cartilha opção vegetariana no r.u

Download Cartilha opção vegetariana no r.u

Post on 14-Apr-2017

196 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CARTILHA

    OPO VEGETARIANA NO R.U

    1

  • Organizao: Comisso Restaurante Universitrio e Coletivo Caapor

    Indice

    Agradecimento

    Apresentao

    Conceito: Direitos animais, custos a sade e meio ambiente ____________________pginas 5 8

    Mas e as protenas ? _____________________________________________________ pgina 9

    Ingredientes nos produtos industrias e componentes alimentares base do leite ___ pginas 10 e 11

    Problemticas da Margarina Vegetal e Universidades com Opo Vegetariana_____ pgina 12

    Sugestes _____________________________________________________________ pginas 13 15

    Receitas ________________________________________________________________ pginas 16 21

    2

  • AGRADECIMENTOS

    Agradecemos a toda a equipe do Restaurante Apetitoy pelo rduo trabalho de servir todos os dias caf da manh, almoo e janta aos membros da comunidade acadmica da UFPR- setor litora(Matinhos/PR). Reconhecemos o esforo que servir 3500 refeies semanais. Gratido.

    todas e todos que participaram da assembleia R.U. vegetariano e/ou da comissoRestaurante Universitrio.

    Viviane,R e Celso pela disponibilidade e simpatia de ir at a universidade nosencontrar para dialogar e refletir sobre este tema. Encontros estes fundamentais para aorganizao desta cartilha.

    L EAL- Laborattio de EducaAlimentao(30/04/15)

    3

  • Apresentao

    A reunio realizada no dia 12/03/2015 com incio s 15:00 na tenda entre blocos da UFPR, com um representante do Restaurante Apetitoy e estudantes do setor litoral teve o intuito de conhecer o conceito devegetarianismo e confuses existentes acerca da opo vegetarianaofertada no RU at ento. Essa confuso no exclusiva dorestaurante e sim generalizada na sociedade. Por esse motivoesclareceremos o conceito adiante. Atravs de um dilogo sobredireitos animais, foi possvel observar que a opo ofertada no RUNO garantia a legitimidade e aplicao de tais direitos, pois eramutilizados produtos de origem animal como leite, ovos e carnes nasguarnies e opes erroneamente denominadas vegetarianasoferecidas no estabelecimento.

    Atravs de exemplos j aplicados de opo vegetariana,como no RU Central da UFPR, uma comisso para tratar da opo,bem como outras pautas levantadas durante o encontro, foi criada eatuou em parceria com a UFPR e o Restaurante Apetitoy. A falta declareza do termo vegetarianismo gerava confuso a quempreparava o alimento, desconhecendo os ingredientes que esto defato de acordo com o conceito; quem servia (nas gndolas) asguarnies, pois no faz parte desta atividade saber de cadaingrediente que foi selecionado para o preparo dos alimentos e paraquem se alimentava, ou seja, os clientes, pois muitas vezes secansavam de perguntar sobre a origem do preparo ou at mesmopreferiam no se alimentar do mesmo. Esta situao provocou desconforto tanto para clientes quanto para funcionrios do restaurante a medida que o nmero de vegetarianas/vegetarianos(ou pessoas que tendem a ser) foi inevitavelmente aumentando ao longo dos anos. Falamos no passado pois, esta NO mais a realidade do R.U. de Matinhos, graas a movimentao estudantil e a compreenso dos responsveis pelo restaurante. Para perpetuar este avano, propomos, por meio desta cartilha revisar alguns pontos abordados em assembleia e nos outros encontros, ofertando receitas de valor proteico vegetal, em dilogo com as ofertas possveis do restaurante.

    4

  • CONCEITO

    O vegetarianismo , por definio, a corrente diettica que estipula a alimentao exclusivamente vegetal, com absteno de todos os ingredientes de origem animal. Por conseguinte, qualquer pessoa que consuma carne de mamferos, de aves, de rpteis, de anfbios, de peixes ou de invertebrados, seus ovos, leite, mel, gelatina, cochonilha ou qualquer outro produto de origem animal no pode ser considerada vegetariana

    Do que se alimentam ? Vegetarianos alimentam-se exclusivamente de alimentos de origem vegetal: Cereais, gros, verduras, legumes, frutas, sementes e nozes. Embora cogumelos e leveduras no sejam taxonomicamente vegetais, eles so bio- lgica e popularmente associados a vegetais e podem ser consumidos por vegetarianos

    5

  • Direitos Animais

    O ser humano possui direitos devido a sua complexa relao em sociedade. Estes direitos(Ex: sade, educao, de liberdade de pensamento, direitos trabalhistas), pelo menos teoricamente, servem para garantir relaes justas e melhoria da condio da vida. Os direitos fundamentais so compartilhados entre animais humanos e animais no-humanos. So eles: DIREITO VIDA, LIBERDADE E INTEGRIDADE(FSICA E PSICOLGICA).

    O que define que um ser possui esses direitos bsicos no , por exemplo, acomplexidade na linguagem ou a capacidade de produzir cultura, e sim, umaqualidade inerente, intrnseca e inalienvel que tanto humanos quanto animaispossuem. Essa qualidade se chama SENCINCIA e se reflete na capacidade terconscincia de sensaes como fome, dor, medo, alegria, satisfao. Para que ovos,mel, carnes e laticnios estejam no prato inevitavelmente algum ou todos estes 3direitos fundamentais foram violados. Da mesma forma que no desejamos infligirfome, dor, medo, frio e angustia a um ser humano, devemos ser coerentes e prestarigual considerao a outros animais. No se trata de preocuparmos com o modo comoeles so explorados: se so bem ou maltratados, se a forma do tratamento a eles truculenta ou suave, se eles tem ou no espao suficiente. Trata-se de questionar seeles deveriam ser explorados sob qualquer forma e para qualquer fim que seja, poiseles prezam pela sua vida e liberdade tanto como qualquer um de ns.

    Ciente disto uma pessoa vegana adota uma dieta vegetariana(de fato) eobservar as muitas outras formas de explorao animal na nossa sociedade, como ouso de couros, a comercializao de animais, rodeios, zoolgicos, etc. Estaobservao feita atravs do BOICOTE. Se o consumidor no compra, o criador nocria, o transportador no transporta e o abatedor no mata.

    6

  • Custos sade

    A humanidade poderia se ver livre de sete em cada dez doenas que apareceram nas ltimas dcadas, caso nosso apetite por produtos de origem animal no fosse to forte como hoje. Carnes de frango, porco, boi,peixes, laticnios e ovos esto entre os viles da sade segundo umnovo estudo publicado pelas Naes Unidas (ONU). O consumo deprodutos de origem animal pode trazer problemas diretos comodoenas cardiovasculares, diabetes, alguns tipos de cncer etc., mas ainda mais nocivo se pensarmos que toda a dieta baseada em grandesquantidades de protena de origem animal demanda quantidadesimensas de recursos naturais. Quando voc consome algum produtode origem animal, est prejudicando os animais, sua sade e a sadeda humanidade como um todo, colaborando para o surgimento dedoenas atravs da criao dos animais que deram origem ao produtoque voc consumiu. importante esclarecer que uma dieta plenamente vegetariana saudvel e vivel sob a perspectiva da prpria cincia. O ConselhoRegional de Nutricionistas em 20 de janeiro de 2012 fez um pareceroficial sobre a sua viabilidade. O Guia Alimentar para a PopulaoBrasileira na sua segunda edio(2014) reconheceu tambm aalimentao vegetariana como eficaz e saudvel. Entre 80 e 90 % de todos os cnceres, enfermidadescardiovasculares e outras doenas degenerativas podem serprevenidas, ao menos at uma idade mais avanada, simplesmenteadotando-se uma dieta de origem vegetal

    ( T. Colin Campbell, especialista em Nutrio, Bioqumica e Toxicologia, professor na Cornell University e no Massachutsets Institute of Technology; citado em Leche Que No Has de Beber, David Roman; Ediciones Mandala, 2003; p. 10 )

    referncia: http:// vistase.com.br/70-das-doencas-modernas-sao-de-origem-animal-e-grande-parte-delas-ligadas-a-pecuaria-afirma-onu-em-novo-relatorio/?barra_r7=true

    7

  • Custos ao Meio Ambiente Alm de ser ruim para os animais e para os humanos, a atividade da explorao animal totalmente nociva para o meio ambiente, suas fontes hdricas,solos e biomas de uma forma geral. Anualmente, so abatidos cerca de 60 bilhes de animais emmatadouros ao redor do mundo (FAO, Production; 2013; ). O sangue e as fezes destes animais contm altas cargasde antibiticos e fertilizantes que, em contato com micro bacias hidrogrficas e lenis freticos,contaminam a gua, impossibilitando a permanncia de seres aquticos e de outros que utilizam-na para consumo (animais humanos e no humanos). Alm disso, para serem produzidos um quilode carne bovina, so necessrios 16 mil litros de gua. Com diversas crises de abastecimento degua, vistas em diversas regies do Brasil e no mundo nestes ltimos anos, compreendemos que aatividade que mais consome gua potvel deveria ser tratada com mais seriedade pela sociedade epelos rgos pblicos. Esta mesma atividade tambm responsvel pela maior emisso de gases poluentes na atmosfera,

    muito mais que todosos veculos delocomoo terrestres, aquticos e areos unidos. Isso se deve ao fato de que, por emitirem o gs metano, que quatro vezes mais poluente que o gs carbnico, a criao de gado, sunos e aves contribui enormemente com o fenmeno do aquecimento global. No Brasil a rea total ocupada pelas pastagens de gado ultrapassa a 200 milhes de hectares. Esta rea equivalente a 7 pases europeus: Portugal, Espanha, Frana, Inglaterra, Alemanha, Sua e Itlia, ou a de 30 pases de reas menores, incluindo Portugal, Inglaterra, Dinamarca e Holanda. Somente a rea ocupada pelo gado bovino na Amaznia corresponde somade seis estados brasileiros: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paran, So Paulo, Rio de Janeiro e Esprito Santo.

    Referncia: INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS (IHU); Desmatamento Consequncia. Pecuria Bovina Causa; 18/10/2009; http://projeto.unisinos