Cartilha Plantio Arvores Nativas

Download Cartilha Plantio Arvores Nativas

Post on 06-Jul-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>rvore nativatambm se plantaBiodiversidade So as diversas formas de manifestao da vida no planeta Terra microbactrias, plantas, animais, homens e todas as relaes de interdependncia e encadeamento que se estabelecem entre elas.</p> <p>biodiversidade</p> <p>2</p> <p>3</p> <p>Conhea a CampanhaA Campanha rvores Nobres iniciou no ano de 2003, sendo realizada em parceria pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente, por meio do Departamento de Florestas e reas Protegidas, e pela empresa RGE Rio Grande Energia. A principal ao desta Campanha consiste na distribuio de mudas de espcies nativas, consideradas nobres e raras, com o objetivo de aumentar a presena dessas rvores no Rio Grande do Sul e propiciar benefcios ambientais, como recuperao da diversidade biolgica, abrigo e alimentao fauna, entre outros. Um dos grandes objetivos da Campanha estimular a sociedade a valorizar as rvores nativas. Para isso, juntamente com as mudas distribuda esta cartilha, contendo informaes sobre as espcies doadas. No perodo de 2003 a 2005 foram distribudas 94 mil mudas das espcies cedro (Cedrela fissilis), caroba (Jacaranda micrantha), ip-roxo (Tabebuia avellanedae), louro (Cordia trichotoma), grpia (Apuleia leiocarpa) e canjerana (Cabralea canjerana).4</p> <p>A importncia das rvores nativasrvores nativas so aquelas cuja presena natural em uma regio, ou seja, rvores que a natureza gerou e fez evoluir em um determinado ambiente. O fato de as espcies nativas serem naturalmente adaptadas s regies onde ocorrem muito importante para o equilbrio ambiental, pois existem complexas relaes dos demais seres vivos com essas rvores. Importantes elementos da natureza, elas so vitais para o funcionamento dos ecossistemas onde esto inseridas. Cada espcie de rvore nativa possui caractersticas prprias e, por isso, deve ser valorizada pelos diversos benefcios que pode proporcionar. Alguns so: Tornam as paisagens diversificadas e exuberantes devido multiplicidade de formas que apresentam e s pocas distintas de florao. Propiciam qualidade de vida, por meio do embelezamento e conforto para ambientes. So importantes fontes de abrigo e alimentao para a fauna nativa. Contribuem para o equilbrio ecolgico dos ambientes, especialmente em centros urbanos.5</p> <p> Fornecem madeiras de alta qualidade para as mais variadas aplicaes. Auxiliam no desenvolvimento de atividades tursticas. Algumas rvores nativas podem ser plantadas em conjunto com pastagens e agricultura, gerando benefcios a essas atividades. Exemplos: fornecimento de alimento e sombra para gado, proteo contra geadas, abrigo para animais predadores de pragas. Podem auxiliar na recuperao e adubao do solo. So excelentes no controle da eroso dos solos, pois funcionam como um freio contra as guas pluviais, diminuindo o impacto das chuvas sobre a terra e impedindo a sua remoo. So utilizadas na medicina popular (Ex.: Cancorosa). So mquinas complexas e silenciosas que auxiliam na despoluio do ar. Pesquisas realizadas na Alemanha comprovaram que o teor de partculas de poeira em ruas arborizadas quatro vezes menor comparado s que no possuem vegetao. Fornecem corantes naturais e leos, substncias para curtimento de couro, elaborao de perfumes e inseticidas naturais. Funcionam como barreiras contra rudos. Aproximam a natureza das pessoas. O perfume exalado pelas flores, o efeito sonoro produzido pelas copas e ramos das rvores quando impulsionados pelo vento, o som dos insetos e6</p> <p>demais animais silvestres a ela associados e o canto dos pssaros podem alegrar o dia-a-dia. Muitas rvores nativas constam da lista das espcies ameaadas de extino, pois foram exploradas abusivamente no passado, principalmente aquelas que fornecem madeiras com mltiplas utilidades e de grande valor econmico. Por questes naturais, algumas rvores ocorrem em ambientes mais restritos na natureza (Ex.: Grpia) e tornaram-se ainda mais raras devido destruio das formaes florestais onde elas existiam naturalmente. Qualquer rvore gera benefcios ambientais, seja ela nativa ou extica (originria de outros pases), mas algumas espcies se destacam e, por isso, so consideradas rvores nobres. Nesta cartilha constam informaes bsicas sobre cinco espcies de rvores nativas consideradas nobres: guabiju, cerejeira, angico vermelho, uvaia e ip-amarelo.</p> <p>7</p> <p>Nome cientfico: Eugenia pyriformis Famlia : Myrtaceae Caractersticas: Frutfera nativa, de porte mdio, medindo de 5m a 15m de altura, bastante ornamental e de crescimento lento. O tronco reto, claro e escamoso. As folhas so perenes e de cor verde-clara. As flores so brancas e a florao ocorre de novembro a janeiro. Os frutos, de cor amarela, achatados, so muito suculentos. A frutificao ocorre nos meses de janeiro e fevereiro. As sementes so grandes e de cor branca. As cascas so aromticas. Tem vasta e expressiva disperso no Rio Grande do Sul, podendo ser encontrada nas regies do Alto Uruguai, Planalto, Depresso Central e no Escudo Rio-grandense. Utilizao: A madeira dura e resistente, muito utilizada para moures, cerca e lenha. O grande potencial de uso da rvore para a ornamentao, devido a sua bela copa alongada, com folhagem esparsa, delicada e florao branca. A rvore fornece frutos saborosos, muito atraentes para a avifauna e mamferos. Eles servem, tambm, para a elaborao de doces, refrescos e sorvetes. Onde plantar: Em locais com boa luminosidade e pouco sombreamento, pois na floresta sombria ela no se desenvolve. Por produzir muitos frutos, seu plantio em caladas desaconselhado. Curiosidades: Na lngua Tupi-guarani a uvaia chamada de Yb-a, que significa fruto cido.</p> <p>Uvaia</p> <p>8</p> <p>9</p> <p>Nome cientfico: Eugenia involucrata Famlia: Myrtaceae Caractersticas: tpica no interior das florestas densas e encontrada nas principais formaes florestais do Rio Grande do Sul. Atinge em torno de 15 metros de altura e, eventualmente, at 20 metros. O tronco da rvore reto e cilndrico. A casca lisa e descama intensamente. A copa estreita e alongada, possuindo densa folhagem verde-escura na face superior e mais clara na inferior. Apresenta vistosas flores brancas, que florescem nos meses de setembro a outubro. Os frutos so deliciosos, lisos e de colorao negro-vincea. Amadurecem de outubro a dezembro. No seu interior, encontra-se uma ou duas sementes de cor branca. Utilizao: Fornece madeira branca ou levemente rsea, compacta, dura e de grande durabilidade, prpria para peas de resistncia, obras de torno, cabos de ferramentas e moures. A rvore tambm pode ser utilizada para fins ornamentais, devido beleza de seu tronco e ao formato da sua copa e sua folhagem, que reluzente. Onde plantar: O ideal que seja plantada em locais com bom sombreamento. A espcie apresenta crescimento lento e prefere solos frteis, profundos e bem drenados. Curiosidades: Os frutos da cerejeira podem ser utilizados para elaborao de gelias e licores. O papagaio-charo (Amazona petrei), ameaado de extino, alimenta-se do fruto da cerejeira, mas aprecia tambm as frutas da uvaia e do guabiju e as gemas florais do ip.10 11</p> <p>Cerejeira</p> <p>Nome cientfico: Tabebuia alba Famlia: Bignoniaceae Caractersticas: Conhecida como ip-amarelo ou ip-branco, pode atingir at 30 metros de altura. O tronco reto ou levemente tortuoso e o seu dimetro varia entre 40cm e 60cm. A casca spera e fissurada. A copa da rvore larga, com folhagem densa. Sua florao um espetculo da natureza, pois fica recoberta por flores amarelas de setembro a outubro, antes do surgimento das folhas. Os frutos amadurecem nos meses de novembro e dezembro. No Rio Grande do Sul, muito freqente na regio do Planalto, mas tambm ocorre com menor intensidade na Floresta Estacional Decidual, nas bacias dos rios Ibicu e Jacu, sendo rara em florestas densas e sombrias. Utilizao: Produz madeira dura, pesada e resistente ao apodrecimento, sendo valorizada na marcenaria e carpintaria para fabricao de vigas, assoalhos, dormentes para estradas de ferro, eixos para rodas de carroa e tacos de bilhar. A rvore utilizada como ornamentao de praas, jardins e nas rodovias, devido as suas vistosas flores amarelas.</p> <p>Ip-da-serra</p> <p>Onde plantar: O ip gosta de bastante luz, mas pode ser plantado em locais com sombreamento leve. uma rvore ideal para grandes espaos abertos e apresenta bom crescimento. Curiosidades: Em Tupi-guarani o ip-amarelo Igpe: casca-de-pau. Na medicina popular suas folhas so utilizadas para tratamento de garganta.</p> <p>12</p> <p>13</p> <p>Nome cientfico: Myrcianthes pungens Famlia: Myrtaceae Caractersticas: No Rio Grande do Sul ocorre, principalmente, nas bacias dos Rios Uruguai e Jacu. freqente nas matas ciliares no Oeste do Estado. Esta frutfera apresenta crescimento lento e pode atingir altura em torno de 20 metros e dimetro de at 60cm. Produz abundantes frutos saborosos que so importantes para a alimentao da fauna. Suas flores so brancas e surgem de setembro a novembro. O tronco levemente spero e marrom acinzentado. A casca lisa e pouco espessa. O fruto contm de uma a duas sementes grandes, envolvidas por uma massa aucarada aromtica. Quando amadurece, nos meses de janeiro a maro, de cor roxo-escura e de casca grossa. uma rvore tipicamente do interior da floresta. Utilizao: A madeira de colorao avermelhada, pesada, muito elstica e de longa durabilidade, sendo utilizada para cabos de ferramentas, obras de torno, marcenaria e construo civil. Suas flores so melferas. adequada para fins ornamentais, pois quando plantada, isoladamente, forma bonita copa arredondada. Fornece tima sombra e muito atraente para a avifauna, que se alimenta de suas frutas. Onde plantar: Preferencialmente em locais onde receba algum sombreamento. Curiosidades: Em Tupi-guarani o guabiju conhecido como Ygua-pi-ju, que significa fruto-da-casca-rija.</p> <p>Guabiju</p> <p>14</p> <p>15</p> <p>Nome cientfico: Parapiptadenia rigida Famlia: Mimosaceae Caractersticas: uma das rvores com maior disperso no Rio Grande do Sul e pode atingir at 35 metros de altura e 100cm de dimetro. Forma copa ampla, mas no densa. As folhas so de cor verde-escura e midas. Suas flores so melferas e pequenas, de cor branco-amareladas, sendo que a florao ocorre de novembro a dezembro. As sementes so pequenas e so colhidas nos meses de junho a julho. uma rvore de grande longevidade. O tronco apresenta-se um pouco tortuoso.</p> <p>Angico-vermelho</p> <p>Utilizao: Sua madeira vermelha, pesada e muito resistente, ideal para construes rurais, carpintaria, construo civil, estacas, moures, tonis, armaes de carroa, dormentes e tacos. recomendado para recuperao de reas degradadas, reflorestamento ao longo dos cursos dgua, margens de reservatrios de hidreltricas, pois possui grande capacidade de desenvolvimento e adaptao. Onde plantar: Prefere solos com umidade e deve ser plantado em locais ensolarados. Curiosidades: Na medicina popular, a casca do angico utilizada contra diarrias e como cicatrizante. Em Tupi-guarani o angico chamado de Angic-ca: rvore para a doena da alma.</p> <p>16</p> <p>17</p> <p>Critrios para a escolha de espciesUma rvore pode ser selecionada para o plantio, tanto pela beleza de sua folhagem ou flores, quanto pelo seu formato, tamanho, frutos ou sementes que produzir. Entretanto, antes de escolher a muda bom considerar alguns fatores para evitar problemas futuros. Por exemplo, as cinco espcies desta Campanha no so recomendadas para o plantio prximo a residncias e sob redes eltricas por apresentarem mdio e grande porte. Podem ser observados os seguintes critrios: Benefcios desejados: sombra, frutos, ornamentao, etc. Altura que a espcie atingir no estado adulto, tendo em vista o espao disponvel para plant-la. Saber se a espcie fornece sombra densa ou no. Conhecer o sistema radicular importante, principalmente para plantios em reas urbanas. Espcies que apresentam razes superficiais, geralmente, causam danos aos calamentos e canalizao. Considerar se a espcie pode ser plantada em local com sombreamento ou grande luminosidade.</p> <p>As ilustraes das pginas 12,14 e 18 foram gentilmente cedidas pelo Herbrio Barbosa Rodrigues, localizado no municpio de Itaja, Estado de Santa Catarina.18 19</p> <p>20</p> <p>www.sema.rs.gov.br www.rge-rs.com.br/gestao_ambiental</p> <p>21</p>