Cariri Revista - Edição 2

Download Cariri Revista - Edição 2

Post on 23-Mar-2016

285 views

Category:

Documents

55 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Segunda Edio da Cariri Revista

TRANSCRIPT

  • CARIRI REVISTA 1

    caririRevistaO Mundo para o Cariri. O Cariri para o Mundo

    edio 02

    @caririrevista

    Suyane Moreira,a iracema descoberta pela Ford Models h onze anos, reencontrao Cariri da infncia e revela o que mais a emociona em sua terra

    Centenrio de Juazeiro do norte: como uma pequena aldeia se transformouna segunda maior cidade do Cear

    Nascido no Crato,

    Srvulo eSMeraldofaz exposio na Pinacotecade so Paulo e mostra por que considerado um dos maiores artistas do Brasil

  • 2 CARIRI REVISTA

  • CARIRI REVISTA 3

    www.new l and . c om .b r

    slog

    an

    RESPEITE A SINALIZAO DE TRNSITO.

    O mundo vai mesmo acabar em 2012. Pelo menos para os concorrentes.

    Corolla GLi 2012 com motor 1.8, ar-condicionado, trava, direo eltrica, computador de bordo, volante com comandos de som, entrada auxiliar e painel optitron na verso mecnica a partir de R$ 71.400,00 e na verso automtica a partir de R$ 75.400,00. RAV4 2011 verso 4x2 a partir de R$ 93.900,00. Fotos meramente ilustrativas.

    PAINEL OPTITRON ENTRADA AUXILIAR MOTOR 1.8 146CV DUAL VVT-i AR-CONDICIONADO DIGITAL E AUTOMTICO VOLANTE COM COMANDOS DE SOM COMPUTADOR DE BORDO DIREO ELTRICA

    AR-CONDICIONADO DUAL ZONE DIREO ELTRICA REVESTIDA EM COURO MOTOR 2.4 170CV TRANSMISSO AUTOMTICA PAINEL OPTITRON CD MP3 COM ENTRADA USB E AUXILIAR

    a partir de R$ 93.900,00

    a partir de R$ 71.400,00

    FORTALEZA - CE Newland Abolio - Av. Abolio, 5301 (85) 4008.6900 Newland W. Soares - Av. Washington Soares, 1550 (85) 4005.1400

    JUAZEIRO DO NORTE - CE Newland Juazeiro do Norte - Av. Padre Ccero, 2980 (88) 2101.3000TERESINA - PI Newland Teresina - Av. Raul Lopes, 2021 (86) 2106.1300

    BRASLIA - DF ST SHTQ Trecho 01 - Av. Comercial S/N Lotes 5 e 6 (61) 3577.9000

  • 4 CARIRI REVISTA

    Reservamos este espao para agradecer a todos que abraaram conosco o desafio de tornar a Cariri Re-vista realidade. Aos investidores que acreditaram em um projeto pioneiro na regio, aos colaboradores que enriqueceram o universo de informaes apresentado em nossas pginas, equipe editorial que com grande competncia, dedicao e sinergia levou ao mundo o Cariri e a voc, leitor, que recebeu com imenso entusias-mo e alegria nossa primeira edio.

    A Cariri Revista nasceu do desejo e da necessidade de conectar a prspera, rica e bela regio do Cariri a outros centros por meio de suas potencialidades: as vi-vas cores do surpreendente serto, o desenvolvimento acelerado de uma economia efervescente e um povo de conquistas. Nesta segunda edio, na seo Cariri Memria, apresentamos matria sobre o Centenrio de Juazeiro do Norte comemorado a 22 de julho ilustrada com fotos do rico arquivo do escritor e historiador Daniel Walker. Na nova seo, o Cariri dentro de mim, a mo-delo e atriz Suyane Moreira volta regio para relembrar seu passado antes de se projetar daqui para o mundo.

    Isabela Bezerra e Renato Fernandes

    #caririeditorial

    CaRo leitoR,

    Mostraremos a exuberante Chapada do Araripe atravs de um agradvel passeio pelo roteiro Piqu com Mel. Para os aventureiros, as pedaladas de bike com grupos noturnos em meio imensa vegetao uma tima dica.

    Conheceremos histrias do universo dos vinhos relacionadas ao Cariri e as novas fontes de energias sustentveis. Reveremos a histria da Expocrato, evento de importncia fundamental para o desenvol-vimento econmico da regio. Uma crnica da Rua So Pedro, corao do comrcio de Juazeiro, mostra curiosidades do cotidiano com belos flagrantes dos personagens que a habitam.

    Esta edio a continuidade de um comprometido projeto que tem como misso ser vitrine do Cariri e fo-mentar o crescimento da regio Sul do Cear.

    Bem vindos ao Cariri!

  • CARIRI REVISTA 5

    tweetsRecebi o exemplar: est belo, bem trabalhado, projeto grfico equilibra-do, texto bem escrito, pautas muito boas. Parabenizo-a por isso. Sou do Crato, morando em Fortaleza h 40 anos. Fico feliz que essa regio seja temtica e projeto de uma revista. Alis, seja o esprito editorial da re-vista. Desejo sucesso para vocs to-dos da Cariri. Fico por aqui com um forte abrao e minha admirao. Atenciosamente,Ronaldo salgado [Jornalista e professor do curso de Jornalismo da UFC]

    Parabenizo a toda a equipe responsvel pela exce-lncia de qualidade da edio 01 da CaRiRi Revis-ta, notadamente a apresentao grfica, a escolha dos assuntos e a correo da escrita dos conte-dos, resultando em um veculo de comunicao altura do atual estgio de desenvolvimento experi-mentado pela nossa querida regio. Cordialmente,Svio Leite Pereira [Juiz]

    Parabns pela bela iniciativa que valoriza nosso cariri.Dep. Roberto Claudio [Presidente da Assemblia Legislativa do Estado do Cear]

    Desejamos muito sucesso com a revista e parabe-nisamos-a pela iniciativa na certeza que realmente essa contribuir para o desenvolvimento da nossa regio. Com carinho,Haim Erel e Sophia [Cirurgio plstico e esposa]

    #caririconexo

    @xicosaXico S - Jornalista-escritor

    @caririrevista que beleza,rapazto aqui ja lendo a minha revista Cariri.

    @aparitoniaIns Aparecida - Jornalista

    Finalzinho de domingo, lendo @caririrevista. Matria c/ espedito seleiro no ponto: texto e fotos belssimos.

    @roberto_macielRoberto Maciel - Jornalista

    Recomendo a Cariri pra voc, @h_silvestre (Henrique silvestre), e pra quem mais goste de informao competente.

    @FalaPerdigaoAlberto Perdigo - Jornalista

    @caririrevista Recebi sua revista gostei muito. Parabns equipe, que assim honra o nossojornalismo.

    @DjaneNogueiraDjane Nogueira - Jornalista

    a revista linda e o contedo muito bom, pautas interessantes, textos timos e fotos idem.Parabns a todos os envolvidos.

    Envie sua mensagem para Cariri Revista pelo e-mail: contato@caririrevista.com.br ou pelo twitter: www.twitter.com/caririrevista.

  • 6 CARIRI REVISTA

    #edio o2

    MEMRIA

    DESENVOLVIMENTO

    36

    48

    EVENTO

    42

    CAPA DESTA EDIO Suyane MoreiraFOTO: Rafael Vilarouca

    EXPEDIENTE

    DIrETOrES Isabela BezerraRenato Fernandes

    EDITOrA-GErAL Tuty Osrio | tuty@caririrevista.com.br

    EDITOr DE ArTE Fernando Brito

    EDIO DE TEXTOS E rEDAOClaudia Albuquerque

    rEPOrTAGEM E rEDAO Raquel ParisSarah Coelho

    FOTOGrAFIARafael Vilarouca

    PubLICIDADE88 | 3085.1323 88 | 8855.3013contato@caririrevista.com.br

    rEDAOredao@caririrevista.com.br

    COLABORARAM NESTA EDIO

    Daniel WalkerKiko Bloc-BorisPaulo MachadoRaimundo ArajoYasmine MoraesRicardo SalmitoRoger PiresRoberto Barros (Art Beto)Jarbas OliveiraPaula OsrioAntnio Setembrino de M. e SouzaCamila Esmeraldo

  • ARTESpLSTICAS

    60

    CARIRI REVISTA 7

    CARIRIDENTRODE MIM

    LITERATURA

    TURISMO

    27

    68

    08

    CoNveRsa

    DesigN

    CaRiRiaNas

    1620

    75

    gastRoNoMia

    esPeCial

    saDe

    72

    5977

  • 8 CARIRI REVISTA

    tRilHas, Passeios De BiKee tURisMo No CoRao veRDeDo CaRiRi

    #caririturismo

    Quem vai querer andu?

    A pergunta, feita sob o sol do meio-dia, que banha de azul e aafro a pequena roa de macaxeira, jerimum, mandioca brava e batata doce, proferida por dona Mariquinha aos tu-

    ristas atentos, alguns deles totalmente ignorantes dos usos e delcias do andu, ou feijo-guandu, uma esp-cie de leguminosa arbustiva comum nessa regio.

    Tirando algumas vagens do p, dona Mariquinha, que nasceu Mariana, antiga moradora desse terreno fresco ensombrado por fruteiras, diz que os caroos raja-dinhos do andu so mesmo saborosos. Mais tarde, devi-damente cozidos e casados ao arroz, eles deslumbraro os visitantes esfaimados, que vo repartir pela primeira vez uma travessa copiosa de baio-de-dois com andu. Acrescido de pequi, como manda a etiqueta regional.

    Estamos no stio Lrio, distrito do Cajueiro, muni-cpio de Santana do Cariri, perdidos nas artrias re-frescantes da Chapada do Araripe, o imenso planalto verde que tonifica pedaos do Cear, Pernambuco e Piau. Aqui, entre ps de caju, graviola, manga, acerola, goiaba, jaca e outras branduras, dona Mariquinha vive da agricultura familiar e da produo de mel.

    O responsvel pelo apirio o genro Jos, casado com Cicinha, uma das filhas da casa. Sobrevoando as floradas do cip-uva, do jequiri, da pitomba, da cidrei-ra, do jatob e outras tantas, as abelhas da Chapada usufruem da fama de excelentes operrias. Tudo aqui melhor que no Sul, por causa do sol: as frutas, as fo-lhas, o mel..., diz o apicultor, sem hesitao.

    Apesar da presena de Jos, a casa que nos re-cebe uma casa de mulheres. Iracema e Ccera, a Ci-cinha, dividem com a me o zelo com a roa, a labuta

    ardente no fogo lenha, o capricho com o terreno sempre bem varrido, os cuidados com as galinhas e pequenos animais. Aqui os dias so longos, as noites geladas e o tempo desliza feito areia nos dedos, sem sobressalto. O dinheiro acompanha o ms, contadi-nho, desde que no se faam gastos extras.

    Este ano, porm, a casinha verde com altar cheio de santos e cadeiras na varanda est recebendo pela primeira vez os grupos que fazem turismo sustentvel, trazidos por uma agncia da regio. Fuando aqui e acol, os visitantes percorrem a roa, observam as plantas, apreciam a produo de mel, adentram a casa de farinha, conhecem o cemitrio da famlia, se ben-zem na capelinha ao lado, lavam as mos no pote frio de barro e provam o tempero inigualvel das mulheres da casa, para as quais no cessam de fazer perguntas.

    Quando a farinhada? E o mel de cip-uva? Como fazem a goma? O que puba?

    No incio da tarde, o almoo farto parece enco-mendado para o triplo de convidados: galinha caipira cozida e assada, carne de sol, baio-de-dois, batata doce, macarro com muito queijo. Todos avanam, mal mastigando, elogiando, repetindo uma vez, duas, trs, j esquecidos de que h pouco tempo se sentaram nessa mesma mesa com caf, ch, suco de goiaba, beiju, tapioca e bolo de puba tudo colhido e feito na casa. Enquanto um favo de mel escuro e viscoso cir-cula entre os forasteiros, Cicinha se emociona, olhos marejados: Espero que tenham gostado, tudo muito simples, mas estamos felizes.

    Por Claudia Albuquerque

  • CARIRI REVISTA 9

    Geografia, histria, arte, arquitetura, cultura, gastronomia, religiosidade, planejamento e organizao dos servios tursticos, alm de tcnicas de excursionismos, so alguns dos temas abordados no Curso Tcnico em Guia de Turismo oferecido pelo Senac em convnio com a Urca/Geopark. O curso comeou no Crato em 2010, com 30 alunos, e est dividido em dois grandes mdulos, que juntos somam 1.130 horas. O 1 mdulo termina em setembro deste ano, formando guias de Turismo Regional. O 2 se estende at meados de 2012, preparando guias de Turismo Nacional. Hoje, dos 30 alunos que passaram pela seleo, 26 prosseguem com entusiasmo. Um deles Henrique Feitosa Duarte Vale, 28 anos, o Henrique do Pontal, grande conhecedor das trilhas e belezas de Santana do Cariri, cidade onde vive e nasceu. Sou apaixonado por turismo e paleontologia, e acho que esse curso vai ser muito til para a regio.A coordenadora Luciana Lacerda concorda: Esperamos levar o turismo do Cariri para um novo patamar.

    JOVENS GUIAS, NOVOS TEMPOS

    RAFAEL VILAROUCA

  • 10 CARIRI REVISTA

    NOVAS POSSIbILIDADES DE APrECIAOO juazeirense Adalmiran Silva de Vasconcelos foi o mentor, junto com os irmos Andr e Adriano, desse roteiro que leva os visitantes para o corao da Cha-pada do Araripe, descortinando alguns dos seus se-gredos ao percorrer caminhos verdejantes numa van perfeitamente adaptada, com internet, bagageiro e gua gelada. O roteiro surgiu do desejo de Adalmiran, um jovem padre conhecedor das carncias locais, de oferecer assistncia ao povo da Chapada.

    A idia contribuir para o desenvolvimento sus-tentvel das comunidades, trazendo os visitantes para conhecer a vida das pessoas, e no apenas as paisa-gens. Claro que as casas que recebem os turistas so

    capacitadas. E o preo do passeio, que comea de manhzinha e vai at o fim da tarde, inclui as refeies, tipicamente caririenses, feitas por famlias como as de dona Mariquinha. Alm disso, os produtores podem vender mel e goma diretamente para os visitantes, que se encantam com essa zona de transio entre a mata atlntica e o cerrado, explica Adalmiran.

    Junto com os irmos, ele elaborou outros trajetos tursticos inclusive um religioso (que leva ao Mosteiro Beneditino Nossa Senhora das Vitrias) e uma city tour por Juazeiro (que inclui visita ao Horto, Memorial Padre Ccero, Centro de Artesanato Mestre Noza, Mercado Central e outros points obrigatrios). O mais verde e sustentvel, porm, o roteiro Pequi com o Mel, que

    percia na arte de fazer goma e farinha

    Igreja de Senhora Santana Simplicidade e acolhimento em cada canto

    D. Mariquinha em sua casa,no distrito do Cajueiro

    FOTOS: RAFAEL VILAROUCA

  • CARIRI REVISTA 11

    Do alto do Pontal de Santa Cruz se avista, pequenina e harmoniosa, a cidade de Santana do Cariri. O Pontal fica num paredo que se eleva a 750 metros de altitude, batido por ventos constantes. Quem chega, v logo uma cruz, e no entorno da cruz o mirante. Nesse exato ponto, estamos no topo da Chapada, a bem dizer, no teto do Cariri, uma das atraes locais. Abrindo-se para a paisagem verde, o mirante amparado por arenitos avermelhados, que o guia diz serem as rochas mais jovens do Araripe, com cerca de 100 milhes de anos. Tal qual esponjas, elas absorvem a gua da chuva, que se acumula no sop da escarpa, formando esplendorosas nascentes cristalinas.

    Alm do mirante e da cruz de vinte metros, o Pontal de Santa Cruz tem uma igreja e um restaurante. Com boa infraestrutura turstica, um dos geosstios que integram o Gerpark Araripe, onde outras reas de valor cientfico e cultural continuam sendo mapeadas. Para chegar a Santana do Cariri, descendo pelo Pontal, passa-se pelo povoado de Canco Velho o nome se deve a uma lenda segundo a qual todas as noites se ouviam ces (ou seriam demnios?) brigando no povoado, at que um dia ergueu-se a cruz que espantou as aparies e trouxe paz aldeia. Isso foi por volta de 1900. De l para c, o velho cruzeiro foi destrudo por raios duas vezes, sendo logo em seguida recuperado pelos fiis zelosos. A nova cruz de 2001 e convive em silncio com o antigo marco de devoo dos santanenses.

    PELEJAS SANGUINRIASVencendo o declive pontuado por casinhas coloridas, entra-se em Santana do Cariri, um pacato municpio de menos de 18 mil habitantes, hoje mais conhecido pelas riquezas paleontolgicas que pelo passado de lutas sangrentas. Porm, essas lutas existiram e marcaram o ncleo no comeo do sculo XX. Naqueles tempos, um dos manda-chuvas locais era o Coronel Felinto da Cruz Neves, vrias vezes intendente (ou prefeito) e inimigo figadal de Manoel Alexandre do Ipiranga.

    Homem riqussimo, este Manoel teve dois filhos, um deles assassinado por um cabra de Felinto, no fervor de uma peleja iniciada anos antes por motivos insignificantes, mas

    PONTAL DE SANTA CRUZE SANTANA DO CARIRI

    reabastecida dia aps dia pela fome de poder. Em 1936 o Coronel Felinto tambm acabou morto a tiros, no incio do seu sexto mandato como prefeito, na praa que hoje leva seu nome. A esposa Generosa assumiria o cargo, tornando-se a primeira mulher numa prefeitura do Cear. O casaro de Felinto e Generosa, em estilo neoclssico, foi erguido no final do sculo XIX e inaugurado em 1911. Hoje aberto a visitao, fica em frente praa onde morreu seu proprietrio.

    Portas de janelas reforadas, teto e assoalho de cedro, lustres franceses, um pequeno oratrio na sala de ja...