ciclo de seminarios artigos tecnicos

Download Ciclo de Seminarios  Artigos Tecnicos

Post on 22-Mar-2016

219 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

ciclo de seminrios NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS de Cincia e Tecnologia Artigos Tcnicos Caracterizao Glossrio So Paulo, 2007 Legislao Coordenadoria de Gesto de Polticas Pblicas (Cogepp): Ftima Fernandes de Arajo Levantamento da legislao: Berenice T. Mastro Projeto grfico, diagramao e arte-final: Jorge Monge e Marina Brasiliano Vera Martins da Silva Ftima Fernandes de Arajo Equipe tcnica: Carlos Corra Leite Colaborao tcnico-jurdica: Luciana Temer Isabete Gabriel da Silva

TRANSCRIPT

  • ciclo de seminriosNOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

    CaracterizaoLegislao

    Leis Federais, Estaduais e MunicipaisArtigos Tcnicos

    Glossrio

  • Seminrio IV Novos Modelos Organizacionais

    de Cincia e Tecnologia

    So Paulo, 2007

    Caracterizao

    Legislao

    Leis Federais, Estaduais e Municipais

    Artigos Tcnicos

    Glossrio

  • Coordenadoria de Gesto de Polticas Pblicas (Cogepp): Ftima Fernandes de Arajo

    Equipe tcnica: Carlos Corra Leite

    Ftima Fernandes de Arajo

    Isabete Gabriel da Silva

    Maria do Carmo M. T. Cruz

    Vera Martins da Silva

    Colaborao tcnico-jurdica: Luciana Temer

    Levantamento da legislao: Berenice T. Mastro

    Assessoria de Comunicao: Roberto Mencarini

    Projeto grfico, diagramao e arte-final: Jorge Monge e Marina Brasiliano

    Tiragem: 150 exemplares

  • APRESENTAO

    A rea de Cincia e Tecnologia, no Brasil, vem sendo observada com ateno pelos atores

    polticos e, tambm, pelo mercado, tendo em vista a premente necessidade de investimentos

    em pesquisa cientfica e tecnolgica para alavancar e consolidar o desenvolvimento do Pas.

    Desde meados da dcada de 1990, a rea tem adotado modelos diversos de organizaes,

    que vo desde as tradicionais autarquias estatais, passando pelas fundaes de apoio e,

    desde 1998, as Organizaes Sociais, cujo modelo vem demonstrando xito e adaptabilidade

    de gesto na rea, especialmente no Governo Federal, que j conta com cinco experincias

    consagradas.

    Com o advento da Lei de Inovao, ser necessrio que a rea de C&T, no Brasil, adote mo-

    delos de gesto flexveis e geis, que possibilitem a dinmica prpria do setor e facilitem a

    interao das instituies em nveis nacional e internacional.

    Nos modelos possveis, como o das Organizaes Sociais, o Estado passa de executor para

    formulador e regulador da poltica de C&T, e torna-se responsvel por fomentar, supervisionar

    e monitorar as diversas pesquisas e atividades desenvolvidas por entidades parceiras do Es-

    tado, na rea.

    Com o objetivo de refletir sobre a utilizao desses novos modelos na gesto das polticas

    de C&T, a Fundao Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos e Pesquisas de Admi-

    nistrao Municipal, realiza, em conjunto com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento, o

    seminrio Novo Modelos Organizacionais de Cincia e Tecnologia.

    Trata-se do IV, de um ciclo de seminrios sobre novos modelos organizacionais, que conta

    com o apoio da Secretaria de Economia e Planejamento (SEP), da Secretaria de Gesto P-

    blica e das Cidades Parceiras (Jundia, Piracicaba, Ribeiro Preto, So Caetano do Sul, So

    Jos dos Campos e Sorocaba).

    Para que a discusso do contedo possa ser aprofundada, apresentamos alguns temas im-

    portantes, que sero tratados ao longo deste dia de trabalho. Esperamos que este seminrio

    contribua para um maior entendimento das mudanas em curso e das alternativas para as

    polticas de C&T.

    Felipe Soutello

    Presidente da Fundao Prefeito Faria Lima Cepam

  • SUMRIO

    APRESENTAO

    CARACTERIZAO DE OSCIP .............................................. 9

    CARACTERIZAO DE OS ................................................. 25

    BASE LEGAL DE OSCIP ....................................................... 39

    BASE LEGAL DE OS ........................................................... 43

    MODELO DE CONTRATO DE GESTO ............................... 45

    LEGISLAO BSICA DE OSCIP

    Lei Federal 9.790, de 23/3/99 ........................................ 55

    Decreto Federal 3.100, de 30/6/99 ................................. 63

    Lei Estadual 11.598, de 15/12/03 ................................... 73

    Decreto do Municpio de So Paulo 46.979, de 6/2/06 .... 77

    LEGISLAO BSICA DE OS

    Lei Federal 9.637, de 15/5/98 ......................................... 81

    Lei Complementar Estadual 846, de 4/6/98 .................... 91

    Lei do Municpio de So Paulo 14.132, de 24/1/06.......... 99

    Decreto do Estado de Pernambuco 26.025,

    de 11/10/03 .................................................................. 107

    LEGISLAO DE INCENTIVO INOVAO

    Lei 10.973, de 2/12/2004 .............................................. 111

    Decreto 5.563, de 11/10/2005 ...................................... 121

  • ARTIGOS TCNICOS

    Contratualizao e Eficincia no Setor Pblico:

    As Organizaes Sociais

    Flvio Carneiro Guedes Alcoforado ..................................... 137

    Estudo sobre Novas Formas Organizacionais nos

    Municpios 2006

    Alfredo SantAnna Jnior, Ftima F. Arajo, Maria do Carmo M. T. Cruz, Vera Martins da Silva .............. 157

    Foco em Quem? Identificando Stakeholders para

    Formulao da Miss Organizacional

    Humberto Falco Martins e Joaquim Rubens Fontes Filho .......... 175

    Reforma Administrativa e Marco Legal das

    Organizaes Sociais no Brasil

    Paulo Modesto .................................................................... 199

    Resultado da Pesquisa de Avaliao do Modelo de

    Organizaes Sociais de Cincia e Tecnologia

    Guilherme Ary Plonski ......................................................... 231

    GLOSSRIO

  • CARACTERIZAO DE OSCIP

    uma qualificao, dada pelo Poder Pblico, atravs do Ministrio da Justia, s pessoas

    jurdicas de direito privado, sem fins econmicos/lucrativos, cujos objetivos sociais e normas

    estatutrias atendam aos requisitos institudos pela Lei Federal 9.790/99 e Decreto Federal

    3.100/99.

    A qualificao permite celebrar um ajuste, denominado Termo de Parceria, com o Poder Pbli-

    co, visando desenvolver projetos ou atividades complementares s que originalmente consti-

    tuem responsabilidade daquele Poder.

    Os Estados e municpios regulamentam, no seu mbito, a relao de parceria, atravs de lei

    e/ou decreto.

    rea(s) de Atuao/Finalidade(s)

    A qualificao somente ser conferida s pessoas jurdicas de direito privado, sem fins econmi-

    cos/lucrativos, cujos objetivos sociais tenham, pelo menos, uma das seguintes finalidades:

    promoo da assistncia social (art. 3 da Lei Orgnica de Assistncia Social - Loas);

    promoo da cultura, defesa e conservao do patrimnio histrico e artstico;

    promoo gratuita da educao;

    promoo gratuita da sade;

    promoo da segurana alimentar e nutricional;

    defesa, preservao e conservao do meio ambiente e promoo do desenvolvimento

    sustentvel;

    promoo do voluntariado;

    promoo do desenvolvimento econmico e social e combate pobreza;

    experimentao, no lucrativa, de novos modelos scio-produtivos e de sistemas alternati-

    vos de produo, comrcio, emprego e crdito;

    promoo de direitos estabelecidos, construo de novos direitos e assessoria jurdica

    gratuita de interesse suplementar;

    promoo da tica, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros

    valores universais; e

    estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produo e divulgao

    de informaes e conhecimentos tcnicos e cientficos.

  • 10

    ciclo de seminrios NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

    Qualquer alterao da finalidade ou do regime de funcionamento da organizao, que implique

    mudana das condies que instruram sua qualificao, dever ser comunicada ao Ministrio

    da Justia, acompanhada de justificativa, sob pena de cancelamento da qualificao.

    Legislao Bsica

    Deve existir uma lei para regulamentar a relao do Poder Pblico em cada esfera de governo.

    Federal

    Lei Federal 9.790, de 23/3/19 (criao da Oscip).

    Decreto Federal 3.100, de 30/06/99, republicado em 30/7/99 (regulamentao).

    Estadual

    Lei Estadual 11.598, de 15/12/03 (regulamentao).

    Municipal So Paulo

    Decreto Municipal 46.979, de 6/2/06 (regulamentao).

    Portaria 54/06 da Secretaria Municipal de Gesto.

    Quem Pode se Qualificar?

    Podem se qualificar organizaes da sociedade civil de direito privado, sem fins econmicos/lucrativos,

    com objetivos sociais e normas estatutrias que atendam aos requisitos da Lei Federal 9.790/99.

    Organizao sem fins econmicos/lucrativos aquela que no distribui, entre os seus s-

    cios ou associados, conselheiros, diretores, empregados ou doadores, eventuais excedentes

    operacionais, brutos ou lquidos, dividendos, bonificaes, participaes ou parcelas do seu

    patrimnio, auferidos mediante o exerccio de suas atividades, e que os aplica integralmente

    na consecuo do respectivo objeto social.

    A qualificao, desde que todos os requisitos sejam cumpridos, no pode ser negada enti-

    dade porque ato vinculado.

    Quem no Pode se Qualificar?

    sociedades comerciais;

    sindicatos, associaes de classe ou de representao de categoria profissional;

    instituies religiosas ou voltadas para a disseminao de credos, cultos, prticas e vises

    devocionais e confessionais;

  • ciclo de seminrios NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

    11

    organizaes partidrias e assemelhadas, inclusive suas fundaes;

    entidades de benefcio mtuo destinadas a proporcionar bens ou servios a um crculo

    restrito de associados ou scios;

    entidades e empresas que comercializam planos de sade e assemelhados;

    instituies hospitalares privadas no gratuitas e suas mantenedoras;

    escolas privadas dedicadas ao ensino formal no gratuito e suas mantenedoras;

    organizaes sociais;

    cooperativas;

    fundaes pblicas;

    fundaes, sociedades civis ou associaes de direito privad