CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES COM TRATORES ?· treinamento na operação de tratores agrícolas, adoção…

Download CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES COM TRATORES ?· treinamento na operação de tratores agrícolas, adoção…

Post on 17-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Cincia Rural, Santa Maria, v.32, n.6, p.977-981, 2002ISSN 0103-8478

Recebido para publicao em 30.04.01. Aprovado em 30.02.02

977

CARACTERIZAO DOS ACIDENTES COM TRATORESAGRCOLAS

CHARACTERIZATION OF THE ACCIDENTS INVOLVINGAGRICULTURAL TRACTORS

Jos Fernando Schlosser1 Henrique Debiasi2

Geovano Parcianello3 Lisandro Rambo3

1Professor Titular, Doutor, Engenheiro Agrnomo, Departamento de Engenharia Rural, Centro de Cincias Rurais (CCR), UniversidadeFederal de Santa Maria (UFSM), Campus Universitrio, Camobi, 97105-900, Santa Maria, RS. E-mail: schlosse@ccr.ufsm.br. Autorpara correspondncia.

2Professor Substituto, Engenheiro Agrnomo, Departamento de Engenharia Rural, CCR, UFSM.3Engenheiro Agrnomo, Mestrando do Programa de Ps-graduao em Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

RESUMO

Em despeito sua importncia, poucas pesquisas vmsendo executadas com o intuito de caracterizar os acidentes detrabalho com tratores agrcolas, identificando sua natureza (tipo)bem como suas causas. O objetivo deste trabalho foi caracterizaros acidentes envolvendo tratores agrcolas ocorridos na regio daDepresso Central do Rio Grande do Sul e, a partir disto, delinearestratgias eficientes na sua preveno. Para o levantamento dosdados, foi aplicado um questionrio aos operadores de tratoresagrcolas da regio da Depresso Central do Rio Grande do Sul.Os dados demonstraram que 39% dos trabalhadores ruraisentrevistados j sofreram algum tipo de acidente de trabalho comtratores agrcolas. Dentre os tipos de acidentes com tratoresagrcolas detectados na pesquisa, destacam-se o capotamento, quecorrespondeu a 51,71% do total de acidentes graves, e osescorreges, que corresponderam a 40,82% dos acidentes leves. Asprincipais causas dos acidentes relatados foram a falta deconhecimento a respeito das medidas de segurana na operao detratores (32,77%), a falta de ateno (32,22%) para a tarefaexecutada e o equipamento inadequado (22,22%). Os acidentesgraves tiveram causas diferentes comparativamente aos leves.Operadores sem treinamento adequado, a no observao deregras bsicas de segurana e a longa jornada de trabalho sotendncias observadas neste trabalho que ampliam os riscos deocorrncia de acidentes. A incluso de dispositivos que tornem amquina mais segura e confortvel, bem como o treinamento dosoperadores de tratores agrcolas so prticas de importnciafundamental para a preveno dos acidentes com tratoresagrcolas.

Palavras-chave: tipos de acidentes, causas dos acidentes,preveno.

SUMMARY

Despite its importance, few researches have beencarried out characterizing work accidents involving agriculturaltractors. The objective of this work was to characterize theaccidents with agricultural tractors, to determine more efficientways to prevent them. A questionnaire was applied to an ample ofagricultural tractor operators from the Central Region of RioGrande do Sul State. Results showed that 39% of the agriculturaltractor operators analyzed had already suffered some kind ofaccident. The most frequent type of serious accidents was tractoroverturning which occurred in 51.71% of the cases. Slips werethe most important slight accident. The most important causes ofaccidents were lack of knowledge about safety procedures ontractor operation (32.77%), lack of attention (32.22%) to the taskcarried out and inadequate equipment (22.22%). There weregreat differences between the causes of serious and slightaccidents. Operators without adequate training, no observation ofsome important safety procedures and very long working daywere reported in this research, collaborating to increase theoccurrence of accidents. Finally, it is necessary to incorporateconfort and security devices, as well as training the agriculturaltractor operators, to prevent future accidents.

Key words: kind of accidents, causes of accidents, prevention.

INTRODUO

Uma das principais conseqncias damodernizao da agricultura brasileira foi asubstituio progressiva do trabalho manual pelotrabalho mecanizado. A introduo de instrumentos

Schlosser et al.

Cincia Rural, v. 32, n. 6, 2002.

978

e insumos modernos nas tarefas agrcolas ampliousignificativamente os tipos de acidentes de trabalhoa que esto sujeitos os trabalhadores rurais(RODRIGUES & DA SILVA, 1986). Se antes osacidentes de trabalho no meio rural estavam restritosbasicamente a quedas, ferimentos com ferramentasde trabalho (enxada, faco) e envenenamentoscausados por animais peonhentos, a manipulaode agrotxicos e a utilizao intensa de mquinasagrcolas ampliou consideravelmente os riscos a queesto sujeitos os trabalhadores rurais em seu trabalhodirio.

Segundo o artigo 131 do Decreto no

2.172, de 05 de maro de 1997, acidente de trabalhono meio rural o que ocorre na realizao dotrabalho rural, a servio do empregador, provocandoleso corporal, perturbao funcional ou doena quecause a morte ou reduo permanente ou temporriada capacidade para o trabalho. De uma maneirageral, conforme expem ZCCHIO (1971) eUNESP (1994), o acidente de trabalho no meio ruralpode ser considerado como sendo todo oacontecimento que no esteja programado e queinterrompa, por pouco ou muito tempo, a realizaode um servio, provocando perda de tempo, danosmateriais e/ou leso corporal. Neste sentido, oacidente considerado grave quando resulta noafastamento do trabalhador rural de sua atividadeprodutiva por um perodo igual ou superior a 15 dias(UNESP, 1994).

Dentre todos os acidentes de trabalho queocorrem no meio rural, merecem destaque os queenvolvem tratores agrcolas. Segundo MRQUEZ(1986), na Espanha e nos demais pases europeus,aproximadamente 40% do total de acidentesocorridos no setor agrrio envolvem mquinasagrcolas e, destes, metade so devido ao uso dotrator agrcola. Em uma pesquisa de caracterizaodos acidentes graves no trabalho rural, realizada noEstado de So Paulo, SILVA & FURLANI NETO(1999) concluram que o trator, a motosserra, asmquinas e os equipamentos agrcolas no definidosencontram-se envolvidos na maior parte dosacidentes graves ocorridos.

Os prejuzos econmicos e sociaisadvindos dos acidentes com tratores agrcolastambm so bastante elevados. Estes ocorrem tantoem termos de danos fsicos ao operador como emtermos financeiros, para o Estado, sociedade emgeral e para o prprio acidentado.

No que se refere aos danos fsicos aostrabalhadores, MRQUEZ (1986) explica que maisde 60% das mortes ocorridas em acidentes detrabalho no setor agrrio so conseqncia damecanizao agrcola. A gravidade dos acidentes

com tratores agrcolas confirmada por FIELD(2000), que, em trabalho realizado no Estado deIndiana, nos Estados Unidos da Amrica, encontroudados que demonstram que, entre 500 e 600 pessoasmorrem a cada ano naquele pas em funo deacidentes com tratores agrcolas e que a cada pessoamorta, outras 40, no mnimo, so feridas.

Em relao aos custos financeiros dosacidentes, MONK et al. (1986) expem que osgastos anuais com os acidentes de trabalho naagricultura para a economia britnica chegam cifrade 94 milhes de dlares por ano. Os dados obtidospor MRQUEZ (1990) reforam a magnitude doscustos dos acidentes. Segundo o referido autor, onus dos acidentes na Europa chega aaproximadamente 5 bilhes de dlares.

A caracterizao dos acidentes comtratores agrcolas reveste-se de grande importncia,porque diferentes tipos de acidentes (capotamento,quedas a distinto nvel, atropelamentos, entre outros)possuem causas e conseqncias especficas(MRQUEZ, 1986). Portanto, acidentes dediferentes tipos exigem prticas, na maioria dasvezes, especficas para a efetiva minimizao de seunvel de ocorrncia e gravidade. No que se refere scausas, ZCCHIO (1971), ALONO (1999) eCARDELLA (1999) definem dois grandes grupos decausas de acidentes de trabalho: atitudes inseguras econdies inseguras. O primeiro grupo relaciona-sediretamente s falhas humanas, enquanto o segundoengloba as limitaes inerentes maquina. Nestesentido, MRQUEZ (1990) indica que, na Espanha,84% dos acidentes com tratores agrcolas socausados por atitudes inseguras.

Assim, o objetivo deste trabalho foicaracterizar os acidentes envolvendo tratoresagrcolas na regio da Depresso Central do RioGrande do Sul, atravs da determinao de seustipos e causas predominantes, a fim de se obtersubsdios para delinear estratgias eficientes na suapreveno.

MATERIAL E MTODOS

O levantamento dos dados referentes aeste trabalho abrangeu uma amostra de 123operadores de tratores agrcolas pertencentes regio da Depresso Central do Estado do RioGrande do Sul. A amostragem foi do tipo aleatriasimples (SCHEAFFER et al., 1996). A determinaodo tamanho da amostra seguiu a metodologiaexposta por STORCK et al. (2000), atravs daexecuo de um levantamento piloto, que, no casodesta pesquisa, englobou 20 operadores. Atravsdeste levantamento piloto, foi obtido coeficiente de

Caracterizao dos acidentes com tratores agrcolas.

Cincia Rural, v. 32, n. 6, 2002.

979

variao (CV %) para cada varivel, o qual foi usadopara o clculo do tamanho da amostra:

N = t/22 x CV2 (1)

d2

onde:N = Nmero de elementos a serem amostrados;t/2 = valor tabelado da distribuio de t, com probabilidade de erro (5%) e GL = n-1 graus deliberdade, sendo n o nmero de elementosamostrados no levantamento piloto; CV =Coeficiente de variao, em %; d = Margem de erroem relao mdia (10%).

Posteriormente, foi escolhido o maiortamanho de amostra entre os calculados para cadavarivel. Assim, determinou-se que o tamanhomnimo da amostra deveria ser de 110 operadores.

A cada operador foi aplicado umquestionrio englobando perguntas que visavam deteco do envolvimento ou no do operador emalgum acidente com trator agrcola e, em caso deresposta afirmativa, caracterizao do acidentesofrido. As caractersticas dos acidentes avaliadasforam o tipo e as causas. Cabe destacar que o tipo deacidente corresponde forma como este ocorreu, aopasso que as causas constituem-se em atos econdies inseguras que propiciam a ocorrncia deacidentes (ZCCHIO, 1971; ALONO 1999 eCARDELLA 1999). Ainda, os acidentes foramseparados em graves ou leves, usando como critrioo tempo de afastamento do operador. O acidente foiconsiderado grave quando o tempo de afastamentodo trabalho foi superior a 15 dias.

Alm de dados a respeito dos acidentescom tratores agrcolas, foram reportadas, atravs domesmo questionrio, algumas caractersticasreferentes ao operador entrevistado, as quais influemna ocorrncia dos acidentes de trabalho com estetipo de mquina: participao em cursos detreinamento na operao de tratores agrcolas,adoo de procedimentos seguros (uso do cinto eproibio de caroneiros junto ao trator) e durao dajornada de trabalho, nas pocas de maior demandade trabalho, haja visto a sazonalidade das atividadeagrcolas.

Os questionrios foram elaborados comalternativas previamente definidas de resposta(questionrio fechado). A opo por este tipo dequestionrio justifica-se pela maior facilidade naorganizao e tabulao dos dados,comparativamente aos questionrios com perguntasabertas (sem alternativas previamente definidas).

A anlise dos dados obtidos neste trabalhofoi efetuada atravs da aplicao dos recursos daestatstica descritiva. Os dados reportados pelosquestionrios foram organizados e tabulados e,posteriormente, as freqncias absolutas foramtransformadas em freqncias relativas (%) edispostas em grficos para a apresentao dosresultados.

RESULTADOS E DISCUSSO

A primeira anlise refere-se ao grau deincidncia dos acidentes com tratores agrcolas.Segundo os dados obtidos neste trabalho, 39% dosoperadores entrevistados j haviam sofrido algumtipo de acidente, leve ou grave, com tratoresagrcolas. Estes dados reforam as conclusesobtidas por MRQUEZ (1986) e SILVA &FURLANI NETO (1999), que em seus trabalhosindicaram o trator agrcola como sendo a mquinaresponsvel por cerca de 20% acidentes de trabalhona agricultura.

Conforme apresentado na figura 1, naregio da Depresso Central do Rio Grande do Sul,o acidente grave de maior ocorrncia foi ocapotamento do trator, englobando 51,71% doscasos relatados. J no que se refere aos acidentesleves (Figura 2), o tipo mais freqente foram osescorreges, correspondendo a mais de 40% dosacidentes reportados. Verifica-se tambm que osacidentes leves e graves diferiram entre si no que serefere ao tipo. Apenas o contato com partes ativas damquina foi relatado tanto para os acidentes graves

Figura 1 Principais tipos de acidentes graves envolvendo trato-res agrcolas.

Schlosser et al.

Cincia Rural, v. 32, n. 6, 2002.

980

quanto para os leves. Assim, pode-se inferir que osacidentes leves e graves ocorrem de maneiradiferente e, portanto, exigem medidas de prevenoespecficas.

A determinao dos principais tipos deacidente graves e leves, conforme expostoanteriormente, torna possvel a deteco das causasdos mesmos. Conhecendo-se as causas, pode-seatuar no sentido de elimin-las, de forma a prevenireficientemente os acidentes com tratores agrcolas.As principais causas dos acidentes de trabalhoenvolvendo tratores agrcolas relatados pelosentrevistados so apresentadas na figura 3.

possvel agrupar as causas (Figura 3)segundo os dois grandes grupos de condicionantesde acidentes, ou seja, em atos inseguros e condiesinseguras (ZCCHIO, 1971; ALONO 1999 eCARDELLA 1999). Assim, verifica-se que a maiorparte dos acidentes (78,78%) so ocasionados poratos inseguros, o que obtido pela soma dasporcentagens das causas especficas falta de ateno,

cansao, falta de conhecimento, pressa eembriaguez. Dados semelhantes foram obtidos porMRQUEZ (1990). Por outro lado, apenas 22,22%dos acidentes relatados na pesquisa so creditados alimitaes relacionadas ao equipamento (trator).Entretanto, imprescindvel ter em mente ainterao entre as causas dos acidentes. ConformeWITNEY (1988), a falta de ateno e o cansao, queresultam em atos inseguros, tm sua gnese tambmexplicada pela ao indireta do trator que, devido aproblemas em suas caractersticas ergonmicas(conforto), pode resultar no aumento da fadiga dooperador.

A falta de conhecimento, apontada comouma das principais causas dos acidentes, pode serexplicada pelo fato de a maior parte dos operadores(60,74%) no terem freqentado algum curso deoperao de tratores agrcolas, que desse nfase,alm dos aspectos de produtividade do trabalho, segurana. Um exemplo tpico da falta deconhecimento em relao preveno dos acidentescom tratores agrcolas a elevada porcentagem(66,34%) de operadores que permitem que pessoasandem de carona no trator. Esta atitude poderesultar em quedas de pessoas com o trator emmovimento, um dos principais tipos de acidentesgraves, conforme foi explicado anteriormente.

Outro produto da falta de conhecimento e,tambm, da falta de condies de segurana nostratores agrcolas atualmente em uso no Brasilrefere-se ao cinto de segurana. Os dados obtidosapontam que 61,11% dos tratores em uso na regiode abrangncia desta pesquisa no possuem cinto desegurana. Com relao aos tratores que possuemcinto de segurana, em cerca de 69% dos casos osoperadores no o usam. Cabe salientar que apresena e uso do cinto de segurana requisitoobrigatrio para o trfego dos tratores agrcolas emrodovias, segundo o Captulo IX, Seo I, artigo 96do Cdigo de Trnsito Brasileiro (Lei 9.503, de 23de setembro de 1997). Alm disso, os dados obtidosmostram que, muitas vezes, os tratores soequipados com estruturas de proteo contracapotamento, mas o operador no usa o cinto, deforma que sua eficincia praticamente anulada.

A falta de ateno outra importantecausa dos acidentes com tratores agrcolas. Esta tmsua origem em funo, dentre outros fatores, daoperao de tratores ergonomicamente malprojetados e de aspectos ligados jornada detrabalho, que podem aumentar de maneirasubstancial o nvel de fadiga ao qual o operadorencontra-se submetido. Isto resulta numa diminuiode sua capacidade de concentrao, o que poderesultar em acidentes (WITNEY, 1988). Pde-se

Figura 2 Principais tipos de acidentes leves envolvendo tratoresagrcolas.

Figura 3 Principais causas dos acidentes com tratores agrcolas.

Caracterizao dos acidentes com tratores agrcolas.

Cincia Rural, v. 32, n. 6, 2002.

981

observar que 67,65% dos operadores entrevistadostm uma jornada de trabalho superior a 8 horasdurante os perodos de maior demanda de trabalho,que correspondem, normalmente, s pocas depreparo do solo, semeadura ou colheita. Portanto, alonga jornada de trabalho em determinados perodospode explicar, em grande parte, o elevado nmero deacidentes observados na regio.

Na figura 3 so apresentadas as principaiscausas dos acidentes em geral, ou seja, considerandoconjuntamente os acidentes graves e leves. Porm,verifica-se que os acidentes graves e leves diferementre si com relao s suas causas. O equipamentoinadequado, segundo os dados obtidos na regio daDepresso Central, parece ser a principal causa diretados acidentes leves, sendo responsvel por 54% dosreferidos acidentes, conforme demonstrado na tabela1. Isto justificado em funo de que os acidentesleves, via de regra, ocorrem devido a detalhesinadequados das mquinas, como por exemplo, apresena de superfcies contundentes e a inexistnciade superfcies antiderrapantes. J no que se refere aosacidentes graves, a principal causa direta apontada foi afalta de ateno, sendo responsvel poraproximadamente 40% dos acidentes. Entretanto, nocaso dos acidentes graves, o equipamento inadequadoinfluiu indiretamente, pois mquinas ergonomicamentemal projetadas colaboram para um aumento do cansaodo operador e, em conseqncia, diminuem acapacidade de concentrao. A segunda principalcausa, para ambos os acidentes, a falta deconhecimento, embora este item seja mais importanteno caso dos acidentes graves. Assim, pode-se deduzirque a preveno dos acidentes com tratores agrcolasdeve-se centrar, basicamente, no oferecimento decursos de treinamento aos operadores, bem como noprojeto de mquinas ergonomicamente corretas eseguras, o que poder resultar numa drstica reduo daocorrncia de acidentes, tanto leves quanto graves.

CONCLUSO

Os acidentes com tratores agrcolasgraves e leves diferiram entre si no que se refere aotipo e as causas. Para os mais graves, o tipo maisfreqente o capotamento, sendo causadosnormalmente pela falta de conhecimento em relaos regras de segurana e pela falta de ateno natarefa que est sendo executada. Para os acidentesleves, o tipo mais comum foram os escorreges,sendo causados na maioria das vezes por limitaesinerentes ao equipamento.

A incluso de dispositivos que tornem otrator mais confortvel e seguro, o treinamento dosoperadores e a reduo da jornada de trabalho soestratgias necessrias reduo da incidncia deacidentes com este tipo de mquina.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

ALONO, A. dos S. Noes de segurana e operao de tratores.In: REIS, A.V. dos, MACHADO, A.L.T., TILLMANN, C.A.da C., et al. Motores, tratores, combustveis elubrificantes. Pelotas : Universitria, 1999. Cap.4, p.221-230.

CARDELLA, B. Segurana no trabalho e preveno deacidentes: uma abordagem holstica: segurana integrada misso organizacional com produtividade, qualidade,preservao ambiental e desenvolvimento de pessoas. SoPaulo : Atlas, 1999. 254p.

FIELD, B. Safety with farm tractors. Indiana : CooperativeExtension Service, Purdue University, 2000. 10p. (Bulletin S-56).

MRQUEZ, L. Maquinaria agrcola y seguridad vial. BoletimSalud y Trabajo, Madrid, n.56, 6p. 1986.

MRQUEZ, L. Solo tractor90. Madrid: Laboreo, 1990.Cap.4: Ergonoma y seguridad en los tractores agrcolas:p.146-207.

MONK, A.S., MORGAN, D.D.V., MORRIS, J., et al. The costof accidents in agriculture. Journal of AgriculturalEngeneering Research, Silsoe, v.33, p.245-257, 1986.

RODRIGUES, V.L.G.S., DA SILVA, J.G. Acidentes de trabalhoe modernizao da agricultura brasileira. Revista Brasileirade Sade Ocupacional, v.14, n.56, p.28-39, 1986.

SCHEAFFER, R.L., MENDENHALL III, W., Ott, L.Elementary survey sampling. 5. ed. USA : IPT, 1996.p.126-195.

SILVA, J.R., FURLANI NETO, V.L. Acidentes graves notrabalho rural: II Caracterizao. In: CONGRESSOBRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRCOLA, 28, 1999,Pelotas, RS. Anais.... Pelotas : Sociedade Brasileira deEngenharia Agrcola, 1999. CD-Room.

STORCK, L.; LOPES, S.J.; LCIO, A.D. Introduo experimentao. Santa Maria : UFSM, 2000. 49p.

UNESP. Preveno e controle de riscos em mquinas. Bauru:Faculdade de Engenharia e Tecnologia, 1994. 165p. Apostila.

ZCCHIO, A. Prtica da preveno de acidentes: ABC dasegurana do trabalho. 2. ed. So Paulo : Atlas, 1971. 173p.

WITNEY, B. Choosing and using farm machines. Harlow :Longman Scientific and technical, 1998. p.28-94.

Tabela 1 Causa dos acidentes graves e leves com tratoresagrcolas (valores em portagem).

Tipo de acidenteCausas

Graves Leves

Falta de ateno 40,80 12,10Pressa 14,80 06,60Cansao 00,00 9,10Equipamento inadequado 14,80 54,00Falta de conhecimento 18,50 15,20Embriaguez 03,70 00,00Outros 07,40 03,00

Total 100,0 100,0