Chumbo e seus compostos - ?· A concentração de Pb em solo geralmente é ... tempo de permanência…

Download Chumbo e seus compostos - ?· A concentração de Pb em solo geralmente é ... tempo de permanência…

Post on 28-Aug-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • A FIT foi elaborada com informaes bsicas sobre a substncia qumica e os efeitos sade humana na exposio ambiental. Vrios fatores influenciam os possveis danos sade e a gravidade dos efeitos, como a via, dose e durao da exposio, a presena de outras substncias e as caractersticas do indivduo.

    Chumbo e seus compostos

    Identificao da substncia

    Smbolo: Pb

    N CAS: 7439-92-1 (chumbo metlico)

    Sinnimos: Metal de pigmento, lasca de chumbo

    Descrio e usos

    O chumbo um metal cinza-azulado encontrado em pequenas quantidades na crosta

    terrestre, geralmente associado a minrios, principalmente aos que contm zinco. O

    sulfeto de chumbo (galena) a mais importante fonte primria de chumbo e a principal

    fonte comercial. O Pb pode ser utilizado na forma de metal, puro ou ligado a outros

    metais, ou como compostos qumicos, principalmente na forma de xidos. O chumbo

    metlico empregado em indstrias qumicas e de construo, como ingrediente em

    soldas, lminas de proteo contra raios X, material de revestimento na indstria

    automotiva, revestimento de cabos e est presente em vrias ligas. Os xidos de chumbo

    so usados em placas de baterias eltricas e acumuladores, vitrificados, esmaltes, vidros e

    componentes para borracha. Os sais de chumbo formam a base de tintas e pigmentos.

    Cerca de 40% do chumbo usado como metal, 25% em ligas e 35% em compostos

    qumicos.

    Comportamento no ambiente

    O chumbo (Pb) liberado ao ambiente por atividade antropognica, principalmente

    emisso de fundies e fbricas de baterias. encontrado na atmosfera na forma

    particulada e as partculas so eliminadas com relativa rapidez por deposio seca e

    mida, porm partculas pequenas podem ser transportadas a longas distncias. Estudos

    mostram declnio nos nveis de chumbo no ar aps a proibio do uso de chumbo

    tetraetila como aditivo da gasolina em vrios pases, incluindo o Brasil. A concentrao de

    Pb em solo geralmente baixa, porm maior nas camadas superficiais devido a

    precipitao atmosfrica. A contaminao da gua ocorre principalmente por efluentes

    industriais, sobretudo de siderrgicas. O Pb pode estar presente na gua de torneira como

    resultado de sua dissoluo a partir de fontes naturais, principalmente por tubulaes,

    soldas, acessrios e conexes contendo chumbo. A quantidade de Pb dissolvido a partir de

    encanamentos depende de vrios fatores, como presena de cloro e oxignio dissolvido,

    pH, temperatura, dureza da gua, tempo de permanncia da gua na tubulao.

  • Exposio humana e efeitos sade

    As principais vias de exposio da populao geral ao chumbo so oral e inalatria. Mais

    de 80% do chumbo que ingressa diariamente no organismo oriundo da ingesto de

    alimentos, sujeiras e poeiras contendo o metal. O chumbo pode afetar quase todos os

    rgos, sendo o sistema nervoso central mais sensvel, tanto em crianas quanto em

    adultos. Os principais efeitos da exposio ao chumbo inorgnico so: fraqueza,

    irritabilidade, astenia, nusea, dor abdominal com constipao e anemia. Evidncias

    sugerem que crianas so mais suscetveis aos efeitos do chumbo do que os adultos.

    Embora alguns sintomas clnicos da toxicidade so aparentes em concentraes de 70

    g/dL de chumbo no sangue, muitos distrbios importantes ocorrem em concentraes

    mais baixas. Desde a dcada de 1980 os estudos tm relacionado concentraes

    menores que 10 g/dL de Pb no sangue de crianas entre 1 e 5 anos com diminuio

    cognitiva e no QI, com efeitos evidentes em concentraes ao redor de 2 g/dL. Outros

    estudos associam a exposio ao chumbo com agresso e delinquncia.

    Os compostos orgnicos de chumbo, como chumbo tetraetila e tetrametila, se

    comportam como gases no trato respiratrio e so mais absorvidos que as partculas de

    chumbo inorgnico, sendo absorvidos tambm atravs da pele.

    Para crianas o hbito de levar a mo a boca ou objetos cobertos com poeira de chumbo,

    e de comer partculas contendo chumbo, como lascas de tintas a base de chumbo, pode

    ser fonte de exposio. Em 2008 o Brasil aprovou a Lei n 11762 que fixa o limite mximo

    de chumbo em tintas mobilirias e de uso infantil e escolar, vernizes e materiais

    similares.

    Outras fontes de exposio ao Pb so cosmticos e remdios caseiros, como azarcn

    (cromato de chumbo), usado no tratamento de diarreia, e Summa/Kohl, cosmtico para

    os olhos. O metal est presente tambm em cigarros em concentraes entre 2,5 e 12,2

    g/cigarro, das quais aproximadamente 2-6% podem ser inaladas pelo fumante. A

    quantidade do metal no cigarro depende da sua origem.

    A Agncia Internacional de Pesquisa em Cncer (IARC) classifica os compostos

    inorgnicos de chumbo como provveis cancergenos para o ser humano (Grupo 2A),

    com base em estudos com animais que apresentaram tumores renais quando expostos a

    altas concentraes desses compostos na dieta. O chumbo classificado no Grupo 2B

    possvel cancergeno e os compostos orgnicos de chumbo no Grupo 3 - no

    classificveis quanto a carcinogenicidade. A classificao no Grupo 3 comumente usada

    para agentes para os quais a evidncia de cncer inadequada em humanos e

    inadequada ou limitada em animais de experimentao.

  • Meio Concentrao Comentrio Referncia

    Ar 0,5 g/m3 Valor orientador MGA WHO, 2000

    Ar 0,5 g/m3*

    Padro de Qualidade do Ar adotado no Estado de So Paulo - MAA

    Decreto Estadual n 59113 de 23/04/2013

    Solo 72 mg/kg** 180 mg/kg** 300 mg/kg** 900 mg/kg**

    Valor de Preveno VI cenrio agrcola-APMax VI cenrio residencial VI cenrio industrial

    CONAMA 420/2009

    Solo 72 mg/kg** 150 mg/kg** 240 mg/kg**

    4400 mg/kg** 17 mg/kg**

    Valor de Preveno VI cenrio agrcola VI cenrio residencial VI cenrio industrial VRQ

    Valores orientadores para solo e gua subterrnea do Estado de So Paulo- CETESB- DD 256/2016/E

    gua potvel

    0,01 mg/L VMP (Padro de potabilidade)

    PRC-5/2017, Anexo XX

    gua subterrnea

    10 g/L 100 g/L

    5000 g/L

    50 g/L

    VMP (consumo humano) VMP (dessedentao de animais) VMP (irrigao) VMP (recreao)

    CONAMA 396/2008

    gua subterrnea

    10 g/L

    VI Valores orientadores para solo e gua subterrnea do Estado de So Paulo- CETESB- DD 256/2016/E

    guas doces

    0,01 mg/L 0,033 mg/L

    VM (classes 1 e 2) VM (classe 3)

    CONAMA 357/2005

    guas salinas

    0,01 mg/L 0,21 mg/L

    VM (classe 1) VM (classe 2)

    CONAMA 357/2005

    guas salobras

    0,01 mg/L 0,21 mg/L

    VM (classe 1) VM (classe 2)

    CONAMA 357/2005

    Efluente2 0,5 mg/L VM (padro de lanamento) CONAMA 430/2011

    Padres e valores orientadores

    MGA= mdia geomtrica anual; MAA = mdia aritmtica anual; * = a ser monitorado apenas em reas especficas, a critrio da CETESB; ** = peso seco; VI = Valor de Investigao (CONAMA)/ Valor de interveno (CETESB); APMax = rea de Proteo Mxima; VMP = Valor Mximo Permitido; VM = Valor Mximo; VRQ (Valor de referncia de qualidade); PRC-5 = Portaria de Consolidao n 5; 1 = mdia trimestral para Partculas Totais em Suspenso (mdia trimestral); 2 = chumbo total; LM = Limite mximo.

  • Janeiro de 2012 Atualizado em abril de 2018

    Diviso de Toxicologia Humana e Sade Ambiental

    Referncias/Sites relacionados

    OGA, S.; CAMARGO, M.M.A; BATISTUZZO, J.A.O. (eds). Fundamentos de Toxicologia.

    4 edio. So Paulo: Atheneu Editora, 2014. 685p.

    AZEVEDO, F.A.; CHASIM, A.A.M. Metais: Gerenciamento da toxicidade. So Paulo:

    Atheneu Editora/InterTox, 2003. 554p.

    LEVIN, R. et al. Lead exposures in U.S. children, 2008: implications for prevention.

    Environmental Health Perspectives, v. 16, n. 10, 2008.

    http://www.iarc.fr/

    http://www.epa.gov/

    http://www.who.int/en/

    http://www.atsdr.cdc.gov/

    http://www.anvisa.gov.br/

    http://www.toxnet.nlm.nih.gov/

    http://www.mma.gov.br/conama/

    http://www.cetesb.sp.gov.br/

    http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0005_03_10_2017.html

Recommended

View more >