capÍtulo 3.3 disposiÇÕes especiais aplicÁveis a uma ...· capÍtulo 3.3 disposiÇÕes especiais

Download CAPÍTULO 3.3 DISPOSIÇÕES ESPECIAIS APLICÁVEIS A UMA ...· CAPÍTULO 3.3 DISPOSIÇÕES ESPECIAIS

Post on 09-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CAPTULO 3.3

    DISPOSIES ESPECIAIS APLICVEIS A UMA MATRIA

    OU A UM OBJECTO PARTICULARES 3.3.1 Encontram-se no presente captulo as disposies especiais (DE) correspondentes aos nmeros

    indicados na coluna (6) do quadro A do captulo 3.2 relativamente s matrias ou objectos aos quais essas disposies se aplicam.

    16 Amostras de matrias ou objectos explosivos novos ou existentes podem ser transportadas

    em conformidade com as instrues das autoridades competentes (ver 2.2.1.1.3), para fins de, entre outros, ensaio, classificao, investigao e desenvolvimento, controle de qualidade ou enquanto amostras comerciais. A massa de amostras explosivas no molhadas ou no dessensibilizadas limitada a 10 kg em pequenos volumes, segundo as prescries das autoridades competentes. A massa de amostras explosivas molhadas ou dessensibilizadas limitada a 25 kg.

    23 Esta matria apresenta um risco de inflamabilidade, mas este ltimo s se manifesta em

    caso de incndio muito violento num espao confinado. 32 Esta matria no est submetida s prescries do RPE sempre que se encontrar sob

    qualquer outra forma. 37 Esta matria no est submetida s prescries do RPE sempre que se encontrar revestida.

    38 Esta matria no est submetida s prescries do RPE sempre que contiver no mximo 0,1 % de carboneto de clcio.

    39 Esta matria no est submetida s prescries do RPE sempre que contiver menos de

    30 % ou pelo menos 90 % de silcio.

    43 Sempre que se apresentarem a transporte como pesticidas, estas matrias devem ser transportadas a coberto da rubrica pesticida pertinente e em conformidade com as disposies relativas aos pesticidas que forem aplicveis (ver 2.2.61.1.10 a 2.2.61.1.11.2).

    45 Os sulfuretos e os xidos de antimnio que contenham no mximo 0,5 % de arsnico em

    relao massa total no esto submetidos s prescries do RPE. 47 Os ferricianetos e os ferrocianetos no esto submetidos s prescries do RPE. 48 Esta matria no admitida ao transporte sempre que contiver mais de 20 % de cido

    ciandrico. 59 Estas matrias no esto submetidas s prescries do RPE sempre que no contenham

    mais de 50 % de magnsio. 60 Esta matria no admitida ao transporte se a concentrao exceder 72 %. 61 O nome tcnico que deve completar a designao oficial de transporte deve ser o nome

    comum aprovado pela ISO (ver tambm ISO 1750:1981 "Produtos fitosanitrios e assimilados - Nomes comuns" modificada), figurando os outros nomes em "The WHO Recommended Classification of Pesticides by Hazard and Guidelines to Classification" ou o nome da substncia activa (ver tambm 3.1.2.8.1. e 3.1.2.8.1.1).

    - 629 -

  • 62 Esta matria no est submetida s prescries do RPE sempre que no contiver mais de

    4 % de hidrxido de sdio. 65 As solues aquosas de perxido de hidrognio contendo menos de 8 % desta matria no

    esto submetidas s prescries do RPE. 103 O transporte de nitritos de amnio e de misturas contendo um nitrito inorgnico e um sal

    de amnio proibido. 105 A nitrocelulose correspondente s descries dos Ns ONU 2556 ou 2557 pode ser

    afectada classe 4.1. 113 O transporte das misturas quimicamente instveis proibido. 119 As mquinas frigorficas compreendem as mquinas ou outros aparelhos concebidos

    especificamente para guardar alimentos ou outros produtos a baixa temperatura, num compartimento interno, bem como as unidades de condicionamento de ar. As mquinas frigorficas e os elementos de mquinas frigorficas no esto submetidos s prescries do RPE se contiverem menos de 12 kg de um gs da classe 2, grupo A ou O segundo 2.2.2.1.3, ou menos de 12 l de soluo de amonaco (N ONU 2672).

    122 Os riscos subsidirios, e, se for o caso, a temperatura de regulao e a temperatura crtica,

    bem como os nmeros ONU (rubricas genricas) para cada uma das preparaes de perxidos orgnicos j afectadas so indicados no 2.2.52.4.

    127 Podem ser utilizadas outras matrias inertes ou outras misturas de matrias inertes, desde

    que estas matrias inertes tenham propriedades fleumatizantes idnticas. 131 A matria fleumatizada deve ser nitidamente menos sensvel que o PETN seco. 135 O sal de sdio dihidratado do cido dicloroisocianrico no est submetido s prescries

    do RPE. 138 O cianeto de p-bromobenzilo no est submetido s prescries do RPE. 141 Os produtos que, tendo sofrido um tratamento trmico suficiente, no representam

    qualquer perigo durante o transporte, no esto submetidos s prescries do RPE. 142 A farinha de gros de soja que tenha sofrido um tratamento de extraco por solvente,

    contendo no mximo 1,5 % de leo e tendo no mximo 11 % de humidade, e que no contenha praticamente solvente inflamvel, no est submetida s prescries do RPE.

    144 Uma soluo aquosa que no contenha mais de 24 % de lcool (volume) no est

    submetida s prescries do RPE. 145 As bebidas alcolicas do grupo de embalagem III, sempre que forem transportadas em

    recipientes cuja capacidade no exceda 250 l, no esto submetidas s prescries do RPE.

    152 A classificao desta matria varia em funo da granulometria e da embalagem, mas os

    valores limites no foram determinados experimentalmente. As classificaes apropriadas devem ser efectuadas em conformidade com o 2.2.1.

    153 Esta rubrica s aplicvel se tiver sido demonstrado por ensaios que estas matrias, em

    contacto com a gua, no so combustveis, que no apresentam tendncia inflamao espontnea e que a mistura de gases emanados no inflamvel.

    - 630 -

  • 162 Para as misturas com ponto de inflamao que no exceda 61C, necessria uma

    etiqueta de perigo em conformidade com o modelo N 3. 163 Uma matria mencionada pelo nome no quadro A do captulo 3.2 no deve ser

    transportada a coberto desta rubrica. As matrias transportadas a coberto desta rubrica podem conter at 20 % de nitrocelulose, na condio de que a nitrocelulose no contenha mais de 12,6 % de azoto (massa seca).

    168 O amianto imerso, ou fixado num ligante natural ou artificial (cimento, matria plstica,

    asfalto, resina, mineral, etc.), de tal maneira que no possa haver libertao em quantidades perigosas de fibras de amianto respirveis durante o transporte, no est submetido s prescries do RPE. Contudo, os objectos manufacturados contendo amianto, que no satisfaam esta disposio, no esto submetidos s prescries do RPE para o transporte, se estiverem embalados de tal maneira que no possa haver libertao em quantidades perigosas de fibras de amianto respirveis durante o transporte.

    169 O anidrido ftlico no estado slido e os anidridos tetrahidroftlicos que no contenham

    mais de 0,05 % de anidrido maleico, no esto submetidos s prescries do RPE. O anidrido ftlico fundido a uma temperatura superior ao seu ponto de inflamao, no contendo mais de 0,05 % de anidrido maleico, deve ser afectado ao N ONU 3256.

    172 Para as matrias radioactivas que apresentam um risco subsidirio:

    a) os volumes devem ser etiquetados com as etiquetas correspondentes a cada risco

    subsidirio apresentado pelas matrias; devem ser colocadas nos veculos ou contentores as placas-etiquetas correspondentes, em conformidade com as disposies pertinentes do 5.3.1;

    b) as matrias devem ser afectadas aos grupos de embalagem I, II ou III, conforme o

    caso, em conformidade com os critrios de classificao por grupo enunciados na parte 2 correspondente natureza do risco subsidirio preponderante.

    A descrio prescrita no 5.4.1.2.5.1 b) deve incluir uma meno a estes riscos

    subsidirios (por exemplo : "Risco subsidirio: 3, 6.1"), o nome dos componentes que contribuem de maneira preponderante para este(s) risco(s) subsidirio(s) e, se for o caso, o grupo de embalagem.

    177 O sulfato de brio no est submetido s prescries do RPE. 178 Esta designao s deve ser utilizada quando no existir outra designao apropriada no

    quadro A do captulo 3.2, e unicamente com a aprovao da autoridade competente do pas de origem (ver 2.2.1.1.3).

    181 Os volumes contendo esta matria devem ter uma etiqueta modelo N1, a menos que a

    autoridade competente do pas de origem conceda uma derrogao para uma embalagem especfica, por considerar que, de acordo com os resultados de ensaio, a matria nesta embalagem no tem um comportamento explosivo (ver 5.2.2.1.9).

    182 O grupo dos metais alcalinos compreende o ltio, o sdio, o potssio, o rubdio e o csio. 183 O grupo dos metais alcalino-terrosos compreende o magnsio, o clcio, o estrncio e o

    brio. 186 Para determinar o teor de nitrato de amnio, todos os ies nitrato para os quais existe na

    mistura um equivalente molecular de ies de amnio devem ser calculados enquanto massa de nitrato de amnio.

    - 631 -

  • 188 As pilhas e baterias de ltio apresentadas a transporte no esto submetidas s outras

    prescries do RPE se satisfizerem as disposies a seguir enunciadas:

    a) Para uma pilha de ltio metal ou de liga de ltio, a quantidade de ltio no superior a 1 g, e para uma pilha de ltio inico, a quantidade equivalente de ltio no superior a 1,5 g;

    b) Para uma bateria de ltio metal ou de liga de ltio, a quantidade total de ltio no

    superior a 2 g, e para as baterias de ltio inico, a quantidade equivalente total de ltio no superior a 8 g;

    c) Tenha sido demonstrado que o tipo de cada pilha ou bateria de ltio satisfaz as

    prescries de cada ensaio da subseco 38.3 da terceira parte do Manual de Ensaios e de Critrios;

    d) As pilhas e as baterias esto isoladas de maneira a impedir qualquer curto-circuito

    e esto colocadas em embalagens robustas, a no ser que estejam montadas em equipamentos; e

    e) A no ser que se encontrem montadas em equipamentos, cada volume que

    contenha mais de 24 pilhas ou 12 baterias de ltio, deve t

Recommended

View more >