ceav macroeconomia parte 3 - ?· 1 0,9 1 1 0,9 1 1 1 1 = − ⇒∆ = − ⇒ − y c. o...

Download CEAV Macroeconomia Parte 3 - ?· 1 0,9 1 1 0,9 1 1 1 1 = − ⇒∆ = − ⇒ − Y c. O Multiplicador…

Post on 02-Dec-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CEAV

    Macroeconomia

    Parte 3

    Modelo Keynesiano

    Modelo IS-LM com Economia Fechada

    Prof. Antonio Carlos Assumpo

  • Introduo

    O modelo IS-LM nos mostra os efeitos de curto prazo das polticas

    fiscal e monetria sobre uma srie de variveis macroeconmicas.

    Tambm podemos representar o efeito de choques sobre a

    economia (aumento da confiana do consumidor, aumento da

    confiana dos empresrios,...).

    Poltica econmica (fiscal e/ou monetria) so escolhas do

    governo: aumentar os gastos pblicos, reduzir os impostos ou

    aumentar a oferta monetria. Dito de outro modo, o governo

    altera alguma varivel sob o seu controle (variveis exgenas),

    gerando impacto sobre as demais variveis (variveis

    endgenas).

    No caso de choques, estaremos representando eventos que

    afetam a economia, mas que no foram induzidos pela ao

    governamental.

  • Para representarmos o modelo IS-LM com economia fechadaprecisamos entender o comportamento de dois mercados: omercado de bens e servios e o mercado monetrio.A curva IS nos mostra o equilbrio no mercado de bens e servios,

    ou seja, igualdade entre a demanda agregada e a ofertaagregada.

    A curva LM nos mostra o equilbrio no mercado monetrio, ouseja, a igualdade entre a oferta monetria e a demanda pormoeda.

    No modelo IS-LM existe a suposio da existncia de capacidadeociosa. Portanto, variaes na demanda agregada afetamsomente o nvel de produo. Dito de outro modo, trabalha-secom a hiptese de rigidez de preos. Cabe ressaltar que estahiptese pode ser flexibilizada*.

    Introduo

    * Veremos adiante que a incorporao de uma curva de Phillips permite

    descrever a dinmica da taxa de inflao.

  • Um aumento na demanda agregada faz com que o mercado debens se ajuste, sem qualquer efeito sobre o nvel de preos.

    Introduo

    P

    Y

    OA

    YP

    P

    DA

    Y0

    DA1

    Y1

  • A Determinao da Demanda Agregada com Economia Fechada

    Gastos em Consumo do Governo

    Demanda Por Bens de Capital = Investimento

    Consumo das Famlias

    Demanda Agregada

    O Mercado de Bens e Servios

    GICZ ++=

  • Consumo das Famlias

    )(

    )(+

    = dtt YfC O consumo uma funo crescente da renda disponvel

    dYccC 10 += 1 1, 0 1d

    Cc PMgC onde c

    Y

    = = < YYt+1

    Z < YYt+1

    Sobre a reta de 45 o mercado de bens

    estar sempre em equilbrio (Y=Z).

    A demanda positivamente inclinada,

    pois um aumento na renda eleva o

    consumo, consequentemente, a

    demanda agregada.

    Caso o mercado de bens no esteja

    em equilbrio as firmas ajustaro seu

    nvel de produo at que Y=Z.

  • 45

    Y

    Z Z = Y

    Y*

    Z*

    Aumento da Demanda

    Aumento dos Gastos Governamentais

    Z

    Z

    Y*

    Z*

    1

    Gc

    Y

    =11

    1

    Um aumento em um dos componentes exgenos da demanda agregada aumenta o

    produto mais que proporcionalmente. Dito de outro modo, o gasto inicial

    multiplicado, ocasionando uma variao no produto superior a variao inicial no

    componente da demanda agregada.

  • Os Multiplicadores

    _

    11

    1I

    cY

    =

    Gc

    Y

    =11

    1

    0

    11

    1c

    cY

    =

    Tc

    cY

    =

    1

    1

    1

    Multiplicador dos Gastos do Governo

    Multiplicador do Investimento

    Multiplicador do Consumo Autnomo

    Multiplicador dos Impostos

  • A Lgica do Multiplicador

    GITYccY +++=_

    10 )(

    Um aumento da demanda faz com que as firmas

    ajustem-se aumentando a produo (renda).

    Entretanto, um aumento na renda aumenta o

    consumo (demanda) na medida da PMgC, o que

    provoca um novo aumento na produo (renda)

  • Um Exemplo

    Variao na Renda

    Nesta Etapa At o Momento Clculo

    Etapa 1 100 100

    Etapa 2 90 190

    Etapa 3 81 271

    Etapa 4 72,9 343,9

    . . . .

    . . . .

    GGc 1Gc 21Gc 31

    Suponha Y = 4000 ; c1 = 0.9 e G = 100

  • ( )...1 31211 ++++= cccGY

    ( )...9.09.09.01100 32 ++++=Y

    Logo, temos:

    Com os nmeros do nosso exemplo:

    A Expresso acima uma P.G. infinita de razo positiva

    inferior unidade, cuja soluo dada por 1/1-razo. Logo:

    10001009,01

    1

    9,01

    1

    1

    1

    1

    =

    =

    Yc

  • O Multiplicador do Oramento Equilibrado

    Primeiramente, note que o multiplicador de gastos maior queo multiplicador de impostos.

    Um aumento em G eleva a demanda agregada inicialmente emG. J uma reduo nos impostos eleva a demanda agregadainicialmente em c1T, pois parte do acrscimo de rendaderivado do corte nos impostos ser utilizado para opagamento de impostos.

    Logo, um aumento de $100 em G possui um efeito maior sobreo produto que um corte de $100 em T.

    1

    1 1

    1

    1 1

    c

    c c>

  • O Multiplicador do Oramento Equilibrado

    Qual seria o efeito de sobre o produto de uma elevao em G e emT, na mesma medida, de forma que o oramento do governocontinuasse em equilbrio ?

    Efeito Lquido:

    Logo, o multiplicador do oramento equilibrado com gastos e impostos igual a 1. Assim, G=T=Y.

    ( )11 1

    1

    1 1

    cY G T

    c c

    = =

    Efeito negativo sobre o produto de T

    Efeito positivo sobre o produto de G

    ( ) ( )( )11

    11

    1

    cY G T Y G T

    c

    = = = =

  • 45

    Y

    ZZ = Y

    Z = C + I + G

    Y*

    Z*

    Z = C + I + G

    Y*

    Z*

    A Dinmica do Multiplicador Graficamente

  • Mercado Monetrio

    Hiptese: economia com dois ativos

    Moeda: Maior liquidez, baixo custo de transao e elevado

    custo de oportunidade

    Ttulos: Menor liquidez, elevado custo de transao e baixo

    custo de oportunidade

    Demanda por Moeda X Demanda por Ttulos

    ddBMRiqueza +=$

    Riqueza Nominal Demanda por Moeda

    Demanda por Ttulos

  • A Funo Demanda por Moeda

    ),()($)()( +

    == iYLMiYLM dd

    A demanda por moeda depende positivamente darenda, pelo motivo transao

    A demanda por moeda depende negativamente da taxa de juros nominal, que representa o custo de oportunidade da reteno de moeda

    M0d

    i

    Md

    (Y0)

    M0d

    i1

    i0

    M1d

    M1d (Y1)

    M2d

    A curva de demanda por moeda

    negativamente inclinada, pois os

    aumentos na taxa de juros reduzem a

    quantidade demandada de moeda.

    Um aumento da renda aumenta a

    demanda por moeda para qualquer taxa

    de juros. Portanto, desloca a curva de

    demanda por moeda para a direita.

  • Evidncia Emprica

    )($

    $)($ iLY

    MYiYLM

    dd ==

    Um aumento na taxa nominal de juros reduz a quantidade

    demandada de moeda em relao renda

    Podemos tambm usar o conceito de velocidade-renda da

    moeda, que mede o nmero de vezes que a moeda troca de

    mos gerando renda:

    dM

    YV

    $= Logo: Se

    Se

    VM d

    VM d

  • Quociente entre M1 e Renda Nominal e a Taxa de Juros -

    EUA - 1960 - 1999

    13

    14

    15

    1617

    18

    19

    20

    21

    22

    23

    2425

    26

    27

    28

    1960 1970 1980 1990 19992

    3

    4

    5

    6

    7

    8

    9

    10

    11

    12

    13

    14

    15

    Taxa de Juros

    ( M / PIB )

  • Velocidade-Renda da Moeda (Brasil)

    10.0

    20.0

    30.0

    40.0

    50.0

    60.0

    70.0

    80.0

    90.0

    100.0

    1993 1994 1995 1996 1997 1998

    Observe como a reduo da taxa de inflao, que reduziu a taxa nominal de

    juros, elevou a demanda por moeda no Brasil aps a introduo do plano real

    (reduziu a velocidade-renda da moeda)

  • Determinao da Taxa de Juros

    ddBMRiqueza +=$ A riqueza financeira da economia

    composta por ttulos e moeda

    O equilbrio no mercado monetrio exige que:

    )($ iYLMMM d ==

    Logo, para que o mercado monetrio esteja em equilbrio, a combinao de renda e taxa de juros deve ser tal que osindivduos estejam dispostos a possuir uma quantidadede moeda igual oferta monetria existente

    Oferta monetria, determinada exogenamente pelo Banco Central

  • Equilbrio no Mercado Monetrio

    i

    M

    M0

    M0d

    M*0

    i0*

    )($ iYLMMM d ==

    Oferta monetria exogenamente determinada pelo Bacen, portanto, independe da taxa de juros

  • Aumento da Oferta Monetria

    i

    M

    M0

    M0d

    M*0

    i0*

    M*1

    M1

    *i1

    Um aumento em M, dada uma certa renda e uma certa taxa de juros, faz com que osindivduos demandem ttulos. Isto provova um aumento no preo dos ttulos, reduzindo oseu rendimento, ou seja, a taxa de juros.

    Novo equilbrio, com uma oferta

    monetria maior e uma demanda

    monetria maior.

    A maior oferta monetria gerou um

    excesso de oferta sobre a demanda.

    C

Recommended

View more >