cartilha para calculo de bdi

Download Cartilha para calculo de BDI

Post on 11-Jul-2015

259 views

Category:

Services

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 2a capa

  • B D IBonificao ou benefcio e despesas indiretas

  • Apresentao

    s profissionais que atuam nas reas da engenharia, arquitetura e agronomia, se deparam com dificuldades quando chega o momento de elaborar o oramento de uma obra.

    O preo de uma obra composto de custos diretos, despesas indiretas e lucro. justa-mente sobre essas despesas indiretas e a bonificao (BDI) que residem as maiores dvidas e questionamentos em relao a conceituao, aplicao e estimao. O custo direto da cons-truo facilmente orvel. O problema est na estimativa e controle dos demais elementos formadores do preo, como despesas administrativas, financeiras e despesas indiretas no canteiro de obras.

    Todas essas questes geram uma discusso e uma tomada de conscincia sobre diversos aspectos relacionados a essa importante etapa do trabalho de engenharia, que o processo de elaborao do oramento. O que se verifica, na prtica, que essa etapa no vem merecen-do o devido cuidado por parte dos profissionais e das empresas pblicas e privadas.

    Com esta Cartilha, o Crea-ES vem contribuir para uma clara compreenso acerca desse tema, e conseqentemente proporcionar qualidade no exerccio profissional da engenharia, arquitetura e agronomia, assegurando com isto um bom desempenho por parte desses profis-sionais e a melhoria dos servios prestados a sociedade.

    Eng. Civil e de Seg. do Trab. Luis FiorottiPresidente do Crea-ES

    O

  • Sumrio

    1 - O QUE BDI? ................................................................................................................................................... 082 - O QUE ENGENHARIA DE CUSTOS? .................................................................................................................... 103 - QUAL A DIFERENA ENTRE ESTIMATIVA DE CUSTOS E ORAMENTO? ...................................................................... 144 - TPICOS SOBRE A LEGISLAO APLICVEL AOS PROFISSIONAIS QUE ELABORAM ORAMENTOS E OBRAS .................. 165 - COMO CALCULAR O BDI? .................................................................................................................................. 19

    5.1. ADMINISTRAO LOCAL ............................................................................................................................. 205.2. INSTALAO DO CANTEIRO DE OBRAS OU SERVIOS ...................................................................................... 205.3. TRIBUTOS SOBRE A NOTA FISCAL ................................................................................................................. 225.4. TRIBUTOS SOBRE O LUCRO ......................................................................................................................... 225.5. LUCRO REAL .............................................................................................................................................. 245.6. CONTRIBUIO SOCIAL SOBRE O LUCRO LQUIDO ......................................................................................... 245.7. ADMINISTRAO CENTRAL AC ................................................................................................................. 255.8. CUSTOS FINANCEIROS CF ........................................................................................................................ 265.9. LUCRO PREVISTO ....................................................................................................................................... 265.10. MARGEM DE INCERTEZA MI ................................................................................................................... 275.11. AINDA SOBRE O LUCRO ............................................................................................................................ 275.12. O PREO DE VENDA ................................................................................................................................. 28

    6 - CONCEITO DE BDI ............................................................................................................................................. 306.1. PARA CONTRATANTES ................................................................................................................................ 306.2. PARA CONTRATADOS ................................................................................................................................. 326.3. EXEMPLO ................................................................................................................................................. 34

    7 - CONCLUSO ..................................................................................................................................................... 368 - FICHA TCNICA................................................................................................................................................. 38

  • BDI, Bonificao ou Benefcios e Despesas Indiretas, a parte do preo de cada servio, expresso em per-centual, que no se designa ao custo direto ou que no est efetivamente identificado como a produo dire-ta do servio ou produto. O BDI a parte do preo do servio formado pela recompensa do empreendimento, chamado lucro estimado, despesas financeiras, rateio do custo da administrao central e por todos os im-postos sobre o faturamento, exceto leis sociais sobre a mo-de-obra utilizada no custo direto.

    Podemos ainda definir o BDI como sendo um percentual relativo s despesas indiretas que incide sobre os custos diretos de maneira geral, a fim de compor com preciso o

    preo de venda ou produo de um servio ou produto.

    Todo empreendimento de engenharia apresenta custo direto de produo e custo indireto. Acrescendo ao custo direto o per-centual relativo ao custo indireto que incide sobre o projeto, so-mado ao lucro, impostos e despesas indiretas, extrai-se o preo de venda do servio. Esse preo de venda nunca se repete, va-riando em funo do planejamento do empreendimento, da sua localizao, das caractersticas administrativas diferenciadas das empresas ou rgos contratantes e contratados, do edital, do tamanho do servio, da poca de execuo do projeto, enfim, de inmeras variveis que nunca se repetem identicamente. Cada oramentista encontra um preo de servio diferente dos demais, em funo das variveis citadas.

    O que BDI?

    8 9

  • 8 9

    BD I

  • A Engenharia de Custos a parte do ambiente tecnolgi-co que estuda e prope algumas normas e critrios para so-luo de problemas como: estimativa de custos de projetos e empreendimentos, avaliao econmica, planejamento, gerncia e controle de empreendimentos.

    O que engenharia de custos? importante lembrar que a Engenharia de Custos no

    responsvel somente pela previso de custos de investi-mentos, mas tambm necessria na fase de execuo do projeto. na fase de execuo que a Engenharia de Custos pode reafirmar e desenvolver seus critrios, alm de colher subsdios cada vez mais apurados para utilizao futura. Fundamentais tambm para a Engenharia de Custos so os princpios e as ferramentas para o planejamento e controle

    de projetos e apurao dos custos.

    Desempenha tambm a montagem de bancos de dados, como as composies unitrias analticas de

    custos da empresa, a partir dos resultados adqui-ridos nos projetos executados, com o objetivo de

    fortalecer o trabalho de estimativas de cus-to para futuros projetos. importante que o

    profissional organize corretamente o oramen-to; afinal, a rea de engenharia se torna cada vez

    mais competitiva, sendo essencial que a aplicao dos princpios da Engenharia de Custos seja cons-

    ciente. Lembrando que no basta somente elaborar o oramento, mas tambm desenvolv-lo em curto pe-rodo, utilizando mtodos de execuo e priorizando preos competitivos e mnimos.

    10 11

  • 10 11

  • De acordo com a Lei de Licitaes 8.666/93, ser ven-cedora de um processo licitatrio do tipo menor preo a empresa que justamente apresentar o menor preo global para execuo do objeto licitado, ou seja, a empresa po-der ser beneficiada se elaborar um bom oramento com o menor valor global.

    A metodologia apresentada no s empregada em obras civis, mas tambm em todo o universo de planejamento e oramento de projetos, sendo exigida nas licitaes pbli-cas. O oramentista, para composio do oramento do projeto, poder ento seguir o seguinte roteiro:

    PLANEJAMENTO TCNICO BSICO, IDENTIFICANDO: Principais servios; Encadeamento lgico das atividades; Cronograma de execuo, respeitando prazos tcnicos; Previso de interferncias externas; Quantificao dos servios.

    LEVANTAMENTO DOS INSUMOS: Materiais precificados; Mo-de-obra - custo horrio; Equipamentos custo horrio e produo.

    COMPOSIO ANALTICA DE SERVIOS: Composio unitria dos servios; Consolidao da planilha de servios; Levantamento dos custos da administrao local; Soma do custo direto total.

    LEVANTAMENTO DOS CUSTOS INDIRETOS: Rateio das despesas da administrao central; Clculo das despesas financeiras; Clculos dos impostos diretos; Arbitramento do lucro.

    CONCLUSO DO ORAMENTO: Composio do BDI; Formao do preo de venda.

    Depois de analisar o Edital de Licitaes, projetos, me-moriais descritivos, especificaes tcnicas e demais do-cumentos inerentes ao projeto em disputa, o oramentista dever estudar detalhadamente este material, formando um amplo conhecimento sobre o servio que ser realizado, considerando aspectos como: localizao, especificaes tcnicas, forma de medio e pagamento. Aps a anlise dos projetos tcnicos existentes, ser procedida a visita tcnica ao local de realizao dos servios, a fim de proce-der coleta final de dados de compatibilizao do projeto e logstica para ento, iniciar-se o oramento.

    12 13

  • O oramentista define a estratgia para a realizao dos servios com base nos projetos