cel cristo redentor informativoigreja- dezembro 2015.pdfinformativo dezembro 2015 cel cristo...

Download CEL CRISTO REDENTOR INFORMATIVOigreja- Dezembro 2015.pdfINFORMATIVO DEZEMBRO 2015 CEL CRISTO REDENTOR

Post on 28-Sep-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • INFORMATIVO

    D E Z E M B R O 2 0 1 5

    CEL CRISTO REDENTOR

    NINGUM NASCEU COMO JESUS Reflexo para o Tempo de Advento e Natal

    Comeamos no domingo passado, com a entrada do perodo do

    Advento, uma srie de reflexes para o momento de Escola Bblica

    e Pregaes chamada Ningum Nasceu como Jesus. Ela parte de

    uma trilogia e ser sucedida oportunamente pelas sequncias

    Ningum Viveu como Jesus e Ningum Morreu como Jesus.

    Esto inspiradas nos livros do Pastor Presbiteriano Eber Lenz

    Csar. O foco est na unicidade ou singularidade de Jesus. O

    objetivo celebrar e refletir sobre o Natal em sintonia com sua

    riqueza de significado e bno.

    Vivemos uma poca maravilhosa e, ao mesmo tempo, muito difcil.

    Por suas caractersticas, convencionou-se identific-l como ps-

    moderna. Zygmunt Bauman, socilogo polons, preferiu a

    expresso modernidade lquida, que hoje predominante nos

    meios acadmicos. Os conceitos, os valores e as relaes humanas

    so lquidos, isto , fluidos, mutveis, passageiros. verdade que

    neste contexto, a humanidad fez grandes progressos. Mas tambm

    verdade que isso se tornou uma tirania. Pressionados a abandonar

    verdades e tradies, obsecados com a novidade e com o atrativo

    que no dura muito, vamos abandonando princpios e nos

    amoldando ao esprito do nosso tempo e ao curso do mundo.

    Muitos j se deram conta da tirania do lquido e se sentem cansados

    da novidade, da rapidez, da falta de compromisso e da mudana de

    conceitos. Cansados de relacionamentos porosos. De vdeos virais.

    Onde encontrar orientao, nexo e consolo? E o que o Natal tem a

    ver com isso?

    As opes de respostas espirituais e ideolgicas so vrias. Quase

    todas centradas no ser humano. Faa voc acontecer. Se no der,

    tente algo novo. Menos uma. Tem uma que fala de uma

    espiritualidade centrada em Deus e no seu amor por ns. Num

    Deus que no lquido, mutvel, passageiro. Num evento e numa

    pessoa que no aconteceu ontem. definitivo. E boa notcia.

    Jesus Cristo. Somente Ele pode pr cimento na liquidez. Ele o

    Alfa e o mega, o Primeiro e o ltimo, o Princpio e o Fim

    (Apocalipse 22.13). O divisor de guas para a histria da

    humanidade, a resposta para todas as mazelas e necessidades

    humanas.

    Ningum nasceu como Jesus.

    Ele j existia antes de nascer. Ele quiz nascer. Ele pediu pra se

    encarnar, mesmo que isso significasse um troca sacrificial. Por

    amor a vocs e a mim.

    Deus preparou tudo. Seu nascimento no se deu por acaso. Foi na

    plenitude do tempo (Glatas 4.4), cumprindo exatamente profecias

    antigas, entrando num mundo e numa histria cuidadosamente

    orquestrados por Deus.

    E as circunstncias... o precursor, a virgem grvida, o pai

    decepcionado, a mangedoura, os visitantes, a famlia refugiada.

    Cada nascimento especial. Mas ningum nasceu como Jesus.

  • SIMPSIO REGIONAL

    DE MISSO

    Nos dias 06 e 07 de Novembro de 2015, nossa congregao teve o

    privilgio de organizar o Simpsio Regional de Misso (Srm 2015), em

    Copacabana. O evento reuniu mais de 100 pessoas dos estados do Rio de

    Janeiro, So Paulo, Minas Gerais, Esprito Santo, Santa Catarina, Paran

    e Rio Grande do Sul e do Distrito Federal.

    Sob o tema "A Misso e a cidade", os participantes debateram os seguintes

    tpicos: A Teologia e a Misso; A Igreja e a cidade; O Pastor e a cidade; O

    Cristo e a cidade; e O Reino de Deus e a cidade.

    Exegeses bblicas, sistemticas e

    confessionais continuam sendo necessrias no campo de pesquisa

    teolgico, mas uma exegese urbana, que faa uso, inclusive, de outros saberes e de outras perspectivas,

    tambm est sendo uma demanda urgente, na medida em que isso nos

    ajude a conhecer e estudar estruturas e seres humanos que fazem parte

    desse campo de misso urbanizado. Este evento foi uma produtiva e

    significativa ao em direo a uma exegese urbana e suas decorrncias,

    pois ouviu pastores, lderes leigos e missionrios em suas alegrias e

    inquietaes, observou o Prof. Anselmo Graff, coordenador do Centro

    Internacional de Treinamento Missionrio do Seminrio Concrdia, nosso parceiro

    no evento.

    Concordamos com ele, em nossa

    avaliao. Cremos que foi um encontro muito proveitoso para a igreja, com um debate saudvel sobre misso urbana, uma assunto to importante para uma

    igreja que quer praticar seu lema de Cristo Para Todos. Agora colocar em

    prtica o aprendizado.

    O Simpsio de misso uma das estratgias do nosso recm formado

    Centro de Treinamento Missionrio, o qual foi batizado com o nome de Pastor

    Nestor Welzel. A ideia um encontro anual para o desenvolvimento de estudos

    e compartilhamento de teoria e prticas missionrias, saudveis e efetivas, no

    contexto urbano, visando contribuir com o movimento missional na Igreja Luterana.

    O prximo Simpsio de Misso Urbana

    que organizaremos acontecer nos dias 25 e 26 de Novembro de 2016, em

    Copacabana e teremos como parceiros a Sociedade Bblica do Brasil. O enfoque

    ser sobre o campo missional a nossa volta. Quem so as pessoas que esto

    diante de ns e nossas igrejas para serem alcanadas com o Evangelho e

    como faz-lo. Marque a data no seu calendrio. Sua ajuda e participao ser muito bem-

    vinda! .

    EM NOSSA

    ORAO

    Ao de Graas: Gravidez: Natany

    Formatura: Brbara Gehrke

    Reformas Templo

    Pastor: admisso ao mestrado

    Promoo: Felipe Gehrke

    Proteo divina: Eduardo; Remi;

    Maria.

    Concluso Radioterapia: Solange

    Estagirio e novos Pastores no DRJ

    Aniversariantes Dezembro: Guilherme Mendes (03)

    Carlos Felipe Benvenutti (04)

    Rafaela Cabral Moreira (04)

    Thomas Slubersky (07)

    J Silva (08)

    Stephanie Marx Bamberg (09)

    Larissa Rodrigues Vasco (10)

    Bernardo Rittmeyer (13)

    Pedro Vtor Santos (15)

    Betina Rittmeyer (24)

    Ivia Ndia Kobs (27)

    Hedilena Ferreira (30)

    Sade: Solange Werner (plena

    reabilitao)

    Ron (retorno cncer);

    Paulo (irmo Heliete); J (esposa Pastor Rudi Zimmer);

    Edna (cncer) Pastor Claudio Geisler;

    Heitor (amigo famlia Rittmeyer);

    Edilson (amigo Flvio);

    Lusa (filhinha Thalita e Felipe)

    Hlio (v da Cntia e da Cibele)

    Marieli (amiga Eliane leucemia)

    Outras necessidades: * Membros Fora do Pas e suas

    famlias:

    mille, Fernanda, Lorena e

    Henrique, Felipe.

    * Trabalho: Jason Ibra

  • REFORMA CONCLUDA &

    REFORMA EM ANDAMENTO Quando os reformadores protestantes desencadearam o movimento

    de renovao da igreja no sculo XVI, um princpio os norteou e

    ficou de legado para as geraes posteriores. A igreja foi

    reformada, mas deve continuar se reformando. J falamos sobre

    isso, em estudos e reflexes. Recentemente debatemos sobre este

    ponto de vista, na srie A igreja fora da caixa. Hoje, pego

    emprestado este conceito para aplicar outra situao: as reformas

    fsicas de nossa propriedade.

    No estive aqui nos primeiros e fundamentais anos da CEL Cristo

    Redentor. Fui agraciado em chegar para pastorear um grupo de

    cristos j solidificados, cheios de sonhos e planos. Entre eles, o de

    ter uma casa de orao agradvel, bonita e funcional. Que servisse

    de osis para o povo de Deus, para o pastor e sua famlia e tambm

    para os vizinhos e para quem quer que seja que Deus queira

    chamar, como diz Pedro, no livro de Atos.

    Desde o momento que chegamos, em janeiro do ano passado,

    temos a sensao de estar ouvindo batidas de martelos e sentindo

    o cheiro de tinta fresca. O Joo e sua equipe j so de casa pra

    ns. E olha que muitas vezes nem so eles que realizam a obra,

    mas outros profissionais, ou at mesmo, no poucas vezes,

    voluntrios da prpria congregao, que em algumas noites

    trabalharam at o amanhecer, colocando uma porta no lugar,

    consertando uma tomada... s pra deixar o ambiente pronto, limpo,

    decorado, para algum evento especial. Tudo com muito amor.

    No foram poucas as reunies e bate-papos que me vi includo,

    especialmente com a liderana, sobre o que fazer, como fazer,

    quanto vai custar, como vamos pagar. O assunto obras ocupa um

    lugar quase que permanente na agenda das reunies, e uma conta

    regular no relatrio e oramento financeiro. As reformas se

    concluem e, quando se v, j esto em andamento novamente.

    Tudo com muito amor. No sem debate, sem contrapontos. Mas

    sempre dentro de um esprito de crescer e melhorar, para abenoar

    mais e melhor. isto o que tenho testemunhado.

    No sou um lder com experincia nesta rea. Muitas vezes, sinto

    que no estou sendo til o suficiente, mas no posso fazer muito

    mais, no o meu dom. Me limito a dar um sugesto aqui e ali, a

    solicitar ofertas e doaes e a aconselhar a que no nos

    endividemos mais do que nossa capacidade de solvibilidade. Ah, e

    tambm me dedico a pensar o que fazer com to precioso espao

    (sim, um espao cada vez mais precioso!). A como us-lo de

    forma correta, sbia e eficaz para o reino e a misso de Deus.

    Por que estou compartilhando isso? Geralmente usamos o

    informativo para relatrios e apelos prticos. Desta vez, quis

    compartilhar mais da minha perspectiva pastoral sobre o assunto.

    Tenham certeza que no que puder ajudar, farei tudo o que for

    possvel para honrar vossos esforos, estimular e agradecer vossa