos do corpo e, portanto,

    si jamais pode ser alcanadoe, no lugar, trabalhase comp , p ,

    a cincia deveria serexperimental.

    representaes sobre oobjeto de estudo.

    *Lembram das trspalavrinas mgicas? Filsofos principais:

    Ludwig Wittgenstein e

    Filsofos principais: JohnL k D id H

    Ludwig Wittgenstein eGottlob Frege.

    Locke, David Hume.

  • Falibilismo

    PositivismoCompartilha das mesmas

    caractersticas doPositivismo a ideia de cincia que

    progride, levando em conta

    positivismo, mas ressalta ovalor da falibilidade, isto , daprogride , levando em conta

    sua histria que no pode seresquecida. A cincia evolui e se

    probabilidade de erro.Pesquisas cientficas devemq

    torna complexa eespecializada.

    sempre estar sujeitas testes para sua

    Filsofos principais:Logicistas e positivistas como

    comprovao.

    Principal filsofo: TomasAugusto Comte. Principal filsofo: TomasKhun

  • Para uma atividade ser considerada cincia,haveria, segundo os positivistas, trs caractersticasque permitem, a ns, identificar um autnticoconhecimento de um senso comum, ou fofoca.

    O Falibilismo, tambm concorda com ospositivistas, mas adicionam uma caracterstica almdas outras trs. Vejamos a seguir:

  • empiricamente comprovvel empiricamente comprovvelIntersubjetivamente partilhvelAcumulativaAcumulativa

    (POSITIVISMOPOSITIVISMO)

    Atravs de novos questionamentos, a cincia podealterar ou mudar suas hipteses, explicaes, princpiosa e a ou uda ua p e e , e p cae , p c p oou paradigmas.

    (REPRESENTACIONISMOREPRESENTACIONISMO)

  • LEMA DO POSITIVISMOLEMA DO POSITIVISMO

    ORDEMORDEMEE

    PROGRESSOPROGRESSO

    O AMOR POR PRINCPIO, A ORDEM POR BASE E O PROGRESSO POR FIM

  • Vestibular?Vestibular?( ) d(ENEM 2013) Os produtos e seu consumo constituem a meta

    declarada do empreendimento tecnolgico. Essa meta foi propostapela primeira vez no incio da Modernidade, como expectativa depela primeira vez no incio da Modernidade, como expectativa deque o homem poderia dominar a natureza. No entanto, essaexpectativa, convertida em programa anunciado por pensadores

    D t B i l i d l Il i i icomo Descartes e Bacon e impulsionado pelo Iluminismo, no surgiude um prazer de poder, de um mero imperialismo humano, masda aspirao de libertar o homem e de enriquecer sua vida, fsica ep q ,culturalmente. CUPANI, A. A tecnologia como problema filosfico:trs enfoques, Scientiae Studia. So Paulo, v. 2 n. 4, 2004

    (adaptado)(adaptado).

  • Autores da filosofia moderna, notadamente Descartes e Bacon, e oprojeto iluminista concebem a cincia como uma forma de saber queprojeto iluminista concebem a cincia como uma forma de saber quealmeja libertar o homem das intempries da natureza. Nesse contexto, ainvestigao cientfica consiste em

    (A) expor a essncia da verdade e resolver definitivamente as disputastericas ainda existentes.(B) f lti l d i i t(B) oferecer a ltima palavra acerca das coisas que existem e ocupar olugar que outrora foi da filosofia.(C) ser a expresso da razo e servir de modelo para outras reas do(C) ser a expresso da razo e servir de modelo para outras reas dosaber que almejam o progresso.(D) explicitar as leis gerais que permitem interpretar a natureza eeliminar os discursos ticos e religiosos.(E) explicar a dinmica presente entre os fenmenos naturais e imporlimites aos debates acadmicoslimites aos debates acadmicos

  • (Ueg) A cincia desconfia da veracidade de(Ueg) A cincia desconfia da veracidade denossas certezas, de nossa adeso imediata scoisas da ausncia de crtica e da falta decoisas, da ausncia de crtica e da falta decuriosidade. Por isso, onde vemos coisas, fatos eacontecimentos a atitude cientfica v problemas eac