CENTENÁRIO DA GRANDE GUERRA A Grande Guerra e as ?· Conferência de Berlim e as ameaças aos territórios…

Download CENTENÁRIO DA GRANDE GUERRA A Grande Guerra e as ?· Conferência de Berlim e as ameaças aos territórios…

Post on 25-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 [ pp. 063 077 ] 063

Neste artigo procuramos fazer uma revisitao aos antecedentes e causas prximas que ajudam a explicar a participao portuguesa na Grande Guerra e a opo do Partido Democrtico pelo envolvimento do Pas na frente europeia. No se trata de uma investigao nova, baseada em fontes primrias, mas de uma leitura e interpretao alicerada em alguns estudos dedicados a este tema. Um pleno entendimento da participao portuguesa na Grande Guerra exige no apenas um recuo temporal, mas uma viso abrangente entre dinmicas internas e externas. Nas primeiras, importa ter em considerao o binmio monarquia/repblica, e tambm as profundas divergncias que rapidamente dividiram o campo republicano. Nas segundas, h que ter em conta trs vectores tradicionais da poltica externa portuguesa: a aliana inglesa, a dualidade peninsular e o imprio.O texto encontra se dividido geogrfica e cronologicamente. Assim, a primeira parte dedicada questo colonial. O colonialismo europeu no final do sculo xix, a Conferncia de Berlim e as ameaas aos territrios africanos portugueses, so um factor determinante na poltica interna portuguesa na transio para o sculo xx e ajudam a explicar o posicionamento de Portugal perante a guerra. No entanto, estava tambm em causa a dualidade peninsular. Sem uma referncia situao ento vivida na Pennsula Ibrica e ao impacto da mudana de regime em Portugal no pas vizinho, dificilmente se pode compreender a evoluo da poltica externa portuguesa nestes conturba

R E S U M O

Neste artigo procuramos recuperar algumas das ideias que ajudam a explicar a participao portuguesa na Grande Guerra e a opo do Partido Democrtico pelo envolvimento do Pas na frente europeia. Um pleno entendimento da participao portuguesa na Grande Guerra exige no apenas um recuo temporal, mas uma viso abrangente entre dinmicas internas e externas. Nas primeiras, importa ter em considerao o binmio monarquia/repblica, e tambm as profundas divergncias que rapidamente dividiram o campo republicano. Nas segundas, h que ter em conta trs vectores tradicionais da poltica externa portuguesa: a aliana inglesa, a dualidade peninsular e o imprio.

Palavras chave: I Guerra Mundial, Portugal, Monarquia, Repblica.

A B S T R A C T

TheGreatWarandthePortugueseInternationalRelations:fromtheMonarchytotheRepublic

In this article we seek to recover some of the ideas that help to

C E N T E N R I O D A G R A N D E G U E R R A

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugal.DaMonarquiaRepblica

1

David Castao

>

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 064

dos anos. desse aspecto que trata a segunda parte do artigo. Finalmente, a terceira parte centra se sobretudo nas dinmicas internas, e dedicada opo e ao empenho dos democrticos no envio de uma fora expedicionria para combater em solo europeu. esta complexa teia entre poltica interna e poltica externa que procuraremos articular, recuperando os principais pontos analisados por diversos historiadores que se dedicaram a este tema.

FRICA

No ltimo quartel do sculo xix, assistiu se a um fenmeno de extenso da influncia dos pases europeus nos continentes africano e asitico. Curiosamente, este movimento surgiu depois dos europeus terem progressivamente deixado de possuir colnias no continente

americano, regio onde os Estados Unidos pretendiam assumir um papel preponderante de acordo com a clebre doutrina Monroe. Existem vrias teses que procuram explicar este fenmeno: motivos econmicos e financeiros, relacionados com a procura de matrias primas e de mercados para a colocao de produtos manufacturados; motivos religiosos (rivalidade entre missionrios catlicos e protestantes); motivos demogrficos; motivos estratgicos; psicolgicos; polticos Entre estes destacava se o nacionalismo que se fez sentir na Europa de duas maneiras distintas. Por um lado como movimento unificador, no caso da Alemanha e da Itlia, e, por outro, como movimento pulverizador que seria particularmente sentido no seio do Imprio Otomano. Independentemente da perspectiva adoptada, a verdade que se assistiu a uma corrida e a uma partilha de vastas zonas do globo que at essa data no estavam sob dominao efectiva de qualquer pas europeu. Do Norte de frica ao Extremo Oriente, as principais potncias europeias lanaram se numa corrida aos imprios que dividiu, muitas vezes a regra e esquadro, o globo. No final do sculo xix, entre colnias e protectorados, os britnicos controlavam cerca de um quarto da populao mundial que vivia em todos os continentes. Por seu lado, os franceses tinham colnias no Norte de frica, na Costa do Marfim e na Indochina. Os holandeses, alm de pequenas possesses espalhadas pelo globo, detinham a Indonsia. E a Blgica e a Alemanha tinham passado a deter territrios coloniais em frica. Esta corrida, alm de sacrificar zonas que at essa data no tinham sido alvo de ocupao formal ou de disputa de esferas de influncia, colocou tambm grande presso nos territrios coloniais portugueses, cada vez mais cobiados pelos poderes europeus emergentes. O crescente interesse pelo continente africano conduziu realizao da Conferncia de Berlim (1884 1885), na qual ficou consagrado o princpio da ocupao efectiva em detrimento

explain the Portuguese participation in the Great War and the option of the Democratic Party of sending troops to the European front. A full understanding of the Portuguese participation in the War requires not only a reference to its antecedents, but a comprehensive view of internal and external dynamics. In the domestic context we must take into consideration the monarchy / republic dichotomy and also the differences that quickly divided the Republican field. In the external context we must take into account three traditional vectors of Portuguese foreign policy: the Anglo Portuguese alliance; the peninsular duality and the empire.

Keywords: World War I, Portugal, Monarchy, Republic.

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 065

do princpio dos direitos histricos, colocando em causa os interesses portugueses no continente. Na sequncia desta conferncia, Portugal empenhou se em garantir uma ocupao efectiva dos seus territrios e procurou assegurar que as restantes potncias europeias no se oporiam sua pretenso de unir Angola e Moambique, criando assim um vasto territrio que atravessava o continente africano ligando a costa atlntica costa do ndico.Curiosamente, a maior oposio pretenso portuguesa viria no da Frana ou da Alemanha, interessadas em reforar as suas posies no continente africano, mas da secular aliada que tinha interesses antagnicos (o projecto de unio do Cabo ao Cairo, preconizado por Cecil Rhodes). Quando uma expedio militar portuguesa, liderada por Serpa Pinto, entrou em territrio disputado com os britnicos, o governo de Sua Majestade prontificou se a exigir s autoridades portuguesas uma retirada. Era o clebre ultimat02.A nvel interno, a posio inglesa foi fortemente atacada, criando se um clima de patriotismo que viria mais tarde a ser aproveitado com sucesso pelos republicanos. Por outro lado, a luta entre regeneradores e progressistas inviabilizou o sonho da existncia de uma ligao entre as duas colnias, a frica Meridional portuguesa, j que, mesmo depois do ultimato, os ingleses garantiram a Portugal uma faixa de comunicao entre Angola e Moambique, na qual se situava o cobiado planalto de Manica. No entanto, rivalidades partidrias inviabilizaram esta soluo, e o que viria a ser acordado com a Inglaterra, desta vez sem oposio, foi um tratado pior do que aquele que tinha sido considerado uma infmia. Tambm a nvel externo as consequncias deste episdio seriam profundas. que, aps o ultimato, o governo de Lisboa procurou o apoio da Alemanha e da Frana nas suas pretenses contra a Inglaterra. Acontece que a resposta no foi a esperada. Aproveitando os desentendimentos entre Lisboa e Londres, o kaiser alemo sugeriu que o seu pas e a Inglaterra dividissem entre si o Imprio Portugus. Por seu lado, os franceses, temendo um entendimento entre estes dois, deixaram claro que a diviso teria de ser tripartida3. Contudo, esta era uma soluo que no agradava os britnicos, pois, significaria entregar importantes territrios na frica Austral a dois competidores. Perante este cenrio, era prefervel a manuteno desses territrios em mos portuguesas. Foi esta posio que permitiu que nos anos seguintes, atravs de uma hbil poltica diplomtica conduzida em grande parte pelo prprio rei D. Carlos, se tivesse verificado um desanuviamento da tenso e uma reaproximao Inglaterra.Acontece que as crnicas necessidades financeiras do Estado portugus voltaram a trazer para a ordem do dia o problema colonial, uma vez que, alm de serem alvo de vrios apetites externos, as colnias representavam no final do sculo xix um peso no oramento portugus, havendo quem defendesse como soluo do problema a sua

QUANDO UMA EXPEDIO MILITAR PORTUGUESA,

LIDERADA POR SERPA PINTO, ENTROU EM

TERRITRIO DISPUTADO COM OS BRITNICOS, O

GOVERNO DE SUA MAJESTADE PRONTIFICOU SE A

EXIGIR S AUTORIDADES PORTUGUESAS UMA

RETIRADA. ERA O CLEBRE ULTIMAT0

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 066

alienao4. A via encontrada pelo Governo portugus no era aparentemente to drstica, mas comportava elevados riscos: em troca de um avultado emprstimo britnico, Portugal daria como garantia os rendimentos alfandegrios das colnias. Esta soluo no foi bem recebida por alemes e franceses que, vislumbrando um eventual incumprimento portugus (em 1892 Portugal tinha declarado uma bancarrota parcial), defendiam que o que estava realmente em causa era uma alterao do status quo em frica. O Governo alemo sugeriu ento que, em vez de um emprstimo britnico, se fizesse um emprstimo anglo alemo, garantido igualmente pelos rendimentos das colnias. Em caso de resposta negativa por parte dos britnicos, os alemes ameaavam celebrar um entendimento alargado com a Frana e a Rssia a fim de evitar o que entendiam ser uma manobra britnica para se apropriar das colnias portuguesas. O espectro de uma aliana entre os trs maiores poderes continentais obrigou a Inglaterra a recuar. No Vero de 1898, a Alemanha e a Inglaterra chegaram finalmente a um acordo: nenhum dos dois pases faria um emprstimo a Portugal sem o envolvimento do outro; no seria admitido o envolvimento de terceiros; o eventual emprstimo seria garantido pelos rendimentos de Moambique e Angola; caso Portugal viesse a pretender vender as colnias estas seriam repartidas entre as duas partes; e finalmente, ficava estipulada a diviso das respectivas esferas de influncia.Mais uma vez, esta era uma soluo que no agradava Inglaterra. No fundo estava a discutir a diviso de algo que de maneira informal j controlava. Por outro lado, uma das razes que a levou a celebrar este acordo com a Alemanha, relacionava se com a pretenso, que obteve, de garantir a neutralidade alem na guerra contra os beres. Por isso, uma vez celebrado o acordo, o Governo britnico informou o embaixador portugus em Londres sobre o seu contedo e deu a entender que Portugal deveria recusar o emprstimo conjunto. Alm disso, a Inglaterra ajudou Portugal a encontrar uma soluo alternativa que passava pela obteno de um emprstimo em bancos privados franceses. A fim de evitar problemas como os anteriores, o governo de Lisboa preparava se para aceitar que este emprstimo tivesse como contrapartidas as receitas alfandegrias de Portugal continental e das ilhas atlnticas. Esta hiptese foi, no entanto, duramente criticada pela Inglaterra que exigiu uma garantia escrita do governo de Lisboa em como os Aores jamais passariam a ser controlados por terceiros. Era um importante sinal, demonstrativo da importncia geoestratgica que o arquiplago iria desenvolver nas dcadas seguintes. Essa garantia foi dada e os britnicos confirmaram os seus compromissos com o seu velho aliado5. Durante mais de dez anos a sorte das colnias portuguesas no voltou a estar no topo das preocupaes dos governantes portugueses. No entanto, essa situao alterou se em 1912. Em Maro desse ano, a Inglaterra, preocupada com o ritmo de crescimento da frota alem, procurou um entendimento com a Alemanha. A principal preocupao britnica era a manuteno da sua supremacia naval e existiam algumas contrapartidas que poderiam ser oferecidas caso a Alemanha estivesse disposta a desistir do seu programa de construes navais. Entre estas, encontrava se Angola.

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 067

Aps um ano de negociaes, os representantes dos dois pases chegaram a um entendimento que recuperava vrios pontos da conveno de 1898. Desta vez, no entanto, a Alemanha adoptou uma nova estratgia e, mesmo antes do acordo ter sido rectificado, o chanceler alemo reconheceu a sua existncia, procurando desta forma apresent lo como um facto consumado e criar problemas entre a Inglaterra e a Frana que, mais uma vez, tinha sido ignorada. Entretanto, a Alemanha continuava a desenvolver o seu programa naval, tendo este at sofrido uma acelerao. Nestas circunstncias a Inglaterra no estava disposta a ceder 6 e o Imprio Portugus permaneceu intacto.Como defendeu Hobsbawm, a sobrevivncia do Imprio Portugus em frica deveu se, em primeiro lugar, incapacidade dos seus modernos rivais para chegarem a um acordo preciso sobre a maneira de dividir entre eles aqueles territrios7.O incio das hostilidades, em Julho de 1914, constituiu assim mais do que uma ameaa, uma hiptese de clarificao e de reafirmao da presena de Portugal em frica. Logo em Setembro de 1914, foram enviadas para Angola e Moambique as primeiras expedies que tinham como principal objectivo travar as previsveis ofensivas alems oriundas do Sudoeste Africano, actual Nambia, no caso angolano, e da frica Oriental alem, actual Tanznia, no caso moambicano.No cabe aqui fazer o relato das operaes militares portuguesas nos teatros africanos. Deve, no entanto, sublinhar se que o resultado da aco das tropas portuguesas nos territrios africanos no foi positivo. Aniceto Afonso defende que esta se caracterizou por inmeras incapacidades, improvisaes e fragilidades com diviso de responsabilidades entre as autoridades polticas e administrativas e os comandos militares8. Referindo se concretamente campanha de Moambique, Antnio Jos Telo no traa um cenrio mais animador:

O resultado final deste considervel esforo foi amplamente negativo. As reduzidas

ofensivas portuguesas correram mal, o territrio da colnia no foi defendido e as baixas

foram imensas escala nacional: 2007 europeus e 2804 militares indgenas mortos.

Morreram mais portugueses em Moambique do que na frente da Frana, com a diferena

que os mortos em Moambique foram fundamentalmente provocados por razes sani

trias. No final da guerra, uma parte do Norte de Moambique estava sublevado e as

campanhas de pacificao continuam por alguns anos.9

Apesar destes balanos negativos, a verdade que o principal objectivo foi conseguido: no final do conflito, Portugal tinha ultrapassado diversos momentos crticos que tinham colocado em causa a integridade do Imprio e mantinha as colnias que vinham sendo cobiadas h dcadas por vrios pases europeus. Este resultado no se deveu a uma efectiva capacidade de controlo sobre os vastos territrios africanos mas a um conjunto de factores externos que propiciaram este desfecho. Complexa foi tambm a manuteno da dualidade peninsular, ameaada aps a queda do regime monrquico. Vejamos ento qual a situao poltica vivida na Pennsula Ibrica na primeira dcada do sculo xx.

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 068

PENNSULAIBRICA

Em Outubro de 1910 foi implantado um regime republicano em Portugal. A nvel externo, uma das principais preocupaes dos republicanos foi assegurar o reconhecimento do novo regime pela velha aliada. Para esse efeito, trs meses antes da revolta de Outubro, foi enviada a Londres uma delegao que foi recebida no Foreign Office pelo subsecretrio de Estado dos Negcios Estrangeiros. Obviamente que o Governo ingls no tomou nenhuma atitude que pudesse ser lida como um apoio causa republicana, mas tambm no manifestou qualquer inteno de apoiar a monarquia dos Bragana. Esta posio merece uma explicao.Desde 1906 assistia se a uma aproximao entre Londres, Paris e Madrid, que reagiram s declaraes pblicas do kaiser Guilherme II a favor da independncia de Marrocos, firmando os acordos de Algeciras e de Cartagena que pretendiam contrariar as pretenses alems na rea do estreito de Gibraltar. Esta aproximao permitiu que aps o regicdio de Fevereiro de 1908, que fez soar um alarme na vizinha Espanha, o rei Afonso XIII tenha revelado as suas ambies sobre Portugal, quer Frana quer Inglaterra10. A crise poltica vivida em Portugal servia assim de argumento s histricas ambies iberistas num momento em que a Espanha se recompunha da derrota sofrida em 1898.Os estudos do historiador Hiplito de la Torre Gmez, apesar de deixarem claro que se tratava de posies do rei e no de opes estratgicas do Governo espanhol, revelam que imediatamente aps o golpe de 5 de Outubro, alguns ministros espanhis defenderam em reunio do executivo o bombardeamento de Lisboa e que no final desse ms, o exrcito do pas vizinho tinha junto da fronteira trs divises prontas para entrar em Portugal. No se tratava, portanto, de uma mera fixao do monarca, verificando se a existncia, quer no governo, quer nas foras armadas, de sectores intervencionistas que foram em grande parte vencidos pela posio moderada do presidente do Conselho, Jos Canalejas11. De qualquer modo, estas confidncias tradicional aliada do pas vizinho eram inconcebveis anos antes. A aproximao entre a Inglaterra e a Espanha esvaziava a importncia da dualidade peninsular. Na opinio de Antnio Telo, a Inglaterra no estava muito preocupada com uma alterao do regime em Portugal, pois essa hiptese permitir lhe ia negociar um eventual novo enquadramento peninsular e um acordo com a Alemanha tendo como moeda de troca o Imprio Portugus12. Este cenrio ajuda a compreender a posio de wait and see adoptada pelos ingleses que, apesar de no terem tomado qualquer atitude contra o novo regime, foram sucessivamente adiando o reconhecimento da Repblica, at ao momento em que foram forados a agir como resposta aos franceses, que avisaram que iriam reconhecer a Repblica depois de aprovada a Constituio e de eleito o Presidente da Repblica. Logo de seguida, em Outubro de 1911, as incurses monrquicas a partir da Galiza, sublinharam a fragilidade dos laos externos do novo regime, que no conseguia obter da tradicional aliada qualquer tipo de apoio perante as ameaas originrias do outro lado da fronteira.

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 069

Nos anos que antecederam o conflito mundial a aliana luso britnica perdera assim muito do seu significado. Para os ingleses, o nico ponto fundamental passava por garantir que as ilhas atlnticas no viessem a ser usadas por um poder rival, havendo mesmo uma corrente que defendia que a amizade com Espanha e a sua adeso Entente poderia justificar uma eventual absoro de Portugal pelo seu vizinho. Entre os adeptos desta tese encontrava se Winston Churchill, ento primeiro lord do almirantado. Em 1912, um relatrio do almirantado defendia que a aliana luso britnica no trazia vantagens directas para a Inglaterra, implicando, pelo contrrio, pesadas responsabilidades, dada a situao crtica que se vivia nas foras armadas portuguesas, afectadas pela mudana de regime. Paralelamente, a Espanha e as suas ilhas atlnticas, eram vistas pela marinha britnica como peas cada vez mais importantes num xadrez europeu em movimento, que se aproximava de um conflito blico13.Dois anos mais tarde, Churchill lembrava que caso o almirantado tivesse de decidir entre a amizade de Portugal e a de Espanha, a primeira teria de ser abandonada em benefcio da segunda. Churchill ia ainda mais longe e admitia, como mais que provvel, que uma aproximao da Espanha Entente se viesse a traduzir na anexao de Portugal, sendo que nesse cenrio a Inglaterra deveria aceitar essa anexao em troca da cooperao espanhola14. Acontece que esta viso no era partilhada pelo Foreign Office, que continuava a defender a dualidade peninsular15, embora esta no representasse o antagonismo de outrora, uma vez que neste perodo se procuravam manter em paralelo boas relaes com os dois estados peninsulares. Por outro lado, o rei espanhol, que tinha confessado pessoalmente as suas pretenses a Churchill16, continuava a no esconder as suas ideias relativamente a Portugal e chegou a oferecer ao Presidente francs a utilizao das Baleares, a passagem de tropas por territrio espanhol e mesmo a beligerncia do seu pas em troca da anexao de Portugal17. So estes factos que devemos ter em considerao quando procuramos analisar a posio adoptada pelos republicanos quando deflagrou a Grande Guerra.

PORTUGAL

Com alguns cambiantes, a defesa das colnias, a procura de reconhecimento internacional do novo regime e mesmo a independncia nacional foram tradicionalmente apresentados pela historiografia como as razes que explicam a entrada de Portugal no conflito. No entanto, como bem explicou Nuno Severiano Teixeira, estes argumentos so insuficientes18. Como j tivemos oportunidade de observar, as colnias portuguesas estiveram, de facto, no centro das atenes das grandes potncias europeias nas dcadas que antecederam

A DEFESA DAS COLNIAS, A PROCURA DE

RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO

NOVO REGIME E MESMO A INDEPENDNCIA

NACIONAL FORAM TRADICIONALMENTE

APRESENTADOS PELA HISTORIOGRAFIA

COMO AS RAZES QUE EXPLICAM A

ENTRADA DE PORTUGAL NO CONFLITO.

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 070

o conflito e foram vistas, principalmente pela Inglaterra, como uma das moedas de troca que poderia ser utilizada a fim de evitar esse mesmo conflito. Por outro lado, durante a guerra, os dois maiores territrios africanos, Angola e Moambique, foram atacados pelos alemes, e os ingleses utilizaram esses territrios como pontos de apoio e de passagem das suas tropas. Severiano Teixeira defende ainda que as colnias portuguesas poderiam tambm vir a ser utilizadas no quadro negocial do ps guerra. Nesse sentido, existiam realmente ameaas sobre o imprio colonial portugus. No entanto, como o mesmo autor sublinha, a defesa das colnias e uma interveno armada no continente africano no implicava qualquer interveno na frente europeia nem uma beligerncia activa. Apesar do envio de tropas para Angola e Moambique e dos confrontos travados nesses territrios contra os alemes, e no obstante as facilidades concedidas aos ingleses, a Alemanha no declarou guerra a Portugal. Isto explica porque uma boa parte da elite poltica portuguesa defendia que o Pas deveria limitar se a defender a integridade territorial das colnias e manter uma neutralidade pr britnica. Ou seja, a defesa das colnias no justificava nem a beligerncia nem a entrada de Portugal na guerra europeia.Estas foram defendidas por outros dois motivos: a necessidade de obter o reconhecimento internacional da Repblica e como forma de garantir o esvaziamento da ameaa espanhola. Como tambm j verificmos, estes eram problemas reais, que poderiam ser resolvidos se Portugal entrasse na guerra ao lado dos aliados. Por um lado, a beligerncia portuguesa traduzir se ia num claro reforo do reconhecimento internacional que os republicanos procuravam obter e, por outro, esvaziava a ameaa espanhola, uma vez que os adeptos da unio ibrica deixariam de poder contar com a indiferena, ou mesmo com eventuais apoios internacionais.No entanto, como tambm notou Severiano Teixeira, estes objectivos seriam plenamente alcanados caso Portugal, ao contrrio da Espanha, sasse da neutralidade e declarasse a beligerncia. Acontece que a beligerncia no implicava a participao de Portugal no esforo de guerra travado nos campos de batalha europeus. Para explicar essa participao, este autor defende que temos de procurar razes de ordem interna e no razes de ordem externa. A entrada de Portugal na Guerra ao lado dos aliados, com um papel activo nos combates militares que se travam na Europa, era a via que permitiria aos democrticos de Afonso Costa manterem a sua posio hegemnica no sistema polticopartidrio portugus, atravs da unio, se no de todos os portugueses, pelo menos de todos os republicanos, em torno de um grande objectivo nacional que criasse uma vaga de patriotismo que no admitia dissenes. Ora, uma vaga desta dimenso no se formaria apenas com o envio de foras para frica, nem mesmo com uma declarao de beligerncia. Era na Europa que se desenharia o ps guerra. Nesse sentido, o projecto radical s teria sucesso atravs da participao portuguesa no esforo de guerra europeu19.

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 071

Falta, no entanto, referir um outro aspecto to ou mais importante que aqueles que j referimos: a questo financeira.Desde finais de 1914, os governos portugueses vinham solicitando assistncia financeira a Londres e invariavelmente a resposta que obtinham era que, dada a situao de guerra que se atravessava, apenas seriam concedidos crditos a Portugal caso o pas tivesse de entrar em guerra. O desenrolar do conflito veio agudizar as necessidades financeiras do Estado portugus que, por exemplo, comprava cereais e os vendia com prejuzo a fim de evitar repercutir nos consumidores finais os aumentos verificados no seu preo, justificados em parte pelo extraordinrio aumento dos custos de transporte. Era o chamado po poltico. Acresce que no era apenas na escassez de trigo e de outros cereais que se faziam sentir os efeitos da guerra. Verificava se tambm falta de carvo, um combustvel essencial no incio do sculo xx, cuja carncia se repercutia em todos os domnios da economia, e a guerra submarina afectava no apenas o comrcio que garantia a importao de bens essenciais, mas tambm as trocas com as colnias. A soluo era, pois, a beligerncia, uma vez que esta permitiria ao pas beneficiar do pacto de colaborao econmica interaliado e obter da Inglaterra um emprstimo que, alm de permitir a compra de armas, viabilizasse a compra de trigo, travando a crise de cmbio que se adivinhava. Para Afonso Costa, apenas a entrada na guerra poderia travar o isolamento financeiro que estava a afectar profundamente o Pas20. Acontece que no Vero de 1914, o Pas estava num impasse. No poder estava o governo minoritrio de Bernardino Machado, apoiado pelo presidente da Repblica, Manuel de Arriaga, mas que no tinha uma posio clara sobre qual deveria ser o posicionamento do pas em caso de conflito. O Partido Democrtico de Afonso Costa era maioritrio na Cmara dos Deputados, mas os evolucionistas liderados por Antnio Jos de Almeida e os unionistas de Brito Camacho detinham o controlo do Senado. Para os democrticos, a participao na Guerra poderia trazer a paz interna e a glria externa. Mais, era uma ocasio de ouro para reafirmar a hegemonia do Partido Democrtico sobre os demais partidos republicanos. Nas palavras de Antnio Telo, a guerra era a espada que podia cortar o n grdio do que parecia ser a inevitvel queda da Repblica radical e promover um renascimento nacional21. A maior dificuldade dos intervencionistas foi a de fazer erguer essa grande vaga que teimava em no aparecer. que esta s poderia surgir no horizonte de duas formas: atravs de um ataque alemo ou de um pedido ingls em nome da aliana.Relativamente ao primeiro aspecto importa sublinhar, como j referimos, que durante os primeiros dois anos da guerra se registaram confrontos entre foras militares portuguesas e alems no Sul de Angola e no Norte de Moambique sem que Portugal tivesse quebrado o seu estatuto de neutralidade. Acresce que durante este perodo as relaes diplomticas entre os dois pases no sofreram qualquer alterao22.

PARA AFONSO COSTA, APENAS A ENTRADA

NA GUERRA PODERIA TRAVAR O

ISOLAMENTO FINANCEIRO QUE ESTAVA A

AFECTAR PROFUNDAMENTE O PAS.

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 072

Relativamente ao segundo ponto importa clarificar qual a posio inglesa relativamente ao posicionamento de Portugal no conflito. Assim que deflagrou o conflito o Governo ingls pediu que Lisboa no declarasse a neutralidade nem a beligerncia, uma vez que a declarao de neutralidade implicava um conjunto de obrigaes que colocava os beligerantes em situao de igualdade. O Governo de Sua Majestade solicitou ainda vrias facilidades de ordem logstica e mesmo a compra de armas. Londres conhecia bem a fragilidades das foras armadas portuguesas e temia ter de assumir pesados encargos caso Portugal declarasse a beligerncia. Por outro lado, a imediata entrada de Portugal poderia ter consequncias em Espanha e em Itlia (pas que integrava a Trplice Aliana mas que se mantinha neutral), sendo que para os aliados a evoluo do posicionamento destes dois pases era muito mais importante do que a beligerncia portuguesa. Finalmente, a entrada de Portugal

na guerra impediria que os seus territrios coloniais viessem a ser utilizados num cenrio de paz de compromisso com a Alemanha. Nesse sentido, tem razo Rui Ramos quando, evocando Joo Chagas, ento embaixador em Paris e um dos mais acrrimos intervencionistas, defende que, em primeiro lugar, Portugal teve que lutar contra a Inglaterra23. Joo Chagas foi precisamente um dos principais opositores da poltica moderada do ento

ministro dos Negcios Estrangeiros, Freire de Andrade, que entendia que o Pas deveria apenas responder positivamente s solicitaes da aliada. O escritor Aquilino Ribeiro relata no seu dirio um encontro que manteve com o representante diplomtico de Portugal em Frana, que bem revelador da postura dos radicais24.A porta da beligerncia que os democrticos procuravam atravessar abriu se ligeiramente em Setembro de 1914, quando a Frana solicitou a Portugal a cedncia de peas de artilharia que eram necessrias na frente europeia. Tinha finalmente chegado a oportunidade por que ansiavam. O ministro da Guerra defendeu ento que a honra das Foras Armadas estaria em causa se as armas fossem enviadas para Frana sem os respectivos artilheiros. O Governo francs no contrariou este argumento e aceitou o envio dos artilheiros e das peas.A passagem pela porta comeava a fazer se sem grandes dificuldades. No entanto, era preciso mais. Era necessrio escancar la e transform la num arco de triunfo. Perante a resposta francesa, o Governo portugus respondeu que sendo assim, e uma vez que no se desejavam ferir susceptibilidades no seio do exrcito portugus, era prefervel optar pelo envio de uma diviso completa. Acontece que o Pas estava longe de poder dispor, num curto espao de tempo, de uma diviso completa, efectivamente preparada para combater. Por isso o Governo portugus aceitou a sugesto inglesa: primeiro

A PORTA DA BELIGERNCIA QUE OS

DEMOCRTICOS PROCURAVAM ATRAVESSAR

ABRIU SE LIGEIRAMENTE EM SETEMBRO

DE 1914, QUANDO A FRANA SOLICITOU

A PORTUGAL A CEDNCIA DE PEAS

DE ARTILHARIA QUE ERAM NECESSRIAS

NA FRENTE EUROPEIA. TINHA FINALMENTE

CHEGADO A OPORTUNIDADE POR QUE ANSIAVAM.

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 073

seguiriam as peas de artilharia, depois, numa segunda fase iriam os homens e as restantes armas, assim que as tropas estivessem preparadas25. Para muitos observadores nacionais e estrangeiros muito provavelmente este cenrio nunca se iria verificar, isso explica porque mais tarde se designou como milagre instruo dada em Tancos. Perspectivando se a criao de um executivo de Unidade Nacional, caiu o governo de Bernardino Machado. O novo Governo, apoiado pelo Partido Democrtico, era liderado pelo antigo presidente da Cmara dos Deputados, Vtor Hugo de Azevedo Coutinho, mas rapidamente ficou conhecido como os miserveis de Vtor Hugo. que a unidade ficou comprometida assim que Brito Camacho tornou pblica a sua oposio poltica dos democrticos. Camacho teve conhecimento da posio inglesa relativamente ao envolvimento de Portugal na guerra e defendeu que o Pas deveria limitar se a satisfazer os pedidos da aliada. Posicionamento idntico era partilhado por um importante sector do Exrcito, que no escondeu o seu descontentamento: Vrios oficiais manifestaram o seu desagrado relativamente poltica intervencionista entregando ao Presidente da Repblica as suas espadas.Perante esta agitao, que ficou conhecida como o movimento das espadas, o Presidente Arriaga chamou um militar, o general Pimenta de Castro, para chefiar um novo governo que se pretendia nacional e que tomou posse em Janeiro de 1915. O envio de uma fora expedicionria para Frana deixou de ser prioritrio e apenas se mantiveram os preparativos para o envio de novas foras para frica.A nvel interno, Pimenta de Castro promoveu a realizao de nova legislao eleitoral e anunciou que, contrariamente ao previsto, o parlamento no iria reabrir, o que implicava o adiamento das eleies. Os democrticos responderam organizando uma reunio de deputados e de senadores em Santo Anto do Tojal de onde saram apelos revolta. Esta foi alastrando, alimentada por sentimentos antimonrquicos, j que os monrquicos tinham deixado de ser perseguidos durante o governo de Pimenta de Castro. A iniciativa partiu da Marinha, que na madrugada do dia 14 de Maio se revoltou contra o Governo. As foras leais ao executivo bombardearam os navios revoltados e estes responderam abrindo fogo sobre a cidade. A capital esteve beira da guerra civil e mesmo a demisso do Governo no impediu a continuao dos confrontos onde participam inmeros civis armados. O poder passou ento para uma Junta Constitucional que levou o Pas a eleies em Junho de 1915.Controlando a mquina eleitoral, os democrticos conseguiram uma larga maioria e obtiveram mais de dois teros nas cmaras dos deputados e dos senadores. Entretanto, Manuel de Arriaga apresentou a demisso, e foi substitudo por Tefilo Braga. Afonso Costa no queria ir para o governo pois sabia que se o fizesse no poderia implementar a poltica intervencionista que vinha advogando, mas acabaria por assumir a chefia do executivo meses depois, no final de Novembro de 191526. Os democrticos tinham finalmente o poder. No entanto, este no era suficiente para que a estratgia intervencionista pudesse ser imediatamente posta em prtica. Faltava pouco.

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 074

No incio de 1916, o Governo francs sugeriu que a Inglaterra solicitasse a requisio dos navios alemes que se encontravam nos portos portugueses. A aco dos submarinos alemes estava a causar srios problemas ao esforo de guerra aliado e os navios alemes que se tinham refugiado nos portos dos pases neutrais quando se iniciou o conflito comearam a ser muito cobiados. No segundo dia de Fevereiro de 1916, a Inglaterra solicitou ao Governo de Lisboa a requisio desses navios. O Governo portugus respondeu que aceitaria satisfazer a solicitao, mas exigiu que esse pedido fosse feito em nome da aliana, de forma a salvaguardar eventuais represlias. No dia 17 desse ms surgiu o almejado pedido: em nome da aliana, a Inglaterra solicitava a requisio de todos os navios inimigos que se encontravam em portos portugueses. No final de Fevereiro, o pedido foi levado a cabo com particular nfase e empenho: Numa operao surpresa, os navios alemes foram ocupados e as bandeiras alems foram substitudas pelas das cinco quinas. A 9 de Maro surgiu a resposta formal da Alemanha que se declarou em estado de guerra com Portugal. O primeiro objectivo dos intervencionistas fora conseguido. Faltava no entanto o segundo, to ou mais importante que o primeiro. O envio de uma fora expedicionria para Frana.Para alcanar este objectivo era importante, em primeiro lugar, procurar o maior nmero possvel de suporte poltico. Este desiderato j se tinha verificado em 1914 e no tinha sido bem sucedido. Com a declarao de guerra alem, os democrticos esperaram que fosse possvel um entendimento alargado.No dia 10 de Maro de 1916, numa sesso conjunta, as duas cmaras votaram a favor da criao de um executivo de reconciliao nacional que abarcasse as vrias sensibilidades polticas. Acontece que rapidamente se percebeu que esse alargamento no deveria ser to lato que englobasse os catlicos e menos ainda os monrquicos. Os unionistas de Brito Camacho aproveitaram essas excluses para permanecerem de fora. Posicionamento idntico foi adoptado pelo Partido Socialistas Portugus. Restavam os evolucionistas de Antnio Jos de Almeida, que aceitaram integrar o novo executivo. Para contrabalanar a hegemonia dos democrticos, a liderana do Governo foi entregue ao lder dos evolucionistas.No entanto, o envio de uma fora expedicionria para a frente europeia continuava a encontrar resistncias na velha aliada. Em Abril de 1916, o Governo ingls defendeu que a melhor forma que Portugal tinha para participar na guerra seria atravs de um reforo do esforo militar em Moambique e de uma intensificao das defesas martimas do Pas. Esta posio foi contrariada por Afonso Costa, que nesse Vero se deslocou a Londres para tratar pessoalmente do assunto. As armas negociais utilizadas foram os navios alemes apreendidos. Em troca de uma participao de Portugal ao lado dos aliados na frente europeia e da obteno de um emprstimo que serviria para cobrir todos os encargos que essa participao envolvia (transportes, abastecimentos, treinos e armas, etc.), o Governo de Lisboa cederia aliada

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 075

80 por cento dos navios apreendidos27. Quando a questo se tornou pblica, embora sem que todos os seus contornos tivessem sido conhecidos, Brito Camacho tratou de sublinhar as contradies dos democrticos: Portugal tinha se apoderado dos navios alemes para fazer face s necessidades econmicas que atravessava; como consequncia, a Alemanha tinha declarado guerra a Portugal mas o Governo tinha decidido desfazer se de boa parte dos navios28.Acontece que, como j observmos, no foi esta a nica, nem mesmo a principal razo que levou o Governo portugus a responder to prontamente ao pedido ingls. No entanto, foi este o argumento que permitiu o envio de um corpo expedicionrio para Frana. Aps a declarao de guerra feita pela Alemanha, iniciaram se as diligncias tendo em vista a constituio de uma diviso que deveria combater na frente ocidental. Para esse efeito foi montado um campo de instruo em Tancos. Vrias revoltas, que segundo os democrticos eram impulsionadas pelos monrquicos, cedo revelaram o descontentamento do exrcito relativamente s teses intervencionistas. O conflito desenvolvia se h dois anos e, apesar da censura, conheciam se bastante bem os seus efeitos devastadores. O sonho dos louros e da glria tinha um lado cada vez mais negro e sangrento e, embora em guerra com a Alemanha, no existia qualquer sentimento de ameaa concreta que pudesse sublimar as virtudes da guerra. No final de 1916, o histrico heri da Rotunda, Machado dos Santos, encabeou um movimento contra o envio de foras para a frente europeia. No eram s os monrquicos que no viam com bons olhos os embarques para Frana.Em Janeiro de 1917, Portugal e Inglaterra assinaram finalmente a conveno militar que iria reger a participao portuguesa na frente europeia. Este documento estipulava que Portugal enviaria uma diviso reforada, que se traduzia em 35 mil homens. Nesse mesmo ms seguiram as primeiras tropas. Pouco depois, Portugal sugeriu o envio de mais 20 mil militares, de forma a que fosse possvel constituir duas divises, proposta que foi aceite pela Inglaterra. O transporte das tropas portuguesas foi um processo lento e moroso que se prolongou por onze meses. Apenas em Novembro de 1917 Portugal ocupou o seu sector que se estendia por cerca de 12 quilmetros no Sul da Flandres, no vale do rio Lys. A esperada onda de patriotismo no varreu o Pas e, alm dos problemas relacionados com a participao de Portugal na guerra, o Governo debateu se com os graves problemas econmicos e financeiros. Estes problemas esto na origem da ruptura da coligao dos evolucionistas com os democrticos. Em Maio de 1917, foi atingido um novo

APESAR DO CARCTER EFMERO DO REGIME

DE SIDNIO, A REPBLICA JAMAIS

SE RECOMPORIA DAS DIVISES INTERNAS

QUE A CORROAM. A NVEL EXTERNO, APESAR

DOS DIVERSOS ERROS COMETIDOS, MANTEVE SE

O QUE ERA CONSIDERADO ESSENCIAL:

O IMPRIO E A DUALIDADE PENINSULAR.

RELAES INTERNACIONAIS JUNHO : 2014 42 076

patamar de conflitualidade social e Lisboa viveu em clima pr revolucionrio. No final desse ano, Sidnio Pais liderou com sucesso uma junta revolucionria que derrubou o Governo. Pouco tempo depois, a batalha de La Lys revelaria as debilidades da poltica voluntarista dos democrticos.A nvel interno a estratgia intervencionista revelou se um completo fracasso. Apesar do carcter efmero do regime de Sidnio, a Repblica jamais se recomporia das divises internas que a corroam. A nvel externo, apesar dos diversos erros cometidos, manteve se o que era considerado essencial: o imprio e a dualidade peninsular. No entanto, no a participao de tropas portuguesas nos campos da Flandres que explica esta situao. Como noutras ocasies, a manuteno da integridade nacional deveu se essencialmente a factores externos que inviabilizaram uma aco concertada das grandes potncias.O travo amargo da derrota militar de La Lys um dos elementos essenciais na queda da Repblica e na implantao da ditadura militar. J os espectros da partilha do imprio, da unidade peninsular e das crnicas debilidades financeiras do pas, esto na origem da afirmao poltica de Oliveira Salazar que dar particular ateno a todas essas questes.

Data de recepo: 9 de Abril de 2014 | Data de aprovao: 14 de Maio de 2014

N O T A S

1 A pedido do autor este texto no adopta as normas do novo Acordo Ortogrfico.

2 Sobre o ultimato ver: Teixeira, Nuno Severiano O Ultimatum Ingls. Poltica Externa e Poltica Interna no Portugal de 1890. Lisboa: Publicaes Alfa, 1990.

3 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade. Lisboa: Editorial Presena, 2010, p. 237.

4 Ramos, Rui A Segunda Fundao (18901926). Lisboa: Editorial Estampa, 1994, pp. 145 146.

5 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade. pp. 245 248.

6 Ibidem, pp. 288 294.

7 Hobsbawn, Eric J. A Era do Imprio 1875 1914. Lisboa: Editorial Presena, 1990, p. 79.

8 Afonso, Aniceto Portugal e a guerra nas colnias. In Rosas, Fernando, e Rollo, Maria Fernanda (coord.) Histria da Primeira Repblica Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009, p. 293.

9 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade, p. 437.

10 Ibidem, pp. 260 261; Ramos, Rui Aparncias e realidades: os republicanos perante a Aliana Inglesa at Primeira Guerra Mundial. In Meneses, Filipe Ribeiro de, e Oliveira, Pedro Aires de (coord.) A I Repblica Portuguesa: Diplomacia, Guerra e Imprio. Lisboa: Tinta daChina, 2011, pp. 97 98; Gmez, Hiplito de la Torre A I Repblica e a Espanha. In Meneses, Filipe Ribeiro de, e Oliveira, Pedro Aires de (coord.) A I Repblica Portuguesa: Diplomacia, Guerra e Imprio, pp. 120 121.

11 Gomz, Hiplito de la Torre El Imprio del Rey. Alfonso XIII, Portugal y los ingleses (1907 1916). Mrida: Editora Re g iona l de E x t r emadur a , 2 0 0 2 , pp. 77 80.

12 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade. p. 268.

13 Gomz, Hiplito de la Torre El Imprio del Rey. Alfonso XIII, Portugal y los ingleses (1907 1916), pp. 118 123.

14 Ibidem, pp. 143 144.

15 GOMZ, Hiplito de la Torre El Imprio del Rey. Alfonso XIII, Portugal y los ingleses (1907 1916), p. 154.

16 Ibidem, p. 86.

17 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade, pp. 278 286; Gomz, Hiplito de la Torre El Imprio del Rey. Alfonso XIII, Portugal y los ingleses (1907 1916), p. 127.

18 Sobre a entrada de Portugal na Primeira Guerra veja se Teixeira , Nuno Severiano O Poder e a Guerra 1914 1918. Objectivos Nacionais e Estratgias Polticas na Entrada de Portugal na Grande Guerra. Lisboa: Editorial Estampa, 1996; veja se tambm a sntese do mesmo autor, Portugal na Grande Guerra, 1914 1918: as razes da entrada e os problemas da conduta. In Teixeir a , Nuno Severiano (coord.) Portugal e a Guerra. Lisboa: Edies Colibri, 1996, pp. 55 69.

19 Teixeira, Nuno Severiano Portugal na Grande Guerra 1914 1918: as razes da en trada e os problemas da conduta, pp. 56 62.

20 Ramos, Rui A Segunda Fundao (18901926), p. 516.

21 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade, p. 299.

22 Esta situao salientada no ltimo livro de Jos Medeiros Ferreira, Fer-reira, Jos Medeiros No H Mapa Corde Rosa. A Histria (Mal)dita da Integrao Europeia. Lisboa: Edies 70, 2013, p. 15.

23 Ramos, Rui A Segunda Fundao (18901926), pp. 498 499.

24 Aquilino transcreve assim as afirmaes proferidas por Joo Chagas no encontro que ambos mantiveram na Embaixada de Portugal em Paris no dia 3 de Agosto de 1914: Portugal ainda no declarou a beligerncia, no senhor, e todavia urgente que a declare. uma questo de decoro e de independncia. Se quer viver, se quer ser algum no concerto da Europa futura, apressa se a entrar em guerra com o pouco que tem, com o pouco que pode dar, contra os imprios centrais. O contrrio o suicdio; De hoje em diante tomo a peito levar o meu pas guerra; vou pregar a cruzada; serei Pedro Eremita [] Todas as razes e mais uma nos aconselham a entrar em guerra. O prprio interesse da humanidade. Este posicionamento de Chagas levou Aquilino a questionar se: Em nome de que justa, necessria causa, se podem despachar para o matadoiro os meus pobres, ignorantes, pacf icos labregos?. Ribeiro, Aquilino a Guerra. Dirio. Lisboa: Livraria Bertrand, 1975, pp. 63 65.

25 Sobre este episdio ver: Ramos, Rui A Segunda Fundao (1890 1926), pp. 499500; e Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I . Do Sonho Realidade, pp. 308 310.

26 Ramos, Rui A Segunda Fundao (1890 1926), pp. 512 514; Meneses, Filipe Ribeiro de Intervencionistas e antiinter vencionistas. In Rosa s , Fernando, e Rollo, Maria Fernanda (coord.) Histria da Primeira Repblica Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009, pp. 267 276.

27 Telo, Antnio Jos Primeira Repblica I. Do Sonho Realidade, pp. 336337.

28 Meneses , F il ipe Ribeiro de A Unio Sagrada. In Rosas, Fernando, e Rollo, Maria Fernanda (coord.) Histria da Primeira Repblica Portuguesa, p. 281.

AGrandeGuerraeasrelaesinternacionaisdePortugaldaMonarquiaRepblicaDavid Castao 077

Recommended

View more >